Comércio com história é “muito relevante” para o turismo

Por a 30 de Maio de 2019 as 11:46
Turismo de Portugal

A ministra da Cultura, Graça Fonseca, considerou esta quarta-feira, 29 de maio, que o comércio com história é “muito relevante” para o turismo, já que, acrescentou o ministro Adjunto e da Economia, Pedro Siza Vieira, tem a capacidade de projetar internacionalmente a imagem das cidades portuguesas e do país.

“Preservar estes espaços de cultura também passa por promover o turismo de uma forma diferente, também passa por arranjar formas de diferenciar o nosso país perante outros países, no panorama global, para chegar também aos turistas e aos potenciais estrangeiros que queremos atrair para Lisboa e para as outras cidades”, declarou Graça Fonseca, na apresentação da plataforma “Comércio com História”, em Lisboa, segundo a Lusa.

O projeto “Comércio com História” foi apresentado esta quarta-feira, 29 de maio, e inclui um inventário que reúne 172 estabelecimentos comerciais com história dos municípios de Lisboa, Porto, Coimbra, Funchal e Fundão, que passam a estar disponíveis através da plataforma https://www.comerciocomhistoria.gov.pt/, onde é possível consultar informação sobres os estabelecimentos em português e em inglês.

O projeto, lançado pelo Ministério Adjunto e da Economia, é uma medida SIMPLEX+ e “pretende criar uma identificação distintiva para lojas e entidades, em articulação com autarquias, para que sejam reconhecidas e valorizadas”, segundo um comunicado do governo.

“A dimensão cultural, de identidade e de história é extraordinariamente importante, mas a importância disto para o turismo é muito, muito, relevante”, acrescentou a ministra da Cultura, recordando que este projeto foi inspirado no programa Lojas com História, criado pela Câmara Municipal de Lisboa, em 2015.

Já o ministro Adjunto e da Economia, Pedro Siza Vieira, que também marcou presença na apresentação do projeto, sublinhou a importância destes estabelecimentos comerciais que, além do valor comercial, têm capacidade de “projetar internacionalmente as cidades e o país”, uma vez que oferecem “coisas que são únicas”.

“Os estabelecimentos comerciais históricos, de porta aberta para a rua, são elementos essenciais da nossa memória coletiva e de caracterização da vivência urbana”, apontou Pedro Siza Vieira, referindo que a plataforma pretende ser um instrumento de promoção e de divulgação destas lojas e entidades.

No futuro, o projeto ‘Comércio com História’ deverá ganhar também uma aplicação, que está a ser desenvolvida pela Direção-Geral das Atividades Económicas (DGAE), que vai permitir “identificar todos os estabelecimentos que estão geolocalizados”, utilizando essa informação para fazer percursos turísticos.

 

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *