Assine já
Transportes

Turkish Airlines prevê chegar aos 10 voos semanais no Porto no verão

Depois da paragem dos voos para o Porto motivada pela pandemia, a companhia aérea turca já está em franca recuperação e conta voltar a aumentar o número de ligações aéreas na Invicta já no próximo verão, que devem chegar aos 10 voos por semana.

Inês de Matos
Transportes

Turkish Airlines prevê chegar aos 10 voos semanais no Porto no verão

Depois da paragem dos voos para o Porto motivada pela pandemia, a companhia aérea turca já está em franca recuperação e conta voltar a aumentar o número de ligações aéreas na Invicta já no próximo verão, que devem chegar aos 10 voos por semana.

Inês de Matos
Sobre o autor
Inês de Matos
Artigos relacionados
Turkish Airlines vai voar para Bali em Julho de 2019
Homepage
Turkish Airlines voa para a capital da Lapónia finlandesa no Inverno 2019
Homepage
Turkish Airlines anuncia partidas separadas para Ho Chi Minh e Hanoi
Homepage
Turkish Airlines cancela voos devido a condições atmosféricas
Homepage

Depois da paragem dos voos para o Porto motivada pela pandemia, a companhia aérea turca já está em franca recuperação e conta voltar a aumentar o número de ligações aéreas na Invicta já no próximo verão, que devem chegar aos 10 voos por semana.

Com a COVID-19, os voos da Turkish Airlines entre o Porto e Istambul estiveram suspensos cerca de um ano e só foram retomados a 29 de março de 2021. Numa fase inicial, a operação regressou com quatro voos por semana e com uma procura mais fraca, pois os passageiros estavam “ainda reticentes em viajar”, diz ao Publituris Nuno Sousa Figueiredo, Regional Marketing Representative da Turkish Airlines, à margem de uma viagem de familiarização a Istambul, promovida em parceria com o operador turístico Viagens Tempo, explicando que, além da COVID-19, notava-se também preocupação porque ainda “havia muitos países com fronteiras encerradas e porque existiam também muitos procedimentos novos”.
Mas, aos poucos, a confiança regressou, muito por culpa da vacinação, que permitiu um maior sentimento de segurança e veio simplificar os procedimentos de viagem. “A vacinação foi, sem dúvida, um fator que contribuiu para o aumento da confiança dos passageiros”, garante Nuno Sousa Figueiredo, considerando que, em Portugal, “o sucesso da vacinação fez diferença e isso fez com que as pessoas sentissem uma certa segurança para viajar”. “O facto, também, de terem a vacinação completa fez com que fosse mais fácil viajar porque a maior parte dos países aceitam as nossas vacinas”, acrescenta.
No entanto, não era apenas a situação em Portugal que preocupava os passageiros da Turkish Airline, já que, admite o responsável, também “existia preocupação e receio por parte dos portugueses em relação à Turquia”. Contudo, Nuno Sousa Figueiredo diz que “a Turquia também lidou muito bem com a situação” e adotou de imediato várias medidas para conter a transmissão do vírus, incluindo no aeroporto de Istambul e a bordo dos voos da Turkish Airlines.
E foi também para mostrar a segurança do destino que a Turkish Airlines se associou às Viagens Tempo para levar um grupo de sete agentes de viagens a Istambul, numa viagem de familiarização que, além de dar conhecer o destino, pretendeu também mostrar a situação epidemiológica na Turquia, assim como todas as regras que os passageiros da Turkish Airlines e turistas têm de cumprir na chegada ao destino.
Certo é que as regras adotadas também na Turquia acabaram por tranquilizar os passageiros, não sendo, por isso, de estranhar que a procura pelos voos da companhia aérea turca tenha voltado a disparar à beira do verão. “Começou a haver mais confiança dos passageiros e do mercado e, a partir de junho, começámos a ver a nossa taxa de ocupação a aumentar e aumentámos a nossas frequências para cinco”, explica o responsável da Turkish Airlines para a região Norte, que faz um balanço positivo do período estival. “Tivemos cinco voos por semana durante o verão para Istambul e os meses de julho e agosto foram, na verdade, muito bons”, indica.
A elevada procura levou a Turkish Airlines a alterar também os planos para este inverno, uma vez que, ao contrário do que estava inicialmente previsto, a companhia aérea está a realizar cinco ligações por semana entre o Porto e Istambul, mais uma do que tinha inicialmente preparado, uma vez que a taxa de ocupação dos voos para este inverno chegava aos 85%. “Inicialmente tínhamos planeado fazer quatro voos por semana, mas as reservas começaram a subir e começámos a ver que, mesmo para o inverno, a taxa de ocupação da rota do Porto estava muito elevada e, por isso, decidimos colocar mais um voo no inverno”, explica Nuno Sousa Figueiredo, revelando que a operação da Turkish Airlines no Porto vai contar com cinco voos por semana até 26 de março de 2022, com voos às segundas, terças, quintas, sextas e sábados.

2022
Para a Turkish Airlines, 2022 será um ano de recuperação e 2023 deverá já ser o ano que marca o retorno da companhia aérea aos números pré-pandemia. Nuno Sousa Figueiredo mostra-se confiante quanto ao futuro e diz que, a manter-se o ritmo de reservas, a Turkish Airlines já se deverá, no próximo ano, “aproximar dos números de 2019”. “Se o crescimento ao nível de reservas continuar à velocidade que temos neste momento, rapidamente vamos chegar aos números de 2019”, admite, referindo que a única dúvida é, por enquanto, o número de voos que a Turkish Airlines vai disponibilizar no próximo verão. Nuno Sousa Figueiredo diz que, por enquanto, ainda não sabe o número de voos para o verão de 2022, nomeadamente a partir de abril, mas adianta que a operação será “com certeza diária”, ainda que admita que, se a taxa de reservas continuar a subir, seja possível chegar aos 10 voos por semana. “Estou bastante otimista para 2022 e para o futuro”, acrescenta.
Apesar do otimismo, o responsável da Turkish Airlines no Norte do país admite que, em consequência da pandemia, se tornou cada vez mais difícil prever as taxas de ocupação dos voos, uma vez que as reservas passaram a ser “feitas com uma ou duas semanas de antecedência”. “Antigamente conseguíamos prever a taxa de ocupação com quatro ou cinco meses de antecedência, mas durante a pandemia passou a ser muito difícil conseguirmos fazê-lo. Não é que as reservas sejam last minute, mas são feitas com uma ou duas semanas de antecedência”, lamenta.
Consequência da pandemia foi também a redução do tráfego corporate que, apesar de já estar a recuperar, continua ainda muito abaixo do que seria normal. “O mercado corporate começa a mexer, mas só começámos a ver alguma evolução a partir de outubro. Mesmo assim, ainda está muito em baixo”, confessa, revelando que, no caso da Turkish Airlines, isso também se deve ao facto de muitos países asiáticos continuarem a manter as fronteiras encerradas para estrangeiros e a adotarem procedimentos restritos de viagem, já que muitos dos passageiros corporate da companhia aérea turca “viajavam muito para essa área geográfica, via Istambul”. “Portanto, existe corporate, mas o lazer é o tipo de passageiro que nós mais temos”, acrescenta.

Aeroporto de Istambul
A viagem de familiarização a Istambul incluiu também uma visita ao novo aeroporto de Istambul Arnavutköy, que foi inaugurado em outubro de 2018, tornando-se num dos maiores do mundo. Para a Turkish Airlines, que se mudou para o novo aeroporto em abril de 2019, a nova infraestrutura aeroportuária veio trazer uma “lufada de ar fresco”, como diz Nuno Sousa Figueiredo, uma vez que o Aeroporto de Atatürk, que funcionou até à abertura da nova infraestrutura, “estava ultrapassado, esgotado, estava a arrebentar pelas costuras”. “Era um aeroporto desatualizado e que não tinha mais por onde crescer. Por isso, foi tomada a decisão de construir este novo aeroporto, que é muito moderno e que está ainda na primeira fase”, explicou o responsável, revelando que atualmente o aeroporto de Istambul tem três pistas em funcionamento, mas que, quando entrar na terceira e última fase, o que deverá acontecer em 2030, vai passar a contar com um total de nove pistas.
Além das vantagens em termos operacionais, o novo aeroporto permite também oferecer um “maior conforto” aos passageiros, uma vez que, destaca Nuno Susa Figueiredo, “em todo o aeroporto há diversas áreas para descansar e para relaxar”, a exemplo do lounge Miles&Smiles da Turkish Airlines, que o Publituris visitou. O lounge executivo está, por enquanto, encerrado devido às limitações introduzidas por causa da COVID-19.
Para a companhia, que tem o seu hub em Istambul, o aeroporto de Istambul Arnavutköy tem ainda a vantagem de permitir serviços que a Turkish Airlines não conseguia disponibilizar no anterior aeroporto por falta de espaço, a exemplo dos balcões de check-in dedicados a pessoas com mobilidade reduzida, a passageiros que viajam com animais de companhia ou para quem tem viagens com destino aos EUA ou Canadá. “Este aeroporto também nos permitiu ter outro tipo de atendimento e ter balcões de check-in e atendimento dedicados, que não tínhamos no antigo porque não havia espaço. Houve o cuidado de criar vários espaços dedicados ao destino final, a passageiros com necessidades especiais e espaços pet-friendly para quem viaja com companheiros de quatro patas”, sublinha, considerando que, apesar do “grande investimento que representou para a Turquia”, este era um aeroporto necessário.
O aeroporto de Istambul Arnavutköy motivou um investimento de mais de 12 mil milhões de dólares, ocupa uma área total de oito mil hectares e tem capacidade para receber 90 milhões de passageiros. No futuro, quando estiver na terceira e última fase, deverá receber 200 milhões de passageiros por ano.
Para viajar para a Turquia, é necessário certificado de vacinação ou teste negativo e preencher um formulário online, disponível em https://register.health.gov.tr.

*A jornalista viajou a convite da Turkish Airlines e das Viagens Tempo.
Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Artigos relacionados
Transportes

Tripulantes da TAP aprovam greve para 8 e 9 de dezembro

Os “sistemáticos atropelos” ao Acordo de Empresa em vigor e ao Acordo Temporário de Emergência, levaram o Sindicato Nacional Pessoal de Voo da Aviação Civil a anunciar uma greve para os dias 8 e 9 de dezembro.

Publituris

Os tripulantes da TAP vão avançar com uma greve nos dias 8 e 9 de dezembro, decisão tomada esta quinta-feira, 3 de novembro, em assembleia geral do Sindicato Nacional Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC), e que coincidirá com um feriado e sexta-feira seguinte.

Em comunicado, a direção do SNPVAC já tinha informado que pedira uma assembleia geral para “debater o atual momento da empresa e apresentar as conclusões retiradas pela direção sobre a proposta de AE [Acordo de Empresa] enviada pela TAP, além de deliberar eventuais medidas a tomar – não descartando o recurso à greve”.

O sindicato dos tripulantes justifica o pedido de convocatória com os “sistemáticos atropelos” ao Acordo de Empresa em vigor e ao Acordo Temporário de Emergência.

A isso, diz o SNPVAC, somam-se a “falta de respeito que a TAP tem vindo a ter perante os tripulantes” e as “mais do que questionáveis decisões de gestão que acabam por ter um impacto direto e indireto” na vida destes trabalhadores.

A situação “culminou mais recentemente com a denúncia do Acordo de Empresa em vigor, acompanhado de uma proposta de AE inenarrável”, acrescenta.

Recorde-se que durante a apresentação dos resultados trimestrais da TAP, a CEO da companhia, Christine Ourmières-Widener, admitiu que uma greve seria “um desastre, porque afeta todo o trabalho que tem sido feito por todos, depois de um terceiro trimestre que veio provar que estamos certos e que este é o caminho certo para reconstruir o orgulho nesta companhia”.

“Uma greve nunca é boa para qualquer organização e penso que o diálogo que precisamos de ter não deve incluir este tipo de ações, mas não é algo que me caiba a mim decidir. Penso que nos devemos sentar e ver o que é possível fazer”, acrescentou na altura Christine Ourmières-Widener, defendendo que, apesar da greve ser um direito, este “não é o melhor momento” para avançar para uma paralização.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Turkish Airlines duplamente distinguida nos prémios APEX

A Turkish Airlines foi distinguida como ‘APEX World Class’ e voltou a ser considerada, pelo sexto ano consecutivo, uma ‘Five Star Global Airline’ pelo seu elevado padrão de serviço, no âmbito dos Official Airline Ratings da APEX.

Publituris

A Turkish Airlines foi distinguida com o prémio ‘APEX World Class’ e voltou a ser considerada, pelo sexto ano consecutivo, uma ‘Five Star Global Airline’ pelo seu elevado padrão de serviço, distinções que foram entregues à companhia aérea turca pela APEX – Airline Passenger Experience Association, uma das mais prestigiadas associações dedicadas à aviação em todo o mundo.

Num comunicado enviado à imprensa, a Turkish Airlines indica que estes prémios, atribuídos no âmbito dos Official Airline Ratings da APEX, são atribuidos com base na votação dos passageiros, que, nesta edição, avaliaram mais de um milhão de voos de 600 companhias aéreas à escala global.

De acordo com a companhia aérea turca, esta foi a segunda consecutiva vez que a Turkish Airlines recebeu o galardão ‘APEX World Class’, depois de reunir avaliações positivas em parâmetros como a segurança, bem-estar, sustentabilidade, serviço e experiência dos passageiros.

Além do prémio de ‘APEX World Class’, a Turkish Airlines foi ainda nomeada, pelo sexto ano consecutivo, como ‘Five Star Global Airline’ nos prémios da APEX.

“Apenas oito companhias aéreas foram consideradas dignas deste prémio em todo o mundo, isso mostra a importância desta conquista. Também temos o prazer de ser nomeados Five Star Global Airline pelo sexto ano consecutivo. Continuaremos a moldar e enriquecer os nossos serviços de acordo com as expectativas e satisfação dos nossos hóspedes no âmbito da segurança e sustentabilidade”, congratula-se Ahmet Bolat, Chairman of the Board and the Executive Committee da Turkish Airlines.

Recorde-se que os prémios da APEX foram atribuídos a 26 de outubro, numa cerimónia que decorreu em Long Beach, California, nos EUA.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Jorge Alves é o novo presidente do SITEMA

Jorge Alves, que era vice-presidente do SITEMA – Sindicato dos Técnicos de Manutenção de Aeronaves, já tomou posse como novo presidente, substituindo Paulo Manso na liderança do sindicato.

Publituris

O Sindicato dos Técnicos de Manutenção de Aeronaves (SITEMA) tem um novo presidente, cargo que passou a ser ocupado por Jorge Alves, que era vice-presidente do sindicato e que substitui Paulo Manso na liderança.

De acordo com uma nota informativa do SITEMA, Jorge Alves tomou posse esta quarta-feira, 2 de novembro, e vai prosseguir o mandato da atual direção, que decorre até 2026.

“Jorge Alves é membro dos órgãos sociais do SITEMA desde 2011, integrando cargos da direção do sindicato desde 2014”, indica o sindicato na informação divulgada.

Com a passagem de Jorge Alves para a liderança do SITEMA, houve também mudanças na vice-presidência do sindicato, cargo que passou para Ricardo Medina, que era anteriormente secretário do SITEMA, enquanto o novo secretário é Paulo Gomes.

Já Simão Alves, assim como Mário Moreira, Bruno Silvestre e Gonçalo Gonçalves mantém-se como tesoureiro e secretários do sindicato, respetivamente.

“É com grande sentido de responsabilidade que assumo a presidência do SITEMA, continuando a missão de representar os quase 900 TMA de todo o país e assegurando que continuaremos a lutar pelos seus direitos junto das respetivas entidades empregadoras”, referiu Jorge Alves.

A direção do SITEMA acrescenta ainda que vai iniciar, em breve, plenários setoriais de forma a informar e a esclarecer todos os associados sobre as atividades desenvolvidas.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Azul inaugura nova ponte-aérea entre São Paulo e Rio de Janeiro

A nova ponte-aérea da Azul liga Congonhas, em São Paulo, a Jacarepaguá, no Rio de Janeiro, e conta com 14 voos diários, sete em cada sentido.

Publituris

A Azul inaugurou segunda-feira, 31 de outubro, uma nova ponte-aérea que liga Congonhas, em São Paulo, a Jacarepaguá, no Rio de Janeiro, e que conta com 14 voos diários, sete em cada sentido.

Num comunicado enviado à imprensa, a companhia aérea brasileira indica que, com a inauguração desta nova ponte-aérea, o Rio de Janeiro “passa a ter voos regulares da Azul nos aeroportos de Santos Dumont e Galeão, na capital Fluminense, além das cidades de Cabo Frio, Campos dos Goytacazes e Macaé”.

“Este voo é mais um resultado de um trabalho da Azul, que busca desenvolver a aviação no Rio. Voos como estes trazem mais desenvolvimento económico e social para o estado, além de gerar mais empregos”, comentou Flávio Costa, diretor de Relações Institucionais da Azul. 

De segunda a sábado, a Azul conta com partidas de Congonhas pelas 06h30, 08h40 e 11h10, enquanto de segunda a sexta-feira há partidas pelas 13h20 e 15h50, e, de domingo a sexta, estão ainda disponíveis saídas às 18h00 e 20h30.

Em sentido contrário, as partidas de Jacarepaguá decorrem às 06h15, 08h45 e 10h55, de segunda a sábado, bem como pelas 13h25 e 15h35, entre segunda e sexta-feira, enquanto de domingo a sexta-feira há ainda partidas às 18h05 e 20h15.

Os bilhetes para os novos voos já se encontram à venda e podem ser adquiridos através do site da Azul, bem como pelos canais oficiais da companhia aérea e agências de viagens.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Nova greve da tripulação “seria um desastre” para a TAP

Segundo a CEO da TAP, Christine Ourmières-Widener, a realização de uma nova greve poderia colocar em causa os resultados positivos que a companhia aérea registou no terceiro trimestre do ano.

Inês de Matos

A CEO da TAP, Christine Ourmières-Widener, afirmou esta quarta-feira, 2 de novembro, que a convocação de uma nova greve da tripulação de cabine da companhia aérea “seria um desastre” para a TAP, uma vez que colocaria em causa todo o trabalho de reestruturação da companhia aérea que tem vindo a ser realizado e que trouxe mesmo um regresso aos lucros no terceiro trimestre do ano.

“Uma greve seria um desastre porque afeta todo o trabalho que tem sido feito por todos, depois de um terceiro trimestre que veio provar que estamos certos e que este é o caminho certo para reconstruir o orgulho nesta companhia”, afirmou a responsável, quando confrontada com a hipótese de greve por parte da tripulação de cabine da TAP, que vai decidir se avança para a paralização esta quinta-feira, 3 de novembro.

Christine Ourmières-Widener diz não compreender a intenção de greve, até porque os cortes salariais chegam a todos os funcionários da TAP e só com diálogo será possível chegar a um consenso.

“Não entendo a greve, percebo que é difícil aceitar que todos os nossos funcionários tenham cortes, mas é esse o plano e o acordo de emergência foi assinado pelos sindicatos em 2021, não foi há muito tempo”, lembrou.

Por isso, a CEO da TAP diz estar disponível para se sentar à mesa com os sindicatos e discutir um novo acordo de empresa, mas sem ações que venham a colocar em causa os resultados e o futuro da empresa.

“Uma greve nunca é boa para qualquer organização e penso que o diálogo que precisamos de ter não deve incluir este tipo de ações, mas não é algo que me caiba a mim decidir. Penso que nos devemos sentar e ver o que é possível fazer”, acrescentou, defendendo que, apesar da greve ser um direito, este “não é o melhor momento” para avançar para uma paralização.

Recorde-se que a TAP apresentou esta quarta-feira, 2 de novembro, os resultados do terceiro trimestre do ano, ao longo do qual a companhia aérea alcançou um lucro de 111 milhões de euros, valor que compara com os 134 milhões de euros de prejuízo registado em igual período do ano passado.

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Transportes

Interesse de companhias estrangeiras deve ser motivo de “satisfação e orgulho” para a TAP

Para a CEO da TAP, Christine Ourmières-Widener, o interesse manifestado por companhias aéreas estrangeiras mostra que há “um valor real porque estas empresas estão a dedicar tempo e dinheiro ao olharem para a TAP”.

Inês de Matos

A CEO da TAP, Christine Ourmières-Widener, considerou esta quarta-feira, 2 de novembro, que o interesse manifestado na companhia aérea de bandeira nacional por transportadoras estrangeiras deve ser um motivo de “satisfação e orgulho” para a TAP, uma vez que mostra que a companhia aérea tem um “valor real”.

“Penso que devemos estar todos satisfeitos e orgulhosos por ver que alguns players externos estão interessados nesta maravilhosa empresa”, afirmou a CEO da TAP, durante a conferência de imprensa de apresentação dos resultados do terceiro trimestre, período ao longo do qual a TAP conseguiu regressar ao lucros.

Sem querer comentar manifestações de interesse concretas, Christine Ourmières-Widener considerou, no entanto, que o facto de haver interessados mostra que a TAP tem “um valor real porque estas empresas estão a dedicar tempo e dinheiro ao olharem para a TAP”.

“No final, aquilo que esperamos é que haja uma decisão”, acrescentou a responsável, indicando que não sabe se o interesse manifestado se vai mesmo concretizar, até porque não é a administração da TAP a conduzir o processo, mas sim o Estado, que é atualmente dono da companhia aérea.

“Não nos cabe a nós decidir quem será a melhor noiva, ou como lhe queiram chamar, para a TAP”, afirmou ainda a CEO da TAP, garantindo que, por parte da administração da companhia aérea, há toda a disponibilidade para colaborar com os interessados.

Recorde-se que, nas últimas semanas, tem vindo a público o interesse de várias companhias aéreas e grupos de aviação estrangeiros na TAP, a exemplo da Air France-KLM, cujo CEO, Ben Smith, admitiu o interesse na aquisição da companhia aérea de bandeira nacional, “se as circunstâncias forem as adequadas”.

Além da Air France-KLM, há rumores de que também a Lufthansa estará em conversações com vista à aquisição da companhia aérea e, nos últimos dias, foi ainda conhecido o interesse do IAG, grupo de aviação que detém a British Airways e a Iberia, na transportadora portuguesa.

 

 

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Transportes

TAP regressa aos lucros no 3.º trimestre do ano

A TAP obteve, no terceiro trimestre de 2022, lucros superiores a 111 milhões de euros face aos prejuízos de 134 milhões de igual período de 2021. O resultado operacional também registou uma melhoria e passou de 46 milhões negativos para 141 milhões positivos.

Victor Jorge

A TAP obteve um resultado líquido positivo de 111,3 milhões de euros no terceiro trimestre de 2022, correspondendo a uma subida de 182,8% face aos 134,5 milhões de euros negativos registados em igual período de 2021, referindo a companhia que estes números foram “impulsionados por fortes resultados operacionais e efeitos positivos da implementação da política de cobertura cambial”.

Em termos de receitas operacionais, a TAP revela, em comunicado, que atingiu 1.118 milhões de euros, mais 152,2% que no terceiro trimestre do ano transato, período em que registou 443,7 milhões de euros, excedendo, assim, os níveis pré-crise em 7,5%.

Em termos de EBIT (resultados operacionais), a companhia aérea nacional obteve 141 milhões de euros, correspondendo a uma subida de 187%, enquanto o EBITDA passou de 65,5 milhões de euros para 268,5% milhões de euros, ou seja, uma subida de quase 203%.

Em comunicado, Christine Ourmières-Widener, Chief Executive Officer da TAP, refere que a companhia está “a confirmar a solidez do seu desempenho no terceiro trimestre, com todas as métricas financeiras acima dos níveis pré-crise, apesar do aumento dos custos de combustível”.

Para o quarto e último trimestre do ano, a CEO da TAP salienta que “a procura mantém-se bastante forte, suportando as expectativas de um bom resultado acumulado até final do ano”.

Já para 2023, Christine Ourmières-Widener admite que “a visibilidade é, no entanto, ainda limitada e, atendendo às incertezas da atual conjuntura, é cada vez mais crucial que mantenhamos o foco no nosso plano estratégico, o qual tem, até agora, provado ser eficaz”.

Assim, refere que os próximos passos decisivos a tomar são: “levar a cabo discussões produtivas com os nossos parceiros laborais para a criação de Acordos Coletivos de Trabalho mais modernos, melhorar as nossas operações e a qualidade do nosso serviço com o envolvimento de todos os stakeholders, a constante negociação de todos os nossos contratos com terceiros e a cuidada preparação do próximo ano”.

Ainda relativamente ao terceiro trimestre de 2022, o número de passageiros transportados duplicou, em comparação com o mesmo período de 2021, atingindo 85% dos níveis do terceiro trimestre de 2019. Adicionalmente, durante este período, a TAP operou uma vez e meia o número de voos do terceiro trimestre de 2021, ou 81% das partidas do terceiro trimestre de 2019.

Quanto aos custos com combustível, a TAP refere que estes triplicaram, “aumentando em 269,9 milhões de euros numa base anual para 371,9 milhões de euros”, frisando a companhia que. “apesar de ter gerado um efeito positivo de 15,9 milhões de euros, a estratégia de cobertura apenas conseguiu reduzir de forma marginal o efeito dos preços de mercado do jet fuel mais elevados, que contribuíram com 153 milhões de euros para o aumento do custo com combustível”.

Durantes o terceiro trimestre, a TAP transportou 4,320 milhões de passageiros, mais 2.214 milhões que em igual período de 2021, correspondendo a uma subida de 105,1%

Já no que diz respeito ao acumulado do ano, até 30 de setembro de 2022, as receitas operacionais atingiram 2.440,1 milhões de euros, mais 195,1% do que nos primeiros nove meses de 2021. Juntamente com o maior nível de atividade (ASK aumentou em 135%), também os custos operacionais recorrentes registaram um aumento significativo de 79% para 2.286 milhões de euros, resultando num EBIT recorrente positivo de 154,1 milhões de euros, um aumento de 104,7 milhões de euros, ou 3,1 vezes o montante no mesmo período de 2019, que até agora foi, para a TAP, o melhor ano em termos de desempenho financeiro.

Nos nove meses de 2022, os números avançados pela TAP revelam que a companhia transportou 10,144 milhões de passageiros. Isto significa um crescimento de 195,9% face aos 3,428 milhões de passageiros transportados nos primeiros nove meses de 2021.

De referir que a frota atual da TAP é constituída por 22 A330 (19 neo e 3 ceo), 23 A321 neo, 26 A320 ceo, 5 A319 ceo e mais 20 aeronaves regionais (5 ATR e 15 Embraer).

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Transportes

Associação das Companhias Aéreas da África Austral vai ser liderada pelo diretor-geral da LAM

João Carlos Pó Jorge, diretor-geral da LAM, foi eleito presidente da Associação das Companhias Aéreas da África Austral (AASA) e vai liderar a associação nos próximos 12 meses.

Publituris

O diretor-geral das Linhas Aéreas de Moçambique (LAM), João Carlos Pó Jorge, foi eleito presidente da Associação das Companhias Aéreas da África Austral (AASA), liderando a associação nos próximos 12 meses.

De acordo com a Lusa, além de João Carlos Pó Jorge, também Elmar Conradie, diretor-executivo da Safair, foi eleito vice-presidente da associação, cargo que vai desempenhar ao longo do próximo ano.

O “fornecimento confiável de combustível” é, atualmente, o maior desafio para as companhias aéreas africanas, motivo pelo qual foi já apontado como a principal prioridade da AASA, a par das restrições e da quebra abrupta do negócio devido à COVID-19.

A revisão de políticas e regulamentos dos diferentes estados da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) faz ainda parte da lista de temas a abordar no novo mandato da AASA.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Ryanair torna viagens mais fáceis para cliente com deficiências

Através desta parceria, pilotos, tripulação de cabina e equipas de apoio da Ryanair passam a estar preparados para fornecer apoio adicional, assistência, ou tempo necessário aos nossos clientes com deficiências ocultas

Publituris

A Ryanair juntou-se à rede de Hidden Disabilities Sunflower, reconhecendo a Sunflower Lanyards – um símbolo globalmente reconhecido de deficiência não visível. Esta nova iniciativa faz parte do contínuo foco na experiência do cliente da companhia aérea, permitindo aos pilotos, tripulação de cabina e equipas de apoio da Ryanair apoiar ainda mais os clientes, tornando as viagens mais fáceis e mais acessíveis para todos.

Com mais de 1,5 milhões de clientes da Ryanair que requerem assistência especial todos os anos, a companhia aérea, com o apoio da Hidden Disabilities Sunflower, desenvolveu e entregou um programa de formação anual, de forma a ajudar as suas equipas a obter uma compreensão mais profunda das deficiências não visíveis.

Assim, a tripulação da Ryanair, baseada em 90 bases, “está pronta a apoiar os utilizadores desta organização com uma oferta de ajuda, compreensão ou simplesmente mais tempo”, refere a companhia aérea, em comunicado.

Tracy Kennedy, diretora de Customer Service da Ryanair, refere que a companhia transporta “mais de 165 milhões de passageiros por ano, com mais de 1,5 milhões a necessitarem de assistência especial”, salientando que através do reconhecimento da Sunflower Lanyards, é possível “às 17.000 pessoas nas nossas 90 bases de tripulação um melhor apoio aos nossos clientes com deficiências não visíveis”.

A responsável frisa ainda que, “após o lançamento da formação abrangente ‘Hidden Disabilities’ este Verão, estamos extremamente orgulhosos de que os nossos pilotos, tripulação e equipas de apoio estejam agora totalmente preparados para fornecer apoio adicional, assistência, ou tempo necessário aos nossos clientes com deficiências ocultas”.

Já Tristan Casson-Rennie, Diretor Regional, Irlanda & Irlanda do Norte da Hidden Disabilities Sunflower, congratula-se com o facto da Ryanair ter aderido à rede global de ‘Hidden Disabilities Sunflower’. “Passageiros com deficiências não visíveis podem voar para 36 países sabendo que serão apoiados pela tripulação da Ryanair em 228 aeroportos”, diz Casson-Rennie, concluindo ainda que “as viagens estão a tornar-se mais acessíveis para pessoas com deficiência, alargando as oportunidades de exploração, trabalho e diversão”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Aviação civil chinesa perde 14,6 mil milhões de euros até setembro

As oito companhias aéreas chinesas cotadas em bolsa perderam, entre janeiro e setembro, 14.647 milhões de euros, o que se deve à redução da operação devido à COVID-19 mas também ao aumento do preço do combustível.

Publituris

As oito companhias aéreas chinesas cotadas em bolsa perderam, entre janeiro e setembro, 14.647 milhões de euros, perdas que, segundo a Lusa, se devem às medidas de prevenção epidémica vigentes no país, no âmbito da estratégia ‘zero covid’.

Segundo a Lusa, que cita o portal de informação económica Yicai, as perdas foram especialmente acentuadas nas quatro maiores empresas chinesas do setor, concretamente Air China, China Eastern, Hainan Airlines e China Southern, que somaram perto de 90% das perdas, enquanto a Spring Airlines, principal companhia aérea low cost chinesa e que tinha sido a única a apresentar lucros nos três primeiros trimestres de 2021, também apresentou prejuízo.

“As perdas da indústria ultrapassaram o total somado de 2021 e 2020. Este ano é o pior de sempre para a aviação civil da China”, disse o analista Lin Zhijie, citado pelo portal Yicai.

De acordo com o especialista, este ano, o setor da aviação civil chinês operou apenas a 50% de 2019, enquanto no ano passado foi registada uma operação de cerca de 70% dos níveis de 2019, antes da chegada da pandemia da COVID-19.

Além da diminuição da operação, as companhias aéreas chinesas estão ainda a lidar com o aumento dos preços dos combustíveis, que subiu 75% em termos homólogos, o que significa um custo extra de cerca de 40.000 milhões de yuans (5.530 milhões de euros) para as empresas do setor.

O portal Yicai lembra que, este ano, cerca de uma dezena de companhias aéreas chinesas e subsidiárias declararam insolvência, numa tendência que se deverá agravar no futuro.

Recorde-se que, devido à pandemia, a Administração de Aviação Civil da China foi obrigada a apoiar as companhias aéreas e, ainda no primeiro semestre de 2022, realizou injeções de capital na Air China, China Eastern, China Southern e no maior grupo de aeroportos do país, a Capital Airports Holdings.

A Administração de Aviação Civil da China estendeu mesmo as linhas de crédito de apoio às companhias aéreas e abriu uma nova, no valor de 150.000 milhões de yuans (20.731 milhões de euros), que se junta à que já existia e que tem um valor de 65.600 milhões de yuans (9.067 milhões de euros), sendo esta última também destinada ao apoio aos aeroportos do país.

Recorde-se que a China adoptou uma política de zero casos de COVID-19, o que leva a confinamentos rigorosos e à suspensão dos voos sempre que seja detectado um surto da doença, o que ajuda a explicar a difícil situação económica das transportadoras chinesas.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.