Assine já
Destinos

Beja lança nova campanha na BTL com cinco roteiros para descobrir a cidade com vagar

“Venha a Beja com Vagar” é a nova campanha de valorização turística e patrimonial do concelho, que conta com cinco roteiros temáticos e que foi lançada esta sexta-feira, 18 de março, na BTL.

Inês de Matos
Destinos

Beja lança nova campanha na BTL com cinco roteiros para descobrir a cidade com vagar

“Venha a Beja com Vagar” é a nova campanha de valorização turística e patrimonial do concelho, que conta com cinco roteiros temáticos e que foi lançada esta sexta-feira, 18 de março, na BTL.

Inês de Matos
Sobre o autor
Inês de Matos
Artigos relacionados
XI Jornadas de Enoturismo do Centro de Portugal decorrem em Alcobaça
Destinos
Norwegian espera um dos verões mais fortes da sua história
Transportes
Mudança de ciclo das ERT vai gerar discussão no Vê Portugal
Destinos

A Câmara Municipal de Beja lançou sexta-feira, 18 de março, a campanha “Venha a Beja com Vagar”, iniciativa que visa a “valorização turística e patrimonial do concelho” e que conta com cinco roteiros temáticos que compilam a oferta turística da cidade, segundo Maria João Macedo, chefe de divisão Turismo e Património da Câmara Municipal de Beja.

“Aquilo que quisemos fazer foi, sem substituir os operadores turísticos e agentes de viagens, tentar, de alguma forma, organizar esta oferta que estava dispersa e sugerir, propor formas de visitar o território”, explicou ao Publituris Maria João Macedo, chefe de Divisão Turismo e Património da Câmara Municipal de Beja.

De acordo com a responsável, esta “campanha de valorização turística e patrimonial do concelho de Beja”, “tem vindo a ser construída ao longo do tempo, com um conjunto de materiais, e, neste momento, consubstancia-se numa proposta de cinco roteiros temáticos à volta de Beja”, cada um “com propostas de visita de dois dias” e que também podem ser combinados entre si.

“À volta do Guadiana”, “À volta do Pão”, “À volta do barro e da cal”, “À volta da grande planície” e “À volta da biodiversidade do montado” são os roteiros lançados no âmbito desta campanha e que incluem propostas de visitação a monumentos, enoturismos e adegas, provas de azeite ou a programação cultural da cidade.

A campanha vai ser promovida essencialmente através dos canais online da autarquia, incluindo as redes sociais Instagram e Facebook, assim como através do microsite VisitBeja, onde é possível encontrar toda a informação relacionada com as experiências propostas.

“Criámos uma área onde está toda a informação que interessa ao viajante, incluindo do ponto de vista do património e da cultura, como os contactos dos operadores turísticos, agentes de viagens, restaurantes, alojamento. As pessoas têm os contactos e podem fazer diretamente as marcações em cada roteiro”, explica a responsável.

Além da promoção online, a Câmara Municipal de Beja lançou também cadernos promocionais para cada um dos roteiros, que contam com ilustrações de Suza Monteiro, uma ilustradora local e reconhecida a nível nacional, e que, segundo Maria João Macedo, convidam “a uma descoberta de Beja como a cidade merece”.

O objetivo, indica a chefe de Divisão de Turismo e Património da autarquia, é que “esta campanha ajude a contribuir para uma melhor perceção daquilo que Beja tem para dar e para oferecer, estejam os visitantes disponíveis para aceitar o desafio” de conhecer uma cidade com mais de 2.500 anos de história e que conta com uma monumentalidade que, por vezes, “não é conhecida e não é evidente”.

A campanha “Venha a Beja com vagar” foi lançada esta sexta-feira, 18 de março, no stand do Turismo do Alentejo na BTL e contou com a participação de Jorge Serafim, o contador de histórias bejense que se tornou mediático depois da participação em vários programas televisivos e que, segundo Maria João Macedo, representa na perfeição aquilo que é “a essência da cidade”.

“Queremos contar histórias sobre Beja e quem melhor do que o Jorge Serafim, nosso conterrâneo, para contar estas histórias? Mais do que pelo mediatismo, que o Jorge Serafim naturalmente tem e que também é uma vantagem, quisemos ir buscar uma pessoa da terra, que nos ajuda a construir aquilo que somos e a mostrar a nossa essência”, explica a responsável.

A campanha vai estar em vigor entre junho e setembro, coincidindo com o programa de visitas guiadas gratuitas a monumentos da cidade, concretamente Castelo, Centro histórico e Moinho Grande, entre várias outras iniciativas culturais.

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Artigos relacionados
Destinos

Estudo da Mastercard coloca Portugal como o oitavo destino turístico preferido dos europeus para 2023

O estudo do Mastercard Economic Institute concluiu que tanto as viagens de lazer como as de negócios já recuperaram e estão a crescer acima do registado no ano passado, o que traz boas perspectivas a Portugal.

Portugal é o oitavo destino preferido dos turistas europeus para 2023, apurou o estudo Travel Industry Trends 2023, recentemente divulgado pelo Mastercard Economic Institute, que concluiu que os turistas europeus estão a optar por destinos de proximidade.

“Portugal posiciona-se como o oitavo destino turístico no Top dos 10 destinos preferidos pelos Europeus, de acordo com dados de Janeiro e Fevereiro deste ano, superando os Países Baixos, a Suécia e a Irlanda. O Reino Unido e a Espanha surgem no primeiro e segundo lugar, respetivamente, e os Estados Unidos são o único país não europeu a integrar o ranking”, aponta o estudo, que foi divulgado esta quarta-feira, 24 de maio.

O estudo do Mastercard Economic Institute concluiu que tanto as viagens de lazer como as de negócios já recuperaram e estão a crescer acima do registado no ano passado, sendo que, no caso das viagens de negócios, a recuperação “aconteceu, sobretudo, a partir do segundo semestre de 2022 e até ao início de 2023, altura em que superaram os voos de lazer, nas regiões que privilegiaram o regresso ao “escritório””.

Já as viagens de lazer mantiveram “uma trajetória robusta de crescimento, com um aumento de 25% em relação ao ano anterior”, acrescenta o estudo, que reúne informações sobre o estado global das viagens e tem em consideração as alterações dos cenários económicos e a crescente procura dos consumidores.

Entre as principais conclusões deste estudo está também o facto de os turistas continuarem a dar prioridade às experiências, registando-se mesmo um “crescimento da procura por experiências mais exclusivas”.

“O estudo mostra que os turistas europeus estão a desembarcar em destinos menos conhecidos em busca de imersão cultural e viagens mais sustentáveis. Esta tendência deve-se, por um lado, ao regresso a algum nível de conforto pré-pandemia, mas também à influência das redes sociais”, justifica o estudo.

Em Portugal e de acordo com o Mastercard Economic Institute, a procura por experiências mais do que duplicou (151,6%) em relação a 2019 e aumentou 45,3% comparando março de 2023 com o ano anterior, numa tendência contrária aos gastos com a compra de bens, que registaram um crescimento inferior, de 68% comparando com 2019 e 35% em termos homólogos.

Mas a degradação das condições económicas também tem tido impacto nas escolhas dos turistas, que estão a optar cada vez mais por companhia aéreas low cost para as suas viagens.

Este estudo procurou ainda avaliar o impacto da reabertura da China na indústria das viagens e turismo global, concluindo que o regresso do mercado chinês ao panorama mundial vai ter um “impacto positivo no turismo de experiências”.

“Em 2019, as viagens da China continental representaram 16% de todos os gastos globais com viagens e transporte e em março de 2023, os gastos com experiências já atingiam os 93% das que existiam em 2019.  E são vários os países que estão a beneficiar desta abertura, incluindo Portugal”, acrescenta o estudo.

No caso de Lisboa, por exemplo, os gastos dos turistas chineses com a compra de bens cresceram 57,5% em março de 2023 face a igual período de 2019, enquanto os gastos com experiências mais do que duplicaram (196%) e os gastos no segmento do Luxo aumentaram 74%.

“O desejo de viajar volta a impulsionar o crescimento europeu em 2023, depois da recuperação a que assistimos no ano passado”, salienta Natalia Lechmanova, Economista Sénior do Mastercard Economic Institute, sublinhando que a “Europa continua a ser um dos principais destinos globais para turistas de todo o mundo”.

O relatório completo das tendências da indústria de viagens para 2023 pode ser consultado aqui.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Linha de financiamento de 50M€ para a sustentabilidade chega no próximo mês

Segundo o Ministério da Economia e Mar, esta linha vai ser operacionalizada no próximo mês e conta com uma verba de 20 milhões de euros para os territórios de baixa densidade, ao abrigo da Agenda do Turismo para o Interior.

A linha de financiamento para apoiar investimentos na área da sustentabilidade, com uma dotação de 50 milhões de euros, vai estar disponível no próximo mês, informou o Ministério da Economia e Mar, em comunicado.

De acordo com a informação divulgada, esta linha conta com garantia mútua e apoio máximo por operação de 500 mil euros e destina-se “a projetos de investimento na área da sustentabilidade promovidos por empresas do turismo”.

“A medida prevê a atribuição de um prémio de desempenho, que se traduz na conversão a fundo perdido de uma parte do financiamento, em função do cumprimento de objetivos relacionados, nomeadamente, com a redução de consumos, com a utilização de fontes de energia renovável ou com a gestão mais eficiente dos resíduos”, explica o Ministério da Economia e Mar.

Esta linha que, segundo o Ministério, se insere no âmbito do Programa Empresas Turismo 360.º, vai ser operacionalizada no próximo mês e conta com uma verba de 20 milhões de euros para os territórios de baixa densidade, ao abrigo da Agenda do Turismo para o Interior, lançada no início de maio.

Os restantes 30 milhões de euros destinam-se a projetos promovidos fora dos territórios de baixa densidade, sendo o prémio de desempenho, no caso das empresas localizadas nos territórios de baixa densidade, correspondente a 20%, enquanto as empresas localizadas fora desses territórios beneficiam de um prémio de desempenho de 10%.

“A sustentabilidade das nossas empresas é uma prioridade da nossa ação governativa. Um tecido empresarial com ferramentas de monitorização do seu desempenho em sustentabilidade e com incentivos concretos para a sua persecução é essencial para uma economia saudável, com um claro desígnio para o futuro: liderar, com as nossas empresas, a transição verde”, afirma António Costa e Silva, ministro da Economia e Mar.

Já Nuno Fazenda, secretário de Estado do Turismo, Comércio e Serviços, considera que esta linha vem dar às empresas “mais uma ferramenta para a concretização das suas metas de sustentabilidade e responsabilidade social, com um prémio majorado para as que traçam esse caminho”.

“A aposta na sustentabilidade é transversal, estratégica e essencial para liderarmos o turismo do futuro”, acrescenta o governante responsável pela pasta do turismo.

Recorde-se que o Programa Empresas Turismo 360.º foi lançado em novembro de 2021 e incentiva as empresas a reportar o seu desempenho em sustentabilidade através da integração dos fatores ESG – Environmental, Social and Governance na cultura organizacional e na estratégia de negócio, orientando-as no processo através de um sistema de indicadores criado com o objetivo de refletir as suas práticas ambientais, sociais e de governação.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Cabo Verde vai introduzir faróis históricos nas rotas culturais e turísticas

Sete a oito faróis históricos de Cabo Verde vão passar a fazer parte dos itinerários culturais e turísticos do país, num projeto que será financiado pela cooperação espanhola.

A introdução dos faróis nas rotas culturais e turísticas de Cabo Verde é tema de um seminário no país, promovido pelo Instituto do Património Cultural, que visa estabelecer as bases e fazer o diagnóstico para o desenho de um projeto de valorização desse património cabo-verdiano.

Trata-se de um projeto com duração de três anos e orçamento mínimo de 150 mil euros por ano, para valorizar um património que está a emergir como produto do turismo cultural.

A intenção é, ainda, fornecer conhecimento e possibilidades que as rotas e itinerários culturais têm como instrumento de desenvolvimento do território, através da cultura e dos elementos próprios de Cabo Verde.

O projeto, refira-se vai envolver restaurações, sinalizações e sensibilização às comunidades, e tudo quanto for possível para permitir que os faróis sejam incluídos nas rotas.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Posto de Turismo da Moita reabre ao público totalmente reabilitado

Após obras de reabilitação, o Posto de Turismo da Moita reabre ao público esta quinta-feira, dia 25 de maio.

Inserido no plano estratégico para o Turismo, que tem vindo a ser delineado pela Câmara Municipal, o Posto de Turismo da Moita sofreu, recentemente, obras de requalificação que transformaram, por completo, este espaço.

Mais atrativo e com novos pontos de interesse, a autarquia, segundo comunicado de imprensa, “pretende que este equipamento seja mais do que um ponto de passagem para todos aqueles que nos visitam. É aqui que é feita a primeira abordagem sobre o concelho, as suas raízes, as suas tradições pelo que este, deverá ser um espaço de partilha e lazer”.

A requalificação deste equipamento contou com investimento do município, mas alguns particulares quiseram associar-se ao projeto, doando alguns dos materiais que estão em exposição no Posto de Turismo.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Sem orçamento Embratur pode fechar as portas em 2024, diz Marcelo Freixo

A Embratur pode ter de fechar as portas em 2024 se não receber mais verba, avisa Marcelo Freixo presidente da Agência Brasileira de Promoção Internacional do Turismo, que afirma precisar de mais orçamento.

Publituris

Em entrevista à Folha de S. Paulo publicada esta segunda-feira, dia 22 de maio, e citada em vários órgãos de comunicação social brasileiros, Marcelo Freixo afirmou que a instituição que lidera pode ficar sem orçamento no início do próximo ano caso o Congresso Nacional não aprove a transferência de verbas do Sistema S. “Se nada for feito, no próximo ano a Embratur fecha as portas. Não vai haver mais empresa de promoção de turismo no Brasil”.

A Medida Provisória (MP) de 2022, que estipula a transferência de 5% dos excedentes do Sesc (Serviço Social do Comércio) e Senac (Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial) para a Embratur, espera votação do Senado, depois de ter sido aprovada pela Câmara.

O presidente da Embratur já havia afirmado que lutará pelo dinheiro, mas que considera o valor baixo. “O que eu estou a debater é que não pode haver uma empresa tão estratégica, tão importante para o desenvolvimento, emprego e receita no Brasil, como é a Embratur, de um setor onde o Brasil é tão potente, que é o turismo, sem orçamento”, critica na entrevista.

Freixo declarou, recentemente, que o Brasil tem potencial para bater o último recorde de turistas estrangeiros no país, referente ao ano de 2019. Indicou que o país recebeu 2,6 milhões de turistas internacionais no primeiro quadrimestre do ano, o que resultou em 8,6 mil milhões de reais de receitas, enquanto o ano recorde registou ao todo 6,5 milhões de visitantes, considerado um número muito abaixo nas expectativas do presidente da Embratur.

Em 2020, uma MP validada pelo ex-presidente Jair Bolsonaro transformou a Embratur em uma entidade autónoma. Apesar de continuar vinculada ao Ministério do Turismo, do governo, a entidade não pode mais receber investimentos públicos.

O presidente da agência, no cargo desde o início do ano, afirma que tentou propor um acordo de uma transferência à Embratur com o valor fixo 300 milhões de reais, por 4 anos, enquanto o órgão tenta novas formas de financiamento. A proposta, porém, não foi aceite pelas entidades.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Funchal ganha nova atração cultural e turística

O Funchal acaba de ganhar nova atração cultural e turística com a reabilitação e restauro do Convento de Santa Clara, monumento nacional onde também foi criado um projeto de museologia, que integra um circuito visitável.

Publituris

O Presidente do Governo Regional, Miguel Albuquerque, que foi, recentemente, conhecer o resultado da obra, afirmou que “fizemos mais uma reabilitação exemplar do nosso património edificado e do nosso património móvel, disponibilizando, agora, zonas visitáveis para os madeirenses e àqueles que nos visitam e que queiram conhecer esta maravilha do nosso património nacional”.

Trata-se de um investimento do Governo Regional, agora concretizado, foi apoiado por fundos europeus e ascendeu aos 2,3 milhões de euros.

Segundo a página oficial do Governo Regional da Madeira, os trabalhos desenvolveram-se a dois níveis – implementação do projeto de museologia/museografia das áreas visitáveis e a beneficiação global da Igreja e do Convento – tendo, contemplando, entre outros aspetos, conservação e restauro do património artístico, móvel e integrado, designadamente conservação e restauro de pintura, escultura e talha dourada, conservação e restauro de azulejos do Convento e escavação arqueológica dos poços-cisterna.

O projeto museologia incluiu ainda a elaboração de um guia bilingue sobre o Convento de Santa Clara e a implementação de suportes gráficos, nomeadamente no circuito visitável.

O Convento de Santa Clara constitui um dos mais importantes testemunhos do património cultural e histórico da região, estando classificado como Monumento Nacional desde 1940.

Construído no período manuelino (século XV), é um imóvel gótico tardio que, apesar das profundas transformações artísticas e arquitetónicas ocorridas nos séculos XVII e XVIII, em plena época barroca, conserva ainda testemunhos da sua traça primitiva.

Este é o único convento do século XV da região – as suas obras iniciaram-se em 1492 –, sendo uma das casas religiosas mais importantes a nível nacional, à época, e contém, no seu espólio pinturas, esculturas, azulejos, talha, mobiliário, elementos construtivos e decorativos únicos. Tendo, originalmente, pertencido a uma ordem religiosa de clausura, atualmente encontra-se aberto aos visitantes. Na época, o objetivo da construção destas instalações passava, então, por recolher as filhas da nobreza local.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Neoturis atualiza oferta de serviços e novas facilidades de contacto através do site

A consultora especializada em turismo, Noeturis, com mais de 20 anos de experiência, oferece, atualmente, uma ampla gama de serviços que cobre todas as etapas cruciais no desenvolvimento e crescimento dos negócios turísticos, numa abordagem de 360º.

Publituris

Por outro lado, com o objetivo de estar mais próxima do setor, a consultora disponibiliza no site, um chat direto, onde a equipa está disponível para esclarecer qualquer dúvida. É também possível fazer o agendamento de uma primeira reunião de exploração, num link que conecta um calendário com a disponibilidade mais imediata.

A Neoturis indica, em informação ao mercado, que oferece serviços de planeamento estratégico, que visa compreender o potencial de desenvolvimento de destinos turísticos e de produtos turísticos, definir políticas de desenvolvimento – transportes, estruturação da oferta, comunicação e marketing turístico, organização institucional, fazer análise de portfolios de ativos turísticos, assim como definição e implementação de rotas estratégicas.

No rol de serviços, constam ainda os estudos de mercado, viabilidade económica e apoio ao investimento. Além de Benchmarking, elaboração de Business Plan (P&L, Cash-flow) e análises de sensibilidade, são oferecidos serviços abrangentes de apoio ao investimento, incluindo due diligence comercial, avaliação de ativos, identificação de modelos de gestão apropriados e preparação de dossiês de apresentação de oportunidades de investimento.

Há também o apoio à arquitetura e pre-opening. Trata-se de um serviço de distribuição eficiente de áreas públicas, planeamento de espaços funcionais e antecipação de inovações tecnológicas, considerando os critérios ESG e garantindo o sucesso futuro dos projetos, bem como de suporte abrangente desde a fase de pré-abertura até a operação contínua de hotéis, no desenvolvimento da estrutura operacional, recrutamento de membros-chave, implementação de soluções tecnológicas e desenvolvimento de ofertas experienciais.

No plano do marketing, os apoios passam pela definição do posicionamento e conceito, planeamento de branding e comunicação. Com uma estratégia de marketing abrangente, incluindo estudos de mercado, presença online eficaz e estratégias de publicidade, os clientes são apoiados na maximização da sua visibilidade e atratividade para o público-alvo.

Junta-se ainda o apoio à operação, que tem como objetivo garantir o alinhamento das operações com os objetivos estratégicos de negócio através da definição de estratégias de vendas – pricing e comercialização, diagnósticos de desempenho, revisão da oferta de serviços, dos standards, criação de planos de formação e implementação de soluções de otimização da produtividade.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Gastronomia, artesanato e eventos culturais algarvios são temas de promoção em Espanha

Gastronomia, artesanato e eventos culturais ao longo de todo o ano estão em destaque em duas novas campanhas de promoção – “Algarviate” e “Algarve, ahora y siempre” – do Turismo do Algarve, em Espanha, considerado um dos mercados prioritários para a região.

Publituris

A campanha “Algarviate”, que arrancou esta segunda-feira, dia 22 de maio, e estará ativa até 18 de junho, tem como objetivo divulgar os programas de turismo criativo que integram o projeto Algarve Craft & Food, com destaque para o artesanato e gastronomia da região. Contempla os meios digitais, com um passatempo, mas também em outdoors e imprensa escrita. Os principais públicos-alvo são os potenciais turistas de Andaluzia, Extremadura, Galiza e Madrid.

Através da palavra “Algarviate” faz-se o convite à experiência imersiva na cultura do Algarve para conhecer técnicas ancestrais que atribuem aos produtos agroalimentares locais, à gastronomia e ao artesanato a autenticidade tão característica da região, refere o Turismo do Algarve em nota de imprensa.

O turismo cultural é também promovido na campanha “Algarve, ahora y siempre”, exclusivamente digital, concentrando-se nas redes sociais através de um vídeo promocional de dois minutos, que destaca os principais eventos culturais que ocorrem anualmente na região. A campanha está integrada no projeto Algarve Premium, decorre entre 19 de junho e 19 de julho, e tem como principal objetivo mostrar que o Algarve tem uma oferta cultural diversificada ao longo de todo o ano.

Estas campanhas pretendem reforçar junto de um dos mercados mais relevantes para o Algarve – o espanhol, que o Algarve “é muito mais do que praia, sol e verão”, realça João Fernandes, presidente do Turismo do Algarve, neste caso com destaque na gastronomia, artesanato e eventos culturais que decorrem ao longo de todo o ano na região.

Refira-se que o mercado espanhol representava, no período pré-pandemia, mais de 400 mil hóspedes e mais de 1,1 milhões de dormidas anuais no alojamento turístico do Algarve, maioritariamente concentradas no período da Páscoa e nos meses de verão.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Receitas da atividade turística voltam a subir e somam valor mais elevado de sempre em março

As receitas da atividade turística somaram 1.635,85 milhões de euros em março, valor que traduz um aumento de 36,1% face a igual mês do ano passado e que estabelece um novo recorde para o terceiro mês do ano, segundo os dados divulgados esta segunda-feira, 22 de maio, pelo Banco de Portugal (BdP).

Inês de Matos

As receitas provenientes da atividade turística somaram 1.635,85 milhões de euros no passado mês de março, valor que traduz um aumento de 36,1% face a igual mês do ano passado e que estabelece um novo recorde para o terceiro mês do ano, indicam os dados revelados esta segunda-feira, 22 de maio, pelo Banco de Portugal (BdP).

Os dados do BdP mostram que, em março, as receitas da atividade turística, que se encontram pelos gastos dos turistas estrangeiros em Portugal, ficaram 433,51 milhões de euros acima do apurado em igual mês do ano passado, quando os primeiros meses ainda tinham sido marcados pela variante Ómicron da COVID-19.

Numa comparação com o mesmo mês de 2019, que tinha sido o melhor ano de sempre em receitas turísticas até ao ano passado, as receitas cresceram 46,4%, num aumento de mais de 518 milhões de euros.

Tal como as receitas turísticas, também as importações relativas à atividade turística, que se encontram pelos gastos dos turistas portugueses no estrangeiro, apresentaram um aumento e somaram 300,67 milhões de euros, numa subida mais modesta que chegou aos 18% ou mais 45,86 milhões de euros que em igual mês de 2022.

O valor das importações do turismo continua, no entanto, abaixo do registado em março de 2019, mantendo-se 3,2% aquém dos 310,86 milhões de euros apurados no terceiro mês de 2019, o que indica que as viagens dos portugueses ao estrangeiro ainda não recuperaram para o mesmo patamar registado em março do último ano pré-pandemia.

A subir esteve ainda o saldo da rubrica Viagens e Turismo, que somou 1.335,18 milhões de euros, valor que ficou 41% acima dos 947,53 milhões de euros apurados em março de 2022, o que corresponde a um aumento de 387,65 milhões de euros.

Face a março de 2019, o saldo da rubrica Viagens e Turismo cresceu 65,6%, uma vez que no terceiro mês desse ano anterior à pandemia o valor desde indicador tinha ficado nos 806,39 milhões de euros, o que traduz um aumento de 528,79 milhões de euros.

O BdP realça que o crescimento das exportações do turismo contribuiu para o “incremento das exportações” da balança de serviços, uma vez que as “exportações de viagens e turismo totalizaram 1.636 milhões de euros, o valor mais elevado da série para um mês de março”.

Trimestre também positivo

Os dados do BdP permitem também perceber que, no primeiro trimestre do ano, as exportações do turismo somam já 4.145,3 milhões de euros, valor que fica 47,7% ou 1.338,11 milhões de euros acima do registado nos três primeiros meses de 2022.

Comparando o primeiro trimestre de 2023 com o mesmo período de 2019, a subida é ainda mais expressiva, uma vez que nos três primeiros meses do último ano pré-pandemia este indicador somou 1.876,71 milhões de euros, o que traduz um aumento de 120,9% ou de 2.268,59 milhões de euros.

No que diz respeito às importações do turismo, há também uma forte subida a assinalar, uma vez que, nos três primeiros meses de 2023, este valor soma já 890,01 milhões de euros, enquanto no mesmo período do ano passado contabilizava 666,78 milhões de euros, num aumento de 33,5% ou de 223,23 milhões de euros.

Face a período homólogo de 2019, as importações do turismo apresentam uma subida mais ligeira, que chega apenas aos 4,5% nos três primeiros meses de 2023, num crescimento de 37,93 milhões de euros face ao apurado entre janeiro e março de 2019.

No que diz respeito ao saldo da rubrica Viagens e Turismo, a situação volta a ser positiva no acumulado do ano, uma vez que este indicador soma 3.255,29 milhões de euros no primeiro trimestre, o que traduz um crescimento de 52,1% face aos 2140,41 milhões de euros que tinham sido registados nos mesmos meses de 2022.

Já numa comparação com o mesmo período pré-pandemia, o saldo da rubrica Viagens e Turismo apresenta uma evolução ainda mais positiva e cresce 60,8% ou 1.230,66 milhões de euros.

 

 

 

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Destinos

Secretário de Estado do Turismo promove enoturismo e turismo literário portugueses nos EUA

A visita de Nuno Fazenda aos EUA inclui a participação no Financial Times Weekend Festival, onde Portugal foi o país convidado e no qual o governante promoveu o enoturismo e o turismo literários portugueses.

Publituris

O secretário de Estado do Turismo, Comércio e Serviços, Nuno Fazenda, deslocou-se este fim-de-semana aos EUA, onde, entre outras iniciativas, participou no Financial Times Weekend Festival, evento que decorreu em Washington, no sábado, 20 de maio, e na qual Portugal foi o país convidado.

“A promoção turística, o conhecimento e a cooperação em torno do turismo cultural” foram, de acordo com um comunicado do Ministério da Economia e Mar, os temas que marcaram a agenda da visita do governante.

Segundo a informação divulgada, Nuno Fazenda deslocou-se à capital estado-unidense “para reforçar a cooperação e a notoriedade de Portugal nos EUA – mercado estratégico para o turismo nacional”.

No Financial Times Weekend Festival, evento que funcionou como “uma plataforma para mostrar o turismo português junto de líderes de opinião, operadores turísticos e agentes de viagens do mercado norte americano”, Nuno Fazenda participou também na promoção do enoturismo e do turismo literário portugueses.

No caso do enoturismo, foi promovida durante o evento uma prova comentada de vinhos portugueses, que contou com a participação de Jancis Robinson, considerada uma das maiores referências mundiais na crítica de vinhos.

Em destaque esteve ainda a oferta nacional de turismo literário, uma vez que o espaço dedicado a Portugal tinha como protagonistas dois dos maiores autores portugueses, concretamente Fernando Pessoa e José Saramago.

Os principais escritores nacionais estiveram ainda em destaque na livraria do Financial Times Weekend Festival, que contou com sete títulos de livros de autores portugueses.

Durante esta visita aos EUA, o secretário de Estado do Turismo, Comércio e Serviços realizou ainda um Seminar [aula aberta] na Universidade George Washington, numa sessão aberta à comunidade académica, profissionais do setor e empresários.

“Neste âmbito, será impulsionado um processo de cooperação para a partilha de conhecimento entre a esta Universidade e o Turismo de Portugal, tendo em vista aprofundar informação sobre o mercado norte americano”, acrescenta o comunicado divulgado.

Nuno Fazenda reuniu ainda com o Museu Smithsonian para “explorar formas de cooperação em torno da história comum relacionada com a diáspora africana e as suas influências em ambos os países”, numa ação em que foi acompanhado pelo Turismo de Portugal e que visa “facilitar a troca de conhecimento e de abordagem, promovendo uma compreensão mais profunda do património cultural compartilhado entre Portugal e os Estados Unidos”.

Recorde-se que, no ano passado, os EUA foram o quarto mercado emissor de turistas para Portugal, segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE), apresentando crescimentos de 27% e 52% em dormidas e receitas face a 2019.

 

.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.