Edição digital
Assine já
PUB
Destinos

Turismo da Jamaica quer portugueses de volta

O Turismo da Jamaica quer os turistas portugueses de volta e acaba de nomear um representante para Portugal, Nuno Costa, cujo principal objetivo é “pressionar” para o regresso da operação charter, que já existiu, e que foi interrompida com a pandemia. Pode ser que em 2023 volte a operar.

Carolina Morgado
Destinos

Turismo da Jamaica quer portugueses de volta

O Turismo da Jamaica quer os turistas portugueses de volta e acaba de nomear um representante para Portugal, Nuno Costa, cujo principal objetivo é “pressionar” para o regresso da operação charter, que já existiu, e que foi interrompida com a pandemia. Pode ser que em 2023 volte a operar.

Sobre o autor
Carolina Morgado
Artigos relacionados
Mais de uma centena de agentes de viagens experienciam o Scarlet Lady com a Mundomar Cruzeiros
Transportes
Pendular é um dos parceiros do futuro Surf Park Óbidos
Destinos
Porto entre as cidades mais baratas para uma “escapadinha” de fim de semana
Destinos
Pestana Hotel Group adquire a Quinta Perestrello na Madeira
Hotelaria
Egotravel dá pontapé de saída à operação charter de Djerba verão 2024 com serviço personalizado
Distribuição
Governo cabo-verdiano quer receber 1,2 milhões de turistas este ano
Destinos
Magnet Consolidator já disponibiliza o NDC da TAP
Distribuição
Macau regista mais de 2,6 milhões de visitantes em abril
Destinos
Vila Galé confirma início de obras no Paço Real de Caxias para junho
Hotelaria
EUA, Espanha, Japão, França, Austrália são as maiores economias turísticas do mundo
Análise

O Turismo da Jamaica quer os turistas portugueses de volta e acaba de nomear um representante para Portugal, Nuno Costa, cujo principal objetivo é “pressionar” para o regresso da operação charter, que já existiu, e que foi interrompida com a pandemia. Pode ser que em 2023 volte a operar.

 

Voltar a pôr o nome da Jamaica na mente dos operadores turísticos, agentes de viagens e consumidor final em Portugal é o principal objetivo do turismo daquele destino, que tem agora Nuno Costa como seu representante no nosso país. “O Turismo da Jamaica, sabendo que para este ano não vai haver voos charter, nem direto, nem triangular, quer é voltar a pôr o nome do destino na mente dos operadores turísticos, agentes de viagens e no consumidor final”, disse Nuno Costa ao Publituris, referindo que “este é o primeiro grande objetivo, daí a razão da minha presença em Portugal”.

Apesar da representação do Turismo da Jamaica na Europa estar sediada em Berlim, desenvolvendo toda a parte da promoção, para Portugal “quiseram focar-se mais, e convidaram-me para fazer esse trabalho, uma vez que conheço o destino onde vivo há 17 anos, desde 2005, também ainda tenho conhecimento da maior parte dos players do mercado (tour operadores e agentes de viagens) e se não tenho de algum novo grupo, há forma de lá chegar, porque conheço as pessoas”, esclareceu.

A participação em eventos promovidos pelo trade em Portugal é outra das apostas de Nuno Costa. Começou na BTL, passou pela Convenção Bestravel, depois pelo roadshow de Os Especialistas, e Convenção Airmet, “estando sempre numa relação direta com os grupos de agências de viagens e com os operadores, no sentido de continuar a fazer essa promoção não só nos eventos, mas ao nível das redes, das equipas de vendas, formações quando for possível e, sobretudo também, para que eles perceberem que têm alguém cá em Portugal, e mesmo que esteja na Jamaica, mas alguém que é português, conhece muito bem o destino e lhes pode dar qualquer tipo de apoio. Através de um email ou via Whatsapp, estarei sempre disponível para esclarecer qualquer dúvida, até porque muitas vezes o agente de viagens não conhece o destino”, apontou. O responsável tomou conhecimento que, neste momento, apenas um ou dois operadores em Portugal programam a Jamaica, em voos regulares (a única hipótese atualmente), mas com oferta muto reduzida. Daí que “pretendo, igualmente, que os operadores que tenham programação não charter, incluam a Jamaica. Os operadores que fazem brochuras mais dedicadas, como Praias Exóticas ou Luas de Mel, interessam-nos”, realçou.

Destino caiu em esquecimento

Sem a operação charter triangular com Samaná (República Dominicana) que vigorou entre 2006 e 2019, com cinco operadores turísticos em Portugal envolvidos, durante os meses de maio/junho a meados de setembro, o destino Jamaica caiu no esquecimento em Portugal. “Quando as agências de viagens começam a ter as ofertas para outros destinos, mesmo nas Caraíbas, se não está a Jamaica, fica esquecida. O cliente pode querer a Jamaica, mas se não houver esse tipo de oferta ou de exposição do destino, fica esquecido”.

Nuno Costa lembra que a nível de procura, a Jamaica nunca foi um destino de massas como outros pontos das Caraíbas que estão no mercado há 20 ou 30 anos, mas enquanto houve a operação charter, os números foram sempre “muito bons”. Inclusivamente “houve alturas em que o mercado português reagiu melhor até do que o espanhol, porque havia charters de Lisboa e de Madrid. O mercado português sempre gostou muito do destino, portanto, se houver oferta de charter, ele vai voltar”, sublinhou, indicando que eram anualmente entre cinco mil a seis mil passageiros. “Havendo o charter esse número pode aumentar, mas nunca será possível em voos regulares”, frisou.

Quanto ao regresso dessa operação no próximo ano, o representante do Turismo da Jamaica afirmou que “será sempre uma decisão dos operadores. O meu trabalho aqui é dar apoio, dar abertura, mas o fundamental é os operadores querem fazê-lo. Acho, sinceramente, que vai haver alguma pressão dos agentes de viagens e do mercado para que o destino volte a ser oferecido em voos charter. É normal porque já aconteceu, é um destino que as pessoas gostaram, e é normal que os operadores precisem de destinos novos e diversificar o seu produto”. Não sendo possível para já em 2022 este tipo de operação, há os voos regulares. Assim, neste momento, para se chegar à Jamaica, a partir de Portugal, há várias formas, seja via Europa, seja combinado com os Estados Unidos ou Canada. Pela Europa, a opção número um, conforme explica o responsável, é por Zurique com uma conexão de duas a três horas, com a Swiss e ligação a Montego Bay com a Edelweiss, companhia aérea do grupo Swiss. A segunda opção, e ainda sem ter de dormir na Europa, é sair de Lisboa no primeiro voo da manhã da Lufthansa até Frankfurt e apanhar um voo da Condor também para Montego Bay, na costa norte da ilha onde está o turismo. Há outras opções na Europa, mas será sempre necessário ficar de uma noite para outra.

Há igualmente os EUA ou Canadá (Nova Iorque, Miami, Toronto), mas os clientes têm que dormir nessas cidades. Depois pode-se fazer combinados porque há voos diários dessas cidades para Montego Bay.

Há muitos turistas portugueses que conhecem a Jamaica através de cruzeiros que atracam no destino, mas não é só isso que o destino pretende. Segundo Nuno Costa, “é um ponto importante, mas queremos mais”.

Sem charter ainda, a Jamaica é um destino caro? O representante responde que, em termos de hotelaria está ao nível do custo do México, mas um pouco mais caro que a República Dominicana, mas explicou que há hotéis para todos os gostos. Na ilha normalmente todos os all inclusive são de cinco estrelas, mas há hotéis coloniais, há boutique hotéis e até villas, ou seja, há muita oferta, depende tudo do cliente. “O que faz a diferença é o aéreo porque, se formos comparar preços, o avião custará 800 euros, praticamente o mesmo preço de um pacote para a República Dominicana. Se juntarmos o hotel, estamos a falar de 1.500 euros”, referiu.

Mas é um destino de todo o ano. A época alta na Jamaica é o inverno na Europa, que começa aproximadamente a 15 de dezembro e vai até a segunda semana de março, e é quando os preços estão mais altos e é quando nos principais mercados emissores do turismo da Jamaica (norte-americanos e canadianos) está muito frio. Nuno Costa, que estará lá e cá, conclui que “o mais importante, e a mensagem que tento passar ao mercado português é que estou aqui, vou estar sempre em ligação com o mercado para dar apoio, confiança e ajudar os agentes de viagens que não conhecem o destino, e se houver um conjunto de eventos que justifiquem a minha presença, cá estarei”.

O que se pode fazer na Jamaica?

Tirando a praia, a Jamaica tem uma componente de natureza muito forte, revelou o representante do destino em Portugal. É uma ilha pequena, praticamente da dimensão do Algarve, e muito verde, podendo encontrar-se facilmente tanto montanhas, como rios, cascatas, tudo de forma concentrada.

Além disso, segundo Nuno Costa, tem a parte cultural, das pessoas, das gentes e das suas culturas africana/inglesa, o rastafary originário da Etiópia, tem a música (o reggae) que tem tudo à volta do Bob Marley, mas não só, tem a parte das montanhas onde se cultiva o café e, como é uma ilha, há muitos desportos náuticos e passeios de barco, e ainda o rum na costa sul, uma zona ainda por conhecer pois está em desenvolvimento.

Os grandes centros do turismo são três: para além da capital é Kingstown (uma cidade de negócios no sul da ilha, que se deve, no entanto, visitar, pois é lá que se encontra o Museu de Bob Marley), há Montego Bay, a capital do turismo, onde chegam os aviões, Negril que está na ponta oeste, em viagem de hora e meia, e Ocho Rios, a este, que está a cerca de hora e meia também. É nestes centros onde está concentrada a maior parte da hotelaria. Por exemplo, em Montego Bay, num raio de 20/25 kms existem pelo menos 30 unidades hoteleiras all inclusive. Há ainda Porto António, local que o responsável considera “lindíssimo, mas está ainda muito por desenvolver, diria que seria o quarto centro turístico, não tem hotéis em all inclusive, mas é visto em passeio ou para turistas que queiram algo muito específico, como hotéis boutiques em cima do mar ou villas.

*Artigo publicado originalmente na edição 1462 do Publituris.

 

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
Artigos relacionados
Mais de uma centena de agentes de viagens experienciam o Scarlet Lady com a Mundomar Cruzeiros
Transportes
Pendular é um dos parceiros do futuro Surf Park Óbidos
Destinos
Porto entre as cidades mais baratas para uma “escapadinha” de fim de semana
Destinos
Pestana Hotel Group adquire a Quinta Perestrello na Madeira
Hotelaria
Egotravel dá pontapé de saída à operação charter de Djerba verão 2024 com serviço personalizado
Distribuição
Governo cabo-verdiano quer receber 1,2 milhões de turistas este ano
Destinos
Magnet Consolidator já disponibiliza o NDC da TAP
Distribuição
Macau regista mais de 2,6 milhões de visitantes em abril
Destinos
Vila Galé confirma início de obras no Paço Real de Caxias para junho
Hotelaria
EUA, Espanha, Japão, França, Austrália são as maiores economias turísticas do mundo
Análise
PUB
Destinos

Pendular é um dos parceiros do futuro Surf Park Óbidos

Pronta a disponibilizar uma solução que permite agilidade e facilidade na gestão de serviços, a Pendular, empresa dedicada à gestão de compras e contratos, associou-se ao grupo responsável pelo investimento no futuro parque temático sobre surf que vai nascer em Óbidos, firmando compromisso com o apoio à gestão, competitividade e sucesso do projeto.

Vai nascer em Óbidos um parque temático sobre surf, que inclui aldeamento turístico de quatro estrelas com capacidade máxima para 144 camas, restaurante, loja de surf, skate parks, courts de padel e beach ténis, escola de surf, espaço de wellness, zonas verdes, pistas de bicicleta, bem como zona de eventos corporativos. A Pendular, considerada líder de mercado no setor da gestão de compras e contratos, associou-se ao grupo responsável por este investimento, firmando um laço de compromisso com o apoio à gestão, competitividade e sucesso do projeto.

Numa altura em que a proposta de valor do outsourcing se propõe a uma redução de custos entre 10% a 30%, ao centralizar e gerir custos e operações (controlando as diferentes variáveis que os influenciam), o recurso à Pendular “revelou-se uma mais valia para as entidades gestoras do projeto já que, desde uma avaliação das necessidades de equipamentos e serviços; conciliação das necessidades e look and feel; proposta de soluções e seleção de fornecedores, a Pendular estará presente de forma contínua ao longo do desenvolvimento do projeto, construindo um plano que lhes garanta a máxima competitividade, centralizando num só parceiro, serviços que influenciam, de forma determinante, a eficiência da operação”, destaca a nota de imprensa.

Para a Pendular, “este é um projeto do qual muito nos orgulha fazer parte, não só do ponto de vista da sua dimensão, onde o outsourcing pode realmente fazer a diferença e contribuir para a otimização de tempo e custos de toda a operação; mas também pelo prazer que é ser parte de um projeto de valorização e enriquecimento da zona Oeste do país, que acolherá um espaço diferenciador e que, pelas suas características ímpares, atrairá um vasto público, dinamizando a economia e património cultural da região”, refere Vitor Gomes Ribeiro, CEO da empresa de gestão de compras e contratos com mais de 25 anos de atuação no mercado nacional.

Com abertura prevista para 2026, a Surfers Cove, responsável pelo projeto, estima que os resultados se centrem, maioritariamente, no negócio relacionado com o surf, com potencial para criar cerca de 50 postos de trabalho.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Porto entre as cidades mais baratas para uma “escapadinha” de fim de semana

Um recente estudo divulgado pela Stasher coloca a cidade do Porto entre as mais baratas para uma “escapadinha” de fim de semana na Europa.

A cidade do Porto aparece entre as 10 cidades mais baratas para uma “escapada” de fim de semana. Segundo o estudo divulgado pela Stasher, com base em dados da Hotels.com, Kayak.co.uk, e Numbeo.com, a cidade Invicta coloca-se em 9.º lugar, com um preço de 787 para uma viagem para duas pessoas, incluindo aeroporto, voos, quartos de hotel, refeições e transportes locais.

Em primeiro lugar, aparece Cracóvia (Polónia), com um preço de 617 euros, seguida de Bucareste (Roménia) com 655 euros, fechando Varsóvia (Polónia) o Top 3 com 656 euros.

Antes do Porto aparecem ainda Riga (Letónia, com 676 euros), Praga (Chéquia, com 716 euros), Budapeste (Hungria, com 730 euros), Istambul (Turquia, com 730 euros) e Estocolmo (Suécia, com 782 euros). A finalizar o ranking e no 10.º lugar, surge a cidade espanhola de Valência, com 793 euros.

Já nas cidades mais caras para a mesma escapadela de fim de semana, o 1.º lugar pertence a Zurique (Suíça), com 1.382 euros, seguida de Reiquiavique (Islândia), com 1.349 euros, fechando o Top 3 a cidade de Colónia (Alemanha), com 1.260 euros.

Fazem ainda parte deste ranking das cidades mais caras para um fim de semana: Edimburgo (Escócia), Genebra (Suíça), Florença, Veneza, Milão e Roma (Itália) e Copenhaga (Dinamarca).

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos

Praia de Verandinha na ilha da Boavista, Cabo Verde

Destinos

Governo cabo-verdiano quer receber 1,2 milhões de turistas este ano

Cabo Verde quer antecipar para este ano a meta de receber 1,2 milhões de turistas, antes prevista para 2026, revelou, no parlamento, o ministro do Turismo e Transportes cabo-verdiano, Carlos Santos.

“Depois da marca de um milhão de turistas em 2023, as perspectivas são de anteciparmos a meta prevista para 2026, ou seja, de atingirmos 1,2 milhões de turistas já este ano”, afirmou, no primeiro dia da sessão parlamentar de maio que decorre até sexta-feira.

Os estabelecimentos hoteleiros de Cabo Verde bateram o recorde de hóspedes em 2023, ultrapassando o total de um milhão: o ano fechou com 1.010.739 hóspedes, segundos o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Os números superam também os valores pré-pandémicos: “face ao ano de 2019, registou-se um crescimento de 23,4% no número de hóspedes”.

O Governo e instituições privadas preveem que o setor (que representa um quarto do Produto Interno Bruto de Cabo Verde) continue a crescer, alavancado, em parte, no arranque de voos de companhias de baixo custo, em outubro, para a ilha do Sal – que concentra a larga maioria das atividades turísticas do arquipélago.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Macau regista mais de 2,6 milhões de visitantes em abril

Macau recebeu mais de 2,6 milhões de visitantes em abril, uma subida de 14,4% em termos anuais, embora longe dos 3,4 milhões registados antes da pandemia de covid-19.

Este número (2.600.717) representa ainda assim uma recuperação de entradas de visitantes em relação a abril de 2019, mas uma queda de 4,4%, face a março, referiu a Direção dos Serviços de Estatística e Censos (DSEC) em comunicado.

Em abril, “o número de entradas de excursionistas (1.349.927) e o de turistas (1.250.790) subiram 23% e 6,3%, respetivamente, em relação a abril de 2023”, indica-se na mesma nota.

A grande maioria dos visitantes no quarto mês do ano continuou a chegar da China continental (1.737.314).

Depois de três anos de rigorosas restrições devido à pandemia da covid-19, o território reabriu as fronteiras a todos os estrangeiros, incluindo turistas, a partir de 08 de janeiro de 2023.

Nesse ano, Macau recebeu mais de 28,2 milhões de visitantes, cinco vezes mais do que no ano anterior e um valor que representa 71,6% do registado antes do início da pandemia.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Brasil recebe quase 3 milhões de turistas estrangeiros nos primeiros 4 meses do ano

Dados divulgados pela Embratur em parceria com o Ministério do Turismo e a Polícia Federal revelam que, entre janeiro e abril, 2,9 milhões de turistas estrangeiros visitaram o Brasil, o que corresponde a 7,4% acima face ao mesmo período do ano anterior. É a terceira melhor marca da história do destino.

Nos quatro primeiros meses deste ano o Brasil acolheu 2,9 milhões de turistas estrangeiros, o que tem reforçado o otimismo entre os representantes do setor. O número é 7,4% acima da quantidade de visitantes internacionais que estiveram em território brasileiro durante o mesmo período de 2023.

Com mais de 1 milhão de viajantes entre janeiro e abril de 2024, a Argentina lidera o ranking dos países cujos cidadãos visitaram alguma cidade brasileira ao longo deste ano. Os dados foram divulgados pela Embratur, em parceria com o Ministério do Turismo e a Polícia Federal.

O presidente da Embratur, Marcelo Freixo, comemorou o desempenho e fez uma projeção positiva para o restante do ano. “Tivemos um 2023 de recuperação a níveis de pré-pandemia de chegada de turistas e já batemos recorde de receita com o turismo. Em 2024, os números mostram uma curva de crescimento consolidada, devemos fechar esse ano com resultados muito positivos. E essa entrada crescente de turistas significa mais investimento no Brasil, mais dinheiro a girar na nossa economia, gerando emprego e receita em todo o país”, declarou.

O ministro do Turismo, Celso Sabino, também demonstrou entusiasmo com o resultado do quadrimestre. “O Brasil está a ser visto lá fora e tem atraído a atenção dos estrangeiros. Esses números refletem o trabalho desenvolvido pelo Ministério do Turismo e pela Embratur em mostrar ao mundo o que o nosso país tem para oferecer, com a sua rica gastronomia, belezas naturais incomparáveis e o seu povo acolhedor. Estamos preparados para receber cada vez mais turistas internacionais em solo brasileiro”, afirmou.

 

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

3ª edição do Open Conventos em Lisboa de 23 a 25 de maio

De 23 a 25 maio 2024 tem lugar a 3.ª edição do Open Conventos, que promove visitas livres ou conduzidas por especialistas a um conjunto de mosteiros e conventos em Lisboa.

Publituris

Depois do sucesso da segunda edição em 2023, que contou com a participação de mais de cinco mil visitantes e o envolvimento de 32 antigos conventos, este ano há mais e novos locais para explorar.

Organizado pela Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, Câmara Municipal de Lisboa, Quo Vadis – Turismo do Patriarcado e Instituto de História de Arte da Universidade Nova de Lisboa, o Open Conventos abre as portas de um conjunto de antigos espaços conventuais emblemáticos de Lisboa, com o objetivo de dar a conhecer locais de grande importância para a História, Arquitetura e Urbanismo da cidade.

“A pausa e o silêncio” é o tema de reflexão escolhido para este ano. Uma conversa aberta e a exibição de um filme no dia 23 de maio introduzem a questão da organização do tempo e da importância da contemplação e da fruição. Que modelo de sociedade queremos no século XXI? O que podemos aprender com as comunidades que habitavam e habitam conventos e mosteiros numa época marcada pela aceleração e acumulação? Esta conversa acontece no centro cultural Brotéria, às 17h00. Às 20h30, no Convento de São Pedro de Alcântara, é exibido o documentário “O Grande Silêncio”, de Philip Groning.

Nos dias 24 e 25 de maio, há muito para ver, desvendar e usufruir nos conventos. A 3.ª edição integra 36 áreas deste relevante património, que pode ser descoberto e explorado através de uma programação diversificada, assente em propostas de itinerários, visitas, conversas e cinema.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Turismo internacional atinge 97% dos níveis pré-pandémicos no 1.º trimestre

As chegadas de turistas internacionais atingiram 97% dos níveis pré-pandémicos no primeiro trimestre de 2024, revelando a UN Tourism que mais de 285 milhões de turistas viajaram globalmente em janeiro-março, cerca de 20% mais do que no primeiro trimestre de 2023.

Victor Jorge

Mais de 285 milhões de turistas realizaram viagens internacionais no primeiro trimestre de 2024, correspondendo a uma subida de 20% face a igual período de 2023 e representando 97% dos níveis pré-pandemia.

Recorde-se que, em 2023, as chegadas de turistas internacionais recuperaram 96% dos níveis de 2019, enquanto as receitas de exportação do turismo permaneceram em 97% e o PIB direto do turismo atingiu os mesmos níveis de 2019.

A projeção da UN Tourism para 2024 aponta para uma recuperação total do turismo internacional, com as chegadas a crescer 2% acima dos níveis de 2019.

Por regiões, a Europa – maior região de destino do mundo – ultrapassou pela primeira vez os níveis pré-pandémicos num trimestre (+1% em relação ao 1.º trimestre de 2019), registando 120 milhões de turistas internacionais nos primeiros três meses do ano, apoiados por uma forte procura intra-regional.

Já o Médio Oriente registou o crescimento mais forte, com as chegadas internacionais a excederem em 36% os níveis pré-pandémicos no 1.º trimestre de 2024, ou 4% acima do 1.º trimestre de 2023. Esta evolução segue-se a um desempenho “extraordinário” em 2023, quando o Médio Oriente se tornou a primeira região do mundo a recuperar os números anteriores à pandemia (+22%).

Enquanto as Américas praticamente recuperaram os números anteriores à pandemia neste primeiro trimestre, com as chegadas a atingirem 99% dos níveis de 2019, a região de África recebeu mais 5% de turistas internacionais no primeiro trimestre de 2024 do que no primeiro trimestre de 2019 e mais 13% do que no primeiro trimestre de 2023.

Por fim, na Ásia-Pacífico o turismo internacional está a registar uma rápida recuperação, com as chegadas a atingirem 82% dos níveis pré-pandémicos no 1.º trimestre de 2024, após uma recuperação de 65% no ano de 2023.

Relativamente a estes números, o Secretário-Geral da UN Tourism, Zurab Pololikashvili, refere que “a recuperação do setor é uma notícia muito bem-vinda para as nossas economias e para os meios de subsistência de milhões de pessoas. No entanto, recorda também a necessidade de garantir políticas de turismo e gestão de destinos adequadas, com o objetivo de promover a sustentabilidade e a inclusão, abordando simultaneamente as externalidades e o impacto do sector nos recursos e nas comunidades”.

Por sub-regiões, o Norte de África registou o melhor desempenho no primeiro trimestre de 2024, com mais 23% de chegadas internacionais do que antes da pandemia, seguido da América Central (+15%), das Caraíbas e da Europa Ocidental (ambas +7%). O sul da Europa mediterrânica excedeu em 1% os níveis anteriores à pandemia, enquanto a América do Sul atingiu praticamente os níveis de 2019. O Norte da Europa recuperou 98% dos níveis anteriores à pandemia, enquanto a África Subsariana e a América do Norte recuperaram 95%.

Quanto às receitas do turismo internacional, estas atingiram 1,380 biliões de euros, em 2023, o que significa uma recuperação completa dos níveis pré-pandémicos em termos nominais, mas 97% em termos reais, ajustados pela inflação.

Por regiões, a Europa gerou as receitas mais elevadas em 2023, com os destinos a ganharem 607 mil milhões de euros, excedendo os níveis pré-pandémicos em 7% em termos reais. As receitas no Médio Oriente subiram 33 % acima dos níveis de 2019. As Américas recuperaram 96% das suas receitas pré-pandémicas em 2023 e a África 95%. A Ásia-Pacífico obtiveram 78% das suas receitas pré-crise, um resultado notável quando comparado com a recuperação de 65% das chegadas no ano passado.

O total das receitas de exportação do turismo internacional, incluindo receitas e transporte de passageiros, atingiu 1,560 biliões de euros, em 2023, cerca de 96% dos níveis pré-pandémicos em termos reais. O PIB direto do turismo recuperou os níveis pré-pandémicos, atingindo um valor estimado ligeiramente acima dos 3 biliões de euros, em 2023, equivalente a 3% do PIB mundial.

Segundo a UN Tourism, foram vários os destinos que obtiveram resultados notáveis em termos de receitas no primeiro trimestre de 2024, em comparação com os níveis de 2019, com base nos dados disponíveis, incluindo a Sérvia (+127%), a Turquia (+82%), o Paquistão (+72%), a Tanzânia (+62%), Portugal (+61%), a Roménia (+57%), o Japão (+53%), a Mongólia (+50%), as Maurícias (+46%) e Marrocos (+44%).

De referir que, segundo o mais recente Índice de Confiança do Turismo das Nações Unidas, as perspectivas são positivas para a próxima época de verão, com uma pontuação de 130 para o período de maio-agosto de 2024 (numa escala de 0 a 200), refletindo um sentimento mais otimista do que no início deste ano. Cerca de 62% dos especialistas em turismo que participaram no inquérito de confiança expressaram expectativas melhores (53%) ou muito melhores (9%) para este período de quatro meses, que abrange a época de verão do Hemisfério Norte, enquanto 31% preveem um desempenho semelhante ao de 2023.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Destinos

Novo Conselho Estratégico do Turismo do Porto e Norte toma posse

Em cerimónia presidida pelo secretário de Estado do Turismo, Pedro Machado, o novo Conselho Estratégico do Turismo do Porto e Norte, liderado por Bernardo Trindade, tomou posse, esta segunda-feira.

Tomou posse o novo Conselho Estratégico do Turismo do Porto e Norte numa cerimónia que decorreu esta segunda-feira, 20 de maio, no Palácio do Freixo, no Porto. O evento foi presidido pelo secretário de Estado do Turismo, Pedro Machado.

Este é o órgão consultivo e de aconselhamento estratégico da Associação de Turismo do Porto e Norte e da Entidade Regional de Turismo do Porto e Norte, sendo presidido por Bernardo Trindade.

Nas redes sociais, Luís Pedro Martins, presidente do Turismo do Porto e Norte, indica que se trata de “uma excelente equipa presidida por Bernardo Trindade, transversal ao território e bem representativa dos setores que direta ou indiretamente interagem como o turismo”.

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
Destinos

Ledwall no exterior da Loja de Turismo do Aeroporto do Porto promove oferta turística do Norte

Um ledwall gigante colocado no exterior da Loja de Turismo do Aeroporto Francisco Sá Carneiro, irá permitir a visualização de conteúdos promocionais do Porto e Norte incluindo das suas quatro subdestinos – Minho, Douro, Porto e Trás-os-Montes-, assim como sobre os seus principais eventos aos turistas que chegam à região.

Publituris

O dispositivo é o primeiro “call to action” da infraestrutura aeroportuária e faz parte da estratégia de renovação das Lojas do Turismo Porto e Norte e do esforço de digitalização dos conteúdos promocionais por parte dos responsáveis pelo setor no destino, um investimento financiado pelo Plano de Recuperação e Resiliência, no âmbito da Agenda Mobilizadora “Acelerar e Transformar o Turismo”.

A alta rotatividade de passageiros desembarcados no Aeroporto do Porto, estimada em cerca de 600 mil chegadas por mês, com uma média de 20 mil diárias – provenientes de mais de 30 mercados (de onde se destacam França, Espanha, Suíça, Reino Unido, Alemanha, Itália, Países Baixos, Luxemburgo, Bélgica e EUA), “evidencia o alcance e o impacto das campanhas de divulgação do Turismo do Porto e Norte de Portugal, exibidos no ledwall, junto dos turistas que chegam”, considera Luís Pedro Martins, presidente do TPNP.

Refira-se que a Loja de Turismo do Aeroporto efetuou, em 2023, cerca de 110 mil atendimentos personalizados, mais 23% que no ano anterior, sendo que os turistas franceses, espanhóis e americanos são as principais nacionalidades que procuram informação turística do Porto e Norte.

Luís Pedro Martins aproveitou a oportunidade para sublinhar a necessidade de prever problemas futuros de lotação no Aeroporto Francisco Sá Carneiro, reclamando mais investimento na estrutura aeroportuária que serve o Norte, mas também boa parte da região Centro e até mesmo da Galiza.

“É um imperativo aumentar o investimento nesta importante infraestrutura, de forma a que nunca seja colocada em causa a sua capacidade de operação, o serviço ao cliente, a gestão do espaço aéreo, nas suas áreas de terra e ar, compatíveis com a ambição que caracteriza a região mais exportadora do país”, disse.

Considerando que o aeroporto de Alcochete só estará pronto daqui a mais de uma década, “aproveitar a capacidade já instalada no aeroporto Francisco Sá Carneiro e nele investir, neste momento, é permitir um aumento da operação no imediato e garantir que, no futuro, o Norte terá igualmente um aeroporto preparado para as próximas décadas”, apontou o presidente do Turismo do Porto e Norte.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

IPDT torna-se embaixador do “EarthCheck” em Portugal

Com esta associação, IPDT e “EarthCheck” querem potenciar um turismo português mais sustentável.

Publituris

O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT) associou-se ao Grupo EarthCheck no desenvolvimento de um novo conjunto de produtos e serviços de sustentabilidade para apoiar o setor do turismo português. Este catálogo de formação, gestão de destinos e normas de certificação, que será disponibilizado pelo IPDT e pela Green Growth, inclui a plataforma “EarthCheck ClimateGuardian”, que permitirá aos promotores turísticos ter uma visão do desempenho ao nível da sustentabilidade ao longo do tempo.

Esta associação ao grupo que atua na área do benchmarking científico, certificação e consultoria para viagens e turismo dará, igualmente, acesso a versões dos Guias de Storytelling sobre Sustentabilidade para Operadores e Destinos de Turismo e Hotelaria adaptadas para o mercado português, cujo objetivo é ajudar os operadores e destinos turísticos a partilhar histórias autênticas e transparentes e a criar narrativas genuínas e com impacto sobre as suas iniciativas de sustentabilidade.

António Jorge Costa, presidente do IPDT, acredita que “a parceria com o “EarthCheck” e as ferramentas partilhadas vão ajudar as diversas organizações turísticas a avaliar o impacto dos seus elementos de sustentabilidade e comunicar as suas ações e objetivos de forma autêntica, criando uma cultura de storytelling nas suas empresas”. Sublinha ainda que “as narrativas, os formatos de conteúdo e as táticas de amplificação destes guias ajudarão os operadores e destinos portugueses a fazer com que as suas histórias sejam conhecidas pelos visitantes e clientes e, também, a obter a adesão e o envolvimento dos seus colaboradores e acionistas”.

Já Stewart Moore, fundador e CEO do EarthCheck, refere que “a plataforma ClimateGuardian e os Guias de Storytelling de Sustentabilidade ajudarão os operadores turísticos e destinos em Portugal a apresentar e comunicar autenticamente as suas ações e ambições sustentáveis, sem cair na armadilha do ‘greenwashing’”.

Para além de colaborar na adaptação dos guias, o IPDT irá juntar-se à consultora Green Growth como embaixador do “EarthCheck”, com o objetivo de dar a conhecer e promover a adoção dos programas “EarthCheck Certified & EarthCheck Sustainable Destinations” na indústria de turismo nacional.

De referir que a parceria com o IPDT expande assim a presença do “EarthCheck” na Europa, possuindo já escritórios dedicados e pessoal de apoio em Itália, Espanha e Irlanda.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.