Assine já
Quarto Fotos de banco de imagens por Vecteezy
Alojamento

Alojamento Local em Lisboa e Porto perde milhares de reservas diárias com pandemia

A perda de 2.000 e 5.200 reservas diárias nas cidade do Porto e Lisboa, respetivamente, durante a pandemia, fizeram com que, em valor, as receitas caíssem cerca de 136 milhões de euros nas duas cidades.

Victor Jorge
Quarto Fotos de banco de imagens por Vecteezy
Alojamento

Alojamento Local em Lisboa e Porto perde milhares de reservas diárias com pandemia

A perda de 2.000 e 5.200 reservas diárias nas cidade do Porto e Lisboa, respetivamente, durante a pandemia, fizeram com que, em valor, as receitas caíssem cerca de 136 milhões de euros nas duas cidades.

Victor Jorge
Sobre o autor
Victor Jorge
Artigos relacionados
Alojamento local em Lisboa e Porto perde 7.800 unidades devido à pandemia
Sem categoria
Quarto Fotos de banco de imagens por Vecteezy
Sul de Portugal mantém-se com maior potencial de receitas no verão no AL
Alojamento
2.º confinamento faz Alojamento Local cair 70% face ao 1.º ‘fecho’ 
Alojamento
Quarto Fotos de banco de imagens por Vecteezy
Alojamento Local recupera em maio, mas mantém ocupação muito baixa
Alojamento
Quarto Fotos de banco de imagens por Vecteezy

A COVID-19 impactou fortemente o setor do Alojamento Local (AL) nas duas principais cidades de Portugal, indicando um recente estudo da Nova SBE que no Porto e Lisboa se perderam uma média de 2.000 e 5.200 reservas diárias, respetivamente, desde a pandemia.

O estudo “Impact of Covid-19 on Tourism and Hospitality: Evidence From Airbnb”, sobre o impacto da COVID-19 nas estadias em Alojamento Local, compara a performance do Airbnb nas cidades de Lisboa e do Porto, entre os anos de 2019 e 2020, sob coordenação do professor Qiwei Han. Para o efeito, foram recolhidos dados históricos relevantes sobre o número de reservas, preços médios e receita para mais de 50.000 propriedades.

Além das perdas já indicadas, o estudo revela, igualmente, que, mesmo nos meses de verão de 2020 – época alta turística em Portugal – o número de reservas não conseguiu atingir o nível do ano anterior, balizado entre as 13.611 (Lisboa) e 5.839 (Porto) reservas diárias registadas em 2019.

No que diz respeito à taxa de ocupação por freguesias nas cidades de Lisboa e Porto, o estudo indica uma quebra média de 28% para a capital e 25% para a “Invicta”, salientando ainda que as zonas mais centrais das respetivas cidades foram as mais afetadas devido à falta de turistas.

O estudo aponta que, durante a pandemia, “o número de reservas foi negativamente correlacionado com o nível de rigidez das medidas de contenção à pandemia, ou seja, quanto mais rígidas as medidas do Governo, menos reservas eram realizadas”.

O estudo, desenvolvido no contexto do Nova SBE Data Science Knowledge Center, a partir de outubro de 2020, revela ainda que houve uma descida média de 4 euros nos preços das reservas, desde a pandemia.

Como resultado, e segundo o cálculo baseado na combinação de reservas e preços, as receitas do Airbnb nas cidades de Lisboa e do Porto apresentam um padrão de perda semelhante.

Desta forma, o estudo estima uma perda de receitas superior a 113 milhões de euros para a cidade de Lisboa, no ano de 2020, enquanto para a cidade do Porto, a perda total de receitas é estimada em 23 milhões de euros para o mesmo ano.

Além da perda de receitas do Alojamento Local, também os municípios de Lisboa e Porto sofreram uma grave perda na cobrança do imposto de ocupação. Se a perda na receita fiscal está calculada em um milhão de euros, em 2020, para a cidade do Porto, o valor sobe quando analisada a cidade de Lisboa, estimando-se em -2,8 milhões de euros, no ano passado.

 

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Artigos relacionados
Hotelaria

Grupo Solverde assinala as bodas de ouro com presença de Marcelo Rebelo de Sousa

O Grupo Solverde assinala o seu 50º aniversário no próximo dia 4 de novembro com a presença do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, num cocktail que terá lugar no Hotel Solverde Spa & Wellnes Center, em Vila Nova de Gaia, Praia da Granja.

Publituris

Refira-se que ao longo de 50 anos de atividade, a Solverde “tem vindo a contribuir de forma inequívoca para a promoção do país, na dinamização do Turismo, criação de postos de trabalho e na valorização da identidade e cultura das regiões onde opera, através de uma forte aposta na produção de eventos e espetáculos, nacionais e internacionais, e proporcionando experiências únicas nas áreas do jogo, hotelaria e lazer”, conforme indica o grupo, que nasceu em Espinho, pelas mãos de Manuel Oliveira Violas.

O Grupo Solverde detém a concessão de jogo do Casino Espinho, inaugurado em 1974, dos três casinos do Algarve – Vilamoura, Monte Gordo e Praia da Rocha, em funcionamento desde 1996, e do Casino de Chaves que abriu portas em 2008.

Na indústria hoteleira, o grupo liderado atualmente pelos irmãos Manuel e Celeste Violas, possui, desde 1984, o Hotel Apartamento Solverde de quatro estrelas em Espinho, o Hotel Solverde Spa & Wellness Center, de cinco estrelas em Gaia, desde 1989, o Hotel Algarve Casino cinco estrelas) na Praia da Rocha desde 1997 e o Hotel Casino Chaves quatro estrelas) em Chaves, desde 2008. Em 2017 lançou a plataforma de jogo online solverde.pt.

A Solverde – Sociedade de Investimentos Turísticos da Costa Verde S.A é fundada, em abril de 1972  por Manuel de Oliveira Violas sob o título Solverde – Sociedade de Empreendimentos Costa Verde. Vocacionada para a área turística, surge com o intuito de conjugar lazer, animação, cultura, investimento e emprego.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Alojamento

Clever Hospitality Analytics lança novo módulo de análise personalizada para a hotelaria

O novo módulo de análise personalizada é independente da Plataforma Clever e permite a construção de tabelas e gráficos ajustados a cada negócio hoteleiro.

Publituris

A Clever Hospitality Analytics lançou o Clever Data Studio, um novo módulo de análise personalizada, que é independente da Plataforma Clever e que permite a construção de tabelas e gráficos ajustados a cada negócio hoteleiro.

De acordo com um comunicado da Clever Hospitality Analytics, o Clever Data Studio funciona numa lógica de “self-service” e “proporciona aos seus utilizadores
ferramentas avançadas que facilitam a criação de relatórios” com dados do
PMS e POS, para que o foco do negócio seja a “eficiência na tomada de decisões informadas e baseada nos dados recolhidos”.

“Compreendendo a dificuldade que os hoteleiros têm em conseguir soluções
para analisar detalhadamente apenas os indicadores que interessam para o crescimento do negócio hoteleiro, este módulo permite a criação de relatórios customizados, através da escolha de uma seleção de dimensões, indicadores e períodos a analisar”, explica a Clever Hospitality Analytics.

O novo módulo incorpora uma funcionalidade que permite converter diretamente os dados em gráficos, ferramenta que “possibilita a gravação de layouts para simplificar a localização dos mesmos e, ainda, a sua partilha entre colegas, em poucos cliques, para que cada equipa tenha acesso aos relatórios com relevância para a sua operação”.

“Estes relatórios personalizados são passíveis de serem verificados a qualquer momento e em qualquer lugar, para que os utilizadores da plataforma possam analisar os seus indicadores da maneira mais conveniente e completa possível”, acrescenta a Clever Hospitality Analytics.

De acordo com Luís Brites, CEO da Clever, “o Clever Data Studio vem revolucionar a análise de dados e métricas que qualquer gestor hoteleiro necessita”, de forma rápida e intuitiva, numa vantagem que, segundo o responsável, permite que os profissionais se dediquem a tarefas mais importantes.

“O uso de tecnologia deve servir a finalidade de libertar os «knowledge workers» das tarefas repetitivas e de pouco valor acrescentado, para que se dediquem a utilizar o seu talento na criação de valor nas suas organizações”, afirma Luís Brites.

Para que os hoteleiros possam experimentar o Clever Data Studio, a Clever Hospitality Analytics está a oferecer a primeira mensalidade aos utilizadores que se registem aqui.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Alojamento

W Algarve eleito melhor resort de luxo do sul da Europa

Os World Luxury Awards distinguem anualmente os melhores hotéis e resorts a nível e, este ano, foram entregues a 22 de outubro, numa cerimónia que decorreu em Antalya, na Turquia.

Publituris

O W Algarve foi eleito como melhor “Luxury Lifestyle Resort” do sul da Europa nos World Luxury Awards, prémios que distinguem anualmente os melhores hotéis e resorts e que, este ano, foram entregues a 22 de outubro, numa cerimónia que decorreu em Antalya, na Turquia.

“Muitos fatores desempenham um papel determinante na escolha do vencedor; marca, design, instalações únicas e satisfação geral dos convidados, que são refletidos nas votações recebidas durante o período de votação anual de três semanas”, afirma Jana Stoman, Executive Manager dos World Luxury Awards.

Situado no topo de uma falésia algarvia, o W Algarve apresenta um design sofisticado e marcante, com interiores coloridos que contam histórias, assumindo-se como o local perfeito para uma escapadinha no sul do país.

Recorde-se que os World Luxury Awards distingue anualmente os melhores Hotéis, Spas, Restaurantes e Estabelecimentos de Viagens com um serviço de excelência a nível mundial. Os prémios são entregues numa base nacional, regional, continental e global, e os vencedores são selecionados por votação pública online.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Alojamento

Dolce by Wyndham CampoReal Lisboa tem novo diretor de F&B

Ricardo Soares Ferreira é o novo diretor de F&B do Dolce by Wyndham CampoReal Lisboa, ficando responsável pela estratégia da área nos bares e restaurantes do hotel, e pelo serviço de banquetes para eventos e MICE.

Publituris

O Dolce by Wyndham CampoReal Lisboa anunciou esta quinta-feira, 27 de outubro, a contratação de Ricardo Soares Ferreira para diretor de Comidas & Bebidas (F&B), profissional que passa a ser responsável pelo “desenvolvimento da estratégia da área no que toca ao serviço dos quatro restaurantes e bares do hotel, assim como o serviço de banquetes para eventos de lazer e MICE”.

Num comunicado enviado à imprensa, a unidade hoteleira indica que, antes de chegar ao Dolce by Wyndham CampoReal Lisboa, Ricardo Soares Ferreira esteve cerca de oito anos em unidades da marca Tivoli Hotels & Resorts, onde foi, numa primeira fase, diretor do restaurante Hippopotamus, no hotel Tivoli Oriente Lisboa, passando, posteriormente, a diretor de F&B do mesmo hotel, liderando uma equipa de 80 pessoas.

Mais recentemente, Ricardo Soares Ferreira passou pelo grupo Marriot Hotels & Resorts, onde também exerceu o cargo de diretor de comidas e bebidas, acrescenta a informação divulgada.

O novo diretor de F&B do Dolce by Wyndham CampoReal Lisboa é formado pela Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril, conta com mais de 20 anos de experiência em gestão hoteleira, catering, consultoria, direção de F&B, e operacionalização em eventos.

Ricardo Soares Ferreira começou o seu percurso profissional no Hotel Vila Galé Estoril e, posteriormente, passou também pelo grupo Portugália e Areas Portugal, onde este sempre em funções de direção e coordenação.

Ricardo Soares Ferreira integrou ainda a gestão de F&B nas edições de 2012, 2014, 2016 e 2018 do festival Rock in Rio Lisboa, e mais recentemente do festival MEO Kalorama.

“O Dolce by Wyndham CampoReal Lisboa é um projeto simultaneamente desafiante e entusiasmante. Com a minha experiência, espero promover o desenvolvimento da qualidade do serviço de comidas e bebidas, principalmente no segmento de eventos e reuniões, onde a marca Dolce Hotels & Resort é já bastante reconhecida e onde o nosso objetivo de crescimento, enquanto propriedade, é mais ambicioso”, afirma o novo diretor de F&B do hotel, citado no comunicado divulgado.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Meeting Industry

Conferência Publituris Hotelaria: “Não há que ter medo da inovação porque ela vai acontecer à mesma”

Esta quinta-feira, 27 de outubro, a inovação no setor da hotelaria lançou o mote para uma sessão da Publituris Hotelaria na DecorHotel, em parceria com a Associação da Hotelaria de Portugal (AHP).

Carla Nunes

Os processos postos em prática pelos hotéis, principalmente durante o período inicial da pandemia, bem como o percurso que ainda falta percorrer nesta área, foram alguns dos pontos debatidos nesta sessão que juntou Rui Martins, CEO SmartLinks e responsável pelo Gabinete Digital da AHP; Jaime Quesado, economista e professor na Faculdade de Economia do Porto; Pedro Serra, diretor-geral de operações do The Editory Hotels; João Rodrigues, Technological Advisor e ex-Country Manager da Schneider Portugal e Miguel Velez, CEO da Unlock Boutique Hotels.

Começando pelos exemplos práticos, Pedro Serra afirma que o período da pandemia foi aproveitado para colocar em prática projetos que já tinham em mente, como o check-in automático, pagamentos contactless e robotização de alguns projetos, “mesmo no backoffice”: “Não é totalmente novo, mas nós não tínhamos”, admite.

Já na Unlock Boutique Hotels, Miguel Velez aponta para a conquista do selo Biosphere em todos os hotéis do grupo, conseguido através de, entre outras medidas, check-in online e concierges digitais.

“Nem sempre a inovação obriga a grandes investimentos financeiros. No nosso caso fizemos o ciclo completo de operações e experiência do cliente, todos os pontos de contacto, para ver onde poderíamos ser mais eficazes e eficientes. [Com base nisso] fizemos um manual para cada um dos hotéis, onde fomos tocando ponto a ponto onde é que poderíamos fazer melhor” explica Miguel Velez, afirmando que esta pode não ser “a inovação no modelo tradicional, mas é um processo contínuo”.

Sobre este assunto, Rui Martins afirmou que, de facto, é necessário “cada vez mais que os competidores de hotéis centralizem dados e extraiam deles padrões”, nos quais devem basear-se para tomar decisões.

“Existem silos de informação, mas depois não existe uma visibilidade sobre os dados, de forma que estes possam ser [utilizados] para tomar decisões. Isto é inovação para nós, mas de inovação não tem nada. É inovação para nós porque não a fazemos”, declara.

A inovação ao serviço dos recursos humanos do setor

Na sua intervenção, Rui Martins aponta ainda que a inovação “acontece muitas vezes por necessidade”. Aportando-se à questão da falta de recursos humanos “nos últimos anos no setor hoteleiro” – não só na “dificuldade de obter bons recursos”, como também em “mantê-los fidelizados” –, o responsável pelo Gabinete Digital da AHP relembra que “a digitalização e a transformação digital ajudam a compor essa necessidade”.

“Ao substituir pessoas por processos automatizados, permitimos que as pessoas façam o que fazem melhor, que é ligar-se a outras pessoas” afirma.

Sobre a possibilidade que a inovação tecnológica possa retirar trabalho no setor, o profissional deixa apenas uma questão: “Quando as pessoas deixaram de usar velas e passaram a usar lâmpadas houve uma transformação do setor, certo?”

Se “não é possível uma máquina transmitir uma emoção ao ser humano”, por outro lado, é possível “resolver problemas de processos que são contínuos, permitindo que essas pessoas sejam desviadas para funções muito mais impactantes” – razão pela qual aponta que “enquanto uma máquina não conseguir causar sentimentos e mostrar empatia, não há nenhum processo de automação que nos possa substituir”.

“Não há que ter medo da inovação. É absolutamente incorreto e desnecessário, porque ela vai acontecer à mesma”, afinca.

Os passos para o futuro

Numa nota final, os intervenientes apontam processos de inovação que ainda estão em falta na hotelaria. Se para Jaime Quesado é “muito importante” criar expetativas em relação ao cliente, apostando no customer experience, para Miguel Velez “é fundamental trazer a escala” para os hotéis.

“[É necessário] transportar a inovação para os hotéis independentes, pequenos, que [caracterizam] a maior parte dos hotéis em Portugal. Praticamente um terço são hotéis de cadeia, dois terços são hotéis independentes. É a mesma história que é no vinho e noutros setores que estavam muito disseminados e foi necessário juntar para ganhar dimensão”, explica o CEO da Unlock Boutique Hotels.

Já Rui Martins é da opinião de que “sem uma boa experiência para o hóspede e centralização de dados, é muito difícil para um hotel sobreviver”, acrescentando ainda que as unidades têm de apostar na diferenciação, em serem únicas, oferecendo algo que só se possa encontrar ali – dando, para isso, o exemplo do H2otel, em Unhais da Serra.

“As pessoas estão dispostas a ir se a experiência for satisfatória”, defende.

Também João Rodrigues partilha da mesma opinião no que respeita à diferenciação dos hotéis, explicando que estes devem “identificar no seu business plan o que tem de ser feito e fazê-lo”. Por fim, Pedro Serra aponta que a inovação no setor passa pela preocupação com a “pegada que os hotéis deixam no sítio em que estão”.

Sobre o autorCarla Nunes

Carla Nunes

Mais artigos
Alojamento

Gondomar terá hotel e empreendimento de luxo no valor de 85 milhões de euros

O projeto da Horizonte Urbano Group “Porto Douro Marina & Villas” contempla a construção de um hotel de cinco estrelas, 90 villas e a ampliação da Marina de Angra do Douro.

Publituris

A Horizonte Urbano Group, empresa portuguesa de construção, reabilitação e promoção imobiliária, vai investir 85 milhões de euros na construção do empreendimento “Porto Douro Marina & Villas”. O investimento contempla ainda a compra da Nordzee Náutica, empresa que atualmente explora a Marina Angra do Douro.

Localizado no concelho de Gondomar, nas margens do Rio Douro, a área de obra inclui 213 mil metros quadrados a montante da barragem Crestuma-Lever. É neste local que se prevê a construção de um hotel de cinco estrelas com 120 quartos, salas de conferência, spa e piscinas, bem como a edificação de 90 villas, com áreas de construção entre os 250 e 500 metros quadrados, “caracterizadas por uma arquitetura contemporânea e acabamentos de luxo”, como se pode ler em comunicado.

Do plano fazem ainda parte a gestão e exploração da Marina de Angra do Douro, bem como o aumento da sua capacidade de ancoragem em 40% − de 300 para 500 embarcações −, pelo que a Horizonte Urbano acaba de formalizar a aquisição da Nordzee Náutica, empresa gestora da Marina.

A empresa prevê que as obras de urbanização estejam concluídas no primeiro semestre de 2023, apontando que a construção do hotel e das villas será desenvolvida num período de 36 meses.

A 15 minutos do Porto e com ligação direta às principais vias de comunicação de entrada e saída da cidade, a Horizonte Urbano Group considera que “o empreendimento se constitui como um grande atrativo para as famílias”.

“O projeto surge como uma excelente solução para quem quer viver fora dos grandes centros urbanos, mas dentro de um perímetro razoável, que permita aceder de forma rápida à oferta de produtos, serviços e cultura. Acreditamos que cada vez mais as pessoas procuram um tipo de vida tranquilo, em maior contacto com a natureza e rodeadas por uma bela paisagem. E a nossa oferta é, sem dúvida, uma resposta para esta nova postura de vida”, explica Nuno Esteves, CEO da Horizonte Urbano.

Para além da criação de emprego qualificado e outros benefícios para a comunidade em que se insere, esta construção trará inevitavelmente uma valorização ao local e à região e um natural aumento do turismo, dada a proximidade à cidade do Porto e à sua localização estratégica na rota da região do Douro.

Em comunicado, a empresa enumera ainda alguns exemplos de construção sustentável a que este plano obedece, como a integração do projeto com o meio ambiente; a preservação das características naturais do lugar e das espécies nativas; a utilização de materiais sustentáveis; a colocação de painéis fotovoltaicos e de vidros com proteção solar; as coberturas ajardinadas e a criação de amplas áreas verdes utilizáveis.

“Não há outra forma de estar hoje neste setor. A sustentabilidade, juntamente com a inovação, o profissionalismo e a dedicação, faz parte integrante do ADN da Horizonte Urbano e é um dos valores que mais preservamos”, refere Nuno Esteves.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Hotelaria

Nuno Constantino é o próximo convidado da “Be Our Guest” da ADHP

A quinta conversa online da ADHP terá como tema “Hoteleiro depois dos 40” e contará com moderação de Nuno Leandro, diretor hoteleiro e dirigente da associação.

Publituris

A quinta conversa “Be Our Guest”, promovida pela ADHP – Associação dos Diretores de Hotéis de Portugal, decorre já na próxima segunda-feira, 31 de outubro, às 19h00, na plataforma online Zoom.

Sob o tema “Hoteleiro depois dos 40”, a sessão conta com a presença de Nuno Constantino, empreendedor hoteleiro e consultor na área do turismo há mais de 20 anos, atualmente encarregue do projeto WOTELS HUB. A moderação ficará a cargo de Nuno Leandro, dirigente da ADHP e diretor-geral do MS Aparthotel do grupo My Story Hotels.

As inscrições, gratuitas e limitadas, encontram-se abertas e devem ser efetuadas através de um formulário online.

“O Be Our Guest avança para a quinta conversa, desta vez com Nuno Constantino, que não teve medo de arriscar, que acreditou na sua autonomia e em novos projetos. Esperamos uma reflexão extremamente valiosa, depois de tanto tempo a liderar grandes equipas, sobre temas como o desafio da mudança, a reinvenção e a realização profissional. E uma partilha de conhecimentos entre todos os presentes, que é a base desta iniciativa da ADHP”, refere Patrícia Correia, dirigente da ADHP responsável pelo projeto “Be Our Guest”.

A conversa deste mês tem o patrocínio da e-GDS Global Distribution Solutions.

O projeto da ADHP – Associação dos Diretores de Hotéis de Portugal promove conversas informais com diretores de hotéis e nomes de referência no turismo sobre as suas experiências profissionais, a hotelaria e o setor turístico. As conversas decorrem sempre nas últimas segundas-feiras de cada mês, às 19h00.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

premio-corpo-santo-hotel

Hotelaria

Corpo Santo Lisbon Historical Hotel distinguido pelos World Luxury Hotel Awards 2022

O prémio foi entregue este fim de semana numa cerimónia decorreu em Antalya, na Turquia.

Publituris

O Corpo Santo Lisbon Historical Hotel foi distinguido este fim de semana com o prémio Luxury Cultural Hotel – Global Winner pelos World Luxury Hotel Awards 2022, numa cerimónia decorreu em Antalya, na Turquia.

Criados em 2006, os World Luxury Hotel Awards premeiam o sucesso na indústria hoteleira de luxo, através dos votos dos hóspedes, viajantes e agentes do setor. Mais de 300 000 viajantes internacionais votam todos os anos, durante um período de quatro semanas, para selecionar os vencedores.

Durante a cerimónia de atribuição de prémios, Pedro Pinto, General Manager Corpo Santo Lisbon Historical Hotel, afirmou que este “acaba por ser o reconhecimento internacional do trabalho que desenvolvemos desde 2017”.

“Depois dos últimos anos plenos de desafios, continuamos a trabalhar para fazer melhor e elevar a cada dia os nossos padrões de excelência e tornar o nosso hotel numa experiência inesquecível para todos os convidados. Sem dúvida um prémio de todos, convidados e equipa”, afirmou Pedro Pinto, como referido em comunicado.

Localizado no Largo do Corpo Santo, em Lisboa, o hotel possui 75 quartos, onde estão incluídas oito suites. Dentro das valências deste espaço os clientes podem encontrar o restaurante “Porter Bistrô” e o “146 Bar”, bem como “um dos maiores e mais bem preservados trechos da muralha Fernandina do século XIV, considerada Monumento Nacional”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

EHTC

Emprego e Formação

EHTC dinamiza aula inaugural com fundador da BlueShift

Francisco Nogueira de Sousa marca presença como orador convidado na sessão que debate o tema “Mindset is what separates the best from the rest”.

Publituris

A Escola de Hotelaria e Turismo de Coimbra (EHTC) dinamiza esta sexta-feira, 28 de outubro, uma aula inaugural onde debate o tema “Mindset is what separates the best from the rest”. Esta terá lugar no Auditório da Faculdade de Ciências e Tecnologia, no Pólo II da Universidade de Coimbra, pelas 10h00.

A sessão conta com a presença de Francisco Nogueira de Sousa, CEO e fundador da Blueshift, que marca presença como orador convidado. Em comunicado, a organização afirma que o profissional se destaca pelos 15 anos de carreira na Starwood Hotels & Resorts em funções de liderança nas áreas comercial e operacional.

Além da Blueshift, lidera também a merytu, uma ‘start-up’ tecnológica, e é Board Member na Tripwix. Foi ainda diretor-geral do grupo Hotéis Real, onde “liderou uma reestruturação profunda”.

A aula inaugural na EHTC segue a seguinte programação:

10h00: Abertura;
10h15: Aula Inaugural por Francisco Nogueira de Sousa;
11h00: Debate;
11h30: Entrega de diplomas aos alunos do Quadro de Mérito 2021-2022;
12h00: Encerramento.

As inscrições, gratuitas e limitadas aos lugares disponíveis, devem ser efetuadas através do link.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

HotelShop

Meeting Industry

Inscrições para a 7ª Convenção HotelShop já estão abertas

O programa abre com intervenções de profissionais de hotelaria, que abordarão temas como a gestão de custos em F&B, engenharia de menus e gestão de custos na cozinha.

Publituris

Os interessados em participar na 7ª Convenção HotelShop já podem fazer a sua inscrição online. Este ano, o evento bianual organizado pela central de compras HotelShop+SocialShop versa sobre o tema “Gestão Estratégica de Compras”.

A convenção decorre no Hotel Altis Grand, em Lisboa, a 30 de novembro, e as inscrições gratuitas deverão ser realizadas através do website da HotelShop, tal como a organização indica em comunicado.

O programa abre com intervenções de profissionais de hotelaria, que irão abordar temas como a gestão de custos em F&B, a engenharia de menus e a gestão de custos na cozinha. Nestes painéis, os visitantes podem contar com as intervenções de Neale French, consultor no Algarve Hotel Consultant; António Bóia, chef-executivo no restaurante JNcQUOI e Marta Sotto-Mayor, formadora e consultora internacional.

Já da parte da tarde, Carlos Abade, do Turismo de Portugal, fará uma intervenção sobre as perspetivas turísticas para 2023, seguida pelo painel “Logística e custos de abastecimento”, onde os CEOs da Makro, Sogenave e Parmalat/Lactalis serão confrontados com os graves problemas sentidos no abastecimento de matérias-primas e produtos.

Segue-se um painel com Isabel Jonet, presidente do Banco Alimentar Contra a Fome, e o economista João César das Neves, que abordarão o impacto da inflação sobre a estrutura social do país e das IPSS. Haverá ainda espaço para uma sessão com o CEO da Mercedes-Benz Portugal, que explicará as vantagens e custos de aquisição de veículos elétricos.

A fechar os painéis de debate, o político e comentador Luís Marques Mendes dará a sua perspetiva sobre o futuro do turismo e do setor social.

Paralelamente a esta programa, estará a decorrer uma feira de fornecedores, sendo que ao almoço os participantes terão a oportunidade de “contactar com diversas ofertas de produtos e serviços”, bem como “participar em degustações, fast meetings e provas de bebidas”.

O evento termina com a entrega dos Prémios HotelShop+SocialShop, a cargo do apresentador televisivo Jorge Gabriel, referentes à performance dos melhores compradores e fornecedores da hotelaria em 2022.

Será ainda sorteado o prémio de viagem Gergran/Delifrance, no valor de 1.000 euros, bem como vários brindes que incluem estadias em hotéis associados à HotelShop.

Em comunicado, a organização afirma que o congresso “conta habitualmente com mais de 400 participantes”, tendo a pretensão de ser “um fórum aberto de formação em gestão de custos para a hotelaria e uma plataforma de networking entre responsáveis pelas compras e abastecimento de hotéis e IPSS”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.