Artigo português na área da Gestão Turística premiado em Budapeste

Por a 13 de Setembro de 2019 as 17:47

Um artigo científico sobre a perceção dos residentes face ao impacto da atividade turística na Área Metropolitana de Lisboa, que tem como coautoras duas docentes do Instituto Politécnico de Setúbal (IPS), Teresa Costa e Sandra Nunes, foi recentemente premiado com o Best Paper Award no âmbito da Conferência Internacional iBEST 2019, que decorreu em Budapeste, Hungria.

O trabalho, intitulado “Residents perceptions of tourism impact, a tool for Governance: a study on residents in the Regional Tourism Area of Lisbon”, tem também como autores os investigadores Jorge Umbelino, Lurdes Calisto e Vítor Afonso, da Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril (ESHTE), e constitui um dos resultados do projeto Target – Tourism Advanced Research for Governance Enhancement, promovido por estes dois estabelecimentos de ensino superior e pela DNA.Cascais, agência de empreendedorismo e comércio.

Cofinanciado pela Fundação para Ciência e Tecnologia e pelo Programa Operacional Regional de Lisboa, no âmbito dos Projetos de Investigação Científica e Desenvolvimento Tecnológico (IC&DT), o projeto Target pretende “desenvolver uma proposta de modelo de governação para as autarquias, que facilite a criação de negócios turísticos inovadores e sustentáveis, tendo Setúbal e Cascais como municípios beneficiários”.

Nesse sentido, e para avaliar a perceção da população residente sobre a importância do turismo e seus impactos, positivos e negativos, para o desenvolvimento sustentável destes dois destinos relevantes da Área Metropolitana de Lisboa, foi lançado um inquérito, em abril de 2018, cujos resultados foram desta forma divulgados.

A conferência internacional multidisciplinar, que teve lugar na Central European University of Budapest, reuniu investigadores de cerca de 20 países, que apresentaram artigos nas áreas de Gestão, Educação, Ciências Sociais, Turismo e Tecnologia. O trabalho científico premiado foi o único apresentado por investigadores europeus.

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *