Edição digital
Assine já
PUB
Marta Guerreiro
Destinos

Açores: Marta Guerreiro é a nova Secretária Regional da Energia, Ambiente e Turismo

A responsável pelo pelouro do Turismo, Energia e Ambiente nos Açores tem 39 anos e é licenciada em economia.

Ângelo Delgado
Marta Guerreiro
Destinos

Açores: Marta Guerreiro é a nova Secretária Regional da Energia, Ambiente e Turismo

A responsável pelo pelouro do Turismo, Energia e Ambiente nos Açores tem 39 anos e é licenciada em economia.

Ângelo Delgado
Sobre o autor
Ângelo Delgado
Artigos relacionados
Prémios Skytrax elegem Qatar Airways como melhor companhia aérea do mundo
Aviação
Receitas turísticas ultrapassam pela primeira vez 2MM€ em abril
Destinos
PIB do turismo espanhol atingirá os 13% do PIB total em 2024
Destinos
É preciso acrescentar valor ao produto Portugal, diz Pedro Machado
Destinos
Grupo Carrís mostra o seu portefólio do Porto e Galiza a agentes de viagens portugueses
Distribuição
Arraiais GEA em Lisboa e Porto contaram com mais de 300 participantes
Distribuição
easyJet passa a digitalizar registo técnico de aviões para reduzir papel
Aviação
Tunísia é o país convidado da FIA Lisboa 2024
Destinos
Tailândia cresce 44% em turistas portugueses e espera ultrapassar números de 2019
Destinos
Multitempo by Job&Talent lança campanha de recrutamento com 100 vagas para a Hotelaria
Alojamento

O presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, apresentou à Assembleia da República os novos membros do seu Executivo. Entre eles, destaque para Marta Guerreiro, a nova secretária regional da Energia, Ambiente e Turismo, que substitui Vítor Fraga, agora secretário regional  dos Transportes e Obras Públicas.

Com 39 anos e licenciada em economia pela Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa, Marta Guerreiro é membro efectivo da Ordem dos Economistas, inscrita no colégio de especialidade de Economia Política.

De maio de 2013 a dezembro de 2015, desempenhou funções de directora comercial das empresas dos Açores do Banco Santander Totta e foi ainda directora do Centro de Empresas de São Miguel e da Terceira do Banif.

Para além de diversas formações na área da banca, participou no programa “Leadership in the 21st Century: Chaos, Conflict and Courage”, ministrado pela Harvard Kennedy School, Executive Education, e promovido pela Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento, em parceria com o Governo Regional dos Açores.

Participou também, como chefe de equipa do Banif, na edição de 2010 do Global Management Challenge – Competição de estratégia e gestão organizada em Portugal pela SDG – Simuladores e Modelos de Gestão, S.A. em parceria com o Jornal Expresso.

Em baixo, todos os membros do XII Governo dos Açores presidido por Vasco Cordeiro.

– Vice-presidente do governo, Sérgio Humberto Rocha de Ávila, economista, 47 anos;

– Secretária Regional da Solidariedade Social, Andreia Martins Cardoso da Costa, economista, 40 anos;

– Secretário Regional da Educação e Cultura, Avelino Freitas de Meneses, professor catedrático, doutorado em História Moderna e Contemporânea, 57 anos;

– Secretário Regional do Mar, Ciência e Tecnologia, Gui Manuel Machado Menezes, investigador auxiliar, doutorado em Ecologia Marinha, 49 anos;

– Secretário Regional dos Transportes e Obras Públicas, Vítor Manuel Ângelo de Fraga, engenheiro electrotécnico e de computadores, 46 anos;

– Secretário Regional da Saúde, Rui Duarte Gonçalves Luís, gestor, doutorado na área da Economia da Saúde, 46 anos;

– Secretária Regional da Energia, Ambiente e Turismo, Marta Isabel Vieira Guerreiro, economista, 39 anos;

– Secretário Regional da Agricultura e Florestas, João António Ferreira Ponte, engenheiro electrotécnico e de computadores, 49 anos;

– Secretário Regional Adjunto da Presidência para os Assuntos Parlamentares, Berto José Branco Messias, frequência do curso de Relações Internacionais, 34 anos;

– Secretário Regional Adjunto da Presidência para as Relações Externas, Rui Jorge da Silva Leite de Bettencourt, técnico superior da Administração Pública, mestre em Ciências da Educação, 60 anos;

Sobre o autorÂngelo Delgado

Ângelo Delgado

Mais artigos
Artigos relacionados
Prémios Skytrax elegem Qatar Airways como melhor companhia aérea do mundo
Aviação
Receitas turísticas ultrapassam pela primeira vez 2MM€ em abril
Destinos
PIB do turismo espanhol atingirá os 13% do PIB total em 2024
Destinos
É preciso acrescentar valor ao produto Portugal, diz Pedro Machado
Destinos
Grupo Carrís mostra o seu portefólio do Porto e Galiza a agentes de viagens portugueses
Distribuição
Arraiais GEA em Lisboa e Porto contaram com mais de 300 participantes
Distribuição
easyJet passa a digitalizar registo técnico de aviões para reduzir papel
Aviação
Tunísia é o país convidado da FIA Lisboa 2024
Destinos
Tailândia cresce 44% em turistas portugueses e espera ultrapassar números de 2019
Destinos
Multitempo by Job&Talent lança campanha de recrutamento com 100 vagas para a Hotelaria
Alojamento
PUB
Destinos

Receitas turísticas ultrapassam pela primeira vez 2MM€ em abril

As receitas turísticas ultrapassaram, pela primeira vez, o valor de dois mil milhões de euros num mês de abril, somando 2.058,32 milhões de euros, num aumento de 6,2% face a mês homólogo do ano passado, segundo o Banco de Portugal (BdP).

As receitas provenientes da atividade turística cresceram 6,2% no passado mês de abril, somando 2.058,32 milhões de euros, naquela que foi a primeira vez que este indicador ultrapassou os dois mil milhões de euros num mês de abril, de acordo com os dados do Banco de Portugal (BdP), divulgados na semana passada.

Os dados do BdP mostram que, em abril, as receitas provenientes da atividade turística, que se encontram pelos gastos dos turistas estrangeiros em Portugal, ficaram 6,2% acima dos 1.938,34 milhões de euros apurados em igual mês do ano passado, bem como 49% acima dos 1.381,15 milhões de euros que tinham sido contabilizados em abril de 2019, antes da pandemia.

“As exportações de viagens e turismo totalizaram 2.058 milhões de euros, o valor mais elevado da série para um mês de abril”, lê-se no comunicado do BdP que acompanha os números de abril, mês que, este ano, não contou com o impulso da Páscoa, que se celebrou a 31 de março.

Tal como as receitas turísticas, também as importações do turismo – que se encontram pelos gastos dos turistas portugueses no estrangeiro – cresceram em abril, somando 595,47 milhões de euros, valor que ficou 2,7% acima dos 580,04 milhões de euros apurados em igual período do ano passado e 25,7% acima do mesmo período de 2019, quando este indicador tinha ficado nos 473,77 milhões de euros.

Já o saldo da rubrica Viagens e Turismo somou 1.462,85 milhões de euros em abril, valor que traduz um aumento de 7,7% face a abril do ano passado, quando este indicador estava nos 1.358,30 milhões de euros, e 61,2% face a abril de 2019, quando o saldo da rubrica Viagens e Turismo tinha sido de 907,37 milhões de euros.

Acumulado até abril também traz notícias positivas

Tal como o mês de abril, também o acumulado até ao quarto mês do ano traduz notícias positivas, com as receitas turísticas a somarem já 6.829,11 milhões de euros, o que traduz um aumento de 12,2% face ao acumulado até abril de 2023, quando este valor se ficava pelos 6.084,71 milhões de euros.

Nas importações turísticas, a tendência volta a ser semelhante, uma vez que, até abril, este valor soma já 1.567,34 milhões de euros, quando em igual período de 2023 este valor estava nos 1.482,84 milhões de euros, o que traduz um aumento de 5,7%.

No que diz respeito ao saldo da rubrica Viagens e Turismo, verificou-se a mesma tendência de subida nos primeiros quatro meses do ano, uma vez que o valor deste indicador foi de 5.261,77 milhões de euros, o que representa um aumento de 14,3% face aos 4.601,87 milhões de euros apurados no mesmo período do ano passado.

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos

Foto: Depositphotos.com

Destinos

PIB do turismo espanhol atingirá os 13% do PIB total em 2024

Uma recente análise do CaixaBank aponta para crescimentos do setor do turismo em 2024 e 2025. Para este ano de 2024 as estimativas apontam para um crescimento na ordem dos 5% e a possibilidade de se chegar bem perto dos 100 milhões de turistas internacionais.

Depois de um ano de 2023 excecional para o turismo em Espanha, com níveis recorde de chegadas internacionais, gastos, dormidas e turismo interno, os números de 2024 superam as expectativas e marcam o melhor início de ano da história do setor, revela o CaixaBank Research que prevê que o PIB turístico cresça 5% em 2024 (mais do dobro do esperado para o conjunto da economia) e que o número de visitas de turistas internacionais ultrapasse os 90 milhões. Esta estimativa baseia-se “na recuperação do poder de compra das famílias europeias num contexto de queda da inflação, à recuperação económica da Europa e à perceção de maior segurança que Espanha transmite em relação a outros destinos concorrentes”, assinala a entidade bancária.

O turismo interno manter-se-á em níveis historicamente elevados, mas crescerá a taxas mais modestas do que o turismo internacional, uma vez que se espera uma reativação do turismo emissor espanhol. “O êxito do setor não deve ser em detrimento da necessidade de continuar a melhorar a gestão dos fluxos turísticos para mitigar as externalidades negativas que podem causar e avançar para um modelo de turismo menos sazonal que reforce a sustentabilidade”, refere ainda a análise.

Começar bem o ano
Depois de um 2023 em que a economia espanhola 2,5%, num contexto de fraco crescimento das principais economias europeias, o início de 2024 voltou a surpreender pela positiva. No primeiro trimestre de 2024, o PIB cresceu 0,7% em termos trimestrais, impulsionado por uma reativação do investimento e um novo aumento das exportações de serviços turísticos (+19% em termos trimestrais). Este bom desempenho do turismo reflete-se também no aumento do excedente da balança de serviços turísticos, que em março de 2024 atingiu 4,2% do PIB em comparação com 3,7% um ano antes (dados acumulados de 12 meses). “Esta melhoria, de 0,5 p. p. do PIB, implica que as exportações de turismo são responsáveis por mais de metade da melhoria do saldo da balança corrente de Espanha no último ano”, diz o CaixaBank.

“Não há dúvida de que parte do atual dinamismo da economia espanhola pode ser explicado pelo bom momento do setor do turismo”, admitindo a análise que, “na sequência dos excelentes registos do setor durante o ano passado, todos os indicadores da atividade turística aceleraram nos primeiros quatro meses de 2024 (ultrapassando os registos do mesmo período de 2023), o que constitui um bom presságio para um forte crescimento em 2024”.

Assim, de acordo com as estimativas, o PIB do turismo representou 0,9 p.p. do crescimento anual do PIB de Espanha de 2,5% em 2023. De acordo com as novas previsões para 2024, o setor contribuirá com cerca de 0,6 p. p. para o crescimento esperado de 2,4%. O peso do PIB do turismo no PIB total atingirá, assim, os 13%.

Até abril, chegaram a Espanha 24 milhões de turistas internacionais, o melhor arranque de ano da série disponível. Em poucos meses, já visitaram o país mais três milhões de turistas estrangeiros do que em igual período de 2023 (um crescimento homólogo de 14,8%).

A despesa média por pessoa ultrapassa os 1.300 euros (média de janeiro a abril), cerca de 245 euros acima da média pré-pandémica, representando um aumento de 19% em relação a 2019, “embora isto se deva mais a um efeito de preço do que a uma maior disponibilidade para gastar em termos reais por parte dos turistas (a inflação turística tem um crescimento acumulado de 21% desde 2019)”, admitem os analistas do CaixaBank.

Por outro lado, os indicadores do turismo interno continuam em boa forma, mantendo-se em níveis elevados, embora o saldo global dos primeiros quatro meses do ano reflita já menos viagens (-2,2% em termos homólogos em janeiro-abril), dormidas (-1,1%) e uma moderação dos gastos dos turistas no país (+5,4% em média anual, de acordo com o indicador do portal CaixaBank Research Real-Time Economics).

Este dinamismo também se reflete no mercado de trabalho, que também bateu recordes em 2023 com três milhões de inscritos nos ramos de atividade característicos do setor do turismo (em 2019, empregavam cerca de 2,7 milhões de pessoas). Nos primeiros quatro meses de 2024, o emprego no turismo cresceu 4,2% em termos homólogos (média de janeiro a abril), com o transporte aéreo (11%) e as agências de viagens (7,8%) a apresentarem o mercado mais dinâmico, e o transporte marítimo o menos (1,8%).

“Gracias” aos alemães e britânicos
Em termos de origem dos turistas, uma das poucas deceções para o setor em 2023 foi que dois dos principais mercados de origem do turismo espanhol, o Reino Unido (primeiro país de origem) e a Alemanha (segundo, antes da pandemia), fecharam o ano com um número de turistas inferior ao de 2019 (-3,7% e -0,9%, respetivamente). O turismo britânico tem sido prejudicado nos últimos anos pelo Brexit, pela queda de grandes operadores turísticos nacionais (como a Thomas Cook no final de 2019) e, mais recentemente, pela crise económica. Por seu lado, a Alemanha chegou a perder o segundo lugar como país de origem para a França nos últimos anos, também prejudicada pela crise económica e pela sua particular vulnerabilidade à crise energética. No entanto, no primeiro trimestre de 2024, chegaram 4,4 milhões de turistas britânicos e 3,2 milhões de turistas alemães, o número mais elevado de ambas as nacionalidades na série disponível nesse período.

Por outro lado, os países asiáticos (-12,8% em relação a 2019), os países nórdicos (-6,1%) e a Rússia (sem dados desde o início da guerra na Ucrânia) destacam-se como os únicos que ainda não retomaram os registos pré-pandémicos.

O motor que arrancou e não parará em 2025
De acordo com as estimativas do CaixaBank Research, o PIB turístico real cresceu 7,6% em 2023, permitindo a recuperação dos níveis de atividade pré-pandémicos (superando o pico de 2019 em 5,2%). Este crescimento permitiu que o setor recuperasse o seu peso no conjunto da economia espanhola, atingindo 12,6% do PIB em 2023 (o mesmo registo de 2019).

Até 2024, a análise do CaixaBank prevê que o PIB turístico cresça 5% em termos reais, impulsionado pelo turismo internacional, esperando-se que cresça de forma muito robusta (+5,5%), ultrapassando as 90 milhões de chegadas de turistas internacionais graças à recuperação do poder de compra das famílias europeias num contexto de queda da inflação, à recuperação económica na Europa e à maior perceção de segurança oferecida pelo nosso país num contexto de elevada instabilidade geopolítica nos países do Mediterrâneo Oriental.

Esta previsão prevê um certo abrandamento do sector em relação ao elevado dinamismo do início do ano, uma vez que existem vários fatores que tenderão a moderar o ritmo de progressão, como a recuperação gradual de outros destinos concorrentes, o impacto dos Jogos Olímpicos de Paris em 2024 e a expetativa de que o turismo interno tenha um crescimento relativamente fraco (+0,8%).

“Após vários anos de recuperação, em que os turistas espanhóis optaram por destinos locais, esperamos que este ano se assista a um aumento das viagens para fora das nossas fronteiras, graças ao aumento do rendimento disponível das famílias e à procura reprimida de turismo no estrangeiro”, conclui o CaixaBank Research.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Destinos

É preciso acrescentar valor ao produto Portugal, diz Pedro Machado

O secretário de Estado do Turismo, Pedro Machado, que presidiu, sexta-feira, à inauguração do INNSiDE by Meliá Braga Centro, afirmou que “falta acrescentar valor ao produto Portugal”, embora exista nos mercados internacionais uma boa perceção sobre o destino.

Pedro Machado que, na sexta-feira, presidiu à inauguração de dois hotéis no norte, em Braga e Vila do Conde, lembrou que o país está hoje presente em 25 mercados com a marca Portugal, tem hoje 22 produtos turísticos considerados “maduros, competitivos e capazes de gerar novos negócios, nomeadamente, o alargamento a novos mercados”.

Na sua intervenção na inauguração do INNSiDE by Meliá Braga Centro, o secretário de Estado do Turismo destacou que “estivemos recentemente em vários países, China, Argentina, Estados Unidos e Brasil, e percebemos que há hoje uma apetência significativa sobre Portugal”.

O governante avançou que “somos um país seguro, essa confiança também se transmite para os mercados, sobretudo, os externos, somos o sétimo país mais seguro do mundo e o quinto da Europa, e isto é um valor incontornável na competitividade dos destinos turísticos internacionais, há uma boa perceção de Portugal ao nível da saúde, e tem um ativo extraordinário que é na hospitalidade e na arte de bem receber, o que significa que, se a componente pública fizer o seu trabalho, se os empresários e as organizações regionais e nacionais cumprirem bem cumprirem bem este desafio, só temos boas razões para acreditar no presente e no futuro”.

Por outro lado, segundo Pedro Machado, já estão fechados os voos a partir do próximo mês de setembro, designadamente, para a Correia do Sul, mercado importante para Portugal, que gerou 100 mil dormidas em 2023, vai haver um novo voo para Florianópolis, “estamos com um total de 91 voos diretos para Portugal por semana, vamos iniciar ligações ao Cairo, estamos a discutir voos para a Argentina e o reforço da nossa conetividade aérea”.

Assim, “significa que, reunidos estes pressupostos, há todo um ecossistema para acreditar que estamos no bom caminho para que Portugal possa crescer”, refutando a ideia de que há turistas a mais em Portugal. “Há, sim, o desafio de todos, públicos e privados, de trabalhar em conjunto para que a tal qualidade da experiência seja cada vez mais positiva”.

Entretanto, acentuou: “Falta é acrescentar valor ao produto Portugal, há ainda a perceção de um certo valor baixo do produto Portugal, portanto, há aqui em esforço que tem de ser conjunto”, sublinhando que “a perceção hoje e a qualidade que oferecemos no património, na gastronomia, nos vinhos, na experiência da natureza, está muito acima daquilo que é o verdadeiro valor que está a ser praticado”, concluiu o secretário de Estado do Turismo.

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
Destinos

Tunísia é o país convidado da FIA Lisboa 2024

A Tunísia é o país convidado de destaque da edição de 2024 da Feira Internacional do Artesanato de Lisboa (FIA), promovida pela Fundação AIP, e que terá lugar de 29 de junho a 7 de julho, na FIL (Parque das Nações).

Este evento, de acordo com a organização, será uma oportunidade para celebrar e explorar o saber-fazer milenar da Tunísia, que remonta à época dos cartagineses, cujo artesanato refinado desempenhou um papel central nas dinâmicas culturais e comerciais do Mediterrâneo.

Os visitantes da FIA Lisboa terão a oportunidade de assistir a demonstrações ao vivo de técnicas ancestrais, como a famosa cerâmica de Sejnane, reconhecida como Patrimônio Imaterial da Humanidade pela UNESCO. Esta presença na Feira sublinhará ainda a riqueza e a diversidade do artesanato tunisino, que representa atualmente 4% do PIB do país. Será também uma ocasião para promover o destino turístico, que oferece paisagens naturais, história milenar e a energia criativa de seus artistas e artesãos.

Refira-se que a Tunísia é uma terra de abertura e partilha, enriquecida pelas influências de diversas civilizações que por lá passaram. Desde os berberes, cartagineses, romanos, bizantinos, árabes, turcos, malteses e europeus, cada cultura deixou uma marca indelével, criando um mosaico cultural único. Esta diversidade cultural será a alma da presença tunisiana na Feira, refletindo-se nas obras de artesãos que trabalham com materiais nobres como madeira de oliveira, argila, prata e fibras vegetais.

Naoufel Hdia, embaixador da Tunísia em Portugal, ressalta a importância desta participação como uma excelente plataforma para fortalecer as relações entre a Tunísia e Portugal: “O artesanato tunisino é um reflexo da nossa história e identidade, e a sua presença aqui simboliza a continuidade dos laços culturais e económicos entre os nossos países”, para sublinhar que “a arte e o artesanato são formas poderosas de diplomacia suave que promovem a compreensão mútua e a cooperação.”

Por sua vez, Faouzi Ben Halima, diretor geral da delegação nacional do artesanato tunisino, realça a constante evolução do artesanato tunisino, apoiado pelo empenho das autoridades em preservar e promover o patrimônio cultural. “Este evento é uma vitrine para a qualidade e a criatividade dos nossos artesãos, que continuam a transmitir mensagens de identidade e inovação através de suas obras,” afirma.

Também Leila Tekaia, diretora da delegação do turismo tunisino em Portugal, enfatiza o poder que um produto artesanal tem de destacar uma região e promover um destino turístico. “As ânforas da ilha de Djerba, os tapetes de Kairouan e a riqueza deslumbrante dos diferentes trajes regionais, apreciados através de técnicas de bordado milenares, são exemplos vivos da diversidade e do metissage que caracterizam a Tunísia. Esta riqueza cultural torna a Tunísia um destino único e atraente para os turistas.”

A Tunísia tem vindo a ser uma das principais escolhas dos turistas portugueses, com um fluxo crescente de visitantes. Em 2023, o número de turistas portugueses ultrapassou os de 2019, atingindo cerca de 40 mil visitantes. O objetivo é superar 50 mil turistas portugueses até 2025.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Tailândia cresce 44% em turistas portugueses e espera ultrapassar números de 2019

Nanthasiri Ronnasiri, diretora da Autoridade de Turismo da Tailândia (TAT) para o sul da Europa, esteve em Lisboa para participar na inauguração do Festival da Tailândia, que regressou a Belém, entre 21 e 23 de junho.

A Tailândia está a assistir a um forte crescimento dos turistas oriundos do mercado português e, entre janeiro e abril, registou mesmo uma subida de 44%, esperando ultrapassar, este ano, os 52 mil turistas portugueses registados antes da pandemia da COVID-19, segundo Nanthasiri Ronnasiri, diretora da Autoridade de Turismo da Tailândia (TAT) para o sul da Europa.

De acordo com a responsável, que esteve em Lisboa para participar na inauguração do Festival da Tailândia, que entre 21 e 23 de junho regresso a Belém, na capital portuguesa, o crescimento registado durante os primeiros quatro meses do ano mostra que a Tailândia está “a recuperar e a regressar ao normal depois da pandemia”.

“Temos várias iniciativas para atrair os portugueses, ainda no início do ano tivemos uma famtrip e trabalhamos com operadores portugueses para atrair os turistas. Os portugueses já conhecem a Tailândia mas queremos continuar a crescer”, explicou a responsável.

Presente na inauguração do Festival da Tailândia esteve também Rosário Louro, representante da TAT em Portugal, que explicou que, em 2019, antes da pandemia da COVID-19, a Tailândia tinha recebido 52 mil turistas portugueses, número que baixou, em 2023, para 42 mil e que está, este ano, a recuperar.

“Em 2023, tivemos 42 mil turistas portugueses, depois da pandemia demorou um pouco mais para o mercado português recuperar mas agora, este ano, esperamos ficar acima dos números de 2019 e ultrapassar os 52 mil turistas”, explicou a responsável.

Rosário Louro revelou também que o crescimento apresentado pelo mercado português foi “maior do que a maior parte dos países europeus cresceu para a Tailândia”, ainda que Portugal tenha sido também um dos mercados que mais tarde voltou a viajar para o país, depois da pandemia.

Neste momento, acrescentou a responsável portuguesa da TAT, “a Tailândia é um país completamente seguro”, o que ajuda a explicar que, num mundo com tantas guerras, “os portugueses e quase toda a Europa estejam a crescer e a procurar outra vez o destino Tailândia”.

No país, os portugueses continuam a apreciar o sol e praia, ainda que a representante da TAT em Portugal sublinhe que os turistas lusos procuram também cultura e destinos de natureza no país, a exemplo de Khao Sok, um novo destino que as autoridades turísticas tailandesas estão a promover e que os portugueses já começam a procurar.

“Os portugueses, neste momento, estão a procurar destinos menos massificados e, apesar de continuarem a ir a Phuket, Banguecoque e Krabi, porque é onde há mais voos, neste momento, já estão a procurar outras regiões, como Khao Sok, que é atualmente um ex-libris. Deve ser dos sítios mais bonitos do mundo e os portugueses já começaram a descobrir Khao Sok”, explicou Rosário Louro.

O Festival da Tailândia, considerou ainda Nanthasiri Ronnasiri, é importante também para reforçar a promoção do país em Portugal, nomeadamente a nível turístico, dando a conhecer os destinos, a cultura, as tradições e a gastronomia tailandesa, mas também diplomático, uma vez que assinala os 500 anos de relações diplomáticas entre os dois países.

“O Festival da Tailândia é muito importante para apresentar a Tailândia em Portugal e promover o país. Temos aqui representado o Turismo da Tailândia para promover a Tailândia e dar informação turística, temos um tour operador e temos os produtos da Tailândia”, explicou a responsável.

Além da gastronomia, o Festival da Tailândia contou também com apresentações de diversas manifestações culturais tailandesas, como demonstrações de Muay Thay, danças tradicionais tailandesas, moda e massagens tailandesas.

 

 

 

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Destinos

Arrábida ganha protocolo com ICNF para desenvolver turismo de natureza

O protocolo que vai ser estabelecido com o ICNF prevê projetos de marcação, sinalização e manutenção de percursos pedestres, cicláveis e equestres, a par de estratégias de comunicação e de divulgação da Arrábida.

Publituris

As Câmaras Municipais de Setúbal, Palmela e Sesimbra vão celebrar um protocolo com o ICNF – Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas para o desenvolvimento de projetos de turismo de natureza na Arrábida.

Num comunicado enviado à imprensa pela autarquia de Setúbal, que aprovou a colaboração esta quarta-feira, 19 de junho, em reunião pública, explica-se que este projeto visa “a dinamização concertada de ações associadas à conservação, valorização e usufruto sustentado dos recursos naturais no Parque Natural da Arrábida”.

“Projetos de marcação, sinalização e manutenção de percursos pedestres, cicláveis e equestres, a par de estratégias de comunicação e de divulgação, são iniciativas a desenvolver no âmbito deste protocolo de colaboração”, lê-se na informação divulgada.

Este protocolo enquadra-se na Estratégia Nacional de Conservação da Natureza e Biodiversidade 2030 e nos termos do Regulamento do Plano de Ordenamento do Parque Natural da Arrábida.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Foto: Depositphotos.com

Destinos

EUA lideram receitas no turismo internacional em 2023

Segundo contas feitas pela UN Tourism, os EUA lideraram os ganhos obtidos pela atividade turística internacional, em 2023.

Victor Jorge

Contas feitas pela UN Tourism indicam que os EUA foram o país que mais receitas obteve da atividade turística internacional, em 2023, totalizando 175,9 mil milhões de dólares (cerca de 165 mil milhões de euros).

Este valor é quase o dobro alcançado pela Espanha, que no ano passado viu as receitas turísticas internacionais alcançarem 92 mil milhões de dólares (perto de 86 mil milhões de euros).

Já o Reino Unido deu um salto para o 3.º lugar, subindo do 5.º antes da pandemia, chegando, em 2023, aos 73,9 mil milhões de dólares (cerca de 69 mil milhões de euros).

O Top 10 deste barómetro da UN Tourism, relativamente às receitas do turismo internacional, é ainda composto pelos seguintes países: França (64 mil milhões de euros); Itália (52 mil milhões de euros); Emirados Árabes Unidos (49 mil milhões de euros); Turquia (46 mil milhões de euros); Austrália (43 mil milhões de euros); Canadá (37 mil milhões de euros); e Japão (36 mil milhões de euros).

Para este ano de 2024, o painel de avaliação e previsão da UN Tourism avança que 9% dos inquiridos indicam que as estimativas para o período de maio-agosto são “muito melhores” que em 2023, enquanto 53% dizem ser “melhores”, 29% apontam que será “igual”, 8% que será “pior”, e 1% que será “muito pior”.

Também nos fatores principais que pesam na recuperação do turismo internacional houve uma alteração face à análise em igual período do ano passado (maio 2023 vs maio 2024). Enquanto em 2023, o “ambiente económico” era apontando como principal fator (71%), seguido dos “custos de transporte e alojamento mais elevados” (62%) e o “conflito na Ucrânia” (31%), já neste ano de 2024, são os “custos de transporte e alojamento mais elevados” (60%) que mais preocupam os inquiridos, seguidos pelo “ambiente económico” (59%) e os “fenómenos climáticos extremos” (30%).

Foto: Depositphotos.com
Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Destinos

Alentejo veio de “Corpo e Alma” a Lisboa para conquistar turistas da Área Metropolitana

“Alentejo de Corpo e Alma em Lisboa” é mote da ação de promoção que a região promove, no hotel Vila Galé Ópera, em parceria com este grupo hoteleiro: gastronomia, cultura, tradição, artesanato, turismo e negócios estarão em evidência até domingo, dia 23 de junho. Uma iniciativa a repetir ainda este ano, em Braga, bem como outras ações de promoção que envolverão outros grupos hoteleiros nacionais que estão a investir e a alargar o seu portefólio na região, disse o presidente da ERT do Alentejo, José Manuel Santos, num almoço com jornalistas, esta quinta-feira, no primeiro dia do evento.

O Alentejo veio a Lisboa de “Corpo e Alma”, numa iniciativa de promoção, respondendo a uma “provocação” do grupo Vila Galé, cadeia hoteleira que já possui seis unidades na região, e a caminho do sétimo.

“Uma iniciativa que foi proposta por um nosso parceiro muito relevante, o grupo Vila Galé, que felizmente para nós tem investido muito no Alentejo”, começou por afirmar o presidente da ERT Alentejo e Ribatejo, José Santos, num almoço com jornalistas, esta quinta-feira, no hotel Vila Galé Ópera, que marcou o início da ação que decorre até domingo, dia 23 de junho, realçando que “é importante para a região toda a capacidade financeira e de marketing do grupo, por isso não podíamos dizer que não a este convite”.

E o Alentejo aproveitou para promover a região cá dentro e, principalmente, tendo em conta que a Área Metropolitana de Lisboa “representa praticamente metade dos turistas do mercado nacional que nos visitam, ou seja, é aqui que estão as famílias, o segmento que mais nos procura, e utiliza a nossa hotelaria, os nossos restaurantes, que mais visita os nossos monumentos”, apontou José Santos.

O dirigente regional do Turismo fez questão de destacar que “estamos aqui nestes quatro dias, no Vila Galé Ópera, com a gastronomia, as tradições, com a cultura, o património, o artesanato, com momentos para continuarmos a mostrar aos portugueses que o Alentejo é a melhor região para passar férias”. E faz sentido, até porque, conforme lembrou, “o ano passado fomos a região portuguesa que mais cresceu no mercado interno. Relembro que a média de crescimento do país foi de 2,1% e nós crescemos 7,3%”, estimando que “este ano temos o desafio de continuar a crescer, vamos ver como é que o ano vai correr, mas até ao momento estamos sensivelmente com o mesmo número de dormidas de portugueses face a 2023”.

O presidente da ERT Alentejo e Ribatejo apresentou ainda outro exemplo aos jornalistas: “Se olharmos entre 2013 e 2023, a região que teve uma taxa de crescimento médio anual maior quer no alojamento, quer na procura, quer na oferta, foi o Alentejo, e isso significa muito como a região tem conseguido afirmar-se junto da procura portuguesa”.

Este evento, que decorre até domingo, é feito também de negócios, já que cerca de 18 empresas do Alentejo ligadas à oferta de animação turística, do incoming e do enoturismo, e 46 compradores da Área Metropolitana de Lisboa, entre DMC, agências de viagens e operadores turísticos que foram também mobilizados, recorrendo à base de dados do grupo Vila Galé, estiveram em reuniões individuais de negócios, na tarde de quinta-feira, gerando maior proximidade entre oferta e procura. Igualmente, no lobby da unidade do grupo Vila Galé em Lisboa estiveram alguns artesãos a trabalhar ao vivo, como a Olaria de Nisa e a confeção Capote’s Emotion, em Évora, que segundo avançou aos jornalistas, vai preparar a indumentária oficial dos técnicos do Turismo do Alentejo e Ribatejo que vão estar na próxima BTL, onde a região é o destino nacional convidado.

O dia de quinta-feira foi igualmente marcado por um jantar mais institucional, com a presença do secretário de Estado do Turismo, Pedro Machado, outros parceiros de referência para a região, bem como alguns embaixadores do Turismo do Alentejo, também numa parceria com a Casa do Alentejo em Lisboa.

Sobre a Casa do Alentejo em Lisboa, José Manuel Santos afirmou que “queremos estreitar as relações com esta instituição não só na mobilização dos grupos da diáspora na zona da Grande Lisboa para estarem presentes nos nossos eventos, tanto aqui, até domingo, como na Feira Internacional do Artesanato onde, pela primeira vez o Turismo do Alentejo estará presente, de 29 de junho a 7 de julho, com stande e presença de 36 artesãos, quatro por cada um dos nove dias”. Acentuou, a propósito que, “sendo a FIA a maior Feira de Artesanato da Península Ibérica e a segunda maior da Europa, e sendo que o artesanato e a arte popular são uns dos principais argumentos de visita à região quer do Alentejo como do Ribatejo, não faria sentido nunca termos estado presentes”.

Aos lisboetas, o presidente do Turismo do Alentejo deixa o convite para “degustaram a magnífica gastronomia alentejana”, até domingo, no Vila Galé Ópera, através de jantares temáticos.

Representando o grupo Vila Galé, estiveram presentes no almoço com jornalistas, Pedro Ribeiro, diretor de Marketing e Vendas, e Porfírio Perdigão, diretor Regional de Operações no Alentejo.

Pedro Ribeiro realçou a importância do grupo hoteleiro fazer parte desta iniciativa “dada a nossa forte presença no Alentejo, onde somos a maior rede de hotéis. Temos seis unidades na região, três das quais em Beja, na Herdade de Santa Vitória, e ainda em Elvas, Alter do Chão e Évora. Além disso, também nos distinguimos pela forte aposta na gastronomia, privilegiando sempre os sabores regionais, porque acreditamos que dessa forma conseguimos enriquecer a experiência de quem nos visita e divulgamos o que é genuíno e realmente português”, sem esquecer a produção própria de vinhos e azeites no Alentejo.

Os sabores alentejanos estarão, assim, em destaque, no hotel Vila Galé Ópera, até domingo e ao jantar, acompanhados com cante alentejano, Património Cultural Imaterial da Humanidade.

Esta iniciativa gastronómica, que integra o projeto “Alentejo de Corpo e Alma em Lisboa”, promovido pela Entidade Regional do Alentejo em parceria com a Vila Galé, conta com a colaboração dos chefs Romão Reis do Vila Galé Alentejo Vineyards, Alberto Muralhas do Vila Galé Collection Elvas e André Sousa do Vila Galé Ópera.

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos

Foto: Depositphotos.com

Destinos

Setúbal aprova criação de taxa turística municipal de 2€

A Câmara Municipal de Setúbal aprovou a taxa municipal turística na modalidade de taxa de dormida, com o valor unitário de 2 euros., prevendo receitas anuais na ordem dos 400 mil euros.

Publituris

A Câmara de Setúbal aprovou, em reunião pública, o projeto de regulamento de criação da taxa municipal turística, a qual, com situações específicas de isenção previstas, pretende “fazer face ao aumento da despesa pública resultante da atividade e possibilitar o financiamento em novos serviços e infraestruturas de apoio ao turismo”.

A deliberação indica ainda que “o turismo, enquanto atividade humana, exerce pressão sobre os recursos e, por essa via, exige medidas que possam minimizar o seu impacto num momento em que as questões ambientais e de sustentabilidade dos territórios ganham terreno e importância em qualquer política de desenvolvimento integrado e sustentável”.

Nesta perspetiva, o projeto, que pondera as diferentes opções já adotadas nacional e internacionalmente sobre esta matéria, consagra uma taxa que incide sobre as dormidas em empreendimentos turísticos, estabelecimentos de alojamento local superior a dez camas e parques de campismo no município de Setúbal.

Assim, a taxa municipal turística institui-se na modalidade de taxa de dormida, com o valor unitário de 2 euros, cuja cobrança é devida por hóspede, com idade superior a 18 anos, e por noite, até a um máximo de cinco noites, independentemente de nacionalidade, local de residência e modalidade de reserva.

Ficam isentos hóspedes cuja estadia seja motivada por tratamentos médicos, estendendo-se a isenção a um acompanhante, ainda que o doente em causa não pernoite por questões de saúde, no respetivo estabelecimento, e que seja apresentado documento comprovativo de marcação ou prestação de serviços médicos.

Além disso, também hóspedes portadores de deficiência, ou seja, com qualquer incapacidade igual ou superior a 60 por cento, ficam igualmente isentos, assim como estudantes em formações especificas temporárias ou professores em formação/investigação (medida inédita no país e que pretende atrair ao concelho um nicho de mercado sobretudo em época baixa), devendo todos apresentar documentação comprovativo das referidas condições.

Ficam igualmente isentos profissionais de turismo que operem em Portugal, como guias, motoristas, monitores de animação turística, promotores turísticos, organizadores de eventos, profissionais de turismo municipais, corpos sociais e profissionais de entidades de turismo e de associações de turismo.

No comunicado da Câmara Municipal de Setúbal pode ler-se ainda que “a criação da taxa turística municipal é igualmente justificada pelo aumento considerável da atividade turística, que, no caso de dormidas, no concelho de Setúbal, de acordo com dados disponibilizados pelo INE – Instituto Nacional de Estatística, obteve em 2022 um total de 372.482 registos”.

A verificação de “um forte aumento da pressão em infraestruturas e equipamentos públicos, na via pública e no espaço urbano em geral do concelho”, aponta o documento, justifica a necessidade de reforçar substancialmente “o investimento e a despesa pública na prestação de serviços e utilidades inerentes à atividade turística”.

A Câmara Municipal de Setúbal espera uma receita anual de 400 mil euros, destinando-se a taxa municipal turística ao “financiamento de utilidades geradas pela realização de despesa pública, pelo município, com atividades e investimentos exclusivamente relacionados com a atividade turística, sendo devida em contrapartida da prestação concreta de serviços, tanto os atualmente disponíveis como os de futuro”.

A realização de obras de manutenção e qualificação urbanística, territorial, patrimonial e ambiental do espaço público, a par da criação de infraestruturas e polos de oferta turística, cultural, artística e de lazer dirigidos aos visitantes, no concelho em geral, mas com especial enfoque nas zonas turísticas de excelência, são também contempladas.

O documento, que vai agora ser apreciado pela Assembleia Municipal de Setúbal, começou a ser preparado no final do ano passado e foi submetido a audiência dos interessados constituídos no procedimento, a AHRESP, Associação Baía de Setúbal, Sistemas de Ar Livre e Moinho do Marco Unipessoal.

A elaboração do regulamento contou ainda com a colaboração direta de todas as unidades hoteleiras do concelho, as quais forneceram contributos significativos para o texto final, tendo sido realizadas duas reuniões informais e, numa outra fase, constituíram-se interessadas no procedimento de consulta, o que permitiu consolidar o documento em resultado das reais necessidades do alojamento turístico em Setúbal.

Foto: Depositphotos.com
Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Foto: Depositphotos.com

Destinos

9 em cada 10 espanhóis viajarão este verão, mas a gastar menos

Um estudo da Oney conclui que os espanhóis mantêm a vontade de viajar este verão, mas gastarão menos que no mesmo período de 2023.

Publituris

90% dos espanhóis admitem realizar uma viagem durante este verão, indicando 54% que optarão pela praia, quando 27% pretende viajar pela Europa, seguido de 23% que preferem a natureza. As conclusões são do estudo “Hábitos de consumo dos espanhóis: férias de verão”, levado a cabo pela Oney.

Em termos de duração das viagens, o estudo indica que a média para as férias é de 14 dias, sendo que 53% optarão por um período entre 15 e 31 dias, 28% entre sete e 14 dias e 9% não irão além de uma semana de férias.

Estes números contrastam com os do ano passado em que 81% dos espanhóis decidiu ficar no país, dividindo-se entre praia e destinos de natureza, enquanto 15% elegeu a Europa como destinos para as férias e 4% optou por viajar para fora da Europa.

Já no que se refere a gastos, o estudo da Oney revela que estes registarão uma baixa de 23% face ao mesmo período de 2023. Isto significa que, em vez dos 1.200 euros do verão de 2023, os espanhóis pretendem gastar somente 903 euros no verão de 2024.

A maior fatia das despesas irá para o alojamento (339 euros), seguindo-se o lazer (269 euros), transporte (165 euros) e outros gastos (130 euros), o que contrasta com os 463 euros em alojamento, 325 euros em lazer, 220 euros em transportes e 160 euros noutros gastos do verão de 2023.

Além disso, somente 27% dos espanhóis pretende aumentar os gastos nas férias de verão de 2024, comparado com os 34% de igual período de 2023.

Quando questionados sobre se irão recorrer a algum tipo de financiamento para pagar as suas férias, 21% dos espanhóis afirmam ter recorrido a este método em algum momento, dos quais 5% dizem fazê-lo regularmente. Neste verão de 2024, 15% dos espanhóis recorrerão a algum tipo de financiamento, uma percentagem que se mantém igual à do ano passado. 11% optarão pelo pagamento espaçado e 4% recorrerão a um empréstimo pessoal. Por idade, os jovens entre os 18 e os 24 anos são os que mais optam pelo pagamento a crédito (25%).

Foto: Depositphotos.com
Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2024 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.