Assine já
Turismo

Otimismo cauteloso

O Publituris ouviu Eduardo Santander, diretor-executivo da European Travel Commission (ETC), e Julia Simpson, CEO e presidente do World Travel & Tourism Council (WTTC), que fizeram um balanço positivo relativamente a 2022, com as devidas “cautelas” para 2023.

Victor Jorge
Turismo

Otimismo cauteloso

O Publituris ouviu Eduardo Santander, diretor-executivo da European Travel Commission (ETC), e Julia Simpson, CEO e presidente do World Travel & Tourism Council (WTTC), que fizeram um balanço positivo relativamente a 2022, com as devidas “cautelas” para 2023.

Victor Jorge
Sobre o autor
Victor Jorge
Artigos relacionados
Terminado 2022, que 2023 espera o turismo?
Turismo
Indústria do turismo e viagens perdeu 4,5 biliões de dólares em 2020
Análise
ETC e Google juntam-se para fortalecer recuperação do turismo europeu
Análise
Turismo criará 126 milhões novos empregos na próxima década
Turismo

Com o final de 2022 a ditar uma recuperação do turismo a nível internacional, embora ainda longe dos números de 2019, o gradual levantamento das restrições referentes à COVID-19 fizeram com que “o mundo regressasse às viagens”.

Eduardo Santander, diretor-executivo da European Travel Commission (ETC), admite que “o turismo europeu enfrentou com sucesso os desafios que foram sendo colocados”, salientando que muitos destinos na Europa registaram “uma forte recuperação”, indicando que o Velho Continente deverá ficar, em 2022, “a 75% dos volumes de 2019”. Contudo, admite que “este ainda foi um ano difícil para o setor”, com a recuperação a ser impactada pela “guerra na Ucrânia, falta de pessoal e aumentos nos custos de vida”.

A Europa tem de reconstruir um setor que coloque as comunidades locais e o ambiente no centro do desenvolvimento, Eduardo Santander (ETC)

Também Julia Simpson, CEO e presidente do World Travel & Tourism Council (WTTC), destaca “o bom ano de 2022 para o setor do turismo e viagens”, referindo que, com algumas exceções, “o mundo voltou a viajar”. No entanto, frisa que “a pandemia ensinou-nos que não podemos descansar sob os bons resultados obtidos”, sendo necessários “planos sustentáveis para construir uma resiliência a longo prazo”. Assim, admite que o setor do turismo e das viagens está “ciente das suas responsabilidades quando se trata de sustentabilidade”, até porque considera que “a nossa atividade depende de pessoas a visitar locais bonitos, sendo que o nosso futuro está inextricavelmente ligado”.

Recuperação mais lenta
Quanto ao futuro, mais concretamente, ao ano de 2022, Eduardo Santander diz-se “otimista, mas cauteloso”, admitindo que a recuperação na Europa “continuará, mas a um ritmo mais lento”, já que questões como a inflação poderá influenciar os gastos do consumidor e na procura turística na Europa”.

No entanto, é “encorajador ver que os europeus ainda continuam ansiosos para viajar, apesar das preocupações financeiras”, salientando que a ETC espera que “as viagens de curta distância sejam uma tábua de salvação para o setor, já que mais viajantes podem escolher viagens mais curtas e próximas”. Isso pode até ser “benéfico” para a Europa, já que as férias dentro da Europa e domésticas “tendem a ser mais baratas do que as alternativas distantes”, salientando ainda que “as viagens dos EUA, impulsionadas pelo dólar forte e maior conectividade, também continuarão a apoiar os destinos europeus”.

Do lado do WTTC, o fim das restrições às viagens é apontado como um fator crucial, embora reconheça que países como a China continuem a limitar essas mesmas viagens e que, por isso, “impeçam uma recuperação mais acelerada”.

A pandemia ensinou-nos que não podemos descansar sob os bons resultados obtidos, Julia Simpson (WTTC)

Catalisador de mudança
Para 2023, Julia Simpson indica que o setor deverá a utilizar a sua posição única para produzir “ações positivas para restaurar a natureza e ser um catalisador de mudança”. A responsável pelo WTTC destaca que “as viagens e a natureza estão intimamente ligadas”, já que milhões de pessoas viajam para explorar essa mesma natureza, frisando os “mais de 340 mil milhões de dólares (cerca de 320 mil milhões de euros) e 21 milhões de empregos que este tipo de turismo sustenta a nível mundial”.

Do lado europeu, Eduardo Santander salienta que o principal desafio passa por “incentivar destinos e empresas na Europa a manter a sustentabilidade em mente”. Assim, conclui que, “à medida que continuamos a navegar pelos riscos trazidos pela incerteza global, é crucial cumprir as promessas feitas durante o COVID-19. A Europa tem de reconstruir um setor que coloque as comunidades locais e o ambiente no centro do desenvolvimento. O turismo deve esforçar-se para ser uma força para o bem de todos – viajantes, trabalhadores e cidadãos”, termina.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Artigos relacionados
Turismo

SETCS admite que próximo ciclo de fundos europeus “será o maior de sempre” e anuncia 3.ª edição do REVIVE

O secretário de Estado do Turismo, Comércio e Serviços (SETCS), Nuno Fazenda, admitiu que, somando os apoios do Portugal 2020 com o PRR e do Portugal 2030, “são mais 90% de apoios para as empresas”. Para 2023, e segundo o Banco de Portugal, as estimativas apontam para que “as exportações do turismo português cresçam 8,3%”.

Victor Jorge

O secretário de Estado do Turismo, Comércio e Serviços (SETCS), Nuno Fazenda, revelou esta terça-feira, 24 de janeiro, que o próximo ciclo de fundos europeus “será o maior de sempre”. Se no Portugal 2020, existe uma exigência de execução anual de dois a três mil milhões de euros, para o próximo ciclo, “esse valor passa para seis mil milhões de euros por ano, revelou o SETCS, o que, segundo o mesmo, “somando os apoios do Portugal 2020 com o PRR e o Portugal 2030, são mais 90% de apoios para as empresas”.

Mas ainda existe mais dinheiro, já que no PRR, “temos 151 milhões de euros para apoio ao turismo”, existindo ainda apoios transversais que incluem o setor do turismo: transição digital no valor de 600 milhões de euros.

No domínio da eficiência energética também existem apoios significativos, com o “Repower EU” a disponibilizar mais de 700 milhões de euros”, o que levou Nuno Fazenda a destacar que, quer no curto prazo, quer no médio e longo prazo as empresas terão instrumentos que garantem o seu crescimento e competitividade”.

Falando no almoço promovido pela Associação da Hotelaria de Portugal (AHP), o SETCS começou por frisar a importância económica e social do turismo em Portugal que, sendo a maior atividade exportadora do país, representa 20% das exportações de bens e serviços”.

Nuno Fazendo reconheceu, no entanto, que o setor do turismo “não está com força agora”, relembrando que nos últimos 10 anos, ou melhor, na década anterior a 2019, o turismo cresceu acima dos 10% ao ano nas receitas, mas que, em 2022, “o turismo deu a volta”.

No discurso dirigido aos associados da AHP, o SETCS salientou que “temos de ter a ambição de fazer mais e melhor. Temos de ter a ambição de liderar o turismo do futuro e isso significa ter um turismo mais sustentável, mais inclusivo, mais tecnológico e mais coeso”.

Para tal, Nuno Fazendo apontou cinco prioridades: “pessoas, empresas, investimento, território e reforço da notoriedade de Portugal e das suas regiões enquanto destino turístico”.

O secretário de Estado admitiu a necessidade de “atrair recursos humanos para o setor com mais qualificações”, destacando o que dissera na sua primeira intervenção pública, depois de assumir o cargo, e que passa pela apresentação de uma “agenda para a qualificação e atração de talento para o setor do turismo”.

Mas além do ‘matching” que deverá ser feito entre a procura e oferta de emprego, Nuno Fazenda frisou, igualmente, a importância da “valorização dos salários”, focando o acordo alcançado na Concertação social, salientando que, no turismo, “existem empresas que vão, inclusivamente, além do acordo com proposta salariais mais altas”.

O secretário de Estado do Turismo, Comércio e Serviços revelou, também, que será lançada uma 3.ª edição do programa REVIVE que contemplará entre 15 a 20 imóveis, salientando que esta iniciativa “promoverá o investimento”.

No que diz respeito às empresas, Nuno Fazendo destacou o programa Apoiar.pt que dotou com mais 70 milhões de euros o apoio, revelando que as empresas dos transportes turísticos serão enquadradas para receber esses apoios. O SETCS evidenciou, também, o “Consolidar +Turismo”, destinado às Micro e Pequenas Empresas, linha que é de crédito, mas que admitiu “não será para criar mais dívida”.

“Trata-se de uma linha de apoio sem juros para aquelas empresas que tenham contraído empréstimos ao longo da pandemia” e que, a partir de 1 de fevereiro, podem apresentar candidaturas para, cada uma, aceder a 40.000 euros sem juros.

O governante deixou bem claro que, “para desenvolvermos o nosso turismo, teremos de assegurar a preservação e valorizar a matéria-prima. E a matéria-prima do turismo são os nossos recursos naturais e culturais”. Por isso, Nuno Fazenda referiu que “temos de apostar no território interior”.

Finalmente, no que diz respeito ao reforço da notoriedade de Portugal e das suas regiões enquanto destino turístico, o secretário de Estado afirmou que “queremos continuar a afirmar Portugal como um dos principais destinos turísticos do mundo e, por isso mesmo, teremos a promoção da marca Portugal, mas também das suas regiões e dos seus territórios”.

Para tal, Nuno Fazendo destacou o protocola assinada no final de 2022, com mais de 20 milhões de euros para a promoção externa das diversas regiões, tendo revelado a realização do pagamento de 50% desse protocolo para dar “estabilidade às agências de promoção externa para fazer o seu trabalho”.

Para concluir, o SETCS destacou ainda a necessidade de “restabelecer e reforçar a conectividade aérea”, que segundo o mesmo ainda está a 6% do que tínhamos em 2019.

“O propósito é concretizar e as perspectivas são boas, já que, segundo o Banco de Portugal, em 2023, as exportações do turismo português deverão crescer 8,3%”, terminou Nuno Fazenda.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Turismo

Ministro da Economia antecipa receitas de 22 MM€ no turismo em 2022

O ministro da Economia, António Costa Silva, revelou que as receitas do turismo atingiram os 22 mil milhões de euros em 2022, superando em 20% o valor registado em 2019, naquele que foi considerado o melhor ano turístico.

Publituris

“Portugal terminou o ano de 2022 com 22.000 milhões de euros, o que é absolutamente extraordinário porque, num ano, não só recuperámos aquilo que fizemos em 2019, como superámos os resultados em mais 20%”, disse o ministro da Economia e do Mar, António Costa e Silva.

Ao intervir na sessão de encerramento da inauguração da nova Escola de Hotelaria e Turismo de Portimão (EHTP), o governante lembrou que o turismo, “um dos motores do desenvolvimento da economia do país, foi altamente flagelado pela pandemia, quase paralisado durante dois anos, conduzindo a uma grande desmotivação” dos agentes económicos.

“Havia muita gente que dizia que para recuperarmos os números de 2019 iríamos demorar três, quatro ou cinco anos, mas conseguimos recuperar durante o ano passado”, sublinhou.

António Costa Silva afirmou que para Portugal “atingir um dos objetivos de ser o destino mais sustentável do mundo, um dos de maior qualidade, “é necessário trabalhar em conjunto, desenvolvendo redes colaborativas”.

“Se construirmos estas plataformas, se tivermos desígnios claros, nós podemos transformar a vida das nossas comunidades, criar riqueza e alinhar o país, sintonizar o país com o futuro”, apontou.

Na opinião do titular da pasta da Economia, “ainda existe preconceito no país em relação ao turismo”, um setor que, lembrou, “é sem dúvida um dos pilares fundamentais do nosso desenvolvimento económico”.

“Nós, no Ministério da Economia, temos uma visão muito clara sobre o turismo: o turismo é uma ferramenta para desenvolver o país do norte ao sul, incluindo as regiões autónomas [da Madeira e dos Açores], porque ele é capilar”, notou.

No mesmo sentido, acrescentou, que o turismo “está nesta altura em todo o espaço nacional e ele é transversal, mobiliza múltiplos setores da economia, desde a construção aos transportes, a todo um conjunto de indústrias”.

“Se nós usarmos esta ferramenta [turismo] no sentido próprio, ela é absolutamente transformadora”, reforçou.

António Costa Silva apontou também a qualidade das novas instalações da EHTP como um “investimento para treinar e formar pessoas, dado que o investimento na educação é o mais produtivo que o país pode ter”.

“A educação […] muda as pessoas e são as pessoas que transformam o mundo. Nós queremos ser o destino mais sustentável do mundo e isso não se faz sem escolas de qualidade”, disse.

O novo edifício da Escola de Hotelaria e Turismo de Portimão representa um investimento de 2,3 milhões de euros do Turismo de Portugal que permitirá reforçar a oferta formativa na região.

As novas instalações resultam da requalificação do antigo estabelecimento prisional de Portimão, dispondo o edifício de oito salas de aula equipadas com a mais recente tecnologia, duas cozinhas individuais, um auditório com capacidade para 140 pessoas, um bar e um restaurante ‘de aplicação’, que estarão abertos ao público.

Segundo o Turismo de Portugal, os equipamentos digitais vão facilitar “um ensino híbrido que conjugue formação presencial e à distância”.

A Escola de Hotelaria e Turismo de Portimão é o terceiro estabelecimento de formação na área existente no Algarve, a par de Faro e de Vila Real de Santo António.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Prémios

Conheça os nomeados dos “Portugal Trade Awards by Publituris @BTL 2023”

Os “Portugal Trade Awards by Publituris @BTL” têm na sua edição de 2023, uma centena de nomeados. As votações terminam a 17 de fevereiro de 2023.

Publituris

Estão lançados os “Portugal Trade Awards by Publituris @BTL 2023”. Para a edição deste ano, existem 100 nomeados em 16 categorias, havendo ainda lugar ao prémio de “Personalidade do Ano”, atribuído diretamente pela redação do jornal Publituris.

Tal como na edição de 2022, os vencedores serão encontrados através de uma média ponderada entre os votos do Júri (45%), dos assinantes do jornal do Publituris (45%) e subscritores da newsletter diária do www.publituris.pt (10%).

Face às edições anteriores dos “Publituris Portugal Trade Awards” existem categorias que transitam para os “Publituris Travel Awards” que se realizarão no final do mês de junho de 2023. As categorias que transitaram para os “Publituris Portugal Travel Awards” foram todas as categorias relacionadas com a hotelaria, rent-a-car, cruzeiros, parques temáticos, animação turística e marinas.

A entrega dos “Portugal Trade Awards by Publituris @BTL 2023” realizar-se-á no dia 1 de março de 2023, a partir das 17h00, na Bolsa de Turismo de Lisboa (BTL) 2023.

A votação online decorre no site dos prémios – https://premios.publituris.pt/ – entre os dias 23 de janeiro de 2023 e 17 de fevereiro de 2023.

Para validar o voto é exigida a introdução do e-mail, que terá de ser idêntico ao de registo na newsletter do Publituris.pt.

Os nomeados dos “Portugal Trade Awards by Publituris @BTL 2023” são:

Melhor Operador Turístico
Icárion
Lusanova
Nortravel
Quadrante
Solférias
Soltour
Soltrópico
Sonhando
Viajar Tours

Melhor Agência Corporativa
Carlson Wagonlit Travel (CWT)
Cosmos
Globalis
Osiris
TQ Travel Quality
Travelstore American Express GBT
Wide Travel

Melhor Consolidador
Consolidador.com
Magnet
TUI Air Cruiser

Melhor DMC
Abreu Events
Buzz Travel
CITUR
DTravel
EC Travel
In Tours
Inside Tours
PT DMC by Em Viagem

Melhor Distribuidor B2B
Bedsonline
Tour10
Turitravel
Veturis
W2M

Melhor GSA Aviação
APG
ATR
Select Aviation
Silon Aviacion
Summerwind

Melhor Sistema Global de Distribuição
Amadeus
Destinux
Travelport

Melhor Empresa de Transfers
CM Private Luxury Tours
DP Tours Plus
Specialimo
Timeless
VIP Limousines
Yellowfish

Melhor Empresa Gestão Hoteleira
AHM
Amazing Evolution
Blueshift
DHM
Unlock Boutique Hotels

Melhor Empresa Software Gestão Hoteleira (PMS)
CLEVER
GuestCentric
HiJiffy
HOST
Newhotel
Paratytech
RoomRaccoon
XLR8RMS

Melhor Startup
Handyhostel
LUGGit
Merytu
Pleez
Sciven
YooniK

Melhor Consultoria e Assessoria Turismo
ABC Hospitality
IPDT
Neoturis
Pendular
PHC
Viability

Melhor Formação Turismo
Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril
Escolas de Turismo de Portugal
ISAG
ISCE
NOVA SBE Westmont Institute of Tourism & Hospitality
Universidade de Évora
Universidade Europeia

Melhor Seguradora de Viagens
Allianz
Europe Assistance
IATI Seguros
In Sure Brokers
Liberty
MAPFRE
MDS
SGS

Melhor Empresa Organização de Eventos
29 Graus
Desafio Global
GR8
H2N
NIU – Brand Activation
Voqin´

Melhor Venue para Eventos e Congressos
Alfândega do Porto
Altice Arena
Altice Forum Braga
CCB
Centro de Congressos do Estoril
Convento de São Francisco
Convento do Beato
WOW Porto

Personalidade do Ano 2022
Prémio atribuído diretamente pela redação do jornal Publituris.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Análise

Europa domina turismo, mas será ultrapassada pela Ásia – revela o WTTC

As cidades da Europa continuam a ser os destinos preferidos dos turistas de todo o mundo, mas, a curto prazo, a Ásia vai destronar o velho continente como potência turística, estima afirmou o World Travel Tourism Council (WTTC).

Segundo um estudo apresentado pela entidade em Madrid, no decorrer da Fitur – Feira Internacional de Turismo, o WTTC indica que a capital francesa era o principal destino urbano mundial, mas este ano será superada por Pequim.

O WTTC lembrou que a pandemia de Covid-19 teve um impacto devastador no setor das viagens e turismo, sobretudo nas grandes cidades, uma vez que os governos nacionais tomaram a decisão de fechar as fronteiras para fazer face à crise sanitária.

Assim, um bom número de viajantes trocou as visitas das cidades por destinos menos massificados, tanto no litoral como nas áreas rurais, mas com a abertura das fronteiras, as grandes cidades voltaram a ser o foco das atenções para as férias.

“Paris assume a coroa como o destino urbano mais poderoso do mundo, com um setor de viagens e turismo no valor de quase 36 mil milhões de dólares em 2022, em termos de contribuição direta do PIB para a cidade”, mencionou o WTTC, que destacou que, nos próximos 10 anos a capital de França deverá cair para o terceiro lugar, embora o seu valor suba para mais de 49 mil milhões de dólares.

A organização observou que Pequim, na China, é atualmente o segundo maior destino urbano do mundo, com um setor de viagens e turismo avaliado em quase 33 bilhões mil milhões de dólares. No entanto, “ultrapassará Paris nos próximos 10 anos, crescendo para impressionantes 77 mil milhões de dólares”, assumiu.

No continente americano, Orlando, nos Estados Unidos, foi avaliado em 31 mil milhões de dólares em 2022 e ocupa o terceiro lugar, seguido por Xangai, Las Vegas e Nova Iorque.

“Grandes cidades como Londres, Paris e Nova Iorque continuarão a ser potências globais, mas nos próximos anos Pequim, Xangai e Macau subirão na lista dos principais destinos urbanos”, disse Julia Simpson, presidente e CEO do WTTC.

A executiva observou que os turistas sempre terão cidades favoritas para onde voltar, mas “à medida que outros países priorizam viagens e turismo, veremos destinos novos e emergentes a desafiar os favoritos tradicionais”.

 

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
Destinos

Portugal e Espanha definem “pontos de encontro” no turismo transfronteiriço

Portugal e Espanha acordaram uma nova Estratégia para o Turismo Fronteiriço. Se do lado português, o ministro da Economia e do Mar, António Costa e Silva, considera que “definirá conceitos de turismo virados para o futuro”, a ministra do Indústria, Comércio e Turismo de Espanha, Maria Reyes Maroto, refere que se trata de “uma oportunidade e não de uma necessidade”.

Victor Jorge

O ministro da Economia e do Mar de Portugal, António Costa e Silva, e a ministra do Indústria, Comércio e Turismo de Espanha, Maria Reyes Maroto, apresentaram esta quinta-feira, 19 de janeiro, no decorrer da FITUR 2023, em Madrid, a nova Estratégia de Sustentabilidade do Turismo Transfronteiriço 2022-2024 no que o ministro português considerou ser um “projeto transformador” e que irá desenhar “novos pontos de encontro entre os dois países”.

António Costa e Silva destacou mesmo “o dia histórico”, uma vez que se trata de um “acordo único no mundo”. De acordo com o ministro português, este acordo permitirá, através do turismo, “fixar população, atrair talento e qualificar pessoas”, dando enfâse ao que os dois países poderão oferecer em termos de gastronomia, enologia, literatura, cultura, arte, entre outros.

Salientando o facto de “estarmos a falar de 1.234 quilómetros de fronteira” e, em termos demográficos, de “cerca de 140.000 quilómetros quadrados de território”, Costa e Silva considera que este projeto “redefine o turismo através do território”, uma vez que existe “uma forte ligação entre as regiões transfronteiriças portuguesas e espanholas”.

Contudo, o ministro da Economia e do Mar português salientou o facto de ser necessário” reinventar produtos turísticos para oferecer experiências novas” que assentarão, também, numa estratégia de promoção externa conjunta.

“As comunidades sentem-se abandonadas”, destacando Costa e Silva “a coesão territorial” como factor essencial para o futuro, frisando ainda que “com as acessibilidades que estão e serão construídas, teremos a capacidade de fidelizar fluxos turísticos”.

“Os países quando trabalham juntos podem ser transfigurados”, admitindo mesmo que esta estratégia agora apresentada e que será desenvolvida no futuro, “poderá reinventar a identidades dos dois países. No fundo, queremos apresentar conceitos de turismo virados para o futuro”, terminou António Costa e Silva.

Já Maria Reyes Maroto também destacou o “acordo único” que os dois países passam a desenvolver a partir de agora e que fora assinado na Cimeira Bilateral de novembro de 2022 em Viana do Castelo. “Estamos a falar oportunidades e não de necessidades”, considerou a ministra do Indústria, Comércio e Turismo de Espanha.

Reyes Maroto definiu, de resto, quatro pontos estratégicos para este acordo: “oportunidade; desenvolvimento económico e social do território; sustentabilidade não só ambiental, mas também económica e social; e coesão”.

No final, António Costa e Silva referiu que “as duas entidades responsáveis pela promoção do turismo de ambos os países irão agora definir a respetiva estratégia conjunta”, não tendo avançado com prazos, investimentos e quais os mercados onde será realizada a aposta na promoção desta nova parceria.

 

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Turismo

Portugal espera repetir este ano crescimento do turismo acima do esperado de 2022

“Aquilo que estamos a prever para 2023 é continuar o crescimento que tivemos em 2022, obviamente, com grandes incertezas, da guerra na Ucrânia até à inflação. Mas acreditamos que estamos muito bem posicionados”, afirmou Luís Araújo, presidente do Turismo de Portugal.

Publituris

Portugal apresenta-se na Feira de Turismo de Madrid (FITUR), com 92 empresas num expositor de 900 metros quadrados do Turismo de Portugal, além da presença das sete regiões turísticas do país (Porto e Norte, Centro, Alentejo, Algarve, Madeira e Açores) e diversos municípios e entidades intermunicipais em ‘stands’ próprios na FITUR, com a expectativa de repetir este ano o crescimento do setor acima do que tinha sido previsto para 2022 e de captar mais turistas em Espanha.

O ano passado é já “o melhor de sempre do ponto de vista de receitas” do turismo português, com uma estimativa de mais de 22 mil milhões de euros, que comparam com os 18,4 mil milhões de 2019, o último sem qualquer impacto da pandemia de covid-19, disse aos jornalistas o presidente do Turismo de Portugal, Luís Araújo, em Madrid, na abertura da FITUR.

“Recuperámos antes do que prevíamos”, sublinhou o presidente da entidade responsável pela promoção de Portugal como destino turístico.

“Aquilo que estamos a prever para 2023 é continuar o crescimento que tivemos em 2022, obviamente, com grandes incertezas, da guerra na Ucrânia até à inflação. Mas acreditamos que estamos muito bem posicionados. Um exemplo disto é esta feira, a FITUR”, acrescentou Luís Araújo, que destacou que o mercado espanhol é atualmente o segundo maior para Portugal em número de hóspedes e o quarto em termos de receitas.

Em relação a Espanha há, assim, segundo Luís Araújo, “um trabalho a fazer” para aumentar as receitas, através de “segmentos específicos” do mercado.

De um ponto de vista mais global, a estratégia é “tentar diversificar ainda mais o núcleo de mercados” que são fundamentais para o turismo português, afirmou.

Para este objetivo, uma das chaves de crescimento está nas ligações aéreas, de que o turismo português depende por causa da localização geográfica do país.

“Temos conseguido retomar as rotas que tínhamos perdido em 2020 e 2021 e estamos já com os indicadores muito próximos [aos dos anos anteriores]. Este ano, 2023, vamos ultrapassar 2019. É uma das grandes âncoras para a retoma do setor”, afirmou o presidente do Turismo de Portugal.

Luís Araújo destacou que “o crescimento faz-se em todos os aeroportos” e deu como exemplo, precisamente, Espanha, país que teve ligações com os cinco aeroportos nacionais portugueses no ano passado, através da companhia aérea espanhola Iberia, “um fator ótimo de distribuição” de turistas, principalmente de mercados a que no passado Portugal não chegava, como o mexicano ou outros da América do Sul.

“O nosso papel é, em conjunto com cada um dos nossos aeroportos, e há ainda margem para crescer em muitos dos aeroportos, tentar demonstrar esta capacidade de atração para todas as regiões. Aquilo que nós entendemos é que existe obviamente um ‘hub’, que é Lisboa e faz esta distribuição, mas existem muitos motivos de interesse para muitos mercados para destinos como Algarve, o norte ou as ilhas”, afirmou.

Presente na FITUR está também o secretário de Estado do Turismo, Comércio e Serviços (SETCS), Nuno Fazenda, que destacou, em declarações aos jornalistas, a importância do mercado espanhol e a “forte presença” de empresas nacionais na feira de Madrid deste ano.

“O mercado espanhol é um mercado muito importante para o nosso país, é o segundo maior mercado em dormidas e o primeiro em algumas regiões, como o Norte, Centro e Alentejo. E, nesse contexto, temos também de trabalhar vários segmentos para crescer também em valor e crescer também no interior, no território do interior de Portugal”, afirmou.

O ministro da Economia, António Costa Silva, e a ministra espanhola do Turismo, Reyes Maroto, apresentam esta quinta-feira, 19 de janeiro, a Estratégia de Cooperação Transfronteiriça entre Portugal e Espanha para o setor do turismo, que foi acordada na última cimeira ibérica, em novembro passado.

“É um reforço para desenvolver também turisticamente o interior do nosso país”, sublinhou Nuno Fazenda, que considerou a região transfronteiriça “uma centralidade ibérica” que é necessário potenciar através da promoção turística, mas também do aumento e melhoria das ligações aéreas, rodoviárias e ferroviárias entre Portugal e Espanha, como está previsto, sublinhou, no âmbito de investimentos com fundos europeus dos planos de recuperação e resiliência.

O secretário de Estado manifestou-se “muito satisfeito” com a adesão de empresas e outras entidades a esta edição da FITUR, com vista à afirmação de Portugal como destino turístico no mercado espanhol.

Em paralelo, defendeu a continuidade na aposta dos mercados estratégicos para Portugal dentro e fora da Europa, onde está concentrada 80% da procura turística do país.

Neste contexto, deu como exemplo o sucesso recente da aposta nos Estados Unidos, que transformou este país no quinto com maior peso no turismo português.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Ministro do Turismo da Jordânia visita Fátima no 2.º semestre para analisar parcerias

O crescimento do Turismo Religioso faz com que o novo ministro do Turismo da Jordânia, Markam Al-Queisi, visite Fátima no 2.º semestre deste ano para analisar a possibilidade de futuras parcerias em prol de ambos os destinos.

Victor Jorge

O ministro do Turismo da Jordânia, Makram Al-Queisi, referiu esta quarta-feira, durante a FITUR Madrid, que se realiza até ao próximo dia 22 de janeiro, que virá a Portugal para estudar com as entidades de Fátima uma possível parceria “para benefício de ambos os destinos”.

Em entrevista ao Publituris, Makram Al-Queisi considera que ambos os destinos possuem “uma forte componente no Turismo Religioso” e que uma parceria seria “uma boa forma de promover os dois destinos em muitos mercados internacionais e estabelecer trabalho conjunto no segmento que tem vindo a crescer exponencialmente”.

De referir que Makram Al-Queisi, que foi nomeado ministro do Turismo e das Antiguidades da Jordânia há pouco mais de um mês, conhece Portugal, uma vez que exerceu o cargo de Embaixador Extraordinário não residente no nosso país em 2014.

“Fátima é um lugar único e sabemos as visitas internacionais que possui ao longo do ano”, referiu Makram Al-Queisi ao Publituris. “Naturalmente que o nosso interesse em Portugal não se limita a Fátima”, avançando o ministro jordano que em termos de operação turística, a Jordânia irá contar com um voo charter a partir de maio e que irá prolongar-se até novembro, começando com um voo semanal, esperando, contudo, “e dado os números que esperamos de turistas portugueses, esse voo poderá passar a bissemanal”.

A Jordânia recebeu, em 2022, mais de 4.000 turistas portugueses, número que as autoridades do Turismo da Jordânia esperam duplicar com esta operação entregue à Avoris.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Emprego e Formação

Município de Redondo promove formação na área do turismo

Através do Programa “Formação + Próxima”, o curso é destinado a profissionais do setor e incide sobre conteúdos como a hotelaria, enoturismo, restauração e bebidas. A próxima sessão está agendada para dia 19 de janeiro.

Publituris

No âmbito da parceria estabelecida com o Turismo de Portugal, decorreu, na Enoteca de Redondo, a primeira sessão de formação do Curso de Serviço de Vinhos na Restauração, que o Município disponibiliza, de forma gratuita, aos agentes económicos. Através do Programa “Formação + Próxima”, o curso é destinado a profissionais do setor e incide sobre conteúdos como a hotelaria, enoturismo, restauração e bebidas.

Pretende, por um lado, fornecer conhecimentos inerentes a um serviço de vinhos de qualidade nos estabelecimentos e, por outro, refletir sobre a importância dos pormenores “invisíveis” aos olhos do cliente, trabalhando sobre a elaboração da Carta e protocolo do serviço. Partindo da importância crescente do turismo vínico na região, esta é mais uma iniciativa que vem reforçar a aposta do Município no apoio ao setor.

A próxima sessão está agendada para dia 19 de janeiro e, ao longo do ano, preveem-se módulos noutras áreas de interesse para a atividade turística.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Tecnologia

Há 1,3 milhões de euros para startups e soluções inovadoras no turismo

Com as candidaturas abertas até 10 de março de 2023, o programa visa apoiar 250 startups na criação e desenvolvimento de novos negócios no setor do turismo, com base em ideias inovadoras e disruptivas.

Publituris

O Governo lançou, através do Turismo de Portugal, uma nova edição do Programa FIT 2.0 – Fostering Innovation in Tourism, uma iniciativa com um investimento público na ordem dos 1,3 milhões de euros que visa apoiar 250 startups na criação e desenvolvimento de novos negócios no setor do turismo, com base em ideias inovadoras e disruptivas.

Num reforço da aposta no empreendedorismo e na inovação, como instrumentos fundamentais para concretizar a Estratégia Turismo 2027 e como aceleradores do processo de transição digital e climática do setor, esta edição do FIT prevê o lançamento de um concurso nacional de ideação e programa de pré-aceleração, capazes de mobilizar o ecossistema do turismo e as entidades do sistema científico e tecnológico para a geração de novas soluções em todo o país, com especial enfoque em territórios de baixa densidade.

Paralelamente, são lançados os regulamentos para programas de aceleração e de inovação aberta, com o objetivo de promover o desenvolvimento de soluções alinhadas com as necessidades do setor e o seu teste em contexto empresarial.

Nuno Fazenda, secretário de Estado do Turismo, Comércio e Serviços, considera que “crescer na inovação é um imperativo do turismo do futuro”. “Temos de fazer mais e melhor para qualificar os nossos produtos e destinos. Esta nova edição do programa FIT, lançada hoje, com apoios a fundo perdido, é um importante estímulo para a inovação no turismo”.

A transição digital e climática do setor são os principais desafios a endereçar pelos programas, encontrando-se as candidaturas abertas até 10 de março de 2023.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Turismo

Proveitos totais do turismo aumentam 25,5% face a novembro de 2019

Os números referentes ao alojamento turístico – hóspedes e dormidas -, bem como proveitos, no mês de novembro, voltam a colocar o turismo em Portugal no caminho certo para ultrapassar o ano de 2019.

Publituris

Em novembro de 2022, o setor do alojamento turístico registou 1,7 milhões de hóspedes (+19,7%) e 4,2 milhões de dormidas (+19,4%), correspondendo subidas de 19,7% e 19,4%, respetivamente, face a igual período de 2021, avançam os dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). Isto faz com que os proveitos totais atinjam os 288,6 milhões de euros (+36,8% face a igual mês de 2021) e 214,2 milhões de euros de proveitos de aposento (+40,3% quando comparado com novembro do ano passado).

Já comparando estes valores com o mesmo mês de 2019, o INE indica aumentos de 25,5% nos proveitos totais e 29,2% nos relativos a aposento (+27% e +27,8% em outubro, respetivamente).

No conjunto dos primeiros onze meses de 2022, os proveitos totais cresceram 118,2% e os relativos a aposento aumentaram 120,4% face ao mesmo número de meses de 2021. Comparando com igual período de 2019, verificaram-se aumentos de 16,2% e 17,4%, respetivamente.

Em novembro, Lisboa concentrou 43,7% dos proveitos totais e 47% dos relativos a aposento, seguindo-se o Norte (15,9% e 16,0%, respetivamente), que ultrapassou o Algarve (13,6% e 11,8%, pela mesma ordem).

Nos primeiros onze meses de 2022, a evolução dos proveitos foi positiva nos três segmentos de alojamento. Comparando com o mesmo período de 2019, os proveitos totais na hotelaria aumentaram 14,8% e os de aposento cresceram 16,1% (pela mesma ordem, pesos de 87,3% e 85,6% no total do alojamento turístico). Nos estabelecimentos de alojamento local (quotas de 8,7% e 10,3%), registaram-se subidas de 14,4% e 15,3% e no turismo no espaço rural e de habitação (representatividade de 3,9% e 4,1%, respetivamente) os aumentos atingiram 64,2% e 61,9%, pela mesma ordem.

Não residentes com quota de quase 70%
Em novembro, o mercado interno contribuiu com 1,3 milhões de dormidas e voltou a registar uma evolução positiva (+6,3%), após um decréscimo em outubro (-3,2%).

Os mercados externos predominaram (peso de 68,9%) e totalizaram 2,9 milhões de dormidas (+26,4%).

Comparando com 2019, registaram-se aumentos de 0,8% nas dormidas de residentes e 5,9% nas de não residentes, o que neste último caso corresponde ao maior crescimento mensal face a 2019, revela o INE.

No conjunto dos primeiros onze meses de 2022, as dormidas aumentaram 89,4% (+22,4% nos residentes e +157,7% nos não residentes). Comparando com o mesmo período de 2019, as dormidas diminuíram 1,2% (-5,3% nos não residentes e +8,4% nos residentes).

Novembro positivo para todas as regiões
Em novembro, todas as regiões apresentaram evoluções positivas do número de dormidas face ao mesmo mês de 2021. Lisboa concentrou 32,9% das dormidas, seguindo-se o Algarve e o Norte (17,5% em ambas).

Face a novembro de 2019, registaram-se decréscimos no Algarve (-5,4%), Centro (-2,3%) e Alentejo (-1,6%). Os maiores aumentos ocorreram na Madeira (+24,9%), Açores (+8,3%) e Lisboa (+5%).

Nas dormidas de residentes, destacou-se a Madeira com um crescimento de 57,1% face a 2019. Os maiores decréscimos registaram-se no Alentejo (-5,8%) e no Centro (-5,6%).

À exceção do Algarve (-6,9%), todas as restantes regiões registaram aumentos nas dormidas de não residentes, destacando-se a Madeira (+21,0%) e Açores (+14,7%), face a 2019.

O município de Lisboa concentrou 25,5% do total de dormidas em novembro de 2022 (13,9% do total de dormidas de residentes e 30,7% do total de dormidas de não residentes), atingindo 1,1 milhões de dormidas (1,3 milhões em outubro, 19,8% do total). Comparando com novembro de 2019, as dormidas aumentaram 3,2% (-2% nos residentes e +4,4% nos não residentes).

O Funchal representou 10,6% do total de dormidas (449,2 mil), correspondendo a um acréscimo de 23,8% (+66,3% nos residentes e +19,0% nos não residentes) em comparação com novembro de 2019.

No Porto, registaram-se 338,3 mil dormidas (8% do total) em novembro, mais 5,2% face ao mesmo mês de 2019 (-0,1% nos residentes e +6,6% nos não residentes).

Em Albufeira, registaram-se 227,7 mil dormidas (peso de 5,4% do total), sendo o município com a maior redução (-21,3%) face a novembro de 2019 (-16,6% nos residentes e -22,2% nos não residentes).

No conjunto dos primeiros onze meses de 2022, face a igual período de 2019, registaram-se decréscimos das dormidas em Lisboa (-5,2%; -0,5% nos residentes e -6,1% nos não residentes) e em Albufeira (-15,9%; -9,2% nos residentes e -17,8% nos não residentes). Nos municípios do Funchal e do Porto, as dormidas aumentaram 11,8% (+76,8% nos residentes e +4% nos não residentes) e 4,2% (+7,5% nos residentes e +3,5% nos não residentes), respetivamente.

Ocupação em alta
A taxa líquida de ocupação-cama nos estabelecimentos de alojamento turístico (35,3%) aumentou 3,3 p.p. em novembro (+6,5 p.p. em outubro), face a igual período de 2021, ficando ligeiramente acima do valor observado no mesmo mês de 2019 (35,2%).

Em novembro, as taxas líquidas de ocupação-cama mais elevadas registaram-se na Madeira (57,1%) e Lisboa (49,1%), onde se verificaram também os maiores acréscimos neste indicador (+4,8 p.p. e +6,4 p.p., respetivamente). Em relação a 2019, apenas se verificaram crescimentos na Madeira (+8,4 p.p.) e Açores (+2,1 p.p.).

A taxa líquida de ocupação-quarto nos estabelecimentos de alojamento turístico (45,4%) aumentou 4,6 p.p. em novembro (+9,2 p.p. em outubro), ficando ligeiramente abaixo do valor registado em novembro de 2019 (45,6%).

Rendimento médio por quarto ocupado cresce mais de 24% face a novembro de 2019
No conjunto dos estabelecimentos de alojamento turístico, o rendimento médio por quarto disponível (RevPAR) atingiu 39,8 euros em novembro, tendo aumentado 31,4% face a novembro de 2021 (+41,7% em outubro) e 23,8% em comparação com o mesmo mês de 2019 (+21,2% em outubro).

Os valores de RevPAR mais elevados foram registados na AM Lisboa (78,8 euros, +51,9%) e na Madeira (49,3 euros, +21,2%).

Este indicador aumentou 72,6% desde o início do ano, com crescimentos de 74,6% na hotelaria, 83,6% no alojamento local e 18,4% no turismo no espaço rural e de habitação.

No conjunto dos estabelecimentos de alojamento turístico, o rendimento médio por quarto ocupado (ADR) atingiu 87,6 euros em novembro, +18,1% em relação ao mesmo mês de 2021 (+20,1% em outubro). Face a novembro de 2019, o ADR aumentou 24,2% (+19,6% em outubro).

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.