KLM realiza primeiro voo comercial com combustível sintético e sustentável

Por a 9 de Fevereiro de 2021 as 15:09

A KLM realizou o primeiro voo comercial de passageiros parcialmente operado com combustível sintético e sustentável, ligação que decorreu a 22 de janeiro, entre Amesterdão e Madrid, confirmando que o recurso a combustível feito a partir de fontes renováveis é possível na aviação comercial.

“Estou orgulhoso por a KLM estar a operar o primeiro voo da indústria usando querosene sintético feito a partir de fontes renováveis. A transição de combustível fóssil para alternativas sustentáveis é um dos maiores desafios da aviação. A renovação da frota contribuiu significativamente para a redução das emissões de CO2, mas o aumento da produção e do uso de combustível de aviação sustentável vai fazer uma ainda maior diferença para a atual geração de aviões”, sublinha Pieter Elbers, CEO da KLM, citado num comunicado enviado à imprensa.

A realização do voo foi anunciada esta segunda-feira, 8 de fevereiro, durante uma conferência internacional sobre Combustíveis de Aviação Sintéticos Sustentáveis (SAF), que decorreu em Haia, Holanda, e durante a qual a Shell, produtora do querosene sustentável, e a KLM, operadora do voo, deram a conhecer os pormenores desta operação.

“A Shell é um participante ativo da transição energética e a nossa contribuição para este mundo em primeiro é um exemplo disso. Estou extremamente orgulhoso por termos conseguido produzir 500 litros de combustível para aviação pela primeira vez à base de CO2, água e energia renovável. É um primeiro passo importante e, juntamente com os nossos parceiros, precisamos agora de expandir, acelerar e torná-lo comercialmente viável”, acrescentou Marjan van Loon, presidente e CEO da Shell Netherlands.

O voo foi realizado com uma mistura de 500 litros de querosene sintético sustentável, produzido no centro de pesquisa da Shell em Amesterdão, à base de CO2, água e energia renovável do sol e do vento de origem holandesa.

Recorde-se que o governo holandês tem vindo a apoiar várias iniciativas de estímulo à produção e uso de combustível sintético e sustentável, com o objetivo de tornar esta fonte de energia comercialmente viável e levar à sua adoção generalizada na indústria da aviação até 2050.

“Tornar a aviação mais sustentável é um desafio internacional que enfrentamos juntos. Hoje estamos a dar um grande passo no novo capítulo da aviação. Esta inovação promissora será de grande importância nas próximas décadas para reduzir as emissões de CO2 da aviação. É ótimo que, na Holanda, tenhamos sido os primeiros a mostrar que isso é possível: um grande elogio para todos os envolvidos. Espero que, nestes tempos turbulentos para a aviação, isso inspire as pessoas do setor a continuar neste curso”, acrescentou Cora van Nieuwenhuizen, ministra das Infraestruturas da Holanda.

 

 

 

 

 

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *