Edição digital
Assine já
PUB
Transportes

Ómicron travou recuperação do transporte aéreo em janeiro, diz IATA

Apesar da Ómicron, em janeiro, todas as regiões do mundo assistiram a um aumento do tráfego aéreo mas a IATA alerta que, nos próximos meses, também o impacto da guerra na Ucrânia se deve fazer sentir.

Inês de Matos
Transportes

Ómicron travou recuperação do transporte aéreo em janeiro, diz IATA

Apesar da Ómicron, em janeiro, todas as regiões do mundo assistiram a um aumento do tráfego aéreo mas a IATA alerta que, nos próximos meses, também o impacto da guerra na Ucrânia se deve fazer sentir.

Inês de Matos
Sobre o autor
Inês de Matos
Artigos relacionados
Américo Muchanga é o novo presidente da LAM
Aviação
Culture and Tourism Innovation Global Summit dia 16 de julho em Lisboa
Meeting Industry
ARAC denuncia “concorrência desleal de operadores não regulamentados” no aluguer de autocaravanas
Transportes
Portugueses planeiam gastar mais nas férias
Destinos
Cantora Meghan Trainor é a madrinha do Utopia of the Seas
Transportes
Edição de 2024 do Festival Nacional de Gastronomia de Santarém vai ser de 17 a 27 de outubro
Agenda
AHETA mantém aposta na formação de ativos
Emprego e Formação
Consórcio estuda criação do primeiro centro de hidrogénio para a aviação em Espanha
Aviação
Parque Aquático de Amarante investe 2M€ em novas atrações ao celebrar 30 anos
Destinos
Vhils inaugura novo mural em Bruxelas com apoio do Turismo de Portugal
Destinos

A recuperação do transporte aéreo em janeiro foi penalizada pela Ómicron e pelas medidas restritivas adotadas por vários países para conter a nova variante, o que acabou por travar a recuperação das viagens domésticas e internacionais, aponta a Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA).

De acordo com os dados mais recentes da associação, divulgados esta quinta-feira, 10 de março, apesar do impacto da Ómicron, a procura por viagens aéreas internacionais ficou, no primeiro mês do ano, 82.3% acima do que tinha sido registado em mês homólogo do ano passado, ainda que, em comparação com dezembro de 2021 se tenha registado uma descida de 4,9%.

Já a procura por viagens domésticas cresceu 41,5% acima de janeiro de 2021, mas desceu 7,2% face ao último mês de 2021, enquanto a procura internacional aumentou 165.6% em relação a janeiro do ano passado, tendo, contudo, descido 2,2% numa comparação mensal com dezembro de 2021.

“A recuperação das viagens aéreas continuou em janeiro, apesar de ter sido atingida por uma bomba chamada Ómicron”, destaca Willie Walsh, diretor-geral da IATA num comunicado enviado à imprensa, onde explica que as medidas restritivas nas fronteiras “não impediram a disseminação da variante”.

De acordo com o responsável, foi a vacinação que fez a diferença e impediu que os sistemas de saúde ficassem sobrecarregados, pelo que muitos governos estão agora a ajustar as políticas da COVID-19″, adaptando-as a uma endemia, o que passa pelo “levantamento das restrições de viagem que tiveram um impacto devastador na vida, economia e liberdade de viajar”.

Os dados da IATA indicam que o crescimento registado em janeiro no tráfego aéreo internacional foi comum a todas as regiões do mundo, com destaque para a Europa, onde o tráfego aéreo internacional cresceu 225,1% em janeiro, valor que até traduz um aumento numa comparação com dezembro, quando este indicador tinha subido 223,3% face a igual mês do ano anterior. Em janeiro, as companhias aéreas europeias aumentaram ainda a capacidade em 129,9%, enquanto o load facto subiu 19,4 pontos percentuais, para 66,4%.

Na América Latina, a recuperação do tráfego em janeiro também foi forte e chegou aos 157,0%, num crescimento que também superou o que tinha sido registado em dezembro e que traduzia um aumento de 150,8% face a dezembro de 2020. Em janeiro, a capacidade subiu 91,2%, enquanto o load factor registou o mesmo crescimento apurado na Europa, aumentando 19,4 pontos percentuais, para 75,7%, o mais alto entre todas as regiões pelo 16.º mês consecutivo.

Na América do Norte, o tráfego aéreo subiu 148,8% face a janeiro de 2021, o que, sublinha a IATA, traduz uma “descida significativa” face ao aumento de 185,4% registado em dezembro, o que se pode explicar com o surgimento da Ómicron. Já a capacidade aumentou 78,0% e o load factor subiu 17 pontos percentuais, fixando-se nos 59,9%.

No Médio Oriente, o tráfego aéreo apresentou uma subida de 145,0%, com a IATA a destacar que este valor “fica bem abaixo” do aumento de 178,2% que tinha sido registado em dezembro. Já a capacidade cresceu 71,7% em janeiro e o load factor aumentou 17,5 pontos percentuais, para 58,6%.

Já as companhias aéreas da Ásia-Pacífico registaram um aumento de tráfego internacional de 124,4% em janeiro, também “significativamente abaixo” do crescimento de 138,5% que tinha sido apurado em dezembro de 2021, enquanto a capacidade aumentou 54,4% e o load factor cresceu 14,7 pontos percentuais, para 47,0%, mantendo-se como o mais baixo entre todas as regiões.

Ainda assim, foi em África que o tráfego aéreo internacional menos cresceu em janeiro, subindo apenas 17,9% face a janeiro de 2021, o que também corresponde a uma desaceleração face ao crescimento de 26,3% que tinha sido registado em dezembro de 2021. Já a capacidade em África aumentou 6,3% em janeiro e o load factor subiu 6,0 pontos percentuais, para 60,5%.

A IATA sublinha, no entanto, que em comparação com 2019, a procura por viagens aéreas ficou, em janeiro, “bastante abaixo” do níveis pré-pandemia e apresentou uma descida de 49.6% face a mês homólogo de 2019. Já o tráfego internacional de passageiros desceu 62.4% e o doméstico caiu 26.5%.

Impacto da guerra na Ucrânia

A associação também alerta para o impacto da guerra na Ucrânia no transporte aéreo e, apesar de referir que os números de janeiro ainda não mostram qualquer interferência, já  que o conflito militar apenas começou em fevereiro, o certo é que se espera que as sanções impostas à Rússia e o encerramento do espaço aérea a aviões russos tenham “um impacto negativo nas viagens, especialmente nos países vizinhos”.

A IATA revela que o mercado ucraniano representou, em 2021, 3,3% do tráfego aéreo na Europa e 0,8% do tráfego aéreo global, enquanto o peso do tráfego aéreo russo chegou aos 5,7% a nível europeu (excluindo o mercado doméstico russo) e aos 1,3% do tráfego global.

Segundo a IATA, o encerramento do espaço aéreo devido ao conflito militar na Ucrânia levou ao cancelamento de algumas rotas, nomeadamente entre a Europa e a Ásia, mas também entre a Ásia e a América do Norte, ainda que o impacto tenha sido mais reduzido do que seria expectável, uma vez que muitos países asiáticos ainda permanecem de fronteiras encerradas devido à COVID-19.

Em consequência da guerra na Ucrânia, a IATA está também preocupada com o “aumento repentino nos preços dos combustíveis”, que está a pressionar os custos das companhias aéreas, uma vez que, em poucos meses, o preço do combustível para a aviação quase duplicou, passando de 78 dólares por barril, para 140 dólares.

“Absorver um impacto tão grande nos custos, num momento em que o setor está a lutar para reduzir as perdas ao sair da crise de dois anos da COVID-19, é um grande desafio. Se o preço do combustível da aviação permanecer tão alto, com o tempo, é razoável esperar que isso se reflita nos rendimentos das companhias aéreas”, alerta Willie Walsh.

O diretor-geral da IATA considera ainda que a abolição da obrigatoriedade de uso de mascara facial a bordo poderá dar um novo impulso ao transporte aéreo, pois representa mais um passo em relação à normalidade.

“Não faz sentido continuar a exigir máscaras nos aviões quando elas não são mais necessárias em centros comerciais, teatros ou escritórios. Os aviões estão equipados com sistemas de filtragem de qualidade hospitalar altamente sofisticados e têm um fluxo e taxas de troca de ar muito maiores do que a maioria dos outros ambientes internos onde a obrigatoriedade de máscara já foi removida”, considera ainda Willie Walsh.

 

 

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Artigos relacionados
Américo Muchanga é o novo presidente da LAM
Aviação
Culture and Tourism Innovation Global Summit dia 16 de julho em Lisboa
Meeting Industry
ARAC denuncia “concorrência desleal de operadores não regulamentados” no aluguer de autocaravanas
Transportes
Portugueses planeiam gastar mais nas férias
Destinos
Cantora Meghan Trainor é a madrinha do Utopia of the Seas
Transportes
Edição de 2024 do Festival Nacional de Gastronomia de Santarém vai ser de 17 a 27 de outubro
Agenda
AHETA mantém aposta na formação de ativos
Emprego e Formação
Consórcio estuda criação do primeiro centro de hidrogénio para a aviação em Espanha
Aviação
Parque Aquático de Amarante investe 2M€ em novas atrações ao celebrar 30 anos
Destinos
Vhils inaugura novo mural em Bruxelas com apoio do Turismo de Portugal
Destinos
PUB

Foto: Aeroportos de Moçambique

Aviação

Américo Muchanga é o novo presidente da LAM

Américo Muchanga era, até esta terça-feira, 9 de julho, presidente dos Aeroportos de Moçambique e foi agora escolhido para substituir Theunis Christian de Klerk Crous, que liderava a companhia aérea moçambicana de forma interina desde fevereiro.

Publituris

A LAM – Linhas Aéreas de Moçambique passou a ser liderada por Américo Muchanga, que foi escolhido pelo Conselho de Administração para novo presidente da companhia aérea moçambicana.

Segundo a Lusa, que cita um comunicado da transportadora aérea de Moçambique, Américo Muchanga era, até esta terça-feira, 9 de julho, presidente dos Aeroportos de Moçambique, cargo que ocupava desde fevereiro de 2022, e foi agora escolhido para substituir Theunis Christian de Klerk Crous.

A Lusa recorda que Theunis Christian de Klerk Crous ocupava as funções de presidente da LAM de forma interina desde fevereiro passado, no seguimento do afastamento de João Carlos Pó Jorge e do processo de reestruturação da empresa, que está a cargo da Fly Modern Ark (FMA), empresa sul-africana contratada para recuperar a LAM.

Com a chegada da FMA à LAM, o que acontece desde abril do ano passado, a transportadora moçambicana tem vindo a passar por um processo de reestruturação, que se segue a vários anos de problemas operacionais relacionados com uma frota reduzida e falta de investimentos.

Desde a entrada da FMA na companhia aérea, foram descobertos esquemas de desvio de dinheiro, que estão a ser investigados pelo Gabinete Central de Combate à Corrupção (GCCC) de Moçambique.

A LAM opera 12 destinos no mercado doméstico, a nível regional voa regularmente para Joanesburgo, Dar-Es-Salaam, Harare, Lusaca, e Cidade do Cabo, sendo Lisboa o único destino intercontinental da companhia aérea moçambicana.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

ARAC denuncia “concorrência desleal de operadores não regulamentados” no aluguer de autocaravanas

A ARAC diz que, nos últimos anos, têm surgido plataformas que disponibilizam autocaravanas particulares, “frequentemente sem respeitar a legislação que regulamenta esta atividade”, o que pode prejudicar os consumidores e a imagem do país enquanto destino turístico de excelência.

Inês de Matos

A Associação Nacional dos Locadores de Veículos (ARAC) veio esta terça-feira, 9 de julho, alertar os consumidores e denunciar a existência de “concorrência desleal de operadores não regulamentados” no aluguer de autocaravanas, o que afeta negativamente as empresas que cumprem a lei e pode prejudicar “a reputação de Portugal como um destino turístico de prestígio”.

Num comunicado enviado à imprensa, a associação que representa o rent-a-car em Portugal, em cuja legislação está inserida a regulação das autocaravanas, lembra existe “um conjunto de obrigações para garantir a legalidade, a proteção dos consumidores e a transparência contratual” no aluguer destes veículos.

“No entanto, nos últimos anos, têm surgido várias plataformas de aluguer que disponibilizam autocaravanas pertencentes a particulares, frequentemente sem respeitar a legislação que regulamenta esta atividade. Estes veículos, muitas vezes com um grande número de anos de uso, não cumprem os requisitos legais necessários e operam num quadro legal e fiscal pouco claro, prejudicando os consumidores que os utilizam”, lamenta a associação.

A ARAC diz que tem vindo a denunciar esta situação às “autoridades competentes”, ainda que, até ao momento, não tenham existido “resultados eficazes”, numa situação que a associação diz que “prejudica os consumidores” e a reputação do país.

“Dado o crescimento turístico em Portugal, é fundamental que as entidades públicas relacionadas com a mobilidade, o turismo e as autoridades policiais e fiscais atuem de forma coordenada para resolver este problema. Esta situação não só prejudica os consumidores, como também afeta negativamente a reputação de Portugal como um destino turístico de prestígio”, defende a ARAC.

A associação concorda que a “atividade de aluguer de autocaravanas em Portugal apresenta um potencial significativo de crescimento e desenvolvimento” mas defende que “é essencial assegurar que este crescimento seja sustentável e regulamentado, de forma a proteger os consumidores e manter a reputação de Portugal como um destino
turístico de excelência”.

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Transportes

Cantora Meghan Trainor é a madrinha do Utopia of the Seas

Meghan Trainor vai participar num mini-cruzeiro de três noites com a presença de 52 fãs da artista, que decorre ainda antes da inauguração do novo navio da Royal Caribbean International, prevista para 19 de julho.

Publituris

A Royal Caribbean International (RCI) escolheu a cantora e compositora Meghan Trainor para madrinha do Utopia of the Seas, novo navio da companhia de cruzeiros, que vai ser inaugurado a 19 de julho, em Port Canaveral, nos EUA.

“É uma honra incrível juntar-me à família Royal Caribbean como madrinha do Utopia of the Seas e dar o tom para as festas que virão”, congratula-se Meghan Trainor, que vai participar num mini-cruzeiro de três noites ainda antes da inauguração do navio e que vai contar com a presença de 52 fãs da artista.

Segundo a RCI, este mini-cruzeiro tem partida a 15 de julho, estando os fãs de Meghan Trainor que vão participar na viagem a ser atualmente selecionados através de um concurso no Instagram da Royal Caribbean, onde é também possível consultar as regras oficiais do sorteio.

“A bordo do cruzeiro de 3 noites, haverá festa atrás de festa, desde uma apresentação ao vivo no Utopia da cantora de “Timeless”, na premiada  ilha privada da Royal Caribbean, Perfect Day em CocoCay nas Bahamas até à festa de batismo acompanhada pela recém-nomeada madrinha. Tudo acontece poucos dias antes da partida inaugural a 19 de julho em Port Canaveral (Orlando), Flórida”, revela a companhia de cruzeiros, num comunicado divulgado esta terça-feira, 9 de julho.

Neste mini-cruzeiro, está prevista uma atuação de Meghan Trainor no AquaTheater, num espetáculo exclusivo que vai ainda oferecer aos fãs da cantora a possibilidade de a conhecerem pessoalmente.

Segundo Michael Bayley, presidente e CEO da RCI, Meghan Trainor é a madrinha perfeita para o Utopia of the Seas, uma vez que a artista personifica aquilo que o navio pretende oferecer, afirmando-se como um espaço de “celebrações”, para “celebrar com amigos e família” e criar memórias em conjunto.

Depois da inauguração, o Utopia of the Seas vai oferecer mini-cruzeiros de três e quatro noites durante a semana, com partida de Port Canaveral, disponibilizando uma vasta gama de atividades e entretenimento, além de 40 espaços de restauração, dois casinos e várias piscinas.

O navio vai passar a realizar escalas em Nassau e na Perfect Day at CocoCay, a ilha privada da RCI nas Bahamas, que oferece animação variada, contando com 14 aquaslides, a maior piscina de água doce das Caraíbas e das Bahamas, e o recém-inaugurado oásis exclusivo para adultos, o Hideaway Beach, que conta com praia particular, piscinas e locais para bebidas e petiscos, cabanas exclusivas, bem como DJ ao vivo.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

Ryanair abre quarta base em Marrocos com rotas para Lisboa e Porto

A nova base da Ryanair em Tanger, Marrocos, começou a operar ainda em maio, conta com duas aeronaves baseadas e um total de 25 rotas, incluindo 13 novas ligações aéreas, uma das quais para Lisboa e outra para o Porto.

Publituris

A Ryanair  abriu esta terça-feira, 9 de julho, uma nova base em Marrocos, localizada em Tanger e que é a quarta da companhia aérea low cost naquele país do Norte de África, informou a transportadora, em comunicado.

De acordo com a informação divulgada pela companhia aérea, a base de Tanger, que começou a operar ainda em maio, conta com duas aeronaves baseadas e um total de 25 rotas, incluindo 13 novas ligações aéreas, uma das quais para Lisboa e outra para o Porto.

O comunicado divulgado pela Ryanair destaca que a nova base de Tanger motivou um investimento de cerca de 200 milhões de euros e vai disponibilizar voos para oito novas cidades europeias e cinco novos destinos marroquinos, já neste verão de 2024.

A Ryanair sublinha também que a nova base de Tanger vai permitir criar 600 novos empregos locais, incluindo 60 para pilotos e tripulantes de cabine, aumentando ainda em 70% a capacidade na cidade marroquina.

“O investimento da Ryanair em Marrocos ultrapassa agora mais de 1,4 mil milhões de dólares em aeronaves – apoiando mais de 5.000 empregos diretos e indiretos e proporcionando crescimento económico em 12 cidades, incluindo Rabat, Marraquexe, Fez, Agadir, Tetouan, Essaouira e Nador”, lê-se na informação divulgada pela companhia aérea.

Segundo Eddie Wilson, CEO da Ryanair, com a abertura da nova base em Tanger, a Ryanair vai operar mais de 170 rotas em Marrocos, numa oferta que conta com tarifas baixas e que, espera o responsável, deverá contribuir para impulsionar o “turismo e a conectividade” aérea no país.

“Esperamos continuar a apoiar a economia de Marrocos, bem como a conectividade regional e internacional, posicionando Tânger como um destino líder de verão com os seus museus, medina, souq e, claro, as suas belas praias”, acrescenta o responsável.

Baden Baden, Barcelona, Carcassonne, Eindhoven, Lisboa, Manchester, Memmingen e Porto são as novas rotas internacionais que a Ryanair abriu na base de Tanger, às quais se juntam ainda rotas domésticas para Agadir, Essaouira, Marrakesh, Ouarzazate e Oujda.

Para assinalar a abertura da base, a Ryanair lançou uma promoção cujos preços começam nos 159 dirham (cerca de 15 euros) e que é válida para viagens que decorram até outubro de 2024. As vendas decorrem aqui.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Foto: Depositphotos.com

Transportes

Aeroporto do Porto volta a ser o melhor de Portugal, diz AirHelp

De um total de 239 aeroportos analisados, o Aeroporto Francisco Sá Carneiro é o primeiro aeroporto português em 117.º lugar. O Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, é considerado o pior aeroporto português.

Publituris

O Aeroporto Francisco Sá Carneiro volta a ser considerado o melhor aeroporto de Portugal. Segundo a análise realizada pela AirHelp – formada por aproximadamente 240 aeroportos de 70 países distintos de todo o mundo e recolhidos dados sobre chegadas e partidas entre 1 de maio de 2023 e 30 de abril de 2024 – o aeroporto do Porto obteve uma pontuação global de 7,60, alcançado 7,30 na pontualidade; 8,20 na consideração dos clientes e 7,90 na qualidade da sua área de restauração e lojas. De uma forma geral, a pontuação global deste aeroporto melhorou, já que, em 2023, apresentou uma pontuação de 7,52, tal como os parâmetros de pontualidade e consideração dos clientes, tendo piorado somente na qualidade da sua área de restauração e lojas.

Em segundo lugar no ranking nacional, o Aeroporto de Faro obteve uma pontuação global de 7,27, enquanto o Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, continua a ser o pior aeroporto de Portugal, com uma pontuação global de 6,59.

A nível global, contudo, o Aeroporto Francisco Sá Carneiro passou do 91.º lugar, em 2023, para o 117.º lugar, enquanto as infraestruturas aeroportuárias de Faro e Lisboa desceram, respetivamente, da 137.ª para a 185.ª posição, e do 191.º para o 234.º lugar, pela mesma ordem.

É na Ásia, mais precisamente na cidade de Doha (Catar) que se situa o melhor aeroporto do mundo, segundo o ranking da AirHelp. O Doha Hamad International Airport obteve uma pontuação global de 8,52, considerando 8,30 na pontualidade; 8,70 nas avaliações dos passageiros; e 8,90 para a qualidade das instalações comerciais e de restauração. Em 2023, este aeroporto ficou na quinta posição.

Em segundo lugar na classificação está o aeroporto sul-africano da Cidade do Cabo, com uma pontuação de 8,50. Por fim, em terceiro lugar, encontra-se o Aeroporto de Chubu, Nagoya (Japão), com uma pontuação de 8,49. Este aeroporto foi avaliado pela primeira vez pela AirHelp e teve uma entrada direta para o Top 3 do ranking.

De referir que, para determinar a classificação dos aeroportos, a AirHelp considera três áreas: a pontualidade (60%), a consideração dos clientes (20%) e a qualidade das suas áreas de restauração e lojas (20%).

Foto: Depositphotos.com
Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

TAAG aumenta frequências para São Tomé a partir de setembro

A partir de setembro, a TAAG aumenta de dois para três o número de voos semanais para São Tomé, que passa a contar com ligações às terças, quintas e domingos.

Publituris

A TAAG vai aumentar o número de voos semanais entre Lisboa e São Tomé, via Luanda, a partir de setembro, passando de duas para três frequências por semana, segundo informação divulgada pela companhia aérea angolana esta terça-feira, 9 de julho.

“A partir de setembro teremos um aumento de frequências na rota de São Tomé a partir de Lisboa: passaremos de 2 para 3 frequências semanais às terças-feiras, quintas-feiras e domingos”, lê-se numa nota divulgada pela companhia aérea.

Segundo a TAAG, o aumento de frequências proporciona “mais conectividade dentro do continente Africano”, com a companhia aérea a destacar ainda que “a duração da escala para estes voos de longa duração será mais curta”.

Os novos voos já  estão disponíveis para compra e as reservas podem ser realizadas aqui, bem como nos outros canais oficiais da TAAG e nas agências de viagens.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Anneaux JO Troca

Destinos

Aeroportos de Paris com greve a 17 de julho

O pré-aviso de greve surge a poucos dias do arranque dos Jogos Olímpicos de Paris e, além de melhores condições salariais, reclama também a contratação de pessoal para dar resposta ao aumento do fluxo de passageiros esperado durante o evento.

Publituris

Os aeroportos da capital francesa foram alvo de um pré-aviso de greve que promete paralisar a aviação em Paris no dia 17 de julho, avança a Lusa, que cita vários sindicatos da ADP, o grupo que faz a gestão aeroportuária da capital francesa.

O pré-aviso de greve foi emitido porque os trabalhadores da ADP passar a ter um incentivo salarial que já foi atribuído a outros funcionários do grupo e que tem levado a acusações de “deterioração das condições de trabalho”.

Segundo a Lusa, os sindicatos que convocaram a greve reclamam um “bónus para todos os funcionários”, um plano de contratação “massivo” de 1.000 trabalhadores e a garantia de que será possível gozar folgas durante os Jogos Olímpicos, que arrancam a 26 de julho, na capital francesa.

A Lusa lembra ainda que a greve surge pouco antes da realização da competição desportiva, que deverá levar a um considerável aumento do fluxo de passageiros aeroportuários nesse período, o que leva os trabalhadores a pedir garantias de que os serviços não vão ficar sobrecarregados e de que o esforço será recompensado.

As organizações sindicais têm vindo a pedir mais meios para organizar o trabalho durante o evento e, numa assembleia geral na passada sexta-feira, 5 de julho, quase 300 funcionários “apoiaram a decisão unânime dos sindicatos de interromper a sua participação em todas as formas de reuniões com a gestão”, disseram os sindicatos.

Em reação ao anúncio, a administração da ADP sinalizou que “esta greve não deve levar ao cancelamento de voos”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Costa Cruzeiros lança novos itinerários no Japão e sudeste asiático para o inverno 2025-26

No inverno 2025-26, o navio Costa Serena a realizar dois novos itinerários de 15 dias pela Ásia, um dos quais pelo Japão, ambos com voos a partir da Europa na opção ‘fly & cruise’.

Publituris

A Costa Cruzeiros vai contar com novos itinerários para o inverno 2025-26, anunciou a companhia de cruzeiros, que vai colocar o navio Costa Serena a realizar dois novos itinerários de 15 dias pela Ásia, um dos quais pelo Japão, ambos com  voos a partir da Europa.

“Além dos cruzeiros pelo Mediterrâneo, Ilhas Canárias, Caraíbas, Emirados Árabes Unidos, América do Sul e pelo Mundo, de novembro de 2025 a janeiro de 2026, a empresa italiana oferecerá a oportunidade de visitar alguns dos mais belos destinos da Ásia, a partir da perspectiva único do mar, a bordo do Costa Serena”, lê-se num comunicado divulgado esta segunda-feira, 8 de julho.

Os cruzeiros da Costa Cruzeiros na Ásia estão disponíveis através da fórmula ‘fly & cruise’, que conta com voos desde Madrid ou Barcelona até ao terminal de partida do navio, numa oferta que também está disponível para passageiros portugueses.

Para o Japão, a Costa Cruzeiros propõe um itinerário de 15 dias que visita Hong Kong, Keelung (Taiwan), Naha (Japão), Kagoshima (Japão), Tóquio (Japão), Kobe (Japão), Nagasaki (Japão), Busan (Coreia do Sul) e Hong Kong.

Também para o sudeste asiático, a Costa Cruzeiros propõe ainda outro itinerário de 15 dias que visita o Vietname, a Tailândia, Singapura, Filipinas, Brunei, numa viagem que conta com escalas em Hong Kong, Nha Trang (Vietname), Phu My (Vietname), Koh Samui (Tailândia), Singapura, Bandar Seri Begawan (Brunei), com escala de 12 horas, Puerto Princesa, Palawan (Filipinas) e Hong Kong.

Segundo a Costa Cruzeiros, o itinerário para o Japão encontra-se disponível de 21 de novembro de 2025 a 30 de janeiro de 2026, com embarque em Hong Kong e Tóquio, sendo esta viagem alternada com o cruzeiro do Sudeste Asiático, que tem embarques em Hong Kong e Singapura.

“Os dois itinerários podem ser combinados numas férias únicas de 28 noites, visitando todos os 14 destinos das duas rotas. A solução ideal, por exemplo, para celebrar o final de 2025 e o início do Ano Novo. Além disso, haverá a possibilidade de prolongar a estadia nos destinos, e os passageiros podem escolher as datas de voo da sua preferência, independentemente das que já estão determinadas para o cruzeiro”, explica ainda a Costa Cruzeiros.

O Costa Serena é o navio da Costa Cruzeiros que vai realizar os dois novos itinerários do Japão e sudeste asiático, com a companhia de cruzeiros a adiantar que, antes de começar a realizar os novos cruzeiros, o navio vai ser sujeito a “obras significativas de renovação que irão melhorar ainda mais a experiência a bordo”.

Para quem tem menos tempo disponível, é ainda possível realizar estes itinerários ao longo de apenas uma semana e as reservas podem ser realizadas aqui.

 

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

TAP lança promoção para assinalar 60.º aniversário de voos para a Madeira

Com esta oferta da TAP, há bilhetes só de ida para a Madeira com preços a partir de 25 euros, enquanto os voos de ida e volta apresentam preços a partir de 49 euros. A oferta é válida até 16 de julho.

Publituris

A TAP lançou esta segunda-feira, 8 de julho, uma nova promoção com preços especiais em viagens para a Madeira, oferta que visa assinalar o 60.º aniversário da abertura dos voos da companhia aérea de bandeira nacional entre Lisboa e a Madeira.

“Hoje, a TAP realiza sete voos por dia entre Lisboa e o Aeroporto Cristiano Ronaldo e dois voos por dia que ligam o Porto e a Madeira, reforçando o impulso decisivo que deu desde o início à afirmação e consolidação da Madeira como destino turístico com forte reputação e procura nacional e internacional”, lê-se num comunicado da TAP.

A companhia aérea de bandeira nacional indica que, com esta oferta, há bilhetes só de ida para a Madeira com preços a partir de 25 euros, enquanto os voos de ida e volta apresentam preços a partir de 49 euros.

A promoção da TAP está em vigor até 16 de julho e é válida para partidas de Lisboa e do Funchal, entre 15 de setembro de 2024 e 30 de abril de 2025, com exceção do período de Natal, Ano Novo e Páscoa, e os preços apresentados já incluem todas as taxas aeroportuárias.

“Adicionalmente, o programa TAP Miles&Go oferece ainda 60 por cento de Milhas Bónus em todas as reservas de e para a Madeira”, acrescenta a informação divulgada pela TAP.

Os bilhetes podem ser adquiridos aqui, onde é também possível consultar mais informações sobre a oferta da TAP, assim como nas agências de viagens.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

CEO da Iberia mostra interesse na TAP e espera aprovação da compra da Air Europa

O CEO da Iberia, Luis Gallego, está confiante de que Bruxelas vai aprovar a compra da Air Europa pelo grupo IAG e não descarta o interesse na TAP pelas oportunidades de crescimento em África e no Brasil.

Publituris

O CEO da Iberia, Luis Gallego, está confiante de que a Comissão Europeia vai aprovar a compra da Air Europa pelo grupo IAG, depois de Bruxelas ter dado luz verde à aquisição da ITA Airways pela Lufthansa, e mostra-se também interessado na TAP, não descartando uma possível oferta pela companhia aérea de bandeira portuguesa.

De acordo com o Hosteltur, Luis Gallego, manifestou a sua satisfação com a aprovação pela Comissão Europeia, ainda que com condições, da aquisição pela Lufthansa de 41% da ITA Airways.

O responsável diz esperar que a luz verde de Bruxelas ao negócio entre a Lufthansa e a ITA Airways seja um “sinal” de que também a compra da Air Europa pelo grupo IAG poderá avançar, uma vez que tem seguido o mesmo caminho e praticamente em simultâneo.

Luis Gallego considera que a aprovação mostra que a Comissão Europeia consegue ver o “valor da consolidação, para ter um setor aéreo mais forte na Europa” e admitiu que o grupo que detém a Iberia tem interesse em expandir-se para a América Latina, o que poderá levar à aquisição de uma companhia aérea sul-americana para aumentar a oferta de voos entre a América Latina e a Europa.

Nesse sentido, o CEO da Iberia não descartou que o grupo IAG possa avançar com uma proposta para aquisição de uma participação na TAP, até porque, explicou, o grupo “tem sempre outras opções no radar”, caso o acordo sobre a Air Europa seja bloqueado em Bruxelas.

O HostelTur recorda que esta não é a primeira vez que o CEO da Iberia demonstra interesse na TAP, o que é justificado pela oportunidades de crescimento no Brasil e África que a transportadora portuguesa oferece, ainda que este negócio esteja sujeito ao que poderá acontecer com a Air Europa.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2024 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.