Assine já
Destinos

República Dominicana, uma nova era na segurança e na promoção

O Publituris integrou a famtrip organizada pela Ávoris, através do operador turístico Jolidey, em colaboração com o Ministério de Turismo da República Dominicana (MITUR). O objetivo foi apresentar a 30 agentes de viagens e jornalistas o país como um destino seguro numa era pós-COVID.

Rute Simão
Destinos

República Dominicana, uma nova era na segurança e na promoção

O Publituris integrou a famtrip organizada pela Ávoris, através do operador turístico Jolidey, em colaboração com o Ministério de Turismo da República Dominicana (MITUR). O objetivo foi apresentar a 30 agentes de viagens e jornalistas o país como um destino seguro numa era pós-COVID.

Rute Simão
Sobre o autor
Rute Simão
Artigos relacionados
Reportagem| Qatar: O Emirado do futebol
Homepage
Reportagem vídeo: Catalunha. Muito Além de Barcelona
Homepage
Ávoris quer aumentar operação para Punta Cana e aposta na promoção
Homepage
Nova Edição: Golfe, Turismo de Macau e Reportagem de Punta Cana
Homepage

O Publituris integrou a famtrip organizada pela Ávoris, através do operador turístico Jolidey, em colaboração com o Ministério de Turismo da República Dominicana (MITUR). O objetivo foi apresentar a 30 agentes de viagens e jornalistas o país como um destino seguro numa era pós-COVID.


Às seis da manhã o sol rasga o céu de Punta Cana autorizando o nascer de um novo dia. A primeira inspiração ao acordar é brindada por um bafo morno que preenche os pulmões que expandem a custo. Ainda é cedo e as pequenas gotículas de suor começam já a desenhar padrões na pele quente. O ar denso desperta um olfato firme pautado pelo aroma ácido das algas que cobrem a água salgada do mar. A chuva tépida cai de rompante e sem aviso num ritual assíduo e imprevisível que se pode repetir ao longo do dia e que, regra geral, não se espraia além do quarto de hora.
No areal junto ao mar, as toalhas de praia dão lugar, a esta hora, a máquinas e homens de pele queimada que recolhem o manto verde de sargaço alojado na frente marítima, de forma a devolver à água a transparência que lhe é exigida num esforço diário de não defraudar as expetativas dos turistas que aqui regressam, e que tanta falta fizeram no último ano. Este é um dos maiores problemas da época e uma ameaça eminente ao turismo do país.

Os meses infindáveis em que a pandemia da COVID-19 encerrou as portas do destino, travou luas-de-mel, viagens em família e férias românticas a dois, parecem estar a terminar. Para trás, está a recordação de uma República Dominicana que recebeu, em 2019, 6,5 milhões de turistas não-residentes, cerca de metade só em Punta Cana – o que se traduziu numa quebra de -62,7% em 2020. Em julho de 2020, os aeroportos reabriram e as unidades hoteleiras retomaram a operação a um passo lento que se traduz em ocupações que estão, atualmente, entre os 40% e os 60%. Nem todos os hotéis se encontram já a funcionar e muitos mantêm apenas parte da capacidade em operação. Mas os bons ventos que se têm sentido fazem prever que nos próximos meses a praça hoteleira esteja a operar em pleno.

Os olhos estão já postos no futuro e o otimismo é a engrenagem que move um povo que precisa do turismo para comer. Em 2019, o país das Caraíbas somou receitas turísticas no valor de 7.468,1 milhões de dólares (6.159,22 de euros), de acordo com o Banco Central da República Dominicana (BCRD). O turismo representa 17% do PIB nacional tendo um impacto, de forma indireta, na economia local de 22%, adiantam os dados da Associação Nacional de Hotéis e Turismo (Asonahores).

Para já, está reunido um punhado de ingredientes que imprime no Governo e nos agentes económicos locais a confiança numa rápida e bem-sucedida retoma. As várias medidas de segurança adotadas no âmbito da pandemia, o despertar dos principais mercados e uma nova estratégia implementada pelo Ministério de Turismo da República Dominicana (MITUR), que visa a promoção do país como um destino que extravasa além do ‘sol e mar’, fazem antever o sucesso dos meses vindouros.

Principais mercados de Punta Cana em 2019:

1- EUA 37.25%​

2- Canadá 17.56%​

3- França 4.98%​

4- Argentina 4.98%​

5- Reino Unido 4.32%

Da segurança nos resorts à nova realidade fora-de-portas
Punta Cana é conhecida como a jóia da República Dominicana, absorvendo metade dos turistas que escolhem o país para turismo. Os dias tranquilos nas águas quentes e as noites agitadas de cocktails e música são a simbiose perfeita para os que lá chegam.

Devido à pandemia, algumas regras do jogo mudaram refreando o ambiente típico vivido outrora. As discotecas continuam de portas fechadas e os espetáculos permanecem suspensos, à espera de melhores dias.

Mas não é sinónimo de falta de animação. Se, nas ruas o temperamento é sóbrio e o recolher obrigatório impera às 17h00, dentro dos hotéis e resorts encontra-se maneira de esculpir a diversão essencial ao menu de férias.
No Hotel Barceló Bávaro Palace, que acolheu a famtrip nos primeiros dias, a festa faz-se pelas esplanadas, bares de jogos, casino e restaurantes. A música alta ecoa pelos corredores numa dança que combina com o tilintar dos copos e com os vários sotaques trocados. Punta Cana continua a ser casa de praia e festa e as máscaras são acessório secundário para muitos turistas que se sentem seguros dentro das paredes do hotel.

A 200 quilómetros mora a capital da República Dominicana. A cidade histórica de Santo Domingo tem estado na mira das atenções devido ao aumento do número de casos de COVID-19, superior à média nacional.

Em dia de feriado, e a uma hora do recolher obrigatório, a Plaza Duarte alberga centenas de locais e turistas, que ocupam bancos de jardim e mesas de esplanada. O cenário parece pré-pandémico a avaliar pelo aglomerado de pessoas que aproveitam os últimos minutos de liberdade do dia envoltos em despreocupação, quadro que é visto com alguma racionalidade por parte do governo. “Os casos [de COVID-19] que estão a aumentar em Santo Domingo dizem respeito à população residente, não estão relacionados com a franja do turismo. Somos um povo muito alegre e divertido e isso faz com que as pessoas, às vezes, baixem um pouco a guarda. Mais de 30% da população nacional já tem a segunda dose da vacina administrada. Estamos a fazer uma retoma segura e com medidas para que tenhamos 80% dos dominicanos vacinados em breve”, explica uma fonte ligada ao MITUR.

A vacinação da população dominicana tem sido um dos desafios do governo que tem reunido esforços para conseguir aumentar a adesão ao processo. Um dos maiores entraves prende-se com as crenças religiosas e teorias da conspiração que proliferam em redes sociais afetas aos efeitos adversos da vacinas e que pautam o pensamento de muitos residentes. Ao contrário de outros países, aqui não escasseiam vacinas mas sim a vontade de ser vacinado.

Medidas para um destino seguro

Apesar destes desafios que dizem respeito à população do país, naquela que é chamada a bolha turística, que se concentra nos principais destinos de férias, o cenário é seguro, diz o governo. Desde logo, porque todos os trabalhadores da hotelaria e turismo foram já totalmente vacinados bem como as respetivas famílias que vivem no mesmo agregado. Esta foi uma medida implementada pelo Governo de Luis Abinader, que levou a cabo um plano de vacinação para os 40 mil trabalhadores atualmente ativos desta indústria como mote para a retoma rápida do turismo no país.

O sucesso da campanha de vacinação justificou a dispensa da apresentação de testes PCR aos turistas que chegam ao país, à exceção de viajantes provenientes de destinos como Brasil, África do Sul e Índia. Contudo, nos aeroportos são realizados testes rápidos aleatórios de despiste à COVID-19 aos passageiros que aterram em solo dominicano.
O segundo grande trunfo do governo local é a oferta de um seguro de saúde a todos os turistas que entrem no país por via aérea e que fiquem hospedados num hotel. O chamado ‘Plano de Assistência Turismo Seguro’ está em vigor até ao próximo dia 31 de julho, sendo que já foi prorrogado cinco vezes desde a sua implementação, em setembro de 2020. No total, a medida custou ao Governo 1,4 milhões de dólares (1,2 milhões de euros).

O seguro inclui a cobertura de emergências médicas, incluindo COVID-19, fornecimento de medicamentos, hospitalização, transporte médico de emergência, despesas com internamento, mudança de voo por motivos médicos, extensão da estadia e assistência jurídica. “As medidas de combate à COVID-19 vão sendo ajustadas, conforme vão mudando as necessidades. Somos dos poucos países que mantém um seguro de saúde gratuito para os turistas há mais de seis meses. Com todos os protocolos que temos implementado, com todos os funcionários vacinados, temos a garantia de que não há necessidade de fazer mais do que estamos a fazer. Os casos de COVID-19 que temos não são alarmantes mas é bom manter o controlo porque dependemos do turismo e temos de preservá-lo por todas as vias”, atesta um porta-voz do MITUR.

A República Dominicana tem

70 grupos hoteleiros no país

100 companhias aéreas com acordos

500 cidades do mundo de onde chegam os turistas aos aeroportos

Oferta Hoteleira
As praias de areia fina e água morna cristalina são um dos principais atrativos para os turistas que escolhem Punta Cana com o intuito de desfrutar de uns dias de descanso num cenário onírico. Mas a experiência na região não se esgota nesta premissa. O alojamento assume uma importância determinante no resultado final da viagem.

Esta tónica ganha ainda mais relevo na atual conjuntura. Devido às restrições impostas pelo governo por causa da pandemia, o recolher obrigatório é obrigatório às 17h00, como referido, e é também proibido o consumo de bebidas alcoólicas na via pública. Com mais tempo para usufruir do resort, uma escolha acertada é sinónimo de melhor qualidade de F&B – podem ser consumidas bebidas até às 23h00 nos hotéis – bem como mais opções de entretenimento.

Outro dos aspetos a ter em consideração é o facto de Punta Cana estar em época de sargaço. As águas salgadas do azul celeste postal assumem agora uma roupagem entre o verde e o castanho o que acaba por ser, amiúde, mote de desilusão de muitos turistas que por ali param. É por isto, também, que a escolha de um hotel com qualidade vai fazer toda a diferença. As unidades são responsáveis pela limpeza das respetivas praias e há uma distinção musculada entre os vários hotéis. Numas unidades os esforços resultam em praias mais limpas e nadáveis enquanto noutras o menor cuidado por parte do hotel leva a que o sargaço se acumule impedido a utilização do mar.

Com uma oferta de 46 mil quartos espalhados pelos 123 hotéis e resorts regulados, Punta Cana é o palco do ‘all inclusive’. A praça hoteleira está bem desenvolvida e há opções para todos os segmentos e carteiras. Dos hotéis de luxo aos resorts familiares, dos ‘adult only’ às unidades perfeitas para grupos, não escasseiam propostas.
Do portefólio da Jolidey em Punta Cana, constam 23 marcas que representam mais de 60 hotéis, ou seja, metade da oferta da região. Nesta famtrip houve a possibilidade de conhecer uma dezena de insígnias que se dividem consoante o propósito e a categoria.

Um destaque imediato é dirigido ao Complexo Royal Beach, localizado na praia da Bávaro. Sob a alçada do grupo AM Resorts, a oferta é bidimensional. De um lado, o Secrets Royal Beach Punta Cana, um refúgio sublime só para adultos. E, do outro, um pequeno paraíso para famílias e grupos, o Dreams Royal Beach Punta Cana. Há uma distinção imediata e evidente entre este complexo e a restante oferta de Punta Cana. Não só pela beleza e elegância de todos os espaços – as suites do Secrets com piscina privada são um ‘must see’- mas pelo cuidado transversal a todos os pormenores. A hotelaria rima, em qualquer parte do mundo, com serviço e com detalhe e é nestes dois mantras que a AM Resorts se posiciona à frente, de forma indiscutível. A atenção do staff está num nível superior à média dos demais hotéis. O nível de serviço e a simpatia dos funcionários é bastante volátil e pode divergir abruptamente entre hotéis. As propostas de F&B, seja em comidas ou bebidas e cocktails, é, também, surpreendente e diferenciadora.

Outro apontamento é feito ao Hotel Meliá Caribe Beach Resort (famílias) e ao Hotel Meliá Punta Cana Beach Resort (adultos). O complexo foi recentemente renovado e sobressai pela decoração contemporânea e minimalista, elegante e moderna. O ‘healthy’ é o conceito anfitrião das unidades e revela-se nas opções alimentares servidas bem como nas atividades. Nos quartos há tapetes de yoga disponíveis e os duches têm uma bomba de ‘vitamina C’ incorporada. Apesar não termos experienciado nem o serviço nem o F&B, o conceito e a apresentação merecem elogios.
Na lista de boas opções, numa oferta padrão enquadrada nas expetativas, estão também os complexos dos grupos RIU e Barceló, que apesar de maiores e mais movimentados, apresentam boas propostas de atividades, espaços comuns, F&B, alojamento e praias. São escolhas seguras dentro do universo ‘all inclusive’ que não desiludem o público deste tipo de resorts.

Por outro lado, o Hotel Impressive é um exemplo de que em Punta Cana a classificação nem sempre se coaduna com a oferta. As infraestruturas do hotel, embora não estejam enquadradas num cinco estrelas, não carecem de grandes reparos, situando-se dentro do razoável. Os quartos são espaçosos e a decoração é sóbria. Contudo, o serviço medíocre e desprimoroso, transversal do staff à oferta gastronómica, pode vetar a experiência idílica no destino.

O luxo urbano e discreto em Santo Domingo
Com a praia a alguns quilómetros de distância, na cidade de Santo Domingo voltamos a ser surpreendidos pela oferta hoteleira. A capital do país exige, naturalmente, um conceito distinto do dos resorts e é exatamente isso que encontrámos no ‘El Embajador, a Royal Hideaway Hotel’, que pertence ao grupo Barceló. A unidade, sóbria e discreta por fora, revela uma oferta de padrão elevado por dentro. Este é um hotel corporate de luxo capaz de agradar aos diversos mercados internacionais deste segmento. Contudo, a restante oferta de facilidades, como a piscina, spa, gastronomia e os bonitos espaços exteriores permitem que a unidade seduza outro tipo de cliente. Seja para lazer ou eventos como casamentos, o El Embajador acompanha, com mérito, qualquer propósito sendo uma escolha acertada se a viagem à República Dominicana incluir um desvio até à capital

Da beleza das águas límpidas à floresta selvagem

A lista de afazeres em Punta Cana pode ir além da praia e do resort e há várias atividades ao dispor que se enquadram nos mais diversos propósitos. A excursão à Isla Saona é uma excelente aposta, principalmente nesta época de sargaço que o destino enfrenta. Esta pode ser das poucas oportunidades para mergulhar num mar límpido e turquesa. O passeio catamarã dura um dia e inclui uma paragem no meio das piscinas naturais para beber um cocktail e observar as estrelas do mar. É importante verificar os preços e condições uma vez que, devido à pandemia e ao recolher obrigatório, o passeio acaba por ser mais curto do que o habitual.

Para os mais destemidos, o La Hacienda Park, no Parque Empresarial de Bávaro, sugere um dia de atividades radicais como slide, passeios de buggies na lama, um pequeno safari e passeio a cavalo. O preço de 99 dólares (83 euros) inclui o dia com todas as atividades e almoço.

O amanhã tem mais além de sol e mar
A adaptação dos pólos turísticos da República Dominicana à nova realidade pós-pandemia foi bem concretizada, na opinião do Governo e dos vários players. O turista tem dado sinais de se sentir seguro o que se repercute no aumento da procura e na concretização de novas rotas aéreas por parte das várias companhias mundiais que operam no destino.

Os protocolos implementados são equivalentes aos de tantos outros destinos do mundo o que ajuda a transmitir familiaridade e conforto a quem já está ambientado às novas normas. Mas, mais do que uma mudança nas rotinas de segurança e higiene, esta é uma nova era na forma como se faz turismo e como se promove o destino no futuro. Na opinião do MITUR, é hora de estender a oferta, captar novas rotas e chegar a diferentes mercados. “Vamos fazer uma maior aposta promoção e na diversificação turística. A República Dominicana aproveitou a pandemia para se relançar como um destino que é mais do que sol e mar. As pessoas já não querem chegar a um destino e ter só sol e praia. As pessoas querem ir a um lugar e fazer turismo de natureza, ‘mindfulness’, ‘slow food’, ‘slow travel’. O turista mudou com a pandemia. Temos de nos adaptar a todas as necessidades do turista”, assegura fonte ligada ao gabinete do ministro do Turismo David Collado, que acredita que o turista é, a partir de agora, o centro das atenções na estratégia de promoção.

“Os destinos têm de se adaptar. Antes partíamos do destino para a oferta turística e para as excursões e, só no fim, o turista. Agora a promoção começa no turista, e do turista e das suas necessidades é que é desenhada oferta hoteleira, as excursões, etc. O turista é o centro e nunca foi. É um bom narcisismo turístico”, adianta.

O governo desenhou uma aposta noutras vertentes da oferta como o turismo religioso, cultural, de aventura, gastonómico e enoturismo. Regiões como San Cristóbal, Peravia, Ocoa, Azua, Monseñor Nouel, Santiago, Monte Plata ou Hato Mayor, entre outros, fazem parte do leque de apostas que o MITUR quer vender.
Em oposição à praia, ‘a magia do campo dominicano’ é o mote que tem amparado uma nova estratégia de comunicação do país, que quer dar a conhecer um lado rural, numa aposta com a gastronomia de fundo, onde seduzem os queijos, o café, o cacau, a cana de açúcar e o vinho.

Como ir

A Ávoris tem voos  no novo avião da Iberojet, o A330-900neo com partida de Lisboa às segundas-feiras pelas 15h40. A operação de Madrid acontece às teças, quintas, sábados e domingos e, em breve, deverá iniciar a ligação a partir do Porto às terças-feiras, pelas 15h30.

*A jornalista viajou a convite da Ávoris e do MITUR.

Sobre o autorRute Simão

Rute Simão

Mais artigos
Artigos relacionados

Créditos: Frame It

Distribuição

“Nada na oferta de Portugal, enquanto destino turístico, está em contradição com as tendências de procura”

Em vésperas de congresso, o Publituris esteve à conversa com o presidente da Associação Portuguesa da Agências de Viagens e Turismo (APAVT). Com o mote “Fazer”, Pedro Costa Ferreira admite que 2023 não acompanhará o crescimento registado pelo turismo em 2022, dada a incerteza que se regista a nível global, tal como também não acredita numa decisão para o novo aeroporto em 2023. Quanto à semana de trabalho de quatro dias, a palavra escolhida foi “anedota”.

Victor Jorge

Depois do “Reencontro”, em 2021, o mote do 47.º Congresso da APAVT é “Fazer”. E segundo o presidente da APAVT, ainda há muito que fazer. Consciente de que o setor não teria sobrevivido sem os apoios, Pedro Costa Ferreira espera mais, principalmente, no que diz respeito ao alargamento dos prazos das linhas de apoio ao pagamento dos vales. Mais cético está sobre os números que estão previstos para o turismo a longo prazo, admitindo não saber “como se pode pensar em atingir as metas que estavam traçadas para 2027 [27 mil milhões de euros em receitas turísticas], num destino turístico completamente dependente das acessibilidades aéreas para receber os seus turistas”. Assim, “parece que a parte mais difícil é mesmo decidir”. Já quanto à TAP, privada ou pública, o importante é “que consiga segurar o ‘hub’ português”.

O 47.º congresso da APAVT tem o tema “Fazer”. Olhando para estes quase três anos de pandemia e com uma guerra pelo meio, o setor do turismo e nomeadamente das agências de viagem poderiam ter feito mais?
Acho que o setor das agências de viagens fez bastante mais do que o imaginável. No início da pandemia repatriámos os nossos clientes e repatriámos os que não eram nossos clientes. Depois, ao longo da pandemia, reembolsámos todos os nossos clientes que não conseguiram viajar. No nosso primeiro cálculo do valor dos reembolsos, estimamos em 300 milhões de euros o valor reembolsado a todo o mercado. Depois, ao longo da pandemia, conseguimos interpretar as regras, as restrições de viagens que se alteravam de 15 em 15 minutos e foi através dessa interpretação e desse bom trabalho que pusemos uma boa parte dos portugueses a viajar.

No regresso à normalidade enfrentámos e aparentemente conseguimos gerir, pelo menos, as dificuldades de tesouraria que são próprias de todo o regresso à normalidade. Fizemos o ano de 2022 muito semelhante, enquanto setor, ao ano de 2019. E aqui estamos todos, vivos, a olhar o futuro e, por isso, acho que, com sinceridade, é difícil imaginar que poderíamos ter feito mais. E se pensarmos no que pensámos em março de 2020, quando nos questionávamos se era possível sobreviver dois ou três meses, acho que fomos para além do impossível.

2023 incerto, para pior
Mas também já o ouvi dizer que 2023 não será igual 2022.
Não. Acho que será seguramente pior do que 2022. Quão pior, não sabemos. Evidentemente que há alguns fatores de incerteza importantes, temos a guerra.

 

É difícil imaginar que poderíamos ter feito mais

 

Essa é a grande palavra: incerteza?
Sem dúvida. E quando olhamos o futuro é quase a única. Há trabalho à volta dela, mas a palavra definidora é a incerteza. Temos a guerra na Ucrânia, que não precisa de escalar. Enquanto durar, há a possibilidade de escalar e, portanto, a possibilidade de reverter todos os ganhos conseguidos até agora. A certeza que existe é a desaceleração económica. E quer a guerra continue, quer não continue, essa já é certa. Como somos um setor absolutamente sensível às variações de consumo, às expectativas e às incertezas do consumidor, parece óbvio que quer o outgoing, pela perda de poder de compra dos portugueses, quer o incoming, pela retração de vários mercados emissores, vamos ter um de 2023 inferior 2022.

Já tem algum cálculo?
Acho que esses fatores de incerteza nos dirão quão inferior. Não sabendo calcular, posso ter uma esperança. Demos um bom passo em frente na recuperação em 2022, porque fizemos um resultado semelhante a 2019. Faltarão provavelmente mais cinco anos desses resultados para chegarmos ao equilíbrio, mas pelo menos a possibilidade de ser um ano positivo seria para nós o mais importante. Ou seja, não se dar um passo atrás.

De fosse igual a 2022 já não era mau?
Se fosse igual a 2022, seria espetacular.

União à espera de apoios
No ano passado, o mote do Congresso da APAVT foi “Reencontro”. Na altura dizia-me que “mais do que nunca, é importante que o setor, mais do que se reunir, se una”. O setor uniu-se?
Não há uma resposta objetiva para isso. A minha resposta, que é subjetiva, é que o setor se uniu. Sobretudo, o setor voltou à normalidade e, ao voltar à normalidade, significa que as agências de viagens e concretamente as agências de viagens que fazem parte da APAVT voltaram a concorrer entre si. Portanto, esse é o principal traço de um setor económico. Se se uniu, acho que as agências de viagens perceberam muito bem, ao longo de 2022, que aquilo que as une é muito mais do que aquilo que as divide.

O Congresso vai ser, enfim, pelo menos em termos de adesão, outra vez um grande êxito. Conseguiu-se responder a dificuldades processuais muito importantes do ponto de vista da presença da APAVT na BTL, e conseguiu-se porque os associados se uniram à volta do projeto e deram uma grande mais-valia, até do ponto de vista do apoio financeiro. Conseguiu-se unir o capítulo aéreo, no sentido de se ter de se ter atingido um acordo com a IATA para revisão temporária dos critérios financeiros locais. E isso só foi possível porque, com todas as divergências e concorrência, os principais players, aqueles que estão no capítulo aéreo e que representam ao final cerca de 90% do BSP (Billing and Settlement Plan) conseguiram organizar-se à volta de uma proposta única. Os associados da APAVT cresceram de forma significativa e batemos os recordes conhecidos de 2002, que eram os únicos que existiam.

Portanto, eu diria que o outro setor se uniu, mas uma vez mais tenho consciência que não há uma resposta objetiva para isso.

 

Demos um bom passo em frente na recuperação em 2022, porque fizemos um resultado semelhante a 2019. Faltarão provavelmente mais cinco anos desses resultados para chegarmos ao equilíbrio

 

Falou se durante estes quase três anos muito dos apoios por parte das entidades oficiais. Sabendo que os tempos que aí vêm são de incerteza, espera mais apoios?
Os apoios que ocorreram durante a pandemia foram absolutamente essenciais. O apoio a fundo perdido que representou o layoff e o Apoiar.pt, e depois, num outro âmbito, o microcrédito do Turismo de Portugal, que funcionou sem juros, foram apoios que, um funcionaram bem, e dois foram essenciais à recuperação. Vamos ser claros, sem eles o setor não tinha resistido.

Se foram suficientes? Claro que não. Os balanços estão completamente destruídos e, portanto, achamos que os apoios deviam ter sido maiores.

Mas o valor dos apoios foi suficiente, mas o dinheiro não chegou, ou o valor que estava em cima da mesa foi simplesmente insuficiente?
O valor que estava em cima da mesa, nomeadamente, no Apoiar.pt foi completamente usado e, portanto, não foi suficiente. O que achamos é que devíamos ter mais uma tranche do Apoiar.pt. Aparentemente foi assinada uma nova tranche no acordo de Concertação Social e estará presente, esperemos, no orçamento. Estimamos que seja cerca de 10%, portanto, tivemos 700 milhões de euros de Apoiar.pt, estimamos em 70 milhões a verba que vai ser adjudicada a todas as empresas. Dizer isto, é dizer que provavelmente cada empresa que foi apoiada receberá mais 10% de apoio, é bem-vindo.

Depois, os processos de recapitalização não estão a correr bem nas grandes empresas e não são sequer existentes nas Pequenas e Médias Empresas. E são necessários porque os balanços estão completamente abalados, fruto da crise. Se não conseguirmos, de alguma maneira, repescar estes processos de recapitalização, pelo menos sugerimos e defendemos junto da tutela, que consigamos organizar, para quem queira e para quem necessite, o serviço da dívida, de modo a que dure um pouco mais tempo. Vamos falar das linhas de apoio ao pagamento dos vales. Se fosse possível alargar os prazos de quatro para oito anos ou de quatro para seis anos, seria bem-vindo.

 

Se quisermos manter o preço por uns anos ou eventualmente aumentá-lo, estamos condenados a melhorar o serviço

 

Está ser negociado?
Diria que está a ser tratado. Negociado é uma palavra demasiado forte neste sentido, até porque não temos divergências com a tutela relativamente a estes pontos. Estamos a tentar arranjar as condições técnicas e legais ou jurídicas para ser conseguido. Penso que são mais questões técnicas que estão aqui em jogo. Gostávamos muito que pudessem ser ultrapassadas.

Preço vs serviço
Dissecando um pouco o programa do Congresso da APAVT, mais do que fazer, a questão é como fazer? É preciso aumentar preço?
Não, eu que não. No curto prazo, o problema põe-se exatamente ao contrário. O que é que aconteceu em 2022? Aconteceu que Portugal, enquanto destino, aumentou preço e ao mesmo tempo diminuiu o serviço. O serviço ficou inferior? Porquê? Todos sabemos porquê. Porque houve uma resposta maciça da procura. A oferta teve uma resposta mais gradual e isso é um processo inflacionário de jogo da oferta e da procura.

Além disso, houve mais custos ou mais pressão inflacionária do lado dos custos e, portanto, tivemos aumento de preço.

Esse aumento de preço compensou o aumento de custos?
Julgo que sim, de modo geral. Sim, porque os resultados são bons, quer na hotelaria, quer nas agências de viagens. O que aconteceu foi a falta de pessoal. É uma situação conjuntural, sim. É uma situação gerível por um ano? Sim. É uma situação que não ocorreu só em Portugal. Sim. Mas se falarmos do médio e longo prazo, é algo que tem de ser resolvido. Porque se quisermos manter o preço por uns anos ou eventualmente aumentá-los, estamos condenados a melhorar o serviço.

E isso provavelmente leva-nos a uma das grandes questões empresariais e económicas do nosso tempo, que são as questões imigratórias. Portanto, um plano de imigração não apenas comunicado, mas que seja feito, lá está, “fazer”, que envolva a capacidade de atrair imigrantes, talento, a capacidade de os formar ou de virem formados e a, fundamentalmente, capacidade de os alojar.

Recentemente, no World Travel Market, o secretário-geral da OMT admitiu que era difícil repensar o turismo, já que o setor mudou tão rapidamente que foi muito difícil acompanhar essa mudança. O setor do turismo teve dificuldade em acompanhar essa mudança?
Responderia à pergunta de duas maneiras. A curto prazo, sim foi evidente. Mas a grande verdade é que há um regresso à normalidade do lado da oferta que tem um tempo necessariamente diferente ao regresso à normalidade do lado da procura.

Do lado da procura, é uma decisão. Podemos olhar para um interruptor e dizer eu não viajo, agora viajo. Do lado da oferta não é um interruptor, é uma onda que se vai formando e que tem de ganhar força. Portanto, desse ponto de vista, o turismo não acompanhou.

Agora, se analisarmos as palavras do secretário-geral da OMT do ponto de vista que o setor do turismo não acompanhou as tendências do consumidor, não estou de acordo. O que não é inusual porque estamos a falar da OMT, estamos a falar de políticos e os políticos nem sempre se encontram na mesma dimensão que o raciocínio dos empresários. Os resultados do turismo e o próprio crescimento do turismo ao longo dos últimos anos e a próprio crescimento, apesar de ter estado aquém da procura do turismo em 2022, prova que o turismo tem acompanhado as tendências de consumo.

Além disso, nem acho que essas tendências de consumo sejam más notícias para Portugal. Pelo contrário. Para já, não creio que a pandemia tivesse trazido novas tendências. Trouxe aceleração de tendências já bem construídas e já bem identificadas como a autenticidade, a sustentabilidade, a natureza, o comércio justo, o ‘slow tourism’, o digital, tudo isso são tendências que já estavam bem definidas, só foram aceleradas.

Nada na oferta de Portugal, enquanto destino turístico, está em contradição com as tendências de procura. Portanto, nem sequer acho que nessas tendências haja más notícias para Portugal. Assim se resolvam outras questões, como o aeroporto de Lisboa, para podermos concretizar a boa resposta que parece existir do lado da oferta.

 

Se ninguém está à espera do milagre de Fátima, ao menos comece a fazer as obras do aeroporto de Lisboa

 

Turbilhão TAP
Estamos com uma greve marcada [8 e 9 de dezembro] que irá ter um forte impacto na TAP. Como vê estas greves neste período, sabendo que nos aproximamos de uma época do ano em que as pessoas viajam muito e onde estas greves fazem, como se costuma dizer, muita mossa?
É verdade, fazem mossa. Aliás, fazem mossa não apenas se não forem realizadas, porque a partir de determinada altura a companhia aérea tem de gerir os voos e tem de arranjar alternativas. Muitas vezes, a verdadeira picada do escorpião é quando elas são desconvocadas na véspera, quando a companhia aérea tem os custos e tem os voos vazios. Portanto, não basta desconvocar, tem de ser desconvocada em tempo útil.

A TAP está num modelo de uma enorme exigência que é cumprir o plano de recuperação. Vai precisar de muito trabalho, de muita competência e de muita sorte. Temos a guerra, temos o fuel, a inflação global, a falta de mão de obra, a desorganização nos aeroportos. No caso da TAP, em específico, temos o brutal desafio que é o aeroporto de Lisboa. Portanto, a TAP está num turbilhão.

Uma tempestade perfeita?
Para ser perfeita, só falta juntar as greves e portanto, se ela não é perfeita, fica perfeita com as greves. Temos muita pena que esteja a acontecer.

Ainda relativamente ao dossier TAP, também está em cima da mesa a privatização. Como é que a APAVT olha para este dossier?
A APAVT nunca, ao longo dos últimos tempos, discutiu a origem do capital da TAP.

Mas são a favor de uma privatização?
Não precisamos de estar a favor de uma privatização. Se me perguntar se eu, enquanto pessoa, no meu olhar económico, sou a favor da iniciativa privada? Eu digo, sem hesitação que sim. Mas não devo transportar essa minha visão individual para a liderança de uma associação. E na realidade, a APAVT não precisa de uma TAP privatizada. A APAVT precisa de uma TAP que consiga desenvolver o processo de crescimento, de uma TAP que consiga segurar o ‘hub’ português e de uma TAP que tenha êxito no processo de recuperação. Aparentemente, estes três desafios poderão ser resolvidos por uma TAP com capital estatal ou por uma TAP com capital privatizado.

Mas a questão do ‘hub’, e existindo grupos interessados como a IAG (British Airways e Iberia), Lufthansa e/ou Air France-KLM, acredita na manutenção do ‘hub’ de Lisboa?
Não estou preocupado com isso, até porque o principal valor da TAP é o ‘hub’. Portanto, creio que nos processos de privatização é evidente que quem esteja à procura do ‘hub’ vai querer e tem mais valor a TAP para esses candidatos. O que espero num eventual processo de privatização é que ganhe alguém cuja estratégia inclua o ‘hub’ de Lisboa para juntar a outros ‘hubs’. Julgo que, teoricamente, a Ibéria faz mais um movimento de atrapalhar a privatização do que propriamente ir a jogo.

 

Decidir e fazer
Já relativamente ao novo aeroporto, antes de fazer a decidir.
Sim, antes de fazer há que decidir. Aliás, parece-se que a parte mais difícil é mesmo decidir.

E espera uma decisão até ao final de 2023?
Tenho vergonha em responder de forma desenvolvida. Mas a resposta é não, não espero que seja decidido em 2023.

 

Face à incerteza óbvia de tudo o que nos rodeia, construir mais certezas é ter uma estratégia definida, ter um foco e um desenvolvimento de um plano de negócios coerente com essa estratégia e manter uma proximidade brutal ao cliente

 

Isso acarreta, naturalmente, custos enormes para o turismo português?
Absolutamente brutais. Nem sei como é que se pode pensar em atingir as metas que estavam traçadas para 2027 [27 mil milhões de euros em receitas turísticas], antes da pandemia, no pós-pandemia, num destino turístico completamente dependente das acessibilidades aéreas para receber os seus turistas, em que nas acessibilidades aéreas Lisboa é a maior porta de entrada e que está esgotada. Nem consigo entender a coerência da tentativa de atingir esses objetivos, sendo que faço, eventualmente, um comentário que é, se ninguém está à espera do milagre de Fátima, ao menos comece a fazer as obras do aeroporto de Lisboa.

Um dos painéis do congresso da APAVT é mesmo “Crescer com as atuais acessibilidades. Qual o milagre?”.
Esse é o ponto. Eu colocaria as obras do aeroporto de Lisboa em execução, já que todos estamos dependentes, para sermos realistas, na boa execução dessas obras, para melhorar a eficiência do aeroporto, face à inoperância dos políticos.

Dito isto, gostaria de comentar que apesar da Comissão de Acompanhamento, que tem mais ou menos 20 intervenientes, ainda não ter reunido, que tenha conhecimento. É preciso dizer que o presidente desta Comissão, o presidente da Ordem dos Economistas e o presidente da Ordem dos Engenheiros, antes da Comissão reunir, já todos eles defenderam publicamente Alcochete. Portanto, aparentemente, as opiniões, parece estarem muito alinhadas.

Há relativamente pouco tempo ficámos a saber os números da atividade turística em Portugal. O Turismo de Portugal lançou uma forte campanha para o mercado dos Estados Unidos. Os mercados em que Portugal está a apostar são os mais corretos?
De um modo geral, julgo que sim. A aposta no mercado norte americano, até por questões conjunturais, parece-me uma decisão muito acertada. Mais do que o mercado norte americano, penso que a decisão acertada é nos mercados de ‘long haul’. Porquê? Porque não exigem o verão para viajar e, portanto, permitiria gerir a sazonalidade, não exigem praia para viajar, logo permitiria ganhar mais territórios turísticos. Ora, menos sazonalidade e mais territórios turísticos, são bons movimentos em direção a um crescimento com menor pressão turística. Do ponto de vista estratégico, os mercados de ‘long haul’ e o mercado norte americano, até por uma questão de proximidade, parecem-me apostas absolutamente válidas.

Conjunturalmente, julgo que o Turismo Portugal está a apostar um pouco na valorização do dólar para proteger, uma eventual, já certa, retração de alguns mercados emissores europeus, nomeadamente, Reino Unido e Alemanha.

Houve dois temas que, com a pandemia, de facto, foram reforçados: a digitalização e a sustentabilidade. A APAVT aderiu, em março, ao programa europeu SUSTOUR. Como tem corrido a adesão por parte dos associados da APAVT a este programa?
É um primeiro passo e, portanto, temos de o ver com alguma humildade. Assim, obriga-nos a manter estes processos como um dos pilares de atuação nos próximos anos. Mas a verdade é que está a correr muito bem.

Em primeiro lugar, na sua origem, apenas cinco associações europeias e a Confederação Europeia (ECTA) aderiram ao projeto inicial do SUSTOUR. Portanto, em seis associações, uma delas é a APAVT. Em segundo lugar, em termos de adesão dos associados a parte tem cerca de 60 associados que aderiram e, julgo, é a associação com maior adesão de associados de todas as que concorreram. Segunda boa notícia.

Em terceiro lugar, os trabalhos decorrem com uma dinâmica incrível, porque, não sendo difícil do ponto de vista técnico, é de facto muito trabalhoso porque é uma certificação, não é a compra de um selo. É uma certificação que obriga a uma mudança, nalguns casos, quase radical de comportamentos e, portanto, não é uma coisa fácil.

Esperamos até setembro do próximo ano, as empresas que tiverem êxito, terem os seus processos relativamente terminados. Dito isto, o SUSTOUR é apenas um passo no nosso processo de sustentabilidade, porque é um fundo europeu que apoia financeiramente os processos. Mais importante do que o SUSTOUR é o nosso acordo com a “Travelife”, uma empresa europeia certificadora a nível internacional e, por isso, continuamos a sugerir e a trabalhar junto dos associados para que novos processos de sustentabilidade se produzam. Não têm é o apoio financeiro de um fundo europeu que é o SUSTOUR. Dito isto, não tendo esse apoio financeiro, não são processos caros. Não será um problema financeiro, será um problema de decisão e depois de trabalho árduo para se atingir a certificação.

Nadim Habib, um dos key note speakers do próximo congresso da APAVT referia, em entrevista ao Publituris, que “é preciso construir mais certezas e não navegar constantemente na incerteza”. Como é que as agências de viagem em Portugal podem construir mais certezas?
Essa é uma ‘million dolar question’. A primeira resposta é, cada agência de viagens é um olhar sobre o mercado e, portanto, a constituição de certezas tem tanta diversidade quanto o número de agências de viagens. Tentando unir num mínimo denominador comum, todos estes ‘approach’, diria que, face à incerteza óbvia de tudo o que nos rodeia, construir mais certezas é ter uma estratégia definida, ter um foco e um desenvolvimento de um plano de negócios coerente com essa estratégia e manter uma proximidade brutal ao cliente.

Como olha para a possibilidade de um regime laboral de quatro dias?
Tenho vergonha de responder muito extensamente. É uma anedota, ponto de exclamação.

Logo no início da nossa conversa falou na importância da APAVT estar com os seus associados na BTL. Voltamos a ter a APAVT e os seus associados na BTL 2023?
Voltamos e, provavelmente, com maior presença de sempre. Foi um processo francamente difícil, o aumento de custos, de um modo geral, é conhecido, o aumento de custos na BTL existe e é concreto. Tivemos dúvidas e chegámos a duvidar que podíamos manter a nossa presença na BTL. E isso foi do conhecimento de todos, dos nossos associados e também da BTL.

A grande verdade é que tivemos uma muito boa resposta por parte dos nossos associados face aos novos compromissos que temos de assumir e houve uma decisão muito forte, que juntou mais compromissos de cada associado e muito provavelmente mais associados presentes.

Pode acontecer de facto, que depois de um processo difícil onde chegámos a não ver a luz ao fundo do túnel, poderemos vir a entrar numa sala que nunca teve tanta luz.

Depois deste congresso e pegando no mote do mesmo, “Fazer”, o que é que a APAVT vai fazer em prol do turismo nacional e dos seus associados?
Vai fazer aquilo que lhe dá a vida desde 1950. Em primeiro lugar, vai apoiar as causas dos agentes de viagens onde elas se colocarem. E é sempre muito dinâmico e há sempre muitas surpresas. Veja as causas dos agentes viagens em janeiro de 2020 e em abril de 2020. Em segundo lugar, vai continuar a envolver as agências de viagens à volta daquilo que as une, que é muito mais do que aquilo que as separa. E, em terceiro lugar, vai continuar a ser um parceiro exigente, leal e independente junto da tutela. Isto abarca tudo o que já fizemos e vamos continuar a fazer.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos

Avião Fotos de banco de imagens por Vecteezy

Transportes

Tráfego aéreo volta a recuperar em outubro e chega a 74,2% dos níveis de 2019

O tráfego aéreo global voltou a recuperar em outubro e aumentou 44,6% face a igual mês de 2021, ficando a 74,2% dos níveis registados em outubro de 2019, segundo os mais recentes dados da IATA.

Inês de Matos

O tráfego aéreo global voltou a recuperar em outubro e aumentou 44,6% face a igual mês de 2021, ficando a 74,2% dos níveis registados em outubro de 2019, antes da chegada da pandemia da COVID-19, avança a Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA).

De acordo com os dados revelados pela IATA na passada quinta-feira, 1 de dezembro, em outubro, o tráfego doméstico desceu 0,8% face a igual período do ano passado, o que se deveu ao facto da China continuar a adotar fortes restrições à COVID-19, o que levou a que o crescimento de outros mercados tornasse menos expressivos os números globais.

Face a outubro de 2019, o tráfego doméstico chegou, no entanto, a 77,9% dos níveis registados, com a IATA a adiantar que as “reservas domésticas futuras permanecem em cerca de 70% do nível pré-pandémico”.

Já o tráfego internacional subiu 102,4% face a outubro do ano passado, ficando a 72,1% dos níveis registados em mês homólogo de 2019, o que foi impulsionado pelo forte crescimento de todos os mercados, com especial destaque para a região da Ásia-Pacífico.

No caso das viagens internacionais, adianta a IATA, as reservas antecipadas “aumentaram para cerca de 75% dos níveis pré-pandémicos, após a reabertura anunciada por várias economias asiáticas”.

“Tradicionalmente, em outubro, estamos na temporada de viagens mais lenta no Hemisfério Norte, por isso é muito reconfortante ver que a procura e que as reservas antecipadas continuam tão fortes. É um bom presságio para a próxima temporada de inverno e para uma recuperação contínua”, afirma Willie Walsh, diretor-geral da IATA.

Por regiões, foi na Ásia-Pacífico que, em outubro, o tráfego aéreo internacional mais aumentou, num crescimento de 440,4% face a igual mês do ano passado, que foi mesmo o mais elevado registado entre todas as regiões no último ano, ainda que a IATA chame a atenção para o facto deste crescimento ter por base os números muito baixos de 2021. Nesta região, a capacidade cresceu também 165,6%, enquanto o load factor aumentou 39,5 pontos percentuais, para 77,7%.

No Médio Oriente, o crescimento registado em outubro foi também forte e chegou aos 114,7% face a igual mês do ano passado, enquanto a capacidade subiu 55,7% e o load factor cresceu 21,8 pontos percentuais, para 79,5%.

Na América do Norte o crescimento do tráfego de outubro foi de 106,8% face ao mesmo mês do ano passado, enquanto a capacidade registou uma subida de 54,1% e o load factor aumentou 21,4 pontos percentuais, fixando-se nos 83,8%.

Na América Latina, por sua vez, outubro trouxe um crescimento de 85,3% no tráfego aéreo face ao mesmo mês do ano passado, enquanto a capacidade subiu 66,6% e o load factor aumentou 8,7 pontos percentuais, para 86,0%, o mais alto entre todas as regiões.

Em África, o crescimento do tráfego aéreo de outubro chegou aos 84,5% em comparação com outubro do ano passado e a capacidade subiu 46,9%, enquanto o load factor cresceu 14,5 pontos percentuais, para 71,3%, o mais baixo entre todas as regiões do mundo.

Já na Europa o crescimento registado em outubro foi o mais baixo entre todas as regiões e chegou apenas aos 60,8% em comparação com outubro de 2021, ainda que, nesta região, o tráfego aéreo internacional já viesse a crescer há mais tempo. Em outubro, capacidade na Europa subiu ainda 34,7% e o load factor aumentou 13,8 pontos percentuais, para 84,8%, afirmando-se como o segundo mais elevado entre todas as regiões do mundo.

“As pessoas estão desfrutando da liberdade de viajar e as empresas reconhecem a importância do transporte aéreo para seu sucesso”, acrescenta Willie Walsh, sublinhando que, a mais recente pesquisa da IATA com líderes empresariais, indica que 84% destes responsáveis não se imaginam a fazer negócios internacionais “sem acesso uma rede de transporte aéreo” e 89% acreditam mesmo que “estar perto de um aeroporto com conexões globais lhes dá uma vantagem competitiva”.

“Os governos precisam prestar atenção à mensagem de que as viagens aéreas são fundamentais para a forma como vivemos e trabalhamos. Essa realidade deve orientar as políticas para permitir que a aviação opere da maneira mais eficiente possível, ao mesmo tempo em que apoia as metas de emissões líquidas zero da indústria para 2050”, conclui o responsável da IATA.

 

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Distribuição

Nova edição: Entrevistas APAVT, SETCS, TPNP, FITUR, Emirates e Réveillon

A próxima edição do jornal Publituris publica neste número várias entrevistas. A primeira é ao presidente da APAVT, Pedro Costa Ferreira, a poucos dias do 47. Congresso da associação. Entrevistados foram, também, Rita Marques, na altura ainda SETCS, e Luís Pedro Martins, presidente do TPNP, por altura do WTM London, bem como Maria Valcare, diretora da FITUR, e David Quito, country manager da Emirates. O dossier desta edição é dedicado ao “Réveillon”.

Publituris

A próxima edição do jornal Publituris faz capa com uma entrevista a Pedro Costa Ferreira, presidente da Associação Portuguesa das Agências de Viagem e Turismo (APAVT), a poucos dias do arranque do 47.º Congresso da associação que se realiza nos Açores, de 8 a 11 de dezembro.

Ao Publituris, Pedro Costa Ferreira admitiu não acreditar que 2023 acompanhe o crescimento do setor do turismo registado em 2022, até porque “incerteza” é a palavra-chave para o ano que vem. Também para 2023 não é esperada uma decisão relativamente ao novo aeroporto, embora saliente que, antes de uma primeira reunião da Comissão de Acompanhamento, a localização já esteja decidida, uma vez que há que defenda Alcochete.

No que diz respeito à TAP, o presidente da APAVT diz que o que a associação “precisa, é de uma TAP que consiga desenvolver o processo de crescimento e que consiga segurar o ‘hub’ português”, além de “ter êxito no processo de recuperação”.

O Publituris marcou presença, enquanto Media Partner, no World Travel Market London 2022. Nas inúmeras conferências realizadas durante o evento, não faltaram temas como os recursos humanos, tecnologia, sustentabilidade, os “novos” turistas” e o “novo” turismo. Contudo, a palavra “incerteza” esteve presente em todos os painéis num evento marcado pela necessidade de “repensar o turismo”.

Entrevistada imediatamente após o final da Conferência dos Ministros do Turismo, durante o World Travel Market London 2022 (WTM), a agora ex-secretária de Estado do Turismo, Comércio e Serviços (SETCS), Rita Marques, entretanto substituída por Nuno Jorge Cardona Fazenda de Almeida, admitiu que “em momento algum identificamos a necessidade, depois de dois anos volvidos de pandemia, de melhorar ou alterar substancialmente a nossa estratégia”. Por isso, o otimismo para 2022 é grande e a possibilidade de se atingir os 20 mil milhões de euros em receitas é ainda maior.

Provavelmente na última entrevista que deu enquanto SETCS, Rita Marques salientou que, “mais do que ‘rethink tourism’, o que temos de fazer é execute the strategy’. Agora será outro a executá-la.

Também durante o WTM 2022, falámos com Luís Pedro Martins, presidente do Turismo do Porto e Norte de Portugal (TPNP), que admitiu que o turismo está “finalmente de regresso”. A poucos dias de receber o prémio ‘Gold Trophy’ pelo filme promocional ‘The Majestic Adventures of Ofelia de Souza’, nos New York Festival TV & Film Awards, salientou que, sem guerra a região estaria a crescer a “números incríveis”. Contudo reconhece que “é importante não esquecer a necessidade de manter um plano B, porque não havendo uma pandemia, há uma guerra e haverá uma retração de muitas economias”.

Ainda na seção “Meeting Industry”, e a menos de dois meses do arranque do evento que dá o pontapé de saída no universo das feiras de turismo no mundo, Maria Valcare, diretora da FITUR, diz que “o fio condutor comum a tudo o que a FITUR mostra, é o crescimento sustentável”. Com várias FITUR dentro da FITUR, a novidade da edição de 2023 está na aposta no turismo desportivo com a FITUR Sports.

O “dossier” desta edição é dedicado ao Réveillon, momento alto para o turismo, que começa a ressentir-se do aumento dos preços provocado pela inflação, mas não no que à venda de viagens de Fim de Ano diz respeito. O Publituris conversou com oito operadores turísticos e agências de viagens, que garantem o crescimento da procura por programas nesta época muito desejada para destinos como a Madeira, Brasil e Cabo Verde. Num contexto de crise, o setor torna-se mais competitivo, mas “continua a existir mercado para todo o tipo de produtos”.

Constrangido por “limitações económicas e pandémicas”, o viajante português manifesta preocupação pelos grandes fluxos de passageiros nos aeroportos, taxas de ocupação das companhias aéreas e dos hotéis e, especialmente, pela questão da segurança sanitária (e agora também física) dos destinos a eleger. Agências e operadores “reajustam a oferta à procura expectável”, em função da “disponibilidade e necessidades dos clientes” que, “mais seletivos e exigentes”, não dispensam a celebração com jantar e festa caraterística do Réveillon.

E a um mês da grande festa que celebra a Passagem de Ano em quase todo o mundo, a Publituris reúne algumas das melhores programações turísticas que para o Réveillon 2022.

Nos “Transportes”, a comemorar uma década em Portugal, a Emirates está a viver um período positivo e a registar taxas de ocupação elevadas na rota de Lisboa, que volta a contar com dois voos diários.

David Quito, country manager da Emirates para Portugal, admite que “Portugal é, hoje, um destino fundamental para a Emirates, apesar do período negro da pandemia”.

Além dos “Check-in”, as opiniões desta edição pertencem a Jaime Quesado (economista e gestor), Miguel Mello do Rego (Allianz Partners Portugal), Sílvia Dias (Savoy Signature), Pedro Castro (SkyExpert), contando ainda com o “Observatório”, de António Paquete (economista e consultor de empresa), e de uma “Análise” de Luiz S. Marques (Dreams – Universidade Lusófona).

Boas leituras!

A versão completa desta edição é exclusiva para subscritores do Publituris. Pode comprar apenas esta edição ou efetuar uma assinatura do Publituris aqui obtendo o acesso imediato.

Para mais informações contacte: Carmo David | [email protected] | 215 825 43

Nota: Se já é subscritor do Publituris entre no site com o seu Login de assinante, dirija-se à secção Premium – Edição Digital e escolha a edição que deseja ler, abra o epaper com os dados de acesso indicados no final do resumo de cada edição.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Distribuição

Edição digital: Entrevistas APAVT, SETCS, TPNP, FITUR, Emirates e Réveillon

A próxima edição do jornal Publituris publica neste número várias entrevistas. A primeira é ao presidente da APAVT, Pedro Costa Ferreira, a poucos dias do 47. Congresso da associação. Entrevistados foram, também, Rita Marques, na altura ainda SETCS, e Luís Pedro Martins, presidente do TPNP, por altura do WTM London, bem como Maria Valcare, diretora da FITUR, e David Quito, country manager da Emirates. O dossier desta edição é dedicado ao “Réveillon”.

Publituris

A próxima edição do jornal Publituris faz capa com uma entrevista a Pedro Costa Ferreira, presidente da Associação Portuguesa das Agências de Viagem e Turismo (APAVT), a poucos dias do arranque do 47.º Congresso da associação que se realiza nos Açores, de 8 a 11 de dezembro.

Ao Publituris, Pedro Costa Ferreira admitiu não acreditar que 2023 acompanhe o crescimento do setor do turismo registado em 2022, até porque “incerteza” é a palavra-chave para o ano que vem. Também para 2023 não é esperada uma decisão relativamente ao novo aeroporto, embora saliente que, antes de uma primeira reunião da Comissão de Acompanhamento, a localização já esteja decidida, uma vez que há que defenda Alcochete.

No que diz respeito à TAP, o presidente da APAVT diz que o que a associação “precisa, é de uma TAP que consiga desenvolver o processo de crescimento e que consiga segurar o ‘hub’ português”, além de “ter êxito no processo de recuperação”.

O Publituris marcou presença, enquanto Media Partner, no World Travel Market London 2022. Nas inúmeras conferências realizadas durante o evento, não faltaram temas como os recursos humanos, tecnologia, sustentabilidade, os “novos” turistas” e o “novo” turismo. Contudo, a palavra “incerteza” esteve presente em todos os painéis num evento marcado pela necessidade de “repensar o turismo”.

Entrevistada imediatamente após o final da Conferência dos Ministros do Turismo, durante o World Travel Market London 2022 (WTM), a agora ex-secretária de Estado do Turismo, Comércio e Serviços (SETCS), Rita Marques, entretanto substituída por Nuno Jorge Cardona Fazenda de Almeida, admitiu que “em momento algum identificamos a necessidade, depois de dois anos volvidos de pandemia, de melhorar ou alterar substancialmente a nossa estratégia”. Por isso, o otimismo para 2022 é grande e a possibilidade de se atingir os 20 mil milhões de euros em receitas é ainda maior.

Provavelmente na última entrevista que deu enquanto SETCS, Rita Marques salientou que, “mais do que ‘rethink tourism’, o que temos de fazer é execute the strategy’. Agora será outro a executar essa estratégia.

Também durante o WTM 2022, falámos com Luís Pedro Martins, presidente do Turismo do Porto e Norte de Portugal (TPNP), que admitiu que o turismo está “finalmente de regresso”. A poucos dias de receber o prémio ‘Gold Trophy’ pelo filme promocional ‘The Majestic Adventures of Ofelia de Souza’, nos New York Festival TV & Film Awards, salientou que, sem guerra a região estaria a crescer a “números incríveis”. Contudo reconhece que “é importante não esquecer a necessidade de manter um plano B, porque não havendo uma pandemia, há uma guerra e haverá uma retração de muitas economias”.

Ainda na seção “Meeting Industry”, e a menos de dois meses do arranque do evento que dá o pontapé de saída no universo das feiras de turismo no mundo, Maria Valcare, diretora da FITUR, diz que “o fio condutor comum a tudo o que a FITUR mostra, é o crescimento sustentável”. Com várias FITUR dentro da FITUR, a novidade da edição de 2023 está na aposta no turismo desportivo com a FITUR Sports.

O “dossier” desta edição é dedicado ao Réveillon, momento alto para o turismo, que começa a ressentir-se do aumento dos preços provocado pela inflação, mas não no que à venda de viagens de Fim de Ano diz respeito. O Publituris conversou com oito operadores turísticos e agências de viagens, que garantem o crescimento da procura por programas nesta época muito desejada para destinos como a Madeira, Brasil e Cabo Verde. Num contexto de crise, o setor torna-se mais competitivo, mas “continua a existir mercado para todo o tipo de produtos”.

Constrangido por “limitações económicas e pandémicas”, o viajante português manifesta preocupação pelos grandes fluxos de passageiros nos aeroportos, taxas de ocupação das companhias aéreas e dos hotéis e, especialmente, pela questão da segurança sanitária (e agora também física) dos destinos a eleger. Agências e operadores “reajustam a oferta à procura expectável”, em função da “disponibilidade e necessidades dos clientes” que, “mais seletivos e exigentes”, não dispensam a celebração com jantar e festa caraterística do Réveillon.

E a um mês da grande festa que celebra a Passagem de Ano em quase todo o mundo, a Publituris reúne algumas das melhores programações turísticas que para o Réveillon 2022.

Nos “Transportes”, a comemorar uma década em Portugal, a Emirates está a viver um período positivo e a registar taxas de ocupação elevadas na rota de Lisboa, que volta a contar com dois voos diários.

David Quito, country manager da Emirates para Portugal, admite que “Portugal é, hoje, um destino fundamental para a Emirates, apesar do período negro da pandemia”.

Além dos “Check-in”, as opiniões desta edição pertencem a Jaime Quesado (economista e gestor), Miguel Mello do Rego (Allianz Partners Portugal), Sílvia Dias (Savoy Signature), Pedro Castro (SkyExpert), contando ainda com o “Observatório”, de António Paquete (economista e consultor de empresa), e de uma “Análise” de Luiz S. Marques (Dreams – Universidade Lusófona).

Boas leituras!

Leia a edição aqui.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

1.º Roadshow do Enoturismo aposta na diferenciação da oferta turística (c/ fotogaleria)

No 1.º Roadshow do Enoturismo Atlântico Bairrada Lisboa, organizado pelo jornal Publituris, em parceria com as CVR da Bairrada e de Lisboa, dezenas de produtores apresentaram novos projetos de enoturismo a agentes de viagens e operadores turísticos e vários representantes de organismos dos setores vitivinícola e do turismo.

Publituris

O 1.º Roadshow do Enoturismo Atlântico Bairrada Lisboa, organizado jornal Publituris, em parceria com as Comissões Vitivinícolas de Bairrada e de Lisboa, realizou-se a 23 e 24 de novembro em Lisboa e no Porto, respetivamente no Altis Grand Hotel e no Hotel HF Ipanema Park, na presença de dezenas de produtores que apresentaram novos projetos de enoturismo a agentes de viagens e operadores turísticos e vários representantes de organismos dos setores vitivinícola e do turismo.

Foi o caso da Comissão Vitivinícola da Região de Lisboa, incluindo o seu presidente, Francisco Toscano Rico; da Comissão Vitivinícola da Bairrada, com a presença também do presidente, José Pedro Soares; do Turismo de Portugal, representado por Lídia Monteiro, Senior Director of Sales and Marketing do Turismo de Portugal; e do Turismo Centro de Portugal, cujo presidente, Pedro Machado participou também no Roadshow que teve lugar no Altis Grand Hotel, em Lisboa.

Reunindo quase duas dezenas de expositores, em representação das regiões de Lisboa e da Bairrada, a iniciativa permitiu às centenas de agentes de viagens presentes fazer networking e conhecer os vários projetos de enoturismo desenhados para momentos em família, casais, grupos, em stopover ou eventos corporate, dos produtores representados: Adega Cooperativa da Lourinhã, Adega Mãe, Manzwine, Quinta do Gradil, Quinta do Sanguinhal, Quinta das Carrafouchas, Quinta de Almiara, Quinta da Boa Esperança, Quinta dos Capuchos, Quinta do Monte d`Oiro, Quinta de Chocapalha, Quinta do Porto Nogueira, Caves Velhas, pertencentes às região vitivinícola de Lisboa, bem como Caves São João, Caves dos Solar de São Domingos, Luís Pato, Quinta das Bágeiras, Prior Lucas, Caves Messias, da região vitivinícola da Bairrada e, por fim, o Turismo do Centro.

Esta foi a 1.ª edição deste Roadshow que divulga o Enoturismo das Regiões Vinhateiras da Bairrada e Lisboa, tendo sido promovido pelas Comissões Vitivinícolas da Bairrada e de Lisboa. Apoiado pelo Turismo de Portugal, através do Programa de Qualificação da Oferta Enoturística da Região Centro, com recurso ao “Programa Valorizar ‐ Linha de Apoio à Valorização Turística do Interior”, conta ainda com apoio institucional do Turismo do Centro de Portugal, e com a organização do Jornal Publituris.

A Publituris acompanhou, em reportagem, o 1.º Roadshow do Enoturismo Atlântico Bairrada Lisboa e dará conta ao leitor, na sua próxima edição, da perspetiva de produtores de vinho, agentes turísticos e organismos oficiais sobre o potencial do enoturismo no setor.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Portugal volta a ser o melhor país do mundo para os leitores da Condé Nast Traveler

Com uma classificação de 91,22, Portugal arrecadou o prémio de ‘Best Country in the World’, liderando um ranking de 20 países eleitos como os melhores para visitar em 2022.

Inês de Matos

Portugal voltou a vencer os Readers’ Choice Awards para melhor país do mundo, com os leitores da prestigiada publicação de viagens Condé Nast Traveler a elegerem o país pela segunda vez consecutiva, principalmente pela simpatia do povo português.

Com uma classificação de 91,22, Portugal arrecadou o prémio de ‘Best Country in the World’, liderando um ranking de 20 países eleitos como os melhores para visitar em 2022.

“É fácil ver porque é que Portugal ficou em primeiro lugar nesta lista – os melhores hotéis em Portugal são alguns dos lugares mais surpreendentes para ficar, e as praias douradas espalhadas por toda a costa são um colírio para os olhos”, refere a Condé Nast Traveler sobre Portugal, na informação publicada no website da publicação.

A publicação destaca ainda a gastronomia portuguesa, considerando que Lisboa “é um paraíso gastronómico”, enquanto o interior do país conta com “alguns retiros incríveis”.

Sobre a hotelaria nacional, a Condé Nast Traveler destaca ainda que a oferta está “em constante evolução” e propõe uma lista de hotéis em Lisboa e no Porto ideais para visitas a ambas as cidades, assim como os “melhores hotéis familiares” do país.

Além de Portugal, o pódio é composto pelo Japão e pela Tailândia, com a Condé Nast Traveler a destacar que a gastronomia destes países foi um dos principais motivos para que o Japão e a Tailândia ficassem no segundo e terceiro lugares, respetivamente.

Singapura, Índia, Grécia, Dinamarca, Reino Unido, Itália, Nova Zelândia, Espanha, Países Baixos, Irlanda, Croácia, Marrocos, Suécia, Sri Lanka, Israel, Turquia e África do Sul são os restantes países que também foram destacados nos Readers’ Choice Awards, prémios que são atribuídos com base na votação dos leitores da Condé Nast Traveler.

A publicação diz que o desejo de viajar reprimido com a pandemia da COVID-19 e de recuperar o tempo perdido esteve na base das escolhas dos leitores, motivo pelo qual a Nova Zelândia ou os países asiáticos, a exemplo do Japão, constam desta lista, apesar de só terem reaberto ao turismo no verão.

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Turismo

Nuno Fazenda de Almeida substitui Rita Marques na Secretaria de Estado do Turismo, Comércio e Serviços

Nuno Jorge Cardona Fazenda de Almeida substitui Rita Marques à frente da Secretaria de Estado do Turismo, Comércio e Serviços, estando a tomada de posse marcada para 2 de dezembro.

Victor Jorge

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, aceitou esta terça-feira, 29 de novembro, as propostas do primeiro-ministro de exoneração de três secretários de Estado: dos Assuntos Fiscais, da Economia, e do Turismo, Comércio e Serviços.

Rita Marques deixa, assim, a secretária de Estado do Turismo, Comércio e Serviços (SETCS), cargo que ocupava desde outubro de 2019, sendo substituída por Nuno Jorge Cardona Fazenda de Almeida.

O novo secretário de Estado do Turismo, Comércio e Serviços tem uma licenciatura em Turismo, um Mestrado em Gestão e Políticas Ambientais e um doutoramento em Planeamento Regional e Urbano.

Técnico Superior e professor Universitário de profissão, conforme se pode ler na biografia no site do Parlamento, o novo SETCS foi deputado nas XIV e XV legislaturas, pelo círculo de Castelo Branco tendo ocupado o cargo de diretor do Departamento de Gestão de Programas Comunitários no Turismo de Portugal.

Recorde-se que Rita Marques ocupava a Secretaria de Estado do Turismo desde outubro de 2019 (acumulando a partir da tomada de posse do XXIII Governo as pastas do Comércio e Serviços), tendo substituído Ana Mendes Godinho que na altura subiu a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.

Antes de ocupar o lugar de secretária de Estado do Turismo, Rita Marques era CEO da Portugal Ventures.

Nas restantes secretarias de Estado, António Mendonça Mendes ocupará o cargo de secretário de Estado Adjunto do Primeiro-Ministro, enquanto, Pedro Jorge Cilínio passa a ser o novo secretário de Estado da Economia

A posse dos novos titulares terá lugar na próxima sexta-feira, 2 de dezembro, pelas 12h00, no Palácio de Belém.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos

LATAM Boeing 787-9 Dreamliner photographed on May 13, 2016 from Wolfe Air Aviation Learjet 25B.

Transportes

LATAM Airlines lança NDC a partir de 1 de maio de 2023

Novo sistema de distribuição da LATAM Airlines para as agências de viagens entra em vigor a 1 de maio de 2023 e, até lá, decorre um período de transição.

Publituris

A LATAM Airlines anunciou que, a partir de 1 de maio de 2023, o seu atual modelo de distribuição vai mudar, passando o conteúdo a companhia aérea a ser disponibilizado através do NDC by LATAM, uma nova ferramenta que recorre à tecnologia New Distribution Capability (NDC) para disponibilizar o portefólio da transportadora às agências de viagens.

De acordo com um comunicado da companhia aérea sul-americana, um dos grandes desafios tecnológicos atuais passa por conseguir “entregar conteúdo e serviços de venda e pós-vendas de alta qualidade” através dos canais da LATAM Airlines, pelo que a companhia aérea optou por desenvolver uma solução com base na mesma arquitetura dos seus canais diretos, o NDC by LATAM.

“Apresentamos o NDC by LATAM, uma nova ferramenta que utiliza a tecnologia New Distribution Capability (NDC) que permite acessar o nosso portefólio de produtos ampliados e o melhor conteúdo para agências, sem cobrança adicional na tarifa, com uma experiência única, dinâmica, num só lugar e em tempo real”, explica a LATAM Airlines.

Até 1 de maio de 2023, a LATAM Airlines vai passar por uma fase de transição do modelo de distribuição, período ao longo do qual espera que existam dúvidas por parte das agências de viagens, convidando, por isso, os agentes a contactarem a companhia aérea para esclarecer todos os detalhes.

“Estamos seguros que esta nova ferramenta nos levará a uma nova forma de acesso ao nosso conteúdo mediante a qual poderemos alcançar os nossos objetivos”, reafirma a LATAM Airlines, que remete mais detalhes sobre a mudança para uma data posterior e mais próxima do dia 1 de maio de 2023.

Até lá, os agentes de viagens podem ficar a conhecer melhor o novo NDC by LATAM através do site da companhia aérea para o trade, disponível aqui, ou através de contacto direto com o seu responsável de vendas.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

WTTC revela que viagens internacionais estão no pico mais alto desde o início da pandemia

Os australianos aparecem como os turistas mais gastadores, sendo que o estudo do WTTC aponta para viajantes cada vez mais social e ambientalmente responsáveis.

Publituris

Aproveitando a abertura da 22.ª edição do Global Summit, em Riade (Arábia Saudita), o World Travel & Tourism Council (WTTC) revela que as viagens internacionais estão no pico mais alto desde o início da pandemia.

Segundo os dados, mais de um quarto (27%) dos consumidores prevê realizar três ou mais viagens em 2023, com os australianos a liderarem este ranking em termos de gastos, destacando-se, igualmente, os viajantes do Canadá, Arábia Saudita e Filipinas.

Este novo estudo, realizado junto de 26.000 consumidores em 25 países pelo YouGov para o WTTC, analisa o interesse pelas viagens internacionais, indicando que 63% dos inquiridos planeiam efetuar uma viagem nos próximos 12 meses.

O estudo revela que o interesse por viagens não mostra sinais de desaceleração, com a Arábia Saudita a aparecer destacada no que diz respeito à atratividade e impressão positiva num destino que continua a crescer, registando as pontuações mais altas relativamente a todos os países da região do Golfo, a par da Índia, Malásia e Tailândia.

Julia Simpson, president e CEO do WTTC, refere que os resultados do estudo mostram, igualmente, “a crescente importância das viagens sustentáveis entre os consumidores”.

Quase dois terços dos entrevistados (61%) afirmaram preferir marcas e destinos mais sustentáveis, enquanto quase metade (45%) admitiu só gastar dinheiro com marcas social e ambientalmente responsáveis.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Meeting Industry

Filme promocional do TPNP ganha prémio de melhor filme de Turismo do mundo

Esta é a primeira vez que Portugal arrecada este prémio. “The Majestic Adventures of Ofelia de Souza” ficou em primeiro lugar, num circuito onde concorreu com 34 outros filmes promocionais estrangeiros, na categoria “Tourism Products”.

Victor Jorge

O filme promocional do Turismo do Porto e Norte de Portugal “The Majestic Adventures of Ofelia de Souza”, para o segmento de Meeting & Industry, ganhou o título de World’s Best Tourism Film, na categoria “Tourism Products”, promovido pelo International Committee of Tourism Film Festivals (CIFFT).

Com a melhor pontuação entre todas as categorias a concurso, “The Majestic Adventures of Ofelia de Souza” ficou em primeiro lugar neste ranking graças aos pontos conquistados na sequência dos prémios recebidos nos dez festivais que compõem o circuito mundial do CIFFT, circuito onde concorreu com 34 outros filmes promocionais estrangeiros, na categoria “Tourism Products”.

Estreado em outubro de 2021, o filme, com pouco mais de três minutos de duração, tem como estrela principal Ofelia de Souza, uma experiente e extravagante organizadora de eventos e epicurista de 72 anos, que fielmente acompanhada dos seus assistentes (“Ofelier” e “Ofeliette”), partilha dicas e segredos para escolher e aproveitar um dos melhores destinos de turismo de negócios do mundo.

Para Luís Pedro Martins, presidente do TPNP, este “é o corolário de um trabalho incrível de posicionamento da região, que nos permitiu aumentar a nossa notoriedade e posicionamento”, num prémio nunca conquistado por Portugal”.

Presente na cerimónia da 34.ª edição dos World’s Tourism Film Awards, em Valencia (Espanha), Luís Pedro Martins salientou que “esta vitória é mais um incentivo para todos os parceiros do Porto e Norte, que após dois duros anos, com o seu esforço, permitiram o regresso fulminante do setor a valores pré-pandemia”.

Além disso, o presidente do TPNP considera que “os prémios conquistados pelo filme ‘Ofélia de Souza’ comprovam a aposta feita numa comunicação muito disruptiva, criativa, original e de certa forma arriscada, no segmento de Turismo de Negócios, no qual a região tem um potencial muito elevado quer pela qualidade dos espaços aqui existentes, quer pela oferta existente na vertente social no pré e pós-eventos”.

O sucesso do filme começou, em março deste ano, no Japan World’s Tourism Film Festival, onde o filme conquistou o Grand Prix do festival e o primeiro lugar na categoria “Tourism Products”. Seguiram-se as vitórias no New York Festivals TV & Film Awards, em abril, onde conquistou o Gold Trophy, na categoria “Corporate Image – Tourism”, e em Cape Town, no International Tourism Film Festival Africa, em maio, onde recebeu o Grand Prix, na categoria “Tourism International” e o Gold Award em “Tourism Products”.

Em setembro, o filme foi um dos vencedores do Terres Travel Festival, em Barcelona, tendo recebido o Gold Award na categoria “Tourism Products – MICE”, e, em outubro, foi premiado nos festivais Zagreb TourFilm Festival, Cannes Corporate Media & TV Awards e ART&TUR – International Tourism Film Festival.

Em Zagreb, o filme levou para casa o prémio de “Best Event Film”; em Cannes o Gold Trophy na categoria “Tourism Products”; e, em Ourém, foi o mais premiado do festival, tendo conquistado o Grand Prix na competição nacional e internacional, o prémio “Best Promotional Film ART&TUR 2022” e o primeiro lugar na categoria “MICE’, também na competição nacional e internacional.

Por fim, no Amorgos Tourism Film Festival, o festival grego que fechou o circuito do CIFFT, o filme promocional do Turismo do Porto e Norte conquistou ainda o segundo prémio na categoria “Tourism Products”.

O presidente do TPNP recorda, em comunicado, que tem sido feita uma aposta “muito forte de promoção da região nos mercados externos e, em particular, nos países emissores que nos são mais próximos e que representam a maior fatia de turistas que visitava a região até ao início de 2020”.

“O trabalho foi muito meritório e os resultados já têm reflexos nos índices de procura da região, tendo fechado o ano com um recorde absoluto de turistas”, sublinha Luís Pedro Martins, recordando que “em 2019 foram contabilizadas quase 11 milhões de dormidas na região, num registo que patenteia um crescimento histórico de 9,7%, o maior a nível nacional”.

Os últimos números indicam que, entre janeiro e setembro de 2022, “já ultrapassámos o número de hóspedes de 2019, em 2,4%. E mesmo em termos de dormidas, tendo em conta que nos primeiros três meses de 2022 o número de turistas no país ainda era muito reduzido, devido às restrições impostas pela pandemia, os dados são muito animadores”, concluindo Luís Pedro Martins que, “comparando o acumulado entre janeiro e setembro, estamos também à frente de 2019, com mais 6,1% de dormidas”.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.