Assine já
Alojamento

Receitas dos hotéis Vila Galé crescem 6%

Em 2018, o grupo Vila Galé alcançou em Portugal receitas no valor de 112 milhões de euros, o que equivale a um crescimento de 6% comparativamente a 2017, ano em que a cadeia tinha alcançado 106 milhões de euros.

Carina Monteiro
Alojamento

Receitas dos hotéis Vila Galé crescem 6%

Em 2018, o grupo Vila Galé alcançou em Portugal receitas no valor de 112 milhões de euros, o que equivale a um crescimento de 6% comparativamente a 2017, ano em que a cadeia tinha alcançado 106 milhões de euros.

Carina Monteiro
Sobre o autor
Carina Monteiro
Artigos relacionados
INE: Quase metade dos alojamentos turísticos encerrados ou sem hóspedes em junho
Alojamento
Operação do Vila Baleira Hotels liga Cascais a Porto Santo a partir de 14 de agosto
Alojamento
Dormidas registam quebra de 82% em junho
Alojamento
Vila Galé defende apoio ao emprego através de formação “on the job”
Alojamento

Em 2018, o grupo Vila Galé alcançou em Portugal receitas no valor de 112 milhões de euros, o que equivale a um crescimento de 6% comparativamente a 2017, ano em que a cadeia tinha alcançado 106 milhões de euros.

Os resultados do grupo foram apresentados esta quarta-feira, dia 9, num encontro com a imprensa. De acordo com o administrador da Vila Galé, Gonçalo Rebelo de Almeida, a cadeia tinha a ambição de manter os resultados muito positivos de 2017 e os primeiros meses de 2018 pareciam antever um “ano altamente promissor”, algo que acabou por se atenuar ao longo do ano.

Para deste abrandamento terão contribuído alguns factores que “já vêm de trás, mas que tiveram reflexo”, tais como instabilidade do mercado inglês e a indefinição do Brexit, assim como “o reaparecimento de países como a Turquia, a Tunísia ou o Egito que são concorrentes, em certa medida, da Madeira e do Algarve, sobretudo no produto de all inclusive para famílias”, explica. Gonçalo Rebelo de Almeida afirma que, nestes destinos em particular, houve uma queda, principalmente provocada pelos dois grandes operadores europeus, TUI e Thomas Cook, que direcionaram parte das suas operações para destinos concorrentes”.

No exercício de 2018, os hotéis da Vila Galé em Portugal registaram um ligeira quebra de quartos ocupados mas o preço médio global subiu 7%, por força de medidas que o grupo levou a cabo, tais como “a criação de quartos superiores, mexidas nos canais de distribuição e reajustamento de valores”.

No que diz respeito a mercados, o português continua a ser o principal mercado dos hotéis Vila Galé em Portugal, representando 30% das dormidas, seguido do mercado inglês, que teve uma quebra de 8%, o alemão, espanhol e francês.

Gonçalo Rebelo de Almeida destacou como positivo o comportamento do mercado brasileiro e do norte-americano. No caso deste último, figurou pela primeira vez no top 10 dos mercados emissores.

“Os turistas americanos acabam por ter um comportamento semelhante ao do mercado brasileiro, na medida em que procuram vários destinos no País”, explicou.

Ainda em jeito de balanço, Gonçalo Rebelo de Almeida falou das unidades abertas em Portugal e no Brasil durante o ano de 2018. Começando por dizer que foi um ano desafiante devido à abertura de três unidades, algo que só sucedeu em 2002, o administrador disse estar a satisfeito com os três hotéis: Vila Galé Sintra, Vila Galé Braga e Vila Galé Touros (este último no Brasil).

No caso do Vila Galé Sintra, com um conceito que promove o estilo de vida saudável, teve um bom desempenho no Verão entre o segmento de famílias e superou as expectativas no que diz respeito à componente de eventos. Em Braga, os resultados também são satisfatórios, com os clientes a elogiar a recuperação que foi feita do edifício. As duas unidades têm obtido as pontuações mais elevadas dos hotéis do grupo nas plataformas digitais, tendo as equipas obtido “excelente feedback”.

Brasil
Relativamente às unidades no Brasil, o grupo registou receitas de 318 milhões de reais (já incluindo a operação do novo Vila Galé Touros), representando um aumento de 20% face aos 265 milhões de reais verificados em 2017.

Neste país, a Vila Galé detém três hotéis de cidade (Rio de Janeiro, Salvador e Fortaleza) e cinco resorts: Marés, Ecoresort do Cabo, Ecoresort de Angra, Cumbuco e, inaugurados este ano, em setembro, o Vila Galé Touros e, em dezembro, o Vila Galé Costa dos Ventos Suites.

Considerando um câmbio de 1€ = 4,4R$, a operação no Brasil gerou 72 milhões de euros, reflectindo também algum efeito cambial já que, no anterior exercício se verificava uma taxa de câmbio de 1€ = 3,9R$.

Renovações
Em 2018, o grupo investiu cerca de 1,5 milhões de euros em renovações e novos conceitos em Portugal, destacando-se a abertura de duas pizzarias Massa Fina (em Vilamoura e Lagos), o lançamento do conceito Vila Galé Café e a renovação de quartos no hotel Vila Galé Ampalius (Vilamoura).

As ampliações e remodelações em unidades brasileiras mereceram um investimento de quase 20 milhões de reais. Aqui, são de evidenciar o aumento do número de quartos nos resorts Vila Galé Marés e Vila Galé Cumbuco, que passaram a ter mais de 500 quartos cada um.

2019
Gonçalo Rebelo de Almeida não prespetiva um ano de 2019 muito diferente do anterior, a menos que “aconteça algo absolutamente extraordinário”.

Destinos como Lisboa, Centro, Norte e Alentejo devem um bom desempenho, esperando-se mais dificuldades no Algarve e na Madeira, pelo abrandamento de alguns mercados emissores, já verificado em 2018.

Durante este ano, existem perspetivas que o mercado norte-americano volte a crescer devido à abertura de novas rotas da TAP. Já quanto ao mercado português, este deve ter o mesmo desempenho. “O maior receiro continua a ser o Reino Unido”, conclui.

Sobre o autorCarina Monteiro

Carina Monteiro

Mais artigos
Artigos relacionados
Meeting Industry

Desafios à criatividade

Superar as expectativas dos seus clientes e entregar soluções únicas e adequadas a cada cliente, ao seu evento e ao seu orçamento, são os objetivos primeiros das empresas que produzem e fornecem equipamentos para eventos, num permanente desafio à criatividade. É o caso da GR8 Events e da AVK, com quem falámos.

A event manager da GR8 Events, Mariana Cardoso faz uma radiografia da empresa e considera que “somos uma equipa unida, multifacetada, que adora responder a desafios e de pensar nos eventos de forma diferente e inovadora, para realçar que “o nosso objetivo principal é superar as expectativas dos nossos clientes a todos os níveis – desde a criatividade à implementação. É por isso que temos uma equipa tão diversa e capaz de responder aos briefings que nos chegam”.

A responsável adianta que “aliamos a criatividade à logística. A inovação à implementação. Pensamos e produzimos congressos, reuniões, team buildings, ativações de marca… O céu é o limite”.

Já Inês Aguiar, administradora e diretora comercial da AVK conta-nos que a empresa iniciou a sua atividade em 2010, “com base numa estrutura acionista com elevado conhecimento no setor e num conjunto de trabalhadores com a maior experiência e competência do mercado. Assim, “conseguimos, com o nosso conhecimento, especialização, experiência e equipamento avançado, ganhar a confiança dos nossos clientes e tornar-nos rapidamente o fornecedor líder de soluções audiovisuais para eventos em Portugal”, comprometendo-se “a entregar soluções únicas e adequadas a cada cliente, ao seu evento e ao seu orçamento”.

Os serviços da AVK estão focados em soluções audiovisuais para eventos (congressos, conferências, reuniões e eventos corporativos, televisivos, culturais, desportivos, políticos, etc.) “onde a confiança, a inovação, a criatividade e o trabalho em parceria sejam exigências dos respetivos promotores ou organizadores”.

Chegou a hora da recuperação
Passados os anos de sufoco causados pela pandemia, para Mariana Cardoso, este segmento está a recuperar. Conforme disse, “cada vez mais chegam pedidos para eventos para 200, 300, 400, 10.000 participantes. Nota-se que há uma vontade de voltar a reunir os colaboradores, as pessoas. De criar relações” destacando que “os eventos digitais são uma peça fundamental, e vieram para ficar, mas não há nada que substitua o contacto presencial de um evento físico (ou híbrido como será daqui adiante o futuro).

A event manager sublinhou que tanto a nível nacional, como internacional, “os pedidos chegam de todos os lados, de todos os setores, de vários locais”. Daí as expectativas serem altas, apontando que “tivemos um grande primeiro ano. Uma agência acabada de chegar ao mercado, com tudo por provar, e que mostrou bem aquilo de que é capaz”.

E disse ainda que “angariámos novos clientes, ganhámos propostas, realizámos evento digitais e híbridos. E ganhámos três prémios internacionais com o evento Velo-city 2021! Foi um ano sem parar, diria mesmo GR8. Superámos as expectativas do primeiro ano e 2022 caminha no mesmo sentido e ainda vai ser melhor”, assegura.

Na GR8 Events, certo é que os eventos “nunca serão como eram antes da pandemia. Antes já se fazia streaming dos eventos, não foi uma realidade que descobrimos com a Covid. Mas era sempre algo acessório. A pandemia fez-nos perceber que há um mundo digital que nem tínhamos bem noção, para não falar das possibilidades e oportunidades que nos trouxe. Acredito que não haverá mais eventos apenas físicos. Haverá sim, eventos híbridos em que temos a maior parte da plateia presencial, mas haverá sempre uma parte que estará a partir de casa. Seja a assistir ou mesmo a participar. Agora é tão simples como fazer log-in numa plataforma. E isso é insubstituível” salientou Mariana Cardoso.

Positivas são também as perspetivas da AVK para este ano, pese embora a crise pandémica ainda se ter sentido fortemente no 1.º trimestre. Na opinião de Inês Aguiar, “esperamos uma forte recuperação da atividade apesar do ambiente atual de alguma incerteza em termos mundiais”.

No entanto, “temos reservas que correspondem já a um ano normal, em especial a nível de eventos internacionais, embora se verifique ainda algum atraso nas confirmações”.

O que não mudou com a pandemia foi o perfil dos clientes da AVK até porque em geral, segundo a administradora e diretora comercial da empresa “se trata de médios e grandes eventos, muitos que se repetem ano após ano, mantendo-se a relação de confiança conquistada ao longo dos anos que temos de atividade”.

A questão preço é o que prevalece mais? Questionámos a responsável, que respondeu que “a opção pela AVK pressupõe da parte do cliente uma preferência pela confiabilidade e pela qualidade dos nossos serviços pelo que a questão dos preços não é a mais relevante. Sabemos que a otimização orçamental é um desafio para os nossos clientes, e procuramos responder-lhe com o ajustamento dos nossos preços, sem pôr em causa a capacidade de inovação tecnológica permanente e a qualidade dos serviços”, frisou Inês Aguiar.

Nada será como antes…
No setor dos eventos, tanto do lado de quem os realiza, ou de quem os produz, subsistem constrangimentos. Para a event manager da GR8 Events, “apesar de as regras relativamente à pandemia estarem “mais leves”, a Covid-19 não desapareceu e há sempre medo de que tudo volte atrás. Todos os cuidados são poucos, por isso todos os nossos eventos são pensados de A-Z, tendo sempre como backup a certeza de que poderá ser preciso ajustar tudo à última da hora. A incerteza do amanhã acredito que seja o maior constrangimento”.

Tendo nascido com a pandemia, a GR8 Events não quis ser apenas mais uma agência de eventos. “Quisemos mostrar o nosso valor, quisemos trazer para cima da mesa uma agência capaz de responder ao que os clientes mais procuram: criatividade e implementação – tudo num só lugar. E assim tem sido desde o início”.

Mariana Cardoso explica que “sempre que recebemos um briefing o primeiro pensamento é: o que podemos fazer de diferente? O que podemos fazer que nunca foi feito?”.

Se por um lado a event manager considera que as ajudas do Governo ao setor não terão suficientes, por outro, numa altura que se está a “voltar à realidade”, “há falta de mão-de-obra qualificada. Há falta de material. Há falta de resposta. E há muitos eventos a quererem ser feitos. A pouco e pouco voltaremos ao ritmo de antes, mas não sei se será com apoios ao setor. Será com o apoio e entreajuda de todos: clientes – agências – fornecedores – parceiros. E tudo porque partilhamos a mesma paixão: fazer eventos”.

Por sua vez, a AVK teve o apoio público que foi disponibilizado às empresas deste setor. A administradora da empresa apontou que “este apoio foi muito importante para nos ajudar a ultrapassar esta grave crise sem termos que reduzir o nosso quadro permanente de colaboradores e permitiu manter a robustez financeira da empresa”.

Aposta em nova oferta
A repentina impossibilidade de realização de eventos já programados e contratados e de novos eventos (salvo por curtos períodos e pequeno número de participantes) exigiu uma rápida resposta da AVK no encontro de soluções de reuniões à distância, pouco desenvolvidas neste segmento das reuniões de maior dimensão.

Neste sentido, durante a crise, a AVK “apostou fortemente numa nova oferta passando a dispor de dois estúdios nas suas instalações equipados com a mais recente tecnologia disponível para eventos virtuais / híbridos. Um estúdio Chroma e outro XR – Extended Reality. Destaco o estúdio mais inovador e onde fizemos o maior investimento e realizamos os eventos de maior impacto, o Estúdio XR, com 300 m2, cenário de Led com 14m x 3.5m resolução P2, chão de Led 12m x 5m resolução P4, AR – realidade aumentada, cenários físicos, servidores de renderização de cenários 3D em tempo real, sistema multicâmara com tracking e integração para streaming”, esclareceu Inês Aguiar.

A empresa está já “a investir fortemente em novos equipamentos e em reforçar a quantidade disponível nos que têm maior procura, procurando novas soluções e o aumento da eficiência energética e simultaneamente reforçar a nossa equipa técnica, que constitui o nosso principal ativo”, destacou a administradora da AVK.

Isto porque, para a AVK, “cada evento é único e um desafio à nossa criatividade. Temos um compromisso permanente com os nossos clientes para encontrar a melhor solução para as suas ideias e o seu orçamento, com paixão e qualidade, independentemente do tipo e dimensão do evento. Dispomos de equipamento e de técnicos que nos permitem responder a qualquer desafio”.

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
Dossier relacionado
Especial MICE
Powered by
Meeting Industry

Altice Arena com agenda cheia

Os eventos presenciais estão de regresso à Altice Arena, assegura o administrador executivo da emblemática infraestrutura de Lisboa e do país, Jorge Vinha da Silva.

A agenda da Altice Arena está já bastante preenchida até ao verão e muito mais de setembro a dezembro, confirmou Jorge Vinha da Silva, administrador-executivo da Altive Arena, em declarações ao Publituris. E focando apenas nos fatores que pode controlar, ou seja, no que respeita à atividade comercial, a Altice Arena pode já, no final de 2022 e em 2023 retomar os resultados pré pandemia.

O mercado de eventos está a recuperar?
Sim, o mercado está a recuperar progressivamente. À medida que o tempo passa os índices de confiança também aumentam e após um período tão longo quase sem eventos presenciais, é natural que as associações ou ordens profissionais responsáveis por congressos ou conferências, bem como, as empresas queiram realizar eventos para comunicar com os seus membros ou clientes. Também do ponto de vista dos eventos ao vivo as digressões nacionais, e no nosso caso, internacionais estão de regresso.

Prova desta situação foi o congresso “ECMID (32nd European Congress of Clinical Microbiology & Infectious Diseases)” que se realizou em Lisboa no passado mês de abril com quase 13 mil inscritos, sendo o primeiro grande congresso internacional pós-pandemia ou a Conferência dos Oceanos, um evento das Nações Unidas, que se realizará na Altice Arena no próximo mês de junho.

A agenda está já bastante preenchida até ao verão e muito mais preenchida de setembro a dezembro, onde entre muitos outros continuaremos a contar com eventos como a “Web Summit” ou a “Comic Com”. Em setembro acolheremos o “Association World Congress 2022”, o evento na Europa com um maior número de presenças de decisores de associações internacionais e executivos de topo, pessoas responsáveis por eventos em toda a Europa, e que acreditamos será um excelente contributo para ajudar a nossa indústria no processo de recuperação.

Quais são ainda os grandes constrangimentos?
Alguns constrangimentos que ainda se verificam, são, como referi, a necessidade da reposição dos índices de confiança e a degradação da situação económica a nível global, fruto não só da pandemia, mas também da situação de conflito que se vive na Ucrânia. Existe de facto um aumento generalizado de preços e de custos e até algumas questões relacionadas com a disponibilidade de equipamentos e matérias-primas.

Como é que a Altice Arena se reinventou para enfrentar estes tempos conturbados da pandemia?
A Altice Arena, tal como todos os operadores da indústria dos eventos, uma das mais afetadas na pandemia, passou por tempos difíceis e em que as soluções como os eventos digitais e os eventos presenciais, ainda que com muitas limitações não foram claramente a solução ideal, mas a possível. Assim, com muita resiliência, apoio dos nossos parceiros e um forte espírito de equipa mantivemos todas as nossas pessoas, o nosso ativo mais importante, e continuámos com foco a trabalhar nos projetos futuros, facto que nos permite agora recuperar mais rapidamente das perdas sofridas nesse período.

Que espaços para o MICE oferece a Altice Arena com vista a satisfazer este segmento de mercado?
A Altice Arena, possui um conjunto de salas, de variadas dimensões como sejam a Sala Altice, Tejo, Moche, Centro de Negócios, auditórios e outras, que nos permite funcionar também como um Centro de Congressos e acolher eventos das 20 às 20 mil pessoas, como são os casos dos grandes congressos ou conferências Internacionais. Investimos, por exemplo, em equipamento que nos permite dividir estas salas em auditórios mais pequenos com material de insonorização dos espaços, caraterística que é muito valorizada pelos nossos clientes.

Quando pensa ser possível voltar aos resultados da pré-pandemia?
Se me focar apenas nos fatores que podemos controlar, ou seja, a nossa atividade comercial, podemos já no final de 2022 e em 2023 retomar os resultados pré-pandemia.

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
Meeting Industry

Eventos corporativos em crescendo

Os CEO de duas agências de viagens – Travelstore e Globalis – especializadas em viagens de negócios, Frédéric Frère e Fátima Silva, explicam o comportamento atual desta indústria, após uma crise que criou diversos constrangimentos, e num momento em que já se fala em alguma retoma.

Para Frédéric Frère, CEO da Travelstore “as viagens corporativas estão claramente a retomar e nas recentes semanas estão bastante acima das nossas expectativas, chegando pouco a pouco aos níveis de 2019.

Segundo o executivo, “tínhamos previsto uma redução estrutural de longo prazo no segmento de viagens de negócios, mas que afinal poderá ser inferior às nossas previsões”, e “quando questionamos as nossas empresas clientes sobre os motivos desta retoma significativa das suas viagens profissionais, a resposta que ouvimos é que, uma vez levantadas as restrições e havendo um regresso à normalidade, verificam que o contacto presencial faz muita diferença com a simples comunicação por via digital”.

Durante as restrições impostas pela pandemia, conforme recorda Frédéric Frère, “as empresas não tinham outra alternativa senão recorrer exclusivamente às plataformas digitais mas agora que recuperaram a liberdade de mobilidade, podem comparar os dois contextos e medir o retorno para o seu negócio”, para acrescentar que, “pessoalmente, acho que os dois são muito complementares – um pouco como já o era uma primeira conversa ao telefone antes de uma reunião presencial – e que de alguma forma as plataformas digitais vêm inclusive estimular os intercâmbios presenciais”.

Em relação à retoma das viagens individuais corporativas, Fátima Silva, CEO da Globalis, não tem a mesma opinião, destacando que está mais demorada. O que tem evoluído são os eventos corporativos. “As viagens individuais corporativas estão ainda mais atrasadas, e ainda não encontrámos o ritmo que tínhamos antes da pandemia, até porque algumas empresas optaram por manter o regime do teletrabalho”.

Assim, “começámos com o lazer, pois à falta das viagens corporativas as pessoas estão muito mais motivadas a viajar em lazer e até para viagens com mais qualidade e destinos mais longínquos, e não só para fins de semana ou escapadinhas, e com mais pedidos do que era anteriormente”.

E acrescentou: “Isto sem nunca deixar o nosso ADN, até porque somos uma empresa corporativa e não temos balcão. Portanto, o nosso lazer passa muito pelos individuais e empresas que trabalham connosco”

A Globalis – Viagens e Eventos Corporativos, é uma empresa com sete anos. “Resolvemos embarcar neste projeto porque já existia a Globalis Brasil. Pertencemos ao Grupo Arbo. Na altura, indica Fátima Silva, “fazia sentido ser uma agência de viagens especializada no corporativo, nomeadamente, nas viagens individuais, grupos de congressos, eventos, mas pouco nos incentivos. Achámos que fazia sentido e havia espaço no mercado para desenvolver esta atividade de forma mais especializada e de forma mais próxima do cliente. Assim, a Globalis abriu no início de 2015”.

Para além desta, a empresa também desenvolve outras áreas, através do programa de “Associated Partners”, para empresários em nome individual ou freelancers que precisam de apoio e de uma estrutura. Segundo a gestora, “não se trata apenas de agências de viagens. Temos muita gente que toda a vida organizou viagens para grupos de amigos, que tem paixão por viajar e gosta de organizar viagens, portanto, fazia sentido disponibilizar apoio e estrutura para trabalharem”.

Perspetivas para este ano
Quais as perspetivas para este ano? Chegam este ano aos resultados da pré-pandemia? Foram as questões que colocámos aos nossos entrevistados.

Para o CEO da Travelstore, “tudo indica que poderemos voltar a níveis muito próximos de 2019, embora com pesos distintos entre diferentes segmentos de negócio”.

Explicou que “tal como antecipávamos, a indústria dos eventos vai beneficiar da evolução dos formatos de trabalho porque tendo as empresas reduzido os seus espaços de escritórios e introduzido o modelo do teletrabalho, também sentem a necessidade de organizar eventos, juntando as suas equipas de forma a fomentar a cultura da empresa e manter a coesão entre pessoas. Ou seja, o trabalho remoto é também um fator que contribui para a dinamização da indústria das viagens de negócio assim como da indústria dos eventos”.

Já para a CEO da Globalis, “estávamos em pleno desenvolvimento quando em 2019, um ano muito bom para nós, um ano em que estava tudo a correr de feição, chega a pandemia, mas, felizmente, numa altura em que a empresa estava sólida financeiramente, com uma boa estrutura e um bom corpo de colaboradores. A pandemia apanhou-nos desprevenidos, mas conseguimos ultrapassar isso tudo porque, de facto, tivemos também apoios estatais. Não os podemos negligenciar porque foram importantíssimos, mas não tivemos necessidade de recorrer a empréstimos ou moratórias, porque a empresa estava sólida, e com os apoios que tivemos do Governo conseguimos nos manter, e aqui estamos hoje”.

Fátima Silva considera que, outra área que tem evoluído muito mais rápido do que a das viagens individuais corporativas, tem sido os eventos corporativos e viagens de grupos, mas muito no país, isto porque “as pessoas, obrigadas ao teletrabalho durante tanto tempo, estão cansadas de falar para um ecrã, e nós somos um ser social. Todos os motivos são hoje válidos para se estar presente num evento presencial, e fazem-se por tudo e por nada”.

“Nos eventos é importante o presencial e não só através dos meios digitais, porque tem muito networking, as pessoas precisam de tirar dúvidas, de comunicar. Felizmente isto está-se a verificar. Além disso, se antigamente havia eventos que não se faziam e acabavam por ser reuniões dentro das próprias empresas, hoje em dia tudo é motivo para os realizar fora. Tem sido, por isso, positivo”, esclareceu a gestora da empresa, que tem trabalhado muito com consultoras e grandes empresas que organizam eventos de verão e de Natal. Só que, apontou Fátima Silva, “aquilo que era planeado com grande antecedência, agora em 15 dias estão-nos a pedir uma série de coisas, situação que tem estado muito presente nesta fase da retoma”.

No entanto, há um certo otimismo da executiva em relação à recuperação. “Acho que se vai notar um crescendo, mas não de um dia para outro. À séria, com o mundo em paz, e que não haja este medo e perigo da guerra, penso que só no final deste ano ou princípio de 2023 é que deveremos chegar ao movimento e resultados de 2019”, estima a responsável, indicando que “não podemos esquecer que o início deste ano ainda foi de pandemia”.

Refira-se que a Globalis teve uma faturação de 10 milhões de euros em 2019 e este ano aponta para um volume de negócios à volta dos seis milhões, enquanto faturou quatro milhões de euros em 2021 e 2,5 milhões em 2020.

 

Tudo indica que poderemos voltar a níveis muito próximos de 2019, embora com pesos distintos entre diferentes segmentos de negócio”, Frédéric Frère (CEO da Travelstore)

 

Perfil do cliente evoluiu
Com a pandemia, o perfil do cliente, mais do que mudar, evoluiu. Esta é a opinião de Frédéric Frère.

Isto é, “muitas das expectativas dos clientes já existiam antes da pandemia, mas esta veio acentuar o seu nível de exigência relativamente a alguns aspetos que valorizam particularmente. Estes são a segurança e, aqui vemos que as TMC dotadas das capacidades necessárias, passaram a ser ainda mais valorizadas do que no passado pela sua capacidade de apoio ao viajante, sobretudo em circunstâncias de dificuldades. São também cada vez mais a respeito dos princípios “ESG” com particular enfoque no “E” (meio ambiente) sem desvalorizar obviamente os outros componentes da sustentabilidade corporativa. As empresas procuram trazer um contributo pro-ativo aos esforços de proteção do meio ambiente, aderindo a várias iniciativas que ajudam a transição para energias mais sustentáveis”.

Mas há mais: “as empresas continuam obviamente a procurar recorrer a parceiros que as ajudem a otimizar os seus orçamentos em viagem, particularmente em ambientes inflacionistas como os atuais em que seja expectável um aumento das tarifas de aviação e de alojamento. Uma capacidade de gestão coordenada que disponha de métricas fiáveis continua a ser um elemento muito valorizado pelos clientes”, acrescentou o responsável.

Sobre esta questão, Fátima Silva refere que “não é por causa do aumento dos preços que o mercado não compra, pelo menos ao nível dos nossos clientes”. Mas também concorda nessa alteração do perfil do cliente, pois, muitas empresas que não faziam eventos, passaram a fazer, um pouco na lógica de que é de acesso a todos. Além disso, é mais exigente porque teve muito tempo para aprender, e acima de tudo, está muito mais atento e consciente dos direitos de consumidor”.

Desafios da indústria
A indústria das viagens de negócios e dos eventos corporativos tem-se confrontado ao longo dos anos, segundo Frère, “com várias ameaças para não dizer crises de todo o tipo: epidemias e mais recentemente uma pandemia global cuja resolução ainda não é definitiva e, provavelmente, nunca o será totalmente, atentados terroristas, incidências climáticas e naturais (lembro o vulcão na Islândia há uns anos atrás), crises económicas e financeiras e naturalmente geopolíticas como a guerra que se iniciou recentemente entre a Rússia e a Ucrânia”. Este ano, acrescentou: “para além da saída da pandemia ainda não totalmente resolvida, surgem duas novas ameaças, a desta guerra aberrante – são todas – cujo desfecho é ainda muito incerto, e uma possível recessão económica internacional, consequência da tensão inflacionista que se está a registar um pouco em todo o mundo”.

Além disso, “toda a ambiguidade deste contexto é que atualmente as empresas do setor precisam de reforçar a sua capacidade de resposta e contratar recursos humanos, mas podendo estarem confrontados com nova contração da procura nos próximos meses”, defende o CEO da Travelstore, sublinhando que “o outro grande desafio ao qual todo o setor se confronta é claramente este dos recursos humanos, e isto a dois níveis: primeiro conseguir contratar pessoas de forma a proteger níveis de serviços, segundo estarem preparados para um agravamento dos custos laborais.

Na hora de reinventar
A Travelstore não precisou da pandemia para procurar se reinventar porque a antecipação à mudança faz parte do seu ADN. Mas, “a crise brutal que atravessámos nos estimulou ainda mais, em boa parte porque também ficámos com mais tempo para dedicar ao brainstorming. Acelerámos a nossa transformação digital, enriquecemos as propostas de valor das nossas diferentes áreas de negócio, e por fim, diversificámos os negócios para diluir a dependência dos negócios com maior peso”, disse o executivo.

Outro aspeto positivo “é que voltámos a pensar e atuar como uma startup em que todos se entreajudam para ir mais depressa e por um custo menor. É sabido que as crises são geradoras de oportunidades e julgo que esta última só veio reforçar esse princípio”, destacou o responsável.

Para a CEO da Globalis, “tivemos de nos adaptar. Passámos também a organizar eventos híbridos para os nossos clientes. Temos tecnologia e tentado sempre automatizar os processos de reservas e vendas. Implementámos mais ferramentas tecnológicas, mas o facto de termos tudo automatizado não quer dizer que sejam soluções para se vender mais, pelo menos neste momento. Desenvolvemos as redes sociais e novas formas de comunicar com os nossos clientes e com o mercado, e estamos em toda a parte onde o nosso cliente precisar”. A empresa acompanha o cliente de A a Z, seja em Portugal, seja no estrangeiro.

 

As pessoas, obrigadas ao teletrabalho durante tanto tempo, estão cansadas de falar para um ecrã, e nós somos um ser social. Todos os motivos são hoje válidos para se estar presente num evento presencial, e fazem-se por tudo e por nada”, Fátima Silva (CEO da Globalis)

 

Projetos em carteira
A Globalis tinha vários projetos em carteira que a pandemia fez adiar, mas que Fátima Silva faz questão de dizer que deverão começar a ser implementados no final deste ano ou no início do próximo.

“Colaboramos muito com o Grupo Arbo, mas ainda não trazemos clientes do estrangeiro para Portugal, projeto que estava para ser iniciado em 2020, mas com a pandemia acabou por ficar em banho-maria, mas que vamos retomar”.

Além disso “tínhamos uma ideia interessante e diferente, e que esperamos vir a retomar, que tem a ver com serviços de concierge de luxo, serviços direcionados para um determinado tipo de viajantes, como os expatriados, estrangeiros que compram casa em Portugal, que não têm estrutura familiar e necessitam de apoio e de alguns serviços, ou seja, pessoas que precisam de todo o apoio local num país que não é o seu”, realçou a gestora.

Este projeto, segundo Fátima Silva, pode complementar-se com o conceito “Jornada do Passageiro”, de forma que “as pessoas possam chegar e se identificar com a vida real de Portugal e dos portugueses sem ser através do tradicional tour e sem ser só nas grandes cidades”.

Finalmente, a agência, através de parceiros e do seu grupo no Brasil, está a preparar uma campanha para viagens ao Mundial de Futebol no Qatar (novembro e dezembro deste ano), “uma forma de retomar e estar presente”.

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
Distribuição

Globalis: Certificação de qualidade traz mais valias à empresa, clientes e parceiros

A Globalis, empresa especializada em viagens e eventos corporativos, viu uma auditoria aprovar, recentemente, a manutenção do seu certificado de gestão de qualidade, “uma vez mais, sem inconformidades”.

A notícia foi avançada ao Publituris pela CEO da Globalis, Fátima Silva, que reconhece que a certificação de qualidade traz mais valias à empresa, clientes e parceiros.

Isto significa, segundo Fátima Silva, que “para os nossos clientes, podem ter a garantia de um processo limpo de A a Z, e que estamos constantemente à procura da melhoria. É garantia de que o serviço que prestamos é limpo, correto e sempre em prol do cliente”.

Outro benefício “de sermos certificados, é que permite, ainda, em termos comerciais e de imagem de alguns parceiros sermos escolhidos. Além disso, também nos permite ter acesso a práticas e experiências de outras empresas certificadas”, destacou a CEO da Globalis, para apontar que, “não é por causa disso que tenhamos mais clientes, mas confere-nos uma posição de segurança e de confiança junto dos nossos clientes”.

Com esta certificação da certificação do seu sistema de gestão da qualidade segundo os requisitos da NP EN ISO 9001:2015, renovável de dois em dois anos, a Globalis indica, no seu site oficial que “garantimos a qualidade dos serviços tendo como pilares a sistematização dos processos e procedimentos, rotinas bem definidas e monitorizáveis e uma equipa capacitada e focada na melhoria contínua”, continuando “a perseguir os objetivos de qualidade de serviço que nos carateriza”, pode-se ler.

 

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
Destinos

OMT promove digitalização de um milhão de PME do turismo

Promovido pela Organização Mundial do Turismo (OMT), o programa “Digital Futures” será desenvolvido em três anos, e vai envolver pelo menos um milhão de PME do setor.

A OMT acaba de anunciar o lançamento do programa “Digital Futures”, projetado para acelerar a adoção de novas tecnologias nas pequenas e médias empresas (PME) do turismo.

Desenvolvida em colaboração com algumas das principais empresas de tecnologia, finanças e negócios do mundo, como a Mastercard, a iniciativa é focada nas PME, que representam 80% de todas as empresas do turismo.

A OMT visa alcançar pelo menos um milhão de PME deste setor durante a vigência do programa, fornecendo-lhes os conhecimentos fundamentais necessários para aproveitar o poder das tecnologias novas e emergentes.

O secretário-geral da OMT, Zurab Pololikashvili, lembra que “as pequenas empresas são a espinha dorsal do turismo”, dai a necessidade deste programa que “as ajudará a se recuperar dos impactos da pandemia e impulsionar o setor, através inovação e novas tecnologias.”

A fim de fornecer às PME orientações e ferramentas personalizadas, o programa é construído sobre uma Ferramenta de Diagnóstico de Prontidão Digital que compara as PME em cinco dimensões digitais principais – Conectividade, Crescimento dos Negócios, Comércio Eletrónico, Big Data e Análise e Pagamentos e Segurança.

O evento de lançamento, que decorreu em Madrid, contou com a presença de cerca de 200 participantes, incluindo os embaixadores em Espanha dos Estados Membros da OMT, bem como agências de investimento e promoção e as próprias PME.

 

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
Destinos

Turismo de luxo recupera na Europa após pandemia

As vendas geradas pelo turismo de luxo na Europa podem atingir 520 mil milhões de euros entre 2030 e 2035, diz a Aliança Europeia das Indústrias Culturais e Criativas (ECCIA), que adianta este segmento é responsável por entre quatro mil milhões e seis mil milhões de euros de receitas em Portugal.

Com a retoma do turismo, a Aliança Europeia das Indústrias Culturais e Criativas (ECCIA) estima que os gastos gerados pelos turistas de alto poder aquisitivo podem triplicar para 520 mil milhões de euros entre 2030 e 2035. Até agora, as vendas para este tipo de turista estão entre 130 mil milhões e 170 mil milhões de euros, concentrando 22% das receitas geradas pelo turismo em geral.

De acordo com os empregadores europeus, o aumento dos gastos turísticos terá a ver com uma melhoria em infraestrutura, sustentabilidade e educação. “As marcas de luxo europeias geram 70% das vendas do mercado, representando 10% das exportações europeias e 4% do Produto Interno Bruto (PIB) do continente, com vendas até 800 mil milhões de euros”, explicou a ECCIA em comunicado.

Em alguns países como Itália, França, Espanha e Reino Unido, o segmento de turismo de luxo gera entre 20.000 milhões de euros e 35.000 milhões de euros. Em outros países, como a Grécia, a incidência do turismo de luxo é mais relevante e gera até 7% do PIB do país.

França, Alemanha, Itália, Espanha e Reino Unido, geram 75% das receitas deste segmento. Espanha, por exemplo gera entre 20 mil milhões e 25 mil milhões de euros com o com turismo de luxo, enquanto o Reino Unido coloca a sua receita desse segmento entre 30 mil milhões e 35 mil milhões de euros.

Além desses países, a Suíça gera entre cinco mil milhões e 10 mil milhões graças ao turismo de luxo; Grécia até 10 mil milhões de euros; e Portugal entre quatro mil milhões e seis mil milhões de euros. O resto da Europa gera aproximadamente nove mil milhões de euros.

“Os turistas, que estão a aumentar a sua curiosidade e atenção à sustentabilidade, estão a mostrar interesse em novos destinos como a Croácia, Eslovénia, Portugal e os países nórdicos”, detalha o estudo, que estima uma perda de mais de 70 mil milhões de euros causada pelo impacto da pandemia e restrições de viagem.

Só em 2020, as perdas geradas pela queda do turismo devido às restrições da pandemia ficaram entre 65 mil milhões de euros e 75 mil milhões de euros. Mesmo assim, “o turismo de luxo finalmente dá sinais de recuperação”, acrescenta Claudia D’Arpizio, diretora de moda e luxo da Bain&Company.

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
Transportes

Costa Cruzeiros renova programa de fidelidade e lança C|Club

O programa de fidelidade da Costa Cruzeiros passou a chamar-se C|Club e, segundo a companhia de cruzeiros, divide-se agora em cinco níveis, com benefícios para os membros que são ainda mais atrativos.

Publituris

A Costa Cruzeiros redesenhou e transformou o seu programa de fidelidade, que passou a chamar-se C|Club e que, segundo a companhia de cruzeiros, divide-se agora em cinco níveis, com benefícios para os membros que são ainda mais atrativos.

Com a reformulação, o programa de fidelidade da Costa Cruzeiros passou a incluir o nível Azul, para membros que nunca tenham realizado antes um cruzeiro; Bronze para quem acumular entre um a 5.000 pontos; Prata para pontos entre os 5.001 e os 30.000; Ouro para quem acumular entre 30.001 e 140.000 pontos; e ainda o novo nível Platina para quem tiver mais de 140.001 pontos.

“O mecanismo de acumulação de pontos simplificou-se, com novas regras que permitem crescer rapidamente no clube: os passageiros ganham pontos por cada noite de cruzeiro com base na categoria da cabine escolhida e pontos adicionais com base na tarifa que compraram (“All Inclusive” ou “Super All Inclusive”), voos reservados com a Costa e gastos a bordo dos navios ou no My Costa, o website que permite aos passageiros personalizar o seu cruzeiro antes da partida”, explica a companhia de cruzeiros.

Os membros do programa de fidelidade da Costa Cruzeiros podem usufruir dos benefícios em qualquer etapa da experiência na companhia, seja no processo de reserva, que disponibiliza descontos até 20% em muitos cruzeiros; antes da partida, através da aquisição My Explorations, que oferecem um desconto de 25% em excursões adicionais; ou a bordo, já que há um desconto até 50% numa lista de produtos e serviços. No regresso a casa, os membros do programa podem ainda desfrutar de um desconto de 10% na compra do  próximo cruzeiro.

“As vantagens mais valorizadas da versão anterior mantêm-se, enquanto outras foram introduzidas, como a possibilidade de reserva antecipada do restaurante para jantar, novas ofertas de fim de cruzeiro e cartões de cabine personalizados. Outros benefícios foram reforçados, como o desconto especial de 25% em degustações de vinhos combinadas com menus no restaurante Archipélago, um espetáculo renovado do C|Club com artistas sempre diferentes, ou uma garrafa de espumante de boas-vindas na cabine”, acrescenta a companhia.

O programa conta também com promoções exclusivas e confidenciais que permitirão aos membros adquirir pontos extra através de simples atividades, como “atualizar os seus dados e descarregar a app”.

O C|Club conta ainda com a C Magazine, uma revista dedicada ao clube que está disponível em versão impressa e digital e que, tal como o programa, também foi completamente redesenhada, passando a contar com “imagens e conteúdos ainda mais inovadores”.

“Além disso, foi criada uma área especial no website da Costa Cruzeiros que permite ficar a par das ofertas, promoções disponíveis e pontuação e nível de cada um”, indica também a Costa Cruzeiros na informação divulgada.

O novo programa de fidelidade da Costa Cruzeiros foi lançado no cruzeiro C|Club, a bordo do Costa Fascinosa, uma viagem especial que, segundo a companhia de cruzeiros, contou com um “itinerário único e inédito”, que consistiu em 15 dias de viagem pelos Açores, com paragens também na Madeira, Lisboa, Málaga e Cádis.

 

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

IATA reforça apelo para fim das restrições na Ásia-Pacífico

A IATA sublinha que, assim que os Governo procedem ao levantamento das medidas restritivas adotadas na sequência da COVID-19, “há uma reação positiva imediata dos viajantes”.

Publituris

A Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA) voltou esta terça-feira, 17 de maio, a insistir no apelo para o fim das restrições às viagens na Ásia-Pacífico, de forma a acelerar a recuperação turística na região.

Num comunicado enviado à imprensa, a IATA sublinha que, assim que os Governo procedem ao levantamento das medidas restritivas adotadas na sequência da COVID-19 “há uma reação positiva imediata dos viajantes”, pelo que, alerta a associação, o levantamento das medidas ainda em vigor deve ser rápido, até porque há “empregos em jogo e as pessoas querem viajar”.

Segundo a IATA, em março, a procura internacional de passageiros na região Ásia-Pacífico atingiu 17% dos níveis pré-COVID, depois de ter ficado abaixo de 10% na maior parte dos últimos dois anos, o que, mesmo assim, continua muito abaixo da média do resto do mundo.

“Isso está muito abaixo da tendência global, onde os mercados recuperaram para 60% dos níveis pré-crise. O atraso é por causa das restrições do governo. Quanto mais cedo elas forem levantadas, mais cedo assistiremos a uma recuperação no setor de viagens e turismo na região, com todos os benefícios económicos que isso trará”, afirma Willie Walsh, diretor-geral da IATA.

Desta forma, a IATA insiste para que os Governos dos países da Ásia-Pacífico levantem todas as restrições que ainda estão em vigor, a exemplo das limitações para viajantes vacinados, da remoção da obrigação de teste ou quarentena para viajantes não vacinados e que sejam provenientes de zonas onde existem altos níveis de imunidade e da suspensão do uso obrigatório de máscara facial nas viagens aéreas em países onde o seu uso já não seja obrigatório em locais fechados e transportes públicos.

“Apoiar e, mais importante, acelerar a recuperação exigirá toda uma abordagem da indústria e do governo. As companhias aéreas estão a trazer de volta os voos. Os aeroportos precisam de ser capazes de lidar com a procura. E os governos precisam ser capazes de processar as autorizações de segurança e outra documentação com eficiência”, considera Willie Walsh.

Como exemplo de países asiáticos que vivem realidades distintas, Willie Walsh aponta a China e o Japão, o primeiro dos quais continua totalmente fechado ao turismo, enquanto o segundo já voltou a permitir viagens aéreas internacionais, ainda que, segundo a IATA, não tenha um plano claro para a reabertura do país, numa lacuna que deve ser colmatada.

“É preciso fazer mais para facilitar ainda mais as restrições de viagem, começando com o levantamento da quarentena para todos os viajantes vacinados e removendo o teste de chegada no aeroporto e o limite diário de chegada. Exorto o governo do Japão a dar passos mais ousados ​​para a recuperação e abertura das fronteiras do país”, acrescentou Walsh.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Rita Marques visita Região de Lisboa esta quinta-feira

A secretária de Estado do Turismo, Comércio e Serviços, Rita Marques, vai conhecer vários projetos de formação, reabilitação e valorização do património, durante uma visita que realiza, esta quinta-feira, dia 19 de maio, à Região de Lisboa.

Publituris

Da agenda consta uma visita ao Palácio Nacional da Ajuda onde irá assistir à montagem das últimas peças no Museu do Tesouro Real, cuja inauguração está prevista para breve.

Rita Marques estará, igualmente, na Escola de Hotelaria e Turismo do Estoril, onde se procederá à assinatura do Protocolo “Formação + Próxima”.

O fim da visita tem encontro marcado na Tapada de Mafra para assinalar os esforços e o compromisso da região com o cumprimento dos princípios de responsabilidade e empenho ativo na conservação do património natural.

Segundo comunicado da Entidade Regional de Turismo da Região de Lisboa, esta visita da secretária de Estado do Turismo, Comércio e Serviços marca o início da retoma turística da região, bem como o investimento em três pilares de sucesso: a formação, a reabilitação e a valorização patrimonial.

 

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Turismo externo contribui para Portugal ter a maior projeção de crescimento na UE em 2022, diz comissário europeu

Na habitual divulgação das previsões económicas da Primavera, o comissário europeu da Economia, Paolo Gentiloni, considerou que “a reabertura do turismo externo teve um papel importante”.

Publituris

O comissário europeu da Economia, Paolo Gentiloni, considerou que a reabertura do turismo externo contribui para a projeção de um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de Portugal este ano de 5,8%, o mais alto da União Europeia.

Na conferência de imprensa de apresentação das previsões económicas da primavera da Comissão Europeia, em Bruxelas, Gentiloni comentou que as projeções para Portugal são “realmente boas, tanto para o crescimento, como em relação ao rácio da dívida face ao PIB, que em 2023 deverá atingir 115%, o que fica abaixo do nível pré-pandemia”.

Admitindo que a previsão de forte crescimento da economia portuguesa para este ano, a mais elevada entre os 27 Estados-membros da União, se deve também ao facto de Portugal não ter crescido “de forma tão forte em 2021 em comparação com outros países” – o PIB português cresceu 4,9% no ano passado, abaixo da média europeia de 5,4% -, o comissário europeu destacou então igualmente o papel do regresso em força dos turistas estrangeiros, depois de dois anos de pandemia da covid-19.

“Penso que a reabertura do turismo para um país maioritariamente baseado em turismo externo do que interno também teve um papel importante”, afirmou Gentiloni.

A Comissão Europeia reviu em alta de 0,3 pontos percentuais (p.p.) o crescimento económico esperado para Portugal este ano, para 5,8%, apesar dos desafios externos, segundo as previsões macroeconómicas de primavera divulgadas.

Este é o valor mais elevado entre os 27 Estados-membros da UE, seguido da Irlanda (5,4%), e muito acima da média do bloco europeu e da zona euro, ambos com projeções de crescimento de apenas 2,7% este ano.

Bruxelas prevê que o PIB de Portugal cresça 5,8% em 2022, quando em fevereiro esperava uma expansão de 5,5%, com o setor dos serviços, particularmente o turismo estrangeiro, a recuperar fortemente face a uma base baixa.

O relatório da Comissão Europeia assinala que “as perspetivas de crescimento permanecem favoráveis, apesar dos desafios relacionados com os preços das ‘commodities’, das cadeias de abastecimento globais e maior incerteza na procura externa”.

Refletindo a melhoria das condições económicas, o executivo comunitário vê o rácio da dívida pública face ao PIB a cair de 127,4% em 2021 para 119,9% do PIB em 2022, e para 115,3% em 2023, ano em que se fixaria abaixo do nível pré-pandemia.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.