Assine já
Destinos

Receitas turísticas de março já ultrapassaram período pré-pandemia

As receitas provenientes da atividade turística somaram 1.176,00 milhões de euros em março, valor que traduz um aumento de 5,3% face a igual mês de 2019, de acordo com os dados divulgados esta quarta-feira, 18 de maio, pelo Banco de Portugal (BdP).

Inês de Matos
Destinos

Receitas turísticas de março já ultrapassaram período pré-pandemia

As receitas provenientes da atividade turística somaram 1.176,00 milhões de euros em março, valor que traduz um aumento de 5,3% face a igual mês de 2019, de acordo com os dados divulgados esta quarta-feira, 18 de maio, pelo Banco de Portugal (BdP).

Inês de Matos
Sobre o autor
Inês de Matos
Artigos relacionados
Receitas turísticas de agosto voltaram a bater recorde
Homepage
Receitas turísticas de setembro com subida de 8,5%
Homepage
Receitas turísticas voltam a afundar e descem 76,9% em fevereiro
Homepage
linha de crédito
Receitas turísticas de novembro aproximam-se de 2019
Destinos
Trends & Dynamics

As receitas provenientes da atividade turística somaram 1.176,00 milhões de euros em março, valor que traduz um aumento de 5,3% face a igual mês de 2019, o último ano antes da chegada da pandemia, quando este indicador tinha ficado nos 1.117,25 milhões de euros, de acordo com os dados revelados esta quarta-feira, 18 de maio, pelo Banco de Portugal (BdP).

Os valores divulgados pelo BdP indicam que, face a março de 2021, o crescimento das receitas turísticas, que se encontram pelos gastos dos turistas estrangeiros em Portugal, foi bem mais expressivo, uma vez que, em mês homólogo do ano passado, o país estava ainda a sair do segundo confinamento, pelo que o crescimento foi de 343,2% face aos 265,34 milhões de euros apurados em março do ano passado.

Em comparação com março de 2020, ano em que a COVID-19 chegou a Portugal e obrigou ao primeiro confinamento a partir de meados desse mês, o crescimento das receitas turísticas chega aos 93,9%, já que o montante apurado nessa altura tinha sido de 606,48 milhões de euros.

Apesar das notícias positivas nas receitas turísticas, março ainda não trouxe um crescimento das importações do turismo, que se encontram pelos gastos dos turistas portugueses no estrangeiro, uma vez que este indicador somou 264,81 milhões de euros, o que traduz uma descida de 14,8% face aos 310,86 milhões de euros apurados em março de 2019.

Apesar disso, o valor das importações do turismo ultrapassou os dois últimos anos, ficando 56,1% acima dos 169,66 milhões de euros apurados em março de 2020 e 89,3% acima dos 139,91 milhões de euros relativos a março de 2021.

Já o saldo da rubrica ‘Viagens e Turismo’ somou, em março, 911,19 milhões de euros, valor que também traduz um aumento de cerca de 13% face aos 806,39 milhões de euros apurados em igual mês do último ano antes da pandemia.

Em comparação com março de 2020 e 2021, o crescimento do saldo das ‘Viagens e Turismo’ é ainda mais expressivo, traduzindo aumentos de 108,6% face aos 436,82 milhões de euros de mês homólogo de 2020, e 626,5% na comparação com os 125,43 milhões de euros de março de 2021.

“As exportações e as importações de viagens e turismo cresceram, em termos homólogos, respetivamente, 343,2% e 89,3%, permitindo que o excedente desta rubrica aumentasse 786 milhões de euros. As exportações superaram em 5% o valor de março de 2019, enquanto as importações se situaram 15% abaixo do valor observado nesse mês”, resume o BdP, no comunicado divulgado.

No acumulado dos três primeiros meses de 2022, as receitas turísticas somam já 2.725,88 milhões de euros, valor que fica 223,1% acima do apurado em igual período do ano passado e que traduz um aumento de 6,8% face ao acumulado dos três primeiros meses de 2020.

Em relação ao primeiro trimestre de 2019, quando o valor acumulado das receitas turísticas tinha sido de 2.876,71 milhões de euros, continua, no entanto, a registar-se uma descida de 5,2%.

Já no que diz respeito às importações, no acumulado dos três primeiros meses o montante é de 696,78 milhões de euros, valor que fica 18,2% abaixo de igual período pré-pandemia, quando chegava aos 852,08 milhões de euros. Face ao acumulado de 2020 e de 2021, o resultado é, no entanto, distinto, já que traduz uma redução de 7,2% face aos 747,19 milhões de euros de 2020 e um aumento de 46,4% face aos 373,49 milhões de euros de igual período de 2021.

No que diz respeito ao acumulado do saldo desta rubrica, o valor está nos 2.029,1 milhões de euros, o que indica que, face a igual período de 2019, também houve um aumento, ainda que tenha sido de apenas 0,2%, para 2.024,63 milhões de euros. Face ao acumulado do primeiro trimestre de 2020 e 2021, o aumento foi de 12,4% e 331,6%, respetivamente.

 

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Artigos relacionados
Destinos

Ryanair com 10 rotas que ligam Madeira à Europa no próximo Inverno

Nas contas da Ryanair, as duas aeronaves baseadas na Madeira para o Inverno de 2022 representam um investimento de 200 milhões de dólares (cerca de 205 milhões de euros), significando mais de 80 voos semanais e mais de 500 postos de trabalho, incluindo 60 empregos diretos.

Publituris

A Ryanair lançou, recentemente, a sua programação para o Inverno 2022 para a Madeira, anunciando 10 rotas de/para cidades europeias, tais como Bruxelas, Dublin, Londres e Milão.

Segundo a companhia aérea low-cost, “estas [rotas] irão conduzir o turismo durante todo o ano, para a Madeira, melhorando ao mesmo tempo a conectividade da ilha com as rotas domésticas para Lisboa e Porto, ao mesmo tempo que oferece ligações para os residentes madeirenses, com as tarifas mais baixas”.

Nas contas da Ryanair, as duas aeronaves baseadas na Madeira para o Inverno de 2022 representam um investimento de 200 milhões de dólares (cerca de 205 milhões de euros), significando mais de 80 voos semanais e mais de 500 postos de trabalho, incluindo 60 empregos diretos.

De resto, a companhia refere, em comunicado, que a base da Ryanair na Madeira representa um “compromisso em proporcionar tráfego de entrada, turismo e empregos locais durante todo o ano, ao mesmo tempo que melhora a conectividade vital para a economia da ilha”.

Na nota de imprensa pode ler-se ainda que, a fim de fazer crescer o turismo, a Ryanair, “ao contrário dos prestadores de serviços de hospitalidade na Madeira, precisa de certeza nos custos para investir a longo prazo, particularmente numa fase de recuperação pós-covid, pelo que o aumento proposto de 15% das taxas aeroportuárias pela ANA apenas irá danificar e potencialmente inverter o progresso já feito”.

A companhia liderada por Michael O’Leary considera ainda que “o aumento das taxas aeroportuárias resulta em custos de acesso não competitivos às regiões de Portugal, particularmente à ilha da Madeira, quando comparado com outros países europeus que continuam a oferecer incentivos de recuperação”.

Por isso, a Ryanair “apela” à ANA para que “abandone os aumentos propostos e, em vez disso, recompense as companhias aéreas que investem no aumento do número de passageiros com tarifas mais baixas, à semelhança do que a AENA, a Autoridade Aeroportuária Espanhola, fez ao alargar os seus incentivos de recuperação pós-covid para o período de Inverno”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Premium

Colômbia inova nas estratégias turísticas para recuperar

Para ultrapassar os efeitos da pandemia, a Colômbia desenhou um plano de recuperação, que passa por: liderar a reabertura da conetividade; promover o destino numa perspetiva de regiões turísticas; consolidar a sua posição como um centro internacional para eventos; posicionar o país como destino número um em termos de sustentabilidade; continuar com a transição do sistema de comercialização B2C; e apoiar a promoção de projetos de infraestruturas turísticas.

Antes da pandemia a Colômbia estava a desfrutar da sua melhor época turística”, segundo a presidente da ProColombia, Flávia Santoro. Em 2019, o destino recebeu 4,5 milhões de turistas estrangeiros. “Foi um resultado histórico para o nosso país, o que permitiu consolidar o setor como fundamental para a economia colombiana, representando 4,3% do PIB nesse ano, enquanto no que respeita à conetividade internacional conseguimos 17 novas rotas”.

Mas chegou a pandemia, e a responsável, que falava em videoconferência no XIII Fórum do Turismo Portugal-América Latina, organizado pelo IPDAL (Instituto para a Promoção da América Latina e Caraíbas), em Lisboa, e que teve precisamente a Colômbia como pais convidado, Flávia Santoro reconhece, “teve as suas consequências”, mas “conscientes do imenso potencial do país, de tudo o que conseguimos, e cada um dos seus destinos turísticos únicos, pensamos que a Colômbia está a desenhar todo um plano de recuperação focado nos esforços e em mudanças inovadoras, mas também facilitando a conetividade dos viajantes aéreas, fortalecendo a confiança  nos nossos turistas internacionais para visitarem os nossos destinos de forma segura”

Olhos postos na retoma
Nessa medida, destacou Flávia Santoro, “vamos apostar com muita determinação em várias linhas estratégicas: liderar a reabertura da conetividade, posicionar a Colômbia como um líder híbrido na América Latina, promover o país, e estamos a fazê-lo numa perspetiva de regiões turísticas, posicionar a Colômbia como destino número um na região em termos de sustentabilidade, manter essa transição do sistema de comercialização B2C, e apoiar a promoção de projetos de infraestruturas turísticas”.

A presidente da ProColombia realçou ainda que, em matéria de capacitação “decidimos migrar o nosso programa de formação exportadora para um formato virtual possibilitando a formação de mais de 21 mil empresários do nosso país”.

Assim, os olhos estão postos na recuperação turística. Já em 2021, com o início da retoma a Colômbia alcançou dois milhões de visitantes estrangeiros e mais de três mil milhões de dólares em divisas, o que representou uma recuperação de 50% em relação aos resultados de 2019 nos dois indicadores”, deu conta a responsável.

Além disso, em matéria de conetividade, nos anos 2020 e 2021 “abrimos 35 novas rotas, para dizer que duplicámos o número alcançado em 2019”, realçou, para acrescentar que, no que se refere a toda a reativação do MICE “decidimos lançar eventos híbridos e presenciais. Desde fevereiro de 2020 traçámos um propósito: reter e reprogramar os eventos de dimensão internacional, e evitar cancelamentos”. Em 2020 o país conseguiu reter 75% dos eventos que estavam programados, ou seja, 250. Para 2021 foram captadas 90 realizações provenientes de 18 países.

Em 2022, apesar da pandemia, a Colômbia está “quase a igualar os recordes de 2019, um ano que foi histórico para o turismo no país”, sublinhou Santoro.

A responsável deu nota que, até maio deste ano o destino contabilizou 1,594 milhões de chegadas de turistas estrangeiros, o que representa um aumento de 240% comparativamente ao mesmo período do ano anterior. No que toca à conetividade, já registou mais de 1.220 frequências semanais, com uma oferta total de 211.600 lugares, ou seja, um incremento de 6%, sendo 91 dessas rotas aéreas diretas.

Deste modo, a presidente da ProColombia sublinha que “o setor turístico colombiano tem demonstrado a sua imensa resiliência, a sua capacidade de adaptação e tenacidade, por isso, estou segura, vai-nos levar a um novo nível”.

Sustentabilidade e biodiversidade
A nova estratégia de promoção da Colômbia assenta nas seis regiões turísticas que o destino oferece, projeto planeado em parceria com tour operadores, empresas, entidades regionais e entidades governamentais da indústria turística, uma vez que o país pretende ter “uma oferta mais organizada, sustentável e mais competitiva”.

Conscientes do imenso potencial do país, de tudo o que conseguimos, e cada um dos seus destinos turísticos únicos, pensamos que a Colômbia está a desenhar todo um plano de recuperação focado nos esforços e em mudanças inovadoras”

As seis regiões são: as Grandes Caraíbas Colombianas, o Pacífico Colombiano, os Andes Ocidentais Colombianos, os Andes Orientais Colombianos, o Maciço (uma grande oferta de arqueologia, história, e culturas vivas) e o Amazónia-Orinoquá (o grande coração verde da Colômbia, repleta de biodiversidade).

Para Flávia Santoro, a Colômbia tem muito para oferecer em matéria de sustentabilidade, porque “é o país mais biodiverso do mundo por metro quadrado, mas também somos um destino líder em diversidade de borboletas e orquídeas, somos o segundo em diversidade de plantas, terceiro em répteis, e quarto no mundo em maior diversidade de mamíferos. Além disso, estamos entre os 15 países a nível mundial com maior área de cobertura vegetal”.

Ter tudo isso, segundo a Santoro “temos que ser responsáveis. Assumimos essa responsabilidade com compromisso e atos concretos. Por essa razão colocamos em marcha políticas em favor da sustentabilidade e da conservação. A Colômbia avança com pessoas firmes nesse sentido”.

A responsável esclareceu ainda, neste âmbito, que o seu país conta com 1.327 áreas protegidas que equivalem a 30% do território nacional. Por outro lado, a ProColombia está a acompanhar o Ministério do Comércio, Indústria e Turismo na implementação da política de turismo sustentável, sendo um dos 12 países mundiais a contar com medidas concretas nesse sentido.

Mas há mais, “A Colômbia foi um dos primeiros países do mundo a ubir.se para a condição do futuro no turismo, uma condição criada por organizações internacionais como a Greens Destinations. Essa condição proporciona parâmetros para construir uma indústria turística mais sustentável, que proteja os destinos e as pessoas que dependem desta atividade”.

A presidente da ProColombia declarou ainda na sua intervenção dirigida aos empresários portugueses ligados ao turismo, que “estamos plenamente conscientes que a sustentabilidade já não é uma tendência, mas uma exigência em todos os setores”.

No que respeita à diversificação da oferta, o objetivo daquela entidade passa por acompanhar os empresários no seu processo de adaptação âs novas tendências mundiais e de um novo perfil dos viajantes, que “gostam de ter experiências sustentáveis, em destinos responsáveis, e que contemplam um impacto nas comunidades locais”.

Para finalizar a sua intervenção, Flávia Santoro afirmou que a ProColombia “está comprometida e encaminhada em concentrar a Colômbia em destino número um em sustentabilidade na região. Esta é, precisamente, uma das seis apostas estratégicas que visam posicionar o nosso país como destino de alta qualidade, com experiências turísticas baseadas na observação ambiental e de exaltação na riqueza cultural e natural”.

 

NÚMEROS

4,3%
do PIB em 2019, + de 4,5 milhões de turistas estrangeiros, e um total de 17 novas rotas aéreas

+ de 2 milhões
de visitantes internacionais em 2021, + de 3 mil milhões de dólares em divisas, recuperação de 50% face a 2019 e 35 novas rotas aéreas

1,590 milhões
Até maio de 2022, + de 1,590 milhões de chegadas internacionais, aumento de 240% face ao mesmo período do ano anterior, + de 1.220 frequências semanais com uma de 211.600 lugares, que corresponde a subida de 6%

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
Destinos

Receitas turísticas voltam a subir e tornam agosto no melhor mês de sempre em Portugal

Dados do Banco de Portugal (BdP) mostram que, em agosto, as receitas turísticas somaram 3.538,10 milhões de euros, 70,9% e 18,6% acima de igual mês de 2021 e 2019, respetivamente, tornando agosto de 2022 no melhor mês de sempre em receitas turísticas.

Inês de Matos

Em agosto, as receitas provenientes da atividade turística somaram 3.538,10 milhões de euros, valor que traduz um crescimento de 70,9% face a igual mês de 2021 e de 18,6% em comparação com agosto de 2019, antes da chegada da pandemia, de acordo com os dados revelados esta quinta-feira, 20 de outubro, pelo Banco de Portugal (BdP).

Os dados do BdP mostram que as receitas turísticas atingiram, em agosto, “os valores mensais mais elevados de toda a série”, uma vez que esta foi a primeira vez que o valor dos gastos dos turistas estrangeiros em Portugal ultrapassou os 3,5 mil milhões de euros num único mês. Até aqui, o melhor mês de sempre no que diz respeito às receitas turísticas tinha sido agosto de 2019, quando este valor somava 2.982,98 milhões de euros.

As notícias positivas foram também comuns às exportações do turismo, que correspondem aos gastos dos turistas portugueses no estrangeiro, que somaram 728,03 milhões de euros em agosto, o que indica um aumento de 46,6% face a agosto de 2021 e uma subida de 21,1% em comparação com agosto de 2019.

No que diz respeito ao saldo da rubrica Viagens e Turismo, agosto também trouxe resultados positivos, uma vez que este indicador somou 2.810,07 milhões de euros, o que corresponde a aumentos de 78,6% face a agosto de 2021 e de 18,0% face a mês homólogo de 2019.

Acumulado até agosto também bate recordes

Tal como o mês de agosto, também as receitas turísticas acumuladas desde janeiro apresentam um forte crescimento e somam já 14.219,1 milhões de euros, quando em igual período de 2019 este valor era de 12.662,77 milhões de euros, o que traduz um aumento de 12,3%, tornando este no maior acumulado de sempre no que diz respeito às receitas turísticas até agosto.

No  que diz respeito às importações do turismo, também houve uma subida até agosto face a igual período de 2019, uma vez que este valor chegou aos 3.675,37 milhões de euros, ultrapassando em 5,7% o valor de 3.475,9 milhões de euros que tinha sido apurado até agosto de 2019.

No saldo, as notícias são igualmente positivas, uma vez que este indicador somou 10.543,74 milhões de euros, o que traduz um acréscimo de 14,8% face aos 9.187,52 milhões de euros apurados entre janeiro e agosto de 2019.

 

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Destinos

“Viseu Dão Lafões Pé ante Pé” deu a conhecer os melhores trilhos da região

A campanha, inserida na estratégia de Walking & Cycling para promoção e valorização do território, iniciada em finais de maio e terminou este mês, foi composta por 14 caminhadas, em todos os municípios de Viseu Dão Lafões.

Mais de 1500 participantes tiveram a oportunidade de descobrir os percursos pedestres da região Viseu Dão Lafões, transformando a primeira edição da iniciativa “Viseu Dão Lafões Pé ante Pé” num sucesso que superou as melhores expetativas, segundo a organização.

Desenvolvida em estreita colaboração com os municípios, a “Viseu Dão Lafões Pé ante Pé” nasceu com o objetivo de ativar a Rede de Percursos Pedestres de Viseu Dão Lafões. As 14 caminhadas apresentaram níveis de dificuldade fácil e médio, com um enquadramento cénico que presenteou os participantes com os melhores argumentos naturais da região.

Durante os pouco mais de quatro meses que durou a primeira edição da iniciativa, os amantes do turismo de natureza tiveram a oportunidade de descobrir as grandes mais-valias de Viseu Dão Lafões, ficando a conhecer alguns dos melhores percursos e locais de interesse, não apenas na área do turismo ativo, como também no património natural, cultural e histórico, sem esquecer o enoturismo, a gastronomia e o bem-estar.

A iniciativa “Viseu Dão Lafões Pé ante Pé” é um dos elementos de um projeto mais vasto, que visa a implementação de percursos pedestres, centros BTT e centro de trail em toda a região, num investimento superior a 500 mil euros. Com este investimento, a CIM promoveu intervenções de qualificação e sinalização de um vasto conjunto de percursos pedestres e cicláveis por todo o território, contribuindo para a sua valorização, ao melhorar as suas condições de acesso e utilização.

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
Destinos

Herdade da Rocha integra portefólio do Grupo Terras & Terroir

O Grupo Terras & Terroir – Paixão pelas nossas raízes acaba de alargar a sua influência ao Alentejo com a entrada da Herdade da Rocha, propriedade com cerca de 60 hectares, que para além da vinha, possui uma unidade de enoturismo, de que fazem também parte uma tapada cinegética e um campo para treinar golfe.

Publituris

O Grupo Terras & Terroir – Paixão pelas nossas raízes avança com o processo de expansão com a entrada da Herdade da Rocha, propriedade localizada no concelho alentejano do Crato.

O grupo, fundado em 2020, integra já a Quinta da Pacheca e a Quinta do Barrilário, no Douro; a Caminhos Cruzados, no Dão; e a Quinta do Ortigão, na Bairrada; e estende agora a sua influência à Região Demarcada do Alentejo, com a Herdade da Rocha, empresa conhecida pela mineralidade e frescura dos seus vinhos e por uma oferta de enoturismo de categoria superior, que a breve trecho conhecerá algumas melhorias.

Esta operação insere-se na política estabelecida pelo grupo, detido pelos empresários Maria do Céu Gonçalves, Álvaro Lopes e Paulo Pereira, de valorizar o potencial de todas as regiões portuguesas que se dedicam à produção de vinho, com respeito pelo terroir e pelo caráter identitário de cada região.

Com cerca de 60 hectares, junto à serra de S. Mamede, a Herdade da Rocha dedica nove hectares de vinha para produção própria e que colocou no mercado, no ano transato, cerca de 75 mil garrafas de vinho.

 

Em 2014, foi construída uma adega de dois mil metros quadrados, onde podemos encontrar três lagares graníticos na zona de vinificação, que é decorada com grafites pelo artista Fábio Carneiro. A sala das barricas está revestida com ripas de madeira e as portas de madeira maciça, esculpidas pelo artista Paulo Neves, contruídas a partir da árvore Cryptomeria. Também ao longo do espaço podem admirar-se várias obras de arte.

Mas, nem só de vinho vive a Herdade da Rocha, também possui uma unidade de enoturismo, cuja decoração é marcada, em cada recanto, pela presença de elementos naturais.

São oito as unidades de alojamento, divididas entre o edifício principal e suites externas individuais, piscina, estacionamento privativo e terraço comum.

A gastronomia regional alentejana, com uma interpretação mais cosmopolita, também está disponível no restaurante do empreendimento. Da oferta da Herdade da Rocha consta, ainda, a possibilidade de fazer piqueniques, calcorrear os seus passadiços, treinar golfe ou visitar a tapada cinegética.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Campanha do Turismo de Cascais premiada em Cannes

O vídeo “It Works for you”, dedicado aos nómadas digitais, foi premiado nos Cannes Corporate Media & TV Awards com um Golfinho de Ouro, na categoria Vídeos Promocionais de Turismo: Destinos – Cidades.

Publituris

O vídeo da campanha do Turismo de Cascais “It Works for you”, dedicado aos nómadas digitais, foi premiado nos Cannes Corporate Media & TV Awards com um Troféu Golfinho de Ouro, na categoria Vídeos Promocionais de Turismo: Destinos – Cidades.

De acordo com o Turismo de Cascais, esta distinção “vem reforçar não só a oferta turística da região como também a estratégia de promoção da vila”, num reconhecimento pelo trabalho desenvolvido.

“Cascais é, por si só, uma inesquecível sinopse para qualquer filme, mas ter o reconhecimento internacional da comunicação do nosso destino é um indicador fundamental do sucesso da nossa estratégia de comunicação. Com o filme e a campanha “It works for you” reunimos os nossos dois protagonistas num mesmo guião: um destino premiado e uma comunicação corporativa reconhecida mundialmente”, considera Bernardo Corrêa de Barros, presidente do Turismo de Cascais.

Desenvolvido em parceria com o Ecossistema empreendedor DNA Cascais, o vídeo convida “todos os nómadas digitais a experimentarem um destino na Costa Atlântica com 30 km de costa e mais de 300 dias de sol por ano”, numa “verdadeira experiência de workation (work + vacation)”.

O vídeo da campanha “It Works for you” está disponível aqui.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Governo moçambicano multiplica esforços para estimular turismo

O governo moçambicano vai continuar a estimular o sector do turismo e a atrair turistas para o país, foi o compromisso assumido pelo primeiro-ministro, Adriano Maleane no encerramento da 8ª edição da Feira de Turismo denominada FIKANI que decorreu em Maputo sob o lema “Turismo como Fator de Revitalização Económica”.

Publituris

Moçambique tem um enorme potencial turístico e o governo, diz o primeiro-ministro, Adriano Maleane, citado pela rádio RFI, vai adotar medidas para atrair mais investidores nacionais e estrangeiros, assim como visitantes.

“Muito recentemente o Governo decidiu de facto simplificar o visto de turismo e de negócios para ser mais fácil visitar o nosso país porque nós não podemos estar numa situação em que damos o sinal de que é bom para visitar, mas quando alguém quer vir visitar, complicamos”, disse o líder do Governo.

Adriano Maleane chamou a atenção para a necessidade do envolvimento de todos para a edificação de uma indústria capaz de criar mais postos de trabalho e gerar lucros para as empresas e fundos para o Estado.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Silvio Nascimento é o novo presidente da Embratur

Silvio Nascimento é o novo presidente da Embratur – Agência Brasileira de Promoção Internacional do Turismo, sucedendo no cargo a Carlos Brito, que assumiu funções como ministro do Turismo do Brasil.

Publituris

Silvio Nascimento é o novo presidente da Embratur – Agência Brasileira de Promoção Internacional do Turismo, sucedendo no cargo a Carlos Brito, que assumiu funções como ministro do Turismo do Brasil.

Num comunicado enviado à imprensa esta terça-feira, 18 de outubro, a Embratur indica que Silvio Nascimento é licenciado em Direito pela ASCES – Centro Universitário Tabosa de Almeida, conta com experiência em Gestão Empresarial, assim como nas áreas administrativa, financeira, comercial e de produção.

O novo presidente da Embratur tem também experiência na coordenação de planos corporativos, análise estratégica e na definição de posicionamento de mercado.

Silvio Nascimento já desempenhava funções na Embratur desde 2019, quando assumiu o cargo de coordenador Geral de Publicidade e Propaganda. Em 2020, passou a gerente de Publicidade, Publicidade e Marketing Digital e, mais tarde, tornou-se ainda diretor de Marketing, Inteligência e Comunicação.

“Levamos o nome do Brasil, as belezas do nosso país, as qualidades únicas do nosso povo e da nossa cultura, ao conhecimento de um grande número de estrangeiros. Continuaremos o caminho que temos seguido até agora”, garantiu já Silvio Nascimento, que é natural de Recife – Pernambuco.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Cuba ultrapassa a marca do milhão de turistas internacionais até agosto

Cuba ultrapassou, até agosto, a marca de um milhão de turistas internacionais, quando em todo o ano de 2021, a ilha acolheu um pouco mais de 500 mil visitantes estrangeiros.

Publituris

O Canadá manteve-se, até agosto último, o primeiro mercado emissor para Cuba, que juntamente com os Estados Unidos e Espanha representaram 43% dos visitantes internacionais.

Face aos resultados de janeiro a agosto, a ilha das Caraíbas mantém a meta para este 2022 de atingir 2,5 milhões de turistas estrangeiros e receita de 1.012 milhões de euros.

As chegadas internacionais aumentaram 593,3% nos primeiros oito meses de 2022 e agosto foi o segundo mês mais movimentado (136.565 visitantes), atrás de julho (152.480). O mês de agosto destronou abril, que havia alcançado números excecionais após a eliminação de PCRs e certificados COVID.

Recorde-se que antes da pandemia, em 2018 e 2019, a ilha recebia entre quatro e cinco milhões de viajantes internacionais por ano. O turismo é o segundo maior produto interno bruto (PIB) e a segunda maior fonte de divisas, atrás apenas da exportação de serviços profissionais, principalmente no setor da saúde.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Votações para os WTA 2022 até quinta-feira

Ainda se pode votar, mas só até esta quinta-feira, para os World Travel Awards (WTA) 2022, considerados os “Óscares do Turismo”, que já vão na sua 29ª edição. Os vencedores serão conhecidos no próximo dia 11 de novembro, em cerimónia que terá lugar em Oman.

Publituris

Para este prémio internacional, Portugal está nomeado nas categorias “World’s Leading Destination 2022”, “World’s Leading Family Destination 2022” e “World’s Leading Nature Destination 2022”. O Turismo de Portugal está também nomeado na categoria “World’s Leading Tourist Board 2022”.

Refira-se que a votação é realizada pelo público em geral e por mais de 200 mil profissionais de agências de viagens e turismo provenientes de 160 países.

Para votar nos WTA de 2022 é necessário estar registado e confirmar o e-mail para que o voto seja contabilizado.

Os WTA pretendem reconhecer o trabalho desenvolvido na área da indústria turística a nível global, de modo a estimular a competitividade e a qualidade do Turismo.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.