Assine já
Transportes

KLM anuncia voos para 162 destinos e reforço de oferta em Portugal no inverno

Em Portugal, a KLM vai disponibilizar, este inverno, 12 voos semanais entre Lisboa e Amesterdão e 14 voos semanais entre o Porto e Amesterdão, o que traduz um aumento de 17% face ao inverno de 2019.

Publituris
Transportes

KLM anuncia voos para 162 destinos e reforço de oferta em Portugal no inverno

Em Portugal, a KLM vai disponibilizar, este inverno, 12 voos semanais entre Lisboa e Amesterdão e 14 voos semanais entre o Porto e Amesterdão, o que traduz um aumento de 17% face ao inverno de 2019.

Publituris
Sobre o autor
Publituris
Artigos relacionados
Ryanair anuncia 15 novas rotas para Portugal no Inverno
Homepage
TAP aumenta oferta no inverno e anuncia 941 voos por semana
Homepage
KLM lança voos directos para Bombaim no Inverno
Aviação
Jet Airways alarga acordos de codeshare para a Europa
Aviação

A KLM vai disponibilizar, este inverno, voos para um total de 162 destinos, 72 dos quais intercontinentais e 90 na Europa, num reforço da oferta que também abrange Portugal e que, segundo a companhia aérea dos Países Baixos, é possível graças ao alivio de “mais e mais restrições de viagem”.

“O novo programa de inverno da KLM entra em vigor a 31 de outubro e é válido até 26 de março de 2022. À medida que vão sendo aliviadas mais e mais restrições de viagem, a KLM vai ser capaz de aumentar a sua capacidade novamente este inverno e, assim, planeia operar voos diretos de Amesterdão para 162 destinos, 72 intercontinentais e 90 na Europa”, refere a KLM, num comunicado divulgado esta terça-feira, 26 de outubro

Em Portugal, a KLM vai disponibilizar, este inverno, 12 voos semanais entre Lisboa e Amesterdão e 14 voos semanais entre o Porto e Amesterdão, o que traduz “um aumento de +17% na oferta no inverno de 2021 face à oferta pré-pandemia em período idêntico de 2019”.

“Esta oferta é complementada pela da sua parceira francesa, a Air France, que oferece rotas entre Paris-CDG e 3 aeroportos portugueses (Lisboa, Porto e Faro, agora também no inverno)”, indica ainda a KLM.

Além de Portugal, a KLM conta também reforçar a oferta na Europa para “responder ao forte aumento da procura por viagens de lazer e negócios”, motivo pelo qual vai manter no inverno os voos para Zagreb e Poznam, que foram lançados no verão e em relação aos quais a companhia aérea faz um balanço positivo.

“Com este acréscimo, o número de destinos europeus servidos pela KLM vai ultrapassar o do inverno de 2019”, destaca a KLM, explicando que está a “operar com cerca de 84% da sua capacidade na rede europeia”, uma vez que, “em muitos casos, o número de voos para destinos europeus ainda está um pouco abaixo dos números pré-COVID-19”.

“Mesmo assim, a companhia aérea está a servir, uma vez mais, as principais cidades da Europa, incluindo Berlim, Londres, Munique e Paris, pelo menos cinco vezes por dia. Isso torna o programa de inverno da KLM, com mais voos do que no verão, atrativo para um número crescente de passageiros executivos europeus. Ao aumentar o número de voos na Europa, a KLM vai ser, uma vez mais, capaz de conectar muitos locais europeus através de Amesterdão-Schiphol”, explica a transportadora.

A nível intercontinental, a KLM diz que já retomou “os serviços operacionais para quase toda a sua rede pré-COVID (à exceção de um destino)” e explica que “os voos intercontinentais vão operar com cerca de 75% da capacidade este inverno face ao inverno de 2019”.

Entre os destaques da KLM para o inverno a nível intercontinental encontram-se os EUA, que voltam a permitir a entrada de visitantes internacionais vacinados contra a COVID-19 a 8 de novembro e onde a KLM conta expandir a sua capacidade para vários destinos.

“O número de frequências para Atlanta, por exemplo, quase que duplica para 12 voos/semana, e haverá 11 voos semanais para Nova Iorque-JFK este inverno. A KLM servirá ainda Las Vegas e Miami este inverno, ambos três vezes/semana. O serviço de Mineápolis, retomado no verão, também continua no inverno com três voos semanais”, revela a companhia aérea.

Além dos EUA, a KLM vai também aumentar a oferta para as Caraíbas, uma vez que, indica a companhia, tem vindo a notar, desde o verão, “um forte aumento da procura por viagens para a parte caribenha do Reino dos Países Baixos”.

Neste sentido, a KLM vai duplicar o número de voos para Curaçao, para 14 voos por semana, e aumentar a capacidade diária na rota para Aruba e Bonaire, com a introdução de um Boeing 777-300ER, o seu maior avião de passageiros, sendo que, para responder à procura prevista para as férias de Natal, está ainda a planear três voos semanais adicionais, elevando o número total de voos semanais para Aruba e Bonaire para dez até ao final do ano.

Na América do Sul, onde a KLM diz que também está a sentir “sinais de recuperação”, vao existir quatro voos semanais para San José e Libéria, na Costa Rica, (face aos dois o inverno passado) e voos diários para a Cidade do Panamá, enquanto a rota para Paramaribo (Suriname) vai aumentar para quatro voos semanais, quando no inverno passado apenas existia um voo por semana devido às restrições associadas à pandemia.

Já o serviço regular mais longo da rede da KLM, sem escalas a partir de Amesterdão para Santiago do Chile, prossegue este inverno com três voos semanais.

No inverno, a KLM vai ainda abrir voos para Mombaça, Cancún, Port of Spain e Bridgetown, com os voos para Cancun a começarem a 2 de novembro, com cinco ligações por semana, durante o período de Natal, o que vai elevar para 12 o número total de voos semanais da KLM para o México.

Já o primeiro voo (combinado) para Port of Spain, em Trinidad e Tobago, e Bridgetown, em Barbados, descolou a 16 de outubro e vai operar três vezes por semana, enquanto o serviço programado para Mombaça, no Quénia, deverá arrancar no início de dezembro, estando a KLM atualmente em processo de obtenção das licenças de voo necessárias junto das autoridades quenianas.

A rede asiática da companhia aérea, por outro lado, continua “dificultada pelas restrições de viagens” e regista, por isso, uma procura “inferior à de outras regiões”, ainda que o transporte de carga de/para a Ásia continue em alta, o que permite à KLM “continuar a servir muitos de seus destinos este inverno”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Artigos relacionados
Transportes

Costa confirma que há companhias aéreas interessadas em adquirir 50% do capital da TAP

O futuro da TAP foi um dos temas em destaque no debate que opôs António Costa e Rui Rio esta quinta-feira, 13 de janeiro, no âmbito das eleições legislativas de 30 de janeiro.

O primeiro-ministro e secretário-geral do Partido Socialista (PS), António Costa, confirmou esta quinta-feira, 13 de janeiro, que “há, felizmente, já outras companhias interessadas em adquirir” 50% do capital da TAP, que o Estado pretende alienar depois da reestruturação.

“A companhia estará em condições de, assim que possível, podermos alienar 50% do capital e há, felizmente, já outras companhias interessadas em adquirir”, afirmou António Costa, num debate com Rui Rio, presidente do Partido Social Democrata (PSD), no âmbito das eleições legislativas do próximo dia 30 de janeiro.

Confirmando que o Estado não vai injetar mais dinheiro na TAP, uma vez que “essa foi a garantia dada pela Comissão Europeia, que escrutinou o processo e reconheceu a viabilidade do plano de reestruturação”, António Costa confirmou que existem interessados em ficar com metade da companhia aérea nacional e aproveitou para garantir que não há razões para duvidar do sucesso do plano já aprovado por Bruxelas.

Já Rui Rio, que se mostrou muito crítico da forma como o atual governo conduziu o processo de nacionalização e reestruturação da transportadora, garantiu que, se for eleito primeiro-ministro, a TAP é para privatizar “o mais depressa possível” e acusou a companhia aérea de prestar um serviço “absolutamente indecente”.

“Não é amanhã, porque se não vende mal, não vou vender mal, mas isto não é sustentável, não é sério nem é competente”, criticou, dizendo que foram investidos na empresa 3,3 mil milhões de euros ,quando a receita anual do IRC no país é de 5,5 mil milhões.

Rio acusou a empresa de prestar um serviço “absolutamente indecente” até no aeroporto de Lisboa e de “não ligar nada ao resto do país”, dando como exemplo um voo Madrid – São Francisco, nos EUA, com escala em Lisboa, que custa “a um espanhol 190 euros”, enquanto os portugueses que apanhem o mesmo avião em Lisboa pagam 697 euros.

“É companhia de bandeira, mas é companhia de bandeira espanhola ou de outro país qualquer, isto é revoltante, isto é inadmissível”, criticou o presidente do PSD, defendendo que “a TAP não deveria ter sido nacionalizada”.

Já António Costa frisou que, se o Estado não tivesse readquirido 50% do capital da transportadora aérea nacional, a TAP teria “ido para o buraco”, uma vez que as várias empresas do acionista privado David Neeleman estavam a ir à falência.

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Transportes

Procura internacional animou viagens aéreas em novembro de 2021

Dados ainda não refletem o impacto da variante Ómicron que, segundo a IATA, levou a novas restrições e a um arranque de 2022 “mais difícil do que o esperado”.

Inês de Matos

As viagens aéreas conheceram uma recuperação em novembro de 2021 devido ao aumento da procura internacional, que cresceu face a outubro, ainda que se continuem a manter quebras significativas face ao período pré-pandemia e que se esperem novas descidas em dezembro por causa da variante Ómicron, alerta a IATA – Associação Internacional de Transporte Aéreo, que divulgou quarta-feira, 12 de janeiro, os dados relativos ao transporte aéreo de novembro do ano passado.

Em novembro de 2021, a procura global por viagens aéreas desceu 47% face a igual mês de 2019, valor que, segundo a IATA, representa “um aumento em comparação com a contração de 48,9% de outubro”, e que traduz diferentes comportamentos da procura doméstica e internacional.

De acordo com os dados da IATA, as viagens domésticas “deterioraram-se ligeiramente” e a procura caiu 24,9% em novembro, depois de, no mês anterior, ter apresentado uma descida de 21,3%, o que se deveu essencialmente ao mercado chinês, que apresentou uma queda de 50,9% no tráfego, na sequência de várias cidades terem introduzido “restrições de viagem mais rígidas para conter surtos de COVID (pré-Omicron)”.

Já a procura internacional por viagens aéreas ficou 60,5% abaixo de novembro de 2019, o que representa uma melhoria face ao decréscimo de 64,8% que tinha sido registado em outubro do ano passado.

“A recuperação do tráfego aéreo continuou em novembro. Infelizmente, os governos reagiram exageradamente ao surgimento da variante Ómicron no final do mês e recorreram aos métodos testados e fracassados ​​de encerramento de fronteiras, testes excessivos de viajantes e quarentenas para retardar a propagação”, afirma Willie Walsh, diretor geral da IATA, que alerta para o impacto destas restrições no final de 2021 e arranque de 2022.

“De forma pouco surpreendente, as vendas internacionais de viagens aéreas realizadas em dezembro e início de janeiro caíram acentuadamente em relação a 2019, sugerindo um primeiro trimestre mais difícil do que o esperado”, acrescenta o responsável.

Por regiões, foi na Ásia-Pacífico que o tráfego aéreo de passageiros mais desceu, numa contração que chegou aos 89.5% face a novembro de 2019, ainda assim melhor do que a descida de 92.0% de outubro. Já a capacidade caiu 80.0% e o load factor desceu 37,8 pontos percentuais, fixando-se nos 42,2%, o mais baixo de todas as regiões.

Em África, a descida no tráfego chegou aos 56.8% em novembro, também com uma melhoria face à quebra de 59.8% de outubro. A capacidade em África desceu 49.6% e o load factor diminuiu 10,1 pontos percentuais, para 60.3%.

No Médio Oriente, a descida do tráfego aéreo foi de 54.4% em novembro, igualmente melhor do que a descida de 60.9% identificada em outubro. Já a capacidade ficou 45.5% abaixo de novembro de 2019 e o load factor baixou 11,9 pontos percentuais, para 61.3%.

Na América Latina, a descida do tráfego aéreo chegou aos 47.2%, o que também representa uma recuperação face à descida de 54.6% de outubro, enquanto a capacidade caiu 46.6% e o load factor apresentou uma descida de 0,9 pontos percentuais, fixando-se nos 81,3%, o mais alto entre todas as regiões do mundo pelo 14.º mês consecutivo.

Na América do Norte, o tráfego aéreo desceu 44.8%, o que indica mais uma vez uma recuperação em comparação com a descida de 56.7% de outubro. Já a capacidade desceu 35.6% e o load factor apresentou um decréscimo de 11.6 pontos percentuais, situando-se nos 69.6%.

A Europa foi, por sua vez, a região do mundo onde o tráfego aéreo menos desceu em novembro, numa quebra que se situou nos 43.7%, valor que, segundo a IATA, também representa uma melhoria face a outubro, quando a descida tinha sido de 49.4%. Já a capacidade na Europa apresentou uma quebra de  36.3% e o load factor desceu 9.7 pontos percentuais, para 74.3%.

 

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Transportes

Azul ajusta voos domésticos até 31 de janeiro devido à Ómicron

A Azul vai reduzir os voos domésticos no Brasil entre 15 e 31 de janeiro, devido ao impacto da COVID-19/Influenza.

Publituris

A Azul anunciou que, até 31 de janeiro, vai efetuar uma “redução da malha aérea doméstica”, devido ao impacto da COVID-19/Influenza, informa a companhia aérea brasileira num comunicado divulgado esta quarta-feira, 12 de janeiro.

A redução de voos domésticos acontece já a partir de sábado, dia 15 de janeiro, com a companhia aérea a informar os agentes de viagens que podem consultar as reservas dos seus clientes que vão viajar no período abrangido pela redução através do site www.voeazul.com.br.

“Caso tenha algum cliente impactado, é autorizada a remarcação sem custos em voos AD na data/voo mais próximo ao original ou então o reembolso integral”, acrescenta a companhia aérea brasileira em comunicado.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Voos comerciais na UE aumentam no final de 2021, mas ficam 24% abaixo de 2019

Os voos comerciais registaram uma recuperação no último mês de 2021, embora continue abaixo dos níveis de 2019. Em dezembro de 2021, Portugal ficou 13,9% abaixo do mesmo mês de 2019.

Victor Jorge

De acordo com os dados mais recentes do Eurostat, em dezembro de 2021, o número de voos comerciais na União Europeia (UE) aumentou 130% em relação a dezembro de 2020. No entanto, está, ainda, abaixo dos níveis pré-pandemia (-24% em relação a dezembro de 2019).

Em termos absolutos, o número de voos comerciais totalizou 383.720 em dezembro de 2021, que compara com 166.990 em dezembro de 2020 e 504.270 em dezembro de 2019.

O setor de transporte aéreo tem vindo a registar uma recuperação, embora lenta, ao longo de 2021. Embora os primeiros meses de 2021 não tenham mostrado sinais de recuperação, com os meses de janeiro (-68% em relação ao mesmo mês de 2019), fevereiro (-73%), março (-71%) e abril (-70%), a situação começou a mudar em maio (-67%), junho (-54%) e agosto (-31%). Setembro teve uma pequena queda (-33%), mas outubro (-30%), novembro (-26%) e dezembro (-24%) aproximaram-se dos números pré-pandemia até agora.

Os países da UE com os menores decréscimos nos voos comerciais em dezembro de 2021 foram a Croácia (-6% em comparação com dezembro de 2019), Grécia (-8%) e Chipre (-9%).

Portugal registou uma quebra, segundo informação do Eurostat, de 13,9%, em dezembro de 2021 quando comparado com o mesmo mês do ano 2019.

Em contraste, os voos diminuíram mais de 40% na República Checa e na Áustria (ambos -41%), enquanto os restantes países registaram quebras abaixo dos 30%.

Globalmente, na comparação de 2019 com 2021, o país que mais sinais de recuperação em termos de número de voos comerciais foi a Grécia (-29%), seguido de Chipre (-38%) e Luxemburgo (-39%). Por outro lado, a Irlanda apresentou os menores sinais de recuperação (-64%), seguida da Eslovénia e da República Checa (ambas -62%).

Além disso, alguns aeroportos da UE registaram aumentos no número de voos comerciais em comparação com 2019. Os maiores aumentos no número de voos comerciais foram registados em Berlim Brandeburgo (+13.521, +16%), Liège (+6.972, +21%) e Paris Le Bourget (+2.715, +8%). No outro extremo da escala, os maiores decréscimos no número de voos comerciais foram registados nos principais centros de transporte aéreo europeus: Munique (-261.020, -64%), Frankfurt/Main (-250.712, -49%) e Paris Charles de Gaulle (-247.959, -50%).

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Transportes

LATAM é ouro em pontualidade

A distinção de companhia aérea mais pontual do mundo, o ano passado, foi atribuída ao grupo LATAM, pelo Official Airline Guide (OAG).

Publituris

A LATAM foi reconhecida pelo Official Airline Guide (OAG) como o grupo de aviação mais pontual do mundo em 2021, na categoria “Mega Airlines”.

O relatório da consultora internacional especialista na indústria da aviação considera as companhias com o mais alto índice de cumprimento do indicador OTP (On-time-performance) entre janeiro e dezembro do ano passado.

A lista reúne as vinte maiores companhias aéreas do mundo (por número de voos regulares) categorizadas como “Mega Airlines”, das quais emerge uma classificação final das 10 maiores.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

TAP encerra operações de manutenção e engenharia no Brasil 

A decisão estava tomada, depois da Comissão Europeia ter aprovado o plano de reestruturação da TAP e a ajuda estatal de 2.550 milhões de euros, tendo imposto, contudo, condições, incluindo a separação dos ativos não-essenciais, nomeadamente, o negócio de manutenção no Brasil.

Publituris

O Grupo TAP decidiu encerrar as operações de Manutenção e Engenharia Brasil (TAP ME), como parte do plano de reestruturação aprovado por Bruxelas em dezembro.

Em comunicado, a companhia aérea nacional refere que, “a medida não interfere na operação de transporte aéreo de passageiros da companhia no país, seu principal mercado exterior”.

O Brasil representa entre 25% e 30% da receita da TAP, que continua a aumentar a oferta naquele mercado, com presença em 11 capitais e expectativa de expansão dos voos semanais.

À Lusa, Christine Ourmières-Widener, presidente executiva da companhia aérea, anunciou que, “depois de uma análise aprofundada e muitos estudos, a TAP decidiu fechar a Manutenção & Engenharia no Brasil e encerrar de forma gradual a operação no Brasil e hoje vamos discutir com os trabalhadores, claro, que são a principal prioridade, mas também discutir com os nossos clientes”.

Em comunicado, a TAP revela que “os serviços de manutenção referentes a aeronaves já contratados e/ou em andamento serão realizados normalmente, de acordo com os contratos entre a TAP ME e seus clientes”.

Além disso, a TAP ME “não aceitará novos pedidos para prestação de serviços de manutenção”, concluindo ainda que, “somente depois da conclusão dos serviços de manutenção em andamento ou daqueles já contratados é que a TAP ME encerrará suas atividades”.

Em entrevista à Lusa, Christine Ourmières-Widener disse que encerrar o negócio de engenharia e manutenção no Brasil “não é uma decisão fácil”, porque envolve 500 trabalhadores, mas foi tomada após tentativas falhadas de venda.

“Não é uma decisão fácil, porque estamos a falar de pessoas, mas estamos a tentar fazer tudo para garantir que esta decisão e a sua implementação é feita respeitando os nossos trabalhadores, a experiência que eles têm em engenharia e toda a lealdade que têm para com a companhia”, afirmou.

Segundo a responsável, a Manutenção & Engenharia Brasil (ex-VEM – Varig Engenharia e Manutenção) tem atualmente 500 trabalhadores, após várias reestruturações que incluíram despedimentos, dos quais pouco menos de 400 estão no ativo.

Alvo de várias reestruturações com despedimentos, a última das quais em 2018, a M&E Brasil recebeu da TAP, globalmente, entre 2010 e 2017, injeções financeiras num total de 538 milhões de euros, a valores nominais, sendo que em 2018 foram feitas transferências de 30 milhões de euros.

Recorde-se que a Comissão Europeia informou em 21 de dezembro que aprovou o plano de reestruturação da TAP e a ajuda estatal de 2.550 milhões de euros, mas impôs condições, incluindo a separação dos ativos não-essenciais, nomeadamente o negócio de manutenção no Brasil, e os de ‘catering’ (Cateringpor) e de ‘handling’ (Groundforce).

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Movimento de passageiros no aeroporto de Munique aumenta 12% em 2021

Depois dos números de 2021, os responsáveis pelo aeroporto de Munique (Alemanha) admitem um ano de 2022 melhor, até porque “as pessoas querem viajar novamente”.

Victor Jorge

O número de passageiros no aeroporto de Munique, em 2021, aumentou mais de 12% para cerca de 12,5 milhões, em comparação com o ano de 2020, indicado a administração da infraestrutura que, só no segundo trimestre do ano passado, movimentaram-se 10,3 milhões de pessoas. Em termos de valor global, o aumento foi de 1,4 milhões de passageiros face a 2020.

No que toca ao movimento de aeronaves, a administração do aeroporto de Munique revela que aumentou 4% em descolagens e aterragens face a 2020.

“Os números de tráfego de 2021 para o aeroporto de Munique são ainda fortemente marcados pelos efeitos da pandemia de COVID-19”. Em comunicado, a administração refere que, “se o aumento face a 2020 foi superior a 12% e 1,4 milhão, esse volume de passageiros representa apenas um pouco mais de um quarto dos resultados recordes do aeroporto para 2019 antes da pandemia”.

Certo é que os responsáveis pelo aeroporto notam “uma tendência positiva no tráfego ao longo de 2021”. A procura foi significativamente mais alta no segundo semestre, à medida que se deu a eliminação de muitas restrições às viagens internacionais. “Enquanto apenas 2,2 milhões de passageiros foram contados no aeroporto de Munique nos primeiros seis meses, o segundo semestre do ano registou um tráfego de 10,3 milhões de viajantes. Somente em outubro de 2021, mês de maior tráfego, o aeroporto registou o mesmo número de passageiros de todo o primeiro semestre do ano”, salientam os responsáveis do aeroporto.

Jost Lammers, CEO do aeroporto de Munique, admite que, assim que a situação da pandemia permitir, “as pessoas querem viajar novamente”. Lammers diz ainda que. “mesmo que as próximas semanas ainda sejam desafiadoras, considerando o impacto antecipado da variante Ómicron, vemos excelentes perspetivas para outro aumento considerável nos voos e na procura de passageiros na programação de voos do verão”.

Uma indicação da rapidez com que o tráfego aéreo pode recuperar, após a eliminação das restrições de viagem, também pode ser vista comparando os resultados de dezembro de 2020 e 2021: enquanto apenas 245.000 passageiros foram contados em Munique em dezembro de 2020, esse número já era mais de seis vezes maior em 1,5 milhão de passageiros um ano depois. Um total de aproximadamente 153.000 decolagens e aterragens ocorreram em 2021. Isso representa um aumento de 6.000 movimentos de aeronaves em mais de 4% em relação ao ano anterior.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Transportes

Companhias aéreas norte-americanas acusam China de bloquear voos

Com os casos na China a aumentar exponencialmente com milhões de pessoas confinadas, duas companhias aéreas norte-americanas acusam as autoridades chinesas de bloquear voos para o país.

Publituris

A American Airlines e a United Airlines revelaram que os reguladores chineses bloquearam a entrada de voos no país, numa altura em que o país de XI Jinping procura aumentar as precauções contra a propagação do novo coronavírus.

Antes desta decisão, a American e a Delta operavam dois voos semanais para a China, enquanto a United realizava quatro voos por semana.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Resultados da American Airlines acima das expectativas

Os resultados trimestrais da companhia aérea norte-americana superaram as estimativas iniciais, embora as perdas se mantenham.

Victor Jorge

Os dados preliminares indicam que American Airlines deverá superar as estimativas do mercado referente às vendas no 4.º trimestre de 2021.

As vendas da companhia aérea norte-americana deverão ascender a 9,4 mil milhões de dólares (cerca de 8,3 mil milhões de euros), quando as perspetivas apontavam para 9.120 milhões de dólares, ou seja, pouco mais de 8.000 milhões de euros.

O custo de cada lugar por milha (CASM) deverá ter aumentado 14% face a 2019, o valor mais elevado do que as estimativas da companhia aérea norte americana que apontava para um crescimento entre os 8 e os 10%.

A empresa antecipa, além disso, perdas antes de impostos entre 1,17 e 1,24 mil milhões de dólares.

Os resultados completos serão revelados no dia 20 de janeiro.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Transportes

Ryanair diz ter “solução” para o problema dos “voos fantasma” da Lufthansa

A corrida aos ‘slots’ nos diversos aeroportos mundiais é um dos problemas que as companhias aéreas enfrentam. Contudo, a Ryanair diz ter solução, por exemplo, para os 18.000 “voos fantasma” que a Lufthansa diz ter de fazer para preservar esses mesmos ‘slots’.

Victor Jorge

Depois de a Lufthansa ter afirmado que efetuava 18.000 voos “desnecessários” para preservar os ‘slots’ nos aeroportos em todo o mundo, mostrando-se o CEO do Grupo Lufthansa especialmente crítico em relação às regulamentações da União Europeia, já que esta situação “prejudica o clima e é exatamente o oposto do que a Comissão Europeia deseja alcançar”, a Ryanair vem agora propor a resolução desse problema da companhia aérea alemã.

Apelando à Comissão Europeia que ignore as falsas alegações da Lufthansa sobre a operação de “voos fantasma”, apenas para que possa “bloquear” os seus ‘slots’ e proteger-se da concorrência das companhias aéreas low-cost, a companhia liderada por Michael O’Leary é perentório na solução: “a Lufthansa deveria vender lugares a tarifas baixas e recompensar os consumidores da UE, muitos dos quais responsáveis por financiar 12 mil milhões de euros de auxílios estatais que a Lufthansa e as suas filiais na Bélgica, Áustria e Suíça já receberam dos contribuintes durante os últimos dois anos de pandemia”.

Lufthansa

No entender da Ryanair, a Lufthansa “queixa-se” dos “voos fantasma”, “não devido a preocupações com o meio ambiente, mas sim para que possa proteger os seus ‘slots’ (que não estão a utilizar), ao mesmo tempo que elimina a concorrência e a escolha do consumidor”.

Michael O’Leary, CEO do grupo Ryanair, afirma, em comunicado, que “se a Lufthansa precisa realmente de operar estes voos (apenas para evitar a libertação de ‘slots’ para as companhias aéreas concorrentes), então deveria ser-lhes exigido que vendam estes lugares ao público a tarifas baixas”.

O’Leary, que tem sido bastante crítico das ajudas que os diversos governos têm dados às companhias aéreas, deslocando-se a Lisboa com muita frequência, concluiu que a Lufthansa “adora chorar lágrimas de crocodilo sobre o ambiente quando faz tudo ao seu alcance para proteger os seus ‘’slots”. E acusa o grupo alemão de “bloquear a concorrência e limitar a escolha em grandes aeroportos centrais como Frankfurt, Bruxelas Zaventem, Viena, entre outros”.

“Se a Lufthansa não quer operar ‘voos fantasma’ para proteger os seus ‘slots’, então basta vender estes lugares a tarifas baixas e ajudar a acelerar a recuperação das viagens aéreas de curta e longa distância de e para a Europa”, diz O’Leary.

Entretanto, a Ryanair apela novamente à Comissão Europeia para forçar a Lufthansa e outras companhias aéreas subsidiadas pelo Estado a libertarem ‘slots’ que não desejam utilizar, para que “os ‘Ghostbusters’ de tarifas baixas como a Ryanair, entre outros, possam oferecer escolha, concorrência, e tarifas mais baixas em aeroportos centrais”.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos

Toda a informação sobre o sector do turismo, à distância de um clique.

Assine agora a newsletter e receba diariamente as principais notícias do Turismo. É gratuito e não demora mais do que 15 segundos.

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.