Edição digital
Assine já
PUB
Destinos

Líderes do G20 destacam papel do turismo no desenvolvimento sustentável

O papel fundamental do turismo na promoção do desenvolvimento social e económico sustentável foi destacado na Declaração dos Líderes do G20 em Nova Deli.

Publituris
Destinos

Líderes do G20 destacam papel do turismo no desenvolvimento sustentável

O papel fundamental do turismo na promoção do desenvolvimento social e económico sustentável foi destacado na Declaração dos Líderes do G20 em Nova Deli.

Publituris
Sobre o autor
Publituris
Artigos relacionados
SUTUS by Les Roches debate turismo espacial e subaquático
Agenda
Azul aumenta oferta para a final da Copa Sul-Americana de 2023
Aviação
Prime da eDreams ODIGEO ultrapassa os 5 milhões de membros
Tecnologia
Vila Galé aposta em Espanha com hotel em Isla Canela
Destinos

A reunião das economias do G20, que decorreua em Nova Deli, Índia, reconheceu a “oportunidade de construir um futuro melhor [através de] modelos de desenvolvimento que implementem transições sustentáveis, inclusivas e justas a nível global, sem deixar ninguém para trás”.

As discussões de alto nível terminaram, ao final de dois dias de trabalhos, com o lançamento da Declaração dos Líderes, um conjunto de objetivos acordados para promover o desenvolvimento e a prosperidade, onde o turismo é reconhecido pela sua capacidade de impulsionar a concretização dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável.

O Secretário-Geral da OMT, Zurab Pololikashvili, confirma que “os países do G20 representam mais de 70% do turismo mundial, por isso, a sua liderança na transformação do sector é decisiva”.

Em 2022, o G20 acolheu 74% dos turistas internacionais e 73% das exportações de turismo em todo o mundo. Em 2019, antes da pandemia de COVID-19, o PIB do Turismo atingiu 3,7% das economias do G20.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Artigos relacionados
PUB
Emprego e Formação

Ano letivo nas Escolas de Hotelaria e Turismo arrancam com quase 3 mil alunos

O Turismo de Portugal assinalou o Dia Mundial do Turismo com o início oficial do ano letivo nas Escolas de Hotelaria e Turismo. As aulas arrancaram com cerca de três mil alunos.

Para assinalar este momento, o secretário de Estado do Turismo, Comércio e Serviços, Nuno Fazenda, visitou a Escola de Faro, para uma aula inaugural.

Este ano, perto de três mil alunos vão iniciar o seu percurso de formação em turismo nas Escolas do Turismo de Portugal, distribuídos por 12 cursos lecionados em português e quatro em inglês, nas áreas de Cozinha, Pastelaria, Padaria, Restauração e Bebidas, Hotelaria/Alojamento, Informação e Animação Turística.

Em 2022-2023, um total de 2.182 alunos frequentaram a Rede de Escolas na formação inicial. Para o ano letivo 2023-2024, foram registadas 2.916 candidaturas no Regime Geral e 862 candidatos internacionais no Regime Especial de Acesso e Ingresso de Estudantes Internacionais, o que representa aumentos de 22% e 52%, respetivamente, face ao ano letivo anterior.

Refira-se que a formação profissional é uma das apostas do Turismo de Portugal na valorização da profissão, desempenhando um papel essencial na resposta à necessidade de trabalhadores no setor. “A procura por estratégias para atração e retenção de talentos é, por isso, um foco constante, tanto nas escolas como nas empresas do turismo”, destaca o Turismo de Portugal em nota de imprensa.

Carlos Abade, presidente do Turismo de Portugal, sublinha que “assumimos a convicção de que mais educação e formação são o caminho para uma melhor integração no mercado de trabalho, num setor onde 94% dos alunos conseguem uma integração imediata no mercado de trabalho ou reforçam a sua formação”.

A par disto, assegura Carlos Abade, “continuamos a apostar em perspectivas de carreira mais atrativas e na defesa de remunerações e condições de trabalho de qualidade.”

O comunicado refere ainda que, em 2023, face ao ano anterior, a remuneração bruta mensal por trabalhador neste ramo de atividade aumentou 6%. Citando informação da Declaração Mensal de Remunerações transmitida pelas empresas à Segurança Social e da Relação Contributiva dos subscritores da Caixa Geral de Aposentações, o Turismo de Portugal lembra que, este ano, o aumento na atividade de Alojamento e Restauração foi de 5,6%, superior à média da economia que ficou pelos 2,9%.

Da mesma forma, considera que a promoção do crescimento das qualificações, da atratividade das profissões e do número de profissionais de turismo é também o grande propósito da Agenda para as Profissões do Turismo, uma iniciativa do Governo composta por diversas medidas que já se encontram em curso.

As 12 Escolas de Hotelaria e Turismo, espalhadas de norte a sul de Portugal, têm capacidade para acolher cerca de quatro mil alunos em formação inicial, e estão preparadas para formar profissionais em diversas áreas operacionais e de gestão, respondendo às necessidades do mercado, dada a oferta formativa ampla e diversificada que promovem.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Meeting Industry

Rio de Janeiro oferece quase 6M€ para Abav Expo não sair da cidade

O presidente da Câmara do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, comprometeu-se, durante a cerimónia de abertura da Abav Expo 2023, que teve lugar esta quarta-feira, dia 27 de setembro, a investir para que o evento permaneça na cidade.

“Quero agradecer principalmente à Abav por trazer de volta esta feira tão importante para o turismo ao Rio de Janeiro, dez anos depois. Conversei com Magda Nassar e questionei-a, sem os patrocínios, quanto custa a produção total da Abav Expo para sua produção total. A presidente respondeu que a feira custa 30 milhões de reais para ser produzida. Então, faço aqui um compromisso e convite para que a Abav permaneça no Rio de Janeiro nos próximos anos, e a autarquia oferece o patrocínio de 30 milhões de reais para a realização da feira”, disse Eduardo Paes.

Este pedido da cidade do Rio de Janeiro foi feito antes da presidente da Abav Nacional, Magda Nassar, anunciar os dois próximos destinos que receberão a Abav Expo em 2024 e 2025.

A 50ª edição deste evento, considerado o maior da América Latina, é promovido pela Associação Brasileira de Agências de Viagens, que está prestes a completar 70 anos. Feira Abav Expo decorre até esta sexta-feira no Riocentro, na “Cidade Maravilhosa”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

Portugal voltou a ser o segundo mercado para a Transavia no pico do verão

Em Lisboa a propósito do World Aviation Festival, Nicolas Henin, vice-presidente da Transavia France, falou com o Publituris e fez um balanço positivo do último verão em Portugal, revelando que o mercado nacional continua a ser dos mais importantes para a companhia aérea de baixo custo do grupo Air France/KLM.

A Transavia volta a fazer um balanço positivo do verão em Portugal e, segundo Nicolas Henin, vice-presidente da Transavia France, Portugal voltou a ser um dos “principais mercados” para a companhia aérea de baixo custo do grupo Air France/KLM, que registou níveis de ocupação semelhantes aos do período pré-pandemia.

“De uma forma geral, tivemos um verão muito bom. Vemos que os viajantes estão realmente de regresso e tivemos níveis de ocupação similares aos do período pré-COVID-19, ou seja, em volta dos 90% de load factor ao longo de todo o verão”, disse o responsável ao Publituris.

Segundo Nicolas Henin, que esteve em Lisboa a propósito do World Aviation Festival, que decorreu até esta quinta-feira, 28 de setembro, na FIL, “no ano passado, Portugal tinha sido o segundo mercado para a Transavia durante o pico do verão e, este ano, continuo a ser assim”.

“Espanha deverá ser o principal mercado para a Transavia França e Países Baixos, e, depois, vem Portugal. Penso que, do lado francês, Portugal é mesmo o maior mercado em termos de lugares, nomeadamente na rota entre o Porto e Paris. Portugal tem sido, desde sempre, um dos mercados chave para a companhia aérea e, apesar de termos crescido muito, continuamos a ver que o tráfego é muito forte e que Portugal continua a ser um dos nossos principais mercados na Europa. Estamos muito contentes com os resultados em Portugal”, congratulou-se Nicolas Henin.

Além de Portugal, a Transavia está satisfeita com a procura registada a nível global durante o período de verão, com o vice-presidente da Transavia France a revelar que a companhia aérea “teve um verão muito bom” e que, nos meses de pico, concretamente em julho e agosto, transportou “mais 20% de passageiros face ao ano anterior”.

“Vemos que a procura voltou ao normal, as pessoas estão a viajar e isso representa um grande sucesso para nós”, acrescentou Nicolas Henin, que se mostra também confiante relativamente à temporada de inverno, até porque a companhia aérea continuou a assistir a uma “procura muito forte” imediatamente após o verão.

Segundo Nicolas Henin, em setembro, o load factor da Transavia continuou em torno dos 90%, com a companhia aérea a registar já “uma procura forte para o inverno”.

“A procura para o inverno continua a ser forte. Nestes meses pós-verão de setembro e outubro, vimos que a procura continuou muito forte e que o pico do verão se tem vindo a estender para os meses seguintes. Por isso, em setembro, acabámos por ter também um load factor em torno dos 90% nos nossos voos e vemos que continua a haver uma procura forte para o inverno, as pessoas já estão a reservar para os meses de novembro ou dezembro e, até ao momento, não vemos um abrandamento”, explicou o responsável.

 

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Agenda

Publituris Hotelaria e Construir organizam Hotels & Architects Suppliers a 3 de outubro

A revista PUBLITURIS HOTELARIA e o jornal CONSTRUIR e revista Traço (ambas publicações do grupo WORKMEDIA) organizam no próximo dia 3 de outubro, no Hotel Mélia Aeroporto, o Hotels | Architects | Suppliers (HAS). Marcarão presença 45 empresas fornecedoras. 

A revista PUBLITURIS HOTELARIA e o jornal CONSTRUIR e revista TRAÇO (publicações do grupo WORKMEDIA) alargaram o âmbito do Hotels & Suppliers, com a 7.ª edição a englobar a arquitetura, passando, assim, a denominar-se Hotels | Architects | Suppliers (HAS).

Neste evento, a realizar no dia 3 de outubro (terça-feira) no Hotel Mélia Aeroporto, a PUBLITURIS HOTELARIA e o jornal CONSTRUIR e revista Traço pretendem, por um lado, juntar os setores da arquitectura e hotelaria, que se interligam em vários momentos, e por outro, possibilitar o encontro entre equipas de compras e operação, destes setores, e as empresas fornecedoras em Portugal.

Durante este evento são promovidas reuniões ‘one-to-one’ entre os hoteleiros e os representantes de várias marcas e produtos com o intuito de criar parcerias, apresentar serviços e soluções e alargar a rede de networking.

Nesta 7.ª edição do agora Hotels | Architects | Suppliers (HAS), marcarão presença 45 empresas fornecedoras:

Jung
Saint-Gobain
Laser Build
Danosa
Sika
Morgado & Ca
Delabie
Otis
Interfer
Revigrés
SCP Pool
Systemair
Heliroma
Investwood
DK Flooring
House Frame
France Air
J. Pinto Leitão
Azulima
VM Zinc
Soprema
Aron Light
Oli
Galécia
Lusomatec
Tons de Pedra
Grohe
Grupo GM
Ledvance
Intergrau
Roca
ODD
Miele
Jacobs Douwe Egberts
Bindopor
Gergran|Délifrance
Comopi|Unissima
NSContract
Fagor Professional
Epoca
Listor|Pantim
Dinamic
Laskasas
La Redoute
Serlima

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Coimbra tem novo plano estratégico para o desenvolvimento do turismo para os próximos 3 anos

A Câmara Municipal de Coimbra acaba de apresentar o plano seu estratégico para o desenvolvimento do turismo que integra 70 ações que devem ser executadas nos próximos três anos e propõe uma série de medidas estratégicas para reafirmar a marca de Coimbra.

A sessão teve lugar no Convento de São Francisco e contou com a intervenção de Francisco Veiga, vice-presidente da Câmara Municipal de Coimbra e de Ana Moita Francisco, consultora externa que presta apoio à Divisão de Turismo do município. José Manuel Silva, presidente da CMC encerrou os trabalhos, que decorreram no Dia Mundial do Turismo, integrados na Coimbra Invest Summit.

Um dos grandes objetivos deste novo plano passa por “consolidar e reafirmar Coimbra como destino turístico atrativo e inovador, no contexto nacional e internacional”, indica o documento, reforçando a notoriedade do destino, descentralizando a procura turística, diversificando a oferta de produtos turísticos, e melhorando a experiência do visitante.

O plano de ação traça as orientações estratégicas para o desenvolvimento turístico da cidade nos próximos três anos e propõe, entre outras medidas, a criação de um Coimbra Card, de um Museu da História da Cidade, de um espaço de criação artística, o reforço da sinalética turística e da rede WiFi, e a criação e afirmação da marca Coimbra

Depois da apresentação da estratégia, decorreu uma mesa-redonda, moderada por Filipe Carvalho, da Escola de Hotelaria e Turismo de Coimbra, que contou com a participação de António Fontes, especialista em planeamento e estratégia turística, Armando Carvalho, com experiência na afirmação de marcas territoriais com base em redes colaborativas e Elisabeth Kastenholz, especialista em marketing e estratégia turística.

O plano está assente em cerca de 70 ações e atividades organizadas de acordo com cinco eixos estratégicos, designadamente Coimbra e Património, Coimbra e Eventos, Comunicação e Promoção, Capacitação e Inovação. A proposta de implementação destas ações assenta em três âmbitos: as que estão já em desenvolvimento pela Divisão de Turismo, aquelas cuja implementação está a ser preparada, e as que necessitam de apoio e articulação com os agentes económicos e turísticos de Coimbra, bem como outras entidades.

ã

São indicadas diversas ações para cada eixo estratégico no Plano de Ação Turístico para o triénio 2023-2025. No primeiro eixo, Coimbra e Património, destaque para a proposta de criação de um cartão único de visitante – Coimbra Card – que agregue a oferta turística da cidade (entrada em museus, espaços culturais e experiência de fado de Coimbra, entre outras). Ainda neste capítulo, menção à criação de um Museu da História da Cidade, com recurso à interatividade digital.

Já relativamente ao segundo eixo, Coimbra e Eventos, propõe-se a criação de um espaço de experimentação cultural/musical/artística para novos talentos e integração dos mesmos na agenda cultural da cidade, assim como a uma aproximação a promotoras nacionais e internacionais para a realização de eventos desportivos, concertos ou outros espetáculos culturais. No que diz respeito ao terceiro eixo, Comunicação, o estudo aponta a necessidade da criação da marca Coimbra e o reforço da sinalética com informação turística, assim como a colaboração com influenciadores digitais para promoção do território.

No quarto eixo, Capacitação, uma das propostas passa pela criação de programas de voluntariado jovem na época do verão, onde os participantes colecionam horas de trabalho e possam depois trocá-las por vantagens em eventos ou entradas em espaços. Por último, no eixo Inovação, o estudo aponta, entre outras medias, para o reforço da qualidade e da cobertura de rede WiFi gratuita da cidade e na candidatura de Coimbra a European Capital of Smart Tourism – União Europeia.

O estudo aponta como pontos fortes de Coimbra a diversidade e a riqueza do património material e imaterial, classificado pela UNESCO, um ecossistema empreendedor altamente competitivo e ativo e infraestruturas diversificadas para eventos culturais, de entretenimento e desportivos.

Por sua vez, são indicados como aspetos menos positivos as dificuldades na criação de novos itinerários e pacotes turísticos, o baixo nível de inovação na experiência turística e a sinalização e informação turística no contexto urbano.

Outras fraquezas que Coimbra ainda enfrenta no que diz respeito ao turismo, conforme enumeradas pelo plano, são a limitação ao nível da oferta hoteleira de elevada qualidade, falta de atratividade na zona da baixa da cidade (centro histórico) com uma degradação acrescida, comunicação e promoção nacional e internacional aquém das suas potencialidades.

Quanto às oportunidades, o documento realça a crescente procura por destinos com distinções e certificações como por exemplo património da humanidade da UNESCO, procura por destinos menos densos e bleisure, e turismo de negócios.

Está ainda identificado que, a afirmação de Coimbra como destino de excelência nacional e internacional carece de alguns requisitos centrais: Mobilização de parceiros e stakeholders públicos e privados para uma implementação participada; A qualificação dos recursos e das infraestruturas base, assim como a capacitação dos recursos humanos ao longo de toda a cadeia de valor; O desenvolvimento de processos e de estruturação de produto turístico; A promoção e comunicação de Coimbra como destino privilegiado para os segmentos turísticos âncora que lhe estão associados.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

Ryanair reduz calendário de inverno devido a atrasos na entrega de aviões, incluindo no Porto

A base do Porto deverá ser uma das que vão ser afetadas por cortes na operação de inverno, devido aos atrasos a que a Ryanair está a assistir na entrega dos novos aviões Boeing B737.

A Ryanair reduziu o seu calendário de voos para a temporada de inverno devido aos atrasos na entrega dos aviões Boeing, num corte de operação que vai afetar também a base da companhia aérea low cost no Porto, informou a transportadora em comunicado.

Segundo a Ryanair, entre setembro e dezembro, a companhia aérea esperava receber 27 aparelhos Boeing, no entanto, devido a “atrasos na produção nas instalações da Spirit Fuselage em Wichita, combinados com reparos da Boeing e atrasos na entrega em Seattle”, a transportadora vai apenas receber 14 aparelhos entre outubro e dezembro.

“A Ryanair está a trabalhar com a Boeing para tentar acelerar as entregas no período de janeiro a maio de 2024, para que possa entrar na alta temporada de viagens do verão de 2024 com todas as entregas de 57 novas aeronaves Boeing, conforme esperado”, explica a companhia aérea.

Os atrasos nas entregas de aviões da Boeing levaram a Ryanair a ajustar e reduzir o seu calendário de inverno, o que prevê cortes na operação nas bases de Charleroi, que vai ter menos três aviões baseados, assim como em Dublin (menos dois aviões), e em quatro bases italianas, incluindo Bérgamo, Nápoles e Pisa, que vão ter menos cinco aviões que no último inverno.

Os cortes na operação de inverno da Ryanair chegam também a Portugal, com a companhia aérea a revelar que “haverá também reduções de aeronaves em East Midlands, Porto e Colónia”.

Apesar de dizer que estas reduções são “inevitáveis”, a Ryanair pede desculpa aos seus passageiros e explica que “não tem aeronaves sobressalentes neste inverno, uma vez que é necessária a manutenção programada” em toda a frota da transportadora, que conta com mais de 550 aeronaves, de forma a que todos os aparelhos “estejam operacionais para o seu maior horário de verão de 2024”.

“Estamos trabalhando em estreita colaboração com a Boeing e seu fornecedor, Spirit, para minimizar esses atrasos nas entregas. É profundamente lamentável que problemas de produção em Wichita e em Seattle tenham atrasado mais uma vez as entregas contratadas da Boeing à Ryanair neste inverno. Mantemos um diálogo regular com a Boeing e o nosso principal objetivo é garantir a entrega de todas as 57 aeronaves B737 contratadas antes do final de maio de 2024”, refere Michael O’Leary, CEO do grupo Ryanair.

De acordo com o responsável, o cancelamento de voos vai acontecer a partir de final de outubro, altura em que arranca o inverno IATA, e vão ser comunicados aos passageiros afetados, por e-mail, ao longo dos próximos dias, com a Ryanair a garantir que os passageiros vão poder optar entre voos alternativos ou o reembolso total.

Michael O’Leary espera, contudo, que os cortes não venham a afetar a meta de tráfego anual da transportadora, que prevê transportar 183,5 milhões de passageiros, mas diz que, se os atrasos se mantiverem e continuarem a existir entre janeiro e março de 2024, a Ryanair poderá “ter que rever este número e possivelmente ajustar ligeiramente para baixo”.

 

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Inscrições para o Festuris terminam em outubro

O Festuris – Feira Internacional de Turismo de Gramado vai ter lugar entre 9 a 12 de novembro, no Serra Park, em Gramado, e as inscrições encontram-se a decorrer, encerrando a 15 de outubro.

As inscrições para a 35.ª edição do Festuris, Feira Internacional de Turismo de Gramado, que vai ter lugar entre 9 a 12 de novembro, no Serra Park, em Gramado, estão a decorrer e terminam a 15 de outubro, informou a organização do certame, em comunicado.

As inscrições são gratuitas para agentes de viagens e guias de turismo, e podem ser realizadas online aqui.

Segundo a organização da feira, a edição deste ano do Festuris conta com mais de 2.700 marcas em exposição, 40 destinos internacionais representados e espera receber mais de 15.000 participantes, sendo reconhecido como o “grande evento de negócios turísticos das Américas, há mais de 30 anos”, e o melhor certame para “efetivar negócios e ampliar a rede de contatos”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Lançado guia de boas práticas para gestão e monitorização de áreas marinhas protegidas

O Ispa-Instituto Universitário e o MARE – Centro de Ciências do Mar e do Ambiente acabam de lançar, em formato digital, o “Guia de Boas Práticas para a Gestão e Monitorização de Áreas Marinhas Protegidas”.

Esta ferramenta resulta do projeto BiodivAMP, que teve como grande objetivo o desenvolvimento de ferramentas para ajudar a monitorizar e proteger a biodiversidade em Áreas Marinhas Protegidas ao longo da costa portuguesa, que devido, nomeadamente ao aumento da temperatura global, da poluição e da sobrepesca causaram um grande desequilíbrio nos ecossistemas marinhos.

Este guia pretende ser uma ferramenta prática, útil e acessível a todos os intervenientes na gestão de Áreas Marinhas Protegidas (AMP), e baseia-se em informação científica sobre boas práticas na gestão e monitorização de AMP.

Neste documento é possível encontrar, de forma simplificada e acessível, um manual que permitirá obter suporte político e financeiro, identificar lacunas de informação, desenvolver um plano de comunicação, criar lista de objetivos para monitorização ou ainda rever e adaptar o plano aos recursos disponíveis. Todas estas ferramentas contribuem para facilitar a avaliação do progresso face aos objetivos e utilizar os resultados obtidos em processos de gestão adaptativa, melhorando, assim, a gestão a cada novo ciclo.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Programa Revive e vários projetos portugueses entre os finalistas dos prémios ECTN

São os únicos prémios europeus de Turismo Cultural desde 2014. Na 10ª edição, a cerimónia oficial que dará a conhecer os projetos vencedores, terá lugar a 19 de outubro, em Pafos, Chipre.

A votação pública para os prémios Destinos Turísticos Culturais Sustentáveis, promovidos pela ECTN (European Cultural Tourism Network) encerra dia 18 outubro 2023, às 11h00. O Programa Revive e outros projetos com entidades portuguesas envolvidas estão entre os finalistas em várias categorias, revela o Turismo de Portugal na sua página oficial.

Estes prémios aumentam a visibilidade dos destinos de turismo cultural europeus, criam uma plataforma para compartilhar experiências e conhecimentos e promove networking entre destinos. Destinam-se a destinos turísticos de toda a Europa, permitindo-lhes mostrarem os seus resultados no turismo cultural sustentável em várias categorias selecionadas todos os anos, e são atribuídos a realizações de destinos turísticos culturais que tenham produzido resultados significativos relacionados com a melhoria da experiência do visitante, respeitando as tradições e envolvendo as comunidades locais anfitriãs.

Os prémios são organizados desde 2014 pela ECTN (European Cultural Tourism Network) em torno de temas anuais, em benefício dos destinos, comunidades, associações, empresas, cidadãos e visitantes.

A edição 2023 dos prémios ‘Destino de Turismo Cultural Sustentável’ conta com a parceria da Europa Nostra, a European Travel Commission e o NECSTouR, no âmbito da ‘Capital Europeia do Turismo Inteligente Pafos 2023’ e da ReInHerit Horizon2020.

Os finalistas foram selecionados de acordo com 6 categorias: Digitalização e transição digital no Turismo Cultural Sustentável; História e Património; Património ribeirinho; Produtos Turísticos Temáticos Transnacionais, incluindo Rotas Culturais Europeias (envolvendo pelo menos 2 países europeus, não necessariamente vizinhos); Turismo Religioso, Peregrino e Espiritual; Competências Tradicionais, Artesanato e Criatividade.

Os vencedores são reconhecidos como exemplos de excelência que inspiram outros destinos turísticos e estimulam o desenvolvimento de iniciativas de turismo cultural inteligentes e sustentáveis. Os galardoados serão anunciados numa cerimónia oficial que se realizará durante a 16.ª Conferência Internacional de Turismo Cultural subordinada ao tema “Turismo Inteligente – Destinos Inteligentes: Património Cultural e Criatividade, Digitalização, Sustentabilidade” que decorrerá de 18 a 21 de outubro,em Pafos, Chipre .

De acordo com ECTN, o turismo cultural é o setor do turismo europeu que mais cresce e pode contribuir tanto para a sustentabilidade e a competitividade do turismo na União Europeia e fora dela, bem como para o futuro sustentável dos bens culturais, dos sítios patrimoniais e das comunidades locais.

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
Turismo

“Quem vaticinou uma hecatombe, enganou-se”

Francisco Calheiros, presidente da Confederação do Turismo de Portugal, destacou no discurso de abertura da conferência, no âmbito do Dia Mundial do Turismo, que “o turismo cresce e faz crescer”. Quanto à performance do setor do turismo nacional, o presidente da CTP deixou a certeza que, “quem vaticinou uma hecatombe, enganou-se”, pedindo, novamente, um alívio da carga fiscal. No que diz respeito ao aeroporto, a conclusão é simples: “decida-se já!”.

Victor Jorge

Na conferência “Turismo – Fator de Coesão Nacional”, evento organizado pela Confederação do Turismo de Portugal no âmbito do Dia Mundial do Turismo, realizada no Centro de Congressos do Algarve, Francisco Calheiros, presidente da CTP, começou por referir que “o setor voltou a superar os desafios”, deixando a “certeza de que, 2023 “será, novamente, um ano ótimo para o turismo nacional”, apesar das “incertezas da guerra e dos espartilhos da inflação”.

Considerando que a atividade turística é impactada por fatores externos, já que Portugal sofre com a crise que se vive por toda a Europa e mundo, Francisco Calheiros frisou que “também a política nacional criou expectativas que foram goradas”, fazendo referência à realidade de os portugueses “terem menos dinheiro no bolso e muitas vezes há pouco dinheiro para pensar em férias”.

“Todos pensámos que a ‘maioria’ possibilitaria reformas, temos um PRR com valores como nunca antes, um excedente orçamental e, contudo, as famílias, sentem dificuldades e com desafios para fazer face a custos básicos e ainda pensar em férias”.

“Mas o turismo resiste e contribui para esta coesão nacional que é tema desta conferência”, destacando que o turismo tem sido dos setores que “melhor se tem adaptado a esta nova realidade e desafios permanentes”, salientando, ainda, os números avançados pela Organização Mundial do Turismo que dão conta que o turismo nacional contribuirá com 40 mil milhões de euros para a economia portuguesa no presente ano.

O presidente da CTP deixou ainda a certeza de que é “preciso reforçar a estratégia para criar novas ofertas no turismo nacional”, Francisco Calheiros aproveitou ainda para salientar a importância e impacto das alterações climáticas no turismo, citando o secretário-geral da ONU, António Guterres: “agora que sabemos o quê, temos de trabalhar no como”.

Por isso, “há que minimizar o impacto das alterações climáticas e o poder central tem um papel fundamental”.

Papel fundamental tem, também, o Governo na decisão relativamente ao novo aeroporto, considerando Francisco Calheiros que “não podemos esperar mais. Sem ele o motor da economia poderá ‘gripar’”, deixando a pergunta: “que país termos se isso acontecer”.

Assim, “se a escolha recair numa nova infraestrutura criada de raiz, que levará 12 anos a construir”, o presidente da CTP frisou que se “tem de avançar já para o Montijo”.

Finalmente, Francisco Calheiros terminou a intervenção pedindo um alívio da carga fiscal para as pessoas e empresas e uma maior ajuda na recapitalização das mesmas”.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.