Assine já
Homepage

MSC dá transfers gratuitos na CP para cruzeiros com partida e chegada de Lisboa

A parceria, disponível ao longo de todo o ano, oferece os transfers de comboio na classe turística do Alfa Pendular de e para 14 cidades portuguesas até Lisboa.

Tiago da Cunha Esteves
Homepage

MSC dá transfers gratuitos na CP para cruzeiros com partida e chegada de Lisboa

A parceria, disponível ao longo de todo o ano, oferece os transfers de comboio na classe turística do Alfa Pendular de e para 14 cidades portuguesas até Lisboa.

Sobre o autor
Tiago da Cunha Esteves
Artigos relacionados

Com esta parceria, os portugueses podem deslocar-se até ao porto de embarque na capital, sem qualquer custo. “Os cruzeiros a bordo do MSC Opera com saída e chegada a Lisboa que incluem esta campanha partem a 29 de Março e a 7 de Abril, com um itinerário pelo Mediterrâneo, com escala em Génova, Marselha, Barcelona, Casablanca e Cádis”, informa a companhia de cruzeiros, numa nota divulgada.

A parceria com a CP está disponível ao longo de todo o ano e permite aos passageiros incluir os transferes em Alfa Pendular, na classe turística ou conforto, de/para 14 cidades até Lisboa, entre elas: no Sentido Faro/Lisboa e Lisboa/Faro: Faro, Loulé, Albufeira, Tunes e Pinhal Novo. No sentido Braga/Lisboa e Lisboa/Braga: Braga, Famalicão, Porto Campanhã, V.N.Gaia, Aveiro, Coimbra B, Pombal, Entroncamento, Santarém.

Sobre o autorTiago da Cunha Esteves

Tiago da Cunha Esteves

Mais artigos
Artigos relacionados
Distribuição

Nova edição: Especial Congresso APAVT com entrevistas a Pedro Costa Ferreira e Paulo Portas

A nova edição do Publituris faz capa com entrevistas a Pedro Costa Ferreira, presidente APAVT, e Paulo Portas, ex-governante, jurista e consultor, no âmbito do 46.º Congresso da associação, que vai decorrer entre 1 e 3 de dezembro, em Aveiro, e que pretende assinalar o “reencontro” do setor. Além disso, há novidades da Embratur, Turkish Airlines, ARAC e as dificuldades dos Mercados de Natal.

A nova edição do Publituris, a última do mês de novembro, faz capa com uma entrevista a Pedro Costa Ferreira, presidente da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT), no âmbito do 46.º Congresso da associação, que vai decorrer entre 1 e 3 de dezembro, em Aveiro, e que pretende assinalar o “reencontro” do setor.

Em entrevista ao Publituris, o presidente da associação explica o que esperar desta reunião, mas também aborda a questão dos reembolsos, aeroporto, TAP, sustentabilidade, digitalização e prefere antes falar “não de regresso, mas de retoma”.

Nesta edição, publicamos ainda, e também a propósito do Congresso da APAVT, uma entrevista a Paulo Portas, analista, consultor e ex-governante, que vai ser um dos principais oradores do evento, onde se espera que venha a indicar alguns caminhos passados, mas principalmente futuros.

Paulo Portas diz que Portugal tem de “ter a noção” que precisa de ser muito eficaz, apesar da incerteza da pandemia e da crise política, critica os atrasos relativamente ao novo aeroporto para Lisboa e alerta para a subida dos preços que, em algumas áreas, estão a duplicar.

Na última edição de novembro, publicamos ainda uma reportagem sobre a Turkish Airlines, com quem o Publituris falou à margem de uma viagem de familiarização a Istambul, promovida em parceria com as Viagens Tempo, e que se mostra satisfeita com o regresso dos voos do Porto, contando mesmo chegar a 10 ligações por semana no próximo verão.

Saiba também qual é a estratégia da Embratur – Agência Brasileira de Promoção Internacional do Turismo para a promoção internacional e, concretamente para Portugal, mercado que, segundo Carlos Brito, presidente da agência, continua a ser fundamental para o Brasil e que o país quer voltar a atrair, tendo já preparado um calendário de ações que vão ser levadas a cabo em território nacional no próximo ano.

Destaque ainda para o rent-a-car, que já está a viver uma fase de recuperação, fruto da subida da procura do último verão. Ao Publituris, Joaquim Robalo de Almeida, secretário-geral da ARAC – Associação dos Industriais de Aluguer de Automóveis sem Condutor, traça ainda expectativas positivas para o fim-de-ano e para 2022, ainda que a crise dos semicondutores, que provocou uma escassez de viaturas disponíveis para compra, seja uma preocupação que se vai manter.

Nesta edição, publicamos ainda um dossier sobre Mercados de Natal, que prometiam estar de regresso à Europa este inverno, mas que, devido à subida do número de casos de COVID-19, estão a conhecer cada vez mais restrições e cancelamentos. Em alternativa, operadores turísticos e agências de viagens estão a propor destinos com menos restrições, a exemplo da Madeira.

Os artigos de opinião nesta edição são assinados por Ana Jacinto (secretária-geral da AHRESP), Renato Leite (managing diretor da Global Blue em Portugal), Luiz S. Marques (investigador Dreams e da Universidade Lusófona) e António Paquete (economista e consultor de empresas).

A versão completa desta edição é exclusiva para subscritores do Publituris. Pode comprar apenas esta edição ou efetuar uma assinatura do Publituris aqui obtendo o acesso imediato.

Para mais informações contacte: Carmo David | [email protected] | 215 825 43

Nota: Se já é subscritor do Publituris entre no site com o seu Login de assinante, dirija-se à secção Premium – Edição Digital e escolha a edição que deseja ler, abra o epaper com os dados de acesso indicados no final do resumo de cada edição.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Edição Digital

Edição Digital: Pedro Costa Ferreira, Mercados de Natal e Turkish Airlines

A nova edição do Publituris, a última do mês de novembro, faz capa com uma entrevista a Pedro Costa Ferreira, presidente da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT), no âmbito do 46.º Congresso da associação, que vai decorrer entre 1 e 3 de dezembro, em Aveiro, e que pretende assinalar o “reencontro” do setor.

Em entrevista ao Publituris, o presidente da associação explica o que esperar desta reunião, mas também fala de reembolsos, aeroporto, TAP, sustentabilidade, digitalização e prefere antes falar “não de regresso, mas de retoma”.

Nesta edição, publicamos ainda, e também no âmbito do Congresso da APAVT, uma entrevista a Paulo Portas, analista, consultor e ex-governante, que vai ser um dos principais oradores do evento, onde se espera que venha a indicar alguns caminhos passados e futuros.

Paulo Portas diz que Portugal tem de “ter a noção” que precisa de ser muito eficaz, apesar da incerteza da pandemia e da crise política, critica os atrasos relativamente ao novo aeroporto para Lisboa e alerta para a subida dos preços que, em algumas áreas, estão a duplicar.

Na última edição de novembro, publicamos ainda uma reportagem sobre a Turkish Airlines, com quem o Publituris falou à margem de uma viagem de familiarização a Istambul, promovida em parceria com as Viagens Tempo, e que se mostra satisfeita com o regresso dos voos do Porto, contando mesmo chegar, pelo menos, a voos diários no próximo verão, ainda que o bom comportamento da procura permita pensar em 10 ligações por semana.

Saiba também qual é a estratégia da Embratur – Agência Brasileira de Promoção Internacional do Turismo para a promoção internacional e, concretamente para Portugal, mercado que, segundo Carlos Brito, presidente da agência, continua a ser fundamental para o Brasil e que o país quer voltar a atrair, tendo já preparado um calendário de ações que vão ser levadas a cabo em território nacional no próximo ano.

Destaque ainda para o rent-a-car, que já está a viver uma fase de recuperação, fruto da subida da procura do último verão. Ao Publituris, Joaquim Robalo de Almeida, secretário-geral da ARAC – Associação dos Industriais de Aluguer de Automóveis sem Condutor, traça ainda expetativas positivas para o fim-de-ano e para 2022, ainda que a crise dos semicondutores, que provocou uma escassez de viaturas disponíveis para compra, seja uma preocupação que se vai manter.

Nesta edição, publicamos ainda um dossier sobre Mercados de Natal, que prometiam estar de regresso à Europa este inverno, mas que, devido à subida do número de casos de COVID-19, estão a conhecer cada vez mais restrições e cancelamentos. Em alternativa, operadores turísticos e agências de viagens estão a propor destinos com menos restrições, a exemplo da Madeira.

Os artigos de opinião nesta edição são assinados por Ana Jacinto (secretária-geral da AHRESP), Renato Leite (managing diretor da Global Blue em Portugal), Luiz S. Marques (investigador Dreams e da Universidade Lusófona) e António Paquete (economista e consultor de empresas).

Leia a edição aqui.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

20 mil euros de multa para companhias que transportem passageiros sem teste negativo

Para o setor da aviação, o Governo anunciou medidas que levam a que, quem não possuam teste negativo [à COVID-19], a companhia pague 20 mil euros face aos atuais três mil.

Publituris

As companhias aéreas que transportem passageiros sem teste negativo à COVID-19 incorrem em multas de 20 mil euros por pessoa, segundo as novas medidas anunciadas pelo primeiro-ministro, António Costa, após a reunião do Conselho de Ministros.

“Os testes passam a ser obrigatórios para qualquer entrada em território nacional, seja qual for o ponto de origem e seja qual for a nacionalidade do passageiro”, começou por dizer o primeiro-ministro na conferência de imprensa após a reunião do Conselho de Ministros que aprovou novas medidas para conter a pandemia.

António Costa sublinhou que “é obrigação de todas as companhias de aviação, no momento do ‘check in’ só permitirem o embarque dos voos para Portugal de pessoas que provem estar devidamente testadas e não podem transportar para Portugal ninguém que não esteja devidamente testado”.

“Constatamos que infelizmente as companhias de aviação não têm cumprido a sua obrigação e por isso alterámos o quadro contraordenacional e passaremos a aplicar uma coima de 20 mil euros por cada passageiro que seja desembarcado no território português sem que esteja devidamente testado”, salientou o primeiro-ministro.

Além disso, António Costa, referiu que o Governo vai “agravar as sanções acessórias que podem culminar com a suspensão das licenças de voo dessas companhias para território nacional”.

“Queria deixar uma mensagem muito clara às companhias de aviação: consideramos que é uma profunda irresponsabilidade transportar pessoas que não estão testadas e desembarcar pessoas em território nacional que não estão testadas”, frisou, indicando que o Governo pretende manter as fronteiras abertas.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Análise

Portugal em situação de calamidade a partir de 1 de dezembro

Portugal volta a fechar. Não totalmente, mas parcialmente. O país entra em estado de calamidade a 1 de dezembro e terá uma semana de “contenção de contactos” de 2 a 9 de janeiro.

Publituris

Portugal continental vai entrar em situação de calamidade devido à pandemia de covid-19, a partir de a 01 de dezembro, anunciou o primeiro-ministro, António Costa, no final do Conselho de Ministros desta quinta-feira, 25 de novembro, no qual foram decididas novas medidas para conter a pandemia..

“O Conselho de Ministros aprovou elevar o nível de alerta para o nível de calamidade a partir do próximo dia 01 de dezembro de forma a que estejamos habilitados com o quadro legal necessário para podermos adotar as medidas adequadas e proporcionais ao risco”, disse António Costa.

Portugal Continental regressa, assim, à situação de calamidade pela segunda vez este ano, depois de ter estado neste nível entre 01 de maio e 30 de setembro.

A situação de calamidade é o nível de resposta a situações de catástrofe mais alto previsto na Lei de Base da Proteção Civil, depois da situação de alerta e de contingência.

Outra das medidas é o uso de máscara obrigatório em todos os espaços fechados que não sejam em excecionados pela Direção-Geral da Saúde (DGS).

Segundo o primeiro-ministro, a medida é um dos três principais instrumentos para conter a pandemia da COVID-19, juntamente com o reforço da testagem e da utilização do certificado digital.

Finalmente, a semana de 2 a 9 de janeiro será de “contenção de contactos”, com o teletrabalho a ser obrigatório, recomeço das aulas adiado para 10 de janeiro, e encerramento das discotecas.

O Presidente da República já se pronunciou, considerando as medidas decretadas pelo Governo para mitigar a propagação da pandemia “muito equilibradas” , possibilitando a existência de restrições adicionais em janeiro, se necessário, apesar de serem “indesejáveis”.

“Pareceram-me muito equilibradas as medidas. Muito equilibradas naquela via que tinha apontado, que era equilíbrio entre, de um lado a precaução, e do outro não fechar a sociedade, nem fechar a economia”, sustentou Marcelo Rebelo de Sousa.

Exemplos do equilíbrio descrito pelo Presidente da República são “o teletrabalho” e “aquela ‘semana de nojo’ entre o fim do ano e o recomeço da atividade, quer escolar, quer lúdica, quer de trabalho presencial”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Bruxelas quer reforçar coordenação para viagens na UE

Com grandes discrepâncias nas taxas de vacinação (24,7% na Bulgária e 81,5% em Portugal), a Comissão Europeia quer vacinados sem restrições e não vacinados testados em viagens na UE.

Publituris

A Comissão Europeia propôs esta quinta-feira, 25 de novembro, um reforço da coordenação sobre viagens na União Europeia (UE) devido ao aumento de casos do coronavírus, sugerindo que vacinados não sejam submetidos a restrições adicionais e que não vacinados sejam mais testados.

Em causa está uma recomendação para uma maior “coordenação para facilitar a livre circulação segura durante a pandemia”, sugerindo o executivo comunitário ao Conselho uma “abordagem baseada na pessoa”, para que quem tenha “um Certificado Covid-19 Digital da UE válido não seja, por princípio, sujeito a restrições adicionais, tais como testes ou quarentena, independentemente do seu local de partida” na União.

Por outro lado, “as pessoas sem um Certificado Covid-19 Digital da UE podem ser obrigadas a submeter-se a um teste realizado antes ou depois da chegada”, propõe a instituição aos Estados-membros, aos quais cabe a decisão final sobre viagens.

Esta abordagem é baseada no certificado digital da UE, comprovativo da testagem (negativa), vacinação ou recuperação do vírus SARS-CoV-2, que entrou em vigor na União no início de julho. Até agora, foram emitidos mais de 650 milhões de certificados que são reconhecidos em 41 países, segundo dados de Bruxelas.

Numa altura em que a situação epidemiológica da COVID-19 na UE é considerada pelos especialistas como de risco muito elevado devido à baixa taxa geral de vacinação e à rápida propagação da variante Delta do SARS-CoV-2, Bruxelas propõe também um período padrão de aceitação dos certificados de vacinação de nove meses desde a série de vacinação primária.

“O período de nove meses tem em conta as orientações do Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças [ECDC] sobre a administração de doses de reforço a partir dos seis meses e prevê um período adicional de três meses para assegurar que as campanhas nacionais de vacinação possam ser ajustadas e que os cidadãos possam ter acesso às doses de reforço”, justifica a Comissão Europeia.

No âmbito destas orientações, que Bruxelas quer ver em vigor a 10 de janeiro de 2022, a instituição propõe ainda que as isenções de quarentena apenas sejam aplicadas a crianças menores de 12 anos e a viajantes essenciais (como trabalhadores).

Além disso, o executivo comunitário pretende introduzir alterações nos mapas que servem de apoio às decisões nacionais sobre viagens na UE, que são atualizados semanalmente pelo ECDC, às quintas-feiras, com um sistema de semáforos (variando entre o verde e o vermelho-escuro).

Estes mapas incluem as taxas de notificação de casos de COVID-19 nos últimos 14 dias, o número de testes realizados e o total de positivos, mas Bruxelas quer aqui incluir as taxas de vacinação.

Dados do ECDC revelam que, até ao momento, 65,8% da população da UE está totalmente vacinada, enquanto 70,1% tomou apenas a primeira dose.

Por países, existem grandes discrepâncias nas taxas, entre os 24,7% de vacinação total na Bulgária e 81,5% em Portugal.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

TACV volta a operar em Dezembro

A TACV, parada desde Março de 2020 devido à pandemia da Covid-19 e renacionalizada em Julho último, deverá retomar a operação ainda durante o mês de Dezembro deste ano. 

Publituris

A TACV, parada desde Março de 2020 devido à pandemia da Covid-19 e renacionalizada em Julho último, deverá retomar a operação ainda durante o mês de Dezembro deste ano.  

O anúncio foi feito, esta quarta-feira, no Parlamento, pelo primeiro-ministro cabo-verdiano, Ulisses Correia e Silva. Anteriormente, o governo tinha apontado a retoma da TACV para o primeiro trimestre de 2022. A operação de Portugal foi sempre uma aposta estratégica da transportadora aérea. 

Segundo o chefe do governo, citado pela imprensa, se “tudo correr como previsto, a TACV começará a operar ainda durante o mês de Dezembro deste ano”, tendo ainda destacado que as medidas necessárias para o regresso da companhia aérea de bandeira de Cabo Verde “estão a ser tomadas”. 

A TACV deve, assim, retomar as operações, cinco meses após uma tentativa falhada de voltar a voar na altura sob o controlo do grupo islandês Icelandair. Em Julho deste ano, a companhia aérea passou para o controlo do Estado cabo-verdiano, após a reversão de 51% das ações vendidas à Loftleidir Icelandic em 2019 pelo governo ao grupo da Icelandair, alegando vários incumprimentos na gestão e dissolvendo de imediato os corpos sociais. 

Em março de 2019, o Estado de Cabo Verde vendeu 51% da TACV por 1,3 milhão de euros à Lofleidir Cabo Verde, empresa detida em 70% pela Loftleidir Icelandic EHF (grupo Icelandair, que ficou com 36% da Cabo Verde Airlines – nome comercial da companhia) e em 30% por empresários islandeses com experiência no setor da aviação (que assumiram os restantes 15% da quota de 51% privatizada). 

A companhia, em que o Estado cabo-verdiano mantinha uma posição de 39% (além de 10% a trabalhadores e emigrantes), concentrou então a atividade nos voos internacionais a partir do ‘hub’ do Sal, deixando os voos domésticos. 

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Ryanair
Transportes

Ryanair lança campanha para “Black Friday” para 1.000 destinos europeus

Esta nova campanha da Ryanair tem cerca de um milhão de lugares disponíveis para mais de 1.000 destinos europeus, diz a companhia de origem irlandesa.

Publituris

A Ryanair lança esta quinta-feira, 25 de novembro, a campanha “Black Friday” “Compre Um, Ganhe outro Grátis”, com cerca de um milhão de lugares disponíveis para mais de 1.000 destinos europeus.

Durante o 4.º dia da “Cyber Week” da Ryanair, a oferta “Compre Um, Ganhe Outro Grátis” encontra-se disponível no website www.ryanair.com, de 25 de novembro até à meia-noite de sexta-feira, 26 de novembro.

Dara Brady, diretor de Marketing da Ryanair, refere que os lugares estão disponíveis nas 1.000 rotas de “1 de dezembro de 2021 a 18 de fevereiro de 2022”, dando aos clientes a possibilidade de reservar “um fim-de-semana numa cidade europeia ou umas férias” e “levar um acompanhante, sem pagar mais por isso”.

O responsável pelo marketing da companhia liderada por Michael O’Leary admite que esta oferta é “uma mais-valia para os nossos viajantes, especialmente com o Natal à vista”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Nova Zelândia reabre para turistas vacinados em abril mas exige quarentena

Reabertura de fronteiras para estrangeiros completamente vacinados contra a COVID-19 acontece a 30 de abril de 2022, mas implica uma quarentena de sete dias.

Publituris

A Nova Zelândia vai voltar a permitir a entrada de turistas internacionais que já estejam completamente vacinados contra a COVID-19 a partir de 30 de abril de 2022, mas exige um  período de quarentena de sete dias à chegada, avança a imprensa internacional.

“Os neozelandeses totalmente vacinados vão ter mais facilidade para regressar a casa a partir de janeiro de 2022 e os estrangeiros a partir de abril, pois o governo vai remover a exigência de isolamento e quarentena controlada para a maioria dos viajantes”, afirmou fonte do governo da Nova Zelândia, citada pelo jornal britânico Travel Weekly.

De acordo com a informação avançada, o governo neozelandês está a preparar um plano em três fases para a reabertura do país e que vai reduzir as restrições impostas na sequência da pandemia e que levaram a que, desde o início da COVID-19, apenas seja permitida a entrada de cidadãos neozelandeses e em situações excecionais.

Apesar da anunciada reabertura, os visitantes internacionais têm de cumprir alguns procedimentos, a exemplo da apresentação de um teste negativo para a COVID-19 realizado antes da partida, do certificado que comprove a vacinação completa e de uma declaração passada pelo passageiro com o histórico das suas últimas viagens.

Além destes requisitos, os estrangeiros devem ainda realizar um teste à COVID-19 no primeiro dia depois da chegada à Nova Zelândia, cumprir um período de auto-isolamento de sete dias e realizar um novo teste antes de poderem circular livremente no país.

“Estamos a fazer este anúncio já para dar às famílias, empresas, visitantes, companhias aéreas e aeroportuárias maior certeza e mais tempo para se prepararem. É muito encorajador que, como país, estejamos agora em posição de avançar na direção de uma maior normalidade ”, indicou o governo da Nova Zelândia.

Apesar da decisão, as autoridades neozelandesas alertam que vão continuar a monitorizar a situação e que os procedimentos poderão ser revistos a qualquer momento, em função do risco epidemiológico.

Em dezembro, espera-se que o governo da Nova Zelândia revele mais pormenores sobre o plano de reabertura do país, incluindo indicações sobre como se devem os estrangeiros deslocar entre o aeroporto e o local onde vão realizar a quarentena de sete dias e informação sobre os locais que vão ser disponibilizados para essa quarentena.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

97 companhias aérea continuam sem poder voar na UE

Depois de atualizada, a “Lista de Segurança Aérea da UE” mantém 97 companhias aéreas com proibições ou restrições de voo em espaço comunitário.

Victor Jorge

A Comissão Europeia (CE) atualizou a “Lista de Segurança Aérea da UE” – “EU Air Safety List”, que enumera as companhias aéreas que estão sujeitas a uma proibição de operação ou restrições operacionais na União Europeia por não cumprirem as normas internacionais de segurança, mantendo 97 companhias na “lista negra”.

“Garantir o mais elevado nível de segurança aérea para os europeus e todos os outros passageiros que viajam para e dentro da União Europeia está no cerne da política de segurança da aviação da Comissão”, refere a CE na nota de imprensa divulgada no site.

Com esta atualização, todas as companhias aéreas certificadas da Moldávia foram removidas da “Lista de Segurança Aérea da UE”, após melhorias na segurança da aviação no país. No entanto, uma transportadora aérea russa foi adicionada à lista, devido a preocupações sobre a sua capacidade de cumprir os padrões internacionais.

Adina Vălean, comissária europeia para os Transportes, refere que, “manter o mais alto nível de segurança para todos os passageiros aéreos e pessoal é a principal prioridade. A Lista de Segurança Aérea da UE continua a ser uma das nossas ferramentas mais eficazes para o conseguir”.

A “Lista de Segurança Aérea da UE” não só ajuda a manter altos níveis de segurança na UE, mas também ajuda as companhias aéreas e os países afetados a melhorar seus respetivos graus de segurança. Além disso, a “Lista de Segurança Aérea da UE” tornou-se uma importante ferramenta preventiva, motivando os países a tomarem medidas precoces antes que uma proibição se torne necessária.

Após a atualização, 90 companhias aéreas certificadas em 15 Estados-Membros continuam proibidas de voar em espaço europeu, devido à supervisão de segurança inadequada por parte das autoridades de aviação desses países. Além disso, mais sete companhias individuais estão impedidas de voar na UE com base em graves deficiências de segurança identificadas: Avior Airlines (Venezuela), Blue Wing Airlines (Suriname), Iran Aseman Airlines (Irão), Iraqi Airways (Iraque), Med-View Airlines (Nigéria), Skol Airline LLC (Rússia) e Air Zimbabwe (Zimbabué).

Duas companhias aéreas adicionais estão sujeitas a restrições operacionais e só podem voar para a UE com tipos específicos de aeronaves: Iran Air (Irão) e Air Koryo (Coreia do Norte).

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Destinos

Conhecimento e inovação na promoção marcam 1.º VisitAzores Tourism Forum

Iniciativa é promovida pela Associação Turismo dos Açores (ATA) e vai ter lugar na próxima semana, entre 29 e 30 de novembro, em Ponta Delgada, São Miguel.

Publituris

A Associação Turismo dos Açores (ATA) vai promover, entre 29 e 30 de novembro, o primeiro VisitAzores Tourism Forum, iniciativa que terá lugar no Teatro Micaelense, em Ponta Delgada, São Miguel, e que vai debater o “conhecimento e a inovação na promoção do destino Açores”.

“Dirigido aos parceiros da atividade turística nos Açores, mas também aos parceiros nacionais, o Visitazores Tourism Forum constituirá um momento de partilha de conhecimento do que foi feito em 2021, a nível de promoção do arquipélago, ao mesmo tempo que apontará caminhos para o futuro, a curto e médio prazo”, revela a ATA, explicando que a iniciativa vai juntar especialistas em Marketing e Turismo, nacionais e internacionais.

Promovido com o objetivo de “estimular o desenvolvimento e inovação na promoção do território, dando a conhecer aos responsáveis do setor da região alguns casos de estudo de sucesso internacionais”, o VisitAzores Tourism Forum vai decorrer ao longo de dois dias, o primeiro dos quais dedicado a um conferência, enquanto o segundo dia fica marcado por quatro Master Classes apenas para associados da ATA e com a participação de oradores do primeiro dia e de dirigentes da ATA – Associação Turismo dos Açores.

“É com orgulho que promovemos a primeira edição do VisitAzores Tourism Forum. Com recurso a casos de estudo internacionais, serão desenvolvidos temas como o place branding, a inovação e a transição digital. Com esses exemplos, com as experiências que vão ser partilhadas, mas também com as reflexões que vão ser promovidas, estamos certos de que todas as entidades e agentes do setor do turismo vão sair do fórum com inúmeras fontes de inspiração. Esperamos mesmo que o evento marque uma nova etapa na promoção da região”, refere Luís Botelho, diretor executivo da ATA.

“O Place Branding e a sua Aplicação; Costa Rica, Um Caso Mundial”; “Marca: Notoriedade e Estímulo da Procura Turística”; “Açores, Presente e Futuro”; “A Digitalização Enquanto Fator de Sucesso”; “Data Plan, o Futuro na Comunicação dos Destinos”; “Smart Destinations – Mobilidade e Sustentabilidade” e “Visão Estratégica na Transição Digital” são os temas que vão ser debatidos no primeiro dia do evento, que será encerrado pelo presidente do Governo Regional dos Açores, José Manuel Bolieiro.

O programa completo do evento pode ser consultado no site do VisitAzores Tourism Forum.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Toda a informação sobre o sector do turismo, à distância de um clique.

Assine agora a newsletter e receba diariamente as principais notícias do Turismo. É gratuito e não demora mais do que 15 segundos.

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.