Edição digital
Assine já
PUB
Destinos

CIM Alto Minho organiza passeios pedestres pela região

A Comunidade Intermunicipal do Minho-Lima está a promover um conjunto de oito passeios pedestres que vão decorrer entre 29 de Setembro e 17 de Novembro.

Tiago da Cunha Esteves
Destinos

CIM Alto Minho organiza passeios pedestres pela região

A Comunidade Intermunicipal do Minho-Lima está a promover um conjunto de oito passeios pedestres que vão decorrer entre 29 de Setembro e 17 de Novembro.

Sobre o autor
Tiago da Cunha Esteves
Artigos relacionados
NEST dinamiza webinar “Como a inteligência artificial está a revolucionar a indústria de viagens?”
Agenda
Pinto Lopes Viagens faz 50 anos e propõe 50 circuitos
Agências
Tailândia concede isenção de visto a chineses para reavivar turismo
Destinos
Bruxelas proíbe compra da eTraveli pela Booking por afetar concorrência da UE
Distribuição
“O setor do Turismo será provavelmente a melhor Parceria Público Privada do nosso pais”
Destinos
Aeroporto Francisco Sá Carneiro passa a usar biocombustíveis nas viaturas de transporte de passageiros
Aviação
AHRESP deixa sugestões para o Orçamento de Estado de 2024
Análise
AHRESP
ANAV afirma que a instituição do “Dia do Agente de Viagens é ideia sua
Distribuição
Oásis Salinas Sea comemora 10 anos a estabelecer “novos padrões na indústria hoteleira” de Cabo Verde
Alojamento
Delta Air Lines retoma voos entre Lisboa e Boston em maio de 2024
Aviação

A Comunidade Intermunicipal do Minho-Lima (CIM Alto Minho) está a organizar um conjunto de oito passeios pedestres de pequena rota pela região. A iniciativa “Alto Minho Greenways” vai decorrer de 29 de Setembro a 17 de Novembro de 2012, em parceria com os municípios de Arcos de Valdevez, Caminha, Melgaço, Monção, Paredes de Coura, Ponte da Barca, Ponte de Lima, Valença, Viana do Castelo e Vila Nova de Cerveira.

Com mais de 50 km, os referidos percursos foram propostos para adesão à rede internacional European Greenways Association, da qual a CIM é membro efectivo, no âmbito do projeto InterAM – Integração do Alto Minho em Redes Internacionais de Percursos Cicláveis e Pedestres. “A finalidade é reforçar a imagem dos caminhos verdes do Alto Minho no país e no estrangeiro”, informa.

O Trilho do Corno de Bico (Paredes de Coura) vai ser percorrido no dia 29 de Setembro; o Caminho do Pão, Caminhos da Fé (Arcos de Valdevez), no dia 6 de Outubro; o Trilho das Pesqueiras (Melgaço), no dia 13 de Outubro; o Trilho da Serra d’Arga (Caminha e Ponte de Lima), no dia 20 de Outubro; o Trilho de Entre Ambos os Rios (Ponte da Barca), no dia 27 de Outubro; o Trilho do Forte de Montedor (Viana do Castelo), no 3 de Novembro; o Trilho Interpretativo da Ribeira de Covas (VN Cerveira), no dia 10 de Novembro; e o Trilho da Foz do Rio Manco (Monção e Valença), no dia 17 de Novembro.

Saiba mais aqui.

Sobre o autorTiago da Cunha Esteves

Tiago da Cunha Esteves

Mais artigos
Artigos relacionados
NEST dinamiza webinar “Como a inteligência artificial está a revolucionar a indústria de viagens?”
Agenda
Pinto Lopes Viagens faz 50 anos e propõe 50 circuitos
Agências
Tailândia concede isenção de visto a chineses para reavivar turismo
Destinos
Bruxelas proíbe compra da eTraveli pela Booking por afetar concorrência da UE
Distribuição
“O setor do Turismo será provavelmente a melhor Parceria Público Privada do nosso pais”
Destinos
Aeroporto Francisco Sá Carneiro passa a usar biocombustíveis nas viaturas de transporte de passageiros
Aviação
AHRESP
AHRESP deixa sugestões para o Orçamento de Estado de 2024
Análise
ANAV afirma que a instituição do “Dia do Agente de Viagens é ideia sua
Distribuição
Oásis Salinas Sea comemora 10 anos a estabelecer “novos padrões na indústria hoteleira” de Cabo Verde
Alojamento
Delta Air Lines retoma voos entre Lisboa e Boston em maio de 2024
Aviação
PUB
Agenda

NEST dinamiza webinar “Como a inteligência artificial está a revolucionar a indústria de viagens?”

A NEST Centro de Inovação do Turismo vai dinamizar, esta quarta-feira, dia 27 de setembro, um webinar sobre a influência da IA na indústria das viagens.

A forma como a Inteligência Artificial (IA) está a revolucionar todas as áreas de negócios, incluindo no setor do Turismo, é o mote de um webinar promovido pela NEST, no âmbito do Tourism4.0, esta quarta-feira, dia 27 de setembro, entre as 11 horas e o meio-dia, com a participação de João Freitas,  Director of Growth & Partnerships em Host Hotel Systems.

Inscrições e mais informações em: https://lnkd.in/emYWJ82t

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Agências

Pinto Lopes Viagens faz 50 anos e propõe 50 circuitos

A agência de viagens e operador turístico Pinto Lopes Viagens está a assinalar os 50 anos com a divulgação de uma lista com os 50 circuitos mais aliciantes da sua programação atual.

Com mais de 800 circuitos organizados anualmente e levando, todos os anos, mais de 20 mil viajantes aos quatro cantos do mundo, a Pinto Lopes viagens elegeu 50 viagens do seu portefólio para assinalar a passagem do seu 50º aniversário.

Operador turístico e agência de viagens, a Pinto Lopes Viagens, com sede no Porto e em Lisboa, é especialista em viagens em grupo, culturais e de autor, sempre acompanhadas por um guia em português.

A listagem engloba destinos como Lapónia, Angola, Arábia Saudita e Bahrain, Argentina e Chile, Ásia Central, Austrália e Nova Zelândia, Bangladesh, Butão, Canadá e Estados Unidos, entre muitos, outros. Alguns destes circuitos estão já em comercialização, enquanto outros estarão disponíveis em 2024.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Tailândia concede isenção de visto a chineses para reavivar turismo

A Tailândia começou a aplicar a isenção de visto para viajantes da China, uma medida em vigor pelo menos até 29 de fevereiro, para reavivar o turismo, afetado pela pandemia da covid-19.

O primeiro-ministro tailandês, Srettha Thavisin, recebeu no Aeroporto Internacional de Suvarnabhumi, em Banguecoque, o primeiro grupo de turistas chineses isentos de visto.

Os viajantes chineses representaram quase um terço dos quase 40 milhões de turistas estrangeiros que a Tailândia recebeu em 2019, mas os números caíram devido à pandemia e não recuperaram como esperado após o fim das restrições às viagens.

A Tailândia, fortemente dependente do turismo, viu o número de viajantes estrangeiros cair para 428 mil em 2021, embora tenham recuperado para 11,2 milhões no ano passado, de acordo com dados oficiais do Ministério do Turismo e Desporto tailandês.

No entanto, com a China ainda a impor um período de quarentena de até três semanas em instalações designadas a quem chegava ao país, apenas 273.567 turistas chineses chegaram à Tailândia em 2022, em comparação com 11,1 milhões em 2019.

A isenção temporária de vistos para chineses faz parte do plano do novo Governo tailandês, formado a 5 de setembro, para recuperar a economia do país, em recessão entre 2020 e 2021 devido ao impacto da pandemia.

A economia da Tailândia começou a recuperar em 2022, embora a um ritmo mais lento do que o previsto pelas autoridades.

O regresso em força do turismo e a recuperação do consumo, dos investimentos e das exportações são algumas das prioridades estabelecidas pelo novo Executivo, que assumiu o poder depois de quase quatro meses de impasse político no parlamento para a eleição do primeiro-ministro.

No início de fevereiro, Pequim voltou a permitir o turismo em grupo para cerca de 20 países, incluindo destinos como Tailândia ou Indonésia.

Portugal foi incluído no segundo lote, aprovado no mês seguinte, assim como Brasil, França ou Espanha, enquanto em agosto foi a vez da Guiné Equatorial, Cabo Verde, Moçambique e São Tomé e Príncipe.

A China era o maior emissor de turistas do mundo até ao início da pandemia da covid-19.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Distribuição

Bruxelas proíbe compra da eTraveli pela Booking por afetar concorrência da UE

A Comissão Europeia proibiu a compra plataforma de reserva de voos eTraveli pelo ‘site’ de alojamentos Booking, o 11.º negócio de aquisição vetado por Bruxelas, considerando que reforçaria a posição dominante neste mercado, afetando a concorrência comunitária.

Em comunicado, o executivo comunitário dá conta que proibiu a operação ao abrigo do regulamento de concentrações da UE, argumentando que “a aquisição teria permitido à Booking reforçar a sua posição dominante no mercado das agências de viagens ‘online’ relativo à reserva de hotéis no Espaço Económico Europeu”.

Bruxelas sublinha que “a decisão de hoje [segunda-feira, 25 de setembro] surge na sequência de uma investigação aprofundada da Comissão sobre a operação, que teria combinado a Booking e a eTraveli, dois dos principais fornecedores” do mercado das agências de viagens ‘online’, respetivamente na reserva de alojamento e de voos.

Além disso, esta empresa norte-americana de plataforma de reservas “não propôs medidas de correção suficientes para dar resposta a estas preocupações”, acrescenta.

Sediada nos Estados Unidos da América, a empresa detém além da Booking.com (plataforma de reservas) as marcas Rentalcars, Priceline e Agoda, bem como entidades para aluguer de automóveis e voos através do negócio Kayak (incluindo as marcas Kayak, Momondo, Cheapflights, HotelsCombined, entre outras).

Ao funcionar principalmente como intermediária entre os clientes e os alojamentos privados e os hotéis, a Booking tem, hoje em dia, uma quota de mercado superior a 60% no mercado das agências de viagens ‘online’ do Espaço Económico Europeu, após o crescimento nos últimos anos.

Por seu lado, a sueca eTraveli está ativa no mesmo mercado através das suas marcas Gotogate, My Trip, Seat24 e SuperSaver, principalmente focada na reserva de voos.

“A Comissão considerou que a operação teria reforçado a posição dominante da Booking no mercado das agências de viagens organizadas de hotéis, conduzindo a custos mais elevados para os hotéis e, possivelmente, para os consumidores”, aponta a instituição.

Entre os ‘remédios’ propostos pela Booking estavam “mostrar aos clientes de voos um ecrã de escolha na página de check-out do voo, que é a página mostrada aos viajantes depois de comprarem os seus bilhetes de avião”.

Porém, de acordo com o executivo comunitário, “as medidas de correção propostas pela Booking não deram resposta adequada às preocupações da Comissão em matéria de concorrência, de modo a poder concluir-se que a concorrência seria preservada de forma duradoura”.

A operação foi notificada à Comissão em 10 de outubro de 2022 e, em novembro desse ano, foi aberta uma investigação aprofundada.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Foto: Victor Machado (Bluepeach)

Destinos

“O setor do Turismo será provavelmente a melhor Parceria Público Privada do nosso pais”

Na véspera de se comemorar mais um Dia Mundial do Turismo, a Confederação do Turismo de Portugal (CTP) coloca, na sua conferência anual, o ênfase na coesão territorial. Para Francisco Calheiros, presidente da CTP, “o Turismo é promotor da coesão nacional, não só territorial como também económica e social”. Quanto à “velha questão” do aeroporto, “se a escolha recair por uma solução mais demorada no tempo, há que avançar com uma solução intermédia, como é o Montijo”.

“O Turismo como Fator de Coesão Nacional” é o tema central que a Confederação do Turismo de Portugal (CTP) leva a debate, no próximo dia 27 de setembro, na Conferência do Dia Mundial do Turismo, que se realiza no Algarve.

O jornal PUBLITURIS falou com Francisco Calheiros, presidente da CTP, a propósito deste evento e tema, admitindo que “o Turismo ao gerar coesão territorial, beneficia dessa coesão, sobretudo da diversidade de recursos que Portugal proporciona”.

Com os dados referentes à atividade turística em Portugal a estarem “em linha com o que era expectável para este ano”, Francisco Calheiros pede uma “redução da carga fiscal existente” e “apoio à recapitalização das empresas que ainda sentem os reflexos da pandemia e dos custos acrescidos motivados pelas consequências da guerra”.

Quanto ao novo aeroporto, “nem parece que ter um novo aeroporto é uma prioridade para o país”, frisa Francisco Calheiros.

A CTP celebra, mais uma vez, o Dia Mundial do Turismo no próximo dia 27 de setembro com a Conferência “Turismo – Fator de Coesão Nacional”. Que importância tem, de facto, o turismo para uma maior coesão nacional e como poderá contribuir para essa coesão?
O Turismo continua a ser um importante motor da economia portuguesa, sendo mesmo a atividade económica mais exportadora de Portugal, representando cerca de 20% do total de exportações de bens e serviços. Isto deve-se em grande parte ao efeito multiplicador do Turismo, já que é uma atividade que fomenta o desenvolvimento de muitos outros setores espalhados pelo país, sendo gerador de desenvolvimento social e económico. E se antes o Turismo estava centralizado em algumas regiões específicas, atualmente a oferta turística é muito mais diversificada, abrangendo praticamente todo o território, sendo por isso fator de coesão nacional.

E de que forma é que um país mais coeso territorialmente poderá beneficiar o setor do turismo nacional?
O Turismo ao gerar coesão territorial, beneficia dessa coesão, sobretudo da diversidade de recursos que Portugal proporciona. Quando se fala de coesão territorial, deve ter-se em conta um acesso mais equilibrado aos instrumentos que permitam o desenvolvimento de uma região, neste caso turisticamente, que é aquilo a que já assistimos atualmente, nomeadamente como fruto do trabalho das Entidades Regionais de Turismo que têm feito um trabalho excelente na promoção dos produtos turísticos locais e regionais, assim como na captação de novos investimentos turísticos. Este é um trabalho que deve continuar a ser feito, com o recurso a apoios como aqueles que foram anunciados recentemente pelo secretário de Estado do Turismo. Estes apoios são necessários para ajudar o esforço de investimento que é feito pelos privados, mas deve ter-se em conta que, em relação aos apoios, se devem flexibilizar as regras de acesso e a utilização das verbas para que depois não fiquem por executar.

O Turismo ao gerar coesão territorial, beneficia dessa coesão, sobretudo da diversidade de recursos que Portugal proporciona

Em diversos fóruns temos ouvido que o importante é dar relevância à descentralização e levar o turismo para o Interior do país. A questão é saber se este Interior está preparado e tem as infraestruturas necessárias para receber os turistas no número que se pretende?
Há mais de um século que o Turismo tem vindo a promover e a desenvolver a sua organização administrativa, sendo a única atividade económica que se encontra descentralizada e regionalizada no nosso país, curiosamente no seu início até por iniciativa privada, a que mais tarde o Estado se vem associar. E hoje há como que uma parceria público-privada no terreno, e em todo o território nacional, através da articulação funcional e operacional entre as Entidades Regionais de Turismo (direito público) e as Agências Regionais de Promoção Turística (direito privado).

Especificamente, tal como pergunta, o interior está hoje muito mais preparado e a prova disso é a muita oferta e de qualidade que está a dar resposta à crescente apetência dos turistas por estas zonas do País. Veja-se também como para além do investimento de empresas locais, atualmente os grandes grupos hoteleiros estão cada vez mais a apostar no interior do país, o que claramente acrescenta valor a estas regiões e as aproxima dos índices daqueles que têm sido os destinos turísticos mais tradicionais. Ou seja, aqui está mais um fator de como o Turismo é promotor da coesão nacional, não só territorial como também económica e social.

Que infraestruturas ainda estão em falta para levar mais turistas para o Interior do país e obter a tal coesão territorial?
A questão que coloca não se resume exclusivamente às infraestruturas, mas estende-se também a equipamentos e às condições mobilidade e atratividade de recursos humanos.

Quanto às primeiras, diria que uma maior aposta e modernização da rede ferroviária que potencie a fluidez dos visitantes pelo território do interior em articulação com as portas aeroportuárias de entrada no país.

Relativamente aos equipamentos, a questão fundamental reside em disponibilizar mais e melhor oferta em termos de habitação para quem se desloque para trabalhar no interior, cujo único esforço de momento está a ser feito pelos privados na medida das suas possibilidades, sem qualquer apoio do Governo. Seria também necessário o reforço de equipamentos que permitam a deslocalização de grandes eventos.

Por último, no que aos recursos humanos diz respeito, será necessário acuar a nível da capacitação na mobilidade e atracção de talentos profissionais para o interior.

Esse desenvolvimento territorial está dependente de apoios ou existe capacidade para os privados liderarem esse processo?
Como é óbvio, há medidas estruturais que não dependem apenas dos privados, pelo que o poder central tem um papel importante no apoio ao reforço da atratividade do interior do país.

Em maio deste ano, o secretário de Estado do Turismo, Nuno Fazenda, anunciou a Agenda do Turismo do Interior, no valor de 200 milhões de euros. Esperemos que exista, ao contrário de outros programas de apoio, noutros anos, uma maior flexibilização no acesso e na aplicação destas verbas, para que possam ser céleres e efetivos os investimentos realizados com o apoio dos valores deste programa de incentivo.

A diminuição da dormida de portugueses é residual e deve-se, em grande parte, à perda de poder de compra dos portugueses

O que foi e será 2023
Estamos praticamente no final do verão de 2023. Como interpreta os números que têm sido divulgados relativamente ao turismo nacional?
As dormidas aumentaram 18,8% de janeiro a junho em relação ao 1.º semestre de 2022, aumentando 11% em relação ao 1.º semestre de 2019, ano antes da pandemia. Também no primeiro semestre tivemos um aumento das receitas, sendo que segundo o World Travel & Tourism Council (WTTC), o Turismo deverá contribuir com perto de 40 mil milhões de euros para a economia portuguesa até ao final de 2023.

São dados que confirmam que a atividade turística continua a crescer de forma sustentável e o que faz antever que este será um dos melhores anos de sempre do Turismo em Portugal.

Estes têm estado em linha com o que era esperado?
Sim, são dados que estão em linha com o que era expectável para este ano.

Ao nível dos mercados, tem-se registado um aumento de alguns mercados externos (EUA, Canadá, Reino Unido), mas registam-se decréscimos de mercados como a Espanha, Finlândia, Bélgica, Alemanha, Brasil. A que se deve este facto?
Desde logo, o aumento de alguns mercados externos como os que refere deve-se por um lado à estratégia de promoção que tem sido seguida pelos privados, em linha com a estratégia nacional de promoção do Turismo português que tem sido realizada no exterior, assim como, por exemplo, em relação aos Estados Unidos, à estratégia de promoção da TAP.

Por outro lado, há que ter em conta a diversidade e qualidade da oferta turística nacional, que passou a ser apetecível por turistas que decidiram alterar os seus destinos de férias, nomeadamente porque desejaram encontrar uma alternativa a mercados para onde antes iam passar férias, mas que são atualmente destinos menos seguros ou que estão junto a zonas do globo próximas de conflitos, de instabilidade social ou que estão a sofrer mais consequências das alterações climáticas.

O que é certo é que estes turistas de mercados que não eram os tradicionais, começaram a vir para Portugal, gostaram, querem repetir a experiência e estão a aconselhar familiares e amigos a virem fazer férias para Portugal.

Os dados do INE mostram, igualmente, uma diminuição nas dormidas dos residentes. Esta realidade era já esperada, depois de alguns anos com as viagens limitadas?
A diminuição da dormida de portugueses é residual e deve-se, em grande parte, à perda de poder de compra dos portugueses.

Penso que estamos perante uma situação pontual e que não é tão grave como se está a querer fazer parecer. O que aconteceu este ano, e sobretudo no mês de junho, é que houve um pouco de menos dormidas de portugueses, mas isto tem várias razões.

Por um lado, pela coincidência com algumas alterações que houve no calendário escolar e, por outro lado, porque as dificuldades financeiras das famílias, sobretudo para fazer face aos créditos à habitação e aos maiores custos inerentes à subia da inflação, fizeram com que alguns portugueses optassem por não fazer férias fora de casa ou decidiram passar períodos de férias em estabelecimentos hoteleiros noutras regiões e por períodos de tempo menores do que fariam habitualmente.

Têm surgido algumas opiniões menos favoráveis relativamente aos preços praticados pelo turismo, nomeadamente, pela hotelaria nacional. Este aumento de preços não seria expectável, dada a atual conjuntura e aumento de preços de forma global?
O Turismo é uma indústria da paz, mas infelizmente depara-se ainda com uma conjuntura de guerra com os efeitos negativos que todos conhecemos, nomeadamente o aumento de custos com a energia, os combustíveis, a inflação em crescendo, os juros altos, pelo que era inevitável um aumento de preços.

A qualidade paga-se e se queremos manter e até aumentar a qualidade dos serviços que oferecemos, se queremos manter o nível de Turismo que temos tido, então temos de ter preços competitivos, de forma a fazer face aos custos crescentes que as empresas enfrentam

Portugal, se manter este aumento de preços poderá tornar-se num destino demasiado caro para o turista estrangeiro, capaz de fazer comparações com outros destinos e com outras ofertas existentes no mercado?
O que se verifica é que o aumento dos preços até não tem travado o número de turistas. Há um aspeto que temos de ter em conta, a qualidade paga-se e se queremos manter e até aumentar a qualidade dos serviços que oferecemos, se queremos manter o nível de Turismo que temos tido, então temos de ter preços competitivos, de forma a fazer face aos custos crescentes que as empresas enfrentam.

Desde o início da pandemia que os recursos humanos têm sido ponto central no desenvolvimento do turismo em Portugal. O que tem sido feito para colmatar esta lacuna? Fala-se muito em protocolos, inclusivamente, com outros países, mas, depois, na prática, o setor sofre com falta de pessoal. Tem sido dado passos para ultrapassar este desafio para os próximos tempos?
Sobre este tema, que nos continua a preocupar, referir-lhe o seguinte: há algo que não podemos esconder e é o facto de que é preciso criar melhores condições, desde logo em termos salariais, para atrair mão de obra. Não esquecer que o Turismo até tem sido dos setores que mais tem aumentado salários.

Mas sendo preciso oferecer ainda melhores salários, é também necessário que o Estado faça a sua parte reduzindo a carga fiscal sobre os rendimentos do trabalho. Todos ganharíamos. É que se os portugueses sentirem que têm melhores salários, mais facilmente virão trabalhar numa profissão de tanto valor como é o Turismo. E se os portugueses sentirem que têm mais dinheiro disponível, também gastarão mais nas férias e isso será bom para o Turismo e para o país.

Seria importante também avançar mais rápida e concretamente com o programa de valorização das profissões anunciado pelo Governo e reforçar a aposta no ensino de qualidade nas Escolas de Turismo.

Por outro lado, complementariamente, para ter mais recursos humanos, neste caso no Turismo, é preciso continuar a apostar na imigração, mas através de uma maior agilização dos processos. É preciso que a contratação seja feita de forma mais organizada, controlada e que o País crie as condições e tenha a capacidade de incluir os imigrantes na sociedade, desde logo, em termos da habitação. O Governo já tornou mais ágil alguma da legislação relativamente aos vistos, mas em termos práticos continua a existir demasiada burocracia.

Uma bola de cristal com aeroporto
Importante, para a CTP, tem sido, também, o debate sobre uma nova infraestrutura aeroportuária para a região de Lisboa. Conta ter uma decisão até final do ano de 2023?
Sinceramente era bom que assim fosse. Como tenho dito, esta é uma decisão política, por isso era bom que se decidisse depressa. No entanto, continuamos a perder demasiado tempo com tantos estudos, com análise de tantas opções. Tínhamos de avançar, mas não vejo avanços. Nem parece que ter um novo aeroporto é uma prioridade para o país. Entretanto, neste momento, o valor perdido pela não construção do novo aeroporto já ultrapassa em muito os mil milhões de euros, de acordo com o contador da CTP.

Há algo de que não abdicamos, se a escolha recair por uma solução mais demorada no tempo, há que avançar com uma solução intermédia, como é o Montijo.

Nem parece que ter um novo aeroporto é uma prioridade para o país

Muitos têm apontado para o facto de a indústria da aviação sofrer alterações no futuro, com possibilidade de menos voos, transferindo-os para a ferrovia. Veja-se o caso em França com os voos com uma duração inferior a duas horas e meia. É mesmo necessário um “grande” aeroporto para a região de Lisboa?
Claro que é mesmo necessário um novo aeroporto! Desde há anos que é necessário um novo aeroporto. Continuamos a recusar slots todos os dias e como já referi, os custos de não ternos um novo aeroporto continuam a acumular-se.

O Turismo, como principal atividade económica do país, tem ainda muito para dar. Há ainda muito por onde podemos crescer. Há uma procura crescente do destino Portugal, pelo que esperamos nos próximos anos muitos mais turistas a querer visitar-nos, mas para isso temos de ter as melhores condições de os receber e isso passa, inevitavelmente, por termos um aeroporto maior, mais moderno e adaptado aos novos tempos, que garanta a prestação de um muito melhor serviço.

E atenção que não se prevê que sejam apenas mais turistas a virem para Portugal nos próximos anos. Há também toda a atividade de negócios e de grandes eventos que tem todo o potencial para crescer. Somos muitos bons a receber e a organizar grandes eventos e isso está nos olhos do mundo. Veja-se o exemplo da Jornada Mundial da Juventude.

As outras regiões – Porto e Norte, Algarve, ilhas, Centro – não necessitariam, igualmente, de atualizações ou novas infraestruturas aeroportuárias, indo ao encontro do “desenvolvimento territorial”?
Penso sinceramente que, a esse nível, o melhor complemento internamente às infraestruturas aeroportuárias existentes, ao novo aeroporto e às acessibilidades rodoviárias que já temos, seria sem dúvida um crescimento e modernização do sistema ferroviário nacional.

Abordada que foi a questão da ferrovia, esta não podia ou devia ser uma alternativa viável para o turismo, agora que a sustentabilidade e as preocupações ambientais estão, como nunca, na ordem do dia?
Sem dúvida que é importante. Não como alternativa, mas como complemento.

O problema nunca tem sido, por exemplo, a Secretaria de Estado ou o Turismo de Portugal. Os entraves vêm, normalmente, de outras entidades governamentais, como sejam os Ministérios das Finanças, Administração Interna ou Negócios Estrangeiros

O que é que o Governo podia fazer mais pelo setor do turismo português? E que papel terão os privados no desenvolvimento do setor do turismo em Portugal?
Tenho frisado já várias vezes, que o setor do Turismo será provavelmente a melhor Parceria Público Privada do nosso pais. Temos tido uma excelente parceria com as entidades públicas diretamente ligadas ao Turismo. O problema nunca tem sido, por exemplo, a Secretaria de Estado ou o Turismo de Portugal. Os entraves vêm, normalmente, de outras entidades governamentais, como sejam os Ministérios das Finanças, Administração Interna ou Negócios Estrangeiros.

Por outro lado, os privados têm demonstrado ter um papel essencial no crescimento e na sustentabilidade da atividade turística.

Em geral, o Governo tem feito um caminho, que tem de continuar a fazer, no sentido de fortalecer o Turismo como principal atividade económica, sendo que o poder central o que pode fazer mais neste momento, seja pelos turistas, por quem trabalha ou quer trabalhar no Turismo e pelas empresas que atuam na atividade turística, é sem dúvida, por exemplo, reduzir a carga fiscal existente e apoiar a recapitalização das empresas que ainda sentem os reflexos da pandemia e dos custos acrescidos motivados pelas consequências da guerra.

Olhando para uma bola de cristal, o que vê para o ano de 2023, em termos globais, sabendo-se que ainda faltam mais de três meses para o final?
Prevejo que este seja um ótimo ano para o Turismo em Portugal. Que esta atividade vai continuar a ser o motor da economia portuguesa e espero que alguns dos dossiers em aberto que têm implicações diretas e indiretas no Turismo vejam finalmente a luz do dia.

Usando as suas palavras, dentro da bola de cristal que se veja o novo aeroporto.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Aviação

Aeroporto Francisco Sá Carneiro passa a usar biocombustíveis nas viaturas de transporte de passageiros

O projeto, que resulta de um protocolo assinado entre a empresa de handling Portway, a energética PRIO e a Beyond Fuels, tem previsão de arranque em 2024, com uma duração inicial de dois anos, e vai permitir “reduzir as emissões de CO2 em 1.000 toneladas”.

O Aeroporto Francisco Sá Carneiro vai passar a usar biocombustíveis nas viaturas pesadas de transporte de passageiros, medida que resulta de um protocolo assinado entre a empresa de handling Portway, do Grupo VINCI, a energética PRIO e a Beyond Fuels e que vai permitir “reduzir as emissões de CO2 em 1.000 toneladas, nos próximos dois anos”.

“Este protocolo de colaboração representa um passo significativo em direção à descarbonização do transporte aeroportuário no aeroporto do Porto. O projeto tem previsão de arranque em 2024, com uma duração inicial de dois anos. Neste período serão consumidos mais de 400.000 litros de Zero Diesel B100 da PRIO – um combustível 100% renovável – o que se irá refletir numa redução de cerca de 1.000 TON de CO2eq no espaço de dois anos”, indicam as empresas parceiras, em comunicado.

A gestão e implementação deste protocolo no Aeroporto Francisco Sá Carneiro fica a cargo da Beyond Fuels, empresa especializada em projetos de economia circular e descarbonização de frotas.

“A PRIO está empenhada em oferecer soluções inovadoras e sustentáveis para a mobilidade, contribuindo para um mundo mais limpo e ecológico. Os setores onde a Portway e a PRIO atuam são essenciais no contributo para este desafio que é de todos. Este protocolo é, por isso, reflexo de uma visão comum sobre o potencial das energias renováveis na redução das emissões de carbono”, destaca Carlos Baptista, diretor Comercial da PRIO Green Fuels e Ecowaste.

Já Etienne Lefort, CCO da Portway – Handling de Portugal, sublinha que “a Portway tem na sustentabilidade ambiental um dos seus pilares”, motivo pelo qual procura “constantemente soluções ambientalmente mais sustentáveis”.

“Este protocolo com a PRIO e com a Beyond Fuels é sinal disso mesmo. Para além do investimento em equipamento elétrico, procuramos que os nossos equipamentos se tornem mais sustentáveis com a utilização de biocombustível, contribuindo significativamente para a redução das emissões de carbono. A Portway agradece o compromisso e o contributo do Diretor do Aeroporto Francisco Sá Carneiro, Fernando Vieira, que colaborou desde o primeiro minuto, viabilizando este protocolo”, acrescenta o responsável.

Já Rui Santos, CEO da Beyond Fuels, destaca que “o desafio da descarbonização é especialmente complexo no sector da aviação, quer seja pela diversidade e criticidade de cada equipamento, quer seja pela logística ou ciclos quase contínuos de trabalho”.

“O trabalho da Beyond Fuels passa por procurar implementar as melhores soluções para cada empresa, alinhando os objetivos de descarbonização com os planos de investimento, desafios logísticos e parque de frota e equipamentos existentes. Neste projeto com a Portway, optámos pela implementação da solução ZERO Diesel B100 da PRIO pela sua capacidade de redução de até 84% das emissões de CO2 e compatibilidade com a frota/equipamentos existentes”, explica.

A assinatura do protocolo decorreu esta segunda-feira, 25 de setembro, data que assinala o dia nacional da sustentabilidade.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
AHRESP
Análise

AHRESP deixa sugestões para o Orçamento de Estado de 2024

A Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) anunciou esta segunda-feira, 25 de setembro, as 21 medidas que propõe para o Orçamento de Estado de 2024, baseadas em três eixos estratégicos: fiscalidade; capitalização das empresas e apoio ao investimento.

A Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) anunciou esta segunda-feira, 25 de setembro, em comunicado, que “considera determinante que o Orçamento do Estado para 2024 (OE2024) tenha presente a realidade das empresas da restauração, similares e do alojamento turístico e que contemple medidas focadas na sustentabilidade destes setores, que se revelaram decisivos na recuperação económica de Portugal no período pós-pandemia e que continuam a ser forte motor de desenvolvimento da economia portuguesa”.

Por essa razão, a associação propõe 21 medidas para o OE24 baseadas em três eixos estratégicos: fiscalidade; capitalização das empresas e apoio ao investimento. As propostas são feitas “tendo em conta o atual cenário inflacionista e a escalada na subida das taxas de juro, bem como nos custos de energia”, que a associação considera “que está a deteriorar a tesouraria das famílias, cuja quebra de consumo já se faz sentir de forma significativa nas atividades turísticas”.

Das medidas propostas ao Governo a AHRESP destaca “a aplicação temporária, pelo período de um ano, da taxa reduzida IVA a todo o serviço de alimentação e bebidas para a tesouraria das empresas”, bem como a “reposição integral da taxa intermédia do IVA no serviço de alimentação e bebidas”.

Outra das medidas propostas passa pela “redução da taxa social única (TSU) paga pelas empresas pelos rendimentos de trabalho dos seus colaboradores, para proporcionar a melhoria das condições salariais, captando e retendo talento nas empresas”. É ainda destacada a “dotação orçamental para as autarquias, destinada ao apoio às rendas para a habitação de imigrantes que comprovem vir trabalhar para as atividades [afetas à associação], de forma temporária, para o processo de instalação destes trabalhadores no nosso país”.

É ainda colocada em cima da mesa a “redução da taxa do Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Coletivas (IRC), em particular para as micro e pequenas empresas, a fim de se aumentar a competitividade das empresas nacionais face ao exterior e de se atrair investimento”.

Da lista de 21 medidas propostas constam ainda a “criação de mecanismos financeiros com vista à redução do endividamento das empresas, bem como promover a reposição dos capitais próprios até aos níveis pré-pandemia”, além do “apoio ao investimento em eficiência energética, eficiência hídrica e transição digital”.

A associação defende que estas medidas são propostas num contexto em que, “não obstante os crescimentos expressivos na atividade turística no acumulado entre janeiro e julho de 2023 face a 2019, certo é que milhares de empresas continuam a evidenciar estruturas financeiras frágeis e sobre endividadas”. Destaca também que, “além destas fragilidades, mantém-se o grave problema da falta de profissionais, sobretudo qualificados, para trabalhar nos setores da restauração e do alojamento”.

A AHRESP sente que a aproximação da época baixa “apresenta grandes desafios à sustentabilidade dos negócios, não só pela perda do poder de compra dos consumidores que se reflete na faturação dos estabelecimentos, como devido aos aumentos dos preços das matérias-primas, muito acima do que tem sido a atualização dos preços de venda”. Por todas as razões elencadas, “assim como das previsões das entidades internacionais de fraco crescimento económico”, a AHRESP apresenta a lista de 21 medidas ao Governo que pode ser consultada na totalidade através do link.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Distribuição

ANAV afirma que a instituição do “Dia do Agente de Viagens é ideia sua

“É público que o “Dia Nacional do Agente de Viagens” é, e sempre foi, uma ideia peregrina da ANAV” reivindica a Associação Nacional das Agências de Viagens em comunicado de imprensa, lembrando que a ideia “foi prontamente apresentada no seu programa eleitoral, oficialmente apresentada à comunicação social e amplamente divulgada nos media e nas redes sociais”.

Esta tomada de posição por parte da ANAV vem na sequência de, na última sexta-feira, dia 22 de setembro, a APAVT tenha anunciado, em comunicado à imprensa, desejar criar o “Dia do Agente de Viagens”, com data definitiva – 31 de maio – para a realização da efeméride.

Por tal razão, a nota de imprensa, segundo a ANAV, visa a “reposição da verdade, de chamar a si a ideia e o mérito de instituir o “Dia Nacional do Agente de Viagens”, apesar da tentativa clara e inusitada de usurpação da mesma. Ainda assim, a ANAV congratula-se com a decisão da sua congénere APAVT, em assumir a necessidade da existência de um dia que celebre a nossa profissão, pese embora a mesma tenha demorado 73 anos para o fazer”.

A ANAV considera que o “Dia do Agente de Viagens” pertence a todas as mais de 3000 agências de viagens existentes, mas não se esgota aqui: “o “Dia do Agente de Viagens” é de todos os milhares de profissionais que trabalham diariamente no nosso setor”, refere o comunicado, que lembra que, em maio último o seu presidente, Miguel Quintas, anunciava que é “um dia que pretende comemorar e engrandecer uma das profissões mais importantes do turismo em Portugal e ainda não devidamente reconhecida, pese embora o esforço admirável que a nossa classe realiza diariamente para atender o mercado”.

Para a ANAV, pela justa razão de o “Dia do Agente de Viagens” “ser de e para todos os profissionais do setor, o mesmo nunca poderá ser propriedade de alguma associação em exclusivo”. Daí que “cada gente de viagens deve decidir quando gostaria de celebrar o seu próprio dia. Seria impensável, tal como veiculado pela associação congénere, que tal decisão fosse tomada dentro de quatro paredes, numa reunião fechada, a propósito de um tema que é obrigatório decidir-se democraticamente e de forma transparente por todos os agentes de viagens portugueses”.

A ANAV, ainda segundo a nota de imprensa, “envidará todos os esforços, junto de todas e quaisquer instâncias necessárias, para que o “Dia do Agente de Viagens” seja decidido de forma inclusiva, transparente e democrática, coisa que, aparentemente, ainda é difícil de entender para alguns atores deste nosso setor”, ao mesmo tempo de anuncia que “tem já em desenvolvimento o site, com exposição do tema e plataforma de votação independente, para todos os profissionais que pretendam escolher o aniversário do “Dia do Agente de Viagens” em https://www.diadoagentedeviagens.pt/.

A ANAV informa também que “se encontra em marcha um processo inclusivo, de validação por variadas entidades do nosso setor, para instituição do “Dia do Agente de Viagens”, entre as quais o governo, instituições públicas, operadores turísticos, agências de viagens e individualidades de referência. Ninguém pode ficar de fora numa decisão de tão grande importância, inclusivamente, a nossa congénere – a APAVT, que será, obviamente, convidada a participar deste mesmo processo”, sublinha o comunicado.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Alojamento

Oásis Salinas Sea comemora 10 anos a estabelecer “novos padrões na indústria hoteleira” de Cabo Verde

Com 337 quartos, o Oásis Salinas Sea abriu a 25 de setembro de 2013, conta com uma localização privilegiada em Santa Maria, na Ilha do Sal, e, segundo o grupo hoteleiro português, veio estabelecer “novos padrões na indústria hoteleira em Cabo Verde”.

O Oásis Salinas Sea, resort de cinco estrelas do Grupo Oásis Atlântico, na Ilha do Sal, Cabo Verde, assinala esta segunda-feira, 25 de setembro, o seu 10.º aniversário, período ao longo do qual a unidade veio estabelecer “novos padrões na indústria hoteleira em Cabo Verde”, considera o grupo hoteleiro português, em comunicado.

“Nos últimos dez anos, o Oásis Salinas Sea tornou-se sinónimo de elegância, conforto e serviço impecável, estabelecendo novos padrões na indústria hoteleira em cabo Verde. Situado na melhor localização da ilha, o hotel tornou-se um destino preferido para viajantes exigentes de todo o mundo”, lê-se num comunicado divulgado esta segunda-feira.

Com 337 quartos, quatro restaurantes e três bares, o Oásis Salinas Sea conta com uma localização privilegiada em Santa Maria, na Ilha do Sal, assim como com uma “equipa, acomodações e gastronomia” que o tornaram no hotel número 1 da Ilha do Sal, segundo avaliações do Trip Advisor.

“Estamos imensamente gratos aos nossos hóspedes, funcionários e à comunidade local pelo seu apoio inabalável ao longo da última década. Este marco é uma prova da dedicação e paixão da nossa equipa, que se esforçam consistentemente para criar experiências inesquecíveis e autênticas para nossos hóspedes”, considera Alexandre Abade, CEO do Grupo Oásis Atlântico.

Spa, espaços para os mais variados tipos de eventos, um ginásio e um kids
club completam a oferta do resort Oásis Salinas Sea.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

Delta Air Lines retoma voos entre Lisboa e Boston em maio de 2024

Com a retoma dos voos entre Lisboa e Boston, em maio de 2024, a Delta Air Lines vai operar, no verão do próximo ano, 14 voos/semana entre Portugal e os EUA, oferecendo até 430 lugares diários.

A Delta Air Lines anunciou que vai retomar, em maio de 2024, os voos sem escalas entre Lisboa e Boston, nos EUA, numa operação diária que vai complementar os voos diários entre a capital portuguesa e Nova Iorque-JFK, que decorrem ao longo de todo o ano.

Num comunicado enviado à imprensa esta segunda-feira, 25 de setembro, a Delta Air Lines lembra que os voos entre Lisboa e Boston foram estendidos até fevereiro de 2024, sendo retomados em maio, o que permite que, no verão do próximo ano, a companhia aérea esteja a operar 14 voos/semana entre Portugal e os EUA, oferecendo até 430 lugares diários.

“Nunca houve um melhor momento para explorar a Europa com a Delta, e os clientes que aguardam aventuras de verão no exterior vão encontrar muitas opções inspiradoras, conjugadas com os serviços e comodidades premium que sabemos que os clientes da Delta desejam e apreciam”, afirma Joe Esposito, vice-presidente Sénior de Planeamento de Rede da Delta Air Lines.

Os voos entre Lisboa e Boston, no próximo ano, vão ser operados num avião Boeing 767-300, que é também o aparelho usado pela companhia aérea norte-americana nos voos entre a capital portuguesa e Nova Iorque-JFK.

A Delta Air Lines apresentou esta segunda-feira as novidades para o próximo verão, com destaque para a operação desde Nova Iorque-JFK, que vai contar com cerca de 260 voos semanais para 18 países e 29 destinos em toda a região da Europa, África e Médio Oriente.

Entre as novidades apresentadas, a companhia aérea sublinha a abertura de uma nova rota para Itália, uma vez que a Delta Air Lines vai passar a voar diretamente entre Nova Iorque-JFK e Nápoles, a partir de 23 de maio de 2024.

No próximo verão, a Delta Air Lines vai também regressar a Shannon, na Irlanda, com início a 23 de maio de 2024, num voo direto desde Nova Iorque-JFK que tinha sido operado até 2019 e que se vem juntar aos voos que a transportadora disponibiliza para Dublin.

A Delta Air Lines Delta vai também voar, a partir de Nova Iorque-JFK no próximo verão, para Munique, três vezes por semana, a partir de 9 de abril de 2024, sendo também a única transportadora a oferecer uma partida matinal de Nova Iorque-JFK para Paris.

A Delta Air Lines vai ainda oferecer um voo sem escalas entre Atlanta e Zurique, quatro vezes por semana, a partir de 31 de maio de 2024, que se junta aos quase 180 voos semanais para 21 destinos na Europa, África e Médio Oriente a partir do hub da cidade natal da companhia aérea. Para Paris e Veneza, a companhia aumentou, este verão, os seus voos semanais para estes dois importantes destinos.

A partir de Los Angeles, os voos diários para Auckland, Nova Zelândia, passam a decorrer ao longo de todo o ano a partir de 28 de outubro de 2023, , operando diariamente de novembro a março e três vezes por semana de abril a outubro, estando ainda previsto um aumento das ligações para para Sydney, Austrália, para dois voos/dia a partir de dezembro deste ano.

Desde Los Angeles, a companhia aérea vai ainda retomar, a 31 de maio de 2024, os voos para Xangai, com quatro ligações por semana ao longo de todo o ano, numa rota  que a companhia aérea já operava e que permite a ligação a vários destinos na China, através da parceria com a China Eastern Airlines.

A Delta Air Lines vai ainda ter voos adicionais para Paris a partir de Cincinnati e Detroit; para Barcelona a partir de Nova Iorque-JFK; para Reiquejavique a partir de Detroit; e para Atenas a partir de Boston.

 

 

 

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.