Assine já
Análise

“Encontrar a palavra turismo no PRR é como encontrar o Wally”

Reeleito para mais um mandato à frente da Confederação do Turismo de Portugal, Francisco Calheiros, acredita na recuperação do turismo. Para tal, haja aeroporto, TAP e, fundamentalmente, empresas e empresários.

Victor Jorge
Análise

“Encontrar a palavra turismo no PRR é como encontrar o Wally”

Reeleito para mais um mandato à frente da Confederação do Turismo de Portugal, Francisco Calheiros, acredita na recuperação do turismo. Para tal, haja aeroporto, TAP e, fundamentalmente, empresas e empresários.

Victor Jorge
Sobre o autor
Victor Jorge
Artigos relacionados
Nova edição: Entrevista Francisco Calheiros, Alentejo e Brexit
Análise
“Plano ambicioso” para o turismo será apresentado pelo Governo ainda em maio
Análise
Turismo “pode responder muito rapidamente”, diz António Costa e Silva
Análise
Vacation Stock photos by Vecteezy
CTP: É “impossível” alcançar objetivos para 2027 “se solução aeroporto não for resolvida”
Homepage

Em maio de 2022, faz uma década que está à frente da Confederação do Turismo de Portugal e Francisco Calheiros espera estar a meio caminho na recuperação da indústria do turismo. Para já, ficam, em entrevista ao Publituris, as críticas à falta ou demora nos apoios e a esperança de que, quando a tal desejada retoma chegar, existam empresas, empresários, oferta, mas também capacidade para receber quem nos quer visitar. Ou seja, chega de meio século de discussão relativamente a um novo aeroporto.

Foi reeleito para um novo mandato à frente da CTP. Pergunto-lhe, nesta conjuntura ímpar e desafiante, o que ficou por fazer e o que transita para este mandato que termina em 2024?
Nestas atividades associativas ou confederações, fica sempre qualquer coisa por fazer e há muita coisa por fazer. Mas pensar no que foi o último mandato com o início deste, é como o dia e a noite.

Em 2018, estávamos a culminar nove anos de crescimento e lembro-me de, na altura, o gravíssimo problema que tínhamos com falta de mão-de-obra. Agora começamos um mandato onde, obviamente, esse problema não se coloca.

Este mandato começa por termos de olhar para o curto prazo, mais do que, propriamente, para o médio e longo prazo.

O que é o curto prazo?
O curto prazo é seis meses.

Portanto, ainda é 2021?
Sim, sem dúvida, ainda 2021. É evidente que temos inúmeras questões que deveríamos discutir. Desde questões gerais que não têm só a ver com o turismo. Uma reforma do Estado adiada há décadas, problemas com a demografia, com a natalidade.

Ou seja, questões estruturais?
Exatamente, mas que são a médio prazo. Contudo, também há questões estruturais para o turismo e que têm a ver, por exemplo, com o aeroporto.

Mas o aeroporto é a médio prazo quando está a ser discutido há cerca de 50 anos?
Tem razão, mas como disse, neste momento, temos de garantir que a oferta que existe se mantém instalada. A prioridade da CTP tem de ser a manutenção dos postos de trabalho e, sobretudo, a sobrevivência das empresas.

O que acontece é que, esta pandemia foi projetada e já dei este exemplo, dezenas, senão centenas de vezes, para saber se conseguíramos salvar a Páscoa de 2020. Já imaginou o que já passou desde março do ano passado?

Mas já fez este exercício: se não tivéssemos pandemia, que desafios é que a CTP estaria a debater?
Seriam completamente diferentes. Aeroporto, em primeiro lugar. Vamos ser claros, se em 2020 não tivesse havido pandemia, eu não sei o que se passaria no Aeroporto da Portela, mas seria, de certeza, outro desastre.

2019 já tinha sido complicado.
Agora imagine 2020, sem pandemia? Recordando janeiro e fevereiro de 2020, não havia razão para não acreditarmos que o turismo não crescesse a um ou dois dígitos.

Aliado ao problema aeroporto, o outro ponto que já foquei da falta de mão-de-obra.

Mas falta de mão-de-obra ou falta de mão-de-obra qualificada?
Esse é outro problema. Em 2016 falava em mão-de-obra qualificada. A partir de 2018, deixei cair a palavra “qualificada”. Nós não tínhamos mão-de-obra. Mas, para este mandato, essa é uma preocupação que só surgirá se as empresas sobreviverem.

O que lhe digo é que acaba em abril o pagamento dos 100% para empresas com quebras acima de 75%. Isto foi definido há três meses. Não sei se estava certo ou errado, o que não estava previsto era que em maio continuássemos praticamente a não ter atividade turística.

E não há possibilidade de redefinição desses apoios?
A minha esperança é que estes apoios sejam prolongados, pelo menos, até junho.

Uma realidade dramática
Vai fazer um ano que a CTP apresentou 99 medidas de apoio à atividade turística, bem como propostas para a capitalização das empresas. Depois de termos desconfinado, voltado a confinar e, agora, novamente em desconfinamento, que medidas foram aceites e postas em práticas e o que ficou na gaveta?
Em termos gerais e, especificamente, no turismo, houve uma medida em que o Governo esteve bem: o layoff e a medida de apoio à retoma.

Relativamente a outras medidas de apoios às empresas em geral e no turismo, estas são medidas burocráticas, lentas e insuficientes. Vamos pegar nas últimas. Algumas ainda estão no papel como, por exemplo, aquela dos 300 milhões para o turismo. Outras, como o reforço do Apoiar já estão esgotadas. O que é que isto quer dizer? Quer dizer que, se uma já está esgotada e a outra ainda não chegou, então são claramente insuficientes.

Portugal investiu muito pouco na recuperação. Tem de fazer mais, ou melhor, muito mais e rapidamente.

Nós nunca nos pronunciamos em questões sanitárias. Mas há uma questão económica que nos pronunciamos e muito. Uma pandemia que dura há mais de um ano e na qual a taxa de desemprego nem reflete este ano de pandemia, a decisão que está do lado do Governo é muito simples. Isto é um trade-off muito simples. Aguentar as empresas e dar valor ao esforço e à resiliência que essas empresas e empresários demonstraram. Muitas vezes perguntam-me, como foi possível aguentar? Foi possível, porque tivemos 10 ótimos anos de turismo e os empresários gastaram todas as suas poupanças que ganharam nestes anos para manter as empresas e postos de trabalho.

“Estando o PRR dentro do PE e alertando o PE para a necessidade de haver uma recuperação do turismo, por que razão ignora o PRR o turismo?”

Mas há um limite. Quando atingimos esse limite?
Esse limite já foi atingido. E como disse, ou o Governo mantém essas empresas e quando abrirem os corredores turísticos há oferta instalada, há companhias aéreas, há aeroporto, há hotéis, restaurantes, rent-a-cars e os turistas vêm para cá ou, se não existir isto tudo, eles não vêm.

E se esses turistas não vierem, aí não fecham 10 ou 20% das empresas. Aí fecham todas. Pode ter a certeza. E com isso, vão centenas e centenas de milhares para o desemprego.

Portanto, reforça o que disse em fevereiro passado quando afirmava que, se o Governo não atuar com rapidez, não haverá empresas para salvar?
Cada dia que passa a situação é mais dramática. Eu já não falo daquelas atividades que estão proibidas, como discotecas, bares, etc.. Falo das que não estão proibidas – hotéis, restaurantes, agências e viagens e outros – com quebras de 70 e 80%. Há inúmeras despesas fixas que, por mais que o Governo apoie, não tem sido suficiente.

O Banco de Portugal avança que se perderam 12 mil milhões de euros em receitas do turismo neste ano de pandemia.
Isso é um bocadinho de dinheiro, não é? Mas também não tenho dúvidas que esse valor vai voltar, haja oferta.

Nós continuamos cá com tudo, não perdemos nada. Há é uma proibição de viajar, mas a ansiedade das pessoas para viajar é enorme.

Mas relativamente a essa ansiedade para viajar, como é que olha para a questão do Certificado Verde Digital e a implementação do mesmo a tempo de, eventualmente, salvar o verão?
Antes da questão do certificado, tínhamos vários países ou cada país a impor as regras que achava mais convenientes.

Dentro da UE?
Dentro e fora da União Europeia. Para uns tinha de ser com vacina, para outros com teste, para outros era quarentena. O que é que a CTP defendeu e defende: chamem o que quiserem, mas a Europa tem de funcionar. A regra que vier a ser definida tem de ser comum aos 27 Estados-Membros, interna e externamente.

Ou seja, funcionar, efetivamente, como uma União?
Exato e que às vezes parece tudo menos unida. Um alemão, um americano, um finlandês, que viaje dentro do espaço europeu ou para fora dele, tem de saber com o que contar. Tem de saber quais são as regras.

A pior coisa que pode acontecer na Europa é que a questão sanitária seja ou se torne numa questão concorrencial.

Tal como na questão dos corredores turísticos em que houve países que aproveitaram a tal desunião existente?
Lá está, o que nós queremos é uma regra que defina bem o jogo.

Mas acha que aí a União Europeia foi mais desunida do que unida?
Acho que sim, tem de ser mais Europa, mais União. Aí tem de ser como fazem os ingleses, tem de ser “mandatory”. Não pode ser facultativo.

O Wally do PRR
Portugal foi o primeiro país a apresentar o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) a Bruxelas. Nas suas várias intervenções existia sempre a critica de que o turismo não existe no PRR. Como é que gostaria de ver o setor do turismo espelhado no documento?

Esta vai pagar direitos de autor, mas, de facto, encontrar a palavra turismo no PRR é como encontrar o Wally.

Além do PRR, acabou de sair o Plano de Estabilidade (PE), que estamos a estudar, e como sabe o PRR está dentro do PE. Este último diz o seguinte: atenção que o turismo de 2009 a 2019 foi determinante para a recuperação da economia portuguesa. Neste sentido, e com um PE que tem o PRR incluindo, é fundamental ter medidas muito concretas e específicas para o turismo.

Por isso, se ler primeiro o PE e depois o PRR, vai para o PRR excitadíssimo, já que o PE diz que no PRR têm de estar lá as medidas e deverão ser “toneladas delas”. Porém, é como encontrar o Wally.

“Diria que o turismo perdeu entre 42.000 a 45.000 pessoas durante a pandemia”

O que fizeram durante a consulta pública do PRR?
Nós enviámos um trabalho muito bem feito e que tinha propostas muito concretas. O que o Governo nos diz é que não é no PRR que essas medidas concretas devem estar, que há mais no PE, mais no Portugal 2020-30 e no Quadro Financeiro Plurianual.

É uma resposta, mas não convencidos e satisfeitos com a resposta fomos procurar se os nossos concorrentes também fizeram isso. O PRR de Espanha, por exemplo, não fala no turismo. Tem, antes, um capítulo inteiro específico para o turismo e que dá pelo nome de “Plano de Modernização e Competitividade do Turismo”. Depois fomos a Itália, igual a Espanha. Só muda o nome para “Turismo e Cultura 4.0”.

Portanto, esta é uma decisão do Governo português.

Mas o que ainda estranhamos mais é que, após a consulta pública do documento, apareceram capítulos específicos para a cultura e para o mar. Com o maior respeito que tenho pela cultura e pelo mar, não entendo como é que vindo do PE a recomendação “cuidado com a baixa do turismo, é obrigatória colocá-la em alta para fazer regressar 2019”, pura e simplesmente se tenha ignorado tal recomendação.

Estando o PRR dentro do PE e alertando o PE para a necessidade de haver uma recuperação do turismo, por que razão ignora o PRR o turismo?

Portugal lá fora
Estamos numa nova fase do desconfinamento. Lembro-me de sugerir uma mega-campanha internacional, de forma a mitigar a má imagem que o país passou. Ainda mantém essa sugestão?

É verdade. De facto, olha-se para trás e ninguém percebe porque se passou do 8 para o 80 e depois do 80 para o 8. Quando estávamos naquela situação dramática, fiquei, naturalmente, preocupadíssimo. Porquê? Porque abrir os telejornais na Europa e no mundo a dizer que Portugal era o país com mais infetados por 100 mil habitantes era uma péssima imagem. Não tenho dúvida nenhuma de que, quando as pessoas começarem a marcar as suas férias, irão, antes, ver como está a situação sanitária de determinado país. E aqui, Portugal passou por uma fase horrível.

Mas, pelo facto de termos uma pandemia, de as pessoas não viajarem há mais de um ano e pelo facto dos destinos concorrentes de Portugal (Espanha, Itália, Grécia) passarem pelos mesmos problemas quando isto abrir - e temos tido muitas conversas com o Turismo de Portugal(TP) - temos de lançar, urgentemente, uma mega-campanha. Não tanto a dizer que estamos bem, isso as pessoas podem ver, mas tudo aquilo que compõe a campanha promocional de um país como as negociações das rotas aéreas, vinda de jornalistas estrangeiros, artigos publicados lá fora no online e offline, aquilo que o TP me tem dito é, “Francisco, está tudo pronto!”. O que acontece é que estão a tentar prever quando é que isto abre, porque também não vale a pena ter razão antes de tempo. As reservas, neste momento, são muito imediatas. Nós temos o exemplo do ano passado, em agosto, com o Reino Unido foi impressionante. Lembra-se que o corredor inglês sempre teve fechado com Portugal. Abriu uma semana em agosto. Pois foram mais de 50 voos diários para Faro.

Quando é que essa campanha deveria ser lançada?
Diria, já!

Mas quando focou os concorrentes de Portugal, todos vão estar em pé de igualdade. Além desses, ainda teremos Tunísia, Marrocos, Egipto, Turquia, etc..
Sim, essa é uma “ameaça” real. Vamos ter mais concorrência, mais competição, razão pela qual temos de ter urgentemente uma campanha internacional fortíssima. Ou seja, antecipar, até porque há mais gente a concorrer.

O “novo velho” aeroporto
Como focou logo no início da nossa conversa, a maioria desses turistas vêm, não de carro, mas de avião. E aí, Portugal terá um grande problema para resolver?
Lembro-me da primeira reunião que tive com o ministro Pedro Nuno Santos, por causa do problema TAP e aeroporto, no ano passado. Eu, na altura, já referia que não se conseguia resolver um problema em praça pública e o aeroporto era abertura de telejornais. A COVID pôs-lhe um tampão. E disse, “esta é a altura certa para aproveitar, nos bastidores, negociar e fazer o aeroporto”. É com grande desgosto e é essa a palavra certa, desgosto, pensar que já passou mais de um ano e evoluímos zero.

“Nós temos defendido muito a opção Montijo”

Evoluímos ou andámos para trás?
Tem toda a razão. Regredimos. Neste momento estamos a realizar um Estudo de Impacto Ambiental Estratégico para três soluções. Portanto, este estudo vai adiar, mais uma vez, algo de urgente resolução. Ora, se segundo as perspetivas mais pessimistas apontam para que, em 2024, estarmos muito perto do que era 2019, esqueça aeroporto.

É inaceitável, inacreditável.

Mas aí só está a equacionar Montijo, porque se a solução for Alcochete, teremos aeroporto dentro de uma década?
Nem quero ouvir falar nisso. É preciso não esquecer que o aeroporto é uma obra estruturante para o país. Que é de importância fulcral para o turismo? É! Mas não só. Será fundamental para toda a atividade económica.

Uma empresa exportadora que venha ver a capacidade do nosso principal aeroporto, é razão mais do que suficiente para ir embora ou não querer vir para Portugal.

Acho que é algo que nos deve envergonhar a todos. Estar a discutir há 50 anos a localização de um novo aeroporto.

Teme que se veja inscrito a mesma expressão que se viu por causa da Barragem do Alqueva: “Construam-me, porra!”?
Não sei se me está a querer dar ideias, mas para evitar repetições, optar, eventualmente, por um: “Porra, construam-me!”.

Eventualmente, quando voltar a entrevistar-me depois do final da pandemia e perguntar-me que desafios temos agora pela frente, talvez lhe responda na altura que não temos mais nenhuns, porque não há mais nada para fazer, porque não cabe mais ninguém no aeroporto.

Mas do lado da CTP existe alguma preferência ou a questão é, precisamos de um aeroporto, seja ele no Montijo, Alcochete, Alverca, Ota, etc.?
Nós temos defendido muito a opção Montijo. Porquê? Por causa de três questões. (i) A opção Montijo mantém a Portela viva e, quer queiramos ou não, a Portela é um fator de competitividade para a cidade gigantesco. (ii) A opção Montijo é a opção mais rápida e barata. (iii) Depois, falamos do Montijo, parece que ninguém sabe o que já lá está. Montijo é uma base aérea. Ora, já lá está, praticamente, tudo.

Falar em aeroporto é ter de falar da TAP. Vamos ter TAP, vamos ter “TAPzinha”?
Não conheço o plano de reestruturação da TAP. Se é preciso um plano de reestruturação? Bem, a maior parte das companhias aéreas está a ser reestruturada. Portanto, a TAP, com o que conhecemos, dificilmente, escaparia a uma reestruturação. Do que conhecemos da TAP, há que referir a importância das duas apostas feitas no Brasil e nos EUA. Nós tivemos em Portugal brasileiros e americanos como nunca. Porquê? Porque é o voo direto que impulsiona o tráfego. O que se pergunta é o seguinte: com a reestruturação e baixa de 20 ou 30 aeronaves é possível manter a política de ‘hub’? A TAP diz que sim, eu não sei.

Porque perdendo esse hub?
Nem quero pensar nisso.

“Com a reestruturação e baixa de 20 ou 30 aeronaves é possível manter a política de ‘hub’? A TAP diz que sim, eu não sei”

Mas além dessa questão coloca-se, igualmente, a problemática do CEO.
O Fernando Pinto quando veio, veio com homens-chave. O Antonoaldo Neves trouxe uma equipa inteira. Agora vem um CEO sem equipa? Outra questão: quando se abre um processo de reestruturação e de rescisões, não pode sair quem quer, sai quem não fizer falta à empresa. Vai falar com qualquer agência ou operador, o que eles dizem é que não têm com quem falar. Isso preocupa-nos.

Mas será que é a gestão pública que está a dificultar a vinda de um novo CEO?
Não sei, mas que está a dificultar, acredito. Até porque, quando chegar, não vai ver o que pode ou deve fazer. Não, vai fazer o que já foi submetido e aprovado. Vamos ver quem aceitará esse jogo.

Venha lá essa retoma
A retoma que aí vem poderá ser desfavorável para o turismo, na medida em que, com tanta concorrência, a primeira coisa que se fará é baixar preço? Portugal é um destino “demasiadamente” barato?
Não concordo com quem afirma isso. Vamos ser realistas, um país que tem 27 milhões de turistas, em 2019, tem de tudo. Isto não é um turismo de nicho. O melhor local para ver isso é o Algarve. Tem lá, desde o turista de massas até ao turista de 5 e 6 estrelas.

Mas vou recordar algo que as pessoas se esquecem. Antes de 2009 houve muito oferta criada que não foi acompanhada pela procura. De 2009 para trás, crescemos muito pouco. De 2009 a 2019 aconteceu exatamente o oposto, ou seja, a procura foi maior que a oferta. O que é que aconteceu de 2009 a 2019? O REVpar cresceu sempre mais do que o número de turistas, ou seja, nós tivemos de aumentar os preços sempre acima da procura.

Pode perguntar-me, acha que isto agora vai sofrer um revés? Sim, acho. Quando os hotéis estão cheios, é fácil dizer, não baixo preço. Mas agora, estamos com hotéis a 40% e menos, muito menos.

Não podemos perder a noção do seguinte, há lugar para todos. Temos turismo de 6 estrelas, 5 estrelas, de 4, 3, 2 estrelas.

E há que manter?
Sem dúvida, há que manter. Há toda uma oferta instalada nesse sentido. Não se esqueça que Portugal é considerado, de 2019 para trás por quatro vezes consecutivos o melhor destino de golfe do mundo. O turista de golfe é do que mais dinheiro gasta.

As cidades de Lisboa e Porto eram das cidades mais procuradas para congressos.

Até o setor automóvel, com as apresentações internacionais …

Não há apresentação internacional de automóvel que Portugal não seja considerado. Eu lembro-me de uma marca automóvel que trouxe a Portugal 6.000 jornalistas. Ora, isso é imbatível.

Mas houve muita gente no turismo de negócios a enveredar pela “facilidade” do digital?
Há um turismo de negócios que foi ensinado por esta pandemia a fazer coisas digitalmente. O Zoom e o Teams e outras soluções vieram questionar aquela reunião a Madrid ou a Paris por 2 ou 3 horas.

Posso organizar um congresso médico com 6.000 ou 10.000 pessoas no digital? Posso, mas não é a mesma coisa.

O que sobrará ou sobreviverá do setor do turismo? Tem noção de quantas empresas, empregos se perderam?
Não temos a bola de cristal. O que temos vindo a saber é que o número de empresas a fechar não tem sido muito diferente de anos anteriores. Quanto ao desemprego, é,provavelmente, a atividade em que mais se sentiu isso. Os números que temos são do INE referentes à hotelaria e restauração. Diria que o turismo perdeu entre 42.000 a 45.000 pessoas durante a pandemia.

Considerando que vamos ter prolongamento de layoff, que as medidas do Governo vão ser mais incisivas até setembro, que iremos ter um verão mais normal, a capacidade de vacinação vai ser maior, que em setembro já poderemos ter a tal imunidade de grupo, diria que, tenho alguma esperança que a maior parte da nossa oferta instalada se mantenha. E aqui, temos de dizer isto muito claramente, tem de haver um elogio muito grande às associações do setor e aos empresários do turismo. Têm aguentado estoicamente. Tem havido uma atitude de responsabilidade por parte dos atores do setor do turismo que temos de salientar. Não vejo ninguém a baixar os braços. Empresas proibidas de funcionar, não é perder 50% ou 75%. É perder 100%.

Os 10 anos de capitalização esfumaram-se?
Como se costuma dizer, a carninha está toda no assador.

Ainda faltam cerca de 5 meses para o Dia Mundial do Turismo e para o dia do evento da CTP.  Mas como gostaria de abrir o seu discurso nesse dia 27 de setembro?
Boa tarde, muito bem-vindos a este dia 27 de setembro a mais um Dia Mundial do Turismo. As minhas primeiras palavras são para dizer que debelou-se a pandemia. Portanto, uma vez constituída a imunidade de grupo e com o número de infetados praticamente inexistentes, Senhores governantes, é favor de olhar para as empresas portuguesas que aguentaram isto tudo, que estão descapitalizadas e que precisam de apoios.

Vamos por as empresas portuguesas em condições de colocar o turismo como, novamente, o motor da economia como o foi de 2009 a 2019.

Estas são as palavras que gostaria de dizer no dia 27 de setembro de 2021.

*Esta entrevista foi publicada na edição 1438 do jornal Publituris.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Artigos relacionados
Fotos de banco de imagens por Vecteezy
Análise

Universidade Nova de Lisboa lança “NOVA TOHO”

Criar e difundir conhecimento, bem como promover a inovação no turismo e hospitalidade é o da plataforma NOVA TOHO.

A Universidade Nova de Lisboa (UNL) apresenta, na próxima quinta-feira, dia 21 de outubro, a Plataforma sobre Turismo e Hospitalidade – NOVA TOHO.

Com a pandemia a trazer novos desafios ao Turismo, designadamente ao nível da saúde e da segurança, e a acelerar transformações que conduzem a uma maior digitalização e sustentabilidade, a NOVA TOHO surge como uma plataforma que visa “criar e difundir conhecimento, bem como promover a inovação nesta área”, refere a UNL em comunicado.

Da gestão aos dados e à informática, da saúde ao património e à sustentabilidade, a NOVA TOHO congrega diferentes áreas do saber, tendo como objetivos “constituir-se como espaço de formação e criatividade ao serviço da comunidade; estabelecer parcerias com a indústria, instituições governamentais e instituições académicas nacionais e internacionais; e contribuir, enquanto centro de excelência, para o desenvolvimento do tecido económico local, regional e global”.

De salientar que, antes da pandemia, o turismo representava 12,5% do PIB nacional, sendo Portugal considerado um dos destinos mundiais mais competitivos e sustentáveis.

Além da apresentação da NOVA TOHO, a sessão contará, também, com um debate sobre o futuro do turismo, numa mesa-redonda que contará com a presença de Magda Antonioli, vice-presidente da European Travel Commission e professora na SDA Bocconi School of Management; Luís Araújo, presidente do Turismo de Portugal; e Marc Stierand, professor e Diretor do Institute of Business Creativity da Escola de Hotelaria de Lausanne.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Análise

‘Adaptar Turismo’ com dotação de 5 milhões de euros para apoios a fundo perdido até 20 mil euros

Criado pelo Governo para “apoiar as empresas do turismo no esforço de adaptação e de investimento nos seus estabelecimentos”, o ‘Adaptar Turismo’ recebe agora uma dotação de cinco milhões de euros.

Publituris

O programa Adaptar Turismo, destinado a micro, pequenas e médias empresas do setor afetadas pela pandemia, conta com uma dotação de cinco milhões de euros para apoios a fundo perdido até 20 mil euros.

De acordo com o despacho publicado em Diário da República, assinado pela secretária de Estado do Turismo, Rita Marques, o instrumento de apoio é financiado pelo Turismo de Portugal “com recurso às suas receitas próprias anuais, e tem uma dotação orçamental de cinco milhões de euros”.

O Adaptar Turismo foi criado pelo Governo para "apoiar as empresas do turismo no esforço de adaptação e de investimento nos seus estabelecimentos, permitindo ajustar os métodos de organização no trabalho e de relacionamento com clientes e fornecedores ao contexto pós-COVID-19".

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Análise

APECATE apresenta sugestões para OE 2022

A APECATE apresentou um rol de medidas e sugestões ao Grupo Parlamentar do PS para o próximo Orçamento de Estado de 2022.

Publituris

A Associação Portuguesa de Empresas de Congressos, Animação Turística e Eventos (APECATE) reuniu-se recentemente com o Grupo Parlamentar do Partido Socialista, tendo apresentado as suas sugestões e posição sobre o Orçamento de Estado, reiterando a defesa dos interesses do setor.

A APECATE considera que os setores da Animação Turística e dos Eventos são “há muito discriminados em relação a outros setores económicos, nomeadamente aos que pertencem ao turismo”.

“O facto de serem mais recentes, não lhe deve retirar a sua importância no mundo do turismo, carecendo da necessidade de terem apoios estruturantes que garantam o seu melhor desenvolvimento, particularmente nesta fase em que estivemos parados e em que é necessário criar condições para a sobrevivência e competitividade deste setor”, afirma a APECATE em comunicado.

“Sem um setor de experiências fortes, vamos ter uma oferta turística sem capacidade de ser competitiva na captação de mais e melhores turistas”, diz a associação, salientando ainda que “nos outros países europeus este subsetor do turismo tem sido apoiado com várias medidas garantindo a sua competitividade”.

Considerando que “todo o setor do turismo necessita de apoios e da criação de condições que lhe permita recuperar e reconstruir saindo ainda mais competitivo”, a APECATE afirma que, esta fase, revestem-se de especial importância “incentivar a procura, quer particular, quer corporativa; trazer equidade fiscal; e incentivar medidas de redução da atividade paralela, via o incentivo de faturação de toda a atividade, traduzindo-se num saldo positivo de receita fiscal”.

A APECATE apresentou ainda algumas propostas de medidas para o Orçamento de Estado do próximo ano. Assim, no que toca ao IVA, a APECTA propõe uma “dedução a 100% do IVA na organização e participação em eventos para as empresas nacionais; redução da taxa de IVA para IVA reduzido (6%) na atividade de Animação Turística (alojamento 6%; táxis e transportes turísticos com TP 6%; TVDE 6%; restauração 13%; animação turística 23%) e na inscrição e bilhetes para eventos e congressos (à semelhança dos bilhetes para eventos culturais – 6%); dedução a 100% do IVA com combustíveis (gasóleo e gasolina)  nos sectores de AT que utilizem viaturas (barcos, tuktuk, viaturas turísticas, …)”.

Já no IRS, a proposta da APECATE contempla uma “dedução em sede de IRS de despesas em AT e Eventos, em equivalência com outras despesas em subsectores do Turismo como a Hotelaria e a Restauração, assim como na Cultura”, bem como a “manutenção, até junho de 2022, dos apoios à retoma visando a manutenção das empresas e dos postos de trabalho”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Análise

Para 55% dos portugueses, viajar com os animais de estimação é importante

39% dos portugueses defendem que os animais também precisam de férias, diz estudo da eDreams.

Publituris

A  maioria (55%) dos portugueses que possui um animal de estimação afirmou que, se fosse de férias agora, gostaria de se fazer acompanhar deste. Esta é uma das principais conclusões de um novo estudo da eDreams revelado esta terça-feira.

Entre outras conclusões, está o facto dos portugueses acreditarem que os animais também precisam de férias (39%), além de gostarem de conhecer animais de outras pessoas durante as suas viagens (38%). 17% ainda considera que os donos de animais de estimação são mais divertidos do que as outras pessoas. Apenas 7% expressou aversão à ideia de contactar com animais de companhia nas férias, explicitando preferência por alojamentos que não permitem a presença de animais.

Os companheiros de quatro patas já são bem-vindos em muitos locais do mundo, e existem até hotéisspas e cafés pensados especificamente para eles e para os seus donos. Em Roma, Itália, existe uma praia específica para cães, e perto de Munique, na Alemanha, é possível encontrar um resort de luxo destinado ao melhor amigo do Homem.

Para os fãs de caminhadas e desporto de aventura, o destino ideal pode passar por San Diego, nos EUA, onde encontramos atividades de kayak e paddleboard para cães, ou por Londres, capital do Reino Unido, que conta com vários trilhos amigos dos animais.

Para ajudar a viajar com os animais de estimação, a eDreams lançou um guia de apoio.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Governo lança nova linha de 150 milhões para o turismo

No Dia Mundial do Turismo, o ministro da Economia prometeu mais apoios ao setor. O presidente da CTP, Francisco Calheiros, perguntou pelo novo aeroporto.

Victor Jorge

O ministro da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, anunciou durante a Conferência “Retomar o Crescimento”, organizada pela Confederação do Turismo de Portugal (CTP), o lançamento, nos próximos dias, de uma nova linha de crédito de apoio à tesouraria das empresas do turismo no valor de 150 milhões de euros.

No evento que marca o Dia Mundial do Turismo, Siza Viera, admitiu que “estamos conhecer um processo de retoma e o verão foi um exemplo disso”, salientando que “a retoma ainda é escassa, mas é certa”.

O apoio do Governo não se ficará, no entanto, por esta linha, com o ministro responsável pela pasta da economia a admitir que os apoios não se ficam por esta linha.

Referindo a importância que o setor possui para a economia nacional, Siza Vieira salientou que “o sucesso deste setor assenta na capacidade das nossas empresas”, reforçando a ideia de que Portugal “é um dos “, tendo “preservado a sua imagem nos mercados mais relevantes”. Por isso, admitiu, “fez todo o sentido “o esforço que todos fizemos na preservação deste ecossistema”.

Identificando os apoios até agora prestados ao setor do turismo em “mais de três mil milhões de euros”, Siza Vieira admitiu que “não vale a pena traçar quadros cor de rosa. Muitas empresas ficaram pelo caminho e empresários foram impossibilitados de continuar a sua atividade”.

Destaque, igualmente, para os 70.000 empregos que o setor do turismo possui atualmente, face á realidade de 2019 e que “é muito importante serem recuperados”.

Com a aproximação da época baixa, o ministro da Economia reforçou a necessidade de “termos de fazer mais um esforço”, já que, citando uma frase que se vem ouvindo no setor, “não podemos morrer na praia.

Daí Siza Vieira salientar que os apoios mais importantes vão continuar até ao final do ano através dos diversos planos e linhas de apoio – Reforçar e Retomar - que foram anunciadas em maio passado.

Antes do ministro da Economia, Francisco Calheiros, presidente da CTP, já tinha “exigido” a manutenção dos apoios, deixando a certeza que “o setor, do que depende de nós, irá crescer”

Reforçando que o apoio do Governo “é importante e sem ele tudo será mais difícil”, Francisco Calheiros salientou que as empresas estão “numa situação muito difícil e precisam de ajudas rápidas”, deixando algumas críticas no que diz respeito ao código de trabalho e às mexidas que estão pensadas.

Quanto à retoma e ao tempo que esta demorará, o presidente da CTP deixou, a propósito do “tempo” a pergunta direta ao ministro da Economia: “quanto tempo é preciso esperar pelo novo aeroporto”. No discurso do ministro, contudo, não houve resposta.

Certo é que, segundo o presidente da CTP, “a continuação da atual situação é uma ameaça para o turismo nacional”.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Análise

Mais de 30% dos portugueses mantém poupança de dinheiro para viagens

O estudo concluiu que as famílias sem filhos (37%) são quem mais poupa para viajar em comparação com as famílias com filhos (26%).

Publituris

Mais de 30% dos portugueses apontaram as viagens como o principal motivo para poupar dinheiro, quando em 2019, antes da pandemia de covid-19, eram 31%, concluiu um estudo da Intrum.

Quando se comemora o Dia Mundial do Turismo, “o European Consumer Payment Report, estudo da Intrum, revelou que, para os portugueses (34%), viajar é uma das principais razões para poupar dinheiro todos os meses”, um valor “superior ao período homólogo de 2019, que atingiu os 31%”, apontou a Intrum.

Para a promotora do estudo, os dados mostram que a “pandemia de covid-19 aumentou a vontade dos portugueses de conhecer o mundo”.

Ainda assim, aquela percentagem já foi mais elevada, registando os 42% nos anos 2017/2018.

Já quando comparado com a média europeia (41%) ou Espanha (40%), Portugal fica a uma distância de sete e seis pontos percentuais, respetivamente.

O estudo da Intrum concluiu ainda que as mulheres (35%) poupam mais para viajar em comparação com os homens (32%) e que o grupo etário dos maiores de 65 anos (46%) é o que mais poupa para viajar.

Seguem-se as faixas etárias dos 18 aos 21 anos e dos 22 aos 37, com uma percentagem de 38%. Em último lugar encontra-se a faixa etária dos 45 aos 54 anos com uma percentagem de 24%.

Por fim, o estudo concluiu que as famílias sem filhos (37%) são quem mais poupa para viajar em comparação com as famílias com filhos (26%).

“A pandemia de covid-19 teve um grande impacto em todas as áreas, ainda assim, o setor da hotelaria e lazer (64%) foi um dos setores em que as margens de lucro foram mais afetadas. Para além disso, 86% dos inquiridos anseia que uma recessão venha a ter um impacto muito negativo na sua empresa”, referiu, em comunicado, o diretor-geral da Intrum Portugal, Luís Salvaterra.

O estudo ECPR - European Consumer Payment Report 2020 tem por objetivo a partilha de informação sobre a vida quotidiana dos consumidores europeus, os seus hábitos de despesa e a capacidade de gerir as suas finanças domésticas mensalmente.

O relatório anual baseia-se num inquérito externo realizado simultaneamente em 24 países na Europa, entre os quais Portugal, com um total de 24.198 consumidores participantes na edição de 2020.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Análise

As propostas para o turismo de Lisboa

Constituindo a principal porta de entrada para os turistas de visita ao nosso país, Lisboa é peça-chave em muitas vertentes do turismo. O Publituris foi ouvir as propostas de quem pretende ocupar o lugar cimeiro da câmara da capital do país.

Victor Jorge

À quarta ronda pelas principais cidades turísticas de Portugal, terminamos na capital do país, Lisboa. No próximo fim de semana, os/as portugueses/as elegem os/as presidentes para as 308 câmaras que compõem o mapa autárquico em Portugal.

Depois de ouvir o que os/as candidatos/as de Albufeira, Funchal e Porto têm a propor para as respetivas cidades, chegou a vez de Lisboa.

Leia as propostas dos/as candidatos/as à Câmara Municipal de Lisboa às eleições do próximo dia 26 de setembro :

  • Carlos Moedas, candidato pelo PSD + CDS-PP + PPM + MPT + Aliança
  • João Ferreira, candidato pela CDU
  • Manuela Gonzaga, candidata pelo PAN
  • Bruno Horta Soares, candidato pela Iniciativa Liberal
  • Nota: O Publituris contactou, igualmente e por diversas vezes, os/as candidatos/as à Câmara Municipal de Lisboa,  Fernando Medina (PS+Livre), Beatriz Gomes Dias (BE), e Nuno Graciano (Chega). Contudo, até ao fecho do artigo não obteve quaisquer respostas por parte das referidas candidaturas.

    Sobre o autorVictor Jorge

    Victor Jorge

    Mais artigos
    Análise

    As propostas de Carlos Moedas, candidato pelo PSD + CDS-PP + PPM + MPT + Aliança

    As propostas do ex-comissário europeu e candidato pelo PSD + CDS-PP + PPM + MPT + Aliança à Câmara Municipal de Lisboa.

    Victor Jorge

    Que importância possui o turismo para a cidade de Lisboa?
    O turismo é fundamental para milhares de lisboetas, para a economia da cidade, para a projeção internacional de Lisboa e para a capacidade de atrairmos investimento que gerem riqueza para os lisboetas. O meu compromisso é relançar o setor do turismo envolvendo os vários agentes do setor.

    Que medidas merecem a sua aprovação e o que foi feito que, sob a sua liderança, não seria realizado? O que teria feito de diferente durante este período pandémico e como antevê o regresso à tão desejada “normalidade” do turismo na cidade de Lisboa e quais os principais desafios esperados?
    O problema desta governação é que mesmo as boas ideias pecam sempre por má execução. A taxa turística seguiu o exemplo de outras cidades muito procuradas, mas não fazia sentido cobrar durante a pandemia, o que dificultou a nossa competitividade num momento complicado. Usar os fundos da taxa turística para reabilitação de património também é uma boa ideia, mas faria mais sentido investir noutras centralidades da cidade, para evitar concentrar todos os turistas da cidade na Rua da Betesga. Não há necessidade nenhuma de ter o turismo histórico, cultural, de diversão noturna e de arte urbana a confluir todo nos mesmos escassos quilómetros quadrados. Para além disso, deixa muitas partes da cidade esquecidas. Para mim, o dinheiro do turismo deve servir para tornar mais partes da cidade atrativas para turistas.

    Questões como a sustentabilidade, overtourism, segurança, digitalização e mobilidade, estão na ordem do dia no turismo. Que propostas tem para estes pontos (e outros) em concreto?
    Percebo a ideia do overtourism, mas a verdade é que estamos longe desse ponto. Uma gestão mais eficaz das centralidades ajudava-nos muito nesse campo. Na sustentabilidade, há uma medida que depende pouco de mim, mas que vejo como muito importante, que é ligar melhor Lisboa à Europa através de caminhos de ferro para evitar que se fizessem tantas viagens de avião. Isso a juntar ao aeroporto complementar da Portela, que podia evitar que os aviões andassem tão em cima da cidade. Fernando Medina ainda é um político muito analógico, em 2021 não podemos continuar a ter responsáveis políticos que não percebam a importância da digitalização.

    O que falta fazer na cidade de Lisboa no que diz respeito ao turismo e que já deveria estar ou ter sido feito?
    Acho que há muito potencial a ser desperdiçado. Temos uma cidade que tem o elétrico como cartão de visita e não investe nele. Que tem Alfama como jóia da coroa, mas está a deixar que o bairro se descaracterize totalmente. Faz falta a Lisboa ser menos uma cidade de iniciativas com nomes estrangeiros e tentativas de uniformização. Não tenho nada contra estrangeirismos, até sou conhecido por eles, mas a cidade, neste momento, precisa de se focar em manter alguma identidade, sob pena de perder a graça que têm bairros como a Graça (‘pun intended’, cá está um estrangeirismo). Serei um presidente focado em não matar a galinha dos ovos de ouro que é a tradição de Lisboa, ao contrário de Fernando Medina, que a quer depenar e por na panela o mais rápido possível.

    Eleito presidente, quais as primeiras e principais medidas a tomar em benefício do e para o turismo da cidade de Lisboa?
    As medidas serão sempre no sentido de melhorar a cidade para os lisboetas ao nível das condições de mobilidade, de investimento no comércio local, de atratividade da cidade. Vou estabelecer um rumo ambicioso para o relançamento do turismo envolvendo os vários agentes do setor. Vou potenciar o crescimento da cidade do ponto de vista turístico, para outras zonas e para a Área Metropolitana de Lisboa, promovendo concertadamente os destinos nos vários municípios da região. Tenho um programa que irá aumentar a estada média de cada visitante, aumentando a oferta de experiências culturais da cidade. A cultura será um dos pontos estruturais e centrais desta nova ambição turística dinamizando a oferta cultural da cidade. Assim como irei potenciar o turismo de negócios e conferências com aumento de infraestruturas, construindo o Novo Centro de Congressos de Lisboa. E tudo farei para manter a identidade bairrista que Lisboa ainda tem e que é um fator de atração único no Mundo.

     

    Sobre o autorVictor Jorge

    Victor Jorge

    Mais artigos
    Análise

    As propostas de Bruno Horta Soares, candidato pela Iniciativa Liberal, para o turismo de Lisboa

    A Iniciativa Liberal concorre pela primeira vez à Câmara Municipal de Lisboa, Conheça as propostas do candidato Bruno Horta Soares para o turismo de Lisboa.

    Victor Jorge

    Que importância possui o turismo para a cidade de Lisboa?
    A cidade de Lisboa é uma cidade vibrante, capaz de combinar tradição e inovação e por isso é por definição uma cidade de eleição para turistas de todo o mundo e assim espero que continue por muitos anos. Adicionalmente, a indústria do turismo tem um efeito multiplicador pelas interdependências que tem em diversos setores da economia e no desenvolvimento físico da cidade, tendo sido visível os impactos económicos positivos que criou no pré-COVID-19. No entanto, como qualquer indústria está a ser afetada por diversos desafios de contexto, obrigando a que a administração e gestão do turismo de uma cidade tenha de ter competências para planear, implementar e monitorizar as oportunidades e responder às ameaças que a incerteza dos próximos tempos certamente trará. Também a indústria do turismo terá de ser bem mais resiliente, mas Lisboa não pode recuar e deverá sempre manter o foco na inovação e a capacidade de agilidade para se adaptar às dinâmicas de procura existentes.

    Que medidas merecem a sua aprovação e o que foi feito que, sob a sua liderança, não seria realizado? O que teria feito de diferente durante este período pandémico e como antevê o regresso à tão desejada “normalidade” do turismo na cidade de Lisboa e quais os principais desafios esperados?
    A beleza natural e humana de Lisboa leva a que a administração da cidade tenha de ter como principal princípio orientador: não estragar! Destaco como algo que ficou bem feito a recuperação da zona ribeirinha. O turismo vive de emoções e a zona ficou sem dúvida mais agradável para quem a visita. A visão que tenho para a cidade assenta numa menor intervenção direta da CML na recuperação da cidade. Quer isto dizer que procurarei sempre um maior envolvimento com o setor privado, desenvolvendo verdadeiras parcerias de dinamização turística e não apenas aquisição de serviços externos a fornecedores privados. Com a Iniciativa Liberal no executivo não teria existido o ataque agressivo e anacrónico que houve a diversas atividades que foram fundamentais para a recuperação e desenvolvimento da cidade nos últimos anos, nomeadamente o Alojamento Local.

    Questões como a sustentabilidade, overtourism, segurança, digitalização e mobilidade, estão na ordem do dia no turismo. Que propostas tem para estes pontos (e outros) em concreto?
    O investimento da CML na cidade tem passado essencialmente pelo cimento, razão pela qual não foi capaz de ter a visão de lançar plataformas digitais que permitissem a Lisboa ser uma cidade muito mais inteligente. A oferta turística terá cada vez mais de se adaptar à procura e como tal Lisboa necessita de ter uma visão verdadeira de ecossistema, onde os diferentes intervenientes possam partilhar capacidades, nomeadamente digitais, que os permitam ser mais ágeis e flexíveis em tempos de incerteza. Como exemplo, a indústria está cada vez mais orientada à experiência e à jornada do viajante e a CML pode e deve promover uma plataforma integrada onde o visitante, ao invés de andar a saltitar de site em site ou de app em app, é capaz de aceder de forma integrada à oferta de serviços, promovendo uma evolução de modelos económicos de captura de valor para novos paradigmas de partilha de valor.

    Gostaria de ver também a mobilidade muito mais centrada na jornada do cidadão e daí considerar mais estratégico um pensamento de interligação da rede urbana com a rede suburbana de transportes, por exemplo à parte ocidental da cidade, com todo o ecossistema de mobilidade a “falar” entre si.

    Na mobilidade, na higiene urbana, mas também na segurança, a digitalização, modernização o aumento significativo no investimento em tecnologias relacionadas com uma Cidade Inteligente é essencial para a melhoria destas áreas.

    O que falta fazer na cidade de Lisboa no que diz respeito ao turismo e que já deveria estar ou ter sido feito?
    A modernização da CML é crítica para esta visão de turismo moderno, pois a informação administrativa e os dados da cidade serão uma matéria-prima fundamental para garantir o bom funcionamento do ecossistema.

    Eleito presidente, quais as primeiras e principais medidas a tomar em benefício do e para o turismo da cidade de Lisboa?
    A candidatura da Iniciativa Liberal já assumiu que está nestas eleições para conseguir eleger o primeiro vereador Liberal. Acreditamos que a presença de um vereador Liberal no executivo da câmara permitirá uma visão diferente e mais positiva sobre o turismo, mais focada no futuro do turismo, mais centrada na jornada do visitante e com uma muito maior colaboração com o ecossistema de empresas e pequenos empresários.

    Sobre o autorVictor Jorge

    Victor Jorge

    Mais artigos
    Análise

    As propostas de Manuela Gonzaga, candidata pelo PAN, para o turismo de Lisboa

    As propostas de Manuela Gonzaga, candidata pelo PAN, para o turismo de Lisboa.

    Victor Jorge

    Que importância possui o turismo para a cidade de Lisboa?
    Neste momento falar de turismo não é o mesmo que falar de turismo antes de março de 2020. Apesar dos efeitos negativos que o turismo teve na cidade, em particular no legado histórico, no que respeita à dinâmica da habitação ou quanto à poluição causada pelos navios de cruzeiro, ou ainda os quarteirões tomados por hotéis e hostels, o turismo teve uma importância inegável em Lisboa, existindo milhares de pessoas, empregos, vidas que dele dependem. Devemos aproveitar este momento para planear o turismo que queremos para Lisboa, apostando num turismo de qualidade, que não contribua para a descaracterização da cidade e que permita harmonizar com as diferentes vivências, seja de quem cá vive, seja de quem cá trabalha.

    Que medidas merecem a sua aprovação e o que foi feito que, sob a sua liderança, não seria realizado? O que teria feito de diferente durante este período pandémico e como antevê o regresso à tão desejada “normalidade” do turismo na cidade de Lisboa e quais os principais desafios esperados?
    Para falarmos em turismo temos de referir dois pontos: por um lado, a democratização do turismo, o que permitiu que pessoas que há 20 anos não viajavam hoje viajem e conheçam novas culturas, tendo trazido também investimento, empregos e pessoas. Por outro lado, como sabemos, não houve um planeamento atempado e de repente quase que vimos as cidades a perderem a sua identidade, como aconteceu nos centros históricos.

    Em 2018 o PAN propôs na Assembleia Municipal a realização de um estudo de capacidade turística de Lisboa, que permitisse aferir a capacidade para receber turistas e o seu impacto ao nível da qualidade de vida. Apesar desta proposta ter sido aprovada, o executivo de Fernando Medina nunca executou este estudo, que nos permitiria hoje, num momento de crise, planear o turismo de Lisboa para que este não desequilibrasse o ecossistema da nossa cidade. Esta crise demonstrou-nos que não devemos diabolizar o turismo, mas também que não podemos ficar inteiramente dependentes desta atividade, e ainda que temos de conseguir harmonizar o turismo com quem vive em Lisboa.

    Questões como a sustentabilidade, overtourism, segurança, digitalização e mobilidade, estão na ordem do dia no turismo. Que propostas tem para estes pontos (e outros) em concreto?
    Caiu-se no erro de apostar todas as fichas numa só atividade. O turismo era uma das principais atividades de Lisboa e não se encontrou uma alternativa para apoiar todas as pessoas que dele dependiam para viver durante a pandemia. Não antevejo que vá haver um regresso total à “normalidade” porque hoje temos comportamentos distintos do que tínhamos antes da COVID-19. Agora é essencial termos a capacidade de planear em conjunto (decisores políticos e operadores turísticos) e (re)pensarmos o turismo, para que este seja de qualidade, com menor impacto ambiental e para que respeite os direitos humanos e dos outros seres vivos.

    O que falta fazer na cidade de Lisboa no que diz respeito ao turismo e que já deveria estar ou ter sido feito?
    Precisamos de cidades mais resilientes, quer do ponto de vista económico, quer do ponto de vista social, laboral e ambiental. E é por isso que para esta candidatura é fundamental que se faça não só o estudo que tenho vindo a referir, como que não se cometam erros em matérias fundamentais como a mobilidade, que tem de ser promovida de forma intermodal e com uma forte aposta no transporte público. Bem sabendo que aquando do boom turístico os transportes públicos foram um dos setores também bastante pressionados. Mesmo em relação à sustentabilidade, a descaracterização de Lisboa, com uma visão da betonização dos espaços públicos, com as constantes podas e abates abusivos de árvores, só vieram retirar valor à cidade e ao que precisamente também contribui para a tornar mais atrativa para quem nos visita.

    Eleita presidente, quais as primeiras e principais medidas a tomar em benefício do e para o turismo da cidade de Lisboa?
    A pressão que o turismo causou na habitação ou na fruição dos espaços públicos tem de ser uma lição a aprender para que não se cometam os mesmos erros no futuro e para que se consiga a desejável convivência entre locais e turistas. Agora, para melhorar, temos a obrigação de planear. Vêm aí os fundos do Plano de Recuperação e Resiliência e não podemos permitir que sejam perdidos ou mal empregues, como aconteceu por diversas vezes ao longo da história de Portugal.

    É essencial que o Turismo seja pensado em conjunto com a população. Lisboa carece em várias matérias de participação cidadã, que é essencial para melhorar a convivência entre todos. Também é necessário pensar o turismo em conjunto com os concelhos limítrofes, para que se criem novos circuitos turísticos e se deixe de pressionar sempre as mesmas áreas do território e as mesmas populações.

    Sobre o autorVictor Jorge

    Victor Jorge

    Mais artigos

    Toda a informação sobre o sector do turismo, à distância de um clique.

    Assine agora a newsletter e receba diariamente as principais notícias do Turismo. É gratuito e não demora mais do que 15 segundos.

    Navegue

    Sobre nós

    Grupo Workmedia

    Mantenha-se conectado

    ©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.