CTP não se compromete com salário mínimo acima dos 600€

Por a 26 de Novembro de 2018 as 11:02

O presidente da Confederação do Turismo de Portugal (CTP), Francisco Calheiros, diz compreender o apelo para se fixar o salário mínimo no sector do Turismo acima dos 600 euros, mas lembra os perigos dessa decisão, nomeadamente para as regiões mais desertificadas.

Questionado pela Lusa sobre a possibilidade de a CTP vir a apoiar a subida do salário mínimo no Turismo, Francisco Calheiros disse que a CTP “aplaude e saúda, quer as empresas, quer as associações, que promovem contratação colectiva em que o salário mínimo é superior a 600 euros”, advertindo, no entanto, que “é preciso ter sempre cuidado com determinadas regiões do país mais desertificadas e causticadas como, por exemplo, a região Centro, onde isso pode fazer diferença”.

Francisco Calheiros respondeu assim ao desafio lançado, na semana passada, pela UGT, que instou a CTP a fixar o salário mínimo acima dos 600 euros e a aproveitar o crescimento do sector para reduzir a precariedade laboral, hipótese que, diz a Lusa, Francisco Calheiros terá admitido analisar, “desde que o Governo lhes desse um sinal, uma contrapartida”.

O presidente da CTP considera, contudo, que é preciso assegurar o equilíbrio a nível nacional e não quis falar sobre as eventuais contrapartidas por parte do Governo, que poderiam levar a uma mudança de posição.

“Não gosto de ver as coisas em termos de contrapartidas, gosto de ver em termos de um programa que está em cima da mesa. Estamos à espera da discussão. Temos para a semana já uma reunião onde esperamos que venha a haver desenvolvimentos”, acrescentou Francisco Calheiros, lembrando que “esta discussão está agora a ter início em sede de Concertação Social e é lá que a CTP discute estas coisas”.

“Estamos a envolver-nos nessa questão, estamos em Novembro. No ano passado, as discussões foram até Fevereiro e não nos podemos esquecer de uma coisa: o salário mínimo faz parte de uma coisa muito maior chamada Acordo de Concertação Social, no qual estão uma série de situações que esperamos que o Governo venha a apresentar novidades”, explicou, dando como exemplo o Fundo de Compensação do Trabalho (FCT), que deveria ter sido revisto em 2018, mas que ainda não foi.

 

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *