Assine já
Análise

Nova edição: Como vai o turismo recuperar?

A nova edição do Publituris dedica um especial ao impacto que a pandemia da COVID-19 está ter na economia, em especial no turismo. Como vai o turismo recuperar é a “million dollar question” do momento, dizem os especialistas. Mas numa altura em que ainda se combate a propagação da doença, as incertezas são muitas. 

Carina Monteiro
Análise

Nova edição: Como vai o turismo recuperar?

A nova edição do Publituris dedica um especial ao impacto que a pandemia da COVID-19 está ter na economia, em especial no turismo. Como vai o turismo recuperar é a “million dollar question” do momento, dizem os especialistas. Mas numa altura em que ainda se combate a propagação da doença, as incertezas são muitas. 

Carina Monteiro
Sobre o autor
Carina Monteiro
Artigos relacionados
SET espera crescimento de 7% nos hóspedes de 2019
Homepage
Linha de Valorização Turística do Interior já aprovou 285 projetos
Homepage
SET quer aproveitar dinâmica de Turismo em Portugal e Espanha para promover experiência ibérica
Homepage
Costa anuncia linha de 100M€ para empresas afetadas por Covid-19
Homepage

A nova edição do Publituris dedica um especial ao impacto que a pandemia da COVID-19 está ter na economia, em especial no turismo. Como vai o turismo recuperar é a “million dollar question” do momento, dizem os especialistas. O Publituris ouviu a opinião de Cláudia Monteiro de Aguiar (Eurodeputada), Pedro Brinca (Professor de Macroeconomia da Nova SBE) e de Francisco Calheiros (Presidente  da Confederação do Turismo de Portugal). Mas numa altura em que ainda se combate a propagação da doença, as incertezas são muitas.

Todas as associações já se pronunciaram sobre as medidas lançadas pelo Governo. Gabinetes de apoio jurídico aos empresários, acesso mais simplificado ao regime de ‘lay off’ ou outras questões relacionadas com linhas de crédito com prazos de pagamentos mais alargados são algumas das solicitações que resumimos num artigo.

‘Estarão os viajantes mais resilientes às crises?’ A pergunta serve de base ao artigo que publicamos sobre como sobreviveu o turismo a crises anteriores. Um estudo da WTTC aponta alguns caminhos para a gestão e recuperação de crises.

Nesta edição, publicamos ainda um especial sobre as empresas que venceram os Publituris Portugal Trade Awards 2020. As empresas agradecem o voto de confiança do setor e enumeram as razões do sucesso.

Leia ainda as entrevistas aos consultores Luís Pedro Carmo Costa, Eduardo Abreu e Jorge Catarino; a mensagem da Secretária de Estado do Turismo, Rita Marques e a opinião de Vítor Neto.

Aviso para assinantes do Jornal Publituris: No contexto actual de pandemia Covid 19, se optou pelo isolamento preventivo e está fora da empresa mas em “teletrabalho”, pode mudar temporariamente a morada de receção a sua edição impressa, basta enviar-nos o pedido para o email [email protected] [identifique a empresa/nome/morada habitual e indique a nova morada].

A versão completa desta edição é exclusiva para subscritores do Publituris. Pode comprar apenas esta edição ou efectuar uma assinatura do Publituris aqui obtendo o acesso imediato.

Para mais informações contacte: Carmo David | [email protected] | 215 825 430

Nota: Se já é subscritor do Publituris entre no site com o seu Login de assinante, dirija-se à secção Premium – Edição Digital e escolha a edição que deseja ler, abra o epaper com os dados de acesso indicados no final do resumo de cada edição.

Sobre o autorCarina Monteiro

Carina Monteiro

Mais artigos
Artigos relacionados
Transportes

Princess Cruises cancela 11 cruzeiros por falta de recursos humanos

Cancelamento afeta as viagens do navio Diamond Princess, na Califórnia, EUA, entre 1 de setembro e 13 de novembro.

Publituris

A Princess Cruises foi obrigada a cancelar 11 viagens de navios de cruzeiro devido à falta de recursos humanos, numa decisão que afeta as viagens do navio Diamond Princess, na Califórnia, EUA, entre 1 de setembro e 13 de novembro.

De acordo com um comunicado da companhia de cruzeiros, que em Portugal é representada pela Mundomar Cruzeiros, a crise dos recursos humanos, que se seguiu à crise provocada pela pandemia, atingiu fortemente a Princess Cruises, que se viu agora obrigada a cancelar as viagens de um dos seus navios por falta de tripulação.

A decisão foi comunicada ao mercado por comunicado, no qual a Princess Cruises admite que foi obrigada a tomar esta “difícil decisão” de cancelar 11 viagens do Diamond Princess devido a “desafios laborais”, como a companhia de cruzeiros se refere à crise dos recursos humanos.

“No ano passado, operámos centenas de cruzeiros graças às dezenas de milhares de trabalhadores que regressaram à nossa frota. No entanto, como outros na indústria de viagens, temos vivido alguns desafios”, explica a Princess Cruises.

Todos os cruzeiros cancelados do Diamond Princess tinham partida e chegada ao porto de San Diego, na Califórnia, EUA, e os clientes afetados podem agora pedir a substituição da viagem por outra no mesmo navio ou no Crown Princess, com uma oferta extra de 100 dólares para gastar durante o cruzeiro.

Os passageiros afetados podem também adiar o cruzeiro para uma data posterior, gozando igualmente da oferta de 100 dólares para usar durante a viagem, ou pedir ainda o reembolso total da viagem.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Recurso a empresas externas é visto como “traição” pelos técnicos de manutenção da TAP

O Sindicato dos Técnicos de Manutenção de Aeronaves (SITEMA) denuncia também que o recurso a empresas externas para realização da manutenção dos aviões tem custos muitos mais elevados do que se a manutenção fosse feita na TAP.

Publituris

O Sindicato dos Técnicos de Manutenção de Aeronaves (SITEMA) considera que o recurso a empresas externas para realização de trabalho de manutenção é “uma traição” aos técnicos de manutenção da TAP, que recentemente aceitaram a proposta da companhia aérea para regressarem ao regime de horário full time, pondo fim à greve às horas extraordinárias que estava em curso.

Num comunicado enviado à imprensa, o SITEMA, que representa 666 técnicos de manutenção de aeronaves (TMA) da TAP, diz estar preocupado com o “rumo que a TAP está a levar”, até porque a contratação de empresas externas para a realização da manutenção dos aparelhos da companhia aérea de bandeira nacional tem um custo muito superior do que se a manutenção fosse realizada pelos trabalhadores da companhia aérea.

“Os TMA veem, por isso, como uma traição o recurso a empresas externas para realizarem o trabalho de manutenção que podia estar a ser prestado dentro da companhia, poupando centenas de milhares de euros à TAP, ao Estado e aos contribuintes”, considera o sindicato, num comunicado enviado à imprensa esta sexta-feira, 12 de agosto.

Para o sindicato, além de prejudicar a imagem da TAP, esta situação leva também a companhia aérea a perder “receita importante com a recusa de trabalhos para terceiros”, assim como a perder “com o pagamento que faz às empresas onde contrata trabalho que antes realizava na TAP”.

A situação é ainda pior, acusa o SITEMA, porque a TAP “continua a deixar sair para a concorrência técnicos qualificados e a manter TMA em processo de despedimento coletivo, quando está urgentemente a precisar deles”.

“O SITEMA não compreende a razão de decisões contraditórias que só prejudicam a imagem da companhia e os seus trabalhadores, que nos últimos dois anos têm feito esforços enormes para tentarem ajudar a companhia a retomar o seu lugar de direito na aviação internacional”, acrescenta o sindicato, que se mostra, contudo, “disponível para fazer parte da solução para que a TAP continue a ser considerada uma companhia de excelência”, mas sem deixar que “o bom nome dos TMA seja posto em causa”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Distribuição

Soltrópico lança charters de réveillon para o Brasil com Natal como novidade

Operador turístico vai realizar dois voos charters para o Brasil no réveillon, um dos quais com destino a Salvador da Bahia, com partida a 27 de dezembro, e outro para Natal, que se estreia na programação da Soltrópico e que vai ter partida no dia 28.

Publituris

A Soltrópico vai disponibilizar dois voos charter para o Brasil no réveillon, concretamente para Salvador da Bahia e para a cidade de Natal, naquela que será a primeira vez que o operador turístico programa um voo charter para a capital do Rio Grande do Norte.

Num comunicado enviado à imprensa, a Soltrópico revela que ambos os voos vão contar com partida de Lisboa, com a ligação para a capital bahiana a partir no dia 27 de dezembro e o regresso a decorrer a 3 de janeiro, enquanto o voo para Natal tem partida a 28 de dezembro e regresso no dia 4 de janeiro.

“Lançámos a operação charter para o réveillon para Salvador da Bahia em 2017 e desde então é um dos principais destinos da programação de fim-de-ano da Soltrópico, sempre com bons níveis de procura. Com a retoma da confiança, sendo o Brasil um destino de eleição dos portugueses, na Soltrópico decidimos este ano também apostar, pela primeira vez, noutro destino brasileiro, Natal. Acreditamos que o destino tem potencial para se tornar uma referência no mercado nacional e no portfolio da Soltrópico”, explica Sandro Lopes, diretor de Vendas da Soltrópico.

Os preços começam nos 1780 euros para o charter com destino a Salvador da Bahia, num pacote que inclui sete noites de alojamento, em quarto duplo, APA, no hote de quatro estrelas Vila Galé Salvador, ainda que estejam disponíveis vários outros hotéis, incluindo de cinco estrelas, com preços mais elevados.

Para Natal, os preços são desde 2.633 euros por pessoa, também para sete noites de alojamento em quarto duplo, em Tudo Incluído, no hotel de cinco estrelas Vila Galé Touros, cujo preço inclui também a festa de réveillon.

Em ambos os casos, os voos são operados pela SATA Azores Airlines, com partida de Lisboa, com direito a um volume de bagagem de porão, e os preços já incluem também transferes, seguro de viagem, taxas de hotelaria e aeroportuárias. Em ambos os voos, é também possível reservar lugares em classe executiva.

 

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Iberia aumenta oferta para Lisboa e mantém aposta no Funchal no próximo inverno

A Iberia revela que, na Europa, “vai expandir os seus serviços em várias cidades como Milão, Roma, Lisboa, Bruxelas, Bordéus e Genebra, e vai continuar a aposta no Funchal e na Madeira”. Apesar disso, é no México que reside a grande aposta da companhia.

Publituris

A Iberia já divulgou o seu plano de voos para o inverno, que prevê igualar a capacidade oferecida pré-pandemia, ainda que na Europa esteja previsto um reforço para várias cidades, a exemplo de Lisboa e do Funchal, na Madeira, onde a companhia aérea garante que vai manter a sua aposta. Apesar disso, é no México que reside o grande destaque da transportadora para a próxima temporada.

Num comunicado divulgado esta quarta-feira, 10 de agosto, a Iberia revela que, na Europa, “vai expandir os seus serviços em várias cidades como Milão, Roma, Lisboa, Bruxelas, Bordéus e Genebra, e vai continuar a aposta no Funchal e na Madeira, destinos perfeitos durante todo o ano”.

A companhia aérea espanhola, que integra o IAG Group, grupo de aviação que inclui também a British Airways, revela que vai aumentar as “rotas em Espanha e na Europa, o que permitirá também aos passageiros a ligação a mais de uma centena de cidades europeias”.

Em Espanha, a companhia aérea tem previsto “um programa de voos focado no tráfego de negócios e nas Ilhas Baleares e Canárias”, através da Iberia, Iberia Express e Iberia Regional/Air Nostrum, estando também previsto o regresso dos voos Madrid-Barcelona Air Shuttle, com 87 frequências semanais e até 15 voos diários em cada sentido.

No entanto, a grande novidade da Iberia para o próximo inverno é a aposta no México, para onde a companhia aérea vai passar a disponibilizar cerca de 300 mil lugares e mais quatro frequências semanais, num total de 21 voos por semana.

A Cidade do México, capital mexicana, será mesmo a metrópole na rede da Iberia com maior número de ligações aéreas, já que vai contar com três voos diários desde Madrid, uma vez que, explica a transportadora, o México é um “mercado estratégico” para a companhia aérea, pelo que o aumento de oferta para a capital mexicana pretende reforçar a sua “liderança na América Latina”.

A Iberia lembra ainda o acordo de codeshare que estabeleceu recentemente com a Viva Aerobus no México e que oferece voos para 19 outras cidades no México, permitindo um aumento de operação que, segundo a transportadora espanhola, “favorecerá o fluxo de viajantes e melhorará a conectividade entre os dois lados do Atlântico”.

Guadalajara, Cancún, Monterrey, Veracruz, Mérida, Tampico, Puerto Vallarta, Los Cabos, Tuxtla Gutiérrez , Tijuana, Hermosillo, Oaxaca, Huatulco, Torreón, Puerto Escondido, Ciudad Juárez, La Paz, Chetumal e Mazatlán são algumas das cidades mexicanas que passaram a estar disponíveis para os passageiros da Iberia através deste acordo de codeshare.

Para a Cidade do México, os voos são operados em aviões Airbus A-350/900, que são 35% mais eficientes no consumo de combustível e têm capacidade para 348 passageiros, partindo de Madrid pelas 13h05 para chegar à capital mexicana às 18h30. O segundo voo diário parte da capital espanhola às 16h40 e chega à Cidade do México às 22h15, enquanto o terceiro e último voos diário parte de Madrid pelas 23h55 e chega à capital do México às 05h15.

Em sentido contrário, os voos partem da capital mexicana pelas 00h05 e chegam a Madrid às 17h45, enquanto o segundo voo tem partida às 13h00 e chega a Madrid às 06h20, e o terceiro voo diário parte da Cidade do México às 20h15 e chega à capital espanhola pelas 13h55, sempre em horários locais.

A nível internacional, a Iberia diz que também está a planear disponibilizar a mesma capacidade que oferecia antes da pandemia da COVID-19, até porque já retomou as duas últimas rotas que ainda estavam paradas na América Latina, concretamente para o Rio de Janeiro, no Brasil, e Caracas, na Venezuela.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Sindicatos desconvocam greve depois de acordo com a ANA

Os sindicatos que representam os trabalhadores da ANA – Aeroportos de Portugal desconvocaram a greve que estava agendada para 19 a 21 de agosto, depois de ter sido alcançado um acordo com a empresa que gere os aeroportos nacionais.

Publituris

Os sindicatos que representam os trabalhadores da ANA – Aeroportos de Portugal desconvocaram a greve que estava agendada para 19 a 21 de agosto, depois de ter sido alcançado um acordo com a empresa que gere os aeroportos nacionais.

“Após várias horas de negociações, numa reunião que teve ontem [terça-feira] início nas instalações da DGERT e culminou hoje, 10 de agosto, o SINTAC [Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Aviação Civil] e SQAC [Sindicato dos Quadros da Aviação Comercial] chegaram a acordo com a ANA/VINCI”, lê-se num comunicado do SINTAC, que é citado pela Lusa.

De acordo com o sindicato, o acordo permitiu desconvocar a greve, depois de ter sido “possível encontrar uma posição de consenso entre as partes”, que concordaram quanto à necessidade de haver um reforço dos recursos humanos nas áreas operacionais das infraestruturas  aeroportuárias.

“Do acordo resultou uma clara abertura para fazer face à escassez de RH nas áreas operacionais, um aumento salarial intercalar e a negociação de um AE (acordo de empresa), os dois últimos a concretizar através de mediação da DGERT”, explica o sindicato, que revela que, nesse sentido, vão decorrer, a 14 de setembro, reuniões para fazer um levantamento dos trabalhadores necessários e iniciar o processo de recrutamento.

Apesar do entendimento, os sindicatos dizem que este foi o “acordo possível”, até porque, acrescenta o comunicado enviado à Lusa, vêm aí “tempos difíceis”, pelo que a “empresa – ANA/VINCI – terá de que fazer repercutir nos salários dos trabalhadores a inflação galopante e os seus próprios resultados, que se adivinham muito bons”.

Entretanto, o SINTAC lançou um novo pré-aviso de greve, desta vez abrangendo os trabalhadores da Portway (detida pela ANA) dos aeroportos de Lisboa, Porto, Faro e Funchal, para 26, 27 e 28 de agosto.

“Em causa está a política de RH [recursos humanos] assumida ao longo dos últimos anos pela Portway, empresa detida pelo Grupo VINCI, de confronto e desvalorização dos trabalhadores por via de consecutivos incumprimentos do Acordo de Empresa, confrontação disciplinar, ausência de atualizações salariais, deturpação das avaliações de desempenho que evitam as progressões salariais e má-fé nas negociações”, indicou o sindicato, em comunicado.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Sindicato dos Pilotos denuncia “milhões de erros” na TAP

O Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC) diz que os erros na gestão da TAP “desperdiçam as receitas geradas este verão, fruto de uma elevada atividade operacional” e “comprometem a recuperação e o futuro da empresa”.

Publituris

O Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC), que representa os pilotos da TAP, veio esta quarta-feira, 10 de agosto, chamar a atenção para os erros na gestão da companhia aérea de bandeira nacional que, segundo o sindicato, “desperdiçam as receitas geradas este verão, fruto de uma elevada atividade operacional” e “comprometem a recuperação e o futuro da empresa”.

De acordo com o SPAC, este ano, a TAP praticamente “triplicou a contratação externa com contratos de ACMI a várias companhias aéreas”, à semelhança do que já tinha acontecido em 2018, quando a TAP se deparava com o problema da falta de aviões.

“As contas deste ano vão refletir a profundidade desta ação com bastante mais que os 200 milhões de euros pagos em 2018”, denuncia o SPAC, que fala também num aumento do valor a pagar em indemnizações aos passageiros.

O sindicato lembra que, em 2018, “a TAP pagou cerca de 55 milhões de euros em indemnizações a passageiros” e alerta que, este ano, devido ao caos nos aeroportos nacionais, a TAP já cancelou quase 500 voos, pelo que “o valor de 55 milhões de 2018 irá seguramente ser superado em 2022”.

Além disso, acrescenta o SPAC, continuam parados os dois aviões A330 que tinham sido convertidos em ‘cargueiros’, o que, segundo o sindicato, só serve para “acumular prejuízo a um ritmo alucinante de um milhão de euros por mês”.

“Um prejuízo acumulado a ultrapassar os 21 milhões de euros. Assumido o falhanço da conversão, serão agora reconvertidos para aviões de passageiros, com o inerente custo adicional de material, mão de obra especializada e homologações, com custos que representam mais alguns milhões de euros perdidos, neste processo inútil de converte/desconverte”, explica o SPAC.

Aos custos já referidos, o sindicato junta ainda os “gastos com os trabalhos de Manutenção, pagos agora a empresas que contrataram os Técnicos despedidos pela TAP em 2020”, assim como “os gastos desnecessários com a mudança da sede da Empresa do Aeroporto de Lisboa para o Parque das Nações”.

“Tudo isto são valores que a gestão não divulga, a tutela não vigia e os contribuintes portugueses pagam.  Valores que podem somar centenas de milhões de euros, apenas em 2022, enquanto a TAP afunda”, conclui o SPAC.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Azul lança primeira ponte aérea do mundo com acesso biométrico

A tecnologia de biometria já está a ser instalada nos aeroportos de Congonhas, em São Paulo, e de Santos Dumont, no Rio de Janeiro, e deverá começar a ser usada ainda este mês de agosto.

Publituris

A Azul vai passar a disponibilizar, ao longo deste mês, a primeira ponte aérea do mundo com acesso biométrico no embarque, uma novidade que surge depois dos aeroportos de Congonhas, em São Paulo, e Santos Dumont, no Rio de Janeiro, terem implementado “de forma definitiva o embarque facial biométrico 100% digital para passageiros e tripulantes”.

“Combinando análise de dados e validação por biometria, a tecnologia dispensa a apresentação de cartões de embarque e documentos de identificação dos viajantes de voos domésticos partindo desses terminais. Serão beneficiados especialmente os usuários da ponte aérea São Paulo/Rio de Janeiro. Com o procedimento instalado nos aeroportos que formam a rota de maior movimento do país, o Brasil tem agora a primeira ponte área biométrica de ponta a ponta do mundo”, sublinha a companhia aérea, num comunicado enviado à imprensa.  

De acordo com a Azul, a tecnologia de biometria está já a ser instalada nos dois aeroportos brasileiros e, quando estiver totalmente disponível, vai permitir que os passageiros dos voos entre São Paulo-Congonha e Rio de Janeiro-Santos Dumont, façam o check-in e embarque sem necessidade de apresentação de qualquer documento, uma vez que a identificação é realizada por reconhecimento facial.

Além dos passageiros, esta tecnologia vai estar também disponível para tripulantes, permitindo “o acesso às áreas restritas dos dois terminais aéreos”, acrescenta a Azul, na informação divulgada.

A tecnologia de biometria vai ser instalada de forma gradual e, segundo a companhia aérea, tem o objetivo de “tornar mais eficiente, ágil e seguro o processamento de passageiros e tripulantes, tendo por premissa a segurança no tratamento e a proteção dos dados pessoais dos usuários contra uso indevido ou não autorizado”.  

A companhia aérea explica ainda que o sistema de biometria já foi testado com sucesso durante o projeto piloto do programa federal Embarque+Seguro, que chegou a sete aeroportos brasileiros e processou mais de 6,2 mil passageiros.

“A participação da Azul neste projeto reforça o investimento constante da companhia em inovação, segurança e comodidade no setor aéreo brasileiro, que incrementam a experiência dos clientes da empresa durante toda a jornada de viagem. Não medimos esforços para apresentar novas soluções que possibilitem uma experiência de voo segura e eficiente aos nossos clientes”, refere Jason Ward, ice-presidente de Pessoas e Clientes da Azul.

Segundo a companhia aérea, para terem acesso ao check-in biométrico, os passageiros devem dispor de um documento biométrico válido, assim como de uma passagem aérea e acesso ao canal de registo e validação biométrica da companhia aérea. Depois, é necessário aceitar os termos da Lei Geral de Proteção de Dados de forma digital para obter a validação do registo e poder usar a tecnologia instalada nos aeroportos.

No aeroporto, a biometria facial é usada em duas etapas, primeiro no acesso à sala de embarque e, depois, no embarque para o avião, devendo os passageiros usar as máquinas de reconhecimento facial que vão estar disponíveis.

Para passar a ser usada nos dois aeroportos brasileiros, esta tecnologia tem vindo a ser instalada de forma gradual em todas as áreas de check-in e portões de embarque dos aeroportos de Congonhas e Santos Dumont, existindo já 12 portas de embarque com esta tecnologia e 10 máquinas de reconhecimento facial no aeroporto de Congonhas, bem como oito portas e cinco máquinas na infraestrutura aeroportuária do Rio de Janeiro.

“Após realizados os devidos testes, cada equipamento torna-se imediatamente operacional, disponibilizando a solução tecnológica para uso de todas as companhias aéreas que operam nos dois terminais e que tenham formalizado a sua adesão à iniciativa”, acrescenta a Azul.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Alojamento

Preços hoteleiros nos principais destinos europeus estão abaixo de 2019

Mesmo tendo em conta a inflação, os preços das unidades hoteleiras ainda são mais baixos que os de 2019. A conclusão é da empresa de dados turísticos Mabrian.

Publituris

Os preços das unidades hoteleiras deste ano são mais baixos que os verificados em 2019 na maioria dos destinos turísticos europeus, mesmo tendo em conta a inflação.

A conclusão é da empresa de dados turísticos Mabrian, que analisou os preços hoteleiros dos principais destinos europeus em agosto e comparou-os com as taxas de inflação locais. Os dados de 2022 foram depois confrontados com os de 2019.

Em comunicado de imprensa, a Mabrian afirma que um dos principais dados do estudo conclui que, apesar de os preços dos hotéis terem verificado subidas em 2022, e mesmo tendo em conta a inflação, estes continuam a ser mais baixos que os registados em 2019 nos principais destinos turísticos europeus.

Mabrian

A recente subida de preços nos hotéis de três e quatro estrelas em Espanha, Portugal, França e no Reino Unido, bem como nos hotéis de quatro e cinco estrelas em Itália, estão abaixo dos níveis de inflação, “o que demonstra uma descida no preço real dos hotéis”.

Tanto em Itália como no Reino Unido, o aumento de preços mais significativo é verificado na categoria dos hotéis de três estrelas, enquanto na Grécia, França, Espanha e Alemanha a tendência de aumento mais evidente ocorre nas unidades de cinco estrelas.

Em Itália, os hotéis de três, quatro e cinco estrelas aumentaram os preços numa percentagem de 27%, 7% e 4%, respetivamente, numa taxa de inflação de 9.12%.

No Reino Unido, os hotéis de três estrelas aumentaram os preços numa percentagem de 7%, enquanto os hotéis de quatro e cinco estrelas desceram os preços quando comparados com os de 2019, numa percentagem de 1% e 12%, respetivamente. A taxa de inflação é de 11,57%.

Comparados com os valores de 2019, os preços dos hotéis de três, quatro e cinco estrelas em França este ano aumentaram numa percentagem de 2%, 5% e 20%, respetivamente, com uma inflação de 7.83%.

Por fim, em Espanha, é detetado uma subida semelhante à de França, com o preço dos hotéis de três estrelas a aumentar 4% em relação a 2019, os de quatro estrelas a 6% e os de cinco estrelas a 13%, com a inflação a registar 13,55%.

Hotéis de cinco estrelas na Grécia marcam exceção à regra

No caso da Grécia, o cenário é diferente, visto que a subida de preços é muito mais significativa – neste caso, a subida de preço nos hotéis de cinco estrelas regista uma percentagem de até 134% quando comparada com 2019, enquanto a taxa de inflação é de 6.87%.

A empresa de dados turísticos associa o aumento de preços nesta tipologia de hotéis às aberturas recentes de unidades de luxo neste destino, que levaram ao aumento do preço médio de estadia no país. Apesar da tendência, os hotéis gregos de três e quatro estrelas mantiveram o aumento de preços numa percentagem de 31% e 82%, respetivamente, quando comparado com 2019.

Na Alemanha, a empresa verificou uma percentagem de aumento de preços diferente consoante as categorias dos hotéis: 12% no caso dos hotéis de três estrelas; 18% nos hotéis de quatro estrelas e 25% nos hotéis cinco estrelas. A inflação marca os 10,55%.

“Através desta análise podemos verificar que a comparação de preços entre anos pode ser ilusória no atual contexto de instabilidade. Na Europa não estamos habituados a lidar com estas taxas de inflação. Neste momento, é importante que a indústria do turismo se foque em métricas de lucro como o RevPar e GrossPar, em detrimento do preço e ocupação. A taxa média diária (ADR) é altamente comprometida pela evolução da inflação e outros fatores macroeconómicos, como as taxas de câmbio”, declara Carlos Cendra, diretor de marketing e vendas na Mabrian em comunicado.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Emirates abre recrutamento de pilotos

As candidaturas podem ser realizadas online, através do site https://www.emiratesgroupcareers.com/pilots/, onde é também possível consultar os critérios de elegibilidade.

Publituris

A Emirates abriu um processo de recrutamento para contratar pilotos que tenham experiência em aeronaves com vários motores e várias tripulações, que se podem candidatar online às vagas disponíveis na companhia aérea de bandeira do Dubai.

De acordo com a Emirates, as candidaturas podem ser realizadas online, através do site https://www.emiratesgroupcareers.com/pilots/, onde é também possível consultar os critérios de elegibilidade.

Além de terem experiência em aeronaves com vários motores e várias tripulações, os candidatos devem também possuir Licença de Piloto de Linha Aérea da OACI válida, e uma experiência mínima de 2,000 horas de voo em aeronaves de 20 toneladas MTOW (peso máximo de descolagem).

Além de terem a possibilidade de trabalhar numa companhia aérea que tem uma das frotas mais modernas do mundo, os pilotos que forem escolhidos para trabalhar na Emirates gozam também de um conjunto de benefícios que é alagado às suas famílias, assim como de um salário competitivo isento de impostos, um subsídio de alojamento e educação generoso e uma excelente cobertura médica e dentária.

Os colaboradores da Emirates podem ainda usufruir de “transporte de carga em condições preferenciais e de benefícios em viagens para toda a família e até de bilhetes para amigos, em toda a rede de destinos da companhia aérea”.

Paralelamente, há ainda formação com “instrutores altamente qualificados e em ambientes especialmente concebidos para o efeito”, assim como a oportunidade de progressão na carreira, permitindo que os pilotos se tornem comandantes, pilotos técnicos, standards’ captains, examinadores e instrutores.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Número de turistas internacionais no Dubai cresce 183% no 1.º semestre

De acordo com o Departamento de Economia e Turismo do Dubai (DET), “o número de turistas verificado no primeiro semestre de 2022 ficou muito próximo dos números do período homólogo de 2019”.

Publituris

Entre janeiro e junho, o Dubai recebeu 7,12 milhões de turistas internacionais, número que traduz um aumento de 183% face a igual período de 2021, quando o emirado tinha contabilizado 2,52  milhões de turistas internacionais, avança o Departamento de Economia e Turismo do Dubai (DET), em comunicado.

“O número de turistas verificado no primeiro semestre de 2022 ficou muito próximo dos números do período homólogo de 2019, no qual se registou 8,36 milhões de turistas internacionais no Dubai”, destaca o DET, acrescentando que esta “tendência positiva coloca a cidade no caminho certo para atingir as metas de turismo delineadas para este ano”.

Grande parte dos turistas internacionais que visitaram o Dubai no primeiro semestre era proveniente da Europa Ocidental, que representou uma quota de 22% dos turistas internacionais contabilizados, assim como do Médio Oriente e Norte de África, que em conjunto representaram 34% dos turistas que visitaram o Dubai entre janeiro e junho. A estas regiões, junta-se ainda a Ásia, com uma quota de 16%, assim como a Rússia, CEI e Europa Oriental, com 11% do total de visitantes no primeiro semestre de 2022.

“A ampla distribuição geográfica dos mercados emissores do emirado reflete a estratégia de diversificação do Dubai destinada a direcionar o tráfego por um amplo espectro de países e segmentos de visitantes, mitigando assim os riscos associados à dependência excessiva de uma só região, e destaca ainda o sucesso das campanhas de marketing personalizadas do destino em plataformas especializadas específicas e diferenciadas”, justifica o DET.

Nos primeiros seis meses do ano, destaque ainda para a atividade hoteleira no Dubai, que “apresentou resultados consideráveis, com um desempenho recorde na maioria dos indicadores durante o primeiro semestre de 2022”.

Entre janeiro e junho, a hotelaria do Dubai registou uma taxa de ocupação média de 74%, “uma das mais altas do mundo” e 12 pontos percentuais do registado em igual período do ano passado, quando este indicador se ficava pelos 62%.

Em comparação com o período pré-pandemia, a taxa de ocupação da hotelaria do Dubai continua, no entanto, ligeiramente abaixo, uma vez que no primeiro semestre de 2019 este indicador tinha sido de 76%.

Os resultados foram também positivos ao nível do rendimento médio por quarto ocupado (ADR) e o rendimento médio por quarto disponível (RevPAR), que já superaram os níveis pré-pandémicos, com o ADR a chegar aos AED567, num aumento de 48,5% e 28% face ao mesmo período de 2021 e 2019, respetivamente.

Já o RevPAR subiu 76% em relação aos primeiros seis meses de 2021, fixando-se nos AED417, enquanto em comparação com o período pré-pandemia houve um aumento de 24%, para AED336.

“De acordo com a empresa de análise hoteleira STR, o Dubai ocupa o terceiro lugar a nível global no RevPAR (US$ 147), depois de Paris (US$ 195) e Nova York (US$ 172)”, refere ainda o DET na informação divulgada.

O DET revela ainda que estes resultados foram alcançados mesmo depois de se ter registado um aumento de 19% da capacidade hoteleira em relação ao período homólogo de 2019, uma vez que, em final de junho, o portefólio de hotéis do Dubai era composto por 140.778 quartos em 773 estabelecimentos hoteleiros, em comparação com 118.345 quartos disponíveis no final de junho de 2019 em 714 estabelecimentos.

Já o número total de hotéis no primeiro semestre de 2022 teve um crescimento de 8% em relação ao primeiro semestre de 2021, “reforçando a confiança dos investidores em continuar a apostar no setor turístico no Dubai”, refere ainda o DET.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.