Assine já
Destinos

Vacinação e certificado digital fazem europeus querer viajar entre junho e setembro

De acordo com a ETC, 72% dos europeus pretende viajar entre junho e setembro, enquanto 16% prefere esperar pelo outono.

Victor Jorge
Destinos

Vacinação e certificado digital fazem europeus querer viajar entre junho e setembro

De acordo com a ETC, 72% dos europeus pretende viajar entre junho e setembro, enquanto 16% prefere esperar pelo outono.

Victor Jorge
Sobre o autor
Victor Jorge
Artigos relacionados
“Há uma grande fidelidade do turista luso por Espanha e vice-versa”
Análise
“Acredito que sairemos da crise mais rápido que outros destinos nossos concorrentes”
Homepage
Foto: Vasco Célio/Stills
“Neste momento, mexer na organização das ERT seria dar um tiro no pé”
Homepage
InVisit. Está a chegar um sistema açoriano que ajuda a gerir fluxos de visitantes
Homepage

À medida que a Europa se abre após meses de bloqueios e restrições, o interesse em viajar regista um aumento exponencial. Segundo a European Travel Comission (ETC) – Comissão Europeia de Viagens -, dois terços dos europeus pretendem fazer uma viagem até o final de novembro de 2021, indicando os dados da entidade presidida pelo português Luís Araújo, apenas 15% ainda mantêm um sentimento de incerteza, com igual percentagem a indicar não estarem dispostos para viajar.

A recente análise – “Monitoring Sentiment for Domestic and Intra-European Travel – da ETC mostra que, em virtude da rápida progressão da vacinação COVID-19 na Europa, juntamente com a recente introdução do Certificado Digital COVID-19 da UE, 70% dos inquiridos estão a fazer planos de viagem para os próximos seis meses, face aos 56% que indicavam o mesma intenção em fevereiro de 2021, concluindo-se que este é o valor mais alto desde agosto de 2020.

Mais de metade dos europeus (57%) sente-se “muito mais otimista” relativamente ao planeamento de viagens nos próximos meses, graças ao processo de vacinação, enquanto 25% são neutros e 18% permanecem não convencidos, revela o inquérito realizado pela ETC.

A informação da ETC indica, ainda, que, em muitos casos, a inoculação da vacina tem um impacto direto nos preparativos da viagem, com 54% dos inquiridos a indicar a pretensão de reservar uma viagem depois de serem vacinados contra o COVID-19.

Da mesma forma, as recentes ações da UE para coordenar as regras e revitalizar as viagens no espaço europeu estão já a mostrar resultados positivos. “A introdução do Certificado Digital COVID-19 da UE teve grande aceitação entre os europeus: 57% dos inquiridos consideram que o certificado irá facilitar o planeamento da sua próxima viagem, enquanto apenas 18% expressam a opinião contrária”, mostram os dados resultantes da pesquisa levada a cabo pela ET.

Destino – sul da Europa
Certo é que o entusiamo com a possibilidade de viajar já este verão é visível. Segundo os dados da ETC 31% dos europeus inquiridos planeiam viajar durante junho e julho, enquanto 41% escolhe os meses de agosto e setembro para fazê-lo. Só 16% deixam as viagens para o outono.

Ao contrário do que poderia pensar-se, regista-se um aumento significativo no interesse por viagens internacionais, com metade dos entrevistados a desejar visitar outro país europeu (51%), enquanto 36% preferem viagens domésticas.

No que toca aos destinos internacionais para realizar as viagens de verão, os europeus mostram preferência pelo sul – Espanha, Itália, França, Grécia e Portugal -, enquanto o planeamento e reservas estão a ser feitos com cautela: 42% dos viajantes já fizeram algumas ou todas as suas reservas, 40% escolheram um destino, mas ainda não fizeram nenhuma reserva e 19% ainda estão a decidir o destino das férias.

Contudo, os europeus mostram, também, alguma preocupação relativamente as possíveis medidas e/ou restrições, indicando a ETC que 19% dos inquiridos mostram-se apreensivos quanto a possíveis quarentenas inesperadas durante as viagens. “Isso prova, mais uma vez, que regras de viagem claras e coerentes são essenciais para aumentar a confiança das viagens em toda a Europa”, salienta a ETC

Por isso, não será de estranhar que as viagens de avião assumem a maior preocupação quando se fala em viajar, com 18% a indicar razões de saúde e segurança. Embora ainda seja a opção preferida entre os europeus com planos de viagens de curto prazo, a preferência pelas viagens aéreas diminuiu 11% desde fevereiro de 2021, fixando-se nos 47%. Já as viagens de carro registaram um aumento de 23% no mesmo período, indicando os dados da ETC que esta é a preferência de 39% dos europeus.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Artigos relacionados
Destinos

Rio de Janeiro revoluciona política fiscal e aumenta segurança para atrair turismo

Para recuperar o lugar de principal destino turístico brasileiro, o Rio de Janeiro procedeu a alterações na política fiscal e de segurança pública, que levaram a uma mudança de paradigma com resultados para toda a economia, especialmente no turismo.

O Estado do Rio de Janeiro, no Brasil, procedeu a uma mudança de paradigma durante a pandemia, que levou a uma alteração da política fiscal e à melhoria dos índices de segurança, e que, segundo Cláudio Castro, governador do Estado do Rio de Janeiro, está a ter impacto direto em toda a economia e também no setor do turismo.

“Quando a economia começa a dar certo, cria-se um ciclo virtuoso, o que foi brindado com números recorde nos hotéis, bares e restaurantes, e em todo o nosso turismo”, começou por afirmar Cláudio Castro, durante uma conferência de imprensa em Lisboa sobre a promoção turística do Rio de Janeiro e a internacionalização do Estado para atração de negócios.

De acordo com o governante, a mudança começou ainda durante a pandemia, uma vez que o Rio de Janeiro foi um dos destinos brasileiros mais impactados pela COVID-19, o que levou a que as autoridades mudassem o paradigma face à cadeia produtiva.

“Escolhemos duas palavras que, na minha opinião, foram um grande acerto: equilíbrio e diálogo.  Até à minha entrada, os setores não eram ouvidos, o Governo do Estado tomava as decisões e todos tinham de seguir as decisões. Decidi que essa não seria mais a postura, seria olhar para o turismo e para o empreendedor, para o comércio e para a indústria, ou seja, olhar para todos os setores que são quem realmente faz a riqueza de uma cidade, de um Estado ou de um país”, explicou.

Segundo Cláudio Castro, este novo paradigma levou a que, a partir daí, o Estado se tenha passado a reger por “uma nova filosofia de que a segurança jurídica, política e a tranquilidade para empreender seriam os marcos do Rio de Janeiro”.

Esta mudança, acrescentou o responsável, levou a que o Rio de Janeiro tenha recuperado o seu lugar de destaque no turismo brasileiro, voltando a ser o destino mais procurado para turismo no país, lugar que tinha perdido para São Paulo e para a Bahia.

“Isso fez com que em seis meses retomámos o primeiro lugar na procura e começámos a cumprir aquilo que tínhamos acordado com a cadeia contributiva, diminuindo em 25% o imposto de bares e restaurantes, criámos condições especiais, fizemos o refinanciamento e criámos um programa de financiamento em que o Estado emprestou, com juros zero e 12 meses de carência, 500 milhões de reais a empreendedores que queriam retomar a sua atividade depois da dificuldade da pandemia”, explicou Cláudio Castro.

Paralelamente à fiscalidade, o Rio de Janeiro levou ainda a cabo um extenso trabalho em prol da sustentabilidade que, segundo o Governador do Estado do Rio de Janeiro, “também está a atrair o turismo verde” e tem vindo ainda a investir na segurança pública, nomeadamente dos turistas, num trabalho que, indica o responsável, também está a evidenciar resultados muito positivos.

“A última ponta dessa política é a segurança pública. Temos os melhores índices de segurança pública dos últimos 10 anos”, afirmou, revelando que o Estado do Rio de Janeiro já investiu cerca de dois mil milhões de reais na melhoria dos serviços de policiamento.

Quem também marcou presença neste encontro em Lisboa foi Gustavo Tutuca, secretário de Estado de Turismo do Rio de Janeiro, que revelou que o Estado “reativou, por determinação do governador, o Conselho de Segurança Turística”.

De acordo com o responsável, a “consolidação do projeto de segurança turística” é um dos destaques da mudança de paradigma que aconteceu no Rio de Janeiro, uma vez que, defendeu, a segurança para o turismo deve ser encarada de forma diferente.

“Por isso, temos um batalhão de policiamento turístico específico e com estratégias para o policiamento de áreas de interesse turístico e uma delegacia específica para o atendimento ao turista no Rio de Janeiro e estamos a ampliar a atuação destes dois órgãos por determinação do governador e avançando nesta estratégia, que é importante para melhorar a sensação de segurança do turista”, explicou.

Certo é que o trabalho já está a surtir efeito e, como revelou Cláudio Castro, atualmente o Rio de Janeiro tem, por exemplo, índices de homicídio doloso inferiores aos de 1991, o que leva o responsável a considerar que o destino “voltou a ser um local propicio e que a meta é voltar a internacionalizar a marca Rio de Janeiro”.

“Claro que ainda temos problemas, mas estamos num processo de evolução muito grande, muito forte e não tenho a menor dúvida que o setor do turismo é uma grande mola propulsora porque, além de trazer gente de fora, também contrata a nossa base, o que faz girar toda a economia desde a base”, concluiu Cláudio Castro, defendendo que “o turismo é essa primeira mola que quando começa a funcionar, leva a que todo o Rio de Janeiro comece a funcionar”.

Além das mudanças nas politicas fiscal, de sustentabilidade e ao nível da segurança, o Rio de Janeiro vai também receber grandes eventos internacionais e voltar a participar nas principais feiras de turismo internacionais, a exemplo da BTL, ITB e WTL Londres, ao mesmo tempo que está a apoiar press e famtrips internacionais, assim como a atração de companhias aéreas para aumentar a conetividade aérea.

 

 

 

 

 

 

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Destinos

Santuário do Cristo Redentor prepara festival de turismo religioso para a JMJ de Lisboa

O santuário do Cristo Redentor, no Rio de Janeiro, quer promover em Lisboa o evento “Brasil com Fé”, que deverá incluir feira, área expositiva e vários espetáculos por ocasião da Jornada Mundial da Juventude (JMJ).

O Santuário do Cristo Redentor quer promover em Lisboa, por ocasião da Jornada Mundial da Juventude (JMJ), um festival de turismo religioso para assinalar o 10.º aniversário do evento no Rio de Janeiro e estreitar relações entre o principal santuário brasileiro e o português Cristo-Rei, em Almada.

“Pensámos num projeto para um evento de nove dias, desde 29 de julho, quando celebramos os 10 anos da JMJ do Rio de Janeiro, para falar de turismo religioso e do Rio de Janeiro através da cultura, arte e fé. Vai ser uma oportunidade única”, explicou sexta-feira, 3 de fevereiro, Carlos Lins, Head of Marketing do Cristo Redentor, durante uma conferência de imprensa em Lisboa.

De acordo com o responsável, o projeto contempla a realização de um grande evento, sob a designação “Brasil com Fé”, que deverá decorrer nos jardins da Torre de Belém, em Lisboa, e que tem arranque previsto para dia 29 de julho, data que marca o 10.º aniversário da JMJ no Rio de Janeiro.

Segundo Carlos Lins, além de disponibilizarem uma área de 47 mil metros quadrados, os jardins da Torre de Belém são o local ideal para a realização deste evento também porque, a nível simbólico, foi desta zona da cidade que partiram as naus que descobriram o Brasil, sendo ainda um local próximo ao Cristo-Rei, que foi inspirado no Cristo Redentor e que também vai ter um papel neste evento.

“É um local próximo ao santuário do Cristo-Rei, que foi inspirado no Cristo Redentor. São santuários irmãos e, por isso, o Cristo-Rei de Almada vai fazer parte dessa grande celebração prevista para agosto”, explicou o responsável.

Além de uma área expositiva e de uma feira com stands dedicados ao turismo religioso, o evento “Brasil com Fé” prevê também a realização de espetáculos musicais num “grande palco” que deverá ficar colocado em frente à Torre de Belém, bem como espetáculos de projeção mapeada para contar a história dos santuários e de drones, além de uma experiência imersiva relacionada com a fé.

Paralelamente, está também prevista a construção de um “Cristo Redentor gigante” e insuflável, que vai ficar colocado em frente ao Cristo-Rei e que deverá contar com curadoria de personalidades conhecidas do grande público, como a cantora brasileira Fafá de Belém.

“Queremos aproveitar esse fluxo de jovens europeus e os brasileiros que moram em Portugal para trazer essa grande feira de brasilidade, com a exposição dos santuários e do turismo religioso, para explorar essa grande vocação de turismo religioso que temos, com um grande festival”, acrescentou Carlos Lins.

Recorde-se que a JMJ vai decorrer em Lisboa, entre 1 e 6 de agosto, devendo trazer até à capital portuguesa mais de um milhão peregrinos.

 

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Destinos

Hotelaria do Rio de Janeiro espera ocupação de 95% para o Carnaval

Segundo Gustavo Tutuca, secretário de Estado do Turismo do Rio de Janeiro, a hotelaria de luxo está já “praticamente lotada para o Carnaval deste ano”.

A hotelaria do estado Rio de Janeiro, no Brasil, deverá registar uma ocupação de cerca de 95% para o Carnaval de 2023, avançou sexta-feira, 3 de fevereiro, Gustavo Tutuca, secretário de Estado do Turismo do Rio de Janeiro.

De acordo com o responsável, que falava numa conferência de imprensa de promoção turística do Rio de Janeiro em Lisboa, este será o “primeiro Carnaval pleno” do Rio de Janeiro depois da pandemia, pelo que se espera o regresso em força dos turistas à cidade, que é também a principal porta de entrada do turismo no Brasil.

“Para o Carnaval de 2023, que é o primeiro Carnaval pleno depois da pandemia, em que vamos ter blocos de rua, a Sapucaí e o Carnaval no interior funcionando, já temos a previsão de 95% de ocupação hoteleira no estado durante o Carnaval”, afirmou o secretário de Estado do Turismo do Rio de Janeiro.

Gustavo Tutuca revelou ainda que a ocupação tem vindo a subir fortemente principalmente na hotelaria de luxo, que está já “praticamente lotada para o Carnaval deste ano”.

 

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Destinos

SCORING abre candidaturas para encontrar as 10 melhores PME por setor e região

A SCORING, empresa de serviços nas áreas de gestão estratégica e financeira, de estudos de mercado e de formação, acaba de lançar a 4.ª edição das certificações Top 10 Melhores PME do Setor e Top 10 Melhores PME da Região.

As candidaturas a estas certificações, às quais as PME do setor do turismo também estão incluídas, devem ser submetidas até dia 28 de fevereiro de 2023, através do site da SCORING, em scoring.pt, preenchendo o formulário, ou através do número, 210 162 502. A apresentação da candidatura é gratuita. Basta indicar o NIF, a categoria ou categorias a que se candidata e a informação de contacto, para que a SCORING possa dar seguimento ao processo.

O objetivo é destacar as empresas que são referência nos seus setores e regiões, aliando um volume de negócios ou um balanço relevante (mínimo de um milhão de euros) aos melhores índices de desempenho e de solidez financeira: apenas as 10 empresas que apresentarem os melhores indicadores podem ser certificadas em cada categoria.

“As certificações Top 10 Melhores PME do Setor e da Região conferem reconhecimento e confiança junto dos clientes, dos colaboradores e da opinião pública, tendo em conta que se trata das certificações económico-financeiras mais seletivas em Portugal, acessíveis a menos de 0,5 % das PME”, refere Carlos Gouveia, CEO da SCORING.

As empresas podem candidatar-se à distinção Top 10 Melhores PME do Setor, Top 10 Melhores PME da Região ou a ambas. Para candidatura à Certificação Top 10 Melhores PME do Setor a empresa deve apresentar pelo menos 50% do volume de negócios anual, no setor de atividade ao qual se candidata. No caso da Top 10 Melhores PME da Região, deve estar sediada na região de candidatura.

Uma vez aceite a candidatura, as empresas passam por várias fases de um processo de análise e validação, onde é assegurada a garantia de isenção e o rigor de todas as candidaturas, por parte de uma comissão científica e sujeita a uma classificação financeira, baseada num método auditado pela Bureau Veritas. Em março, a SCORING faz a seleção das empresas por categoria (Setor e Região) e divulga os resultados.

 

Para todas as empresas distinguidas, figurando entre as 10 primeiras numa das categorias, existe um programa de comunicação, que lhes permite divulgar, junto dos seus públicos e mercados: a apresentação de um selo digital personalizado com o número de identificação fiscal e a região ou o setor ao qual pertencem; e a entrega de uma imagem personalizada relativa à certificação, para partilha na assinatura de e-mail, no website, nas redes sociais e no estacionário da empresa.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

“Territórios do Interior devem ser uma prioridade na promoção turística”, defende Nuno Fazenda

O secretário de Estado do Turismo, Comércio e Serviços, Nuno Fazenda, participou esta quinta-feira, 2 de fevereiro, numa sessão pública sobre a Agenda para o Turismo no Interior, em Viseu.

Publituris

O secretário de Estado do Turismo, Comércio e Serviços, Nuno Fazenda, defendeu esta quinta-feira, 2 de fevereiro, que “os territórios do Interior devem ser uma prioridade na promoção turística”, motivo pelo qual o Governo conta apresentar, em abril, a Agenda para o Turismo no Interior.

De acordo com o governante, que falava numa sessão pública sobre a Agenda para o Turismo no Interior, que decorreu no Auditório da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu, “o Interior tem produtos turísticos únicos que devem ser valorizados”.

E Nuno Fazenda apontou medidas que visam descriminar positivamente o interior, a exemplo do programa Consolidar + Turismo, que prevê mais apoios para empresas do Interior; do Portugal Events, que vai diferenciar positivamente os eventos que decorram em destinos afastados do litoral; e da valoração adicional das produções internacionais que escolham filmar em territórios de baixa densidade, ao abrigo da Portugal Film Commission.

A sessão em Viseu integrou o Roteiro da Agenda para o Turismo no Interior, que o governante está a realizar pelo interior do país entre 31 de janeiro e 3 de fevereiro, com o objetivo de ouvir e debater com os atores locais os desafios, as potencialidades e as prioridades do turismo no interior.

Além de Nuno Fazendo, também Pedro Machado, presidente do Turismo Centro de Portugal; Leonor Barata, vereadora do Turismo e Cultura da Câmara Municipal de Viseu; e José dos Santos Costa, presidente do Instituto Politécnico de Viseu, discursaram nesta sessão pública.

Na sua intervenção, o presidente do Turismo Centro de Portugal manifestou preocupação em combater a sazonalidade, a litoralização e a reduzida estadia média, assim como o despovoamento, problemas que afetam a atividade turística no interior, considerando que, para combater estas dificuldades, devem ser destacados os grandes trunfos do Interior do país.

“O Interior de Portugal é o luxo do século XXI, uma vez que oferece tempo, silêncio e segurança. Se passarmos esta mensagem aos mercados internacionais, nomeadamente os mercados emergentes, seremos capazes de atrair mais turistas a estes territórios”, considerou.

A sessão contou depois com dois painéis dedicados aos temas “O Turismo no Interior e no Centro – Redes e Conhecimento” e “O Turismo no Interior e no Centro – As Empresas”, aos quais se seguiu um período de debate.

No âmbito do Roteiro da Agenda para o Turismo no Interior, Nuno Fazenda visitou, também a Casa das Fidalgas, em Santar, Nelas, e o Grande Hotel Lisboa, nas Termas de São Pedro do Sul.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Governo incorpora Portugal Film Commission no ICA

Com esta alteração, o ICA passa a estar sob tutela dos membros do Governo responsáveis pelo Turismo e pela Cultura, em “matérias relacionadas com incentivos à produção cinematográfica e audiovisual e à captação de filmagens internacionais para Portugal”.

Publituris

O Governo aprovou esta quinta-feira, 2 de fevereiro, em Conselho de Ministros, um decreto-lei que altera a estrutura orgânica do Instituto do Cinema e do Audiovisual (ICA), que passa a incorporar em permanência a Portugal Film Commission.

De acordo com um comunicado do Gabinete do ministro do Mar e da Economia, com esta alteração, o ICA “alarga o escopo da sua missão”, passando a estar sob tutela conjunta dos membros do Governo responsáveis pelas áreas do Turismo e da Cultura, em “matérias relacionadas com incentivos à produção cinematográfica e audiovisual e à captação de filmagens internacionais para Portugal”.

“Esta alteração orgânica constitui o reconhecimento do trabalho da Portugal Film Commission e da política de incentivos concedidos pelo Fundo de Apoio ao Turismo e ao Cinema (FATC), com resultados muito positivos nos setores do cinema e do audiovisual”, explica o comunicado divulgado.

Entre 2018 e 2022, foi registado um investimento total de cerca de 238 milhões de euros (dos quais 129 milhões de investimento estrangeiro), com incentivos de 64 milhões de euros atribuídos a 168 projetos, tendo o ano de 2022 sido aquele que registou maior volume de investimento, que ascendeu a 99 milhões de euros (dos quais 74 milhões foram investimento estrangeiro), e tendo sido atribuídos 27 milhões de euros de incentivos.

O Governo pretende ainda introduzir, já este ano, alterações às regras de acesso ao Fundo de Apoio ao Turismo e ao Cinema, assumindo o compromisso de manter o regime de incentivos deste fundo até final de 2026.

“Nestes termos, as candidaturas ao FATC terão este ano duas fases. A primeira será aberta a 3 de abril de 2023, com uma dotação orçamental de apoio a projetos que será anunciada até ao final de fevereiro. Nesta primeira fase de candidaturas, mantêm-se as regras de acesso aos incentivos atualmente em vigor, com valoração adicional dos projetos realizados em territórios de baixa densidade”, acrescenta a informação divulgada.

No último trimestre do ano e após reflexão das diferentes áreas governativas envolvidas e considerando o relatório “Avaliação do Funcionamento e Efeitos do Incentivo à Produção Cinematográfica e Audiovisual – Cash Rebate”, do PlanAPP, o Governo conta abrir uma 2.ª fase de candidaturas, cujas regras e dotação orçamental estão ainda por definir.

“Esta decisão do Governo baseia-se no reconhecimento do sucesso alcançado na atração de produções internacionais para filmar em Portugal, com consequências muito positivas para o desenvolvimento do setor e para a consolidação das produtoras portuguesas”, realça Pedro Adão e Silva, ministro da Cultura, considerando que esta alteração permite assumir “um compromisso político total relativamente ao futuro, consolidando o que começou por ser um grupo de projeto”.

Já Nuno Fazenda, secretário de Estado do Turismo defende que “a atração de produções cinematográficas internacionais tem um efeito multiplicador para a economia e para o turismo português”, pelo que esta alteração legislativa permite reforçar a “estratégia de atratividade e fomento” de Portugal enquanto destino de excelência das produções cinematográficas, nomeadamente na zonas do interior do país.

“Queremos continuar a afirmar Portugal no mundo e a 7.ª arte é uma ancora para essa afirmação e projeção internacional”, conclui o governante.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Torre dos Clérigos recebeu 1,2 milhões de visitantes em 2022

A Torre dos Clérigos, no Porto, recebeu 1,2 milhões de visitantes no ano passado, num aumento de quase 250% face a 2021, apesar de ainda estar abaixo de 2019, uma vez que as medidas de segurança da COVID-19 foram mantidas.

Publituris

A Torre dos Clérigos, no Porto, recebeu 1,2 milhões de visitantes ao longo do ano passado, número que representa um aumento de quase 250% face a 2021 mas que continua ainda 30% abaixo do registado em  2019, antes da pandemia da COVID-19, informou a Irmandade dos Clérigos, gestora do monumento que comporta a igreja, o museu e a torre sineira.

Segundo a Irmandade dos Clérigos, o facto do número de visitantes do espaço continuar 30% abaixo do registado em 2019 deve-se ao facto de se ter decidido manter “as medidas de segurança e proteção dos visitantes vigentes ao longo da pandemia de COVID-19”.

Na lista de mercados emissores, o destaque vai para Espanha e França, que lideram em número de visitantes, ainda que a Irmandade dos Clérigos destaque também o desempenho dos EUA, que é já o terceiro país com maior número de visitantes na Torre dos Clérigos.

No ano passado, a Torre dos Clérigos registou uma quota de 70% de visitantes internacionais, número que, segundo a Irmandade dos Clérigos, vem comprovar o “lugar inestimável” do monumento na atração turística ao Porto e Norte de Portugal.

“Apesar de termos mantido as medidas de segurança e proteção implementadas desde 2020, com redução do fluxo de visitantes em simultâneo no interior da Igreja, Museu e Torre, chegámos ao final do ano ultrapassando a barreira de um milhão de turistas”, assinala o presidente da Irmandade dos Clérigos, Padre Manuel Fernando, considerando que, caso as medidas da COVID-19 não tivessem sido mantidas, o monumento teria “ultrapassado os 1,5 milhões de visitantes de 2019”.

Em 2022, o Complexo dos Clérigos recebeu também vários eventos de vulto, com destaque para o lançamento de vários livros mas também de exposições.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Nova edição: Dossier de companhias aéreas, Soltour Travel Partners e Turismo do Centro

A nova edição do Publituris, a primeira do mês de fevereiro, faz capa com um dossier dedicado às novidades que as companhias aéreas preparam para o próximo verão IATA. Além do dossier, publicamos um artigo sobre a Soltour Travel Partners, uma entrevista com o presidente da Turismo do Centro e outra com o diretor-executivo do NEST – Centro de Inovação do Turismo.

Publituris

A nova edição do Publituris, a primeira do mês de fevereiro, faz capa com um dossier dedicado às novidades que as companhias aéreas preparam para o próximo verão IATA, que arranca já a 27 de março e se prolonga até 26 de outubro.

Conheça as novidades previstas para Portugal para o próximo verão IATA e saiba também quais são as previsões das transportadoras aéreas para 2023, ano que promete trazer de volta a capacidade que ainda estava por repor devido à pandemia da COVID-19.

Nesta edição, publicamos também um artigo sobre a Soltour Travel Partners na secção de Distribuição, no qual o delegado Luís Alexandrino revela que o objetivo do operador passa por oferecer às agências portuguesas um portefólio mais amplo e não só de destinos de ‘Sol & Praia’.

Leia também o especial sobre o Turismo do Centro, em que Pedro Machado, presidente da entidade regional de turismo, faz um balanço sobre o seu mandato, que está a terminar, e fala sobre a importância do mercado espanhol, que a região quer continuar a captar, naquele que é um dos motivos que levaram a Turismo do Centro a associar-se ao lançamento da primeira Estratégia do Turismo Transfronteiriço 2022-2023, que foi apresentada na FITUR 2023.

Nesta edição, publicamos ainda uma entrevista com Roberto Antunes, diretor-executivo do NEST – Centro de Inovação do Turismo, que defende que “a tecnologia [no setor do turismo] deve ser o facilitador e não a finalidade”.

A nova edição do Publituris volta ainda a divulgar os nomeados para os Portugal Trade Awards by Publituris @BTL 2023, que vão ser entregues no primeiro dia da BTL, a 1 de março.

Este ano, são 100 os nomeados, em 16 categorias, às quais acresce o prémio “Personalidade do Ano”, que é escolhido diretamente pela equipa do Publituris. A votação online arranca já na próxima segunda-feira, 23 de janeiro, prolongando-se até 17 de fevereiro.

Além do check-in, esta edição conta também com as opiniões de Francisco Jaime Quesado (economista e gestor), Helena Pimentel (docente do ISG), Nuno Abranja (diretor do Departamento de Turismo do ISCE e CEO da consultora OMelhorDoTurismo) e Pedro Castro (diretor da SkyExpert Consulting e docente de Sistemas de Transporte no ISCE).

Boas leituras.

A versão completa desta edição é exclusiva para subscritores do Publituris. Pode comprar apenas esta edição ou efetuar uma assinatura do Publituris aqui obtendo o acesso imediato.

Para mais informações contacte: Carmo David | [email protected] | 215 825 43

Nota: Se já é subscritor do Publituris entre no site com o seu Login de assinante, dirija-se à secção Premium – Edição Digital e escolha a edição que deseja ler, abra o epaper com os dados de acesso indicados no final do resumo de cada edição.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Edição digital: Dossier de companhias aéreas, Soltour Travel Partners e Turismo do Centro

A nova edição do Publituris, a primeira do mês de fevereiro, faz capa com um dossier dedicado às novidades que as companhias aéreas preparam para o próximo verão IATA. Além do dossier, publicamos um artigo sobre a Soltour Travel Partners, uma entrevista com o presidente da Turismo do Centro e outra com o diretor-executivo do NEST – Centro de Inovação do Turismo.

Publituris

A nova edição do Publituris, a primeira do mês de fevereiro, faz capa com um dossier dedicado às novidades que as companhias aéreas preparam para o próximo verão IATA, que arranca já a 27 de março e se prolonga até 26 de outubro.

Conheça as novidades previstas para Portugal para o próximo verão IATA e saiba também quais são as previsões das transportadoras aéreas para 2023, ano que promete trazer de volta a capacidade que ainda estava por repor devido à pandemia da COVID-19.

Nesta edição, publicamos também um artigo sobre a Soltour Travel Partners na secção de Distribuição, no qual o delegado Luís Alexandrino revela que o objetivo do operador passa por oferecer às agências portuguesas um portefólio mais amplo e não só de destinos de ‘Sol & Praia’.

Leia também o especial sobre o Turismo do Centro, em que Pedro Machado, presidente da entidade regional de turismo, faz um balanço sobre o seu mandato, que está a terminar, e fala sobre a importância do mercado espanhol, que a região quer continuar a captar, naquele que é um dos motivos que levaram a Turismo do Centro a associar-se ao lançamento da primeira Estratégia do Turismo Transfronteiriço 2022-2023, que foi apresentada na FITUR 2023.

Nesta edição, publicamos ainda uma entrevista com Roberto Antunes, diretor-executivo do NEST – Centro de Inovação do Turismo, que defende que “a tecnologia [no setor do turismo] deve ser o facilitador e não a finalidade”.

A nova edição do Publituris volta ainda a divulgar os nomeados para os Portugal Trade Awards by Publituris @BTL 2023, que vão ser entregues no primeiro dia da BTL, a 1 de março.

Este ano, são 100 os nomeados, em 16 categorias, às quais acresce o prémio “Personalidade do Ano”, que é escolhido diretamente pela equipa do Publituris. A votação online arranca já na próxima segunda-feira, 23 de janeiro, prolongando-se até 17 de fevereiro.

Além do check-in, esta edição conta também com as opiniões de Francisco Jaime Quesado (economista e gestor), Helena Pimentel (docente do ISG), Nuno Abranja (diretor do Departamento de Turismo do ISCE e CEO da consultora OMelhorDoTurismo) e Pedro Castro (diretor da SkyExpert Consulting e docente de Sistemas de Transporte no ISCE).

Leia a edição aqui.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Chile volta a fazer testes de Covid-19 aleatórios à chegada

O Chile voltou a selecionar aleatoriamente passageiros para fazer testes de Covid-19 à chegada ao Aeroporto Internacional Arturo Merino Benítez, em Santiago, e ao Paso Internacional Los Libertadores, na fronteira terrestre com a Argentina.

Publituris

A medida, que tinha sido abandonada em outubro de 2022, voltou a ser colocada em prática em este mês e refere indica informação publicada no sire do Turismo do Chile, caso o viajante obtenha um resultado positivo ou se negue a fazer o exame, deverá realizar uma quarentena obrigatória de cinco dias.

Recorde-se que, para viajar para o país, os maiores de 18 anos continuam obrigados a apresentar comprovativo de vacinação completa ou resultado negativo para um teste RT-PCR realizado 48 horas antes da partida.

No entanto, já não é mais necessário preencher a Declaração Jurada do Viajante (C19) ou obter um Passe de Mobilidade, dois itens que foram abolidos em outubro do ano passado. O uso de máscara, por sua vez, é obrigatório somente em estabelecimentos de saúde.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.