Assine já
Turismo

Terminado 2022, que 2023 espera o turismo?

O ano de 2023 inicia-se, tal como 2022, sob o desígnio da “incerteza”. Se há um ano se iniciavam mais 365 dias com a variante Ómicron como tema, 2023 começa/continua com uma guerra, inflação crescente, subida de preços e taxas de juro em alta. Por isso, entre a certeza, a incerteza parece certa.

Victor Jorge
Turismo

Terminado 2022, que 2023 espera o turismo?

O ano de 2023 inicia-se, tal como 2022, sob o desígnio da “incerteza”. Se há um ano se iniciavam mais 365 dias com a variante Ómicron como tema, 2023 começa/continua com uma guerra, inflação crescente, subida de preços e taxas de juro em alta. Por isso, entre a certeza, a incerteza parece certa.

Victor Jorge
Sobre o autor
Victor Jorge
Artigos relacionados
Nova Edição: O balanço de 2022 e as perspectivas para 2023 no turismo, os segredos da Allways, autocaravanismo e dossier tecnologia
Turismo
Edição Digital: O balanço de 2022 e as perspectivas para 2023 no turismo, os segredos da Allways, autocaravanismo e dossier tecnologia
Edição Digital
“Portugal está na moda, mas o estar na moda dá muito trabalho”
BTL
Turismo com dilema em incorporar sobretaxas devido ao aumento dos preços da energia
Turismo

Se há um ano se pensava que “pior não pode haver”, dada a incerteza que a variante Ómicron criava em todo o mundo, impactando o setor do turismo e das viagens, 2023 não começa de forma muito diferente, embora a causa ou as causas sejam outras e diversas.

Depois de passada a “tempestade” da COVID-19, graças aos planos de vacinação colocados em marcha em (praticamente) todo o mundo, Portugal incluído, o mês de fevereiro (de 2022) trouxe algo inesperado e que mantém grande impacto na realidade económico, social e financeira de todos nós.

Mas antes de olhar para os próximos 365 dias (que neste caso já não são 365), há que olhar um pouco para trás e perceber o que representou 2022 no setor do turismo e viagens. Para Luís Araújo, presidente do Turismo de Portugal (TdP), 2022 foi o ano da “retoma da atividade turística, a superar, inclusive, vários registos pré-pandemia como é o caso dos proveitos com crescimentos de 14% quando comparado com mesmo período de 2019”, confirmando o que o Banco de Portugal antecipara, já no Boletim de dezembro de 2021, ou seja, um crescimento de 84,8% para 2022, valor que se aproxima das previsões estimadas para 2024.

Este crescimento não se fez sem a vinda de milhares, ou melhor, milhões de turistas, destacando Luís Araújo, em termos absolutos, entre janeiro e outubro de 2022, os 23,7 milhões de passageiros (domésticos e internacionais) processados nos aeroportos nacionais, frisando que “a capacidade área com destino a Portugal está muito próxima de 2019”, prevendo a entidade a que preside que, no último semestre de 2022, os números fiquem “acima daquele ano [2019]”.

Os sinais dos mercados continuam a ser positivos e a indiciar um crescimento do setor em 2023, Luís Araújo (Turismo de Portugal)

No que diz respeito aos mercados emissores, o presidente do TdP destaca os Estados Unidos da América (EUA), Irlanda e Itália, com aumentos acima de 2019, com maior enfoque nos EUA, cujo crescimento esteve muito perto dos 40% (38,2%).

E se é preciso ter presente que “estamos a falar do setor mais afetado pela pandemia de COVID-19”, Luís Araújo salienta que “estes dados ganham ainda significado maior”. Para terminar o ano de 2022 de forma positiva, o presidente do TdP destaca ainda “o reconhecimento de Portugal como destino de excelência celebrado ao mais alto nível” com a conquista de mais 12 ‘Óscares’ no World Travel Awards.

A recuperação das viagens é também atestada por Francisco Calheiros, presidente da Confederação do Turismo de Portugal (CTP), salientando que “o turismo recuperou antes do que esperávamos”, confirmando que “este será o melhor ano turístico de sempre em Portugal, acima de 2019”.

De resto, os stakeholders do setor do turismo e viagens são unânimes em destacar o “ano turístico verdadeiramente excecional”, como refere Berta Cabral, secretária Regional do Turismo, Mobilidade e Infraestruturas dos Açores, considerando que “era o que todos precisávamos depois de dois anos de pandemia”.

No caso dos Açores em concreto, em termos agregados, Berta Cabral admite poder vir a atingir “marcos históricos”, já que os números mostram que a região está “20% acima do melhor ano de sempre”, registando, igualmente, que “há incrementos na procura fora da época alta, com efeitos na curva de sazonalidade”, o que salienta, “é ótimo para toda a cadeia de valor”.

O turismo recuperou antes do que esperávamos, Francisco Calheiros (CTP)

Ainda nas ilhas, Eduardo Jesus, secretário Regional de Turismo e Cultura da Madeira, frisa que 2022 foi “um ano excecional em termos dos resultados turísticos”, considerando que o ano que terminou foi “o consolidar” de uma estratégia implementada durante o período pandémico, o que o leva a referir que: “os resultados estão à vista”.

Das ilhas para o Continente, Vítor Costa, diretor-geral do Turismo de Lisboa e presidente da Entidade Regional de Turismo da Região de Lisboa, admite que o ritmo da recuperação da atividade turística na Região de Lisboa “surpreendeu pela positiva”, já que os números pré-pandémicos só eram esperados “em 2024”. E se ao nível dos passageiros desembarcados no aeroporto da capital, hóspedes e dormidas Lisboa ainda ficou abaixo de 2019, Vítor Costa destaca “os indicadores mais qualitativos como proveitos, preço médio de quarto vendido ou RevPar”, itens onde “devemos terminar o ano cerca de 14% acima de 2019”.

Considerando, no entanto, que se verificaram “significativos aumentos de custos como mão-de-obra, energia e outros fornecimentos”, Vítor Costa estima que “a riqueza gerada pelo Turismo em Lisboa possa ter crescido entre 5% a 7%”.

Viajando até mais a Sul, Vítor Silva, presidente do Turismo do Alentejo, considera que “2022 superou as melhores expectativas”. E se em termos de proveitos 2022 será “o melhor ano de sempre”, Vítor Silva admite que “ainda nos falta recuperar totalmente alguns mercados externos”.

Alcançámos em 2022 o que esperávamos alcançar em 2023, 2024, ou mesmo 2025, e isso é extraordinário, João Fernandes (Algarve)

Continuando a viagem para Sul, João Fernandes, presidente da Região de Turismo do Algarve, frisa que “vindos de dois anos de pandemia e chegados a um conflito entre a Rússia e a Ucrânia, tivemos, ainda assim, um desempenho muito acima das melhores expectativas”. Isto porque “alcançámos em 2022 o que esperávamos alcançar em 2023, 2024, ou mesmo 2025, e isso é extraordinário”.

Ao centro, Pedro Machado, presidente da Turismo do Centro, também faz um balanço “francamente positivo”, tendo a região conseguido “consolidar o crescimento do mercado interno”, sublinhando mesmo subidas de “mais de 100% em partes importantes do território”. Pedro Machado destaca ainda o facto de as empresas de atividade turística do Centro de Portugal terem conseguido “ultrapassar os obstáculos que surgiram ao longo do ano, com maior ou menor dificuldade”, reconhecendo que “o tecido económico está em franca recuperação e a preparar-se devidamente para os desafios de 2023”.

Salientado é, também, de a região ter “alargado a oferta do Centro de Portugal na estruturação de novos produtos e no fortalecimento de produtos tradicionais”, de que são exemplos o turismo industrial, o ecoturismo, o enoturismo, o turismo religioso ou a arte urbana, entre outros, admitindo Pedro Machado que esta diversificação “consagra o Centro de Portugal como destino de eleição, não só para o mercado interno, mas também para os mercados externos”.

Finalmente, o presidente da Turismo do Centro realça o reconhecimento nacional e internacional que a região obteve, em 2022, com as distinções de “Melhor Região de Turismo Nacional” nos Publituris Portugal Travel Awards, “Melhor Stand Profissional de Turismo” na BTL ou o terceiro lugar no “Concurso Internacional de Filmes de Turismo” a nível mundial, na categoria Regiões.

O tecido económico está em franca recuperação e a preparar-se devidamente para os desafios de 2023, Pedro Machado (Centro)

No campo dos Congressos, Animação Turística e Eventos, António Marques Vidal, presidente da APECATE, refere o “excelente ano”, permitindo “recuperar algumas perdas dos dois anos de pandemia”. Contudo, não deixa de referir que “o ano que agora terminou “não colmatou os prejuízos de dois anos”, mas reconhece que “permitiu consolidar o destino Portugal”.

Futuro incerto
Mas se o balanço relativamente ao ano que terminou é, unanimemente, considerado positivo, as perspectivas sobre o que aí vem requer um otimismo mais moderado. Ao longo, principalmente, do último trimestre de 2022, a palavra “incerteza” esteve presente em todos os fóruns, conferências, congressos, estudos e/ou análises e é reiteradamente destacada pelos profissionais ouvidos pelo Publituris. Assim, os tempos que correm são de grande incerteza face aos desenvolvimentos da guerra na Ucrânia, ao crescimento da inflação e à desaceleração da economia em termos globais, mas ainda assim, Luís Araújo diz que os sinais dos mercados “continuam a ser positivos e a indiciar um crescimento do setor em 2023, que, no espaço europeu, se estima em 9,7%”, de acordo com uma publicação da European Travel Commission (ETC), “Tourism Economics”.

Para este otimismo, o presidente do TdP refere ainda outro estudo da ETC, da qual é também presidente, e que prevê que 70% dos europeus realizem uma viagem nos próximos seis meses, o que segundo o mesmo, “são sinais que antecipam boas perspetivas”.

Para Francisco Calheiros, 2023 deverá ser um ano “dentro do que foi 2022”, embora assinale a inflação, taxas de juro e preços da energia e combustíveis como elementos que nos fazem viver na tal “conjuntura de muita incerteza”, considerando, no entanto, que “teremos de certeza em Portugal a continuação e até o reforço de uma oferta turística diversificada e de qualidade”.

O ano que agora terminou não colmatou os prejuízos de dois anos, mas permitiu consolidar o destino Portugal, António Marques Vidal (APECATE)

“Otimismo moderado”, é como Berta Cabral se refere a 2023, frisando que “as pessoas vão continuar a viajar, mas restará saber para onde, como, quando e durante quanto tempo”. Por isso, salienta, “é algo que será necessário acompanhar”. Nos Açores, no entanto, “confiamos que a proposta de valor e o posicionamento que temos vindo a trabalhar permitirão continuar o incremento da notoriedade e da atratividade do destino, com base na sustentabilidade, proximidade, aventura e genuinidade”, afirma.

Na Madeira, Eduardo Jesus reconhece que a atual conjuntura “irá inibir as viagens mais longas”. No entanto, afirma que, em 2023, “voltaremos a assegurar um dos maiores orçamentos de sempre para a promoção do destino Madeira, manteremos o trabalho que está a ser realizado em termos da Estratégia do Turismo para a Região, aprovada em 2022 e que está em vigor até 2027, e contamos concluir o processo de certificação para a sustentabilidade do destino em fevereiro de 2023”.

Se no Alentejo Vítor Silva acredita que 2023 será “um bom ano para o turismo”, apesar dos “grandes fatores de incerteza” iniciados em 2022 e que transitam para 2023, Vítor Costa diz que “não é possível prever, neste momento, o real impacto destes fatores”. Contudo, com a experiência de outras crises económicas a mostrarem que “os consumidores reduzem as viagens em caso de diminuição dos seus rendimentos”, salientando a “relação direta entre rendimentos e turismo”, Vítor Costa refere ainda os “fatores psicológicos que podem afetar especialmente mercados europeus, que representam 80% da nossa clientela”. Por isso, assinala, por exemplo, “o comportamento negativo do mercado alemão, em 2022”, que já indicia esta situação. No fundo, admite, “os europeus sabem que têm que pagar a guerra e que ela está à porta”.

Para Pedro Machado, 2023 começa com “ameaças, à semelhança do que acontece todos os anos desde 2020”, acreditando, no entanto, que 2023 “poderá ser um ano de continuidade na recuperação que se iniciou em 2021 e prosseguiu em 2022”. A “crença” de Pedro Machado está alicerçada em indicadores “muito positivos” no Centro de Portugal, dando como exemplo os campos de golfe da região que, nalguns casos, têm já pré-reservas para 2023 superiores a 2022, em valor e em número. Por isso, admite, “se Portugal fizer bom uso dos fundos comunitários disponíveis, nomeadamente se o PRR reverter para as empresas e se o novo Programa Operacional trouxer instrumentos financeiros que possam ajudar as empresas – que são o músculo da atividade turística – então acredito que 2023 será um ano com bons resultados”, termina.

As pessoas vão continuar a viajar, mas restará saber para onde, como, quando e durante quanto tempo, Berta Cabral (Açores)

“Desafiante, mas com oportunidades”. É desta forma que João Fernandes olha para o ano que agora se inicia. E se os desafios são conhecidos, as oportunidades podem, ou devem, estar na “promoção”. Até porque, considera, “sem tanta disponibilidade financeira, é expectável que os turistas optem por viagens mais curtas, devido aos custos mais elevados que representam as deslocações de longa distância”. Assim, o Sul da Europa será uma preferência entre os europeus e aqui o Algarve “pode destacar-se”, porque “somos um destino reconhecidamente seguro e oferecemos uma melhor relação qualidade/preço, fatores que poderão ser determinantes nas preferências dos turistas”, admite o presidente do Turismo do Algarve.

E para essa captação de turistas contribui a “diversificação da oferta” algarvia e o aproveitamento de fatores como o preço da energia que poderá levar ao crescimento de estadias de longa duração de “reformados, trabalhadores remotos ou nómadas digitais”.

Outro sinal positivo é a consolidação do Algarve enquanto palco de grandes eventos desportivos, com a realização, novamente, do Grande Prémio de Portugal de MotoGP, que é um “add-on muito interessante”. “A primeira prova do campeonato de MotoGP acontece este ano no Algarve, em finais de março, o que vai gerar certamente muito entusiasmo, e ainda estamos a tentar trazer a Fórmula 1”, reconhecendo João Fernandes que, se isso acontecer, “será obviamente um boost para este período mais exigente em termos de procura”.

Desafios a enfrentar
Por norma, incertezas trazem consigo desafios, sendo que Luís Araújo assinala que, já em janeiro, o Governo irá disponibilizar uma nova linha de apoio com uma dotação de 30 milhões de euros, que permitirá às micro-empresas financiarem-se, junto do Turismo de Portugal, com um prazo total de reembolso de seis anos.

“Inovação, formação, sustentabilidade”. Estas são as três linhas-chave que orientam a estratégia de Portugal no plano turístico e, mesmo perante um contexto muito complexo, “devemos concentrar aí as nossas atenções principais”, salienta o presidente do TdP.

Em matéria de inovação, o Programa FIT – Fostering Innovation in Tourism continuará, em 2023, a dinâmica “imparável” desde o seu lançamento, em 2016, tendo os mais de cinco milhões de euros investidos, até à data, permitido estruturar uma rede com 47 incubadoras e aceleradoras, o desenvolvimento de 69 programas de ideação, aceleração e inovação aberta envolvendo mais de mil startups e projetos tecnológicos e não tecnológicos, a participação de 56 startups nacionais em nove feiras internacionais de turismo, o investimento de cerca de 500 mil euros pela Portugal Ventures em quatro startups em 2019 e 2020, e a concretização de 11 contratos comerciais entre startups e empresas ligadas ao setor do turismo na sequência da sua participação em programas de inovação aberta em 2020 e 2021.

Os europeus sabem que têm que pagar a guerra e que ela está à porta, Vítor Costa (Lisboa)

No capítulo da formação e da valorização das profissões, Luís Araújo sublinha o programa “Formação +próxima”, de que resultam, até agora, 107 protocolos firmados com Municípios, envolvendo 128 ações e um total de 2.300 participantes.

Já quanto ao terceiro vetor estratégico, o compromisso é “acelerar o crescimento sustentável das empresas turísticas”. Lançado em 2020 e projetando-se muito para além de 2023, o “Plano Turismo +Sustentável 20-23” contribui para promover uma oferta “mais distintiva” e acelerar o crescimento sustentável das empresas do setor. “Empresas com o futuro bem presente, determinadas que estão em melhorar os seus resultados com menor pegada ambiental e maior contributo positivo na sociedade – e o turismo não pode ser exceção, tem de ser exemplo”, refere Luís Araújo.

Ainda no contexto da sustentabilidade, o presidente do Turismo de Portugal considera ser “imperativo” destacar o “Programa Empresas Turismo 360º”, pelo seu “compromisso de monitorização, melhoria e responsabilidade face ao turismo do futuro”. Modelo operacional orientado para o apoio às empresas na integração dos fatores ESG (Environmental, Social and Governance), o “Turismo 360” regista já 74 empresas aderentes, com perfil diferenciado e atuando nas áreas do alojamento, restauração, animação, termas, agências de viagem e rent-a-car, representativas, no seu conjunto, de um universo que supera os 15 mil colaboradores e um volume de negócios estimado em dois mil milhões de euros.

E se estas são mais linhas de apoio que permitirão ao setor do turismo e às empresas enfrentarem os desafios que surgirão, Francisco Calheiros refere a “continua adaptação da atividade turística às questões que se prendem com a sustentabilidade, com os avanços tecnológicos e a resposta às novas necessidades e objetivos dos turistas”. Contudo, o presidente da CTP não deixa de apontar o novo aeroporto, bem como o futuro da TAP e a falta de mão de obra como “grandes desafios para o turismo em 2023”. E lembre-se, relativamente ao novo aeroporto, o contador que a confederação lançou, em julho de 2022, já soma 550 milhões de euros em valor perdido pela não decisão de um novo aeroporto para a região de Lisboa.

Será necessária uma adaptação da oferta mediante as necessidades do mercado, Eduardo Jesus (Madeira)

Se os desafios podem criar oportunidades, como já apontadas pelo presidente do Turismo do Algarve, também Berta Cabral aponta a grave crise internacional como algo a aproveitar, já que criarão “alterações nos fluxos de viajantes”. Contudo, a “pressão inflacionista”, com a consequente diminuição do poder de compra das famílias, acoplado à subida das taxas de juro que “reduzirá a disponibilidade para o consumo de viagens e lazer”, Berta Cabral indica, simultaneamente, que a crise energética e o resultante aumento do preço dos combustíveis “não ajudam a toda esta conjuntura, deixando o setor do turismo numa encruzilhada entre o incremento de gastos operacionais e o surgimento de novas exigências europeias no que concerne à transição energética e ao custo que isso poderá acarretar”.

No que respeita estruturalmente ao setor, a secretária Regional do Turismo, Mobilidade e Infraestruturas dos Açores admite que “continuaremos a sentir algumas lacunas na disponibilidade de mão-de-obra, em particular a qualificada, para além de subsistirem dificuldades financeiras nas empresas, sobretudo nas mais pequenas e frágeis, que ainda não recuperaram totalmente dos dois anos de pandemia”. Porém, “abrem-se outras perspetivas, sabendo que em 2023 teremos, finalmente, disponíveis os fundos comunitários 2021-2027, que poderão trazer oportunidades de financiamento e investimento ao setor”. Desta forma, diz Berta Cabral, “será preciso investir na transição energética, numa verdadeira transição digital, com a devida literacia, e na qualificação rápida e eficaz de mão-de-obra”, concluindo ser “fundamental que exista a perceção da importância que estes desafios terão no setor do turismo e que é preciso um acompanhamento cabal do mesmo”.

Para os próximos tempos, Eduardo Jesus acredita que será necessária uma “adaptação da oferta mediante as necessidades do mercado”, referindo, por sua vez, Vítor Silva que “a recuperação total dos mercados externos e a falta de mão de obra no setor, que ameaça a manutenção do nível de qualidade dos serviços que prestamos aos nossos turistas”, são os principais desafios a vencer”.

A recuperação total dos mercados externos e a falta de mão de obra no setor, que ameaça a manutenção do nível de qualidade dos serviços que prestamos aos nossos turistas, são os principais desafios a vencer, Vítor Silva (Alentejo)

Mais resumido é Vítor Costa que aponta “somente” a “viabilização do turismo através dos clientes e não através de programas de apoio como aconteceu durante a pandemia” como apenas um desafio para 2023. Não desvalorizando os apoios públicos criados na pandemia, “porque foram eles que salvaram o setor”, nem a necessidade de continuarem a existir programas, Vítor Costa frisa que “o foco tem que ser nos clientes”, já que “só o regresso em força dos clientes pode dar sustentabilidade à atividade turística”.

A inflação é, para Pedro Machado, o “principal desafio para 2023, reconhecendo que “faz disparar os custos operacionais” e que “já está, neste momento, a condicionar mercados como Espanha, Alemanha ou Reino Unido, que estávamos habituados a ver florescer”. Perante este cenário, Pedro Machado considera que os empresários do setor do turismo “têm de manter as suas margens de lucro muito abaixo do que seria desejável, não refletindo nos clientes o aumento dos custos operacionais”. Ou seja, “é um esforço hercúleo para as empresas, em especial para as de menor dimensão”.

A escassez de mão de obra é outro “enorme desafio”, que já vem de antes da pandemia “e que não dá mostras de poder ser vencido em breve”, o que poderá fazer com que se repita “o cenário de unidades turísticas sem capacidade de responder à procura, como aconteceu no verão passado”.

Assim, a conjugação destes dois fatores vai, segundo o presidente da Turismo do Centro, “pôr, mais uma vez, à prova a resiliência dos nossos empresários”.

Além dos desafios já apontados, João Fernandes acrescenta as anunciadas greves em companhias aéreas e estruturas aeroportuárias ou em empresas de transportes rodoviários que poderão constituir “entraves que merecem a nossa atenção e preparação para agir”.

Finalmente, António Marques Vidal segue o mesmo diapasão, referindo que “os desafios são vários, desde o superar a diminuição de clientes, aumento da inflação e crise económica, continuando a lutar pelos principais objetivos como a diminuição dos custos de contexto, redução do IVA para o sector dos Congressos, Eventos e Animação Turística, a luta do Ordenamento Sustentável, envolvendo as múltiplas tutelas que são ineficientes em relação â resolução desta problemática e a melhoria do funcionamento das parcerias entre o sector publico e o sector associativo”.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Artigos relacionados
Agenda

Politécnico de Setúbal promove encontro internacional para debater futuro do turismo

O encontro internacional “The Future of Tourism” pretende suscitar o debate sobre diferentes cenários para o futuro do turismo, assente nos pilares da inovação, sustentabilidade e colaboração.

Publituris

O projeto de investigação SHIFT, liderado pelo Instituto Politécnico de Setúbal (IPS) e com financiamento da Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT), promove no próximo dia 15 de fevereiro, em Lisboa (Hotel Holiday Inn, a partir das 09h30), o encontro internacional “The Future of Tourism”, que pretende suscitar o debate sobre diferentes cenários para o futuro do turismo, assente nos pilares da inovação, sustentabilidade e colaboração.

Organizado em várias mesas redondas temáticas, o encontro reúne especialistas em áreas como Sustentabilidade e Desenvolvimento; Panorama Económico e Geopolítico; Ciência, Inovação e Transformação Tecnológica; e Turismo & Hospitalidade, reservando, no final dos trabalhos, um momento de networking.

O projeto SHIFT – Sustainability-oriented, Highly interactive, and Innovation-based Framework for Tourism Marketing, que decorre desde janeiro de 2022, surge com o propósito de “trazer uma nova abordagem interdisciplinar para os desafios que as pequenas e médias empresas do setor enfrentam, desenvolvendo e validando uma nova estrutura teórica para explicar de que forma o turismo se pode reinventar de forma colaborativa num mundo pós-pandémico”.

Deste referencial teórico pretende-se que resulte um “framework de marketing turístico voltado para a sustentabilidade, interativo e inovador, de base digital, e alavancador da transformação de que o turismo necessita com urgência”. O projeto contempla igualmente a validação empírica dos modelos teóricos a serem desenvolvidos e um protótipo de uma plataforma de marketing digital colaborativo, que sirva de suporte aos agentes de turismo neste processo de transição.

O projeto SHIFT tem como investigadora responsável Teresa Costa, professora coordenadora do IPS (Escola Superior de Ciências Empresariais), reunindo uma equipa de investigadores da Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril (ESHTE), Instituto Politécnico de Lisboa (Escola Superior de Comunicação Social) e Universidade do Algarve (Escola Superior de Gestão, Hotelaria e Turismo). São parceiros o CiTUR – Centro de Investigação, Desenvolvimento e Inovação em Turismo e o Turismo de Portugal, IP.

É possível assistir gratuitamente ao evento via online, mediante inscrição em https://shiftresearch.pt.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Até haver novo aeroporto de Lisboa “é preciso encontrar soluções intermédias”

O diretor-geral da ATL, Vitor Costa, alerta para que até a operacionalização de um novo aeroporto para Lisboa, o que vai demorar muitos anos, tendo em conta o estádio do projeto, “é preciso encontrar soluções intermédias”.

O diretor-geral da Associação Turismo de Lisboa (ATL) alerta para que até a operacionalização de um novo aeroporto para Lisboa, o que vai demorar muitos anos, tendo em conta o estádio do projeto, “é preciso encontrar soluções intermédias”.

Na opinião de Vítor Costa, “primeiro é preciso que Portela melhore, segundo, eventualmente, vai ser necessário, a certa altura, soluções intermédias para conseguirmos responder à procura”.

O responsável lembra que “quando esta discussão da necessidade de construção de um novo aeroporto para Lisboa começou, a que em certa altura se falou na possibilidade de ficar localizado na Ota ou Alcochete, o setor do turismo defendia a utilização de uma Base Aérea, nomeadamente, o do Montijo, para fins civis, uma vez que já lá existia uma pista aérea e podia ser utilizado em complemento a Portela, independentemente da decisão sobre um novo aeroporto”.

“A questão que temos é até chegar lá. Para tal temos de encontrar soluções mais pragmáticas, ou então não fazemos nada na Portela e continuamos durante mais 10/12/14 anos na situação em que estamos”, disse, para acrescentar que “é preciso fazer os investimentos previstos para a Portela, e mesmo assim, não sei se não será necessário recorrer a soluções para que, entretanto, as coisas se possam resolver. Isto tem de ser razoavelmente ponderado”.

Recorde-se que foi feito um acordo bipartidário (PS e PSD) e a partir daí foi criada uma solução “que poderá ser mais virtuosa, que poderá dar mais consenso, admito”. Essa solução passou pela criação de uma Comissão Técnica independente para fazer um relatório sobre a localização da nova infraestrutura, e de uma Comissão de Acompanhamento. Vítor Costa faz parte dessa Comissão de Acompanhamento, de acordo com a deliberação do Conselho de Ministros, na qualidade de presidente da Entidade Regional.

É preciso fazer os investimentos previstos para a Portela, e mesmo assim, não sei se não será necessário recorrer a soluções para que, entretanto, as coisas se possam resolver”

Agora, essas estruturas “vão desenvolver o seu trabalho e a promessa que existe é que durante este ano seja anunciada uma decisão sobre a localização do novo aeroporto, que o Governo decida, que o Presidente da República subscreva e que pelo menos o PSD suporte, na expectativa de que não se volte a discutir tudo de novo. O processo agora vai prosseguir e temos de esperar que tenha um desfecho”, destacou Vítor Costa.

No entanto, o responsável chama atenção para o seguinte: “A deliberação do Governo é para que esta comissão decida sobre a localização do novo aeroporto, mas “seja qual for a decisão final, é preciso ainda construir a nova infraestrutura, o vai durar anos”. Então, “entre este momento e até o novo estar operacional, e estamos a falar em pelo menos 10 anos, significa um lapso de tempo muito grande”, alertou.

*O jornal Publituris errou na última edição. Neste artigo, houve um lapso e em vez de, no título, estar “haver”, publicámos “haber”. Aos nossos leitores pedimos desculpa. 
Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
Tecnologia

Portugal com uma start-up vencedora no “Awake Tourism Challenge” da OMT

A start-up portuguesa Noytrall foi uma das 15 vencedoras da iniciativa da OMT, entre as 2.000 concorrentes de 120 países, que visa premiar start-ups que estão a mudar o setor do turismo em todas as regiões globais.

Victor Jorge

A Noytrall, start-up que nasceu com a missão de transformar a forma como os hotéis gerem serviços públicos e revolucionar a experiência de turismo sustentável dos hóspedes, é uma das vencedoras do “Awake Tourism Challenge”, iniciativa da Organização Mundial do Turismo (OMT) que premeia as start-ups que estão a mudar o setor do turismo em todas as regiões globais.

A start-up portuguesa foi uma das 15 vencedoras, entre as 2.000 concorrentes de 120 países e 30 finalistas.

O desafio foi a segunda edição da “Global Startup Competition” da OMT, com foco nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Os concorrentes foram analisados em função da contribuição para o desenvolvimento de uma sociedade inclusiva, resiliente e setor do turismo sustentável, com foco em seis temas principais: Envolvimento da comunidade local; Economia Verde e Azul; Criação de Capital Ecológico e Sustentável; Turismo “Tech for Good”; Educação em Turismo; e Empoderamento Feminino.

O secretário-geral da OMT, Zurab Pololikashvili, salienta, em comunicado, que “as startups de turismo têm o poder e agilidade para transformar o setor em linha com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável”, referindo ainda que os vencedores do “Awake Tourism Challenge” da OMT “têm o potencial para ajudar a construir um setor mais inclusivo e resiliente e esperamos apoiá-los enquanto crescem em tamanho e influência”.

As start-ups vencedoras terão um período de incubação de três meses no SPARK Crans-Montana, o Centro de Inovação de Les Roches do grupo Sommet Education, onde participarão em mentorias, atividades de networking e terão acesso a um laboratório de realidade virtual, estúdio digital e um espaço de coworking dedicado. Além disso, vão também receber bolsas de estudos para a “Tourism Online Academy” da OMT, bem como serem incluídas no Catálogo OMT dos principais inovadores, destaque numa campanha de comunicação global para mostrar cada vencedor e convidados para mentorias com parceiros do projeto.

Além da start-up portuguesa Noytrall, as restantes vencedoras foram: Coastruction (Países Baixos), SmArt Tourism and Hospitality Consulting (Panamá), Quantum Temple (EUA), Socialbnb (Alemanha), Instituto de Accesibilidad (Espanha), Kamatjona (Namíbia), Baahdy & Birdy (Noruega), WeavAir (Singapura), r3charge (Alemanha), Impact Innovations Institute (Arménia), NomadHer (Coreia do Sul), Murmuration (França), Evelity by Okeenea Digital (França) e Accessible Qatar (Catar).

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Turismo

Estoril-Sol com concessão da zona de jogo do Estoril até final de 2037

A Estoril-Sol acaba de assinar um contrato com o Estado português para a concessão do exclusivo da exploração de jogos de fortuna ou azar na zona de jogo do Estoril até 31 de dezembro de 2037.

Publituris

Numa breve nota divulgada pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a Estoril-Sol, SGPS, S.A., informa que, esta segunda-feira dia 30 de janeiro de 2023, “foi assinado entre o Estado português e a Estoril Sol (III) – Turismo, Animação e Jogo S.A., empresa sua subsidiária, o contrato de concessão do exclusivo da exploração de jogos de

fortuna ou azar na zona de jogo do Estoril”.

A mesma nota dá ainda conta que “a concessão da zona de jogo do Estoril inicia-se na data da celebração do contrato e termina a 31 (trinta e um) de dezembro do 15º (décimo quinto) ano posterior ao início da exploração de jogos de fortuna ou azar, isto é, 31 de dezembro de 2037”.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Turismo

OMT lança guia para acessibilidade com apoio de Portugal

Ferramenta anunciada na FITUR tem como foco empresas de acomodação, alimentação, conferências e exposições; objetivo é avaliar níveis de acessibilidade e desenvolver ou adaptar serviços. Portugal e Argentina apoiaram modelo.

Publituris

A Organização Mundial do Turismo (OMT), e parceiros estão a desenvolver esforços para implementar um amplo padrão internacional para acessibilidade em todo o setor, criando um guia para turismo acessível, com o compromisso de reconhecer as necessidades dos viajantes que vivem com deficiência.

A ferramenta foi lançada durante a FITUR 2023, tendo a OMT apresentando novas ferramentas orientadas para a implementação da norma UNE-ISO 21902 sobre Turismo Acessível, em toda a cadeia de valor.

O guia tem como foco empresas de hospitalidade, alimentação, conferências e exposições, e servirá como ponto de partida para avaliar os níveis de acessibilidade e desenvolver ou adaptar os seus serviços.

O conjunto de normas é uma continuação das diretrizes publicadas em dezembro, com foco nas administrações públicas.

Segundo a OMT, o apoio do Turismo de Portugal e do Turismo da Argentina foi fundamental para a comunicação com governos e destinos, responsáveis de políticas, estratégias e planos de marketing turísticos.

A diretora-executiva da OMT, Zoritsa Urosevic, refere que a “acessibilidade é fundamental para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS)”.

A agência reforça ainda que a acessibilidade é “uma grande oportunidade de inclusão social e negócios à medida que a recuperação do turismo continua”.

Este novo guia foi produzido em colaboração com as principais organizações da sociedade civil e da indústria, como a Sustainable Hospitality Alliance, o International Circle of Hospitality Directors, Cidh, e a European Network for Accessible Tourism, Enat.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Turismo

SETCS admite que próximo ciclo de fundos europeus “será o maior de sempre” e anuncia 3.ª edição do REVIVE

O secretário de Estado do Turismo, Comércio e Serviços (SETCS), Nuno Fazenda, admitiu que, somando os apoios do Portugal 2020 com o PRR e do Portugal 2030, “são mais 90% de apoios para as empresas”. Para 2023, e segundo o Banco de Portugal, as estimativas apontam para que “as exportações do turismo português cresçam 8,3%”.

Victor Jorge

O secretário de Estado do Turismo, Comércio e Serviços (SETCS), Nuno Fazenda, revelou esta terça-feira, 24 de janeiro, que o próximo ciclo de fundos europeus “será o maior de sempre”. Se no Portugal 2020, existe uma exigência de execução anual de dois a três mil milhões de euros, para o próximo ciclo, “esse valor passa para seis mil milhões de euros por ano, revelou o SETCS, o que, segundo o mesmo, “somando os apoios do Portugal 2020 com o PRR e o Portugal 2030, são mais 90% de apoios para as empresas”.

Mas ainda existe mais dinheiro, já que no PRR, “temos 151 milhões de euros para apoio ao turismo”, existindo ainda apoios transversais que incluem o setor do turismo: transição digital no valor de 600 milhões de euros.

No domínio da eficiência energética também existem apoios significativos, com o “Repower EU” a disponibilizar mais de 700 milhões de euros”, o que levou Nuno Fazenda a destacar que, quer no curto prazo, quer no médio e longo prazo as empresas terão instrumentos que garantem o seu crescimento e competitividade”.

Falando no almoço promovido pela Associação da Hotelaria de Portugal (AHP), o SETCS começou por frisar a importância económica e social do turismo em Portugal que, sendo a maior atividade exportadora do país, representa 20% das exportações de bens e serviços”.

Nuno Fazendo reconheceu, no entanto, que o setor do turismo “não está com força agora”, relembrando que nos últimos 10 anos, ou melhor, na década anterior a 2019, o turismo cresceu acima dos 10% ao ano nas receitas, mas que, em 2022, “o turismo deu a volta”.

No discurso dirigido aos associados da AHP, o SETCS salientou que “temos de ter a ambição de fazer mais e melhor. Temos de ter a ambição de liderar o turismo do futuro e isso significa ter um turismo mais sustentável, mais inclusivo, mais tecnológico e mais coeso”.

Para tal, Nuno Fazendo apontou cinco prioridades: “pessoas, empresas, investimento, território e reforço da notoriedade de Portugal e das suas regiões enquanto destino turístico”.

O secretário de Estado admitiu a necessidade de “atrair recursos humanos para o setor com mais qualificações”, destacando o que dissera na sua primeira intervenção pública, depois de assumir o cargo, e que passa pela apresentação de uma “agenda para a qualificação e atração de talento para o setor do turismo”.

Mas além do ‘matching” que deverá ser feito entre a procura e oferta de emprego, Nuno Fazenda frisou, igualmente, a importância da “valorização dos salários”, focando o acordo alcançado na Concertação social, salientando que, no turismo, “existem empresas que vão, inclusivamente, além do acordo com proposta salariais mais altas”.

O secretário de Estado do Turismo, Comércio e Serviços revelou, também, que será lançada uma 3.ª edição do programa REVIVE que contemplará entre 15 a 20 imóveis, salientando que esta iniciativa “promoverá o investimento”.

No que diz respeito às empresas, Nuno Fazendo destacou o programa Apoiar.pt que dotou com mais 70 milhões de euros o apoio, revelando que as empresas dos transportes turísticos serão enquadradas para receber esses apoios. O SETCS evidenciou, também, o “Consolidar +Turismo”, destinado às Micro e Pequenas Empresas, linha que é de crédito, mas que admitiu “não será para criar mais dívida”.

“Trata-se de uma linha de apoio sem juros para aquelas empresas que tenham contraído empréstimos ao longo da pandemia” e que, a partir de 1 de fevereiro, podem apresentar candidaturas para, cada uma, aceder a 40.000 euros sem juros.

O governante deixou bem claro que, “para desenvolvermos o nosso turismo, teremos de assegurar a preservação e valorizar a matéria-prima. E a matéria-prima do turismo são os nossos recursos naturais e culturais”. Por isso, Nuno Fazenda referiu que “temos de apostar no território interior”.

Finalmente, no que diz respeito ao reforço da notoriedade de Portugal e das suas regiões enquanto destino turístico, o secretário de Estado afirmou que “queremos continuar a afirmar Portugal como um dos principais destinos turísticos do mundo e, por isso mesmo, teremos a promoção da marca Portugal, mas também das suas regiões e dos seus territórios”.

Para tal, Nuno Fazendo destacou o protocola assinada no final de 2022, com mais de 20 milhões de euros para a promoção externa das diversas regiões, tendo revelado a realização do pagamento de 50% desse protocolo para dar “estabilidade às agências de promoção externa para fazer o seu trabalho”.

Para concluir, o SETCS destacou ainda a necessidade de “restabelecer e reforçar a conectividade aérea”, que segundo o mesmo ainda está a 6% do que tínhamos em 2019.

“O propósito é concretizar e as perspectivas são boas, já que, segundo o Banco de Portugal, em 2023, as exportações do turismo português deverão crescer 8,3%”, terminou Nuno Fazenda.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Turismo

Ministro da Economia antecipa receitas de 22 MM€ no turismo em 2022

O ministro da Economia, António Costa Silva, revelou que as receitas do turismo atingiram os 22 mil milhões de euros em 2022, superando em 20% o valor registado em 2019, naquele que foi considerado o melhor ano turístico.

Publituris

“Portugal terminou o ano de 2022 com 22.000 milhões de euros, o que é absolutamente extraordinário porque, num ano, não só recuperámos aquilo que fizemos em 2019, como superámos os resultados em mais 20%”, disse o ministro da Economia e do Mar, António Costa e Silva.

Ao intervir na sessão de encerramento da inauguração da nova Escola de Hotelaria e Turismo de Portimão (EHTP), o governante lembrou que o turismo, “um dos motores do desenvolvimento da economia do país, foi altamente flagelado pela pandemia, quase paralisado durante dois anos, conduzindo a uma grande desmotivação” dos agentes económicos.

“Havia muita gente que dizia que para recuperarmos os números de 2019 iríamos demorar três, quatro ou cinco anos, mas conseguimos recuperar durante o ano passado”, sublinhou.

António Costa Silva afirmou que para Portugal “atingir um dos objetivos de ser o destino mais sustentável do mundo, um dos de maior qualidade, “é necessário trabalhar em conjunto, desenvolvendo redes colaborativas”.

“Se construirmos estas plataformas, se tivermos desígnios claros, nós podemos transformar a vida das nossas comunidades, criar riqueza e alinhar o país, sintonizar o país com o futuro”, apontou.

Na opinião do titular da pasta da Economia, “ainda existe preconceito no país em relação ao turismo”, um setor que, lembrou, “é sem dúvida um dos pilares fundamentais do nosso desenvolvimento económico”.

“Nós, no Ministério da Economia, temos uma visão muito clara sobre o turismo: o turismo é uma ferramenta para desenvolver o país do norte ao sul, incluindo as regiões autónomas [da Madeira e dos Açores], porque ele é capilar”, notou.

No mesmo sentido, acrescentou, que o turismo “está nesta altura em todo o espaço nacional e ele é transversal, mobiliza múltiplos setores da economia, desde a construção aos transportes, a todo um conjunto de indústrias”.

“Se nós usarmos esta ferramenta [turismo] no sentido próprio, ela é absolutamente transformadora”, reforçou.

António Costa Silva apontou também a qualidade das novas instalações da EHTP como um “investimento para treinar e formar pessoas, dado que o investimento na educação é o mais produtivo que o país pode ter”.

“A educação […] muda as pessoas e são as pessoas que transformam o mundo. Nós queremos ser o destino mais sustentável do mundo e isso não se faz sem escolas de qualidade”, disse.

O novo edifício da Escola de Hotelaria e Turismo de Portimão representa um investimento de 2,3 milhões de euros do Turismo de Portugal que permitirá reforçar a oferta formativa na região.

As novas instalações resultam da requalificação do antigo estabelecimento prisional de Portimão, dispondo o edifício de oito salas de aula equipadas com a mais recente tecnologia, duas cozinhas individuais, um auditório com capacidade para 140 pessoas, um bar e um restaurante ‘de aplicação’, que estarão abertos ao público.

Segundo o Turismo de Portugal, os equipamentos digitais vão facilitar “um ensino híbrido que conjugue formação presencial e à distância”.

A Escola de Hotelaria e Turismo de Portimão é o terceiro estabelecimento de formação na área existente no Algarve, a par de Faro e de Vila Real de Santo António.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Prémios

Conheça os nomeados dos “Portugal Trade Awards by Publituris @BTL 2023”

Os “Portugal Trade Awards by Publituris @BTL” têm na sua edição de 2023, uma centena de nomeados. As votações terminam a 17 de fevereiro de 2023.

Publituris

Estão lançados os “Portugal Trade Awards by Publituris @BTL 2023”. Para a edição deste ano, existem 100 nomeados em 16 categorias, havendo ainda lugar ao prémio de “Personalidade do Ano”, atribuído diretamente pela redação do jornal Publituris.

Tal como na edição de 2022, os vencedores serão encontrados através de uma média ponderada entre os votos do Júri (45%), dos assinantes do jornal do Publituris (45%) e subscritores da newsletter diária do www.publituris.pt (10%).

Face às edições anteriores dos “Publituris Portugal Trade Awards” existem categorias que transitam para os “Publituris Travel Awards” que se realizarão no final do mês de junho de 2023. As categorias que transitaram para os “Publituris Portugal Travel Awards” foram todas as categorias relacionadas com a hotelaria, rent-a-car, cruzeiros, parques temáticos, animação turística e marinas.

A entrega dos “Portugal Trade Awards by Publituris @BTL 2023” realizar-se-á no dia 1 de março de 2023, a partir das 17h00, na Bolsa de Turismo de Lisboa (BTL) 2023.

A votação online decorre no site dos prémios – https://premios.publituris.pt/ – entre os dias 23 de janeiro de 2023 e 17 de fevereiro de 2023.

Para validar o voto é exigida a introdução do e-mail, que terá de ser idêntico ao de registo na newsletter do Publituris.pt.

Os nomeados dos “Portugal Trade Awards by Publituris @BTL 2023” são:

Melhor Operador Turístico
Icárion
Lusanova
Nortravel
Quadrante
Solférias
Soltour
Soltrópico
Sonhando
Viajar Tours

Melhor Agência Corporativa
Carlson Wagonlit Travel (CWT)
Cosmos
Globalis
Osiris
TQ Travel Quality
Travelstore American Express GBT
Wide Travel

Melhor Consolidador
Consolidador.com
Magnet
TUI Air Cruiser

Melhor DMC
Abreu Events
Buzz Travel
CITUR
DTravel
EC Travel
In Tours
Inside Tours
PT DMC by Em Viagem

Melhor Distribuidor B2B
Bedsonline
Tour10
Turitravel
Veturis
W2M

Melhor GSA Aviação
APG
ATR
Select Aviation
Silon Aviacion
Summerwind

Melhor Sistema Global de Distribuição
Amadeus
Destinux
Travelport

Melhor Empresa de Transfers
CM Private Luxury Tours
DP Tours Plus
Specialimo
Timeless
VIP Limousines
Yellowfish

Melhor Empresa Gestão Hoteleira
AHM
Amazing Evolution
Blueshift
DHM
Unlock Boutique Hotels

Melhor Empresa Software Gestão Hoteleira (PMS)
CLEVER
GuestCentric
HiJiffy
HOST
Newhotel
Paratytech
RoomRaccoon
XLR8RMS

Melhor Startup
Handyhostel
LUGGit
Merytu
Pleez
Sciven
YooniK

Melhor Consultoria e Assessoria Turismo
ABC Hospitality
IPDT
Neoturis
Pendular
PHC
Viability

Melhor Formação Turismo
Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril
Escolas de Turismo de Portugal
ISAG
ISCE
NOVA SBE Westmont Institute of Tourism & Hospitality
Universidade de Évora
Universidade Europeia

Melhor Seguradora de Viagens
Allianz
Europe Assistance
IATI Seguros
In Sure Brokers
Liberty
MAPFRE
MDS
SGS

Melhor Empresa Organização de Eventos
29 Graus
Desafio Global
GR8
H2N
NIU – Brand Activation
Voqin´

Melhor Venue para Eventos e Congressos
Alfândega do Porto
Altice Arena
Altice Forum Braga
CCB
Centro de Congressos do Estoril
Convento de São Francisco
Convento do Beato
WOW Porto

Personalidade do Ano 2022
Prémio atribuído diretamente pela redação do jornal Publituris.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Análise

Europa domina turismo, mas será ultrapassada pela Ásia – revela o WTTC

As cidades da Europa continuam a ser os destinos preferidos dos turistas de todo o mundo, mas, a curto prazo, a Ásia vai destronar o velho continente como potência turística, estima afirmou o World Travel Tourism Council (WTTC).

Segundo um estudo apresentado pela entidade em Madrid, no decorrer da Fitur – Feira Internacional de Turismo, o WTTC indica que a capital francesa era o principal destino urbano mundial, mas este ano será superada por Pequim.

O WTTC lembrou que a pandemia de Covid-19 teve um impacto devastador no setor das viagens e turismo, sobretudo nas grandes cidades, uma vez que os governos nacionais tomaram a decisão de fechar as fronteiras para fazer face à crise sanitária.

Assim, um bom número de viajantes trocou as visitas das cidades por destinos menos massificados, tanto no litoral como nas áreas rurais, mas com a abertura das fronteiras, as grandes cidades voltaram a ser o foco das atenções para as férias.

“Paris assume a coroa como o destino urbano mais poderoso do mundo, com um setor de viagens e turismo no valor de quase 36 mil milhões de dólares em 2022, em termos de contribuição direta do PIB para a cidade”, mencionou o WTTC, que destacou que, nos próximos 10 anos a capital de França deverá cair para o terceiro lugar, embora o seu valor suba para mais de 49 mil milhões de dólares.

A organização observou que Pequim, na China, é atualmente o segundo maior destino urbano do mundo, com um setor de viagens e turismo avaliado em quase 33 bilhões mil milhões de dólares. No entanto, “ultrapassará Paris nos próximos 10 anos, crescendo para impressionantes 77 mil milhões de dólares”, assumiu.

No continente americano, Orlando, nos Estados Unidos, foi avaliado em 31 mil milhões de dólares em 2022 e ocupa o terceiro lugar, seguido por Xangai, Las Vegas e Nova Iorque.

“Grandes cidades como Londres, Paris e Nova Iorque continuarão a ser potências globais, mas nos próximos anos Pequim, Xangai e Macau subirão na lista dos principais destinos urbanos”, disse Julia Simpson, presidente e CEO do WTTC.

A executiva observou que os turistas sempre terão cidades favoritas para onde voltar, mas “à medida que outros países priorizam viagens e turismo, veremos destinos novos e emergentes a desafiar os favoritos tradicionais”.

 

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
Destinos

Portugal e Espanha definem “pontos de encontro” no turismo transfronteiriço

Portugal e Espanha acordaram uma nova Estratégia para o Turismo Fronteiriço. Se do lado português, o ministro da Economia e do Mar, António Costa e Silva, considera que “definirá conceitos de turismo virados para o futuro”, a ministra do Indústria, Comércio e Turismo de Espanha, Maria Reyes Maroto, refere que se trata de “uma oportunidade e não de uma necessidade”.

Victor Jorge

O ministro da Economia e do Mar de Portugal, António Costa e Silva, e a ministra do Indústria, Comércio e Turismo de Espanha, Maria Reyes Maroto, apresentaram esta quinta-feira, 19 de janeiro, no decorrer da FITUR 2023, em Madrid, a nova Estratégia de Sustentabilidade do Turismo Transfronteiriço 2022-2024 no que o ministro português considerou ser um “projeto transformador” e que irá desenhar “novos pontos de encontro entre os dois países”.

António Costa e Silva destacou mesmo “o dia histórico”, uma vez que se trata de um “acordo único no mundo”. De acordo com o ministro português, este acordo permitirá, através do turismo, “fixar população, atrair talento e qualificar pessoas”, dando enfâse ao que os dois países poderão oferecer em termos de gastronomia, enologia, literatura, cultura, arte, entre outros.

Salientando o facto de “estarmos a falar de 1.234 quilómetros de fronteira” e, em termos demográficos, de “cerca de 140.000 quilómetros quadrados de território”, Costa e Silva considera que este projeto “redefine o turismo através do território”, uma vez que existe “uma forte ligação entre as regiões transfronteiriças portuguesas e espanholas”.

Contudo, o ministro da Economia e do Mar português salientou o facto de ser necessário” reinventar produtos turísticos para oferecer experiências novas” que assentarão, também, numa estratégia de promoção externa conjunta.

“As comunidades sentem-se abandonadas”, destacando Costa e Silva “a coesão territorial” como factor essencial para o futuro, frisando ainda que “com as acessibilidades que estão e serão construídas, teremos a capacidade de fidelizar fluxos turísticos”.

“Os países quando trabalham juntos podem ser transfigurados”, admitindo mesmo que esta estratégia agora apresentada e que será desenvolvida no futuro, “poderá reinventar a identidades dos dois países. No fundo, queremos apresentar conceitos de turismo virados para o futuro”, terminou António Costa e Silva.

Já Maria Reyes Maroto também destacou o “acordo único” que os dois países passam a desenvolver a partir de agora e que fora assinado na Cimeira Bilateral de novembro de 2022 em Viana do Castelo. “Estamos a falar oportunidades e não de necessidades”, considerou a ministra do Indústria, Comércio e Turismo de Espanha.

Reyes Maroto definiu, de resto, quatro pontos estratégicos para este acordo: “oportunidade; desenvolvimento económico e social do território; sustentabilidade não só ambiental, mas também económica e social; e coesão”.

No final, António Costa e Silva referiu que “as duas entidades responsáveis pela promoção do turismo de ambos os países irão agora definir a respetiva estratégia conjunta”, não tendo avançado com prazos, investimentos e quais os mercados onde será realizada a aposta na promoção desta nova parceria.

 

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.