50 Ideias| Aumentar o valor dos serviços produzidos e exportados

Por a 22 de Março de 2019 as 11:08

O setor deve continuar a investir na melhoria da qualidade, na inovação e adaptação às novas tendências e exigências dos consumidores (diferenciação, autenticidade, sustentabilidade). Portugal tem potencial para, ao diversificar a sua oferta, fidelizar os seus mercados maduros e conquistar novos mercados emissores, e assim crescer sustentadamente e atenuar a sazonalidade.

3 eixos incontornáveis para o crescimento sustentável:
• Consolidação das vantagens comparativas e competitivas já existentes (no turismo de sol, praia, descanso, gastronomia, etc.), através da melhoria das infraestruturas, da qualificação da mão-de-obra do setor e da necessidade de aumentar o número de rotas aéreas para o país.
• Aposta no turismo de Saúde e Bem-Estar, suportado em produtos e serviços que sejam expressão genuína da cultura, natureza e gastronomia locais, e que respeitem preocupações de sustentabilidade. Este turismo promove o aumento da estadia média e os gastos turísticos.
• Aproveitar a digitalização para incrementar a penetração na cadeia de valor que o setor turístico pode potenciar – produtos tradicionais, serviços de valor acrescentado, etc.

Uma ideia para garantir a sustentabilidade futura do Turismo em Portugal:
• Distinção das Empresas que promovam a diversidade e complementaridade da oferta, e que criem e implementem pacotes de serviços que aumentem/melhorem a relação qualidade/preço.
Isto passa pela promoção de serviços complementares, que podem incluir atividades e experiências associadas à gastronomia, à cultura, à história, ao património, etc. O turismo deverá ter um forte efeito multiplicador de valor nas regiões em que se insere, através da promoção dos ativos distintivos das regiões, dos seus produtos, serviços, costumes e tradições.
Neste âmbito pode ser atribuído um “selo distintivo” às empresas que mais contribuírem para o desenvolvimento sustentado da região onde se inserem, através da promoção – com resultados concretos ao nível do valor acrescentado – dos produtos e serviços locais.
Esta distinção, que pode ser apenas de notoriedade pública ou pode inclusive converter-se em benefícios financeiros protocolados com stakeolders ligados ao turismo, deveria ser atribuída pelas Entidades Regionais de Turismo, em articulação e sob supervisão do Turismo de Portugal.
Convém recordar que o Turismo é um setor “transformante”, isto é, dá conteúdo transacional ao mais não transacional dos bens – o território. Isso torna o setor único com características e efeitos multiplicadores.

*Por António Ramalho, presidente do Novo Banco

No âmbito da celebração dos seus 50 anos, o Publituris convida uma figura do sector a lançar uma “Ideia para o Turismo”.

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *