Edição digital
Assine já
PUB
Destinos

OMT: 46 destinos mantêm fronteiras totalmente fechadas aos turistas

A OMT revela, no seu relatório sobre restrições de viagens, divulgado sexta-feira, que um total de 46 destinos no mundo (21%) estão atualmente com as fronteiras totalmente fechadas ao turismo internacional.

Carolina Morgado
Destinos

OMT: 46 destinos mantêm fronteiras totalmente fechadas aos turistas

A OMT revela, no seu relatório sobre restrições de viagens, divulgado sexta-feira, que um total de 46 destinos no mundo (21%) estão atualmente com as fronteiras totalmente fechadas ao turismo internacional.

Sobre o autor
Carolina Morgado
Artigos relacionados
Alto Côa é a 11ª Estação Náutica certificada do Centro de Portugal
Destinos
Grupo Air France-KLM mantém interesse na privatização da TAP
Aviação
Nova edição Publituris Hotelaria: Entrevista a Elmar Derkitsch, diretor-geral do Lisbon Marriott Hotel
Hotelaria
UN Tourism quer estabelecer Centro de Pesquisa para o Turismo Sustentável na Croácia
Destinos
Viagens e turismo atingirão 2,51 biliões de dólares e representarão 9% da economia dos EUA em 2024
Destinos
Turismo do Algarve anuncia 15 ações de promoção para atrair turistas dos EUA e Canadá
Destinos
Empresários açorianos preocupados com demissões na SATA
Aviação
Explora Journeys lança experiências para a Costa do Pacífico e Havaí
Transportes
Porto já está a formar guias turísticos no programa “Confiança Porto”
Destinos
Dino Parque Lourinhã recebe Prémio Cinco Estrelas pelo sexto ano consecutivo
Destinos

Um total de 46 destinos no mundo (21%) estão atualmente com as fronteiras totalmente fechadas ao turismo internacional, e destes, 26 mantêm-se completamente fechados pelo menos desde o final de abril de 2020, revela o relatório da OMT sobre restrições de viagens, divulgado sexta-feira. 

O documento da Organização Mundial do Turismo conclui que outros 55 (25% de todos os destinos em todo o mundo) continuam comas suas fronteiras parcialmente fechadas ao turismo internacional, e 112 (52% exigem à chegada aos turistas teste PCR ou antigéneo. 

A OMT destaca, no relatório divulgado na sua página de internet, que 85 destinos (39% de todos os destinos no mundo) abrandaram as restrições para turistas internacionais totalmente vacinados, mas apenas quatro destinos levantaram até agora todas as restrições relacionadas com a Covid-19 (Colômbia, Costa Rica, República Dominicana e México). 

“Abrandar ou suspender medidas com segurança é essencial para que o turismo seja retomado”, afirmou o secretário-geral da OMT, Zurab Pololikashvili, na publicação. 

“Os desafios contínuos colocados pela pandemia indicam a importância de as autoridades nacionais garantirem que procedimentos e requisitos possam ser geridos de maneira oportuna, confiável e consistente em todos os sistemas e plataformas de informação, para manter a confiança e facilitar ainda mais a mobilidade internacional”, concluiu Zurab Pololikashvili. 

Como nas edições anteriores da pesquisa, este último relatório mostra que as diferenças regionais em relação às restrições de viagem permanecem. A Ásia/Pacífico continua a ser a região com mais restrições em vigor, com 65% de todos os destinos totalmente fechados, enquanto a Europa é a região do mundo mais aberta aos turistas internacionais (7% das fronteiras totalmente fechadas), seguida da África (9%), das Américas (10%) e do Médio-Oriente (15%). 

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
Artigos relacionados
Alto Côa é a 11ª Estação Náutica certificada do Centro de Portugal
Destinos
Grupo Air France-KLM mantém interesse na privatização da TAP
Aviação
Nova edição Publituris Hotelaria: Entrevista a Elmar Derkitsch, diretor-geral do Lisbon Marriott Hotel
Hotelaria
UN Tourism quer estabelecer Centro de Pesquisa para o Turismo Sustentável na Croácia
Destinos
Viagens e turismo atingirão 2,51 biliões de dólares e representarão 9% da economia dos EUA em 2024
Destinos
Turismo do Algarve anuncia 15 ações de promoção para atrair turistas dos EUA e Canadá
Destinos
Empresários açorianos preocupados com demissões na SATA
Aviação
Explora Journeys lança experiências para a Costa do Pacífico e Havaí
Transportes
Porto já está a formar guias turísticos no programa “Confiança Porto”
Destinos
Dino Parque Lourinhã recebe Prémio Cinco Estrelas pelo sexto ano consecutivo
Destinos
PUB
Destinos

Alto Côa é a 11ª Estação Náutica certificada do Centro de Portugal

A Estação Náutica do Alto Côa foi certificada durante o último encontro da Rede de Estações Náuticas de Portugal, que decorre esta quinta e sexta-feira, 11 e 12 de abril, em Vilamoura.

A Estação Náutica do Alto Côa, localizada no município do Sabugal, já se encontra certificada, tornando-se na 11ª Estação Náutica da região, informou a entidade regional de turismo Centro de Portugal.

“A oficialização deste reconhecimento ocorreu durante o terceiro encontro da Rede de Estações Náuticas de Portugal (ENP), realizado nos dias 11 e 12 de abril, na Estação Náutica de Vilamoura, e que contou com a participação ativa da Turismo Centro de Portugal”, lê-se num comunicado enviado à imprensa.

Com a certificação da Estação Náutica do Alto Côa, o Centro de Portugal passa a contar com um total de 11 Estações Náuticas, passando a oferta turística regional a “ser ainda mais alargada”.

Além do Alto Côa, também Aveiro, Castelo do Bode, Ílhavo, Murtosa, Oeste (esta em vários núcleos), Vagos, Estarreja, Ovar, Pedrógão Grande e Penamacor contam com Estações Náuticas certificadas.

A certificação da Estação Náutica do Alto Côa foi recebida por Amadeu Neves, vereador da Câmara Municipal do Sabugal, que esteve presente no encontro da Rede de Estações Náuticas de Portugal.

Recorde-se que a Rede de Estações Náuticas de Portugal é dinamizada pelo Fórum Oceano, sob a coordenação e liderança de António José Correia, tendo este terceiro encontro da Rede juntado as várias estações certificadas, para dois dias de diálogo e trabalho dedicado à economia azul sustentável.

Durante o encontro, que contou ainda com a presença de Pedro Machado, secretário de Estado do Turismo, foi feito o balanço do caminho já percorrido, celebrando em conjunto o trabalho desenvolvido e as perspectivas futuras.

“As estações náuticas traduzem uma nova ambição para o nosso país. Portugal tem dez ativos estratégicos a nível do turismo e as estações náuticas encaixam na perfeição em cinco deles: o clima, a natureza, a água, o mar e o património histórico-cultural”, afirma Pedro Machado, secretário de Estado do Turismo, considerando que, para desenvolver este ativo turístico “é preciso estruturar bem o produto, fazendo crescer a rede”, “fomentando a coesão” e com “capacidade de criar rendimento e gerar negócio”.

Este encontro motivou ainda uma conferência composta por quatro painéis dedicados à “Estruturação do Produto e Internacionalização”, “Dinâmicas Regionais de Organização da Rede das ENP”, “O Desígnio da Sustentabilidade na Rede das ENP” e “As Estações Náuticas e o Desenvolvimento Local e Regional”.

Após o debate, houve ainda workshops temáticos, sobre os temas “Comunicação, marketing e digitalização”, “Capacitação”, “Gestão de risco e segurança”, “Dinâmicas regionais, sub-regionais e internacionalização” e “Futuro da rede ENP”.

Além da Estação Náutica do Alto Côa, também a Estação Náutica da Ericeira foi certificada durante o último encontro da Rede de Estações Náuticas de Portugal.

Com a certificação destas duas Estações Náuticas, a Rede de Estações Náuticas de Portugal passou a contar com 38 Estações Náuticas certificadas em todo o território continental, tanto na costa como no interior.

 

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

UN Tourism quer estabelecer Centro de Pesquisa para o Turismo Sustentável na Croácia

Este centro vai dedicar-se à  investigação e desenvolvimento do turismo sustentável, uma vez que a Croácia faz atualmente parte do Comité de Turismo e Sustentabilidade da ONU para o Turismo.

A UN Tourism vai trabalhar em conjunto com o Governo da Croácia para estabelecer um Centro de Pesquisa para o Turismo Sustentável no país, avança a agência das Nações Unidas para o Turismo, em comunicado.

De acordo com a informação divulgada, este centro vai dedicar-se à  investigação e desenvolvimento do turismo sustentável, uma vez que a Croácia faz atualmente parte do Comité de Turismo e Sustentabilidade da ONU para o Turismo.

“Juntamente com o historial do Governo na promoção de práticas de turismo responsáveis e sustentáveis e o apoio aos valores fundamentais do Turismo da ONU, a Croácia torna-se no local ideal para acolher uma plataforma colaborativa para impulsionar a inovação e catalisar mudanças positivas no setor do turismo”, lê-se no comunicado da UN Tourism.

O Centro de Pesquisa para o Turismo Sustentável vai contar com a colaboração de todos os interessados, concretamente dos setores público e privado, assim como da academia e da sociedade civil para abordar alguns dos desafios mais críticos que o turismo enfrenta.

Segundo a UN Tourism, entre estes desafios, destacam-se temas como a redução do impacto ambiental do turismo, o aumento do uso de energias renováveis e eficiência energética, a adaptação às alterações climáticas, a preservação da sustentabilidade social e das comunidades locais, a elaboração de políticas baseadas em evidências e o fornecimento de investigação relevante e atualizada.

Com vista à criação deste Centro de Pesquisa para o Turismo Sustentável, o secretário-geral da UN Tourism, Zurab Pololikashvili, e Nikolina Brnjac, ministra do Turismo e Desporto da Croácia, assinaram já um Memorando de Entendimento.

“A Croácia lidera pelo exemplo no crescimento do turismo de forma sustentável. O novo centro de investigação em Zagreb contribuirá para o compromisso da UN Tourism com a elaboração de políticas baseadas em dados a nível regional, nacional e de destino, garantindo que o turismo cresça de forma responsável e inclusiva, para o benefício das comunidades em todo o mundo”, destaca Zurab Pololikashvili, secretário-geral da UN Tourism.

Já Nikolina Brnjac, ministra do Turismo e Desporto da Croácia, mostra-se orgulhosa pela distinção da UN Tourism, que reconheceu os esforços da Croácia na reforma da gestão do turismo.

“Tendo a Universidade de Zagreb como parceira na criação deste Centro, estou convencida de que este Centro terá sucesso e fornecerá investigação muito relevante para o futuro desenvolvimento sustentável do turismo, afirma a governante croata.”

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Image by Freepik

Destinos

Viagens e turismo atingirão 2,51 biliões de dólares e representarão 9% da economia dos EUA em 2024

Depois de ter crescido 7%, em 2023, face ao ano anterior, para atingir 2,36 biliões de dólares (cerca de 2,2 biliões de euros), o WTTC prevê que o mercado das viagens e turismo nos EUA deverá subir 6,7% para 2,51 biliões de dólares (cerca de 2,34 biliões de euros).

As estimativas avançadas, recentemente, pelo World Travel & Tourism Council (WTTC), para o setor das viagens e turismo nos Estados Unidos da América (EUA) apontam para um crescimento, ultrapassando os números pré-pandémicos de 2019.

Assim, no Economic Impact Research (EIR), o WTTC prevê que o setor das viagens e turismo nos EUA atinja 2,51 biliões de dólares (cerca de 2,34 biliões de euros), correspondendo a uma subida de 6,7% face a 2023 e mais 11,4% relativamente ao ano de 2019.

Este valor faz com que o contributo do setor das viagens e turismo nos EUA para a economia global do país atinja os 9%.

Já no que diz respeito ao emprego, as estimativas apontam para 18,8 milhões de pessoas a trabalhar no setor, o que equivale a 11,6% do mercado, ou seja, uma em cada nove pessoas estará a desenvolver a sua atividade laboral nas viagens e turismo.

Estes números fazem com que o emprego no setor aumente 4,2%, face a 2023, e mais 4,2% relativamente a 2019.

Mas as perspetivas para o setor das viagens e turismo nos EUA para o futuro também são promissoras, já que apontam para 3,1 biliões de dólares de valor (cerca de 2,9 biliões de euros), em 2034, o que equivale dizer que o setor aumentará o seu peso no Produto Interno Bruto (PIB) norte-americano em 9,5%, mais do que os 8,9% de 2019.

Também no emprego, o setor registará um aumento, antevendo-se que, em 2034, seja 20,95 milhões os norte-americanos a trabalhar nas viagens e turismo, equivalendo a 12,5% de toda a força de trabalho nos EUA, criando, comprando 2024 com 2034, a criação de 2,16 milhões de novos empregos.

Um ano de recuperação
Os números referentes a 2023 ditam uma recuperação do setor das viagens e turismo nos EUA, com uma subida de 7% face a 2022 (+4,4% relativamente a 2019) para atingir os 2,36 biliões de dólares (cerca de 2,2 biliões de euros), fazendo com que este setor pese 8,6% no PIB norte-americano.

No emprego, também os números mostram uma recuperação, com 18,03 milhões de pessoas a trabalhar no setor, representando 11,2% da força laboral do país, correspondendo a uma subida de 3,8% face a 2022 e mais 3,6% relativamente a 2019.

Quanto aos gastos dos visitantes, o EIR do WTTC mostra, contudo, que estes ainda não atingiram valores de 2019. Se no ano antes da pandemia, os gastos de visitantes internacionais totalizaram mais de 212 mil milhões de dólares (cerca de 198 mil milhões de euros), correspondendo a 7,1% do total das exportações, em 2023, esses gastos atingiram 156,1 mil milhões de dólares (pouco mais de 145 mil milhões de euros), ou seja, uma subida de 31,6% face a 2022, mas menos 26,4% relativamente a 2019.

A linha de evolução para 2024 estima uma subida para 191,6 mil milhões de dólares (cerca de 178,5 mil milhões de euros) nos gastos de visitantes internacionais, mais 22,7% face a 2023, ficando ainda 9,7% abaixo de 2019.

Já para 2034, o EIR do WTTC prevê que os gastos dos visitantes internacionais ultrapassem já os de 2019, totalizando 286,2 mil milhões de dólares (cerca de 267 mil milhões de euros), representando uma subida média anual, entre 2024 e 2034, de 6,4%.

Nos gastos domésticos realizados pelos turistas, se em 2019 estes totalizavam 1,25 biliões de dólares (cerca de 1,16 biliões de euros), em 2023 regista-se uma subida de 4,2% face a 2022 e de 9,3% relativamente a 2019.

Para o atual ano de 2024, as previsões apontam para que os gastos feitos pelos turistas domésticos totalizem 1,43 biliões de dólares (cerca de 1,33 biliões de euros), significando uma subida de 4,1% face a 2023 e mais 13,8% relativamente a 2019.

Dentro de 10 anos, ou seja, em 2034, os gastos domésticos feitos pelos turistas domésticos deverão atingir 1,78 biliões de dólares (cerca de 1,66 biliões de euros), representando uma subida média, entre 2024 e 2034, de 2,2%.

México como destino preferido
O México manteve-se como o principal destino dos norte-americanos, embora baixando 1 ponto percentual (p.p.), caindo de 29%, em 2019, para 28%, em 2023. Também o Canadá viu o número de americanos a viajar para o país, representando 12%, em 2023, quando, em 2019, era de 12%.

No pódio dos destinos outbound houve, contudo, uma alteração, já que a França, em 3.º lugar, em 2019, caiu para 4.º lugar, trocando com o Reino Unido, representando ambos os países 4%, em 2023. Por último, em 5.º lugar surge, em 2023, a Espanha, com 3%, lugar que, em 2019, era ocupado por Itália.

Recorde-se que, em 2023, Portugal registou mais de 2 milhões de hóspedes provenientes dos EUA, correspondendo a uma subida de quase 500 mil face a 2022.

Já no que diz respeito às dormidas, foram mais de 4 milhões registadas pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), mais 1,2 milhões dormidas que em 2022.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Destinos

Turismo do Algarve anuncia 15 ações de promoção para atrair turistas dos EUA e Canadá

Com estas ações, que arrancam na próxima semana, o Turismo do Algarve pretende “dar a conhecer a diversidade e a autenticidade da oferta do maior destino turístico português, onde os visitantes provenientes dos EUA têm apresentado um peso crescente”. 

O Turismo do Algarve vai realizar, este ano, um total de 15 ações para estimular o fluxo de turistas provenientes da América do Norte, num calendário de iniciativas que arranca na próxima semana, com um evento que vai reunir dezenas de operadores turísticos norte-americanos.

De acordo com um comunicado do Turismo do Algarve, o objetivo é “dar a conhecer a diversidade e a autenticidade da oferta do maior destino turístico português, onde os visitantes provenientes dos EUA têm apresentado um peso crescente”.

O primeiro evento, acrescenta o Turismo do Algarve, será apenas o início de “um conjunto de ações inserido numa estratégia específica para os mercados dos Estados Unidos e do Canadá, de forma a potencializar os benefícios do aumento do número de voos que ligam o destino a estes mercados”.

“No total, virão a Portugal conhecer o Algarve cerca de 200 norte-americanos de várias proveniências geográficas”, refere o comunicado divulgado, explicando que as visitas ao Algarve vão acontecer enquanto “visitas de campo com operadores turísticos, jornalistas e influencers daquele país”.

O Turismo do Algarve acredita que será possível aumentar ainda mais o fluxo de turistas provenientes daqueles países, até porque, em 2023, só os turistas provenientes dos EUA foram responsáveis por 480 mil dormidas no destino, num aumento de 24,1% face a 2022 e um crescimento de 70,3% em relação a 2019.

O Turismo do Algarve diz que também em número de hóspedes, em 2023, foi atingido um valor próximo dos 180 mil, mais 27,3% do que em 2022 e mais 68% em comparação com 2019.

“Os EUA são já o sétimo mercado externo com mais peso na região. Os visitantes deste país, conjuntamente com os do Canadá, procuram, e encontram, no Algarve, alguns dos melhores campos de golfe e praias da Europa, no ponto mais ocidental do nosso continente, a menos de sete horas de viagem da costa leste daqueles países. As ações desenvolvidas pelo Turismo do Algarve visam acentuar a notoriedade do destino nas suas muitas valências apreciadas nos EUA e Canadá”, explica André Gomes, presidente do Turismo do Algarve.

Devido à importância que estes turistas têm vindo a ganhar na região, o Turismo do Algarve incluiu o reforço da organização de ações promocionais junto deste mercado, durante os próximos meses, no seu plano estratégico, de forma a incentivar “um maior número de visitas à região e um importante contributo para assegurar a viabilização e até o prolongamento de futuras rotas”.

O objetivo era aproveitar o início dos voos da United Airlines para Faro, que entretanto foi adiado para 2025, mas esse adiamento não levou à alteração dos planos do Turismo do Algarve, até por a canadiana Air Transat procedeu a um aumento de frequências para Faro, registando-se ainda um “crescimento da procura por ligações indiretas ao Algarve”.

“O plano que desenvolvemos previa, obviamente, uma série de ações em torno do lançamento da rota da United Airlines com destino a Faro, mas não se esgota aí. Esta alteração de planos não condiciona a nossa estratégia de captação de turistas provenientes dos EUA. Há uma série de outras oportunidades que estamos a explorar e que terão igualmente impacto junto desse mercado”, acrescenta André Gomes, garantindo que a United Airlines continua entusiasmada por “adicionar o Algarve ao seu portefólio de destinos”, ainda que só no próximo ano.

O adiamento da abertura da nova rota da United Airlines levou também à alteração de “várias ações associadas ao lançamento” desta rota, que deviam acontecer entre abril e maio, mas que foram adiadas para o final do ano.

“Entre estas iniciativas, encontra-se o lançamento de uma campanha digital de promoção do destino e a organização de diversas visitas de imprensa direcionadas a jornalistas de publicações de referência. Esta iniciativa será agora encetada numa fase próxima à inauguração da rota Newark-Faro, reagendada para 2025”, refere ainda o Turismo do Algarve.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Porto já está a formar guias turísticos no programa “Confiança Porto”

Esta formação destina-se a guias turísticos não credenciados, no âmbito do programa Formação + Próxima, e decorre em alinhamento com a estratégia de sustentabilidade da Câmara Municipal do Porto, que visa a descentralização dos fluxos turísticos.

O programa de formação para guias turísticos no âmbito do programa municipal “Confiança Porto” – Passeios Turísticos Pedestres arrancou esta quarta-feira, 10 de abril, avança o portal Porto.pt.

Desenvolvida em parceria com a Escola de Turismo do Porto, esta formação destina-se a guias turísticos não credenciados, no âmbito do programa Formação + Próxima, e decorre em alinhamento com a estratégia de sustentabilidade estabelecida pela Câmara Municipal do Porto, que visa a descentralização dos fluxos turísticos em zonas de maior pressão da cidade.

Segundo a informação avançada pelo website Porto.pt, esta formação assume-se como um instrumento de transmissão para dar a conhecer aos formandos novas narrativas da cidade em zonas menos conhecidas, como a Marginal, a Boavista, a Foz e o Bonfim, na zona Oriental.

“Os guias de turismo possuem um papel de extrema relevância na disseminação da história do Porto e na descentralização dos fluxos dos visitantes para várias zonas da cidade, que merecem, igualmente, ser conhecidas”, afirmou Catarina Santos Cunha, vereadora do Turismo da Câmara Municipal do Porto, durante o arranque da formação.

De acordo com a governante municipal, a formação, que é ministrada por um especialista na área, vai contribuir para “qualificar e certificar a oferta e contribuir para acrescentar valor à experiência turística” na cidade.

A primeira sessão, decorrida em contexto de sala, foi dedicada à evolução urbana do Porto e ao Centro Histórico e vai servir de mote às próximas três sessões de visitas técnicas pelo território, designadamente a Zona Oriental – “Entre a Batalha e a Estação de Campanhã”, a zona de Miguel Bombarda – “O Bairro das Artes” e por fim a Zona Ocidental – “O espaço urbano de São João da Foz”.

Recorde-se que o programa “Confiança Porto” – Passeios Turísticos Pedestres, está a ser implementado desde 2022, visa contribuir para qualificar a oferta turística ao nível dos conteúdos a transmitir aos turistas e organizar a distribuição espacial pelo território dos grupos participantes dos passeios turísticos pedestres.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Dino Parque Lourinhã recebe Prémio Cinco Estrelas pelo sexto ano consecutivo

O Dino Parque Lourinhã foi distinguido na categoria Parques Temáticos nas regiões do Oeste e Grande Lisboa, após a avaliação de 454 mil consumidores que classificaram um total de 1.036 marcas.

O Dino Parque Lourinhã voltou a ser distinguido com o Prémio Cinco Estrelas, reconhecimento que foi entregue ao parque temático pelo sexto ano consecutivo, segundo comunicado enviado à imprensa.

“O Dino Parque Lourinhã acaba de receber, pelo sexto ano consecutivo, o Prémio Cinco Estrelas Regiões, reconhecimento que atesta, uma vez mais, o seu estatuto como um dos parques temáticos preferidos pelos portugueses”, lê-se na informação divulgada.

O Dino Parque foi distinguido na categoria Parques Temáticos nas regiões do Oeste e Grande Lisboa, após a avaliação de 454 mil consumidores que classificaram um total de 1.036 marcas.

“É um reconhecimento do valor que os nossos visitantes atribuem ao Dino Parque, da qualidade do serviço e da experiência memorável que oferecemos a cada um deles”, afirma Luís Rocha, diretor-geral do Dino Parque Lourinhã, sublinhando o orgulho sentido por toda a equipa perante aquela que é “a segunda distinção que o Dino Parque recebe em apenas quatro meses de 2024”, ainda para mais, porque este reconhecimento nos é atribuído há seis anos seguidos.

O diretor-geral do parque temático que é dedicado aos dinossauros congratula-se pelo facto deste prémio “traduzir diretamente a satisfação de quem visita o parque face à experiência proporcionada”, tendo o Dino Parque recebido já mais de um milhão e duzentos mil visitantes.

“Queremos agradecer aos mais de um milhão e duzentos mil visitantes que nos visitam para viver dias de aventura, de conhecimento e de imensa diversão em família. E sabemos que muitos regressam ano após ano, pois sabem que o Dino Parque tem na sua estratégia a continuidade na inovação e na apresentação de novidades”,  acrescenta o responsável.

Luís Rocha indica ainda que, nas próximas semanas, o parque vai ter grandes novidades para apresentar, ainda que, por enquanto, não seja possível desvendar mais pormenores.

Para já, a grande novidade é que o Dino Parque se tornou na casa de mais um animal pré-histórico, uma vez que, desde março, é possível também conhecer o o Helicoprion, uma intrigante espécie de tubarão que viveu durante o período Pérmico, há mais de 270 milhões de anos, e cujo principal traço distintivo é uma mandíbula que se assemelha a uma serra circular.

“Frequentemente descrito como um dos mais bizarros tubarões conhecidos, devido à peculiar forma do seu esqueleto, o Helicoprion e os seus parentes foram alguns dos maiores animais que jamais habitaram os oceanos, antes da era dos dinossauros, superando em tamanho o atual tubarão-branco. Este estranho e fantástico tubarão juntou-se agora à família do Dino Parque Lourinhã, onde será possível testemunhar ao vivo a sua impressionante envergadura, através de uma réplica exata, com sete metros de comprimento, 3,5 metros de largura e 3,3 metros de altura”, explica o Dino Parque.

O Dino Parque Lourinhã funciona diariamente entre as 10h00 e as 18h00, sendo a última entrada até às 16h30. Os bilhetes têm um custo de 14,50 euros para adultos, e de 10,50 euros para crianças. Mais informações aqui ou através do email [email protected] ou do número de telefone 261 243 160.

Recorde-se que o Dino Parque é a maior exposição temática ao ar livre da Europa, contando com 10 hectares e seis percursos diferentes, que permitem aos visitantes observar mais de 200 modelos de espécies de dinossauros e outros animais à escala real.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Governo dos Açores reforça aposta no turismo de aventura

A secretária Regional do Turismo, Mobilidade e Infraestruturas dos Açores, Berta Cabral, defendeu a necessidade de dar continuidade ao fomento do “turismo de aventura, para trazer mais turistas para a Região e tornar este importante setor económico ainda mais dinâmico, sempre com a premissa da sustentabilidade”.

Publituris

Berta Cabral, que falava na apresentação de mais uma edição do Ultra Blue Island 2024 by Azores Trail Run, evento promovido pelo Clube Independente Atletismo Ilha Azul, defendeu que o Azores Trail Run, fundado há dez anos, é mais um contributo para projetar os Açores como o melhor destino de aventura da Europa e do mundo.

“O turismo de natureza é a prioridade do Plano Estratégico e de Marketing do Turismo dos Açores e é um meio essencial, através dos nossos trilhos e das nossas rotas, para levar turistas a todo o território e potenciar a criação de pequenos negócios, com impacto direto na criação de emprego, de riqueza e de oportunidade para a fixação de pessoas”, acentuou a governante, conforme avança notícia publicada na página oficial do Governo Regional.

A secretária Regional fez notar que é fundamental trabalhar para incrementar de forma consistente a qualidade da experiência e do destino, uma vez que os Açores já se encontram num patamar em que o que é feito tem de ser bem feito e criar valor acrescentado.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Indústria europeia de viagens e turismo une-se para combater as mudanças climáticas

Representantes de várias associações europeias do setor das viagens e turismo, reunidos em Rodes, na Grécia, assinaram uma declaração destinada a combater as alterações climáticas na indústria.

Publituris

Apoiada por destacadas organizações europeias ​​como A4E, ACI Europe, CLIA, ECTAA, EEIA, ERA, HOTREC, IAAPA, IRU e Ruraltour, a declaração conjunta realça o compromisso de tomar medidas decisivas para práticas sustentáveis ​​em viagens e turismo.

“A crise climática está aqui e põe-nos à prova a todos. O turismo não é exceção. Com a declaração conjunta de hoje, a indústria europeia de viagens e turismo está a embarcar num caminho sustentável para as alterações climáticas, ao mesmo tempo que apela aos decisores da UE para que ajam para ajudar o crescimento sustentável do setor, em benefício da economia e da sociedade”, considerou Alexandros Vassilikos, presidente da HOTREC, citado pela imprensa internacional.

“As alterações climáticas são uma ameaça real para o setor da hotelaria e restauração. Devemos fazer a nossa parte e trabalhar em conjunto para mitigar o impacto. A declaração de hoje mostra que a indústria europeia de viagens e turismo está empenhada e unida para agir para prevenir as alterações climáticas”, disse, por sua vez, Marie Audren, CEO da HOTREC.

A declaração serve como um guia abrangente para a colaboração, destacando a necessidade urgente de descarbonização, cooperação reforçada e envolvimento significativo com os decisores políticos. À medida que se aproximam as eleições europeias, os líderes da indústria apelam aos decisores para que deem prioridade às iniciativas de turismo sustentável e atribuam rubricas orçamentais específicas para apoiar estes esforços.

Ao nível da descarbonização, pretende-se implementar planos robustos de ação climática a nível organizacional e industrial para reduzir o impacto ambiental, enquanto firmam os compromissos para atingir as metas de descarbonização até 2050, em linha com as declarações de Glasgow e Toulouse.

Promover a consciencialização e a responsabilidade através da partilha de melhores práticas e do fornecimento de conhecimentos especializados para acelerar os esforços de descarbonização em todo o setor, bem como ajudar as pequenas e médias empresas a adaptarem-se aos desafios climáticos e a acederem a oportunidades de financiamento para iniciativas de descarbonização, e ainda apoiar iniciativas para melhorar as competências da força de trabalho e colmatar lacunas de competências sustentáveis ​​através de programas de educação e formação, são outras questões destacadas no documento final saído da reunião de Rodes.

Há igualmente o compromisso de realizar reuniões regulares para avaliar o progresso e fortalecer a colaboração entre as partes interessadas, com o objetivo de moldar um cenário regulatório favorável com os decisores políticos europeus e nacionais.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Fado in Chiado completa 15 anos de braço dado com o Turismo

Ao longo destes 15 anos de existência, o projeto Fado in Chiado já recebeu 225 mil espectadores, oriundos de mais de 23 países, num sucesso que é explicado pelo “contacto permanente” com o setor do turismo.

Publituris

O Fado in Chiado está a assinalar o 15.º aniversário, período ao longo do qual este projeto que promove o Fado junto dos turistas que visitam Lisboa recebeu já 225.000 espectadores, oriundos de mais de 23 países.

“O orgulho deste projeto pode ser traduzido em números: mais de 225 mil espectadores, oriundos de mais de 23 geografias, com destaque para países como Inglaterra, França, Espanha, Alemanha, Brasil, Holanda, Estados Unidos, Canadá, China, Coreia, entre muitos outros”, congratula-se o Fado in Chiado, numa nota enviada à imprensa.

O sucesso do Fado in Chiado, destaca o projeto na informação divulgada, explica-se pelo “contacto permanente” que existe entre o projeto e as delegações turísticas de diferentes países, assim como pela “presença nas principais feiras mundiais e o apoio das diferentes instituições nacionais”, a exemplo do Turismo de Lisboa e do Turismo de Portugal.

“A ligação permanente com as unidades hoteleiras na grande Lisboa é outra das pontes de contacto que destacamos e em que investimos”, acrescenta o Fado in Chiado, que considera que “o turismo exige cada vez mais conteúdos de entretenimento diferenciadores, confiáveis e caracterizados pelas matrizes culturalmente enraizadas”, a exemplo do espetáculo que o Fado in Chiado promove.

A “constante modernização comercial e a consistência do espetáculo”, assim como as melhorias que têm vindo a ser introduzidas, nomeadamente ao nível da sala e do palco, que foram alvo de “uma intervenção técnica, modernizando equipamentos, melhorando cenicamente o espetáculo e aperfeiçoando, em termos globais, a experiência” dos visitantes, também ajudam a explicar o sucesso deste projeto.

O Fado in Chiado é um projeto promovido e produzido pela Genius y Meios, empresa do Grupo Renascença Multimédia.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Albufeira tem nova estratégia de desenvolvimento, promoção e captação de novos turistas

“Albufeira faz parte da sua vida – Albufeira is part of your life” é o mote subjacente à apresentação da estratégia de desenvolvimento, promoção e captação de novos turistas, que contou com a presença de representantes da autarquia, das freguesias, várias entidades do concelho e os principais players ligados ao setor turístico.

Publituris

“Esta é a resposta do município aos atuais desafios com vista a consolidar o melhor destino turístico de Sol e Mar de Portugal, reconhecido a nível internacional. Uma oferta diversificada, que tem no mar e nas praias o seu principal produto turístico”, destaca o documento, opinião corroborada pelo presidente da Câmara Municipal que sublinha que “o sol e a praia devem continuar a ser o principal foco da atividade turística, mas é fundamental diversificar no tempo, bem como ao nível do produto, com vista a combater a sazonalidade e rentabilizar a base da economia do concelho”. De acordo com o presidente da autarquia, Albufeira “tem todas as condições para crescer e melhorar a sua oferta turística ao longo de todo o ano, daí a necessidade de um diagnóstico e de uma estratégia concertada para o efeito”, destacou.

Os grandes desafios que Albufeira enfrenta passam pela Notoriedade (elevada perceção de destino massificado associado à animação noturna e falta de associação da marca “Albufeira” à oferta turística global); Sazonalidade (elevada taxa com encerramento de negócios e marcado de trabalho volátil); Mercado (forte dependência do Reino Unido baixas taxas de penetração em mercados de elevado potencial); Concentração Turística (maior concentração na Freguesia de Albufeira e Olhos de Água e pressão em zonas com capacidade de carga comprometidas) e Comunidade Local (algum descontentamento e não reconhecimento dos benefícios do turismo).

A nova estratégia, que acaba de ser apresentada pelo município de Albufeira tem por base uma visão que assenta nas seguintes ambições: ser o melhor destino turístico em Portugal, com uma oferta de qualidade superior em toda a cadeia de valor da atividade turística; destino de eleição dos Europeus para short ou long breaks; ser reconhecido internacionalmente pelas suas praias e oferta de atividades turísticas diferenciadas; destino de referência na animação noturna em Portugal; destino nacional com maior capacidade para formar e reter os melhores profissionais do setor; destino mobilizador na implementação de medidas de combate às alterações climáticas e a manutenção do fluxo bidirecional de comunicação/informação/sensibilização entre município, residentes, empresários e operadores turísticos.

A resposta do concelho para que se consolide como o melhor destino de Sol e Mar de Portugal, reconhecido a nível internacional, com um horizonte temporal até 2030, assenta em seis objetivos estratégicos: Reverter/desmistificar a imagem generalizada de Albufeira enquanto destino turístico massificado; organizar a oferta em clusters turísticos para ir ao encontro do perfil dos visitantes que se pretende atrair; criar as condições para que cada cluster possa manter-se dinâmico durante todo o ano; reduzir a dependência do mercado britânico, aumentando a taxa de captação de mercados com potencial de crescimento; gerar valor económico e social através do turismo pela fixação de residentes e desenvolvimento e retenção de recursos humanos qualificados e por último, elevar Albufeira a referência internacional enquanto destino turístico sustentável.

Para o efeito, foi definido um modelo turístico com duas dimensões, devidamente articuladas entre os setores público e privado, nomeadamente no que respeita à qualificação de infraestruturas do destino e qualificação da oferta turística. Por outro lado, defende-se a necessidade de trabalhar os chamados “ativos diferenciadores”, nomeadamente Albufeira ser destino turístico experiente; apresentar uma oferta premium a nível do alojamento e restauração; ter as melhores praias do mundo; um património cultural e natural com particularidades únicas; animação noturna vibrante, ampla oferta de atividades náuticas, desportivas e culturais, com a vantagem de ser um destino hospitaleiro e “family friendly”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.