Assine já
Destinos

Portugal entre os destinos mais escolhidos pelos espanhóis para viajar em 2021 e 2022

Portugal aparece 2.º destino mais escolhido pelos espanhóis para viajar em 2021 e 2022, aparecendo ainda a referência isolada aos Açores. Contudo, viajar para os espanhóis, só a partir de setembro.

Victor Jorge
Destinos

Portugal entre os destinos mais escolhidos pelos espanhóis para viajar em 2021 e 2022

Portugal aparece 2.º destino mais escolhido pelos espanhóis para viajar em 2021 e 2022, aparecendo ainda a referência isolada aos Açores. Contudo, viajar para os espanhóis, só a partir de setembro.

Victor Jorge
Sobre o autor
Victor Jorge
Artigos relacionados

De acordo com uma sondagem efetuada, recentemente, pelo Travelzoo, Portugal está entre os destinos estrangeiros preferidos dos espanhóis para as suas férias não só em 2021, como, igualmente, em 2022, uma vez levantadas as restrições às viagens.

A sondagem adverte, contudo, que não se trata de uma sondagem geral, mas sim e somente aos consumidores registados no Travelzoo e predispostos a viajar.

Portugal aparece em segundo lugar com 18,2% das respostas, somente atrás de Itália que recebe 18,9%, mas à frente de França (15,5%) ou Grécia (8,6%). Destaque ainda para a referência aos Açores, que aparece com 4,3% das menções.

Quanto a outros destinos mais distantes, Brasil recebe 1,3% das respostas, enquanto México 4,2%, Caraíbas 9,5%EAU, 1,4%, Fiji, 0,1%, Filipinas 0,8%, Indonésia 2,3%, Maldivas 4,2%Tailândia 0,8%; EUA 8,7% ou Turquia 3,4%.

Espanha lidera, contudo, o ranking, apontando 53,7% dos espanhóis que este será o destino preferido para as suas férias em 2021 e 2022.

Não se pense, no entanto, que existe uma correria desenfreada aos destinos mais procurados. A pesquisa do Travelzoo indica, também, quando é que os espanhóis planeiam as próximas viagens internas e externas, aparecendo o mês de setembro de 2021 como a altura mais referenciada para fazer férias domésticas ou mais regionais.

A pesquisa refere ainda que 16,7% dos espanhóis ainda não sabe quando viajará por Espanha, não se sentido confortável em efetuar reservas neste momento, subindo esse valor para 26,7% quando se trata de viagens ao estrangeiro, embora 19,3% indique que o mais provável é só viajar em 2022.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Artigos relacionados
Destinos

Golfe no Algarve recupera e já está em “níveis muito altos” de procura

Presidente do Turismo do Algarve disse à Lusa que, na região, a procura de golfe deverá aumentar até novembro e que se espera uma nova subida em fevereiro e março.

O presidente do Turismo do Algarve, João Fernandes, revelou esta quinta-feira, 21 de outubro, que o golfe na região está em “níveis muito altos” de procura, existindo a expetativa de que este aumento de procura se mantenha também em fevereiro e março.

De setembro a novembro, estamos com níveis muito altos de procura”, afirmou o presidente do Turismo do Algarve à Lusa, frisando que a retoma neste segmento de mercado pode até “ter procura a partir de fevereiro ou março” de 2022, após o levantamento de restrições às viagens no Reino Unido devido à pandemia.

João Fernandes recordou que o golfe contou sempre com a “infeliz coincidência de as épocas de confinamento coincidirem com os períodos de maior procura habitual”, mas destacou que, “a partir de setembro do corrente ano, passou a angariar uma procura”, impulsionada por “dois fenómenos” que classificou como “interessantes”.

A retoma da procura foi, segundo o responsável, influenciada por “sucessivas reservas que eram adiadas e que se confirmaram, os chamados ‘rebookings’”, e por uma “procura de ‘last minute’, muito próxima do local de execução da própria reserva”, mas está “ancorada também numa retoma do mercado britânico e irlandês, que representam 73% das voltas de golfe no Algarve”.

“Estando inclusive a decorrer nestes dias a IGTM [International Golf Travel Market], no País de Gales, que é a principal feira do mercado de golfe, tive oportunidade de recolher ‘in-loco’ o ‘feedback” dos 40 campos do Algarve, que é um ‘feedback’ muito positivo, com campos praticamente cheios até final de novembro e ainda com alguma procura para dezembro”, afirmou.

Segundo o presidente do Turismo do Algarve, “as expectativas, sobretudo a partir de março, e em alguns casos em fevereiro até”, apontam para um “mercado do golfe que está a retomar em força” e se somam a um “comportamento muito positivo” do principal mercado para este produto no Algarve, o britânico e irlandês.

Opinião idêntica tem também Elidérico Viegas, presidente da AHETA - Associação de Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve, que disse à Lusa que as “perspetivas no golfe, atendendo às circunstâncias, estão a ser bastante boas”, com “uma recuperação após quase mais de ano e meio sem turistas e praticamente sem atividade”.

De acordo com o responsável, a procura pelo golfe no Algarve “apresenta já uma recuperação interessante, sendo que o expectável levantamento das restrições nos países de origem dos turistas deverá também “traduzir-se num aumento gradual da procura para esse segmento de mercado”.

O presidente da AHETA realça, no entanto, que a procura não está ainda ao nível “daquilo que era habitual antes da pandemia”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Alojamento

Quinta do Paral constrói Boutique Wine Hotel

Nova unidade hoteleira da Quinta do Paral, na Vidigueira, Alentejo, vai contar com 23 quartos e restaurante de cozinha tradicional alentejana, num investimento de 6,5 milhões de euros.

A Quinta do Paral, na Vidigueira, Alentejo, está a construir um Boutique Wine Hotel, infraestrutura que vai contar com 23 quartos e restaurante de cozinha tradicional, num investimento de 6,5 milhões de euros e que representa mais uma etapa no projeto de enoturismo da Quinta do Paral.

"Começámos por investir na aquisição de vinhas velhas, passámos para a ampliação da adega e iniciámos a construção do Boutique Wine Hotel, que vai ser um espaço maravilhoso, com muitos jardins onde podemos descansar num ambiente tranquilo longe da agitação das grandes cidades. Quero que os visitantes da Quinta do Paral tenham a experiência que eu tive quando cheguei ao Alentejo", afirma Dieter Morszeck, proprietário da Quinta do Paral.

A unidade hoteleira, que está a ser construída nas imediações da Quinta do Paral, "pretende proporcionar, aos seus futuros hóspedes, o “modo de viver” do Alentejo", segundo comunicado enviado à imprensa, contando por isso com um restaurante de cozinha tradicional alentejana, que vai ser liderado pelo chef José Júlio Vintém.

"Estamos a construir um Boutique Wine Hotel, que irá incluir um restaurante, onde o prazer de desfrutar da natureza, aliado à boa gastronomia alentejana e aos vinhos da Quinta do Paral, irão proporcionar experiências inesquecíveis. Consideramos que o chef José Júlio Vintém é a pessoa certa para mostrar o melhor que a terra nos dá. Queremos instituir um conceito urbano rural na Vidigueira, com produtos sazonais provenientes diretamente da horta e do pomar da Quinta do Paral", acrescenta Luís Morgado Leão, enólogo da Quinta do Paral.

Além do Boutique Wine Hotel, a Quinta do Paral adquiriu também mais hectares de vinhas velhas, o que motivou o investimento e 1,8 milhões de euros numa nova adega, que permitisse "aumentar a capacidade de fermentação, armazenagem e estágio dos seus vinhos".

"A adega existente era muito pequena e era muito difícil melhorar a qualidade superior que já tínhamos", explica Luís Morgado Leão, indicando que, além de "uma nova zona de receção e escolha de uvas, balseiros de carvalho francês para fermentação e estágio dos vinhos oriundos das vinhas velhas", foi ainda aumentada a "zona de fermentação de vinhos brancos e tintos" e instalado um "sistema de isolamento e climatização, na zona de estágio das barricas e garrafas, bem como em toda a adega".

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Distribuição

Fotogaleria Roadshow das Viagens do Publituris em Vila Nova de Gaia

Vila Nova de Gaia foi a 2.ª paragem da 6.ª edição do Roadshow das Viagens do Publituris. O final ficou marcado para o dia seguinte, em Sintra.

Publituris

A 6.ª edição do Roadshow das Viagens do Publituris começou ao Centro e viajou, depois para norte, mais concretamente, para Vila Nova de Gaia no Holiday Inn Porto Gaia.

Neste evento, que decorreu de 12 a 14 de outubro, com passagem pela Figueira da Foz, Vila Nova de Gaia e Sintra, marcaram presença 24 empresas expositoras que tiveram oportunidade de, neste retomar de alguma “normalidade”, mostrar a sua oferta a mais de 300 agentes de viagens que visitaram o evento nos três dias.

Além do networking, também houve espaço para alguma boa disposição e animação, bem como alguns prémios distribuídos por diversos expositores.

Organizado pelo Publituris, o Roadshow das Viagens contou, nesta edição de 2021, com o patrocínio da Turismo do Centro de Portugal, com a parceria da YVU e Iberobus, bem como com o apoio da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT).

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Distribuição

Fotogaleria Roadshow das Viagens do Publituris em Sintra

Sintra foi a última paragem da 6.ª edição do Roadshow das Viagens do Publituris, neste ano de 2021.

Publituris

A 6.ª edição do Roadshow das Viagens do Publituris terminou no Vila Galé Sintra Resort Hotel Conference & Spa, em Sintra.

Neste evento, que decorreu de 12 a 14 de outubro, com início na Figueira da Foz, e passagem por Vila Nova de Gaia, para encerrar em Sintra, marcaram presença 24 empresas expositoras que tiveram oportunidade de, neste retomar de alguma “normalidade”, mostrar a sua oferta aos mais de 300 agentes de viagens que visitaram o evento nos três dias.

Além do networking, também houve espaço para alguma boa disposição e animação, bem como alguns prémios distribuídos por diversos expositores.

Organizado pelo Publituris, o Roadshow das Viagens contou, nesta edição de 2021, com o patrocínio da Turismo do Centro de Portugal, com a parceria da YVU e Iberobus, bem como com o apoio da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT).

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Distribuição

Fotogaleria Roadshow das Viagens do Publituris na Figueira da Foz

Depois de um ano ímpar, o Roadshow das Viagens do Publituris regressou para a 6.ª edição. Foram três dias que começaram na Figueira da Foz para, depois, rumar a Vila Nova de Gaia e terminar em Sintra.

Publituris

A 6.ª edição do Roadshow das Viagens do Publituris começou ao Centro, mais concretamente, na Figueira da Foz, no Hotel Eurostars Oásis Plaza.

Neste evento, que decorreu de 12 a 14 de outubro, com passagem pela Figueira da Foz, Vila Nova de Gaia e Sintra, marcaram presença 24 empresas expositoras que tiveram oportunidade de, neste retomar de alguma “normalidade”, mostrar a sua oferta a mais de 300 agentes de viagens que visitaram o evento nos três dias.

Além do networking, também houve espaço para alguma boa disposição e animação, bem como alguns prémios distribuídos por diversos expositores.

Organizado pelo Publituris, o Roadshow das Viagens contou, nesta edição de 2021, com o patrocínio da Turismo do Centro de Portugal, com a parceria da YVU e Iberobus, bem como com o apoio da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT).

Depois da Figueira da Foz, o Roadshow das Viagens seguiu para Vila Nova de Gaia e Sintra.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Marrocos suspende voos com Alemanha, Reino Unido e Países Baixos devido ao agravamento da COVID-19

Suspensão de voos entra em vigor às 23h59 desta quarta-feira, 20 de outubro, e não tem data para terminar

Publituris

As autoridades marroquinas decidiram suspender, a partir da meia-noite desta quinta-feira, 21 de outubro, os voos de e para a Alemanha, Reino Unido e Países Baixos, devido à evolução da situação da COVID-19 nestes três países.

"Suspensão pelas autoridades marroquinas, a partir de 20/10/2021 às 23:59 e até novo aviso, dos voos de e para: Alemanha, Países Baixos e Reino Unido”, anunciou o organismo marroquino que gere os aeroportos na rede social Twitter, segundo a Lusa.

A Lusa diz ainda que também a Royal Air Maroc (RAM), companhia aérea de bandeira marroquina, confirmou já a suspensão dos voos com estes três países, devido "à evolução da pandemia”.

A Lusa recorda que a Alemanha, o Reino Unido e os Países Baixos são os países europeus com os quais Marrocos possui maior número de ligações aéreas, devido às comunidades  migrantes que ali residem.

A 5 de outubro, Marrocos já tinha suspendido as ligações aéreas com a Rússia pelo mesmo motivo, uma vez que este país tem vindo a apresentar recordes diários de novos infetados pelo coronavírus SARS-Cov-2, que causa a doença COVID-19.

No Reino Unido, a situação também se tem vindo a agravar e o governo britânico já veio dizer que está a “monitorizar muito de perto” uma nova subvariante (‘AY4.2’) da mutação Delta, considerada mais contagiosa que a estirpe inicial e que se espalhou pelo Reino Unido.

Nas últimas semanas, o Reino Unido voltou, por isso, a ultrapassar os 40 mil casos por dia de COVID-19, numa taxa de incidência que, indica a Lusa, é muito maior do que a do resto da Europa, ainda que o número de infeções também esteja a aumentar nos Países Baixos e na Alemanha.

Em Marrocos, cerca de 54% da população já recebeu uma dose da vacina contra a COVID-19 e 43% tem a vacinação completa, mas a meta das autoridades marroquinas passa por vacinar 80% da população, cerca de 30 milhões de pessoas.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Análise

Digitalização é fundamental no futuro do turismo sem esquecer as pessoas

Uma das conclusões retiradas da 2.ª edição da Conferência Hotel 4.0 Talks, organizada pela AHRESP, foi que a transformação digital é fundamental no turismo, mas pessoas continuam em primeiro lugar.

Publituris

“Estamos bem posicionados, mas podemos melhorar e proporcionar melhores experiências aos turistas. O digital ajuda-nos a ter experiências fluidas, mas o digital não é o que nós queremos, mas sim o que os clientes querem. Por isso, a transição digital só faz sentido se as pessoas forem as suas beneficiárias”, referiu  Luís Araújo, Presidente do Turismo de Portugal, esta terça-feira, 19 no âmbito da 2.ª edição da Conferência Hotel 4.0 Talks, iniciativa promovida em Coimbra pela AHRESP – Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal, e que teve como tema a transição digital como fator de sustentabilidade no turismo.

A progressiva transformação digital da atividade turística, nomeadamente da hoteleira, é verdadeiramente fundamental, mas os empresários não podem nunca esquecer-se de que as pessoas estão em primeiro lugar. Esta foi uma das conclusões da conferência.

“O turismo, e a hotelaria em particular, são setores que, há muito, lideram esta transformação. Mas não podemos ver a tecnologia como um fim em si mesmo. A digitalização ajuda a simplificar as soluções, mas a digitalização não é desumanização: as pessoas serão sempre essenciais no processo. Com esta transformação, estamos a caminhar para um futuro em que as pessoas irão ocupar funções onde realmente acrescentam valor”, explicou Tiago Quaresma, vice-presidente da AHRESP e administrador do grupo O Valor do Tempo.

“Nem tudo precisa de ser digitalizado. É preciso conhecer o cliente e perceber o que ele quer que esteja digitalizado. A digitalização não deve estar à frente das necessidades, mas sim o contrário”, sublinhou Roberto Antunes, Diretor Executivo do Centro de Inovação do Turismo.

Já Luís Ferreira, CEO da Birds & Trees, lembrou que a transformação digital em curso e a recente pandemia alteraram o panorama geral. “O mercado do turismo mudou. O mercado de 2021 não é o mesmo de 2019. Os turistas estão cada vez mais seletivos e autónomos. Hoje, três quartos do tempo da compra de uma viagem são usados sem contacto com empresas, pelo utilizador, sozinho. O turista está, muitas vezes, mais digitalizado que o hotel”, frisou.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Navios cruzeiros voltam a Cabo Verde

19 meses depois, o porto do Mindelo, em Cabo Verde, voltou a receber um navio cruzeiro. Até ao final do ano estão previstas cerca de 68 escalas, diz a Enapor.

Publituris

Os navios cruzeiros voltaram a Cabo Verde, com a chegada do "MS Europa 2", de 225 metros de comprimento, ao Porto Grande, o primeiro do género nos últimos 19 meses.

Trata-se de uma reabertura, desta feita para os navios de cruzeiro, além dos restantes segmentos turísticos, após a pandemia, mas também para os turistas que por mais de um ano adiaram a viagem.

Pela primeira vez no arquipélago e na estreia numa viagem de navio cruzeiro, os turistas dizem-se seguros face à situação da COVID-19, tendo em conta as precauções que têm tomado e à situação no país.

Para a Enapor, empresa estatal cabo-verdiana que gere os portos do país, a passada terça-feira, dia 19 de outubro, marca “um novo capítulo” no setor do turismo de cruzeiros em Cabo Verde, após cerca de 19 meses de paralisação total”, cita a agência Lusa.

De acordo com a empresa, com o levantamento das restrições anteriores, impostas para conter a transmissão da pandemia da COVID-19, os portos de Cabo Verde voltam a receber navios de cruzeiro com passageiros, “estando previstas cerca de 68 escalas até ao final do ano”.

Cerca de 48.500 turistas em viagens em 149 navios de cruzeiro visitaram Cabo Verde em 2019, o melhor registo de sempre e um aumento de 3% face ao ano de 2018, segundo dados avançados pela Enapor.

Devido à COVID-19, o turismo de navios de cruzeiro ficou paralisado desde o início da pandemia no arquipélago, em março de 2020, mas alguns países já retomaram, de forma gradual, a atividade.

“Pretende-se uma retoma progressiva e sustentada dos cruzeiros e neste sentido os Portos de Cabo Verde, em concertação com as entidades de saúde e demais parceiros, encontram-se preparados para a receção desses navios, estando definido os protocolos necessários ao cumprimento de todas as normas de higiene e segurança impostas pela situação epidemiológica atual”, destaca a Enapor, sobre a chegada do primeiro destes navios ao Mindelo.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Retoma do turismo para níveis pré-pandemia, só em 2023, diz SET

Rita Marques, secretária de Estado do Turismo, admitiu que 2023 será um ano “muito importante”, acreditando que seja o ano em que se dará a recuperação do setor para níveis pré-pandemia.

Publituris

A secretária de Estado do Turismo de Portugal, Rita Marques, afirmou, em Madrid, que o Governo espera que o setor aos valores que faturou em 2019, antes da pandemia da COVID-19, somente no ano 2023.

“Em minha opinião, 2023 será um ano muito importante, pois acredito que seja o ano em que recuperaremos integralmente da quebra de procura causada por esta pandemia”, disse Rita Marques numa mesa redonda em que participou com o seu homólogo espanhol, Fernando Valdés, para debater a colaboração transfronteiriça em termos de políticas de turismo.

Os dois governantes defenderam que os países ibéricos devem trabalhar em conjunto na atração dos turistas estrangeiros.

“Estamos numa posição privilegiada para mostrar que o mercado turístico ibérico pode ser trabalhado em conjunto”, afirmou Rita Marques, acrescentando que esse trabalho coordenado entre os dois países já era feito antes da pandemia.

A secretária de Estado portuguesa recordou que em 2017 foi definida "uma nova agenda” para o turismo nacional e que depois da pandemia essa estratégia “continua atual”.

O Governo português definiu há quatro anos que era necessário lutar contra a sazonalidade do setor, apostar no turismo em todo o território e diversificar o produto turístico, acrescentando-lhe valor.

Rita Marques considerou que a gastronomia ou os vinhos são ofertas “importantes que distinguem” o país, mas que também é necessário apostar em "novos eventos”, tendo dado exemplos os subsetores de eventos corporativos, desportivos e termais, cuja procura aumentou depois da pandemia.

“Temos vantagem em fazer propostas em conjunto com Espanha. Por exemplo, eventos que se realizam um ano num país e em seguida no outro”, afirmou a governante portuguesa.

Rita Marques afirmou que Portugal e Espanha têm “muitas coisas em comum e também complementares”, tendo acrescentado que um turista pode chegar por Lisboa e sair por Madrid, depois de visitar os dois países.

“Temos que saber aproveitar as sinergias que se podem gerar entre os nossos países para o fluxo de turistas na Península Ibérica”, disse.

A secretária de Estado incentivou a presidência espanhola do Conselho da União Europeia em 2023 a continuar o trabalho da presidência portuguesa do primeiro semestre do corrente ano.

Na presidência portuguesa foram dados passos para preparar uma “Agenda Europeia para o Turismo 2030/2050”, recordou Rita Marques, que agora espera que a estratégia esteja pronta a tempo de a Espanha, em 2023, a possa executar “com o apoio das instituições europeias e dos Estados-membros”.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Groundforce assina contrato com seis novas companhias aéreas e renova com mais uma dezena

Lot Polish (Polónia), JetPak BVBA (Bélgica), Tarom (Roménia), Air Seven (Dinamarca), Swiss (Suíça), e Ukraine International passam a fazer parte da carteira de clientes da Groundforce Portugal.

Victor Jorge

A Groundforce Portugal assinou novos contratos de assistência em escala (serviços prestados em terra a aeronaves, passageiros e carga) com seis novas companhias aéreas, tendo renovado contrato com mais 10 operadores.

A carteira de clientes da Groundforce aumenta, assim, com a chegada da Lot Polish (Polónia), JetPak BVBA (Bélgica), Tarom (Roménia), Air Seven (Dinamarca), Swiss (Suíça), e Ukraine International, tendo as últimas duas passado a voar também para o Funchal.

Para além destes novos contratos, o companhia de handling nacional renovou ainda os contratos que já detinha com as companhias SATA (nas vertentes International, International Carga e Ticketing), Azul Airlines, Binter Canarias, Privilege Style, Enter Air, Air Moldova, Grupo TUI, Delta Airlines, Air Moldova e Ural Airlines, continuando como parceiro destes clientes nos aeroportos nacionais.

Arafat Tayob, diretor Comercial da Groundforce Portugal, destaca o grau de exigência de todas estas companhias no que diz respeito a vários parâmetros, destacando a “segurança, qualidade do serviço e valor”, esperando estar, “em breve”, em níveis anteriores à pandemia.

De referir que as perspetivas de retoma do mercado denotam, segundo avança a Groundforce, em comunicado, “uma recuperação a ritmo acelerado em todos os aeroportos nacionais onde a companhia está presente”, adiantando mesmo que nos meses do verão de 2021, “o tráfego assistido atingiu 56,1% do número de movimentos de 2019, representando um crescimento de 200% face a 2020”.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos

Toda a informação sobre o sector do turismo, à distância de um clique.

Assine agora a newsletter e receba diariamente as principais notícias do Turismo. É gratuito e não demora mais do que 15 segundos.

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.