Edição digital
Assine já
PUB

Nova Edição: Turismo de Compras, Vê Portugal e Costa Cruzeiros

A nova edição do Publituris, a última dos mês de junho, faz capa com um dossier sobre Turismo de Compras, um tipo de turismo que, apesar dos poucos dados disponíveis, tem despertado o interesse das entidades que tutelam o turismo em Portugal.

Publituris

Nova Edição: Turismo de Compras, Vê Portugal e Costa Cruzeiros

A nova edição do Publituris, a última dos mês de junho, faz capa com um dossier sobre Turismo de Compras, um tipo de turismo que, apesar dos poucos dados disponíveis, tem despertado o interesse das entidades que tutelam o turismo em Portugal.

Publituris
Sobre o autor
Publituris
Artigos relacionados
Bruxelas abre investigação a ajuda estatal alemã de 6 MM€ à Lufthansa na pandemia
Aviação
The Verse: o novo aparthotel a abrir portas na Rua de São Bento em Lisboa
Alojamento
FIA Lisboa chega ao fim com 48 mil visitantes e “balanço muito positivo”
Destinos
Autarca de Lisboa insiste na subida da taxa turística para ter “melhor limpeza, melhores espaços, mas também mais cultura”
Alojamento
Costa Cruzeiros lança novos itinerários no Japão e sudeste asiático para o inverno 2025-26
Transportes
TAP lança promoção para assinalar 60.º aniversário de voos para a Madeira
Aviação
Centro Interpretativo “Os Murais de Almada nas Gares Marítimas” abre em fevereiro de 2025
Destinos
INE confirma que atividade turística superou níveis de 2019 no ano passado
Alojamento
“As tecnologias e aplicações que estão já disponíveis são muitas, mas ainda muito pouco expressivas em relação ao que aí vem”
Tecnologia
CEO da Iberia mostra interesse na TAP e espera aprovação da compra da Air Europa
Aviação

A nova edição do Publituris, a última dos mês de junho, faz capa com um dossier sobre Turismo de Compras, um tipo de turismo que, apesar dos poucos dados disponíveis, tem despertado o interesse das entidades que tutelam o turismo em Portugal.

Identificado pela Organização Mundial do Turismo (OMT) como um segmento estratégico e com forte potencial de crescimento nos próximos anos, o Turismo de Compras tem vindo a crescer, ainda que seja necessário posicionar o país neste segmento e promover o destino junto do público que procura este tipo de turismo.

Nesta edição, publicamos também a reportagem do Vê Portugal: Fórum de Turismo Interno, que voltou a ser promovido pela Turismo Centro de Portugal, entre 6 e 9 de junho. Tomar foi a cidade que recebeu o evento, onde se debateu o futuro do turismo, com foco no futuro, na inovação e digitalização, mas sem esquecer as pessoas.

Depois da 8.ª edição do Vê Portugal, a Turismo Centro de Portugal admite que, devido ao sucesso da iniciativa, este debate pode vir a extravasar as fronteiras da região e tornar-se um evento de âmbito nacional.

Conheça também como está o orçamento dos portugueses para as férias de verão. O mais recente Barómetro Anual de Férias de verão da Europ Assistance apurou que os portugueses estão entre os turistas que mais pretendem aumentar o orçamento para as férias deste verão e que, apesar do país se manter como o destino preferido dos turistas nacionais, há cada vez mais procura por férias no estrangeiro.

Na secção ‘Transportes’, saiba como está a TAAG – Linhas Aéreas de Angola a preparar a privatização parcial, que deverá acontecer nos próximos anos. Depois da COVID-19, que afetou profundamente a companhia aérea de bandeira angolana, a TAAG já retomou a sua operação para vários destinos e está agora focada na reestruturação da empresa, com vista à sua privatização parcial.

Nos ‘Transportes’ o destaque vai, no entanto, para a reportagem sobre o cruzeiro da Costa que o Publituris foi fazer entre 29 de maio e 5 de junho, num dos dois itinerários que a companhia de cruzeiros disponibiliza entre a ‘Turquia e Grécia’.

Além de oferecerem praia e cultura, estes novos itinerários da Costa Cruzeiros contam com a vantagem de permitirem voo direto até Istambul, porto de partida do Costa Venezia – navio que realiza os itinerários -, graças às ligações diárias e diretas da Turkish Airlines, desde Lisboa e Porto. A facilidade dos voos tem atraído muitos cruzeiristas lusos, até porque, a bordo, já tudo voltou praticamente ao normal, depois da COVID-19.

Nesta edição, as opiniões são de Francisco Jaime Quesado (Economista e gestor) e Edgar Bernardo (professor adjunto e especialista em sociologia e turismo do ISCE).

Boas leituras!

A versão completa desta edição é exclusiva para subscritores do Publituris. Pode comprar apenas esta edição ou efetuar uma assinatura do Publituris aqui obtendo o acesso imediato.

Para mais informações contacte: Carmo David | [email protected] | 215 825 43

Nota: Se já é subscritor do Publituris entre no site com o seu Login de assinante, dirija-se à secção Premium – Edição Digital e escolha a edição que deseja ler, abra o epaper com os dados de acesso indicados no final do resumo de cada edição.

Artigos relacionados
Bruxelas abre investigação a ajuda estatal alemã de 6 MM€ à Lufthansa na pandemia
Aviação
The Verse: o novo aparthotel a abrir portas na Rua de São Bento em Lisboa
Alojamento
FIA Lisboa chega ao fim com 48 mil visitantes e “balanço muito positivo”
Destinos
Autarca de Lisboa insiste na subida da taxa turística para ter “melhor limpeza, melhores espaços, mas também mais cultura”
Alojamento
Costa Cruzeiros lança novos itinerários no Japão e sudeste asiático para o inverno 2025-26
Transportes
TAP lança promoção para assinalar 60.º aniversário de voos para a Madeira
Aviação
Centro Interpretativo “Os Murais de Almada nas Gares Marítimas” abre em fevereiro de 2025
Destinos
INE confirma que atividade turística superou níveis de 2019 no ano passado
Alojamento
“As tecnologias e aplicações que estão já disponíveis são muitas, mas ainda muito pouco expressivas em relação ao que aí vem”
Tecnologia
CEO da Iberia mostra interesse na TAP e espera aprovação da compra da Air Europa
Aviação
PUB
Tecnologia

“As tecnologias e aplicações que estão já disponíveis são muitas, mas ainda muito pouco expressivas em relação ao que aí vem”

“Walk the Talk: AI in Hospitality and Travel 2024-2026”, que se realiza em Lisboa, é o “kick-off” para mais 23 eventos que a BAE Ventures irá realizar em todo o mundo, focados no setor do turismo. Para Henrique Veiga, CEO da BAE Ventures, estamos ainda no início, admitindo que “estamos perante o nascer de uma nova era, comparável ao aparecimento da internet, e que vai mudar profundamente o mundo tal como o conhecemos”.

Victor Jorge

Há muito que a Inteligência Artificial (IA) entrou no léxico de todo o mundo e o setor do turismo não poderia ser indiferente a esta “nova realidade”. A BAE Ventures escolheu Lisboa com cidade anfitriã do primeiro evento – de um conjunto de 24 que se realizarão em todos o mundo – que irá discutir como a IA poderá intervir na hospitality e viagens, sendo certo que, segundo o que Henrique Veiga, CEO da BAE Ventures, assinalou ao Publituris, “a capacidade de prever tendências com precisão ajuda as empresas a estarem mais bem preparadas para responder às necessidades dos clientes e às mudanças do mercado”. E considera que a rapidez e qualidade dos dados disponíveis poderão incluir “ajustes imediatos em preços, alocação de recursos, gestão de pessoal e atendimento ao cliente”, entre outros.

A BAE Ventures escolheu Lisboa para acolher nos próximos dias 9 e 10 de julho o encontro de lançamento do “Walk the Talk: AI in Hospitality and Travel 2024-2026”, num projeto coorganizado, em Portugal, com o Nova SBE Westmont Institute of Tourism & Hospitality. Este é um tema incontornável na e para as indústrias da ‘hospitality’ e viagens?
Sim, este é um tema incontornável no setor, pois a Inteligência Artificial (IA) tem o potencial de transformar profundamente a indústria da hospitality e das viagens. A IA melhora a experiência do cliente, aumenta a eficiência operacional e permite uma gestão mais precisa dos recursos.

A parceria com o Nova SBE Westmont Institute of Tourism & Hospitality adiciona valor ao evento, combinando expertise académica e empresarial. Este instituto, conhecido pelo seu foco em excelência na educação e inovação, prepara líderes para o futuro do setor, assegurando que o evento será um ponto de encontro para a troca de conhecimentos, networking e de aprendizagem prática e estratégica.

Um facto incontornável é que a IA já está a revolucionar a indústria da hospitality e das viagens, abrindo novas oportunidades para a inovação e o crescimento, tornando este tema absolutamente essencial.

O que trará este evento a Portugal, sendo que se trata de um dos 24 eventos que a BAE Ventures organiza em 24 cidades de todo o mundo?
Acreditamos que este evento proporcionará uma plataforma robusta para a partilha de conhecimento e networking, ligando profissionais e líderes da indústria globalmente e trazendo benefícios significativos a Portugal. Os participantes terão acesso a masterclasses, estudos de casos concretos, apresentações práticas de IA em hospitality e turismo, palestras de especialistas e workshops interativos.

Ao escolher Lisboa, a BAE Ventures destaca a importância da colaboração internacional e promove a cidade como um ponto de encontro global para explorar a IA. Incentivará o envolvimento de gestores hoteleiros, “desenvolvedores” de tecnologia, investidores, académicos e responsáveis políticos, permitindo a partilha de estratégias e melhores práticas para a integração da IA no setor.

O evento criará oportunidades para startups e empresas apresentarem as suas inovações, atraindo investimentos e estabelecendo parcerias estratégicas. Facilitará também a criação de uma comunidade global de profissionais dedicados à IA no turismo, fortalecendo a posição de Portugal como líder em inovação no setor.

Ao acolher este evento, Portugal beneficiará da entrada de conhecimento e inovação, consolidando a sua reputação como um epicentro para a discussão e desenvolvimento de tecnologias avançadas na hospitality e viagens.

Poder transformador
O que poderá aportar, na realidade, a Inteligência Artificial (IA) ao universo da hospitality e também das viagens e que impacto transformador poderá ter nestes setores do turismo?
A IA tem o potencial de transformar profundamente o setor da hospitality e das viagens, trazendo benefícios tangíveis que vão desde a personalização da experiência do cliente até à otimização da eficiência operacional e à promoção de práticas sustentáveis. Esta transformação permite que as empresas melhorem a sua competitividade e criem experiências mais memoráveis e agradáveis para os seus clientes.

A IA permite analisar dados relativos à matriz de preferências dos clientes para oferecer experiências personalizadas, adaptando recomendações e serviços em tempo real, o que aumenta naturalmente a satisfação e a fidelização. Além disso, a automação de tarefas como reservas e check-in reduz erros e custos, permitindo que as equipas se concentrem em atividades de maior valor. A IA pode também ajudar a otimizar a gestão de stocks e a alocação de recursos, aumentando a eficiência operacional.

Outra vantagem significativa é a capacidade da IA de prever tendências de viagens e comportamentos dos clientes, permitindo o ajuste proativo das estratégias de marketing e vendas para se manter competitiva. Com insights detalhados sobre as preferências e padrões dos clientes, as empresas podem criar campanhas de marketing mais eficazes e direcionadas, melhorando a taxa de conversão e maximizando o retorno sobre o investimento. Esta talvez seja uma das áreas onde as alterações com a introdução da IA será mais rápida e contundente.

A IA pode prever picos de afluência e distribuir os turistas de forma mais equilibrada, ajudando a evitar a sobrecarga de destinos populares

Mas a IA também pode melhorar a segmentação de mercado e personalização de ofertas, ajudando as empresas a identificar nichos de mercado e a adaptar seus produtos e serviços para atender às necessidades específicas desses segmentos. Isso pode resultar num aumento das vendas e na fidelização do cliente. A gestão de recursos também é otimizada, com a IA a aumentar a eficiência energética e a alocação de recursos humanos, reduzindo custos operacionais e apoiando práticas sustentáveis. Para além de poder ajudar a otimizar a dinâmica de preço, ajustando-os em tempo real com base na procura, concorrência e outros fatores.

A IA está, sem dúvida, a revolucionar o setor da hospitality e das viagens, proporcionando múltiplos benefícios que vão da eficiência operacional às estratégias de marketing e vendas.

Que exemplos pode dar de tecnologias de IA que estão a transformar as experiências na hospitality e viagens?
Alguns exemplos incluem, chatbots e Assistentes Virtuais, que proporcionam atendimento 24/7, ajudando com reservas e alterações de itinerários. Os Sistemas de Recomendação, os quais personalizam ofertas com base nas preferências dos clientes, analisado o histórico de navegação e de preferências dos utilizadores.

A Análise Preditiva, que revê procura e ocupação, ajusta preços e gere o inventário eficientemente. Isto permite antecipar a procura, ajustar as tarifas e otimizar a gestão de inventário. A Automação e Robótica, as quais automatizam tarefas administrativas, check-in e gestão de bagagens, reduzindo a carga de trabalho dos colaboradores.

O Reconhecimento Facial, que simplifica o check-in em hotéis e aeroportos. Esta tecnologia de reconhecimento facial pode reduzir o tempo de check-in para menos de um minuto. Também os Sensores “Internet of Things” (IoT), que otimizam energia e conforto, ajustando automaticamente a iluminação e a climatização com base na ocupação dos quartos e preferências dos hóspedes. A Realidade Aumentada (AR) e Virtual (VR), com as quais são criadas experiências imersivas e pré-visualizações de destinos. A AR pode fornecer informações adicionais sobre pontos turísticos, enquanto a VR permite que os clientes explorem virtualmente quartos de hotel antes de fazer uma reserva.

E ainda a Tradução Automática, constituída por ferramentas que facilitam a comunicação entre hóspedes e funcionários de diferentes idiomas, melhorando a acessibilidade dos serviços. E a Monitorização de Sentimentos, conceito que analisa feedback para melhorias. Ou seja, sistemas de IA captam o sentimento dos comentários em plataformas online, fornecendo insights às empresas que lhes permitem ajustar os seus serviços conforme necessário.

Mas é também muito importante destacar que estamos ainda no início da viagem da IA. As tecnologias e aplicações que estão já disponíveis são muitas, mas ainda muito pouco expressivas, em relação ao que aí vem.

Gerir fluxos
Muito se tem falado na gestão de fluxos turísticos, de forma a contrariar a tendência de turismo massivo nalguns destinos. Essa poderá ser uma das aplicações da IA?
Sim, a IA pode desempenhar um papel crucial na gestão de fluxos turísticos. Através da análise de dados em tempo real, a IA pode prever picos de afluência e distribuir os turistas de forma mais equilibrada, ajudando a evitar a sobrecarga de destinos populares.

Esta capacidade é fundamental para criar uma experiência turística mais sustentável e agradável, tanto para os visitantes quanto para os residentes locais. Um exemplo inovador desta aplicação é o trabalho desenvolvido pela Fundacion Metropoli, um importante parceiro da BAE Ventures, que tem sido pioneira na criação de cidades inteligentes e sustentáveis ao longo dos últimos 25 anos. Os seus projetos visam a utilização de tecnologias avançadas de IA e IoT para gerir de forma eficiente os fluxos turísticos, integrando diferentes modos de transporte, monitorizando o uso de recursos e melhorando a experiência dos visitantes.

Utilizando dados de smartphones, câmaras de vigilância e sensores IoT, a IA pode analisar a densidade de turistas em tempo real e sugerir redistribuições para áreas menos congestionadas. Isto pode incluir o redireccionamento automático de turistas para atrações menos conhecidas ou horários de visita alternativos, evitando picos de afluência. A IA pode também criar rotas turísticas personalizadas que distribuem a pressão turística de forma mais equilibrada, recomendando destinos menos frequentados, mas igualmente interessantes. E relembro que em muitos destinos muitas destas soluções já estão implementadas.

Com a análise preditiva, as autoridades turísticas podem lançar campanhas de marketing direcionadas para promover destinos alternativos em épocas específicas, equilibrando a distribuição dos turistas ao longo do ano e reduzindo a sazonalidade

Analisando dados históricos e comportamentais, a IA pode prever padrões de visita e ajustar proactivamente os serviços e infraestruturas necessárias, como a gestão de transportes públicos e a alocação eficiente de recursos de segurança. Sensores ambientais e IA podem monitorizar o impacto do turismo em áreas sensíveis, ajustando as permissões de acesso e sugerindo medidas para mitigar o impacto ecológico, especialmente em zonas naturais e parques. Com a análise preditiva, as autoridades turísticas podem lançar campanhas de marketing direcionadas para promover destinos alternativos em épocas específicas, equilibrando a distribuição dos turistas ao longo do ano e reduzindo a sazonalidade.

O projeto da “Superciudad de Madrid” da Fundacion Metropoli exemplifica como a IA pode ser integrada numa abordagem holística para a gestão urbana e turística. A fundação tem utilizado estas tecnologias e inovações para transformar Madrid numa cidade modelo em termos de inovação e sustentabilidade.

Em suma, a aplicação da IA na estão de fluxos turísticos não só ajuda a evitar a superlotação e a preservar a qualidade de vida dos residentes, como também enriquece a experiência dos visitantes, promovendo um turismo mais equilibrado.

Trata-se, efetiva e somente de melhorar a eficiência operacional ou a IA poderá ir mais além?
A IA vai muito além de simplesmente melhorar a eficiência operacional no setor da hospitality e das viagens. Além de otimizar processos e reduzir custos, a IA transforma profundamente a experiência do cliente, as estratégias de marketing e vendas, e promove práticas sustentáveis.

A IA proporciona uma transformação abrangente e inovadora no setor, ao criar oportunidades de crescimento e personalização. Ela permite a criação de campanhas de marketing altamente direcionadas, melhorando a lealdade dos clientes e maximizando o retorno sobre o investimento. No campo das vendas, facilita a segmentação de mercado e a adaptação de ofertas, resultando num aumento significativo nas vendas. Ao promover práticas sustentáveis que beneficiam tanto as cidades quanto o meio ambiente, a IA otimiza recursos e equilibra o turismo, contribuindo para a preservação dos destinos turísticos e a sustentabilidade global. Dessa forma, a IA está a moldar um futuro mais inteligente, sustentável e rentável para o setor da hospitality e das viagens.

Foto: Depositphotos.com

Quais as tarefas específicas que estão a ser automatizadas pela IA e que impacto poderão ter na força de trabalho/recursos humanos?
Tarefas como reservas, atendimento ao cliente, gestão de inventário, limpeza e manutenção, estão a ser automatizadas pela IA. Isto pode libertar os colaboradores para se concentrarem em tarefas que requerem um toque humano, como o atendimento personalizado e a resolução de problemas complexos. No entanto, também implica a necessidade de requalificação dos colaboradores para que possam desempenhar novas funções que surgem com a automação.

Como é que a IA está a ajudar na análise de dados para prever tendências de viagem e comportamento dos clientes?
A IA utiliza algoritmos de Machine Learning (ML) para analisar grandes volumes de dados históricos e em tempo real, identificando padrões e tendências. Isto permite prever comportamentos futuros, ajustar ofertas em tempo real e criar estratégias mais eficazes de marketing e vendas. A capacidade de prever tendências com precisão ajuda as empresas a estarem mais bem preparadas para responder às necessidades dos clientes e às mudanças do mercado.

A capacidade de prever tendências com precisão ajuda as empresas a estarem mais bem preparadas para responder às necessidades dos clientes e às mudanças do mercado

“Agora” e “Já”
Poder-se-á dizer que a IA veio reforçar a gestão em real-time. Ou seja, através da IA poder-se-ão tomar decisões no momento que de outra forma seriam impossíveis tomar?
Absolutamente. A IA permite a análise e interpretação de dados em tempo real, o que é crucial para tomar decisões rápidas e informadas. Ou seja, não é apenas o tema do tempo real, mas a qualidade das decisões em tempo real. Isto pode incluir ajustes imediatos em preços, alocação de recursos, gestão de pessoal e atendimento ao cliente. A capacidade de agir de forma proativa, em vez de reativa, oferece uma vantagem competitiva significativa.

Com a IA veio, igualmente, uma maior preocupação com segurança e privacidade associadas ao uso de IA no setor de hospitality e viagens? Como é que as empresas podem ou estão a garantir que os dados dos clientes estão protegidos ao utilizar tecnologias de IA?
A segurança e privacidade dos dados são preocupações cruciais. As empresas estão a implementar diversas medidas para garantir a proteção dos dados dos clientes. A criptografia é usada para proteger dados sensíveis durante a transmissão e armazenamento, garantindo que apenas os destinatários autorizados possam aceder à informação. A “anonimização” remove informações identificáveis dos dados dos clientes, protegendo a sua privacidade. Para além da implementação de controlos de acesso rigorosos para assegurar que apenas o pessoal autorizado pode aceder aos dados.

As empresas também seguem regulamentações como o RGPD para garantir que os dados são tratados de forma ética e segura, cumprindo todas as normas legais e garantindo a confiança dos clientes.

De que maneira a IA pode contribuir para práticas mais sustentáveis no setor da hospitality e viagens?
A IA pode ajudar a implementar práticas mais sustentáveis ao otimizar o consumo de energia, monitorizando e gerindo eficientemente o uso de energia em hotéis e outros estabelecimentos. Permite também uma previsão precisa da procura, evitando o desperdício de alimentos e de outros recursos.

A IA também melhora a alocação de recursos como a água e os produtos de limpeza, assegurando uma gestão eficiente. Por fim, pode ser utilizada para promover destinos sustentáveis, incentivando rotas e locais que contribuem para a preservação ambiental, ajudando a equilibrar o impacto do turismo no meio ambiente.

Não é apenas o tema do tempo real, mas a qualidade das decisões em tempo real

Promessas e desafios
Quais as inovações mais promissoras que a IA poderá trazer no futuro para o turismo?
É uma pergunta muito difícil. Como já referi, estamos no início da viagem. No futuro, a IA promete trazer inovações ainda mais avançadas e transformadoras para os setores de hospitality e viagens e uma das inovações mais promissoras é a criação de experiências hiperpersonalizadas através da análise preditiva de dados. Utilizando algoritmos sofisticados de Machine Learning, os hotéis poderão prever as necessidades e preferências dos hóspedes antes mesmo da sua chegada, oferecendo serviços e produtos altamente customizados, como programas de bem-estar, experiências gastronómicas e até mesmo atividades baseadas no perfil psicológico do hóspede.

Outra inovação revolucionária será a implementação de robôs e assistentes de IA com capacidades avançadas de interação e tomada de decisões em tempo real. Esses robôs poderão realizar tarefas complexas e até o atendimento a pedidos específicos de maneira eficiente e humana. Além disso, a IA permitirá a criação de ambientes totalmente integrados e inteligentes, onde a automação será levada a um novo nível, ajustando não apenas a temperatura e a iluminação, mas criando atmosferas personalizadas através de música, aromas e decoração baseada no estado de espírito do hóspede.

No setor de viagens, a IA poderá transformar radicalmente a forma como planeamos e vivenciamos as viagens. Uma inovação futura será o desenvolvimento de sistemas de IA que atuam como companheiros de viagem virtuais, capazes de oferecer suporte contínuo e adaptativo durante toda a jornada. Esses sistemas poderão antecipar imprevistos, replanear itinerários em tempo real e proporcionar uma experiência de viagem fluida e sem interrupções.

Imagine um assistente virtual que não só reserva um restaurante, mas também coordena transporte, monitoriza o trânsito, ajusta as reservas de acordo com possíveis atrasos e até sugere alternativas em caso de mudanças inesperadas no clima.

Penso que a IA avançará também na criação de experiências de Realidade Aumentada e virtual para enriquecer a viagem. Antes mesmo de sair de casa, os viajantes poderão explorar destinos, hotéis e atrações em detalhe através de tours virtuais hiper-realistas, facilitando decisões informadas aumentando a expectativa e o planeamento das férias.

Durante a viagem, dispositivos de realidade aumentada poderão fornecer informações contextuais em tempo real, traduzir sinais e conversas, e até oferecer narrativas históricas ou culturais instantâneas sobre os locais visitados, tornando cada experiência mais imersiva e educativa.

Estas inovações destacam o potencial da IA não apenas para melhorar, mas para reinventar os setores de hospitality e viagens, criando experiências mais interligadas, personalizadas e intuitivas para os usuários.

Uma outra ponte muito interessante e que certamente surgirá é a ligação da IA à neurociência que permitirá abrir novas avenidas. Os últimos tempos testemunharam uma onda de inovações revolucionárias em IA por parte de gigantes tecnológicas como Google, Microsoft e Apple, que prometem transformar profundamente também os setores da hospitality e viagens. Estas inovações não só destacam o potencial da IA para criar oportunidades, mas também ilustram como as tecnologias de ponta podem ser aplicadas para resolver desafios complexos e melhorar a experiência do cliente.

Acredito que estamos perante o nascer de uma nova era, comparável ao aparecimento da internet, e que vai mudar profundamente o mundo tal como o conhecemos.

Estamos perante o nascer de uma nova era, comparável ao aparecimento da internet, e que vai mudar profundamente o mundo tal como o conhecemos

Nesse sentido, quais são os maiores desafios a enfrentar pela implementação de IA na indústria da hospitality e viagens?
Os maiores desafios na implementação da IA incluem diversos aspetos críticos. Primeiro, o custo de implementação é um obstáculo significativo, especialmente para PME que podem achar dispendioso investir em tecnologias avançadas de IA. Além disso, garantir que os novos sistemas de IA se integrem perfeitamente com as infraestruturas existentes é um desafio técnico que exige recursos e expertise especializados.

Outro desafio importante é a qualificação dos profissionais. É necessário formar e requalificar os colaboradores para que possam trabalhar eficazmente com as novas tecnologias, o que pode exigir tempo e investimento adicional. As preocupações com a privacidade também são cruciais, pois é necessário garantir a conformidade com as regulamentações de privacidade e segurança dos dados para proteger as informações dos clientes.

Mas na minha opinião o mais importante é o desafio da adaptação cultural. Superar a resistência à mudança tanto por parte dos colaboradores como dos clientes é essencial para uma implementação bem-sucedida da IA. É uma missão de toda a equipa, mas tem de ter uma enorme motivação do top management das empresas. É sempre difícil porque não é um processo linear. Sabemos onde começamos, mas não sabemos onde vamos terminar e nessa medida é um processo, uma viagem que precisa de ser acompanhada com muita humildade, com uma abertura total de que estamos todos a aprender e a definir o futuro todos os dias. Estou convencido que esta característica de abertura a novas realidades, sem ideias pré-concebidas e uma postura entusiástica sobre a evolução da nossa sociedade, tal como a vemos e vivemos hoje é fundamental para encarar todas estas alterações.

E é também fundamental reconhecer que não existe uma única forma de adaptação. Há vários caminhos e realidades, e cada organização precisa identificar e seguir o caminho mais adequado para sua realidade específica. As organizações não são todas iguais e, portanto, cada uma delas fará um percurso diferente na implementação da IA.

É crucial que as empresas avaliem cuidadosamente as suas necessidades, recursos e cultura organizacional para escolher a abordagem que melhor se alinha com suas metas e capacidades. Essa flexibilidade na abordagem permite que cada organização encontre a melhor maneira de integrar a IA, maximizando os benefícios e minimizando os desafios.

E como estão estes setores a reagir à implementação da IA em Portugal?
A verdade é que muitas empresas já têm algumas ferramentas de IA implementadas e em alguns casos até desconhecem que usam a tecnologia. Mas para responder assim muito objetivamente creio que a adesão ao evento que estamos a organizar demonstra isso mesmo.

Eventos como o “Walk the Talk: AI in Hospitality and Travel” exemplificam esta tendência, proporcionando plataformas para a partilha de conhecimento e a promoção de boas práticas. A resposta tem sido muito positiva, com um crescente reconhecimento do valor que a IA pode trazer para a competitividade e sustentabilidade do setor.

Temos cerca de 900 pessoas registadas num evento lançado há apenas um mês, o que demonstra o elevado interesse e a necessidade de informação sobre este tema. Muitas pessoas sentem um overload de informação sobre IA, precisando de ajuda para triar e qualificar a informação relevante.

Há também uma preocupação significativa sobre a segurança das funções na era da IA, com dúvidas sobre a continuidade das suas funções e sobre as ferramentas necessárias para se adaptarem à nova realidade. Para além do sentimento comum a muitos profissionais do sector de que as suas empresas estão atrasadas na implementação de IA e necessitam de explorar caminhos sobre como avançar.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Prémios

Os vencedores dos Portugal Travel Awards 2024 são destaque na edição 1515 do Publituris

Os vencedores dos Portugal Travel Awards 2024 são, naturalmente, o grande destaque da primeira edição de julho do Publituris. Mas há mais: Brasil, África do Sul, Lufthansa LGSP, BAE Ventures e um dossier dedicado ao Enoturismo.

Publituris

A primeira edição do mês de julho do jornal Publituris faz, naturalmente, capa com os vencedores dos Portugal Travel Awards 2024, conhecidos a 4 de julho, no Pestana Douro Riverside, no Porto.

Nesta 19.ª edição dos Portugal Travel Awards o jornal Publituris distingui:

Melhor Companhia de Aviação – TAP Air Portugal

Melhor Companhia de Aviação Lowcost – easyJet

Melhor Rent-a-Car – Europcar

Melhor Operador Turístico – Solférias

Melhor Rede de Agências de Viagens – Agência Abreu

Melhor Companhia de Cruzeiros – MSC Cruzeiros

Melhor Cadeia Hoteleira – Vila Galé Hotéis

Melhor Hotel Cinco Estrelas – Torel Avantagarde

Melhor Hotel Quatro Estrelas – Octant Hotels Furnas

Melhor Hotel Resort – Monchique Resort & Spa

Melhor Boutique Hotel – Pestana Fisherman

Melhor Hotel de Cidade – Montebelo Vista Alegre Lisboa Chiado Hotel

Melhor Hotel MICE – Meliá Ria Hotel & Spa

Melhor Hotel de Praia – EPIC Sana Algarve Hotel

Melhor Turismo Rural – Herdade da Matinha

Melhor Enoturismo – Torre de Palma Wine Hotel

Melhor Campo de Golfe – Oitavos Dunes – Cascais

Melhor Parque Temático e Diversões – Zoomarine

Melhor Empresa de Animação Turística – Picos de Aventura

Melhor Marina – Marina de Vilamoura

Melhor Destino Internacional – Dubai

Melhor Região de Turismo Nacional – Açores

Prémio “Belmiro Santos” – Raul Martins (*atribuído diretamente pela redação do Publituris)

Os temas da edição 1515 do jornal Publituris não se esgotam, contudo, com os vencedores dos Publituris Portugal Travel Awards 2024.

Nos “Destinos” desta edição, damos a conhecer Maceió e Porto Galinha, para onde o Publituris viajou a convite da Soltrópico. Umas férias nestes dois destinos é um convite para sentir os pés na areia e o sol no corpo. Já foram destinos turísticos no Brasil preferidos dos portugueses para férias durante todo o ano, hoje mais esfriados, mas o sentimento dos dois lados do Atlântico é que tudo vai voltar a ser como antes e até crescer, porque o destino está lá, cheio de atrativos, com uma oferta hoteleira de nível internacional e de serviços turísticos cada vez melhor e mais moderna.

Já nas “Viagens”, por altura da Africa’s Travel Indaba, fomos conhecer, a convite do Turismo da África do Sul, a província de Noroeste, uma autêntica preciosidade na oferta turística deste país, que conta com paisagens únicas e uma cultura inigualável, e onde nos sentimos como se estivéssemos numa qualquer ligação em direto para o canal National Geographic.

Nos “Transportes”, entrevistámos Paulo Geisler, CEO da Lufthansa Ground Services Portugal (LGSP). Criada em 2011 para dar apoio às companhias aéreas do Grupo Lufthansa em terra, a LGSP tornou-se num polo de inovação que dá atualmente resposta a muitas das necessidades diárias da operação aeroportuária e muitas das vezes de forma remota, colocando a cidade do Porto no centro de um negócio que continua a crescer, e que vai apresentar novidades, com o objetivo de passar a disponibilizar serviços a terceiros.

“Walk the Talk: AI in Hospitality and Travel 2024-2026”, que se realiza em Lisboa, é o “kick-off” para mais 23 eventos que a BAE Ventures irá realizar em todo o mundo focado no setor do turismo. Por isso, para a “Tecnologia”, falámos com Henrique Veiga, CEO da BAE Ventures. Considerando que “estamos ainda no início” desta “nova era” digital com a Inteligência Artificial, Henrique Veiga admite estamos em tempos “comparáveis ao aparecimento da internet, e que vai mudar profundamente o mundo tal como o conhecemos”.

No “Dossier” desta edição, destaque para o Enoturismo. O secretário de Estado do Turismo, Pedro Machado, declarou ao Publituris que “enoturismo é um produto de grande afirmação” de Portugal, e que é ambição do nosso país tornar-se “um caso de excelência a nível mundial”. O enoturismo é, hoje, um dos 22 produtos turísticos que compõem as marcas de promoção do turismo português, presente em 25 mercados, considerados “maduros, competitivos e capazes de gerar novos negócios, nomeadamente, no que diz respeito ao alargamento a novos mercados”.

Para completar este dossier e o tema do Enoturismo, entrevistámos ainda o presidente da Entidade Regional do Alentejo e Ribatejo, José Santos; a coordenadora da Rota dos Vinhos do Alentejo, Maria Teresa Chicau; e damos a conhecer algumas das propostas de norte a sul do país.

Nesta edição do Publituris, as opiniões pertencem a Francisco Jaime Quesado (economista e gestor); Ana Jacinto (AHRESP); João Caldeira Heitor (ISG); Amaro F. Correia (Atlântico Business School); e Joaquim Robalo de Almeida (ARAC).

A versão completa desta edição é exclusiva para subscritores do Publituris. Pode comprar apenas esta edição ou efetuar uma assinatura do Publituris aqui obtendo o acesso imediato.

Para mais informações contacte: Carmo David | [email protected] | 215 825 430

Nota: Se já é subscritor do Publituris entre no site com o seu Login de assinante, dirija-se à secção Premium – Edição Digital e escolha a edição que deseja ler, abra o epaper com os dados de acesso indicados no final do resumo de cada edição.

Boas leituras.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Eventos Publituris

Conheça os vencedores dos Publituris Portugal Travel Awards 2024

O Publituris entregou esta noite, 4 de julho, os prémios aos 23 vencedores dos Portugal Travel Awards 2024. O Prémio “Belmiro Santos” distinguiu a carreira de Raul Martins.

Publituris

Os 177 nomeados dos Publituris Portugal Travel Awards 2024 resultaram em 22 vencedores, havendo ainda lugar à entrega do Prémio “Belmiro Santos”.

Os candidatos vencedores nas 22 categorias foram conhecidos esta noite, 4 de julho, num evento realizado no Pestana Douro Riverside, no Porto, e contou com a presença do secretário de Estado do Turismo, Pedro Machado; presidente do Turismo de Portugal, Carlos Abade; vice-presidente-executiva da Associação da Hotelaria de Portugal (AHP), Cristina Siza Vieira; presidente da APECATE, António Marques Vidal; secretária-geral da AHRESP, Ana Jacinto; quatro presidentes das ERT, Luís Pedro Martins (Porto e Norte), Carla Salsinha (Lisboa), José Santos (Ribatejo e Alentejo) e André Gomes (Algarve); vereadora do Turismo e Internacionalização da Câmara Municipal do Porto, Catarina Santos Cunha; secretário-geral da ARAC, Joaquim Robalo de Almeida, entre as mais de 400 pessoas que marcaram presença.

Os vencedores da 19.ª edição dos Publituris Portugal Travel Awards foram:

Melhor Companhia de Aviação – TAP Air Portugal

Melhor Companhia de Aviação Lowcost – easyJet

Melhor Rent-a-Car – Europcar

Melhor Operador Turístico – Solférias

Melhor Rede de Agências de Viagens – Agência Abreu

Melhor Companhia de Cruzeiros – MSC Cruzeiros

Melhor Cadeia Hoteleira – Vila Galé Hotéis

Melhor Hotel Cinco Estrelas – Torel Avantagarde

Melhor Hotel Quatro Estrelas – Octant Hotels Furnas

Melhor Hotel Resort – Monchique Resort & Spa

Melhor Boutique Hotel – Pestana Fisherman

Melhor Hotel de Cidade – Montebelo Vista Alegre Lisboa Chiado Hotel

Melhor Hotel MICE – Meliá Ria Hotel & Spa

Melhor Hotel de Praia – EPIC Sana Algarve Hotel

Melhor Turismo Rural – Herdade da Matinha

Melhor Enoturismo – Torre de Palma Wine Hotel

Melhor Campo de Golfe – Oitavos Dunes – Cascais

Melhor Parque Temático e Diversões – Zoomarine

Melhor Empresa de Animação Turística – Picos de Aventura

Melhor Marina – Marina de Vilamoura

Melhor Destino Internacional – Dubai

Melhor Região de Turismo Nacional – Açores

Prémio “Belmiro Santos” – Raul Martins (*atribuído diretamente pela redação do Publituris)

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Foto: Depositphotos.com

Aviação

Maio traz aumento de 10,7% na procura por viagens aéreas e maior load factor

A IATA indica que, em maio, a procura internacional por viagens aéreas subiu 10,7% e todas as regiões do mundo registaram um aumento de passageiros internacionais, assim como do load factor, com exceção da América do Norte.

Inês de Matos

Em maio, a procura por viagens aéreas registou um aumento de 10,7%, avança a Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA), que destaca ainda o load factor, que chegou aos 83,4%, valor que representa um recorde para o  quinto mês do ano.

“A forte procura por viagens continua com as companhias aéreas a registarem um aumento anual de 10,7% nas viagens em maio. As companhias aéreas preencheram 83,4% dos seus assentos, um recorde para este mês. Com as vendas de bilhetes em maio para viagens no início da época alta a subirem quase 6%, a tendência de crescimento não mostra sinais de abrandamento”, congratula-se Willie Walsh, diretor-geral da IATA.

Os dados da IATA relativos ao mês de maio mostram que também a capacidade oferecida pelas companhias aéreas aumentou globalmente 8,5% face ao mesmo mês de 2023, enquanto o load factor, que chegou aos 83,4%, aumentou 1,7 pontos percentuais face ao mesmo período do ano passado.

A procura interna cresceu 4,7% comparativamente a maio de 2023 e a capacidade aumentou 0,1%, enquanto a taxa de ocupação dos voos internos chegou aos 84,5%, numa subida de 3,8 pontos percentuais face a maio de 2023.

Em maio, o destaque foi, contudo, para a procura internacional, que aumentou 14,6% em comparação com maio de 2023, enquanto a capacidade subiu 14,1% em relação ao ano anterior e a taxa de ocupação melhorou para 82,8%, depois de um crescimento de 0,3% pontos percentuais.

Passageiros internacionais crescem em todas as regiões

A IATA indica que, em maio, todas as regiões do mundo registaram um aumento de passageiros internacionais, assim como do load factor, com exceção da América do Norte.

No que diz respeito à procura internacional, o destaque vai para a região da Ásia-Pacífico, onde este indicador subiu 27.0% face a maio de 2023. Já a capacidade subiu 26.0% nesta região e o load factor chegou aos 81.6%, depois de um aumento de 0,6 pontos percentuais face a maio do ano passado.

“Este desempenho mantém as transportadoras asiáticas como o maior contribuinte para
crescimento de toda a indústria em maio, respondendo por 42% do aumento anual”, destaca a IATA, no comunicado que acompanha os números relativos ao mês de maio.

Na América Latina, o aumento da procura internacional foi de 15.9% em maio, enquanto a capacidade subiu 14.3% e o load factor chegou aos 85.1%, depois de um aumento de 1,2 pontos percentuais, assumindo-se como a ocupação mais elevada entre todas as regiões do mundo.

Em África, a procura internacional subiu ainda 14.1% e a capacidade cresceu 8.2%, enquanto o load factor aumentou 3,7 pontos percentuais, fixando-se nos 72.3%, com a IATA a sublinhar que este foi “o aumento mais rápido no load factor entre todas as regiões”, ainda que África continue a apresentar o load factor mais baixo a nível global.

Na Europa, a procura internacional cresceu ainda 11,7% face a maio de 2023, enquanto a capacidade cresceu 11.3% e o load factor subiu 0,3 pontos percentuais, fixando-se nos 84.7%.

No Médio Oriente, o aumento da procura internacional por viagens aéreas chegou aos 9.7% e a capacidade registou um acréscimo de 9.0%, enquanto o load factor aumentou 0.5 pontos percentuais, subindo para 80.7%, com a IATA a destacar as rotas asiáticas que têm como destino o Médio Oriente, que estão já 32% acima de 2019.

“Outro desenvolvimento notável é a rota Europa-Médio Oriente, que registou um aumento do RPK entre abril e maio durante dois anos consecutivos, revertendo o histórico anterior. Nos próximos meses, ficará mais claro até que ponto estas tendências poderão estar relacionadas com a guerra Rússia-Ucrânia”, acrescenta a IATA.

Já a região da América do Norte apresentou uma performance mais modesta e cresceu apenas 8.1% na procura internacional, enquanto a capacidade subiu 9.7% e o load factor passou para os 84.0%, caindo 1,2 pontos percentuais face a maio do ano passado.

 

 

 

 

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Destinos

Portugal ganha Rede de Observatórios Regionais de Sustentabilidade

A Rede de Observatórios Regionais de Sustentabilidade foi formalizada esta terça-feira, 2 de julho, numa cerimónia na Escola de Hotelaria e Turismo do Estoril, por iniciativa do Turismo de Portugal.

Publituris

Portugal vai passar a contar com uma Rede de Observatórios Regionais de Sustentabilidade, iniciativa que foi formalizada esta terça-feira, 2 de julho, numa cerimónia na Escola de Hotelaria e Turismo do Estoril, por iniciativa do Turismo de Portugal.

A Rede de Observatórios Regionais de Sustentabilidade é constituída pelo Turismo de Portugal, que esteve representado no evento pelo presidente, Carlos Abade, assim como pelas Secretarias Regionais do Turismo dos Açores e da Madeira e pelas cinco entidades regionais de turismo do continente, concretamente Turismo do Porto e Norte, Turismo Centro de Portugal, Turismo de Lisboa, Turismo do Alentejo e Turismo do Algarve.

“No protocolo, os parceiros comprometem-se a desenvolver os Observatórios Regionais de Turismo Sustentável, alocando os recursos necessários para a sua atividade, desenvolvendo projetos de investigação conjuntos e partilhando os resultados das investigações. Entre as medidas acordadas, destaca-se também a definição de métricas padrão para monitorizar a sustentabilidade no turismo”, lê-se num comunicado divulgado pela Turismo Centro de Portugal, cujo Observatório do Turismo Sustentável (OSTCP) é um dos fundadores da nova rede.

Os parceiros da Rede de Observatórios Regionais de Sustentabilidade contam vir a “colaborar ativamente com a Rede de Observatórios da Organização Mundial do Turismo das Nações Unidas (INSTO), promovendo a troca de conhecimentos e boas práticas com observatórios internacionais congéneres e participando em projetos da UNWTO relacionados com turismo sustentável”.

Segundo a informação divulgada, a rede INSTO é “uma iniciativa da UNWTO, criada para apoiar a monitorização e a avaliação do turismo sustentável em vários destinos em todo o mundo” e que tem como objetivo “auxiliar os destinos a tomar decisões informadas para minimizar os impactos negativos do turismo e, ao mesmo tempo, maximizar os benefícios para as comunidades locais, o meio ambiente e a economia”.

Durante a cerimónia de lançamento da rede, Francisco Dias, coordenador do OSTCP, apresentou o projeto do Centro de Portugal aos restantes parceiros da rede, explicando que este organismo constitui um “apoio fundamental à tomada de decisão dos protagonistas da atividade turística no território”.

“A Rede de Observatórios Regionais de Sustentabilidade é uma iniciativa muito positiva, que vai possibilitar uma integração maior das informações sobre a atividade turística no país, permitindo colmatar lacunas que existem a esse nível. É difícil gerir e tomar decisões quando a informação é escassa. O conhecimento resultante desta colaboração irá, seguramente, ser uma mais-valia para os empresários e para as instituições públicas ligadas ao turismo. Assim, poderemos promover um turismo mais sustentável e resiliente, beneficiando as comunidades locais e preservando os nossos recursos naturais”, acrescenta Anabela Freitas, vice-presidente da Turismo Centro de Portugal.

Recorde-se que o OTSCP – Observatório do Turismo Sustentável do Centro de Portugal foi criado pela Turismo Centro de Portugal, em parceria com o Instituto Politécnico de Leiria, através do CiTUR – Centro de Investigação, Desenvolvimento e Inovação em Turismo do Politécnico de Leiria, contando com um Conselho Técnico-Científico composto por 30 investigadores de várias instituições de ensino superior no Centro de Portugal, designadamente as Universidades de Aveiro, Coimbra e Beira Interior e os Institutos Politécnicos de Leiria, Tomar, Coimbra, Guarda, Viseu e Castelo Branco.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

Qatar Airways apresenta lucro mais elevado em 27 anos de história

A Qatar Airways reportou esta terça-feira, 2 de julho, um lucro de 1,7 mil milhões de dólares no ano fiscal 2023/2024, o valor mais elevado nos 27 anos de história da companhia aérea de bandeira do Qatar, que também viu o número de passageiros transportados aumentar 26%.

Inês de Matos

A Qatar Airways reportou esta terça-feira, 2 de julho, um lucro de 1,7 mil milhões de dólares no ano fiscal 2023/2024, o valor mais elevado nos 27 anos de história da companhia aérea de bandeira do Qatar.

Num comunicado enviado à imprensa, a Qatar Airways indica que, no último ano fiscal, contabilizou 22,2 mil milhões de dólares em receitas totais, indicador que ficou 1,3 mil milhões de dólares ou 6% acima do registado no anterior ano fiscal.

Já o EBITDA da Qatar Airways foi de 5,2 mil milhões de dólares, crescendo cerca de 0,3 mil milhões de dólares face ao ano passado, o que, explica a companhia aérea em comunicado, reflete “o foco contínuo do negócio na experiência do cliente, inovação, digitalização e sustentabilidade, resultando em operações simplificadas, ágeis e adequadas em todas as áreas”.

No ano fiscal de 2023/2024, a Qatar Airways transportou mais de 40 milhões de passageiros, o que traduz uma subida de 26% face ao ano anterior e gerou maiores receitas por passageiro, num indicador que cresceu ainda 19%, enquanto a capacidade subiu 21% e o load factor se situou nos 83%, valor que foi também o mais elevado da história da companhia aérea e permitiu “um aumento sustentável da quota de mercado”.

“Este último desempenho anual notável demonstra a flexibilidade e resiliência do Grupo Qatar Airways em navegar com sucesso em uma indústria de viagens global em constante evolução e indica uma recuperação forte e sustentada dos desafios enfrentados pelo setor nos últimos anos”, congratula-se Saad Bin Sharida Al-Kaabi, ministro de Estado da Energia do Qatar e presidente do Grupo Qatar Airways.

Já Badr Mohammed Al-Meer, CEO do Grupo Qatar Airways, considera que estes “resultados financeiros muito fortes são uma prova da ambição e da direção clara” que a Qatar Airways tem tomado, com foco no “lucro, eficiência e experiência do cliente”.

“Esta incrível conquista deve-se, em grande parte, ao esforço coletivo de toda a família do Grupo Qatar Airways, que trabalhou incansavelmente para alcançar resultados tão estelares. Devemos agora usar isto como uma base sobre a qual construiremos o nosso sucesso contínuo”, acrescentou o responsável.

No ano passado, a rede da Qatar Airways também cresceu para mais de 170 destinos, passando a contar com ligações para Al Ula, Neom e Tabuk, na Arábia Saudita; Lyon e Toulouse, França; Medan, Indonésia; e Trabzon, na Turquia, durante todo o ano.

Além destes novos destinos, a Qatar Airways retomou ainda, no ano fiscal de 2023/2024, os voos para o Bahrein; Birmingham, Reino Unido; Pequim, Chengdu e Chongqing, China; Davao, Filipinas; Tóquio Haneda e Osaka, Japão; Marraquexe, Marrocos; Nice, França; Penang, Malásia; Phnom Penh, Camboja; Ras Al Khaimah, Emirados Árabes Unidos; e Yanbu, Arábia Saudita.

 

 

 

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Destinos

Férias de verão 2024 dos franceses: orçamento reforçado, reservas antecipadas e estadias mais longas

Com a descida da inflação, os orçamentos familiares franceses estão a recuperar um pouco de flexibilidade para as férias de verão de 2024. Apesar de uma situação económica incerta, os franceses estão interessados em manter as férias de verão, mesmo que isso signifique ajustar certas despesas. É o que diz um novo estudo realizado pela Younited, uma solução de crédito instantâneo.

Publituris

Como avança notícia publica no “Le Quotidien du Tourisme.com”, entre os franceses que poderão tirar férias, a inflação afeta menos os orçamentos familiares este ano: apenas 53% dos entrevistados reduziram o seu orçamento de férias, em comparação com 66% em 2023. Além disso, 8% aumentaram o seu orçamento, em comparação com 3% o ano passado. Embora queiram aproveitar as férias de verão, permanecem vigilantes quanto aos seus gastos.

Em linha com as conclusões do ano passado, 56% deles gastam mais de mil euros nas suas férias, com mais de 30% a planear orçamentar entre mil e dois mil euros em 2024. Estas tendências indicam uma estabilização dos orçamentos médios.

Por outro lado, para financiar as férias de verão deste ano, 52% dos entrevistados pretendem utilizar o seu salário, enquanto 30% pensa mexer nas suas poupanças. Além disso, mais de três em cada dez adotam uma abordagem flexível na gestão das suas despesas: 15% consideram contrair um empréstimo e 16% preferem opções de pagamento a prestações.

A antecipação desempenha um papel crucial este ano para minimizar os impactos financeiros ligados às Olimpíadas: 33% reservaram as férias com seis meses de antecedência em 2024, um aumento de 6 pontos em relação a 2023. As reservas de última hora, menos populares, preocupam apenas 23% dos possíveis viajantes este ano, registando uma queda significativa de 5 pontos face ao ano anterior.

Agosto continua a ser o mês preferido para ir, com 51% dos inquiridos a optar por este período. As estadias de duas semanas também estão em voga, registando um aumento notável de 6 pontos em 2024 para atingir 46%.

No que diz respeito ao alojamento e escolha do destino, os franceses estão a fazer ajustes para otimizar o seu orçamento: 50% escolhem alojamentos mais acessíveis, contra 41% em 2023. No entanto, as estadias com amigos ou familiares são menos frequentes, passando de 33% para 25. % este ano.

O transporte também é um item de custo importante. Para poupar dinheiro, os franceses continuam a privilegiar destinos perto de casa: em 2024, 26% escolheram esta opção, contra 21% em 2023.

No entanto, apesar do entusiasmo mediático associado aos Jogos Olímpicos de Verão de 2024, é claro que este evento desperta pouco entusiasmo entre os franceses entrevistados. Pouco mais da metade disseram ser indiferentes às Olimpíadas, enquanto apenas 4% planeavam comparecer pessoalmente. É possível que a maioria acompanhe os Jogos remotamente. Além disso, este evento não tem impacto significativo no calendário de saídas ou no orçamento de férias para a maioria dos que planeiam partir, ou seja, 86% e 85% respetivamente.

Este estudo foi realizado numa amostra de 756 entrevistados franceses, com 18 anos ou mais, via online, de 27 a 31 de maio de 2024.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Turismo do Algarve reduz em 12% consumo de água com Selo Save Water

Os empreendimentos turísticos da região do Algarve que aderiram ao selo de eficiência hídrica “Save Water” reduziram em 12% os consumos de água nos primeiros meses do ano.

Publituris

O primeiro relatório de monitorização do Compromisso com a Eficiência Hídrica, para o setor do turismo, elaborado pela ADENE, indica que os empreendimentos turísticos da região do Algarve que aderiram ao selo de eficiência hídrica “Save Water” reduziram em 12% os consumos de água nos primeiros meses do ano.

De acordo com o relatório da ADENE, a poupança de água alcançada contribui para mitigar o problema de escassez hídrica no Algarve, considerando-se “positiva” a melhoria da informação sobre os consumos do setor do Turismo do Algarve, possibilitando a formulação de políticas mais ajustadas e direcionadas aos diferentes setores.

Contudo, o relatório da ADENE recomenda a intensificação do esforço de divulgação com vista a um incremento da adesão à iniciativa, já que dos cerca de 650 empreendimentos turísticos registados na região do Algarve, aderiram à plataforma 85, cerca de 13% do total que representarão, de acordo com dados da Região de Turismo do Algarve, mais de 20% do total de camas disponíveis na região.

Recorde-se que o selo de eficiência hídrica aplicável aos hotéis e demais empreendimentos turísticos é uma medida coordenada pela Região de Turismo do Algarve, em articulação com o Turismo de Portugal, tendo a ADENE, a responsabilidade de assegurar a monitorização dos consumos reportados pelos aderentes na Plataforma Compromisso com a Eficiência Hídrica, bem como alcançado na aplicação das medidas.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Turismo

Turismo de Portugal coloca, juntamente com a banca, mais 300 milhões de euros à disposição do setor

O Turismo de Portugal, em conjunto com 12 entidades bancárias, assinou um protocolo que revê e reforça a Linha de Apoio à Qualificação da Oferta Turística 2024 em 300 milhões de euros. A nova linha prevê o aumento do valor máximo a atribuir, por operação, passando de 1,5 milhões de euros para 3 milhões de euros.

Victor Jorge

O Turismo de Portugal (TdP) acaba de rever e reforçar, através da Linha de Apoio à Qualificação da Oferta Turística 2024, o apoio ao setor do turismo nacional, com mais 300 milhões de euros, tendo feito alguns ajustes, passando as empresas a dispor do dobro do valor face à linha anterior, o que equivale, no máximo, a três milhões de euros por operação, num total que não pode exceder 80% do investimento elegível.

Na apresentação desta linha de apoio, Carlos Abade, presidente do Turismo de Portugal, começou por assinalar os 264 projetos financiados com a linha anterior permitiu apoiar, num valor acumulado de 415 milhões de euros de investimento, tendo ainda alocado 212 milhões de euros de financiamento entre aquilo que era a intervenção do Turismo de Portugal e a intervenção das instituições de crédito.

“Esta dimensão e a necessidade de criar e reforçar esta linha vem, de facto, da constatação de que, apesar ou até por força do crescimento que o setor do turismo tem, continua a enfrentar desafios grandes que exigem, por parte das empresas, respostas grandes, nomeadamente naquilo que é a qualificação do seu produto, o posicionamento da sua oferta, aquilo que é a criação atualmente da sua marca, bem como daquilo que é a diversificação da sua proposta de valor”, assinalou Carlos Abade, admitindo que “isso exige investimento constante por parte das empresas”.

Por isso, indicou o presidente do Turismo de Portugal, “é necessário criar condições para que as empresas tenham as melhores condições para poderem investir e responder aos desafios não só da inovação, mas também desafios como a sustentabilidade. E esta questão e esta dimensão e o esforço desta linha vem precisamente neste sentido de dar condições para que as empresas possam continuar a investir, continuar a crescer”.

Constituindo uma linha de crédito, criada entre o Turismo de Portugal e 12 instituições de crédito, trata-se de um financiamento de médio e longo prazo de projetos turísticos que sobretudo qualificam a oferta, Carlos Abade referiu que esta linha faz parte de um conjunto de “instrumentos de apoio público que existem, muito focada no apoio àqueles projetos que qualificam a oferta, mas que o façam, com requisitos de sustentabilidade ambiental e sustentabilidade social”.

Afirmando que se trata de “um modelo de partilha, de liquidez e de risco” entre o Turismo de Portugal e as instituições de crédito, serão estas últimas a realizarem a validação dos projetos e das propostas de valor, tratando-se de um “mecanismo complementar e não de substituição”.

Com o financiamento a ser repartido em 40% pelo TdP e 60% pela banca, sendo que no caso das grandes empresas, a proporção passa para 30% pelo TdP e os restantes 70% pelos bancos, Carlos Abade indicou que as empresas não pagam juros na parcela referente ao Instituto Público, sendo que no caso da banca fica definido que as comissões a cobrar, independentemente da sua natureza, não podem ultrapassar, no seu conjunto, 0,5% do montante do financiamento em dívida concedido.

Nas operações elegíveis, destaque para a requalificação e reposicionamento de empreendimentos, estabelecimentos e atividades; criação de empreendimentos, estabelecimentos e atividades, desde que, cumulativamente sejam implementados nos territórios de baixa densidade, sejam adequados à procura turística atual ou potencial e acrescentem valor à região; projetos de empreendedorismo; e projetos integrados no Programa REVIVE.

Pontos importantes desta nova linha, relativamente à anterior, passam pela elegibilidade das despesas com investimento em alojamento para os trabalhadores da empresam; aumento do valor do prémio de desempenho para um máximo de 35% (PME) ou 15% (não PME) do valor do empréstimo do Turismo de Portugal; parte do valor do prémio (10%) ficar dependente da obtenção de distinção Sustainability Leader no âmbito do Programa Empresas Turismo 360º; bem como no alargamento da possibilidade de enquadramento regulamentar do auxílio do TdP (regime de minimis, apoio a PME e Auxílios com Finalidade Regional”.

Já o secretário de Estado do Turismo (SET), Pedro Machado, recordou que, em 2009, tínhamos cerca de 500 milhões de pessoas no mundo a viajar por motivação turística e que, em 2030, esse número deverá aumentar para 1,3 mil milhões. “Portugal possui três ativos qualificadores que fazem a diferença naquilo que é a nossa perspetiva competitiva: segurança, um sistema de saúde público compatível e confiável para ativos que viajem para o destino, e, finalmente, algo que não é transacionável, mas algo que faz a diferença do ponto de vista daquilo que é a projeção, a promoção e a valorização do destino que são os portugueses”.

Pedro Machado assinalou ainda o que o Governo tem feito face à necessidade de recursos humanos, “lançámos o pacote para as migrações”; no que diz respeito aos problemas de mobilidade e de atratividade internacional, “lançámos o projeto do aeroporto internacional”; no domínio da entrada dos cidadãos estrangeiros, “o Governo está neste momento a resolver o problema dos dados biométricos para que se facilite e diminua o tempo de transição, para facilitar o fluxo destes cidadãos”, fazendo ainda referência ao processo de revisão dos empreendimentos turísticos, revisão da Lei 33.

Pedro Machado assinalou também que, no que toca à qualificação da experiência turística, “ela passa pela estruturação do produto. Esta relação com as Entidades Regionais de Turismo, com as Agências de Promoção Externa, com os Municípios, com as Comunidades Intermunicipais, que hoje também sacam e assacam responsabilidades na componente da estruturação, são para nós um elemento chave”.

A terminar o SET destacou ainda que “a qualificação da oferta passa, igualmente, pelo grau de satisfação das comunidades que recebem o turismo. O turismo tem de ser, deve ser, uma atividade económica forte, desde que ela compense também as comunidades residentes que recebem turistas. A ideia de acrescentar valor, a ideia de acrescentar coesão, a ideia de nós podermos mitigar perceções públicas que comecem a surgir sobre aquilo que é hoje o impacto do turismo, também é uma missão da qualificação da nossa oferta”.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos

Foto: Depositphotos.com

Destinos

Turismo volta a crescer com EUA a posicionar-se como 3.º mercado

Depois de quebras no mês de abril, o setor do alojamento turístico regressou aos números positivos nas dormidas e hóspedes. Com o mercado britânico a liderar, destaque para os EUA que se posicionam como 3.º mercado emissor, ultrapassando Espanha e França.

Victor Jorge

O setor do alojamento turístico registou 3,1 milhões de hóspedes (2,6 milhões em abril) e 7,7 milhões de dormidas em maio de 2024 (6,5 milhões em abril), correspondendo a subidas de 9,4% e 7,5%, respetivamente, depois de em abril deste ano ter caído 3,7% e 4,3%, pela mesma ordem), revelam os números do Instituo Nacional de Estatística (INE).

As dormidas de residentes totalizaram 1,9 milhões, voltando a aumentar (+7,6%), após o decréscimo de 12,4% em abril, enquanto a evolução registada pelos mercados externos foi de 7,5%, depois de uma quebra de 0,9% em abril, alcançando 5,8 milhões de dormidas.

Os 10 principais mercados emissores representaram, em maio, 77,5% do total de dormidas de não residentes neste mês, destacando-se o mercado britânico (19,1% do total das dormidas de não residentes em maio), o de maior peso, com um aumento de 2,1% face ao mês homólogo, superando as 1,1 milhões de dormidas no quinto mês de 2024.

As dormidas do mercado alemão (11,8% do total), o segundo principal, cresceram 10%, fixando-se nas 680 mil, seguindo-se o mercado norte americano, na terceira posição (quota de 10,1%), com um aumento 17,3%, ultrapassando, com as 585 mil dormidas, o mercado francês (peso de 9,2%), um dos poucos, entre os principais, que decresceram (-1,8%), fixando-se nas 529 mil dormidas, em maio de 2024. No conjunto dos cinco primeiros meses do ano, é de realçar a evolução do mercado norte americano (+16,2%), que assumiu a terceira posição, ultrapassando os mercados espanhol e francês.

No grupo dos 10 principais mercados emissores, destacaram-se ainda os mercados espanhol e canadiano (quotas de 7% e 3,2%, respetivamente) pelos crescimentos mais significativos, +22,5% e +18,2%, pela mesma ordem. O mercado brasileiro (quota de 4,5%) foi o que mais decresceu (-2,1%).

No que diz respeito à performance das regiões nacionais, destaque para o facto de, em maio, todas as regiões terem registado crescimentos nas dormidas. Os aumentos mais expressivos observaram-se, segundo o INE, no Alentejo (+18%) e nos Açores (+17,6%), enquanto os crescimentos mais modestos se registaram no Algarve (+5,2%), na Madeira (+5,6%) e na Grande Lisboa (+5,7%).

As dormidas de residentes apresentaram crescimentos em todas as regiões, com exceção da Madeira (-2,7%). O Alentejo destacou-se com o maior crescimento (+18,7%), seguindo-se o Oeste e Vale do Tejo (+12,6%) e o Centro (+11,4%).

As dormidas de não residentes cresceram em todas as regiões, de forma mais expressiva nos Açores (+21,7%), na Península de Setúbal (+19%) e no Alentejo (+16,9%).

Menos positivos são os dados referentes à estada média que, em maio, ) diminuiu 1,7% (-0,7% em abril) nos estabelecimentos de alojamento turístico, fixando-se nas 2,47 noites.

Este indicador registou os maiores crescimentos nas Regiões Autónomas (+3,5% nos Açores e +1,3% na Madeira), tendo decrescido de forma mais expressiva no Oeste e Vale do Tejo (-3,6%) e no Centro (-2,7%).

Os valores mais elevados deste indicador continuaram a observar-se na Madeira (4,37 noites) e no Algarve (3,80 noites), tendo as estadias mais curtas ocorrido no Centro (1,60 noites) e no Oeste e Vale do Tejo (1,68 noites).

Em maio, a estada média dos residentes (1,81 noites) diminuiu 1,4% e a dos não residentes (2,81 noites) decresceu 1,8%, mostram os dados do INE.

A estada média dos não residentes foi mais longa do que a dos residentes em todas as regiões, tendo a Madeira continuado a registar as estadas médias mais prolongadas, quer dos residentes (2,87 noites) quer dos não residentes (4,73 noites). Para além da Madeira, as estadas médias observadas no Algarve (2,73 noites dos residentes e 4,08 noites dos não residentes) e nos Açores (2,68 noites e 3,33 noites, pela mesma ordem) também ficaram acima das estadas médias nacionais.

Foto: Depositphotos.com
Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2024 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.