Edição digital
Assine já
PUB
Destinos

Município de Setúbal coloca beachcam na praia de Albarquel

Novo serviço, que visa reforçar a segurança e conforto dos veraneantes, permite visualizar, 24 horas por dia, sete dias por semana e em tempo real, a praia de Albarquel, no Parque Natural da Arrábida.

Publituris
Destinos

Município de Setúbal coloca beachcam na praia de Albarquel

Novo serviço, que visa reforçar a segurança e conforto dos veraneantes, permite visualizar, 24 horas por dia, sete dias por semana e em tempo real, a praia de Albarquel, no Parque Natural da Arrábida.

Publituris
Sobre o autor
Publituris
Artigos relacionados
A celebrar 18 anos Airmet acredita que “a nossa função ainda é insubstituível”
Distribuição
Turismo do Porto e Norte e CCDR Norte lançam novo produto “Rotas do Norte”
Destinos
A 19.ª edição dos Publituris Portugal Travel Awards em menos de 5 minutos
Eventos Publituris
2.ª Edição do ISCE Tourism PAP Challenge tem nove finalistas
Emprego e Formação
Politécnico de Beja abre candidaturas para pós-graduação em “Turismo Sustentável e Bem-Estar”
Destinos
47% das opiniões sobre companhias aéreas nas redes sociais são negativas
Transportes
Air France-KLM e SAS estabelecem acordos de codeshare e interline
Aviação
Dom Pedro Golf Vilamoura renova Old Course
Destinos
Comboio histórico do Vouga associa-se ao AgitÁgueda – Art Festival
Destinos
Produto “Solo Hotel” da Soltour cresce 25% em reservas no início do verão
Distribuição

A Câmara Municipal de Setúbal anunciou que a praia de Albarquel, no Parque Natural  da Arrábida, passou a contar, desde a semana passada, com um  sistema de vídeo que fornece imagens em direto na internet, num serviço disponibilizado em parceria com a Altice Portugal e que contribui para o “reforço da segurança e conforto dos veraneantes, em cumprimento com o regulamento de proteção de dados”.

De acordo com um comunicado da autarquia, esta “ferramenta permite visualizar, 24 horas por dia, sete dias por semana e em tempo real, a praia de Albarquel, fornecendo aos utilizadores informações sobre a evolução das condições da praia, desde a temperatura e estado do mar, intensidade do vento, radiação UV, entre outras”.

A beachcam da praia de Albarquel está instalada no renovado Forte de Albarquel e “permite aos utilizadores verificarem as condições para a prática de náutica de recreio”, através de um serviço gratuito, disponibilizado em parceria com a MEO Beachcam, da Altice Portugal.

O acesso às imagens pode ser feito através na página oficial da MEO Beach Cam, em https://beachcam.meo.pt/livecams, assim como na televisão, através da box MEO, e em qualquer dispositivo móvel, como o telemóvel ou tablet, através da app mobile, que pode ser descarregada na App Store ou Play Store.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Artigos relacionados
A celebrar 18 anos Airmet acredita que “a nossa função ainda é insubstituível”
Distribuição
Turismo do Porto e Norte e CCDR Norte lançam novo produto “Rotas do Norte”
Destinos
A 19.ª edição dos Publituris Portugal Travel Awards em menos de 5 minutos
Eventos Publituris
2.ª Edição do ISCE Tourism PAP Challenge tem nove finalistas
Emprego e Formação
Politécnico de Beja abre candidaturas para pós-graduação em “Turismo Sustentável e Bem-Estar”
Destinos
47% das opiniões sobre companhias aéreas nas redes sociais são negativas
Transportes
Air France-KLM e SAS estabelecem acordos de codeshare e interline
Aviação
Dom Pedro Golf Vilamoura renova Old Course
Destinos
Comboio histórico do Vouga associa-se ao AgitÁgueda – Art Festival
Destinos
Produto “Solo Hotel” da Soltour cresce 25% em reservas no início do verão
Distribuição
PUB
Destinos

Turismo do Porto e Norte e CCDR Norte lançam novo produto “Rotas do Norte”

As “Rotas do Norte” pretendem “colmatar uma lacuna regional estrutural e um constrangimento relevante na gestão e promoção turística dos ativos patrimoniais e artísticos regionais existentes” na região Norte de Portugal.

Publituris

A Entidade Regional de Turismo do Porto e Norte de Portugal (TPNP) e a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR Norte) estabeleceram um protocolo de cooperação com vista à criação, desenvolvimento e promoção de Rotas Turísticas Regionais no Norte, designadas “Rotas do Norte”.

Num comunicado enviado à imprensa, o TPNP explica que estas rotas turísticas foram desenhadas nos últimos três meses, num trabalho conjunto entre as duas entidades, com o objetivo de “colmatar uma lacuna regional estrutural e um constrangimento relevante na gestão e promoção turística dos ativos patrimoniais e artísticos regionais existentes”.

Para o TPNP, as “Rotas do Norte” “são “a chave” para resolver um bloqueio, com décadas, na estruturação e promoção de bens culturais com potencial turístico na Região Norte”.

As duas entidades juntaram-se para “constituir e desenvolver diferentes rotas turístico-culturais de Património Cultural, Arte e Arquitetura Contemporâneas, com uma ampla cobertura regional”, num “processo que será assegurado através de um modelo de gestão articulado, pelas duas entidades, de reconhecimento formal do interesse da adesão de um bem patrimonial a uma Rota Regional”.

“Este protocolo operacionaliza ainda um outro instrumento relevante, na sequência de uma deliberação recente da autoridade de gestão do Programa NORTE 2030: a atribuição do selo “Rotas do Norte”. Tal atribuição passará a ser um dos requisitos obrigatórios para candidaturas a cofinanciamento europeu em avisos dedicados a “reforçar o papel da cultura e do turismo sustentável no desenvolvimento económico, na inclusão social e na inovação social”, explica ainda o TPNP, revelando que o primeiro “aviso de concurso de financiamento será tornado público também esta sexta-feira”.

O protocolo de cooperação foi assinado numa cerimónia que contou com a presença do presidente da CCDR NORTE, António Cunha, do vice-presidente da CCDR NORTE para a Cultura e Património, Jorge Sobrado, e do presidente da Direção da Entidade Regional de Turismo do Porto e Norte, Luís Pedro Martins.

Para Luís Pedro Martins, este protocolo vai contribuir “para a preparação da estratégia turístico-cultural do destino” e marca ““um dia histórico na relação entre as duas instituições”, uma vez que permite, finalmente, “estruturar este produto estratégico e ter uma oferta mais assertiva, organizada e segmentada que valorize os ativos culturais da região”.

Segundo o presidente do TPNP, esta decisão vai ajudar “a garantir a visitação a estes espaços, coisa que atualmente nem sempre acontece, aumentar fluxos e ajudar ao desenvolvimento socioeconómico e coesão territorial no destino”.

O pedido de reconhecimento e a adesão às “Rotas do Norte” poderá ser realizado por entidades proprietárias, gestoras ou promotoras de bens de património cultural, devendo a solicitação ser realizada à CCDR Norte ou à TPNP, “através do preenchimento de um formulário eletrónico próprio”, que está disponível aqui e aqui.

Já a aprovação e atribuição do selo dependerá do cumprimento de um conjunto de critérios, disponíveis para consulta, a partir desta data, nos portais web institucionais.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Politécnico de Beja abre candidaturas para pós-graduação em “Turismo Sustentável e Bem-Estar”

As aulas da pós-graduação em “Turismo Sustentável e Bem-Estar” do IPBeja arrancam a 24 de outubro e as candidaturas decorrem em duas fases, a primeira das quais até 31 de agosto.

Publituris

O Instituto Politécnico de Beja (IPBeja) já abriu a primeira fase de candidaturas para a pós-graduação em “Turismo Sustentável e Bem-Estar”, estando estas a decorrer até 31 de agosto, segundo informação publicada no website da instituição de ensino superior.

“Atendendo à vocação do Ensino Superior Politécnico, procura-se com esta oferta formativa responder às necessidades de formação avançada com caráter específico e profissional”, avança a instituição de ensino superior.

As candidaturas decorrem em duas fases, a primeira das quais até 31 de agosto, enquanto a segunda tem lugar entre 23 de setembro e 11 de outubro, prevendo-se que as aulas arranquem a 24 de outubro.

Esta pós-graduação destina-se a atuais e futuros profissionais de Turismo, mas também de áreas congéneres, decorre na modalidade de e-learning e está vocacionada para o desenvolvimento de competências e de qualificações teóricas e técnicas na área específica do Turismo Sustentável.

As candidaturas podem ser realizadas aqui.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Dom Pedro Golf Vilamoura renova Old Course

O campo de golfe surge mais exclusivo e mais sustentável.

Publituris

O Dom Pedro Golf Vilamoura está a realizar uma extensa renovação do Old Course para consolidar o seu lugar entre os melhores campos de Golfe da Europa.

Como resultado das renovações, o Old Course será transformado num clube de golfe Premium, com um serviço personalizado, concierge VIP e condições de jogo de classe mundial. Dentro do campo, as melhorias centraram-se na sustentabilidade, como parte de uma nova estratégia a longo prazo para torná-lo um dos campos mais ecológicos da Europa. De realçar os novos sistemas de aspersão e as variedades de relva resistentes à água para reduzir os consumos, as estações de hidropressores para reduzir o consumo de energia e a nova frota de máquinas 100% elétricas.

As mudanças estão a ser implementadas sem o campo encerrar, minimizando o impacto e colocando em primeiro lugar a experiência do cliente, prevendo-se que estas melhorias estejam concluídas até ao final de agosto.

Nuno Sepúlveda, Co-CEO da DETAILS – Hospitality, Sports, Leisure, a plataforma de gestão dos ativos de golfe em Vilamoura, explica que “as renovações do Old Course alinham-se com a visão de longo prazo de melhorar a qualidade, a sofisticação e a experiência do cliente. Estas melhorias têm como objetivo específico manter altos padrões nas instalações e serviços de golfe, e reforçar a imagem de Vilamoura como um destino de golfe de primeira classe”.

Após a conclusão das melhorias no campo, está prevista, para novembro, a abertura de um novo Clubhouse, que incluirá melhorias em todas as instalações, como a loja de golfe, a sala de estar, o restaurante, o bar e a área do terraço, conferindo-lhe um visual clássico e elegante, que realça o legado do campo.

“Todas renovações são meticulosamente planeadas para respeitar o design clássico e o legado do campo, enquanto introduzem melhorias que aprimoram a experiência geral de golfe. Ao equilibrar cuidadosamente o antigo com o novo, a renovação garante que o campo continue a ser um destino querido para os golfistas”, acrescenta Nuno Sepúlveda.

Os greens e fairways receberão manutenção cuidadosa, os bunkers serão aperfeiçoados com nova areia e as tee box terão um novo tipo de relva plantada, a relva Bermuda, o que vai permitir nivelar as raízes e tornar as tee box ambientalmente sustentáveis e de qualidade premium. Houve, também, uma transformação completa dos caminhos dos buggies, agora construídos em betão wall-to-wall. Um aspecto notável desta ação é a abordagem sustentável adotada: o betão retirado dos antigos caminhos foi triturado e reutilizado como base para os novos percursos, e a terra removida do solo durante esta intervenção foi armazenada, crivada e reutilizada no acabamento final.

A aparência geral do campo de golfe terá mais definição entre as áreas de jogo e a paisagem icónica entre os pinheiros. Esta definição terá um impacto significativo, tanto na aparência como na qualidade, sendo que com isto os fairways receberão mais luz solar.

Haverá ainda a requalificação do campo de prática e a introdução de tecnologia de última geração, possibilitando várias sessões de treino e experiências que atendem as expetativas mais elevadas de todos os golfistas.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Comboio histórico do Vouga associa-se ao AgitÁgueda – Art Festival

A edição de verão do Comboio Histórico do Vouga, vai estar associada ao AgitÁgueda – Art Festival. A primeira viagem desta série única será já no próximo sábado, dia 13 de julho.

Publituris

São oito viagens agendadas para todos os sábados, de 13 de julho a 31 de agosto. Esta iniciativa resulta de uma parceria estabelecida entre a CP, o Município de Águeda e a Junta de Freguesia de Macinhata do Vouga.

O itinerário da viagem começa na estação de Aveiro, às 13h45, com destino a Macinhata do Vouga, onde os passageiros terão a oportunidade de fazer uma visita guiada ao Museu Ferroviário. O percurso prossegue então para Águeda, onde os visitantes serão recebidos por um guia que os levará num passeio pela cidade para apreciar as obras de arte urbana que compõem o AgitÁgueda. A chegada a Aveiro está prevista para as 20h07.

Até ao dia 27 de julho, as viagens contarão com animação do AgitÁgueda, proporcionando uma experiência cultural e artística durante o percurso. A partir dessa data, os passageiros terão a oportunidade de visitar e admirar as obras de arte urbana resultantes do festival.

Refira-se que o comboio histórico do Vouga é tracionado pela locomotiva diesel CP 9004, uma peça histórica construída no final da década de 50 do século passado, que marcou o fim da era dos comboios de via estreita na Linha de Guimarães. O comboio é composto por cinco carruagens que são verdadeiras joias da história dos caminhos de ferro: Carruagem de varandim belga de 1908, oferecendo uma viagem nostálgica aos tempos áureos do transporte ferroviário; Carruagem alemã de 1925, que exemplifica a engenharia e design ferroviários do início do século XX; Carruagem construída pelos Caminhos de Ferro do Estado nas oficinas do Porto em 1913, representando o legado industrial português; Carruagem portuguesa do Barreiro, de 1908, que outrora percorria a pitoresca Linha do Corgo, entre Régua e Chaves; e ainda carruagem mista italiana, mostrando a diversidade e riqueza do património ferroviário europeu.

Os bilhetes para esta experiência são de 37 euros para adulto e 22 euros para crianças dos 4 aos 12 anos, e já se encontram disponíveis para venda nos canais habituais da CP.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Ano turístico vai ser melhor do que em 2023, mesmo com menor procura interna

O Secretário de Estado do Turismo, Pedro Machado, prevê que o atual ano turístico vai ser melhor do que o de 2023, apesar de uma pequena baixa na procura por parte dos portugueses.

Victor Jorge

“Há aqui um conjunto de fatores que se conjugam e que vão garantir a perspetiva que temos de este ano ser um ano turístico melhor ainda que o ano de 2023”, disse Pedro Machado à agência Lusa, à margem de uma visita à Marina de Portimão.

Mesmo assim, o governante deu conta da “preocupação” manifestada pelos empresários do setor turístico algarvio quanto a “algum abaixamento da procura, sobretudo do mercado interno, do mercado nacional”.

Apesar desta “relativa baixa de procura” que se está a sentir neste momento, o governante acredita que “os mercados internacionais estão a reagir muito positivamente” e referiu dados sobre a evolução do turismo em junho obtidos na segunda-feira, que indicam o forte crescimento no setor.

Segundo Pedro Machado, Reino Unido, Alemanha e Estados Unidos da América são, neste momento, os países mais importantes para o turismo português, tendo ultrapassado a Espanha e a França e outros países mais próximos.

“Significa que há hoje uma apetência maior para estes mercados de longa distância”, concluiu o secretário de Estado do Turismo, acrescentando que Portugal está a “reforçar” as ligações aéreas com países como o México, a Coreia do Sul e o Egito.

Por outro lado, o responsável governamental congratulou-se por os consumos de água terem “vindo a baixar 12 a 13%, o que considera ser “a meta que tinha sido estabelecida” pelo Governo

Referindo-se a dados da Agência Portuguesa do Ambiente (APA), Pedro Machado defendeu que o consumo de água tem estado a ser “ajustado”, tanto na agricultura como no setor urbano, que considera ser prioritário, e onde está incluído o setor turístico.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Destinos

Conselho Municipal do Turismo de Sesimbra toma posse

Promover a participação e o envolvimento dos agentes turísticos no desenvolvimento integrado e sustentável do concelho e contribuir para a valorização da oferta turística e a consequente promoção do destino Sesimbra são alguns dos objetivos do Conselho Municipal do Turismo, que acaba de tomar posse.

Publituris

Com funções exclusivamente consultivas, o Conselho Municipal do Turismo de Sesimbra, que acaba de tomar posse e realizou a sua primeira reunião, envolve 26 entidades, que têm como caminho comum a evolução da situação turística do município.

“O importante é que possamos ter um espaço onde possamos apontar os caminhos para as soluções de um turismo que se quer cada vez melhor, mais sustentável e de qualidade para o concelho de Sesimbra”, adiantou o presidente da Câmara Municipal de Sesimbra, Francisco Jesus, citado em notícia publicada na página oficial da autarquia.

A criação do Conselho Municipal do Turismo de Sesimbra é, segundo Argentina Marques, vereadora do Turismo, “um pontapé de saída para termos uma estratégia comum com todas as entidades que estão neste território de Sesimbra e nesta Área Metropolitana de Lisboa”.

A Entidade Regional de Turismo da Região de Lisboa considera que a valorização e promoção da oferta turística de Sesimbra é fundamental para a região. A presidente da ERT-Região de Lisboa, Carla Salsinha, defende ainda que o Conselho Municipal do Turismo “vai ser seguramente um dos motores de qualificação do turismo de Sesimbra”, na medida em que pode ajudar a definir a estratégia “de como é que Sesimbra se quer afirmar no contexto dos 18 municípios da região de Lisboa”.

O Conselho Municipal de Turismo de Sesimbra volta a reunir a 4 de setembro para o início dos trabalhos e estudo das diversas matérias relacionadas com as estratégias para o desenvolvimento do turismo do concelho.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Foto: Depositphotos.com

Destinos

Turismo europeu com novos máximos, com Portugal em destaque

Segundo a análise mais recente da European Travel Commission (ETC), as chegadas e dormidas ultrapassaram os números de 2019 no primeiro semestre de 2019. Portugal aparece destacado, indicando ainda a ETC que os turistas deverão gastar mais 800 mil milhões de euros, em 2024 à medida que os planos dos viajantes estão cada vez mais diversificados.

Victor Jorge

O setor do turismo na Europa continua no trilho da recuperação no segundo trimestre de 2024, com as chegadas internacionais a crescerem 6% face a igual período de 2019, enquanto as dormidas registam uma evolução de 7% face a igual período do ano pré-pandemia, sendo que relativamente ao período homólogo de 2023 os incrementos são ainda mais assinaláveis: +12% 1 10%, respetivamente.

Na última edição do relatório trimestral da ETC, os dados indicam que tanto os destinos tradicionais como os não tradicionais do Sul da Europa e do Mediterrâneo continuam a ser as escolhas mais populares para os turistas na Europa. Registaram-se aumentos notáveis nas chegadas, em comparação com os níveis de 2019, em destinos menos conhecidos, como Sérvia (+40%) e Bulgária (+29%), bem como em destinos favoritos de longa data incluindo Malta (+37%), Portugal (+26%) e Turquia (+22%), considerando a comissão que “o sucesso contínuo destes destinos deve-se, em parte, à sua oferta comum de experiências e a condições climatéricas geralmente favoráveis”.

Os países nórdicos também revelam uma atração crescente, com as dormidas de estrangeiros a aumentarem na Dinamarca (+38%), Noruega (+18%) e Suécia (+9%), revelando “um sucesso crescente fora do Sul da Europa e em destinos relativamente mais caros”.

Em contrapartida, a região do Báltico continua a debater-se com dificuldades, com a Letónia (-24%), a Estónia (-16%) e a Lituânia (-15%) a registarem ainda chegadas internacionais muito abaixo de 2019.

Miguel Sanz, Ppesidente do ETC, considera ser “encorajador ver a crescente diversificação do panorama do turismo europeu neste trimestre”. O responsável pela ETC, cargo que já foi ocupado pelo português Luís Araújo, refere ainda que “este facto beneficia tanto os destinos emergentes como os pontos de interesse estabelecidos que podem potencialmente enfrentar uma sobrelotação. Além disso, o aumento do número de turistas em zonas menos conhecidas ajudará as pequenas empresas que ainda estão a recuperar da pandemia ou que se debatem com o aumento dos custos operacionais devido ao atual contexto económico”.

Custos e pessoal dificultam recuperação
Contudo, nem tudo são boas notícias, já que são vários os desafios que o setor das viagens enfrenta. Os profissionais do turismo ouvidos pela ETC referem como principais problemas o aumento dos custos de alojamento, das operações comerciais e dos voos, bem como a escassez de pessoal. Apesar do seu impacto contínuo, estes desafios diminuíram em comparação com o trimestre anterior.

Com os aumentos dos custos das empresas a conduzirem a um aumento geral das despesas de viagem, a ETC prevê que os visitantes gastem 800,5 mil milhões de euros na Europa este ano, mais 13,7% do que no ano passado. Esta evolução resulta do aumento dos preços de exploração, do regresso de turistas com despesas elevadas da região da Ásia-Pacífico e da forte procura de eventos e de viagens combinadas de negócios e lazer. O setor do alojamento, por sua vez, beneficiou especialmente no primeiro semestre do ano, com uma subida de 5,4% nas receitas por quarto disponível e de 1,8% nas taxas de ocupação.

Os aumentos mais significativos nos gastos dos viajantes, no acumulado do ano, registam-se em Espanha (25%), Grécia (25%), Itália (20%) e França (16%). Outros países, como a Croácia, a Bulgária e a Roménia, esperam ver estadias médias mais longas em 2024 do que no ano anterior, o que também resultará num aumento das receitas do turismo.

Diversificação como impulsionadora do turismo europeu
O relatório identifica uma diversificação crescente do turismo europeu, com os destinos emergentes e os mercados emissores a aumentarem a sua quota de mercado. Entre os fatores que contribuem para esta tendência contam-se “a procura de destinos não tradicionais com uma boa relação qualidade/preço, o regresso dos viajantes da região Ásia-Pacífico e a crescente disponibilidade de viagens de comboio”, refere a ETC.

Embora os EUA continuem a ser o mercado emissor de longo curso com melhor desempenho, regista-se um aumento notável dos mercados da Ásia Oriental, especialmente da China. “As cidades europeias estão a revelar-se particularmente atraentes para os visitantes chineses, uma vez que se espera que a China se torne o mercado emissor de destinos urbanos com crescimento mais rápido em 2025, ultrapassando os EUA”.

Verifica-se também um aumento do número de viajantes que optam por viagens fora de época e por destinos menos conhecidos, impulsionados pela procura de uma boa relação qualidade/preço e de experiências únicas e autênticas. Em particular, a Albânia e o Montenegro registaram um aumento notável da quota de mercado, com um aumento de 86% e 31%, respetivamente, desde 2019.

O crescente interesse em viajar fora dos circuitos habituais também se reflete nas pesquisas online para viagens na Europa, que destacaram o apelo dos cenários naturais das ilhas, como a Madeira, em Portugal, e Magerøya, na Noruega, com ambos os destinos a registarem um aumento correspondente nas chegadas e nas dormidas.

A sustentabilidade foi um dos principais fatores de reputação positiva para os destinos neste trimestre, enquanto o discurso mais negativo se centrou nos impactos sociais e ambientais da sobrelotação nos locais de turismo tradicionais.

Ao mesmo tempo, o aumento da capacidade ferroviária está a abrir a porta aos viajantes para explorarem novas experiências e destinos. A empresa ferroviária nacional da Alemanha – Deutsche Bahn -, por exemplo, registou um aumento de 21% nas rotas internacionais entre 2019 e 2023, beneficiando principalmente os países vizinhos. Os serviços do Eurostar regressaram aos níveis de passageiros anteriores à pandemia e o operador ferroviário espanhol Renfe informou ter vendido 500 mil bilhetes nos seis meses seguintes ao lançamento da sua linha internacional para França.

De referir que estes três operadores têm planos para aumentar a capacidade nos próximos anos, o que realça a importância crescente dos caminhos-de-ferro no turismo europeu.

Foto: Depositphotos.com
Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Destinos

Centro de Portugal aposta no turismo sustentável na Naturcyl

Durante a apresentação, realizada em Segóvia, Espanha, Anabela Freitas, vice-presidente da Turismo do Centro, deixou a certeza que a região está a “trabalhar ativamente para cumprir os objetivos de sustentabilidade e de preservação dos recursos do nosso território”.

Publituris

A Turismo Centro de Portugal (TCP) participou na apresentação da 7.ª edição da Naturcyl – Feira de Ecoturismo de Castela e Leão, em Segóvia, Espanha. O evento, que decorreu esta quarta-feira, 10 de julho e em que o Centro de Portugal é o destino internacional convidado, tem como tema “Reservas da Biosfera, soluções locais para problemas globais”.

A edição deste ano da Naturcyl contará com um programa extenso e diversificado, para todos os públicos, que inclui conferências e workshops temáticos, atividades em família e ecoturismo gastronómico. O astroturismo terá também especial destaque e haverá espaço para encontros profissionais entre agentes de viagens e profissionais do setor de Turismo de Natureza.

A vice-presidente Anabela Freitas representou a TCP na sessão de apresentação do evento que se realizará de 20 a 22 de setembro juntamente com o conselheiro da Cultura, Turismo e Desporto da Junta de Castela e Leão, Gonzalo Santonja; o vice-presidente da Província de Segóvia, José María Bravo Gozalo; o presidente do município do Real Sitio de San Ildefonso, Samuel Alonso Llorente; e o diretor da Naturcyl, Carlos Sánchez.

Durante a apresentação, o ministro Gonzalo Santonja enfatizou a crescente relevância da feira, que se tem consolidado como “uma referência internacional enquanto feira especializada na observação da natureza” e que “impulsiona o aproveitamento turístico dos recursos naturais, sob critérios de sustentabilidade e respeito pelo património natural”.

Anabela Freitas destacou, por sua vez, a importância do Ecoturismo na região Centro de Portugal, assim como as práticas sustentáveis para a atividade turística. “Hoje, cada vez mais turistas desejam participar na vida das comunidades que visitam e têm a preocupação de preservar a natureza envolvente. Para a Turismo do Centro, é essencial garantir a sustentabilidade dos destinos. Estamos a trabalhar ativamente para cumprir os objetivos de sustentabilidade e de preservação dos recursos do nosso território”, sublinhou. “Espero que esta feira seja o primeiro de muitos passos conjuntos para o desenvolvimento sustentável dos territórios e das economias locais, em benefício das populações”, concluiu.

O Centro de Portugal, como destino internacional convidado, terá uma participação e notoriedade especial na feira, com um stand próprio de 27m2, onde divulgará e promoverá o vasto património da região ao nível do Turismo de Natureza.

Recorde-se que o território do Centro de Portugal inclui, parcial ou totalmente, quatro Reservas da Biosfera da UNESCO, que são o tema desta edição da feira: as Reservas da Biosfera Transfronteiriça da Meseta Ibérica, Transfronteiriça do Tejo, das Berlengas e do Paul do Boquilobo. Outros destaques da participação do Centro de Portugal serão o projeto Starlight Aldeias do Xisto, focado no astroturismo, e os Geoparques Mundiais da UNESCO, Estrela, Naturtejo, Oeste e Arouca (em parte), entre muitas outras áreas protegidas.

A Naturcyl é um evento anual que, desde a sua primeira edição, em 2018, se tem afirmado como um fórum essencial para a troca de ideias e oportunidades de negócios entre profissionais e amantes do ecoturismo e do meio rural. Na última edição, no Parque Nacional da Serra de Guadarrama, a feira atraiu 10.500 visitantes.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Portugueses planeiam gastar mais nas férias

Segundo o Observador Cetelem, os portugueses têm, este verão, um orçamento de 1.005,57 euros para as férias de verão, o que representa um aumento de 54 euros face ao verão do ano passado, mas uma descida de 347 euros comparativamente às férias de 2019.

Publituris

Os portugueses estão a pensar nas férias e, segundo o Observador Cetelem, cerca de um quarto dos turistas nacionais planeia gastar mais neste verão, com o orçamento a chegar aos 1.005,57 euros, o que representa um aumento de 54 euros face ao verão do ano passado, mas uma descida de 347 euros comparativamente às férias de 2019.

“Os resultados do mais recente Observador Cetelem, marca comercial do grupo BNP Paribas Personal Finance, sobre as intenções para as férias de verão revelam que ¼ dos portugueses tenciona gastar mais do que no ano passado durante o período de férias de verão, enquanto 20% planeiam gastar menos e 48% o mesmo”, apurou o Observador Cetelem.

Segundo esta pesquisa, a estadia representa a maior parcela dos gastos com as férias de verão, cerca de 450 euros em média, seguida da viagem, que representa perto de 300 euros, e ainda das refeições, que devem custar cerca de 250 euros.

É nas atividades de lazer que os turistas portugueses contam gastar menos dinheiro nestas férias de verão, com o Observador Cetelem a apurar que o orçamento para este tipo de gasto ronda os 170 euros.

O estudo diz também que cerca de metade dos turistas nacionais vai utilizar o cartão crédito para pagar as despesas das férias de verão, um número inferior quando comparado com 2022 (64%).

O número de portugueses que está a planear férias fora do país também aumentou, ainda que a maioria dos turistas nacionais continuem a preferir destinos nacionais, até porque a escolha do destino também tem interferência no orçamento, o que leva a que para 49% dos portugueses o custo financeiro seja o fator com mais influência na hora de escolher o destino.

“Porém há ainda outros motivos que “pesam” na decisão: correspondência com “o tipo de férias pretendido” (27%), a” atratividade do destino” (17%) e a “recomendação de familiares e amigos” (4%)”, acrescenta o Observador Cetelem.

Depois, há ainda 8% de portugueses que afirmam que não planeiam fazer férias nos meses mais quentes do ano, apontando a falta de condições financeiras (39%) e também o facto de os preços serem mais elevados nesta altura do ano (13%).

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Parque Aquático de Amarante investe 2M€ em novas atrações ao celebrar 30 anos

O Monster Lotus e o Vertigem são os dois novos escorregas de assinatura que fazem agora parte do leque de atrações do Parque Aquático de Amarante, que atrai ao município mais de 220 mil pessoas por ano, número que deverá crescer, significativamente, esta temporada, depois do investimento realizado, orçado em cerca de dois milhões de euros, no ano em que celebra o seu 30º aniversário.

Publituris

Helder Silva, diretor geral do Parque Aquático revela que “um projeto desta dimensão, que celebra este ano 30 anos, tem, obrigatoriamente, que se ir renovando anualmente”, para acrescentar que “isso implica estar atento às novidades do setor e ter recursos humanos e financeiros que nos permitam investir naquilo que sentimos que são as necessidades dos nossos visitantes”, projetando uma época balnear fervorosa. As reservas já estão disponíveis, online, com preços dinâmicos, que incluem descontos que podem ir até aos 40% face ao preço de tabela.

Com 130 metros de comprimento, o Monster Lotus, um escorrega com boias triplas, ideal para partilhar aventuras com amigos e familiares, torna-se, a partir deste verão, no maior escorrega do Parque Aquático de Amarante, prometendo descidas hilariantes repletas de diversão. Já os mais destemidos poderão optar por uma experiência em queda livre, feita em velocidade foguete, no Vertigem, com 15 metros de altura. A estas novidades, juntam-se, ainda, aumentos significativos de áreas verdes, mais espaços de restauração e uma nova zona de solário bem como uma aposta rigorosa na animação diária do parque nortenho, num investimento próximo dos dois milhões de euros.

No ano em que celebra 30 anos de vida, o Parque Aquático de Amarante, atualmente com mais de 20 atrações, incluindo sete piscinas, estima receber um número diário de visitantes próximo dos três mil. O balanço destas décadas, segundo o diretor-geral, é “francamente positivo”, destacando a trilogia – inovação, social e económico – como os principais aliados do sucesso alcançado.

“Desde o início que mostramos ser inovadores, primeiro pelo conceito e, depois, pelo espírito audacioso que sempre tivemos, com a aposta em novidades distintivas, que fazem deste parque uma referência além-fronteiras”, defende o responsável que avança que “somos um elemento criador de emprego e formação, sobretudo junto das camadas mais jovens, e um dos principais impulsionadores da sustentabilidade na região, adotando medidas que vão ao encontro das preocupações ambientais e que promovam a inclusão social”, afirma Helder Silva.

No que respeita ao impacto económico, os efeitos são, também, visíveis, com um crescimento significativo do número de visitantes por temporada. “Há meros seis anos, teríamos cerca de 140 mil visitantes, enquanto atualmente temos mais de 220 mil por temporada”, que se estende até 15 de setembro, continua o responsável, que destaca a construção da piscina de ondas e o alargamento realizado, em 2019, como os investimentos principais para a reputação atual do Parque Aquático de Amarante, que o colocam ao lado de outros parques de renome na Europa.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2024 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.