Assine já
Luís Correia da Silva
“Desde novembro de 2019 que os campos de golfe não têm receitas”

Se em abril de 2020, as perspetivas do presidente do Conselho Nacional da Indústria do Golfe (CNIG), Luís Correia da Silva, apontavam para perdas na ordem dos 80% nas receitas, mais de um ano depois o cenário não mudou. A aposta, agora, aponta para 2022 para uma atividade responsável por mais de dois mil milhões de euros em receitas anuais.

“A maior parte dos jogadores é extremamente sensível ao preço”

A viver um bom momento, o golfe português enfrenta ainda alguns desafios, com destaque para a taxa de IVA a 23% e o Brexit, segundo Luís Correia da Silva, presidente do CNIG – Conselho Nacional da Indústria do Golfe.

Toda a informação sobre o sector do turismo, à distância de um clique.

Assine agora a newsletter e receba diariamente as principais notícias do Turismo. É gratuito e não demora mais do que 15 segundos.

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.