Assine já
Transportes

Alexandre Alves é o novo COO e CCO da Airways Aviation

A partir de 23 de janeiro, Alexandre Alves assume a dupla função de Chief Operations Officer (COO) e Chief Commercial Officer (CCO) no Airways Aviation Group.

Publituris
Transportes

Alexandre Alves é o novo COO e CCO da Airways Aviation

A partir de 23 de janeiro, Alexandre Alves assume a dupla função de Chief Operations Officer (COO) e Chief Commercial Officer (CCO) no Airways Aviation Group.

Publituris
Sobre o autor
Publituris
Artigos relacionados
Qatar Airways ganha prémios da Business Traveller
Transportes
Viajantes de negócios dispostos a voar menos
Destinos
Aumento de capital de 62 milhões previsto para a SATA concluído até final do ano
Transportes
Emirates regressa aos lucros, mas admite que “o horizonte não é isento de ventos contrários”
Transportes

Alexandre Alves junta-se ao Airways Aviation Group assumindo, a partir de 23 de janeiro, a dupla função de Chief Operations Officer (COO) e Chief Commercial Officer (CCO) e ficará com responsabilidades de apoiar as equipas de gestão globais e regionais em diversos níveis.

Em comunicado, o Airways Aviation Group refere encontrar-se “no meio de uma reorganização significativa, preparando-se para um crescimento substancial e para aumentar a sua rede de organizações de formação aeronáutica”.

Assim, reconhece que existe “uma necessidade premente de reforço dos meios, em particular humanos, para fortalecer as equipas das áreas de gestão, operações, marketing, vendas e desenvolvimento de negócio”.

Alexandre Alves desempenhou, até dezembro de 2022, as funções de Chief Commercial Officer (CCO) na Sevenair Academy além de ser membro do Executive Board do Sevenair Group.

Com mais de 35 anos de experiência, o Airways Aviation ESMA é o maior grupo de academias aeronáuticas privadas a nível mundial, presente em seis países de quatro continentes.

Com mais de 9.000 pilotos comerciais e mais de 12.000 tripulantes de cabine formados, a Airways Aviation possui mais de 60 aeronaves e uma área de treino de 350.000 km2.

Além disso, tem parcerias com a CAE Defense & Security, CAE Civil, Dynamic Advanced Training, Montpellier Business School, Halic University, University of Balamand, University of Southern Queensland, Southern Cross University, Griffith University, TAFE Queensland, TAFE NSW, e Aviationfly – Connecting Flight Schools with Aspiring Pilots.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Artigos relacionados
Turismo

OMT lança guia para acessibilidade com apoio de Portugal

Ferramenta anunciada na FITUR tem como foco empresas de acomodação, alimentação, conferências e exposições; objetivo é avaliar níveis de acessibilidade e desenvolver ou adaptar serviços. Portugal e Argentina apoiaram modelo.

A Organização Mundial do Turismo (OMT), e parceiros estão a desenvolver esforços para implementar um amplo padrão internacional para acessibilidade em todo o setor, criando um guia para turismo acessível, com o compromisso de reconhecer as necessidades dos viajantes que vivem com deficiência.

A ferramenta foi lançada durante a FITUR 2023, tendo a OMT apresentando novas ferramentas orientadas para a implementação da norma UNE-ISO 21902 sobre Turismo Acessível, em toda a cadeia de valor.

O guia tem como foco empresas de hospitalidade, alimentação, conferências e exposições, e servirá como ponto de partida para avaliar os níveis de acessibilidade e desenvolver ou adaptar os seus serviços.

O conjunto de normas é uma continuação das diretrizes publicadas em dezembro, com foco nas administrações públicas.

Segundo a OMT, o apoio do Turismo de Portugal e do Turismo da Argentina foi fundamental para a comunicação com governos e destinos, responsáveis de políticas, estratégias e planos de marketing turísticos.

A diretora-executiva da OMT, Zoritsa Urosevic, refere que a “acessibilidade é fundamental para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS)”.

A agência reforça ainda que a acessibilidade é “uma grande oportunidade de inclusão social e negócios à medida que a recuperação do turismo continua”.

Este novo guia foi produzido em colaboração com as principais organizações da sociedade civil e da indústria, como a Sustainable Hospitality Alliance, o International Circle of Hospitality Directors, Cidh, e a European Network for Accessible Tourism, Enat.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

Governo do Reino Unido atribui perto de 190 milhões de euros à produção de SAF

O Governo do Reino Unido está aposta em atingir o ano de 2050 com zero emissões de CO2 na aviação. Para tal, apoiará cinco projetos para a produção de SAF.

O Governo do Reino unido irá financiar cinco projetos que estão a trabalhar na produção de Sustainable Aviation Fuel (SAF) com 165 milhões de libras, cerca de 188 milhões de euros, nos próximos anos.

Estes cinco projetos, espalhados pelo território britânico, receberão este apoio do Advanced Fuels Fund (AFF) que faz parte da Estratégia Jet Zero para descarbonizar a aviação até 2050.

O departamento para a concorrência nos transportes AFF foi criado para apoiar o setor dos combustíveis britânico para desenvolver e iniciar a comercialização de tecnologias de produção de combustíveis inovadores capazes de reduzir significativamente as emissões na aviação a curto prazo, reforçando os projetos em andamento e alargar as opções tecnológicas.

Mark Harper, ministro dos Transportes, referiu na apresentação deste apoio aos cinco projetos que irão tornar os voos “amigos do ambiente uma realidade”.

Os projetos em questão terão a capacidade de produzir mais de 300 mil toneladas de SAF por ano uma vez iniciada a produção, reduzindo as emissões de CO2 em 200 mil toneladas numa média anual, avança o Governo britânico.

Até 2025, pelo menos cinco unidades comerciais de produção de SAF estarão em construção nos Reino Unido.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Governo italiano e Lufthansa iniciam negociações exclusivas relativamente à ITA Airways

Governo italiano e o Grupo Lufthansa entraram em negociações exclusivas para a venda/compra da ITA Airways. O negócio deverá estar finalizado até abril.

A Lufthansa e o Ministério das Finanças italiano assinaram uma declaração de intenções sobre a entrada do grupo alemão na ITA Airways, avança o site alemão airliners.de, iniciando, assim, negociações exclusivas entre o Governo italiano e o Grupo Lufthansa, relata o ministério.

O Tesouro assinou uma carta de intenções com a Lufthansa para vender uma participação minoritária, indicando a Lufthansa que “as partes iniciarão agora negociações sobre o desenho de uma possível participação”, tendo sido acordada a confidencialidade sobre os detalhes do conteúdo.

Segundo informações da Agência de Notícias Alemã, ainda não há valores específicos de compra no memorando de entendimento assinado pela Lufthansa, ministério e representantes da ITA, avançando que o negócio deve dar-se “por meio de um aumento de capital”.

A Lufthansa visava inicialmente uma participação minoritária, mas quer garantir opções para a aquisição das ações remanescentes ao entrar na empresa, tendo sido dados 60 dias úteis para as negociações exclusivas, para que um acordo final pudesse ser alcançado em abril, seguindo-se a revisão da Lei de Concorrência pela Comissão Europeia.

“As negociações podem estar concluídas até à Páscoa”, referiu fonte familiarizada com o processo à agência de notícias Reuters. De acordo com um decreto do Governo italiano, aprovado em dezembro, a Lufthansa deve concordar em fortalecer o hub Roma-Fiumicino e expandir os negócios de longo curso da ITA.

A Lufthansa anunciou na semana passada que inicialmente queria comprar uma participação minoritária na ITA com a opção de assumir a companhia aérea inteiramente sob certas condições. Segundo informações privilegiadas, trata-se de uma participação de cerca de 40%, pela qual a Lufthansa quer pagar 200 a 300 milhões de euros.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Fotos de banco de imagens por Vecteezy
Destinos

Residentes em Portugal viajaram mais no 3.º trimestre de 2022, mas números ainda estão aquém de 2019

Os residentes em Portugal realizaram 8,2 milhões de viagens ao longo do 3.º trimestre de 2022 (+5,8% comparado com o mesmo período de 2021). Se em território nacional se registou uma quebra (-0,6% face a período homólogo de 2021), as viagens ao estrangeiro cresceram 109%. Comparado com 2019, as viagens não recuperaram.

Victor Jorge

No 3.º trimestre de 2022, os residentes em Portugal realizaram 8,2 milhões de viagens, o que correspondeu a um acréscimo de 5,9% face ao mesmo período de 2021, mas ficou ainda a 5,8% face ao trimestre homólogo de 2019, indicam os dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

As viagens em território nacional corresponderam a 88,4% das deslocações (7,2 milhões), diminuindo 0,6% face ao 3.º trimestre de 2021, quebra menor que a registada face ao mesmo período de 2019, em que caíram 5,2%. Já as viagens ao estrangeiro, segundo avança o INE, cresceram 109%, encontrando-se ainda 10,6% abaixo dos níveis de 2019, totalizando 950,6 mil viagens.

Lazer domina viagens
O “lazer, recreio ou férias” foi a principal motivação para viajar no 3.º trimestre de 2022, contabilizando 5,5 milhões de viagens, +1,5% face ao 3.º trimestre de 2021, mas inferior em 4,9% face ao mesmo período de 2019, apesar da redução de representatividade (66,9% do total, -2,9 p.p.2 face ao 3.º trimestre 2021).

As deslocações nacionais referentes a esta motivação totalizaram 4,7 milhões de viagens (65,5%; -5 p.p.), enquanto as deslocações ao estrangeiro contabilizaram 737,7 mil viagens (77,6%; +18,8 p.p.).

Seguiu-se o motivo “visita a familiares ou amigos”, que cresceu 11,7% (-6,4% em relação ao 3.º trimestre de 2019), tendo atingido 2,2 milhões de viagens (26,4% do total, +1,4 p.p.). Neste capítulo foram realizadas internamente dois milhões de viagens correspondendo a 28,1%, +3,1 p.p.) enquanto ao estrangeiro realizaram mais de 129 mil viagens (13,6%, -12,4 p.p.).

Os “hotéis e similares” concentraram 31% das dormidas resultantes das viagens turísticas dos residentes no 3.º trimestre de 2022, reforçando a sua representatividade (+1,7 p.p.) e superando os níveis pré-pandemia (+3,7 p.p. face ao 3.º trimestre de 2019). O “alojamento particular gratuito” manteve-se como a principal opção de alojamento (54,5% das dormidas, -2,2 p.p.).

Preferência vai para julho
Analisando os três meses que compõem o trimestre, o INE refere que o número de viagens aumentou em todos: +10,6% em julho, +4,7% em agosto e +1,9% em setembro. Face aos mesmos meses de 2019, apenas em julho se registou um ligeiro acréscimo (+0,7%), dado que em agosto e setembro se observaram reduções de 9,2% e 7,4%, respetivamente.

No 3.º trimestre de 2022, 45,2% das viagens foram efetuadas recorrendo à marcação prévia de serviços (+3,3 p.p.), proporção que atingiu 94% (+10,8 p.p.) no caso de deslocações ao estrangeiro e 38,8% nas viagens em território nacional (-0,5 p.p.).

A internet foi utilizada na organização de 29,9% das deslocações (+4,6 p.p.), tendo este meio sido opção em 66% (+0,7 p.p.) das viagens ao estrangeiro e em 25,1% (+2,3 p.p.) das viagens em território nacional.

Os dados do INE mostram ainda que no 3.º trimestre de 2022, cada viagem teve uma duração média de 6,05 noites (6,17 no 3.º trimestre de 2021; 5,76 no 3.º trimestre de 2019). A duração média mais baixa foi registada no mês de setembro (4,04 noites), enquanto a mais elevada ocorreu em agosto (6,68 noites).

No 3.º trimestre de 2022, 40% dos residentes realizaram pelo menos uma deslocação turística, +0,7 p.p. face ao 3.º trimestre de 2021 (-2,3 p.p. comparando com o 3.º trimestre de2019). Numa análise mensal, registaram-se aumentos na proporção de residentes que viajaram em julho e agosto (+2,2 p.p. e +0,7 p.p., respetivamente, face aos mesmos meses de 2021), tendo diminuído ligeiramente em setembro (-0,1 p.p.). Em comparação com os mesmos meses de 2019, as variações observadas foram de -0,6 p.p., -1,6 p.p. e -1,3 p.p., respetivamente.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Destinos

Banco de Espanha refere expectativas “um tanto cautelosas” para o turismo espanhol para os próximos meses

O Banco de Espanha refere no seu primeiro relatório que o turismo em no país consolidou a recuperação, mas que ainda estão distante dos números de 2019. Para o futuro, o agravamento das perspectivas económicas globais condicionam a performance do setor, salientando a entidade que são necessários “investimentos para reformar e melhorar áreas turísticas, particularmente os pontos mais saturados e maduros”.

Victor Jorge

Depois de publicado o primeiro boletim económico referente ao setor do turismo, o Banco de Espanha (BdE) salienta a “consolidação da recuperação para níveis pré-pandemia, após a eliminação de, praticamente, todas as restrições à mobilidade internacional”, revelando, no entanto, que “os níveis de afluência de turistas ainda não recuperou na totalidade face a 2019, devido à debilidade registada no turismo de longo curso, em particular na Ásia”.

Não obstante, as receitas turísticas alcançaram já níveis pré-pandemia, impulsionados, em parte, por uma maior atração de turismo com maior capacidade de compra, refletindo “o aumento do peso relativo do alojamento hoteleiro de maior qualidade”.

As perspetivas de curto prazo “são positivas”, avança o BdE, em linha com a evolução dos indicadores de tráfego aéreo, embora o balanço de riscos apresente indicadores de uma baixa, devido à “deterioração das perspetivas económicas nos principais mercados emissores de turistas e a alta dos preços, que reduz a capacidade de gasto das famílias”, frisa o BdE.

A longo prazo, a evolução do turismo internacional está “condicionada pela possibilidade do setor continuar a melhorar a sua capacidade de atração de turistas com maior perfil de gasto, o que requer a consolidação de ganhos de qualidade e aprofundar a diversificação da oferta turística”, diz o BdE.

Globalmente, o Banco de Espanha refere que as expectativas para os próximos meses são “um tanto cautelosas, dada a incerteza relativamente ao agravamento das perspectivas económicas e aumento da inflação”.

Segundo a entidade bancária, a eliminação das restrições à mobilidade internacional entre os principais mercados de origem dos turistas para a Espanha ao longo de 2022 consolidou uma notável reativação dos fluxos turísticos. Assim, as chegadas de turistas não residentes a Espanha no verão, como um todo, ficaram 10,8% abaixo dos valores do mesmo período de 2019, ano em que foram atingidos máximos históricos, face a uma diferença de 50,4% na temporada de verão de 2021. No entanto, durante todo o verão, registou-se uma moderação da tónica de reativação da afluência de turistas internacionais, pelo que em setembro foi 11,6% inferior ao alcançado em 2019.

Poder de compra como “fator condicionante”
As perspetivas estão envoltas numa “grande incerteza”, diz o BdE. Por um lado, os fatores de suporte para a procura de viagens internacionais, como a procura estagnada e o rendimento acumulado durante a pandemia, previsivelmente “perderão força nos próximos meses”. Por outro lado, tenderão a exercer mais influência os fatores mais desfavoráveis que caracterizam a situação atual, entre os quais o destaque vai para a “evolução e repercussões da guerra na Ucrânia, a deterioração das perspectivas económicas dos principais mercados emissores de turistas e a erosão da capacidade do poder de compra das famílias causada pelo aumento da inflação”, salienta o relatório.

Na verdade, o BdE admite que “esses fatores negativos poderão estar a começar a concretizar-se na evolução mais desfavorável em outubro das pernoites em hotéis de britânicos e, principalmente, de alemães”.

Além disso, refere que “a perda do poder de compra pode levar a uma perda de atratividade em comparação com destinos alternativos do Mediterrâneo com níveis de preços mais baixos”. A esses fatores, o relatório acrescenta “a vulnerabilidade do setor turístico espanhol a episódios de fraqueza da libra esterlina”, dado que o Reino Unido constitui o primeiro mercado de origem de turistas do país.

Num horizonte de médio prazo, o turismo internacional em Espanha está fortemente dependente do transporte aéreo, cujo custo pode “encarecer no contexto da transição verde em que a UE está imersa, o que pode levar a um aumento dos custos dos voos devido às emissões geradas por este meio de transporte com tecnologia atual”, salienta o BdE. Esses possíveis efeitos poderiam afetar “mais intensamente o turismo de longa distância, no qual o peso das despesas com o transporte aéreo é elevado e, em certos segmentos das viagens de negócios, já que as empresas poderiam reduzir esse tipo de viagem para diminuir a pegada de carbono dos seus colaboradores”.

Adicionalmente, o BdE refere no relatório que “persistem dúvidas sobre o nível de equilíbrio do turismo de negócios, apesar do seu comportamento positivo ao longo de 2022, face aos progressos registados devido à digitalização da atividade empresarial, e o turismo asiático, que ainda permanece muito distante dos níveis pré-pandêmicos”.

Apesar destas fontes de incerteza, o relatório do Banco de Espanha destaca que Espanha é um destino turístico “atraente, pela sua perceção de destino seguro e pela qualidade das suas infraestruturas”.

Para manter essa atratividade, diz o BdE, “são necessários investimentos para reformar e melhorar áreas turísticas, particularmente os pontos mais saturados e maduros”. O Banco de Espanha salienta ainda que “o crescimento da receita do turismo poderia ser fortalecido com uma maior atração de um turismo com maior gasto médio”. Este objetivo exige, segundo o BdE, “preservar a melhoria da qualidade percebida dos serviços, reforçar a atratividade de Espanha como destino de negócios, urbano e cultural e adaptar-se a uma procura cada vez mais canalizada pelos meios digitais e vocacionado para um turismo mais personalizado, experiencial e com maior compromisso com sustentabilidade ambiental”.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Transportes

Autoridades britânicas alertam viajantes da UE para impactos da greve dos serviços de fronteiras no Reino Unido no dia 1 de fevereiro

O Reino Unido viverá no próximo dia 1 de fevereiro um dia de greve que, segundo as autoridades britânicas, impactará os aeroportos e portos.

Publituris

O equivalente ao Ministério da Administração Interna do Reino Unido e respetivo Controlo de Fronteiras alertaram os viajantes provenientes da união Europeia (UE) para tempos de espera prolongados nos aeroportos e portos britânicos devido à greve anunciada pelos serviços públicos do Reino Unido para dia 1 de fevereiro.

Mais de 100.000 membros do Public and Commercial Services Union (PCS), em ma9s de 123 empregadores, irão manifestar-se no primeiro dia de fevereiro, com impacto nos ministérios, museus, portos e aeroportos.

Segundo informação avançada pelo site SchengenVisaInfo.com, também os controlos de Calais, Dunkirk e Coquelles no norte de França serão afetados.

As autoridades britânicas já informaram que irão enviar militares, funcionários públicos e voluntários afetos ao Governo para auxiliar o Controlo de Fronteiras em todos os portos e aeroportos impactados pela greve, admitindo, no entanto, que os atrasos serão inevitáveis.

“Se viajar para o Reino Unido via qualquer ponto de entrada, deverá preparar-se para disrupções e obter informação antes da viagem”, refere as autoridades britânicas numa nota de imprensa, adiantando que a grave deverá durar até dia 2 de fevereiro de manhã.

De referir que os agentes de Controlo de Fronteiras não serão os únicos em greve no dia 1 de fevereiro, alastrando-se a greve a profissionais da ferrovia, escolas, universidades, entre outros.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Aumento da procura faz Emirates adicionar mais dois voos para a Austrália

A Emirates voltará a operar, ao mesmo nível que estava antes da pandemia, para Sydney e Melbourne, aumentando para 63 os voos semanais para a Austrália.

Publituris

A Emirates vai aumentar a sua operação para duas grandes cidades australianas: Sydney e Melbourne. A companhia aérea também retomará os serviços para Christchurch, na Nova Zelândia, via Sydney.

A partir de 26 de março, Melbourne passará de dois para três voos diários via Singapura, e com um terceiro voo direto a retomar também em Sydney a partir de 1 de maio. O aumento da operação vem no seguimento do recente anúncio da companhia aérea sobre os dois voos diários para Brisbane, com início a partir de 1 de junho. “Este aumento aparece numa altura de muita procura por viagens aéreas e num período em que a companhia aérea reafirma o seu compromisso em aumentar os seus serviços de e para a Austrália”, refere a companhia, em comunicado.

Os dois voos irão operar num Boeing-777 de três classes, oferecendo aos passageiros lugares na Classe Económica, Executiva e Primeira Classe.

Até meados do ano, a Emirates estará a operar 63 voos semanais para a Austrália, com capacidade para transportar mais de 55.000 passageiros por semana de e para as suas principais cidades.

O terceiro voo recentemente retomado entre o Dubai e Melbourne significa que a Emirates está a fornecer uma nova opção de conectividade entre Singapura e Melbourne, para servir uma forte procura entre ambas as cidades.

A partir de 1 de maio de 2023, a Emirates acrescentará um terceiro voo diário entre o Dubai e Sydney, operado por um Boeing 777-300ER. O voo EK416 da Emirates partirá do Dubai às 21h30, chegando a Sydney às 17h20 do dia seguinte. O voo de regresso EK417, partirá de Sydney às 21h30, chegando ao Dubai às 04h30. A companhia aérea serve atualmente Sydney com dois voos diários e ambos os voos oferecem aos seus clientes a aclamada experiência Premium Economy.

A ligação Dubai a Melbourne, via Singapura, com início a 26 de março de 2023, será operada como EK404 utilizando um Boeing 777-300ER e partirá do Dubai às 21h15, chegando a Singapura às 08h50. O voo seguirá então para Melbourne, descolando às 10h25 de Singapura, chegando às 20h35 – hora local. O voo de regresso ao Dubai EK405 descola de Melbourne às 03h25, chegando a Singapura às 08h15. O voo parte então para o Dubai às 09h40, chegando às 13h00 – hora local.

A Emirates reiniciará, também, os serviços para Christchurch via Sydney a partir de 26 de março de 2023, e o voo A380 operará como EK412 e EK413.

O voo EK412 parte do Dubai às 10h15, chegando a Sydney às 07h00. O voo continuará, partindo de Sydney às 08h45, chegando a Christchurch às 13h50. O voo EK413 parte de Christchurch às 18h20, chegando a Sydney às 19h40. Por fim, o voo EK413 partirá para o Dubai às 21h45, chegando às 05h15 – hora local.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Iberia alarga ao Belize a rede de destinos na América Central com acordo com TAG Airlines

Iberia e TAG Airlines assinaram um acordo que reforça a aposta da companhia aérea espanhola na América Latina.

Publituris

A Iberia e a TAG Airlines, companhia de bandeira da Guatemala, assinaram um acordo que permite a cada companhia comercializar bilhetes e voos entre si, com o objetivo de impulsionar a conectividade entre a Guatemala e a Europa.

Com este acordo, a Iberia incorpora o Belize como novo país da América Central ao mesmo tempo que poderá oferecer novos destinos no interior da Guatemala como a zona arqueológica de Tikal, Flores ou Puerto Barrios, entre outros.

Através desta parceria, os viajantes guatemaltecos, que têm com origem o país da América Central, poderão conectar-se com mais de 100 destinos na Europa.

Víctor Moneo, diretor de Alianças e Acordos Estratégicos da Iberia, refere que este acordo com a TAG Airlines “é um exemplo mais da aposta na América Latina, uma região que é chave para nós”. O responsável salienta ainda, em comunicado, que “na Guatemala incrementámos as nossas frequências de voos e já contamos com uma maior variedade de opções para os clientes que queiram viajar dentro do país e para a Europa”.

Recorde-se que na FITUR, realizada de 18 a 22 de janeiro, em Madrid, foi assinada uma Carta de Intenção com o Instituto Guatemalteco do Turismo (INGUAT), com o objetivo de um trabalho conjunto numa campanha de promoção turística para 2023.

200.000 lugares entre Guatemala e Espanha
A Iberia tem vindo a reforçar a sua posição na Guatemala, tendo aumentado, recentemente, as frequências de voo para sete, o que devolvo um voo diário à conectividade entre ambos os países.

Este aumento de capacidade, que começou a crescer em janeiro de 2023, pressupõe a recuperação total dos números que a Iberia possui antes da pandemia, permitindo à companhia espanhola aumentar para quase 200.000 os lugares entre Guatemala e Espanha ao longo deste ano.

A conectividade da Iberia com a América Latina é muito forte e volta a ser uma das apostas da companhia aérea espanhola em 2023. Com 18 destinos em 16 países e uma oferta de 260 voos semanais, a Iberia reconhece que esta região do mundo é central na sua estratégia corporativa.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Nova plataforma cidadã defende Aeroporto de Beja como “complemento” ao de Lisboa

Uma nova plataforma cidadã constituída em prol do Aeroporto de Beja vai entregar um documento à comissão técnica independente sobre o novo aeroporto de Lisboa que defende a infraestrutura alentejana como “solução sustentável” para o país.

Publituris

“Nenhum alentejano diz que o Aeroporto de Beja é para substituir o de Lisboa”, mas que “tem condições para ser o complemento do Aeroporto de Lisboa, através da ferrovia”, salientou Manuel Valadas, da comissão dinamizadora da plataforma cidadã Sim ao Aeroporto Internacional de Beja.

A nova plataforma é apresentada publicamente esta sexta-feira, 27 de janeiro, na Casa do Alentejo, em Lisboa, às 11:30, e junta representantes de vários movimentos em defesa do Alentejo, tendo o apoio técnico de diversos especialistas.

Em comunicado, os promotores da iniciativa revelaram que vão elaborar um memorando estratégico para entregar à Comissão Técnica Independente que é responsável pela análise estratégica e multidisciplinar do novo aeroporto de Lisboa.

Este memorando, que vai ser entregue à comissão até final deste mês, será “sobre a necessidade de incluir a utilização do Aeroporto Internacional de Beja como a solução sustentável e resiliente” para “responder às necessidades aeroportuárias do país”.

Segundo Manuel Valadas, o objetivo da iniciativa “é criar condições para que o Aeroporto de Beja funcione”.

“E, neste documento que vamos entregar, dizemos como isso vai ser feito e o que é que pretendemos que isto represente para a região do Alentejo e para o país”, acrescentou.

Este responsável disse ainda que o Aeroporto de Beja deve ser “um elo de desenvolvimento estratégico para a região”, nomeadamente como “plataforma para os negócios, para as exportações, para as pessoas e para as empresas da região”.

Para tal, Manuel Valadas pediu também o “apoio das câmaras municipais da região, do tecido empresarial e, fundamentalmente, das pessoas”.

“Porque a cidadania tem de fazer o seu trabalho e o Alentejo tem de ser capaz de trabalhar em conjunto”, defendeu.

No comunicado, a plataforma deixou alguns dos argumentos em prol da utilização do aeroporto da cidade alentejana, nomeadamente o facto de se tratar de um equipamento já construído e “sem restrições de expansão”.

A infraestrutura está “preparada para tráfegos aéreos de passageiros e mercadorias, de médio e longo curso”, disse, acrescentando que está oficialmente reconhecida como um dos quatro aeroportos situados em Portugal continental e “tem a vantagem de reunir as condições de exploração imediata”.

O Aeroporto de Beja “possui condições geográficas e capacidade para servir diretamente uma ampla região do Alentejo e Espanha, como complementarmente os Aeroportos de Faro e Lisboa, face à sua eminente saturação”, elencou também a plataforma de cidadãos, entre outras vantagens enumeradas.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Gastos com cartões estrangeiros em Portugal aumentam 69% face a 2019. No alojamento crescem 30%

Os números avançados pela SIBS relativamente aos gastos com cartões de pagamento estrangeiros em Portugal, em 2022, indicam uma clara subida em valor e volume. A subida no alojamento foi superior a 30% e na restauração de 74%.

Victor Jorge

De acordo com a SIBS, o número de transações anuais com cartões estrangeiros em Portugal mais do que duplicou, em 2022, em comparação com 2021, totalizando quase 126 milhões de transações, correspondendo a +106,5% face a 2021 e mais 68,9% em comparação com 2019.

Já quanto ao volume total de compras que se cifrou nos 5.598 milhões de euros, a SIBS indica que ficou 92,9% acima do registado em 2021 e mais 36,1% face ao ano de 2019.

Contudo, valor médio de transação baixou relativamente aos outros dois anos em análise, com a comparação com 2021 a indicar uma quebra de 6,6%, enquanto face a 2019 essa descida foi de 8,8%.

As transações em compras com cartões bancários estrangeiros, em 2022, ficaram marcadas por dois aspetos, já que, com exceção de janeiro, em todos os outros meses foram registados máximos absolutos. Em comparação com os meses homólogos de 2019, janeiro foi o que registou menores ganhos. Um segundo aspeto apontado pela SIBS refere que, a partir do 2.º trimestre a utilização de cartões bancários para compras aumentou mais de 70% relativamente ao meses homólogos de 2019.

No global, a distribuição regional das transações não foi equitativa, indicando a SIBS que a Área Metropolitana de Lisboa concentrou mais de 40% do total de transações; o Algarve e a Região Norte ficaram numa posição intermédia, cada uma com cerca de 20% do valor total; e os Açores e o Alentejo foram as regiões com menor número de transações, ambas abaixo dos 3%.

Globalmente, a distribuição das transações por mercado de origem assume uma evidente hierarquização, com a liderança a ser partilhada pelo Reino Unido e pela França com quotas próximas dos 15%. Espanha ocupa a posição seguinte, com uma quota de 11%; os EUA ultrapassaram, ainda que muito ligeiramente, a Alemanha, ocupando respetivamente o 4.º e 5.º lugares entre os principais mercados emissores.

Tal como nas transações, a distribuição regional dos consumos não foi equitativa, tendo a Área Metropolitana de Lisboa concentrado perto de 40% dos gastos totais; o Algarve, com 24%, e a Região Norte, com 19%, ficaram em posições intermédias. Já os Açores e o Alentejo foram as regiões com menores valores gastos, ficando ambas as regiões entre os 2,5% e os 3,5%.

A distribuição dos consumos, por mercado de origem, também evidencia uma clara hierarquização com o Reino Unido e a França ocupam as posições cimeiras, com quotas a rondar os 15%; os EUA posicionaram-se em 3.º lugar, como líderes destacados entre os mercados intercontinentais, com 11%. Alemanha e Espanha, apesar de aumentarem as suas quotas face a anos anteriores, são ultrapassadas pelos EUA.

O gasto médio em compras com cartões bancários estrangeiros em 2022 reforçou a tendência de “diminuição já verificada em anos anteriores”, sendo o valor mais reduzido desde 2019. “Na origem desta tendência e do crescimento significativo do número de operações está a generalização do uso do cartão bancário como meio de pagamento mais utilizado, mesmo para despesas mais correntes e de baixo valor”, refere a SIBS.

A distribuição regional dos gastos médios, tal como os outros indicadores, também mostrou diferenças. Os Açores e o Algarve apresentam o valor médio por compra mais elevado, superior a 50€; o Alentejo, a Região Centro e a Madeira ficaram em posições intermédias, com montantes entre 45 e 50€; a Área Metropolitana de Lisboa registou o valor médio por compra mais baixo, pouco acima dos 40€.

A distribuição dos gastos médios, por mercado de origem, ao contrário dos outros indicadores, mostra um relativo equilíbrio, com os EUA a posicionaram-se como líderes absolutos, com um gasto médio próximo dos 60€; seguem-se França, Reino Unido e Alemanha, com valores pouco acima de 40€.

Gastos em alojamento a crescer a partir do 2.º trimestre
Em 2022, os gastos em compras com cartões bancários estrangeiros no alojamento foram sempre crescentes até agosto, mês em que foi atingido o valor máximo.

Os dados da SIBS mostram um valor acumulado, em 2022, de 1,526 milhões de euros, comparando com os 1.166 milhões de 2019, representando, assim, uma evolução de mais de 30%, enquanto com o ano de 2022 (580 milhões de euros), esse crescimento cifra-se acima dos 160%.

Comparando com os meses homólogos de 2019, registaram-se ganhos relativos a partir do início do 2.º trimestre. Os meses de julho e agosto apresentaram ganhos relativos quase 50% superiores face aos meses homólogos de 2019.

A distribuição relativa dos gastos em alojamento, por região, evidencia, mais uma vez, uma marcada hierarquia entre regiões, com a Área Metropolitana de Lisboa a representar quase 40% dos gastos; o Algarve conquistou a 2.ª posição, com uma quota de 27%; os Açores (4%) e o Alentejo (2%) foram as regiões com menores gastos relativos em serviços de alojamento.

A distribuição dos consumos em alojamento, por mercado emissor, evidencia uma liderança partilhada pelos EUA e Reino Unido que superam claramente os maiores mercados europeus.

Neste ponto, tal como na globalidade da análise da SIBS, o valor médio gasto desce face a 2019, passando de 172,8 euros para 153,6 euros.

Já na restauração, os gastos em compras com cartões bancários estrangeiros foram, em 2022, sempre crescentes até ao mês de agosto, altura em que foi atingido o valor máximo.

No acumulado do ano 2022, a SIBS indica um valor de 1.685 milhões de euros, o que compara com os 688,5 milhões de 2021 e com os 965,5 milhões de 2019.

Comparando com os meses homólogos de 2019, registaram-se ganhos relativos logo desde o início do ano. Em todos os meses do 2.º semestre, os ganhos relativos tiveram aumentos pelo menos 75% superiores face aos meses homólogos de 2019.

Quanto ao valor médio por compra, esta cifrou-se nos 30,3 euros, enquanto em 2021 estava nos 32,3 euros e, em 2019, nos 36,6 euros.

A distribuição relativa dos gastos em restauração, por região, evidencia uma forte hierarquia entre regiões, com a Área Metropolitana de Lisboa representou cerca de 44% dos gastos; o Algarve ocupou a 2.ª posição, com 26%; os Açores (2,5%) e o Alentejo (2%) foram as regiões com menores gastos relativos em serviços de restauração.

Quanto à distribuição dos consumos por mercado emissor evidencia uma liderança destacada do Reino Unido, secundado pela França e pelos Estados Unidos da América que superam Espanha e Alemanha.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.