Edição digital
Assine já
PUB
Emprego e Formação

APECATE quer criar profissão de técnico de turismo de ar livre

A proposta já foi entregue na ANQEP (Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional).

Tiago da Cunha Esteves
Emprego e Formação

APECATE quer criar profissão de técnico de turismo de ar livre

A proposta já foi entregue na ANQEP (Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional).

Sobre o autor
Tiago da Cunha Esteves
Artigos relacionados
Comissão oferece aos jovens 35,500 passes de viagem gratuitos “DiscoverEU”
Destinos
Lisboa é a segunda cidade europeia com mais congressos em 2023
Meeting Industry
“Não podemos ir atrás do preço, mas sim da qualidade”
Destinos
Movimento de passageiros na Europa aproxima-se da pré-pandemia com maior contribuição de voos internacionais
Transportes
Digitalização de vistos Schengen facilitará as viagens, admite ETC
Destinos
ÉvoraWine une vinho, gastronomia e cultura
Agenda
XLR8 e Hey!Travel unem esforços
Tecnologia
Grupo Emirates com resultados recorde em 2023
Aviação
Portugal não acompanha 11 Estados-Membros na isenção de vistos para a China
Destinos
Turismo mundial deverá valer 11,5 biliões de euros, em 2032
Análise

A APECATE entregou na ANQEP (Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional) uma proposta para a criação de uma nova qualificação profissional para o sector turístico: o técnico de turismo de ar livre.

Para a presidente da direcção da associação, Ana Barbosa, é preciso actuar em duas direcções: “na óptica do futuro, ao nível da formação inicial, permitindo que os jovens interessados em ingressar no sector tenham disponível a respectiva formação e certificação profissional, o que hoje não acontece; em termos de presente, num sistema de reconhecimento e validação de competências adquiridas, que permita certificar os técnicos que operam nas empresas de turismo de ar livre.”

Desta feita, o que a APECATE propõe é um Curso de Especialização Tecnológica em Turismo de Ar Livre, que corresponde ao nível V do Quadro Europeu das Qualificações. Todavia, “com uma bolsa agregada de UFCD – Unidades de Formação de Curta Duração, com definição de perfis de entrada ao nível da mestria técnica e da experiência profissional”. As unidades que deveriam ser abordadas nessas unidades seriam, por exemplo, o birdwatching e o canyoning.

“A filosofia deste CET é a mesma do Plano de Formação de Activos da APECATE: associa a formação turística e comportamental a uma sólida componente técnica, neste caso em seis actividades de ar livre, das quais quatro serão de escolha obrigatória (Caminhadas e outras actividades pedestres, Actividades de Orientação, Passeios de Bicicleta, Manobras de Cordas, Escalada Desportiva e em Bloco e Canoagem e Rafting até Nível II) e estipula a obrigatoriedade do Curso Básico de Socorrismo como requisito para o exercício da profissão”, explica a APECATE.

 

Sobre o autorTiago da Cunha Esteves

Tiago da Cunha Esteves

Mais artigos
Artigos relacionados
Comissão oferece aos jovens 35,500 passes de viagem gratuitos “DiscoverEU”
Destinos
Lisboa é a segunda cidade europeia com mais congressos em 2023
Meeting Industry
“Não podemos ir atrás do preço, mas sim da qualidade”
Destinos
Movimento de passageiros na Europa aproxima-se da pré-pandemia com maior contribuição de voos internacionais
Transportes
Digitalização de vistos Schengen facilitará as viagens, admite ETC
Destinos
ÉvoraWine une vinho, gastronomia e cultura
Agenda
XLR8 e Hey!Travel unem esforços
Tecnologia
Grupo Emirates com resultados recorde em 2023
Aviação
Portugal não acompanha 11 Estados-Membros na isenção de vistos para a China
Destinos
Turismo mundial deverá valer 11,5 biliões de euros, em 2032
Análise
PUB
Destinos

Comissão oferece aos jovens 35,500 passes de viagem gratuitos “DiscoverEU”

Este verão, milhares de jovens voltarão a viajar gratuitamente por toda a Europa, graças ao programa DiscoverEU.

Publituris

No total, foram disponibilizados 35.500 passes de viagem. Para o fazer, os jovens nascidos entre 1 de julho de 2005 e 30 de junho de 2006 tiveram de preencher um questionário com cinco perguntas sobre a UE e uma pergunta adicional no Portal Europeu da Juventude. Os candidatos selecionados receberão um passe de comboio gratuito para viajar na Europa por um período máximo de 30 dias entre 1 de julho de 2024 e 30 de setembro de 2025.

O convite esteve aberto a candidatos da União Europeia e de países associados ao programa Erasmus +, incluindo a Islândia, o Listenstaine, a Macedónia do Norte, a Noruega, a Sérvia e a Turquia. Os titulares de bilhetes podem planear os seus próprios itinerários ou inspirar-se nos itinerários existentes. Por exemplo, podem descobrir uma rota lançada no ano passado, centrada nas cidades e nos locais, tornando a União Europeia “bela, sustentável e inclusiva”, em consonância com os princípios do Novo Bauhaus Europeu.

Os participantes podem também beneficiar da Rota Cultural DiscoverEU, uma iniciativa do Ano Europeu da Juventude 2022 que combina vários destinos culturais, incluindo arquitetura, música, arte, teatro, moda e design. Os participantes podem visitar as Capitais Europeias da Cultura que figuram na Lista do Património Mundial da UNESCO, sítios da Marca do Património Europeu ou localizações do Prémio Cidade Acessível, que são cidades que ultrapassaram e não só para se tornarem mais acessíveis a todos.

“A iniciativa DiscoverEU é muito mais do que apenas um bilhete”, refere a Comissão Europeia. Os participantes receberão igualmente um cartão de desconto com mais de 40.000 possibilidades de desconto em transportes públicos, cultura, alojamento, alimentação, desporto e outros serviços nos países elegíveis. Além disso, as agências nacionais Erasmus + organizam reuniões de informação antes da partida e as agências nacionais de todos os países Erasmus + preparam as reuniões DiscoverEU, com programas de aprendizagem com a duração de um a três dias.

A inclusão social é uma das principais prioridades do programa Erasmus +, pelo que os participantes com deficiência ou problemas de saúde recebem apoio nas suas viagens. Desde outubro de 2022, as agências nacionais Erasmus + implementaram a Ação de Inclusão DiscoverEU, permitindo que as organizações que trabalham com jovens com menos oportunidades se candidatem a uma subvenção. Esta ação presta apoio adicional aos participantes, como financiamento adicional e a possibilidade de viajar com acompanhantes. Mais de 250 projetos foram adjudicados pelas agências nacionais Erasmus + desde o primeiro convite à apresentação de propostas, em outubro de 2022, estando a decorrer dois convites à apresentação de propostas da ação de inclusão neste ano.

Embora a iniciativa DiscoverEU incentive viagens sustentáveis por caminho de ferro, estão disponíveis disposições especiais para os jovens das regiões ultraperiféricas, dos condados e territórios ultramarinos, das zonas remotas e das ilhas.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Meeting Industry

Lisboa é a segunda cidade europeia com mais congressos em 2023

De acordo com o ranking ICCA – International Congress and Convention Association, Lisboa foi a segunda cidade europeia com mais congressos, em 2023. Nos países analisados, Portugal surge em 9.º lugar.

Victor Jorge

A cidade de Lisboa surge em segundo lugar no ranking ICCA – International Congress and Convention Association, relativamente às cidades europeias que mais congressos realizaram, em 2023, ficando atrás somente de Paris.

Segundo os números avançados pelo ranking ICCA, Lisboa foi palco de 151 congressos, sendo que a nível europeu, Paris recebeu 156 eventos.

A nível mundial, somente Singapura se intrometeu entre Paris e Lisboa, tendo recebido 152 eventos ao longo do ano 2023.

Quando comparados todos os países do mundo analisados pelo ranking ICCA, Portugal aparece em 9.º lugar, com 303 congressos realizados durante o ano 2023, ficando atrás de EUA (690), Itália (553), Espanha (505), França (472), Alemanha (463), Reino Unido (425), Japão (363) e Países Baixos (304).

Na listagem da ICCA existem, no entanto, mais cidades portuguesas, com o Porto a surgir na 23.ª posição, com 68 eventos; Coimbra, na 143.ª posição, com 16 eventos; Cascais no 161.º lugar, com 14 eventos; Aveiro no 248.º lugar, com 8 eventos; Braga, na 270.ª posição, com 7 eventos; e Faro na 332.ª posição, com 5 eventos.

Para a diretora-executiva do Turismo de Lisboa, Paula Oliveira, “este ranking fornece informações valiosas sobre as tendências emergentes e os destinos mais procurados pelos organizadores de congressos em todo o mundo, pelo que estamos muito otimistas com a procura durante este ano. Lisboa tem uma localização privilegiada, boas acessibilidades e infraestruturas, bem como profissionais de excelente qualidade, pelo que acreditamos que iremos continuar a ser uma referência mundial para a organização de congressos associativos.”

O ranking mundial ICCA 2023 considera os congressos em destinos que demonstram excelência em infraestruturas, serviços de apoio, acessibilidade e capacidade de sediar eventos de escala internacional.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Destinos

“Não podemos ir atrás do preço, mas sim da qualidade”

O almoço com o presidente da Câmara Municipal de Sintra, Basílio Horta, decorreu no Hotel NH Sintra Centro. A finalizar o segundo e último mandato, o presidente da vila histórica admite que “o turismo tem duas vertentes indissociáveis: a económica e a cultural”. Em qualquer uma, segundo Basílio Horta, “só poderá haver um vencedor: Portugal”.

Victor Jorge

A história política de Basílio Horta começa bem antes de ter dado entrada no Largo Dr. Virgílio Horta, morada oficial da Câmara Municipal de Sintra. Nestas “Conversas com o Presidente” do jornal Publituris, o objetivo não era, contudo, recuar tanto no tempo, mas focar a conversa agradável durante o almoço no tema do Turismo e como este é visto por quem lidera os destinos da Câmara Municipal de Sintra, vila que, com os seus quase 400.000 habitantes, segundo o últimos Censos (2022), representando 13,37% do total metropolitano e 19,82% do total da Grande Lisboa, se espalha por perto de 320 quilómetros quadrados, e é um dos pontos obrigatórios de visita a residentes e não residentes de e em Portugal.

E o tema Turismo começou por ser, desde logo, visto por dois prismas – o económico e o cultural – ambos considerados de “vital importância”, mas que terão de ter um denominador comum: Portugal.

“O turismo é, desde sempre, caracterizado por um enorme dinamismo e força agregadora”, refere Basílio Horta, salientando que “são várias as atividades económicas que estão associadas ao turismo”. Por isso, frisa, “só por este lado, o setor do turismo tem um papel importantíssimo no desenvolvimento económico da localidade, da região e do país”.

Mas, ao mesmo tempo, em concelhos como o de Sintra, e em outros também, a dimensão cultural é “enorme”. “Sintra tem uma oferta cultural muito grande e de altíssima qualidade histórica. Basta a sua serra, que é realmente um património da humanidade, à qual juntamos a tradição, a história, os palácios, os monumentos, as quintas, as praias maravilhosas, para Sintra ter uma oferta muito diversificada e de alta qualidade”. No fundo, segundo Basílio Horta, “uma oferta turística que interessa ao país e que responde, cada vez mais, ao objetivo de captar o turismo de valor acrescentado”.

O turismo é, desde sempre, caracterizado por um enorme dinamismo e força agregadora

E quem passa por Sintra, admite, “é um turista muito desenvolvido culturalmente e isso, por norma, significa visitantes com rendimento mais elevado e com maior capacidade para gastar no local, que sabe muito bem o que quer e gosta. E aqui em Sintra encontra, de facto, algo que não encontra noutros sítios”.

Um problema chamado mobilidade
Para o presidente da Câmara, além das praias, onde apesar da água mais fria, “o turista gosta de estar em contacto com o Atlântico, de estar à vontade na praia, mas ao mesmo tempo gosta de visitar museus e palácios únicos como o Palácio da Pena ou a Regaleira. Ou seja, é um turismo que não é de massas”.

Apesar de caracterizar o turismo em Sintra como não sendo de massas, há, no entanto, a questão de saber como é que os próprios locais encaram este fenómeno. Aí Basílio Horta divide a população de Sintra entre a que vive nas zonas históricas e a restantes, já que se trata, efetivamente, de um concelho enorme. Nas zonas históricas, admite que o turismo é acolhido com “alguma preocupação óbvia”, uma vez que, quem mora em Sintra, escolheu Sintra “por razões específicas de alguma intimidade, de alguma qualidade”, fazendo referência, por exemplo à Regaleira que, em 2023, teve mais de um milhão de visitantes.

Mas Sintra foi visitada por mais de cinco milhões de pessoas no ano passado, o que é “um número considerável”, embora saliente que os números pré-Covid ainda não foram atingidos.

Neste aspeto, a mobilidade, principalmente, na vila histórica é “um dos problemas a considerar e que dificulta demasiado a vida a quem vive e quem quer visitar Sintra. É uma questão, por mais que queremos resolver, não é fácil e terá sempre impactos indesejáveis, dependente de quem analisa a situação”. Contudo, sabendo que não será no mandato que termina em 2025 que esta situação se resolverá, Basílio Horta considera que este “este ordenamento terá de ser feito, mas de forma planeada, uma vez que poder-se-á tomar decisões irreversíveis e que prejudicarão todos”.

“Chegar a Sintra é fácil, com as atuais vias de acesso. O problema começa quando nos queremos mover dentro da vila”, frisando o presidente da Câmara que, “para os autocarros turísticos esta é uma grande dor de cabeça”.

Basílio Horta, presidente da Câmara Municipal de Sintra
Foto: Frame It

Para alojar os milhões de turistas que passam anualmente por Sintra é preciso, também, existir uma oferta hoteleira que, por altura da tomada de posse de Basílio Horta, em 2013, não era inaugurado um novo hotel há cerca de 30 anos. “Sintra era, de facto, visto como um local de passagem, algo que mudou drasticamente nos últimos tempos. Agora, é um local para se ficar. Há uma maior e melhor oferta hoteleira e com o fenómeno do Alojamento Local verificou-se, de facto, uma maior apetência por parte dos visitantes em ficar em Sintra”, refere Basílio Horta, admitindo que “passou a haver uma forma diferente de fazer oferta turística”.

Sintra tem uma oferta turística que interessa ao país e que responde, cada vez mais, ao objetivo de captar o turismo de valor acrescentado

O presidente da Câmara não se foca, contudo, somente em Sintra, já que “à volta, nas outras freguesias, existe uma oferta muito variada e desconhecida, embora reconheça que existe alguma ‘timidez’ em visitar certos e determinados locais”.

Outro dos pontos destacados por Basílio Horta é o facto do concelho ser um dos maiores em número de licenciamentos de moradias, salientando que “continua a haver um crescimento enorme de licenciamentos, o que demonstra que, quem vem visita Sintra, também pretende morar aqui”, contrariando, um pouco, a história de habitação massiva. “Em 70 quilómetros quadrados, temos 300 mil pessoas. Hoje, não é esse modelo de desenvolvimento que queremos para Sintra”.

Empresas não trazem só negócio
Mas não é somente a parte populacional e habitacional que Basílio Horte destaca. “Há também um grande desenvolvimento empresarial. Nós na Derrama [taxa que incide sobre o lucro tributável das pessoas coletivas, sendo fixada anualmente, pelos municípios, no valor máximo de 1,5%] tivemos um aumento enorme desde 2013. Passámos de pouco mais de três milhões de euros, em 2013, para 14 milhões nos dias de hoje”, revela o presidente da Câmara. “Isto é um reflexo da implantação de muitas empresas no concelho, o que leva a mais alojamento, mais hotelaria, mais serviços”.

Outros dos aspetos no qual Sintra tem registado uma forte evolução é no ensino universitário, com vários pólos a instalarem-se no concelho, casos do ISCTE e da Faculdade de Medicina, bem como a Base Aérea N.º 1, localizada na Granja do Marquês, próximo da Serra de Sintra. “Tudo isto traz valor a Sintra e é visível uma mudança qualitativa muito grande no concelho”, admitindo Basílio Horta que “esta mudança vai aprofundar-se no futuro”.

Qualidade, qualidade, qualidade
Regressando ao turismo, as visitas a Sintra têm no mercado nacional uma forte componente, crescente desde a pandemia, mas é no mercado internacional, com maior poder de compra e gasto, que Basílio Horta incide o destaque. “Cada vez mais espanhóis, brasileiros, árabes, ingleses, bem como norte-americanos, mercado de grande importância, nos visitam, mas também o mercado asiático, embora ainda se mantenha muito fechado, estão a procurar os encantos de Sintra e isso reflete-se na ocupação dos hotéis que tem vindo a crescer”.

Daí coloca-se a questão: e que desafios são colocados ao turismo em Sintra para o futuro? A resposta sai rápida e assertiva: “não só manter, mas aumentar a qualidade da nossa oferta. Não podemos ir atrás do preço, mas sim da qualidade. Só isso nos poderá diferenciar”, frisando que essa qualidade não pode ser limitada à oferta hoteleira, mas, também, “à manutenção dos nossos monumentos”. “E o turismo não pode ser de tal maneira intenso que acabe por deteriorar a oferta turística, porque isso seria gravíssimo e prejudicial a todos”, considera.

Além dos monumentos, Basílio Horta refere, igualmente, a importância da Parques de Sintra que “está sempre entre os melhores do mundo no que diz respeito à conservação”, frisando que a Parques de Sintra – Monte da Lua “é um parceiro indispensável da Câmara”.

Foto: Frame It

O “eu” Basílio
A nível pessoal, se houve algo que nunca passou pela cabeça de Basílio Horta foi ser presidente da Câmara de Sintra. “Fui praticamente tudo o que um político pode ser: deputado, ministro, embaixador, magistrado do Ministério Público, diretor-geral da Confederação da Indústria Portuguesa, presidente da AICEP, professor, mas presidente de Câmara foi algo que nunca me passou pela cabeça vir a ser”, admitindo, contudo, que “não queria acabar a minha carreira política sem ter uma experiência de autarca”.

Sou viajante que gosta de bons hotéis, bons restaurantes e bons museus. Deem-me estas três componente e sou um turista feliz

Passando do autarca para o turista, Basílio Horta identifica-se como um “viajante que gosta de bons hotéis, bons restaurantes e bons museus. Deem-me estas três componente e sou um turista feliz”.

Daí impor-se a pergunta, qual o melhor hotel, restaurante e museu que visitou? Nos hotéis, o destaque vai para o Hotel Hassler, em Roma; nos restaurantes a Casa Nicolasa, em San Sebastian; enquanto nos museus a resposta é tripartida: Hermitage, em São Petersburgo; Louvre, em Paris; e Prado, em Madrid.

Para finalizar a conversa realizada no Hotel NH Sintra Centro, a viagem que falta fazer: Antártida, considerado um “destino ímpar, de difícil realização, mas que poderá ainda acontecer”.

Quanto a conselhos, não o de Sintra, mas ao sucessor que sairá das eleições autárquicas de setembro/outubro de 2025, Basílio Horta é lacónico: “O meu sucessor não precisa dos meus conselhos e, seguramente, fará melhor do que eu”.

Um olhar para Sintra

O almoço com o presidente da Câmara Municipal de Sintra, Basílio Horta, realizou-se no NH Sintra Centro. Localizado no centro de Sintra, o hotel de quatro estrelas NH Sintra Centro, anteriormente Tivoli Sintra, fica a apenas a uma curta distância dos mais famosos monumentos e palácios históricos de Sintra. Situado no centro da vila, junto ao Palácio Nacional de Sintra, e localizado entre a Serra de Sintra e o mar, o hotel não poderia ter uma melhor localização para explorar a cidade considerada património mundial da UNESCO.

Entre as atrações mais próximas, é possível visitar o Palácio da Pena e o Palácio de Monserrate. A partir da varanda do lobby do hotel, é possível avistar o Castelo dos Mouros, a Quinta da Regaleira e, num dia de sol, consegue-se até ver o mar.

Com 77 espaçosos quartos, espalhados por oito andares, todos os quartos foram renovados em 2023, dispondo de varandas ou de terraços com vistas deslumbrantes. Estão disponíveis quartos comunicantes, quartos adaptados e suites.

A ementa do almoço oferecido pelo Hotel NH Sintra Centro:
Entradas: Carro de acepipes
Prato principal: Arroz de peixes da nossa costa
Sobremesa: Pêra bêbeda e Arroz-doce
Vinho: Esporão Reserva Branco 2022

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos

Foto crédito: Depositphotos.com

Transportes

Movimento de passageiros na Europa aproxima-se da pré-pandemia com maior contribuição de voos internacionais

De acordo com dados recentes da ACI Europe, em março de 2024, o número de passageiros na Europa registou uma subida assinalável, fazendo com que a entidade estime que este ano se ultrapasse os níveis pré-pandemia.

Publituris

A movimentação de passageiros na Europa registou, em março de 2024, um aumento de 10,2% face a igual mês de 2023, com a ACI Europe a prever que no final deste ano se ultrapasse os níveis de 2019.

Os dados revelam que este crescimento foi essencialmente conseguido pelo aumento do número de passageiros internacionais, que cresceu 11,7% no terceiro mês de 2024 face a igual mês do ano passado, enquanto os passageiros domésticos, ou seja, europeus, também registou uma evolução, mas mais pequena (+5,6%).

Face aos números avançados, verifica-se que a movimentação de passageiros na Europa ficou somente 1,5% abaixo dos resultados obtidos em igual mês de 2019, embora se verifique que nos passageiros internacionais o volume já exceda o ano pré-pandémico (+2,7%), enquanto a movimentação de passageiros doméstico ainda esteja 13,2% abaixo do mesmo período de 2019.

Já no que diz respeito aos números referentes ao primeiro trimestre de 2024, estes mostram valor quase idênticos aos de março, com uma subida de 10,2% relativamente ao mesmo período do ano anterior, ficando somente a 1,3% dos resultados de 2019.

Olhando para o futuro, Olivier Jankovec, diretor-geral da ACI Europe, salienta que “revimos em alta a nossa previsão de tráfego para o ano inteiro e vemos agora os volumes de passageiros em 2024 a exceder os volumes pré-pandémicos (2019) em +3,2% – em vez dos +1,4% anteriormente avançados”.

Para Jankovec, “isto reflete as perspectivas positivas para a época de verão, com a procura a manter-se forte, uma vez que os consumidores continuam a dar prioridade às viagens, apesar das tarifas aéreas muito mais elevadas. Isto também reflete a expansão sustentada, mas seletiva, da capacidade das transportadoras de custo ultra baixo, bem como o facto de as maiores transportadoras de serviço completo estarem finalmente a aproximar-se dos seus níveis de capacidade pré-pandemia.”

O diretor-geral da ACI Europe adverte, contudo, que “o mercado continua muito fragmentado em termos de desempenho do tráfego, com apenas 43% dos aeroportos europeus a recuperarem os volumes de passageiros anteriores à pandemia”.

Os aeroportos da União Europeia lideraram esta dinâmica de crescimento, com uma subida de 11,5% face ao mês de março de 2023, enquanto as restantes infraestruturas registaram uma subida de 2,8% face a igual período de 2023.

Quando comparado com os movimentos de passageiros de 2019, os aeroportos de Portugal aparecem em destaque, com uma subida de 23,1%, só suplantado por Malta (+32,5%), mas á frente de Grécia (+19,6%), Polónia (+19,2%) e Espanha (+14,5%).

Do lado inverso, a Eslováquia é quem regista pior performance (-34,9%), seguida da Eslovénia (-27,8%) e Suécia (-27%).

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Foto: Depositphotos.com

Destinos

Digitalização de vistos Schengen facilitará as viagens, admite ETC

Os responsáveis da ETC referem que a digitalização do pedido de visto Schengen facilitará as viagens para o respetivo espaço, admitindo que será um fator de mudança tanto para os viajantes como para os Estados-Membros.

Publituris

Com o processo de digitalização dos pedidos de visto Schengen a decorrer, os responsáveis da European Travel Commission (ETC) admitem que o processo tornará mais fácil e conveniente a entrada de estrangeiros no bloco Schengen.

Foi durante o Arabian Travel Market (ATM) 2024, que decorreu no Dubai de 6 a 9 de maio, que Teodora Marinska, Head of Public Affairs da ETC, sublinhou que os estrangeiros que precisam de um visto para entrar no espaço Schengen muitas vezes não conseguem encontrar vagas disponíveis devido à elevada procura, referindo que “há alturas em que os estrangeiros pedem um visto numa embaixada de um país Schengen apenas porque sabem que o procedimento é mais fácil e devido à falta de marcações no país que pretendem visitar”.

Tendo isto em conta, Marinska afirmou que a digitalização do processo será um fator de mudança, uma vez que proporcionará “um procedimento sem descontinuidades para os requerentes de visto e atribuirá automaticamente marcações”. Assim que o pedido de visto Schengen for digitalizado, os requerentes, exceto os que se candidatam pela primeira vez, poderão completar todos os procedimentos online numa única plataforma.

Uma vez que os requerentes já não terão de se deslocar fisicamente a uma embaixada ou consulado, a digitalização reduzirá significativamente os custos, uma vez que apenas terão de pagar os emolumentos do visto.

Além disso, quando o processo de candidatura estiver totalmente online, os requerentes deixarão de ter de recolher e imprimir diversos documentos.

Na plataforma, poderão carregar cópias eletrónicas dos seus documentos de viagem e outros documentos comprovativos e pagar os emolumentos.

Tal como as autoridades da UE explicaram, para além dos requerentes de primeira viagem, as pessoas cujos dados biométricos são inválidos e as que possuem um novo documento de viagem terão de se apresentar fisicamente para apresentar o pedido.

No entanto, uma vez que o processo será efetuado online, as pessoas que precisem de se apresentar no consulado, na embaixada ou no centro de vistos não ficarão sujeitas a longos períodos de espera.

Todos os requerentes de visto terão também a opção de indicar na plataforma se pretendem que o seu pedido de visto seja processado por um determinado Estado-Membro.

Uma vez concluído todo o processo pelos requerentes e pelas autoridades competentes dos Estados-Membros de Schengen, os requerentes serão informados da decisão sobre o seu pedido através da mesma plataforma.

Os vistos serão emitidos em formato digital e sob a forma de um código de barras 2D, e serão assinados criptograficamente.

Foto: Depositphotos.com
Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Agenda

ÉvoraWine une vinho, gastronomia e cultura

Maior evento de vinhos da região alentejana ocorre na Praça do Giraldo, em Évora, a 24 e 25 de maio

Publituris

Aquele que é considerado o maior evento de vinhos do Alentejo está de regresso com uma programação cheia de novidades. A 9.ª edição do maior evento vínico do Alentejo realiza-se nos dias 24 e 25 de maio, na Praça Giraldo, em Évora, e vai juntar vinhos e sabores alentejanos aliados à cultura e tradições regionais e promete colocar o evento no mapa, estimando receber cerca de 8 mil visitantes nacionais e estrangeiros.

Os amantes da região e de vinho vão contar com mais de 200 vinhos de cerca de 40 produtores de todo o Alentejo. O evento que reúne o Alentejo de norte a sul, no centro de Évora, surgiu pela primeira vez em 2014 e pretende dar a conhecer o melhor da região – desde o vinho ao turismo, passando pela cultura e pela gastronomia.

Este ano, o evento conta com uma melhoria significativa, com o alargamento do espaço do mesmo, ocupando toda a área disponível da Praça do Giraldo, o que vai permitir que visitantes tenham uma melhor experiência e possam, junto dos produtores, partilhar saberes e sabores do Alentejo e degustar os néctares em prova. Nesta 9ª. edição, foram realizadas parcerias que vão permitir aos visitantes fazer as refeições no recinto e degustar os pratos típicos alentejanos.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Tecnologia

XLR8 e Hey!Travel unem esforços

A XLR8 e a Hey!Travel uniram esforços para oferecer uma solução inovadora e eficiente aos hotéis.

Publituris

A XLR8 e a Hey!Travel uniram-se numa parceria para oferecer uma solução inovadora e eficiente aos hotéis.

A Hey!Travel, uma solução especialista em distribuição online para hotéis e cadeias hoteleiras, aliada ao reconhecido Revenue Manager System (RMS) da XLR8, promete revolucionar a forma como os hotéis gerem a sua receita e eficiência operacional. Esta integração permitirá aos hoteleiros reduzir significativamente o tempo gasto em análises manuais, enquanto simplifica e agiliza os procedimentos.

“Uma das principais vantagens identificadas nesta integração é a rapidez na implementação das recomendações do RMS”, referem ambas as empresas, em comunicado. Sem necessidade de ação por parte dos gestores hoteleiros, as ações sugeridas pela XLR8 são implementadas automaticamente no Hey!Channel Manager, que comunica essas alterações em tempo real a todos os canais conectados. Isso permite um melhor aproveitamento das funcionalidades de Yield Management da XLR8 e liberta tempo ao revenue manager para se concentrar em atividades estratégicas e de planeamento.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

Grupo Emirates com resultados recorde em 2023

O Grupo Emirates anunciou resultados recorde referente ao exercício de 2023, com lucros superiores a 4,7 mil milhões de euros. A companhia aérea, por sua vez, obteve lucros de quase 4,4 mil milhões de euros.

Publituris

O Grupo Emirates registou o melhor desempenho financeiro de sempre com um lucro recorde de 18,7 mil milhões de AED (4.734 milhões de euros), mais 71% do que no ano anterior de 2023.

As receitas do grupo aumentaram, por sua vez, 15% para um novo máximo de 137,3 mil milhões de AED (cerca de 34,7 mil milhões de euros), impulsionadas pela forte procura dos clientes em todas as suas atividades.

Já a companhia aérea do grupo apresentou, no ano fiscal terminado em 31 de março de 2024, um novo recorde de lucros de 17,2 mil milhões de AED (4,4 mil milhões de euros), mais 63% do que os 10,6 mil milhões de AED (2,7 mil milhões de euros) do ano passado.

As receitas da Emirates aumentaram 13% para 121,2 mil milhões de AED (30,6 mil milhões de euros), tendo a companhia aérea aumentado a sua capacidade e continuou a reforçar a sua rede global e respetivas parcerias.

Relativamente a estes resultados, o Sheikh Ahmed bin Saeed Al Maktoum, presidente e diretor-executivo da companhia aérea e do Grupo Emirates, afirma que “ao longo do ano assistimos a uma elevada procura de transporte aéreo e de serviços relacionados com viagens em todo o mundo, e porque fomos capazes de agir rapidamente para oferecer o que os clientes querem, alcançámos resultados tremendos. Estamos a colher os benefícios de anos de investimentos contínuos nos nossos produtos e serviços, na criação de parcerias sólidas e nas capacidades do nosso pessoal talentoso.

Ao longo do exercício que terminou a 31 de março de 2024, a Emirates transportou 51,9 milhões de passageiros, mais 19% que no ano anterior.

No exercício de 2023, a Emirates reiniciou vários serviços e aumentou a capacidade para 29 destinos e lançou novos voos diários. A Emirates também assinou acordos de codeshare e interline com 11 novas companhias aéreas parceiras, alargando ainda mais o alcance da sua rede. Até 31 de março de 2024, a rede da Emirates incluía 151 destinos em seis continentes.

A Emirates levou o seu emblemático A380 e o popular produto Premium Economy a ainda mais cidades este ano, à medida que mais 16 aviões saíram do seu programa de retrofit de cabine de 2 mil milhões de dólares, totalmente remodelados com os mais recentes produtos de assinatura da companhia aérea. Em 31 de março de 2024, o A380 da Emirates servia 49 destinos e os clientes podiam desfrutar da experiência Premium Economy da Emirates de e para 15 cidades em todo o mundo.

A contagem total da frota no final de março de 2024 totalizava 260 unidades, com uma idade média da frota de 10,1 anos.

De referir que a carteira de encomendas da Emirates soma de 310 aeronaves, depois de ter anunciado encomendas no valor combinado de 53,8 mil milhões de euros, para 110 unidades adicionais de Boeing 777, 787 e Airbus A350 no Dubai Airshow de 2023. Estas aeronaves widebody de nova geração substituirão os aviões mais antigos e apoiarão o crescimento da frota, alinhando-se com o compromisso de longa data da companhia aérea de voar em aeronaves modernas que são eficientes de operar e capazes de oferecer aos clientes os mais recentes confortos e experiências a bordo.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Foto: Depositphotos.com

Destinos

Portugal não acompanha 11 Estados-Membros na isenção de vistos para a China

Portugal, ao contrário de outros 11 países da União Europeia, ficou de fora da nova política de vistos da China.

Publituris

A China alargou a isenção de visto de entrada para os cidadãos de 11 países da União Europeia, tendo deixado Portugal de fora.

Os nacionais da Áustria, Bélgica, França, Alemanha, Hungria, Irlanda, Itália, Luxemburgo, Países Baixos, Espanha e Suíça poderão entrar na China com isenção de visto até ao final de 2025.

A entrada com isenção de visto é permitida para estadias até 15 dias para fins de negócios, turismo, visitas a familiares e amigos e trânsito.

Ao anunciar a notícia, o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, Lin Jian, afirmou que as viagens sem restrições para os titulares de passaportes dos países da UE referidos foram alargadas com o objetivo de promover os intercâmbios,

O mesmo sugeriu que, ao continuar a permitir a entrada sem visto, a China pretende atrair mais visitantes da UE para o país.

No entanto, as autoridades sublinharam que a entrada sem visto só é permitida aos nacionais destes 11 países que entrem na China para efeitos de turismo, negócios, visita a familiares e amigos e trânsito.

Embora a China tenha suprimido a obrigação de visto para os nacionais dos 11 países da UE acima referidos, o mesmo não acontece com Portugal, com as autoridades nacionais a reiteraram o seu apelo à China para que seja incluído no seu regime de isenção de vistos.

O ministro da Economia de Portugal, Pedro Reis, afirmou no mês passado que o país sinalizou à China que pretende ser incluído na lista de países cujos cidadãos estão autorizados a entrar na China sem necessidade de obter um visto.

No entanto, as autoridades chinesas não se pronunciaram sobre o assunto, limitando-se a dizer que estão abertas a negociações sobre as relações bilaterais com Portugal.

Foto: Depositphotos.com
Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Análise

Turismo mundial deverá valer 11,5 biliões de euros, em 2032

Segundo contas da Custom Market Insights, o valor do turismo a nível global deverá atingir, em 2032, os 11,5 biliões de euros, com uma taxa de crescimento média anual na ordem dos 3,7%.

Publituris

Depois do World Travel & Tourism Council (WTTC) ter avançado, no mais recente Economic Impact Research (EIR), que o valor da indústria do turismo a nível global deveria atingir os 14,8 biliões de euros, em 2034, com um peso de 11,4% no Produto Interno Bruto (PIB) mundial, a empresa de estudos de mercado Custom Market Insights (CMI) vem revelar que, em 2032, a indústria do turismo deverá gerar um valor de 11,5 biliões de euros, depois de, em 2023, ter atingido os 8,3 biliões de euros.

Segundo a CMI, “os principais intervenientes, como a Expedia, a Airbnb e as cadeias de hotéis, influenciam o mercado, enquanto tendências como as viagens sustentáveis, a transformação digital e as experiências locais moldam a sua trajetória” para a empresa, o mercado é “sensível às condições económicas, aos acontecimentos geopolíticos e às crises sanitárias.

Considerando que se trata de um setor “dinâmico” que evolui continuamente, impulsionado pelas “preferências dos consumidores, pelos avanços tecnológicos e por considerações ambientais, desempenhando um papel vital nas economias globais e no intercâmbio cultural”, a CMI aponta alguns fatores que irão moldar as oportunidades futuras para e no setor.

Transformação digital: A integração de tecnologias avançadas, incluindo plataformas de reserva online, aplicações móveis e experiências virtuais, melhora a experiência geral do viajante, simplificando e personalizando o processo de reserva e de viagem.

Aumento dos viajantes de classe média: O crescimento da classe média, particularmente nos mercados emergentes, alimenta o aumento da procura turística, uma vez que mais pessoas podem pagar viagens domésticas e internacionais, impulsionando o mercado global.

Turismo sustentável e experimental: A mudança para experiências de viagem sustentáveis e experienciais reflete a alteração das preferências dos consumidores, com os viajantes a procurarem destinos e atividades autênticos, amigos do ambiente e culturalmente imersivos.

Globalização e conetividade: A melhoria das infra-estruturas de transporte e o aumento da conectividade através de companhias aéreas e plataformas digitais contribuem para a globalização do turismo, tornando diversos destinos mais acessíveis a um público mais vasto.

Turismo de saúde e bem-estar: A crescente atenção dada à saúde e ao bem-estar representa uma oportunidade para o mercado do turismo. Os viajantes procuram destinos e experiências que promovam o bem-estar, incluindo retiros de spa, resorts de bem-estar e atividades centradas na natureza.

Turismo gastronómico: O turismo gastronómico oferece uma oportunidade para o setor do turismo capitalizar o interesse crescente pela gastronomia. Os viajantes dão cada vez mais prioridade a destinos conhecidos por experiências culinárias únicas, cozinhas locais e eventos relacionados com a comida, contribuindo para o crescimento deste segmento de mercado de nicho.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.