Edição digital
Assine já
PUB
Transportes

easyJet abre rota entre o Porto e Rennes em dezembro

Nova rota da easyJet no Porto arranca em dezembro e vai contar com três voos por semana, às segundas, quartas e sextas-feiras.

Publituris
Transportes

easyJet abre rota entre o Porto e Rennes em dezembro

Nova rota da easyJet no Porto arranca em dezembro e vai contar com três voos por semana, às segundas, quartas e sextas-feiras.

Publituris
Sobre o autor
Publituris
Artigos relacionados
Alto Côa é a 11ª Estação Náutica certificada do Centro de Portugal
Destinos
Grupo Air France-KLM mantém interesse na privatização da TAP
Aviação
Nova edição Publituris Hotelaria: Entrevista a Elmar Derkitsch, diretor-geral do Lisbon Marriott Hotel
Hotelaria
UN Tourism quer estabelecer Centro de Pesquisa para o Turismo Sustentável na Croácia
Destinos
Viagens e turismo atingirão 2,51 biliões de dólares e representarão 9% da economia dos EUA em 2024
Destinos
Turismo do Algarve anuncia 15 ações de promoção para atrair turistas dos EUA e Canadá
Destinos
Empresários açorianos preocupados com demissões na SATA
Aviação
Explora Journeys lança experiências para a Costa do Pacífico e Havaí
Transportes
Porto já está a formar guias turísticos no programa “Confiança Porto”
Destinos
Dino Parque Lourinhã recebe Prémio Cinco Estrelas pelo sexto ano consecutivo
Destinos

A easyJet vai abrir uma nova rota na cidade do Porto, passando a ligar a Invicta à cidade francesa de Rennes três vezes por semana, a partir de dezembro, informou a companhia aérea em comunicado.

De acordo com a easyJet, os voos entre o Porto e Rennes vão decorrer às segundas, quartas e sextas-feiras, e os bilhetes para as novas ligações já se encontram disponíveis para venda desde esta sexta-feira, 29 de outubro.

“É com um enorme entusiamo que apresentamos mais uma nova rota a partir de Portugal. A ligação entre o Porto e Rennes iniciará a sua operação já este inverno e à semelhança do que fizemos nos meses de verão, permitirá aos nossos clientes viajar de forma com mais facilidade, seja em trabalho ou lazer”, congratula-se José Lopes, diretor geral da easyJet para Portugal.

Além da nova rota do Porto, a easyJet colocou também à venda esta sexta-feira os bilhetes para outras três novas rotas europeias que vão ser operadas durante este inverno, prevendo-se que, a 2 de novembro, arranque ainda a comercialização de mais seis novas ligações.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Artigos relacionados
Alto Côa é a 11ª Estação Náutica certificada do Centro de Portugal
Destinos
Grupo Air France-KLM mantém interesse na privatização da TAP
Aviação
Nova edição Publituris Hotelaria: Entrevista a Elmar Derkitsch, diretor-geral do Lisbon Marriott Hotel
Hotelaria
UN Tourism quer estabelecer Centro de Pesquisa para o Turismo Sustentável na Croácia
Destinos
Viagens e turismo atingirão 2,51 biliões de dólares e representarão 9% da economia dos EUA em 2024
Destinos
Turismo do Algarve anuncia 15 ações de promoção para atrair turistas dos EUA e Canadá
Destinos
Empresários açorianos preocupados com demissões na SATA
Aviação
Explora Journeys lança experiências para a Costa do Pacífico e Havaí
Transportes
Porto já está a formar guias turísticos no programa “Confiança Porto”
Destinos
Dino Parque Lourinhã recebe Prémio Cinco Estrelas pelo sexto ano consecutivo
Destinos
PUB

Foto: Depositphotos.com

Aviação

Grupo Air France-KLM mantém interesse na privatização da TAP

Fonte do grupo Air France-KLM garante que o grupo de aviação continua “muito interessado” na aquisição da TAP, negando as recentes notícias que davam conta de uma desistência devido à instabilidade política em Portugal.

Publituris

O Grupo Air France-KLM continua a acompanhar a privatização e está “muito interessado” na compra da TAP, garantiu fonte do grupo de aviação à agência EFE.

O grupo Air France-KLM está a acompanhar a situação em Portugal. Como já dissemos, estamos muito interessados no projeto de privatização da TAP e aguardamos os próximos passos”, disse à EFE fonte da empresa.

A fonte da Air France-KLM garante que o grupo de aviação não desistiu da compra da transportadora aérea nacional, negando assim notícias recentes que davam conta a desistência do negócio, devido à instabilidade política em Portugal.

Recorde-se que o processo de privatização da TAP foi suspenso devido à convocação de eleições antecipadas, devido à queda do XXIII Governo Constitucional, na sequência da demissão do primeiro-ministro António Costa.

No entanto, o programa do novo governo, liderado por Luís Montenegro, prevê que o “processo de privatização do capital social da TAP” seja relançado, ainda que sem avançar quaisquer prazos.

Além da Air France-KLM, também a Lufthansa e o Grupo IAG, que detém a British Airways e a Iberia, manifestaram interesse na aquisição da TAP.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

Empresários açorianos preocupados com demissões na SATA

A Câmara do Comércio e Indústria dos Açores (CCIA) está preocupada com as demissões no Grupo SATA, que surgem numa altura em que se está a finalizar o processo de privatização da Azores Airlines e a iniciar a época alta deste setor.

Publituris

A Câmara do Comércio e Indústria dos Açores (CCIA) está apreensiva com as recentes demissões no Grupo SATA e consideram que esta é “uma altura critica” paro o futuro do grupo de aviação açoriano, que detém a Azores Airlines e a SATA Air Açores.

“A direção da Câmara do Comércio e Indústria dos Açores manifesta a sua preocupação com as demissões agora verificadas no conselho de administração da SATA, que ocorrem numa altura crítica para o futuro do grupo, tendo designadamente em consideração o processo de privatização da Azores Airlines e o início da época alta deste setor”, lê-se num comunicado de imprensa, citado pela Lusa.

A associação considera que é da “maior relevância a retoma da normalidade” na empresa para que o processo de privatização da Azores Airlines seja cumprido “nos termos definidos pela União Europeia, com os acertos que as circunstâncias atuais exigem”.

A CCIA defende ainda que é “imperativo” que a empresa esteja “em pleno funcionamento no arranque de mais uma temporada crucial do turismo”, que tem sido um dos principais contributos para “a recuperação económica da região”.

Os empresários açorianos assumem-se ainda mais preocupados porque a Ryanair reduziu consideravelmente a sua operação na região com o encerramento da base de Ponta Delgada, o que trouxe  “consequências já bem visíveis” para o setor do transporte aéreo e turístico regional.

“A direção da CCIA entende salientar a importância e a necessidade de estabilidade do funcionamento do transporte aéreo nos Açores”, sublinha o comunicado.

Recorde-se que Teresa Gonçalves, presidente da SATA desde abril de 2023, anunciou esta semana a sua demissão do grupo de aviação açoriano por motivos pessoais.

Entretanto, têm vindo também a surgir rumores que indicam que também Dinis Modesto, administrador financeiro do Grupo SATA, está de saída.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Explora Journeys lança experiências para a Costa do Pacífico e Havaí

As Destination Experiences na Costa do Pacífico e Havaí estão disponíveis até maio de 2024, para dois cruzeiros de nove noites entre Vancouver, no Canadá, e Honolulu, no Havaí.

Publituris

A Explora Journeys, marca de luxo do MSC Group, lançou um conjunto de experiências para os seus cruzeiros na América Central, Costa do Pacífico dos EUA e do Canadá e ainda para o Havaí, as Destination Experiences, que estão disponíveis até maio de 2024.

De acordo com um comunicado da Explora Journeys, estas experiências aplicam-se aos cruzeiros de nove noites que a companhia vai promover entre 18 a 27 de abril de 2024 e 27 de abril a 6 de maio de 2024, entre Vancouver, no Canadá, e Honolulu, no Havaí, assim como em sentido contrário, respetivamente.

Nestes cruzeiros, os principais portos de escala são Hilo (Havaí), Honolulu (Oahu, Havaí), Kailua-Kona (Havaí), Nawiliwili (Kauai, Havaí), Los Angeles e São Francisco (EUA) e Panamá.

“Ao embarcarem nestas viagens, os viajantes poderão mergulhar no património, na cultura e na gastronomia locais. Desde residências reais e paisagens vulcânicas a praias arenosas e recifes imaculados, a experiência engloba maravilhas naturais protegidas e locais históricos do Havai e da Costa do Pacífico”, destaca a Explora Journeys, na informação divulgada.

Neste conjunto de experiências estão incluídas várias tradições e costumes locais, a exemplo de uma cerimónia tradicional de Temazcal, um antigo ritual de cura praticado pelos Maias, Aztecas e Toltecas durante milénios, de uma caminhada até ao letreiro de Hollywood em Los Angeles, de observações celestiais em Hilo, no Havaí, ou ainda de visitas guiadas exclusivas no Pearl Harbor Aviation Museum e no USS Missouri Memorial em Honolulu.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Iberojet, Conversas com o Presidente (Sintra), Viagem à Turquia e Turismo Desportivo na edição 1509 do Publituris

Para esta edição, o jornal Publituris entrevistou António Loureiro, diretor-geral da Iberojet em Portugal. Além disso, falámos com Diamantino Martins, viajámos até à Turquia, conversámos com Basílio Horta, e dedicamos o dossier ao Turismo Desportivo.

Publituris

A próxima edição do jornal Publituris faz capa com a entrevista a António Loureiro, diretor-geral da Iberojet em Portugal. Tendo assumido, recentemente, a liderança da companhia aérea do Grupo Ávoris, António Loureiro referiu ao Publituris que o objetivo é “ajudar o mercado português”, mas acima de tudo, “consolidar” a presença e tornar a companhia “mais visível”.

Desbravar destinos para levar aos clientes é o que faz Diamantino Martins, profissional de turismo há vários anos e que fundou a empresa Polis que acabaria, há 10 anos, por vender apenas a área de viagens à Top Atlântico, ficando ligado ao grupo na qualidade de consultor. Além de continuar com a parte dos eventos e algum incomig da Polis, o gosto pelo bem receber levou Diamantino Martins a abraçar um outro projeto, agora no Alentejo que vai ocupar algum tempo, admitindo que “tinha o sonho de um dia ter um hotel, pequenino, mais boutique”.

Nas “Conversas com o Presidente”, o jornal Publituris falou com Basílio Horta, presidente da Câmara Municipal de Sintra. Para o autarca que se encontra no segundo e último mandato, “o turismo tem duas vertentes indissociáveis: a económica e a cultural”. EM qualquer uma, segundo Basílio Horta, “só poderá haver um vencedor: Portugal”.

Nas “Capas que fazem História”, no âmbito das comemorações dos 50 anos do 25 de abril de 1974, trazemos os principais destaques da edição de 15 de abril, ou seja, a última antes da data da revolução.

A viagem realizada à Turquia, a convite da Solférias, permitiu perceber que há muitas “Turquias” numa só. De resto, os agentes de viagens que participaram na famtrip à Turquia ficaram surpreendidos pela positiva com o destino, tendo, inclusivamente, feito diversas recomendações que passam pela visita em circuito pelas diferentes cidades repletas de história e cultura, à incontornável Capadócia, constatando, contudo, que em termos de praias, pelo menos em Antalya, e apesar dos empreendimentos turísticos serem de elevadíssima qualidade, não correspondem àquilo que um bom português gosta.

O “Dossier” desta edição destaca o Turismo Desportivo, ou melhor, a realização de grandes eventos desportivos e a captação de equipas e seleções para efetuarem estágios e preparações que é vista como uma nova forma de dinamizar o turismo global. Segundo os profissionais ouvidos, Portugal tem excelentes condições para o efeito, mas falta promover o destino para jogar neste campeonato.

Além do Pulse Report da guestcentric, numa colaboração com o Publituris, as opiniões pertencem a Francisco Jaime Quesado (economista e gestor), Silvana Pombo (Highgate Portugal), Bonifácio Rodrigues (professor investigador), Nuno Couceiro (Ameno), e Joaquim Robalo de Almeida (ARAC).

A versão completa desta edição é exclusiva para subscritores do Publituris. Pode comprar apenas esta edição ou efetuar uma assinatura do Publituris aqui obtendo o acesso imediato.

Para mais informações contacte: Carmo David | [email protected] | 215 825 430

Nota: Se já é subscritor do Publituris entre no site com o seu Login de assinante, dirija-se à secção Premium – Edição Digital e escolha a edição que deseja ler, abra o epaper com os dados de acesso indicados no final do resumo de cada edição.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Passageiros de cruzeiros chegam aos 31,7 milhões em 2023 e ultrapassam valores pré-pandemia

Um recente relatório da CLIA – Associação Internacional de Companhias de Cruzeiros prevê que os números continuem a aumentar nos próximos anos e que, até 2027, o volume global de passageiros de cruzeiros chegue aos 39,4 milhões.

Publituris

No ano passado, o volume global de passageiros de cruzeiros chegou aos 31,7 milhões, ultrapassando em 7% os números pré-pandemia, avança a CLIA – Associação Internacional de Companhias de Cruzeiros.

“Os cruzeiros continuam a ser um dos setores de turismo mais resilientes e de crescimento mais rápido, recuperando mais rapidamente do que as chegadas de turistas internacionais e dando um forte contribuinte para as economias locais e nacionais”, sublinha Kelly Craighead, presidente e executivo-chefe da CLIA.

De acordo com o relatório da CLIA sobre o estado da indústria de cruzeiros em 2024, os EUA foram, no ano passado, o maior mercado emissor de cruzeiristas, com 18,1 milhões de passageiros, seguindo-se a Europa com 8,2 milhões de passageiros.

Já o Reino Unido somou 2,2 milhões de cruzeiristas, o que representa um aumento de 15% face aos 1,9 milhões de passageiros de cruzeiros que tinham sido identificados em 2019.

Em relação ao tipo de cruzeiros, o relatório da CLIA indica que foram os cruzeiros de expedição que mais cresceram entre 2019 e 2023, período durante o qual o número de passageiros que navegam nestes itinerários aumentou 71%.

Os números são positivos e assim devem continuar nos próximos anos, uma vez que a CLIA estima novos aumentos dos passageiros de cruzeiros ao longo dos próximos quatro anos, chegando aos 39,4 milhões de passageiros em 2027.

O relatório da CLIA revela também que o desejo de realizar um cruzeiro está a aumentar, uma vez que, segundo uma pesquisa de março, 82% dos inquiridos que já tinham realizado um cruzeiros disseram que gostariam de voltar a realizar uma viagem deste tipo, enquanto 71% dos viajantes internacionais disseram que estavam a pensar fazer o seu primeiro cruzeiro.

O estudo mostrou ainda que as agências de viagens continuam a ser fundamentais para a venda de cruzeiros, uma vez que 73% dos inquiridos que já realizaram cruzeiros disseram que os agentes de viagens têm um “impacto significativo” na sua decisão de fazer um cruzeiro, principalmente pelo “conhecimento e experiência” que detém neste tema.

A possibilidade de visitar vários destinos numa única viagem e a boa relação custo-benefício são, segundo este estudo, as principais vantagens dos cruzeiros apontadas pelos passageiros.

“O cruzeiro oferece o melhor valor de férias que existe, com experiências incríveis proporcionadas aos hóspedes por uma força de trabalho multinacional talentosa e dedicada de quase 300.000 profissionais marítimos”, destaca Kelly Craighead.

Tal como a procura, também a oferta vai aumentar, com a CLIA a estimar que a capacidade global de cruzeiros cresça pelo menos 10% nos próximos quatro anos, passando de um total de 677 mil camas para 745 mil em 2028, uma vez que existem planos para a chegada de, pelo menos, mais 56 navios, num investimento da indústria que chega aos 38 mil milhões de dólares.

“Com pelo menos 56 novos navios a entrar em operação entre 2024 e 2028, há vastas oportunidades para carreiras em cruzeiros, que apresentam uma impressionante taxa de retenção de funcionários de mais de 80%”, conclui o responsável da CLIA.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

Delta Air Lines regressa aos lucros e apresenta resultado positivo de 34,4 M€

Entre janeiro e março, as receitas operacionais da Delta Air Lines cresceram 8% e somaram um total de 12.786 milhões de euros, enquanto as despesas operacionais subiram perto de 1%, totalizando 12.217 milhões de euros.

Publituris

A Delta Air Lines regressou aos lucros e, no primeiro trimestre de 2024, apresentou um resultado positivo de 34,4 milhões de euros, valor que compara com o prejuízo de 337,6 milhões de euros apurado em igual período do ano passado.

De acordo com um comunicado da companhia aérea dos EUA, as receitas operacionais cresceram, entre janeiro e março de 2024, 8% e somaram um total de 12.786 milhões de euros, enquanto as despesas operacionais subiram perto de 1%, totalizando 12.217 milhões de euros.

“No trimestre de março obtivemos receitas recorde graças a um desempenho operacional excecional, que permitiu um forte crescimento dos lucros”, congratula-se Ed Bastian, presidente executivo da Delta Air Lines, citado no comunicado divulgado pela companhia aérea.

O responsável espera que seja possível manter os bons resultados também no segundo trimestre do ano, estimando que, entre abril e junho, a Delta Air Lines atinja “resultados recorde”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Carnival Corporation atinge atingiu “vários objetivos ambientais para 2030” antes do previsto

A Carnival Corporation divulgou recentemente o seu 14.º Relatório Anual de Sustentabilidade, denominado “Sustainable from Ship to Shore”, que detalha o “progresso significativo” da empresa em seis áreas de sustentabilidade.

Publituris

A Carnival Corporation, uma das maiores empresas de cruzeiros do mundo, que detém marcas como a Costa Cruzeiros, Princess Cruises ou Aida Cruises, divulgou recentemente o seu 14.º Relatório Anual de Sustentabilidade, que vem confirmar que a empresa de cruzeiros já atingiu “vários objetivos ambientais” que estavam previstos para 2030.

“A empresa atingiu vários objetivos ambientais para 2030 muito antes do previsto e está adiantada em relação a outros objetivos-chave, como a redução da intensidade de gases com efeito de estufa”, lê-se num comunicado enviado à imprensa.

Denominado “Sustainable from Ship to Shore”, o relatório da Carnival Corporation detalha o “progresso significativo” da empresa em seis áreas de sustentabilidade, incluindo os seus objetivos prioritários de apoio à ação climática para reduzir as emissões de gases com efeito de estufa e de promoção de um modelo de economia circular para reduzir os resíduos.

“Graças aos nossos 160.000 colegas extraordinários, que trabalham todos os dias com paixão e dedicação, 2023 foi um ano de conquistas significativas em toda a linha”, congratula-se Josh Weinstein, CEO e Chief Climate Officer da Carnival Corporation, sublinhando que a empresa obteve “um desempenho financeiro recorde” e recebeu três novos navios, além de ter expandido a sua presença para mais de 800 destinos e transportado 12,5 milhões de hóspedes.

Mas o responsável destaca essencialmente o “compromisso contínuo” estabelecido pela Carnival Corporation de “liderar o caminho para tornar os cruzeiros mais sustentáveis”, de forma a atingir os objetivos para 2030 e chegar às zero emissões poluentes em 2050.

“Uma vez que estamos a avançar tão ativamente em todos os nossos objetivos de sustentabilidade para 2030, estamos a avaliar novos objetivos intermédios na procura de zero emissões de gases com efeito de estufa até 2050”, acrescentou.

É que a Carnival Corporation tem vindo a alcançar “várias metas importantes de desempenho ambiental para 2030 antes do previsto, nas suas áreas de ação climática e economia circular”, que são as principais prioridades do trajeto de sustentabilidade da empresa.

“Por exemplo, através de uma ação climática decisiva e prolongada, a empresa produz mais de 10% menos emissões absolutas de GEE hoje do que em 2011, o seu ano mais alto já registado, apesar de ter aumentado a capacidade em aproximadamente 30% desde então. Além disso, o reforço de um modelo de economia circular levou a reduções significativas no volume e no impacto dos resíduos produzidos em geral”, lê-se também no comunicado divulgado.

A redução em 20% até 2026 da intensidade de GEE – Gases com efeito estufa, a existência de ligação a terra em 64% da sua frota, a redução de 68% nas emissões absolutas de partículas, a redução de 38% no desperdício alimentar por pessoa, a eliminação de cerca de 500 milhões de produtos descartáveis de plástico a bordo e a conclusão da instalação de sistemas de tratamento de águas residuais que abrangem 70% da capacidade da sua frota, são alguns dos destaques do relatório da Carnival Corporation.

“Para além destes pontos, a Carnival Corporation está a progredir constantemente no sentido de cumprir, ou exceder, os seus objetivos de ação climática e economia circular para 2030”, refere ainda a empresa de cruzeiros, explicando que este relatório também inclui “atualizações importantes sobre o programa de gás natural liquefeito (GNL)”, bem como sobre os sistemas avançados de qualidade do ar, sistemas de lubrificação por ar e iniciativas de biocombustíveis.

“Além disso, a empresa está também empenhada em questões de diversidade e inclusão na sua equipa global de 160.000 pessoas e na promoção de um ambiente de trabalho positivo para todos os funcionários. Como parte da sua estratégia de sustentabilidade, a empresa também se foca na promoção do turismo sustentável e na criação de valor partilhado, crescimento mútuo e boa vontade com os seus parceiros de destino e as comunidades locais que visita, tal como referido no relatório”, indica ainda a Carnival Corporation.

O Relatório de Sustentabilidade 2023 da Carnival Corporation foi preparado de acordo com a Universal Standard 2021, da Global Reporting Initiative (GRI), e incorpora a terceira divulgação anual da empresa em linha com o Sustainability Accounting Standards Board (SASB) e a Task Force on Climate-related Financial Disclosures (TCFD).

O relatório completo pode ser consultado aqui.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

SPAC fica sem direção e vai para novas eleições

Tiago Faria Lopes, atual presidente da direção do SPAC, deverá candidatar-se novamente à liderança da estrutura sindical, cujo atual mandato terminava em novembro.

Publituris

A direção do Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC) caiu na sequência da demissão de dois membros, o que vai levar a novas eleições na estrutura sindical, avança o Expresso.

Tiago Faria Lopes, atual presidente da direção do SPAC, deverá candidatar-se novamente à liderança da estrutura sindical, apurou o Expresso, que lembra que o mandato desta direção terminava em novembro.

João Lira Abreu e Nuno Vaz foram os elementos da direção do SPAC que se demitiram.

O Expresso diz que, nos últimos dias, houve a informação de que existia desconforto na direção no SPAC devido à recente Assembleia Geral, onde foi aprovada por uma escassa maioria a suspensão dos aumentos salariais em 2024, uma vez que os custos com trabalhadores quase duplicaram de 2022 para 2023.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

Bestfly diz estar a trabalhar para “assegurar o bom funcionamento da ligação entre ilhas em Cabo Verde”

A Bestfly, que controla o capital social da TICV – Transportes Interilhas de Cabo Verde, garante que a venda de bilhetes foi “suspensa temporariamente” como medida preventiva face à indisponibilidade de dois aviões ATR 72-600 e garante estar a trabalhar para “assegurar o bom funcionamento da ligação entre ilhas em Cabo Verde”.

Publituris

A Bestfly veio esta terça-feira, 9 de abril, esclarecer que a venda de bilhetes da TICV – Transportes Interilhas de Cabo Verde foi “suspensa temporariamente no dia 4 de março de 2024 como medida preventiva face à indisponibilidade dos dois aviões ATR 72-600” e garante que está a trabalhar para “assegurar o bom funcionamento da ligação entre ilhas em Cabo Verde”.

Num nota enviada à imprensa, a empresa de aviação nega a notícia avançada pela Lusa e que dava conta que a transportadora aérea tinha suspendido as ligações entre as ilhas cabo-verdianas e sem previsões de regresso, tendo a venda de bilhetes sido igualmente suspensa.

Agora, a Bestfly, que controla o capital social da TICV, que é a companhia aérea que está a operar voos entre as várias ilhas do arquipélago, veio esclarecer que a “venda de bilhetes foi suspensa temporariamente no dia 4 de março de 2024 como medida preventiva face à indisponibilidade dos dois aviões ATR 72-600, que executavam a ligação inter-ilhas e que foram submetidos aos normais procedimentos de manutenção a que estão obrigados”.

“É, por isso, falso que esta suspensão tenha sido realizada “sem previsões de regresso”, lê-se na nota informativa divulgada, na qual a Bestfly explica ainda que esta suspensão foi uma “ação responsável da TICV e de caráter temporário, com efeito até entrar em vigor a solução para regularizar a ligação inter-ilhas”.

A empresa acrescenta que esta suspensão “constituiu uma medida tomada proativamente pela TICV, de acordo com o seu dever de não comercialização de bilhetes neste cenário transitório e de proteção dos passageiros com bilhetes adquiridos previamente”.

A Bestfly diz, por isso, que “continua comprometida com a prestação de um bom serviço inter-ilhas em Cabo Verde, tendo com esta decisão assumido a responsabilidade de preservar, acima de tudo, o interesse dos seus passageiros”.

A Bestfly aproveita também para revelar que, a 8 de abril de 2024, foram iniciados “os procedimentos de envio para Cabo Verde de uma aeronave contratualizada pela TICV para assegurar a manutenção da ligação inter-ilhas no arquipélago, cuja entrada foi autorizada pela Agência de Aviação Civil”.

Este aparelho, acrescenta a informação divulgada, é um “Bombardier Dash 8 Q300, com capacidade para transportar 50 passageiros”, que estava na África do Sul e que deverá ter chegado esta quarta-feira, 10 de abril, a Cabo Verde.

“Estando concluída a mobilização da aeronave para Cabo Verde, a operação da TICV será regularizada com brevidade. Esta aeronave ficará ao serviço da TICV até à entrada em linha dos ATR 72-600 que se encontram em manutenção”, lê-se ainda no comunicado enviado à imprensa.

Nuno Pereira, CEO da BestFly World Wide, garante que a empresa vai continuar a “trabalhar no sentido de assegurar o bom funcionamento da ligação entre ilhas em Cabo Verde”, até porque está ciente da importância deste serviço para a coesão territorial e social do arquipélago.

“Desempenhamos esta missão com um grande sentido de responsabilidade. Procurámos agir de forma responsável e proativa para evitar a aquisição de bilhetes neste momento de transição, antes da chegada de uma nova aeronave que irá repor o funcionamento da conectividade inter-ilhas”, garante o responsável.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Porto de Setúbal reforça aposta nos cruzeiros e participa na Seatrade Cruise Global

O Porto de Setúbal explica que esta participação se insere no reforço da aposta na indústria dos cruzeiros, uma vez que a infraestrutura se pretende posicionar “como porto vocacionado para receber pequenos navios de cruzeiros, inseridos em rotas europeias”.

Publituris

O Porto de Setúbal está a participar na Seatrade Cruise Global, o maior evento mundial da indústria de cruzeiros, que se encontra a decorrer em Miami, EUA, até esta quinta-feira, 11 de abril.

Num comunicado enviado à imprensa, o Porto de Setúbal explica que esta participação se insere no reforço da aposta na indústria dos cruzeiros, uma vez que a infraestrutura se pretende posicionar “como porto vocacionado para receber pequenos navios de cruzeiros, inseridos em rotas europeias”.

A aposta neste tipo de cruzeiros, acrescenta o Porto de Setúbal, “permitirá desenvolver a região e potenciar sinergias com outras áreas económicas, tais como o turismo, a marítimo-turística, a pesca e a aquicultura”.

“A aposta na atividade de cruzeiros justifica-se pela procura crescente do porto por parte dos operadores e pelo interesse que manifestam em incluí-lo nos seus itinerários. Para além das experiências com escalas anteriores, uma 2019 e outra em 2021, estão já previstas quatro para 2024. Estima-se que, em poucos anos, seja alcançada uma “velocidade de cruzeiro” de quarenta navios por ano”, afirma António Caracol, vogal do Conselho de Administração da APSS – Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra.

Recorde-se que, atualmente, a APSS está a ultimar o projeto para um edifício modular, de apoio à atividade de cruzeiros, a construir em zona portuária, junto à Doca dos Pescadores, cujo desenho e requisitos têm vindo a ser articulados com as entidades que efetuam o controlo operacional e têm envolvimento nas escalas, concretamente com a Autoridade Aduaneira, a GNR e Capitania / Polícia Marítima.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.