Assine já
Homepage

Madeira recebe congresso da APAVT de 14 a 17 de Novembro

A Associação Portuguesa de Agências de Viagens e Turismo e a Associação de Promoção da Madeira assinaram um protocolo para a celebração do 45º Congresso Nacional da APAVT, de 14 a 17 de Novembro, no Funchal, Madeira.

Raquel Relvas Neto
Homepage

Madeira recebe congresso da APAVT de 14 a 17 de Novembro

A Associação Portuguesa de Agências de Viagens e Turismo e a Associação de Promoção da Madeira assinaram um protocolo para a celebração do 45º Congresso Nacional da APAVT, de 14 a 17 de Novembro, no Funchal, Madeira.

Sobre o autor
Raquel Relvas Neto
Artigos relacionados
Há 180 novos projetos hoteleiros previstos até 2022
Homepage
Bensaude Hotels investe 4,5 milhões de euros em remodelações
Homepage
Nova Edição: Reportagem Budapeste, entrevista SIXT e Vale d’Oliveiras
Alojamento
Alojamento do Algarve regista aumento de 3% em volume de vendas
Homepage

A Associação Portuguesa de Agências de Viagens e Turismo (APAVT) e a Associação de Promoção da Madeira assinaram, esta sexta-feira, um protocolo para a celebração do 45º Congresso Nacional da APAVT, de 14 a 17 de Novembro, no Funchal, Madeira.

Paula Cabaço, secretária regional da Economia, Turismo e Cultura da Madeira, demonstrou a satisfação pelo destino receber o congresso nacional de Turismo que reúne cerca de 600 players da distribuição turística e não só, através do qual os “agentes de viagens vão ter a oportunidade de conhecer in loco aquele que é o melhor local de promoção da Madeira”.

A responsável agradeceu o voto de confiança da APAVT e o esforço da Associação de Promoção da Madeira para a realização do congresso, sobretudo “face à importância que o mercado continental tem para a Madeira, sendo o terceiro mercado emissor com crescimentos positivos ao longo destes últimos três anos”, e em cujo potencial a APM acredita.

Para a secretária regional este evento integra-se na “estratégia mais cirúrgica e tática virada para a parte comercial” que o destino tem encetado com “uma maior proximidade com os agentes de viagens e as companhias aéreas”, daí a “importância de estabelecer o protocolo com a associação de agentes de viagens”. A mesma recordou ainda a recente campanha exclusiva lançada para o mercado interno “Este é o ano de ir à Madeira” , que apela à diversidade da oferta do destino e que pretende atrair um maior número de turistas portugueses, que entre 2015 e 2018 cresceram 15% em dormidas.

Pedro Costa Ferreira, presidente da APAVT, recordou que esta é a quinta vez que o destino vai receber o congresso nacional da associação, tornando-se assim na primeira cidade portuguesa a receber o maior número de congressos da APAVT à semelhança do destino internacional Macau. O responsável justificou este regresso à Madeira, que acontece nove anos depois, pelos “números relacionados com o turismo que são produzidos no destino e pela importância do mercado emissor nacional para a realização destes números”. “Estes factores fazem com que a Madeira seja o lugar perfeito para a realização deste congresso”, frisa, perspectivando que “vamos ter um congresso na região perfeita, no momento ideal e com os amigos certos”.

Entre os temas prementes de debate, Costa Ferreira indicou que o Brexit, a falência de várias companhias aéreas europeias e o “problema grave e anacrónico” do aeroporto da Madeira, que apesar das melhorias de infraestrutura e tecnológicas, “tem mais dias de inoperacionalidade do que nunca”, vão estar em cima da mesa. Estes “são problemas que temos de resolver juntos”. Também o aumento da procura para o destino, que a cada dia vê aumentada a sua oferta de número de camas, vai ser um tema em análise.

O presidente da APAVT terminou, salientado que no congresso vai ser possível “olhar para o futuro, quer a nível regional, como nacional”.

* A jornalista viajou a convite da APAVT e da Associação de Promoção da Madeira

Sobre o autorRaquel Relvas Neto

Raquel Relvas Neto

Mais artigos
Artigos relacionados
Distribuição

Solférias, Sonhando e ExóticoOnline lançam quatro charters para o Funchal no réveillon

No total, os três operadores turísticos vão disponibilizar quatro voos charters para o Funchal no réveillon, dois à partida do Porto e outros dois desde Lisboa.

Publituris

Os operadores turísticos Solférias, Sonhando e ExóticoOnline vão promover quatro charters para o Funchal, na Madeira, no réveillon, dois dos quais com partida do Porto e outros dois com saída de Lisboa, de acordo com um comunicado conjunto dos operadores turísticos.

“O Funchal – um dos destinos favoritos dos viajantes portugueses ao longo de todo o ano – não poderia faltar à chamada para o Fim do Ano 2022/2023”, destacam os operadores turísticos, num comunicado conjunto enviado à imprensa.

No caso do Porto, os voos têm partida a 28 e 29 de dezembro, em aviões da Air Horizont, com os regressos a acontecerem a 1 e 2 de janeiro, respetivamente enquanto os voos desde Lisboa são operados pela SATA e também pela Air Horizont e igualmente com partida a 28 e 29 de dezembro, e regresso a 1 e 2 de janeiro, respetivamente.

“Estas operações especiais conjuntas são a confirmação não só do sucesso da operação similar do ano passado, mas também da importância da colaboração entre Operadores e Parceiros para disponibilizar atempadamente aos Agentes de Viagem e viajantes portugueses as melhores e mais competitivas propostas de viagem”, acrescenta a informação divulgada.

As estadias no Funchal têm a duração de quatro noites.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Lufthansa chega a acordo com sindicato do pessoal de terra

O acordo alcançado entre a administração da Lufthansa e o sindicato Verdi prevê um aumento salarial em três fases, ao longo de um ano.

Publituris

A Lufthansa chegou a acordo com o sindicato que representa os 20.000 funcionários de terra da companhia aérea alemã, entendimento que foi alcançado uma semana depois da greve que levou ao cancelamento de mais de 1.000 voos nos aeroportos de Munique e Frankfurt e afetou cerca de 134.000 passageiros.

De acordo com a Lusa, que cita fontes sindicais, o acordo alcançado entre a administração da Lufthansa e o sindicato Verdi prevê um aumento salarial em três fases, que começam com o pagamento de 200 euros por mês, a partir de 1 de julho, a que se seguirá um aumento de 2,5% em janeiro do próximo ano e mais 2,5% a partir de julho de 2023.

Para o sindicato que representa os trabalhadores de terra da Lufthansa este é “um bom acordo”, uma vez que atende à inflação e estabelece um aumento real, sobretudo para os trabalhadores com um nível salarial inferior, aos quais é garantido um aumento mínimo gradual de 350 euros.

Apesar do acordo alcançado com o pessoal de terra, a Lufthansa está ainda em negociações com o sindicato dos pilotos, que exige um aumento salarial de 5,5% e já prometeu uma greve, caso não seja possível alcançar um acordo.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

APHORT pede “sensatez e razoabilidade” na negociação coletiva com profissionais de turismo

Associação considera que “a melhoria dos instrumentos de regulamentação coletiva de trabalho passa pela negociação de contratos equilibrados, que não estejam exclusivamente assentes em alterações das tabelas salariais”.

Publituris

A Associação Portuguesa de Hotelaria, Restauração e Turismo (APHORT) veio esta sexta-feira, 5 de agosto, mostrar-se confiante no sucesso da negociação dos contratos coletivos de trabalho no setor do turismo, mas pede “sensatez e razoabilidade”, considerando que “a melhoria dos instrumentos de regulamentação coletiva de trabalho passa pela negociação de contratos equilibrados, que não estejam exclusivamente assentes em alterações das tabelas salariais”.

Num comunicado enviado à imprensa, a associação revela que tem vindo a negociar com os sindicatos que representam os trabalhadores do setor do turismo desde o início do ano e diz que está “confiante no alcance de um entendimento justo e equilibrado entre empresas e trabalhadores”.

“Este processo de negociação está já a decorrer há vários meses, com representantes dos trabalhadores que estão empenhados em resolver esta questão de forma séria e ponderada, e temos confiança no sucesso destas conversações”, afirma Rodrigo Pinto Barros, presidente da APHORT.

A associação diz que pretende repor a “verdade dos factos”, uma vez que existe um sindicato que continua a vir a público acusar as associações e as empresas de turismo de quererem manter a precariedade no setor, algo que a APHORT diz não corresponder à verdade e que em nada contribui para a resolução da situação.

“As posições extremadas e o discurso agressivo em nada contribuem para a resolução da situação. Perante a realidade atual do mercado de trabalho, as empresas estão empenhadas em fazer um esforço para se readaptarem”, acrescenta a associação.

Rodrigo Pinto Barros diz mesmo que muitos dos associados da APHORT “conseguiram já, este ano, fazer ajustes salariais correspondentes a aumentos médios entre os 5% e 10%, para além de outros aspetos como a reorganização de horários e dos dias de encerramento dos estabelecimentos”, isto apesar da situação precária em que muitas empresas ainda se encontram devido à pandemia e do atual contexto económico.

“Não nos podemos esquecer que, para além de dois anos de pandemia, durante os quais as empresas do setor foram severamente penalizadas, o atual contexto económico não é favorável, pelo que tem de haver sensatez e razoabilidade naquilo que é exigido a estas empresas”, acrescenta o presidente da APHORT.

A associação considera, por isso, que “a melhoria dos instrumentos de regulamentação coletiva de trabalho passa pela negociação de contratos equilibrados, que não estejam exclusivamente assentes em alterações das tabelas salariais” e mostra-se disponível para discutir alternativas.

“Perante o agravar da falta de mão-de-obra que atinge o setor, a associação aguarda com expectativa os resultados das missões empresariais, recentemente anunciadas pela Secretária de Estado do Turismo, para captação de trabalhadores nos países da CPLP e assegura que vai manter-se atenta à evolução desta questão”, refere ainda a AHORT.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Grupo SATA ultrapassa 1M de passageiros transportados mais cedo que em 2019 e 2021

Marca de um milhão de passageiros transportados foi atingida a 31 de julho, dez semanas mais cedo do que no ano de 2021 e dias antes do ocorrido no ano pré-pandémico de 2019.

Publituris

As companhias aéreas do Grupo SATA celebraram a 31 de julho a chegada à marca de um milhões de passageiros transportados, resultado que, este ano, foi alcançado mais cedo que em 2021 e até que em 2019, antes da chegada da pandemia da COVID-19.

“A marca simbólica de um milhão de passageiros transportados acabou por ser alcançada antes mesmo do registado em 2019, sendo que a 31 de julho de 2022, o grupo SATA atingia a marca de 1 milhão de passageiros transportados. Em suma, dez semanas mais cedo do que no ano de 2021 e dias antes do ocorrido no ano pré-pandémico de 2019”, destaca o grupo de aviação açoriano, que detém as companhias aéreas Azores Airlines e SATA Air Açores.

De acordo com um comunicado do grupo, numa comparação com os dados contabilizados a 31 de julho de 2019 e de 2021, verifica-se um aumento de 3% no número de passageiros transportados quando comparado com o ano de 2019, e de 83%, se comparado a igual período de 2021.

No comunicado enviado à imprensa, o Grupo SATA lembra que a primeira vez que a SATA Air Açores atingiu a marca de um milhão de passageiros foi em 1977, 30 anos depois do início de operação da companhia aérea, que começou a voar em 1947.

“Atualmente, as companhias aéreas transportam mais de um milhão de passageiros a cada ano que passa”, congratula-se o Grupo SATA.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

REVIVE abre novo concurso para a concessão do Paço Real de Caxias

O Paço Real de Caxias, em Oeiras, deverá ser concessionado por um período de 50 anos, com uma renda mínima anual de 174.912 euros, devendo os interessados apresentar as suas propostas num prazo de 48 dias.

Publituris

O Programa REVIVE lançou esta quinta-feira, 4 de agosto, um novo concurso para a concessão e recuperação para fins turísticos do Paço Real de Caxias, edifício histórico em Oeiras que já tinha sido alvo de um concurso em 2020, mas cujos termos do contrato se tornaram inviáveis devido ao surgimento da pandemia da COVID-19.

Com este novo concurso, pretende-se concessionar o Paço Real de Caxias por um período de 50 anos, com uma renda mínima anual de 174.912 euros, devendo os interessados apresentar as suas propostas num prazo de 48 dias.

De acordo com um comunicado enviado à imprensa, o novo concurso conta com “condições idênticas às do concurso anterior”, estimando-se um investimento de recuperação na ordem dos 11 milhões de euros para colocar o edifício ao serviço do turismo. A área de construção total é de 5.817 m2.

Recorde-se que o Paço Real de Caxias é um imóvel construído em meados do século XVII e que se encontra classificado como Imóvel de Interesse Público desde 1953, tendo sido um dos 33 imóveis inscritos na primeira fase do Revive, que neste momento integra já 52 imóveis.

Segundo o comunicado divulgado pelo Programa REVIVE, este imóvel já tinha sido sujeito a concurso e concessionado em março de 2020, no entanto, com a chegada da pandemia da COVID-19, os termos do contrato tornaram-se inviáveis, o que levou à sua revogação e ao lançamento do novo concurso.

Além do Paço Real de Caxias, atualmente, estão abertos concursos para a concessão da Casa Grande, em Pinhel, e da 7.ª Bateria do Outão, no Parque Natural da Arrábida, concelho de Setúbal, estando ainda a decorrer os concursos lançados para concessão dos Fortes de S. João e de S. Pedro, em Cascais.

Toda a informação sobre o novo concurso para a concessão do Paço Real de Caxias vai estar disponível no site do Programa REVIVE a partir desta quinta-feira, 4 de agosto.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

SETCS espera fechar 2022 com receitas turísticas superiores a 2019

Rita Marques revelou também, durante uma visita ao Algarve, que vai ser realizada uma missão empresarial para atrair trabalhadores estrangeiros para o turismo português, que deverá ter lugar no último trimestre do ano.

Inês de Matos

A secretária de Estado do Turismo, Comércio e Serviços, Rita Marques, mostra-se confiante quantos aos resultados turísticos e acredita que o país tem “todas as condições para fechar o ano de 2022 com valores de receita turística que ultrapassarão” os de 2019, quando as receitas turísticas somaram 18,7 mil milhões de euros, naquele que foi um ano recorde para a atividade turística nacional.

“Depois de dois anos muitos difíceis para o setor do turismo, temos muito boas expetativas relativamente ao mês de agosto e, portanto, achamos que temos todas as condições para fechar o ano de 2022 com valores de receita turística que ultrapassarão aquelas que obtivemos em 2019”, admitiu a governante em declarações aos jornalistas, durante uma visita ao Algarve, que decorreu esta terça-feira, 2 de agosto.

Rita Marques lembrou que o Banco de Portugal (BdP) reviu, recentemente, em alta as perspetivas para este ano relativamente às receitas turísticas, estimando que, no final de 2022, este indicador fique 4,2% acima do valor apurado em 2019.

Durante a visita, Rita Marques falou também do problema da escassez de recursos humanos que afeta atualmente o setor e, além de admitir que Portugal precisa de 45 a 50 mil trabalhadores para o turismo, revelou que está a ser preparada uma missão empresarial para garantir que o país recebe trabalhadores provenientes dos países de língua portuguesa, que gozam do recentemente aprovado um regime de entrada e permanência no país.

“O objetivo é levar uma comitiva de empresários portugueses que estejam à procura de reforçar os mapas de pessoal, identificando trabalhadores dessas geografias que estejam interessados em vir para Portugal e que os serviços consulares possam depois administrativamente despachar favoravelmente os vistos e possamos trazer connosco os trabalhadores que pretendem ingressar neste setor de atividade”, explicou Rita Marques, revelando que esta missão deverá acontecer no último trimestre do ano.

Para Rita Marques, a nova lei veio introduzir “alterações muitíssimo relevantes e substanciais na emissão de vistos, designadamente no âmbito dos países que ratificaram o acordo da CPLP [Comunidade dos Países de Língua Portuguesa]”.

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Destinos

Governo cria grupo de trabalho para agilizar emissão de vistos

O Turismo de Portugal é um dos organismos que vão estar representados neste novo grupo de trabalho.

Publituris

O Governo criou um grupo de trabalho para coordenar e acompanhar a emissão de vistos, com o objetivo de agilizar o procedimento, avança a Lusa, que cita um despacho da Presidência do Conselho de Ministros, publicado esta terça-feira, 2 de agosto, em Diário da República.

No texto do documento, a Presidência do Conselho de Ministros explica que este grupo de trabalho surge pela “necessidade de organização de fluxos regulares, seguros e ordenados de migrações, o combate à migração ilegal e ao tráfico de seres humanos a ela associado, assim como a regulação e agilização de condições para a entrada e permanência de cidadãos em Portugal”.

Este grupo de trabalho tem como objetivo a simplificação dos processos relativos aos pedidos de visto para tornar mais rápida a sua concessão e “acompanhar todo o processo de circuito de vistos”.

Além da simplificação e acompanhamento do processo de emissão de vistos, o grupo de trabalho vai também propor medidas para reforçar os recursos humanos nos postos consulares com mais pedidos de vistos e avaliar “a necessidade de colocação de elementos do SEF (Serviço de Estrangeiros e Fronteiras) e IEFP, I. P. (Instituto do Emprego e da Formação Profissional), nos postos mais sujeitos a pressão”.

A missão deste grupo de trabalho, que inclui representantes da Direção-Geral dos Assuntos Consulares, do SEF, do Alto Comissariado para as Migrações, do Turismo de Portugal, do Instituto do Emprego e da Formação Profissional, do Instituto dos Mercados Públicos, do Imobiliário e da Construção, e do Gabinete de Planeamento, Políticas e Administração Geral, passa por “estabelecer um canal de comunicação permanente entre as entidades, das distintas áreas governativas, envolvidas nos processos de visto”.

Além de representantes dos institutos e organismos referidos, o grupo vai ainda contar com a participação de “um elemento de cada gabinete das referidas áreas governativas”, segundo o texto do documento, que entra em vigor esta quarta-feira, 3 de agosto.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Julho foi o melhor mês de sempre para o turismo na República Dominicana

A República Dominicana recebeu, em julho, 735.064 turistas estrangeiros, naquele que foi o melhor mês de sempre para o turismo no país e que superou mesmo os números de dezembro de 2021.

Publituris

A República Dominicana recebeu, em julho, 735.064 turistas estrangeiros, naquele que foi o melhor mês de sempre para o turismo no país e que superou mesmo os números de dezembro de 2021, que tinha batido todos os recordes.

De acordo com o jornal espanhol Hosteltur, que cita o ministro do Turismo da República Dominicana, David Collado, o número de turistas não residentes no país, em julho, ficou 10% acima de mês homólogo de 2018 e 24% acima de igual mês de 2019, tendo ainda crescido 30% face a julho do ano passado.

Por mercados, os EUA, Canadá, Colômbia, Porto Rico, Espanha, Cuba e Reino Unido foram os principais países de origem dos turistas estrangeiros que visitaram a República Dominicana em julho, cujo impacto económico no país foi de 931 milhões de dólares (909 milhões de euros).

Além dos turistas que chegaram ao país por via áreas, a República Dominicana recebeu ainda 98.389 turistas em navios de cruzeiro e, no acumulado de janeiro a julho, o país contabiliza já 4.182.000 turistas estrangeiros, estando no bom caminho para atingir o marco de sete milhões de turistas previstos pelas autoridades dominicanas para este ano.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Iberia regressa aos níveis de capacidade pré-pandemia

A companhia aérea espanhola estima atingir os mesmos níveis de capacidade na operação de inverno face a 2019. Portugal, mais concretamente, Lisboa terá 40 voos semanais, enquanto o Funchal manterá a três frequências semanais.

Victor Jorge

A Iberia anunciou que está a finalizar o programa de inverno, que vai de 30 de outubro de 2022 a 25 de maço de 2023, revelando que continua a “consolidar a recuperação toda a rede de voos e destinos” e que no próximo inverno registará os mesmos níveis de capacidade do período pré-pandemia, apontando o relançamento das rotas para a América Latina e Estados Unidos da América (EUA), bem como um maior desenvolvimento dos voos de curta e média distância.

A aposta da Iberia na América Latina consiste na recuperação dos voos diretos para o Rio de Janeiro e Caracas, os últimos dois destinos que ainda se encontravam em aberto depois da pandemia, disponibilizando a companhia três voos semanais para cada destino.

Além disso, a companhia aérea espanhola destaca a relevância dos desenvolvimentos em destinos como Havana, de três para cinco voos semanais, além de Guatemala e El Salvador para onde passará a voar sete vezes por semana em vez das cinco frequências de voo, mantendo-se os seis voos semanais para Quito e os três para Guayaquil.

O México continuará a ser o destino com mais disponibilidade de voos, para além de Bogotá e Buenos Aires, onde a Iberia consolidará o período de inverno com dois voos diários. Já em Santiago do Chile, Lima e São Paulo, a companhia manterá o voo diário, destinos aos quais se juntam San José e Costa Rica que passam a ter, em vez dos seis voos por semana, sete voos semanais. Montevideo e Panamá passarão a contar com seis voos por semana e Porto Rico com quatro ao longo de toda a temporada de inverno.

Aposta norte-americana
Já mais a Norte, nos EUA, a principal novidade da Iberia é a inclusão de Dallas na operação de inverno, cidade para a qual foram lançados voos para este verão, até 29 de outubro. De acordo com a informação prestada pela Iberia, “Dallas é o principal ‘hub’ para a American Airlines -sócia da Iberia, British Airways, Finnair e Aer Lingus no acordo de exploração para as rotas entre a Europa e a Atlântico Norte -, contribuindo para gerar tráfego suficiente para manter esta rota também no inverno, com três frequências semanais até fevereiro e quatro para o mês de março”.

Além disso, a Iberia revela estar a crescer em diversos destinos nos EUA, em comparação com o inverno transato, embora as restrições das viagens a partir da Europa só tenham sido levantadas no mês de novembro de 2021. Assim, em Miami, a Iberia passará de 10 para 14 voos por semana, ou seja, duas voos diários, enquanto para Nova Iorque aumenta mais três frequências, passando de 10 para 13, sendo que em março atingirá as 14 frequências semanais.

Aumento de capacidade nos voos na Europa
Também na rede de voos de curta e média distância, a Iberia anuncia uma maior aposta, com a capacidade a aumentar face ao inverno de 2019, assumindo esse compromisso tanto no corporate como lazer.

Na Europa a Iberia foca-se em Itália, acrescentando sete frequências extra para Milão, passando de 28 para 35 voos semanais, e mais quatro para Roma, totalizando 37 voos por semana. Assim, em ambos os destinos, a companhia aérea oferecerá, no próximo inverno, uma média de cinco voos diários em cada direção.

Para Portugal, a Iberia revela que oferecerá até 40 voos semanais para Lisboa (até seis voos diários), mantendo a aposta no Funchal em todo o inverno, com três frequência por semana.

Outros destinos europeus a serem considerados nesta aposta de aumento de capacidade são Genebra, Bruxelas e Bordéus, para onde a Iberia passará a voar até cinco, três (em ambos os casos), respetivamente.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Destinos

Turismo do Algarve propõe redução de água em fontes, piscinas e espaços verdes

As propostas da Região de Turismo do Algarve (RTA) foram concertadas com a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e com as associações do setor e vem juntar-se a um leque diversificado de ações que já vinha a ser aplicado no turismo e na hotelaria.

Publituris

A Região de Turismo do Algarve (RTA) propôs aos empreendimentos turísticos reduzir ou eliminar fontes ornamentais, diminuir a rega dos espaços verdes ou renovar a água das piscinas como medidas de contingência para responder à situação de seca, avança a Lusa, que cita João Fernandes, presidente da entidade regional de turismo.

“Nós enviámos medidas que versam várias áreas de atuação do setor do turismo, em especial a hotelaria, porque os golfes já estão num trabalho mais fino, campo a campo, com a Agência Portuguesa do Ambiente, e fruto de um trabalho que começámos em 2020 com o Plano de Eficiência Hídrica”, indicou à Lusa João Fernandes.

De acordo com o responsável, as propostas foram concertadas com a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e com as associações do setor e vem juntar-se a um leque diversificado de ações que já vinha a ser aplicado  no turismo e na hotelaria para reduzir os consumos de água.

João Fernandes considera que era necessário tomar medidas, uma vez que a região se encontra “numa situação de contingência, em que há um grande stresse hídrico, provocado por uma situação preocupante e prolongada de seca”, mas sem estar em causa o consumo humano.

“Isto é muito importante dizer, porque nem turistas nem residentes vão ter, até outubro do próximo ano, cortes de abastecimento de água para consumo humano”, sublinhou o responsável.

O presidente da RTA explicou que foi definido “um conjunto de medidas de contingência a adotar pelos empreendimentos turísticos”, de forma a que existam “ganhos de eficiência hídrica, por um lado, e reduções de consumo, por outro”.

Além disso, foi também recomendado “o uso de fontes alternativas de água”, que permitam um “maior equilíbrio entre a captação de água superficial e subterrânea”, consoante a disponibilidade de cada zona.

As propostas da RTA preveem ainda que os empreendimentos turísticos realizem auditorias regulares ao consumo de água e promovam o “envolvimento” de clientes e ‘staff’ na deteção de perdas, de forma a que seja possível a “adoção de práticas mais responsáveis na utilização da água”.

Por outro lado, está também previsto o reforço da informação aos clientes sobre “procedimentos para mudança de lençóis e toalhas, estabelecendo um período mínimo de utilização de toalhas de dois dias”, assim como a formação de trabalhadores de seções específicas, nomeadamente lavandarias, sensibilizando estes colaboradores para os comportamentos que fomentem a poupança de água.

Apesar das propostas, João Fernandes lembra que o setor já vinha a adotar medidas que permitissem reduzir o consumo de água, a exemplo da utilização de redutores de caudais, instalação de autoclismos de dupla descarga, temporizadores de torneiras.

Ainda assim, admite o presidente da RTA, era preciso sensibilizar o setor para “utilizar água de qualidade inferior para regas e lavagens” ou para “melhorar a limpeza de filtros de piscinas e o tratamento da água para evitar a necessidade de renovação da água”.

Mas João Fernandes considera que é também preciso “reduzir ou adaptar as técnicas de limpeza de zonas pública, evitando lavagens com mangueira ou máquina de pressão, reduzir ou mesmo anular o funcionamento de fontes ornamentais, acelerar medidas na área da rega que levem a maior eficiência, como instalar contadores por várias secções, para se detetar perdas e analisar melhor consumos, e privilegiar a utilização de espécies endógenas em espaços verdes, com menor necessidade hídrica”.

“O que estamos aqui a falar, neste momento, é da necessidade de acelerarmos a implementação dos processos de eficiência hídrica e de inclusivamente fazermos – como é o caso das fontes ornamentais, da rega dos espaços verdes ou da renovação da água das piscinas – medidas mais de curto prazo, específicas, por causa do stresse hídrico pontual neste verão”, acrescentou.

No caso do golfe, que já vinha a reduzir os consumos de água, até por uma questão de sustentabilidade, João Fernandes realça que já existia um esforço para aumentar a rega com águas residuais tratadas, com o objetivo de multiplicar o valor total utilizado de um hectómetro cúbico, para oito, até ao final de 2023.

O presidente da RTA destacou ainda a “redução da área do jogo para haver menos área regada, a mudança de relva para relvas de estação quente, com menos consumo de água” ou “melhorias de eficiência da própria rega e drenagem, criando pontos comuns de confluência da água” como outras das medidas a adotar no golfe, que já é “dos produtos turísticos mais sustentáveis ambientalmente”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.