Edição digital
Assine já
PUB
Header Stock photos by Vecteezy
Destinos

68% dos portugueses quer certificado para viajar em segurança

Com a aproximação do verão, uma pesquisa da Revolut revela que 34% dos portugueses planeiam viajar para o estrangeiro nos próximos meses, enquanto 25% admitem fazer férias exclusivamente em Portugal.

Victor Jorge
Header Stock photos by Vecteezy
Destinos

68% dos portugueses quer certificado para viajar em segurança

Com a aproximação do verão, uma pesquisa da Revolut revela que 34% dos portugueses planeiam viajar para o estrangeiro nos próximos meses, enquanto 25% admitem fazer férias exclusivamente em Portugal.

Victor Jorge
Sobre o autor
Victor Jorge
Artigos relacionados
MSC Cruzeiros vai ter 19 cruzeiros com partida e chegada ao Funchal no inverno 2024-2025
Transportes
Portugal entre os destinos com melhor performance em 2023, dizem dados da UN Tourism
Destinos
GoldenPark: A Nova Casa de Apostas em Portugal
Sabia que a Betclic Também Tem Jogos de Casino
Conheça a Secção de Desporto da Betclic
Porto e Norte de Portugal vai ter maior participação de sempre na BTL
Destinos
Algarve leva experiência imersiva pela região à BTL
Destinos
Booking.com e TAP com melhor reputação em 2024
Turismo
França marca presença sem precedente na BTL com a sua delegação “French Travel Tech”
Praia da Falésia ganha prémio “Travellers’ Choice” do Tripadvisor como “Melhor praia do Mundo”
Destinos

Mais de dois terços dos portugueses admitem querer um passaporte de imunidade, ou certificado verde digital, para poder viajar sem restrições, enquanto só 11% não tem interesse num eventual documento deste género e 21% reconhecem ainda não ter uma opinião formada sobre o tema.

A pesquisa realizada pela plataforma global de serviços financeiros Revolut, indica, também, que 34% dos portugueses inquiridos planeiam viajar para o estrangeiro nos próximos meses, enquanto 25% admitem fazer férias exclusivamente em Portugal. 30% dos clientes desejam ter a possibilidade de viajar tanto em território nacional como fora dele. 76% reconheceram, igualmente, que gostariam de viajar confortavelmente para fora do país em breve, mas 12% admitem que só o farão, categoricamente, quando a pandemia for dada como terminada

No inquérito feito a mais de 12 mil pessoas, em mais de 10 países, mais de 1.000 dos quais em Portugal, revela ainda que a situação pandémica vai continuar a impactar, indubitavelmente, a forma como as pessoas planeiam os seus períodos de descanso. Assim, 63% dos portugueses admite que farão umas férias diferentes do habitual devido à COVID-19 ou farão essa planificação de forma cuidadosa. 19% reconhecem que ainda não delinearam os planos para as próximas férias, essencialmente, devido à pandemia.

Critérios a ter em conta para as férias
Hotéis criteriosos, transportes privados, pagamentos eletrónicos e bom sistema de saúde foram identificados como críticos para aumentar a sensação de segurança de quem pretende viajar. Assim, 64% dos respondentes portugueses irão privilegiar estadias em hotéis caso estes cumpram criteriosas regras de segurança no que diz respeito à COVID-19. Já 25% admitem optar por espaços privados ou alojamentos locais. 60% recorrerão ainda a meios de transporte privados. 77% optarão também por meios de pagamento eletrónicos, como cartões ou wearables, tanto por motivos de higiene e segurança como por conveniência, em detrimento de dinheiro vivo.

Cerca de 47% dos clientes terão também em consideração os sistemas de saúde dos locais que pretendem visitar, sendo que 28% admitem preocupação, mas não condicionarão o plano de férias em função disso.

No que diz respeito à tipificação das férias, os portugueses que responderam ao inquérito realizado ao longo de cinco dias, no final do mês de abril, admitem que farão férias em família (21%), sendo a opção de praia a escolha de 17% e 13% admitirem que farão uma escapadela por uma cidade e 10% investirão numas férias festivas. As férias a solo (7,5%), de aventura (6%), na natureza (6,5%), retiros (6%) ou cruzeiros (3%) são outras opções menos tidas em conta.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Artigos relacionados
MSC Cruzeiros vai ter 19 cruzeiros com partida e chegada ao Funchal no inverno 2024-2025
Transportes
Portugal entre os destinos com melhor performance em 2023, dizem dados da UN Tourism
Destinos
GoldenPark: A Nova Casa de Apostas em Portugal
Sabia que a Betclic Também Tem Jogos de Casino
Conheça a Secção de Desporto da Betclic
Porto e Norte de Portugal vai ter maior participação de sempre na BTL
Destinos
Algarve leva experiência imersiva pela região à BTL
Destinos
Booking.com e TAP com melhor reputação em 2024
Turismo
França marca presença sem precedente na BTL com a sua delegação “French Travel Tech”
Praia da Falésia ganha prémio “Travellers’ Choice” do Tripadvisor como “Melhor praia do Mundo”
Destinos
PUB
Destinos

Portugal entre os destinos com melhor performance em 2023, dizem dados da UN Tourism

O Barómetro Mundial do Turismo das Nações Unidas monitoriza regularmente as tendências do turismo a curto prazo para fornecer às partes interessadas do turismo mundial uma análise atualizada do turismo internacional. Neste barómetro que analisa as melhores performances dos destinos, Portugal aparece em destaque.

Publicado quatro vezes por ano, incluindo uma análise dos dados mais recentes sobre destinos turísticos (inbound) e mercados de origem (outbound), Barómetro Mundial do Turismo das Nações Unidas (UN Tourism) coloca as Ilhas Turcas e Caicos com a melhor performance no ano 2023 face a 2019, com um crescimento de 127%.

Neste barómetro, Portugal aparece destacado com um crescimento de 11%, sendo que na região da Europa, somente Albânia (+53%), Andorra (+31%), Lichtenstein (+16%) e Sérvia (+15%) aparecem à frente de Portugal.

O barómetro estima que 1286 milhões de turistas internacionais (dormidas) foram registados em todo o mundo em 2023, um aumento de 34% em relação a 2022, correspondendo a mais 325 milhões.

Segundo as contas, o turismo internacional recuperou 88% dos níveis pré-pandémicos em 2023, apoiado por uma forte procura reprimida.

O Médio Oriente liderou a recuperação por regiões em termos relativos, sendo a única região a superar os níveis pré-pandémicos com chegadas 22% acima de 2019.

A Europa atingiu 94% dos níveis pré-pandémicos em 2023, enquanto a África recuperou 96% e as Américas 90%.

A Ásia e o Pacífico atingiram 65% dos níveis pré-pandémicos, com uma recuperação gradual desde o início de 2023.

Quatro sub-regiões: Norte de África, América Central (ambas +5%), Europa do Sul Mediterrânica e Caraíbas (ambas +1%) excederam os níveis pré-pandémicos em 2023.

Já as receitas totais das exportações do turismo (incluindo o transporte de passageiros) estão estimadas em 1,6 biliões de dólares em 2023 (cerca de 1,48 biliões de euros), quase 95% dos 1,7 biliões de dólares (1,57 biliões de euros) registados em 2019.

As estimativas preliminares do Produto Interno Bruto Direto do Turismo (PIBDT) apontam para 3,3 biliões de USD em 2023 (pouco mais de 3 biliões de euros), ou seja, 3% do PIB mundial, o mesmo nível de 2019, impulsionado pelas viagens nacionais e internacionais.

“Após uma forte recuperação em 2023, espera-se que o turismo internacional recupere totalmente os níveis pré-pandémicos em 2024, com estimativas iniciais que apontam para um crescimento de 2 % acima dos níveis de 2019 nas chegadas de turistas internacionais”, refere a UN Tourism.

As perspetivas positivas para o setor estão refletidas no último inquérito do Índice de Confiança do Turismo da ONU, com 67 % dos profissionais do turismo a indicarem perspetivas melhores ou muito melhores para 2024 em comparação com 2023.

“Espera-se que o desencadeamento da restante procura reprimida, o aumento da conectividade aérea e uma recuperação mais forte dos mercados e destinos asiáticos sustentem uma recuperação total até ao final de 2024”, admite o relatório da UN Tourism.

Os desafios económicos e geopolíticos continuam a representar desafios significativos para a recuperação sustentada do turismo internacional e dos níveis de confiança.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Aviação

ANA tem 30 dias para começar a negociar qualidade do serviço nos aeroportos

A Autoridade Nacional de Aviação Civil (ANAC) determinou à ANA – Aeroportos de Portugal que inicie, no prazo de 30 dias, um processo negocial de modo a ajustar os níveis de qualidade de serviço nos aeroportos.

Depois de uma consulta anual por parte da ANA e, tendo em conta “o teor dos comentários produzidos pelos utilizadores [transportadoras aéreas e empresas de ‘handling’]”, e as respostas ou posição da concessionária, a ANAC concluiu que é necessário rever “o acordo assinado em 2014/2015 entre a ANA e os utilizadores”.

Segundo a entidade reguladora, “a ANA tem apresentado situações de incumprimento sistemático, em alguns dos indicadores sujeitos a RQSA [Regime de Qualidade de Serviço Aeroportuário], em particular no que diz respeito aos indicadores de entrega da primeira bagagem, à chegada nos aeroportos de Lisboa, Porto e Faro, e na entrega da última bagagem no aeroporto de Lisboa”, lê-se no comunicado da ANAC.

Além disso, “no âmbito das auditorias realizadas ao sistema de gestão de bagagem nos aeroportos de Lisboa, Porto e Faro, a ANAC tem vindo a identificar oportunidades de melhoria nas infraestruturas”.

Segundo a ANAC, “a avaliação da qualidade do serviço por parte dos passageiros, tem-se vindo consecutivamente a deteriorar (numa base homóloga)” e os “números de reclamações de passageiros têm vindo a ser mais expressivos”.

O regulador disse ainda que “os aumentos de taxas verificados não têm sido acompanhados de revisões em alta dos níveis de qualidade de serviço, demonstrando um desajuste entre os níveis das taxas aplicadas e a qualidade do serviço prestado”.

Por tudo isto, a “ANAC determinou à ANA que, no prazo de 30 dias, inicie um processo negocial com os utilizadores dos aeroportos nacionais de modo a ajustar os níveis de qualidade de serviço nos mesmos, à atual realidade”.

A ANA “remeteu à ANAC, em 27 de dezembro de 2023, a decisão final do processo de consulta sobre os níveis mínimos de serviço associados aos indicadores do Regime de Qualidade de Serviço Aeroportuário (RQSA), para vigorar a partir de 1 de abril de 2024”, explicou o regulador.

Este processo, anual, passa por uma consulta por parte da concessionária “aos utilizadores dos aeroportos abrangidos pelo RQSA no sentido de acordarem os níveis mínimos de serviço para cada um dos indicadores definidos” no contrato de concessão.

“A métrica final do RQSA foi aprovada pelas transportadoras aéreas representativas de 65% do tráfego de passageiros servidos nos aeroportos abrangidos pelo RQSA, em 2015, na sequência de negociações com a ANA”, lembrou.

De acordo com o regulador, a decisão da concessionária “respeitante ao RQSA, a vigorar a partir de 01 de abril de 2024, preconiza a manutenção da métrica, bem como dos níveis mínimos de serviço de 2023”, sendo que a ANA fundamenta a sua decisão final referindo que os atuais níveis de serviço e respetiva métrica “são adequados para assegurar uma correta representatividade e monitorização dos processos e garantem um bom nível de serviço às companhias aéreas e passageiros”, referiu a ANAC.

“O Decreto-Lei n.º 254/2012 estabelece claramente que os níveis de serviço aeroportuários devem estar relacionados com o nível das taxas praticado”, garantiu a ANAC, indicando que o “acordo alcançado entre a ANA e os utilizadores em 2014 e 2015 não tem caráter vitalício, devendo o mesmo ser alterado, de modo a refletir as alterações ocorridas, ao longo do tempo, nos aeroportos explorados pela ANA, especialmente no que tange às alterações inerentes à estrutura tarifária aplicável e vigente, e aos aumentos de tráfego e de passageiros”.

Por fim, o “regime legal vigente prevê que a ANA deve promover negociações com os utilizadores, devendo atender ao sistema e à estrutura tarifária aplicável, bem como ao nível de serviço a que os utilizadores têm direito como contrapartida das taxas”, disse o regulador, fundamentando a sua decisão.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Meeting Industry

Fátima reafirma-se como “coração” do turismo religioso mundial

A presidente da ACISO, Purificação Reis, e todos os oradores da sessão de abertura dos XI Workshops Internacionais de Turismo Religioso (IWRT), esta quarta-feira, em Fátima, evento que, este ano coincidiu com a realização da 20 edição do Congresso Internacional de Turismo Religioso e Sustentável (CITRyS), realçaram que Fátima reafirma-se como “coração” do Turismo Religioso Mundial.

“Assumimos que o Workshop do Turismo Religioso é uma referência mundial para o trade deste segmento de turismo, e temos trabalhado para que este evento se assuma como um acelerador da operação turística para Portugal no âmbito do turismo religioso”, afirmou a presidente da ACISO, Purificação Reis.

A presidente da ACISO recordou que Portugal registou, em 2023, um ano excecional para o Turismo Religioso, tendo tido o privilégio de receber o Papa Francisco e a Jornada Mundial da Juventude, “evento único que inundou o país de juventude, cor e alegria e que nos deixou esperançados com o potencial futuro do turismo religioso”. Contudo realçou que “vivemos tempos verdadeiramente desafiantes tanto no âmbito internacional como nacional” e que “o turismo está a enfrentar novos paradigmas e exigências”.

Purificação Reis avançou, na sua intervenção que, em 2023, Fátima teve 6,8 milhões de peregrinos registados no Santuário, contando com uma oferta hoteleira que disponibiliza mais de 80 estabelecimentos de alojamento turístico, dos quais 50 são hotéis. Referiu ainda que, neste pequeno território contabilizam-se mais de um milhão de dormidas anuais, 70% das quais são internacionais e com grande expressão em mercados de longa distância.

Por sua vez, na sessão de abertura dos XI Workshops Internacionais de Turismo Religioso (IWRT), o padre Carlos Cabecinhas, reitor do Santuário de Fátima pediu, que o turismo religioso “continue a receber do poder político a merecida atenção”. Na sua intervenção, referiu que “o atual momento político, em Portugal, com a proximidade de eleições legislativas, com as inevitáveis mudanças que trará, provoca sempre alguma incerteza. Resta-me desejar que o turismo religioso, independentemente da solução governativa, continue a receber do poder político a merecida atenção”, disse.

O católico disse que o ano de 2023 ficou marcado pela recuperação do número de peregrinos e visitantes a Fátima. Considerou que “as nossas expectativas apontavam para uma recuperação mais lenta, depois da quebra brutal provocada pela pandemia de Covid 19, mas não foi isso que se verificou”. No entanto, alertou, “precisamos de verificar até que ponto se trata de um crescimento sustentado, excluído o efeito da Jornada Mundial da Juventude e do seu impacto ao nível do turismo religioso, nomeadamente aqui, em Fátima”. Porém, “as expectativas para o presente ano, relativamente ao afluxo de visitantes, são moderadamente otimistas”, sublinhou.

O padre Carlos Cabecinhas lembrou que não podemos igualmente ignorar o contexto internacional e as ameaças à paz, que condicionam necessariamente o turismo. “A paz é desígnio maior que não podemos ignorar e o sofrimento das vítimas não nos deixa indiferentes”, disse, para avançar que, praticamente dois anos do início da guerra na Ucrânia e com quase cinco meses de guerra em Israel e Palestina, “é fundamental afirmarmos o turismo como instrumento de paz e de concórdia entre povos e nações”.

O presidente do Turismo de Portugal, Carlos Abade, sublinhou que, face aos números da atividade turística em 2023, já conhecidos, “o nosso objetivo é muito claro, é continuarmos a crescer, mas de uma forma responsável, sustentável e de uma forma cada vez mais inteligente”, que passa pela valorização das pessoas porque “só pessoas qualificadas e com talento podem acrescentar valor àquilo que é o crescimento do setor, mas também crescimento assente em propostas que valor, que sejam cada vez mais diferenciadoras e inovadoras”.

Assim, Carlos Abade reconheceu que “não há maior diferenciação do que aquela que é possível acrescentar quando utilizamos aquilo que são os nossos recursos, da nossa história e da nossa cultura, e aí dimensão do turismo religioso ganha uma expressão extraordinária”, reforçando que este segmento tem sio uma fonte de captação de turismo para Portugal”.

Os XI Workshops Internacionais de Turismo Religioso (IWRT) decorrem em Fátima, até sexta-feira e seguem para a cidade da Guarda, no sábado.

Os IWRT contam com 131 buyers e 131 suppliers de 40 nacionalidades e cerca de cinco contactos de negócios, só em Fátima, os quais acrescem os números do Workshop de Turismo de Herança Judaica, este sábado, na Guarda.

A edição deste ano tem o Paraguai como destino convidado. Para tal, o país da América Latina fez-se representar pela ministra do Turismo, Angie Duarte de Melillo, Javier Ramirez, diretor geral da Secretaria Nacional de Turismo, Esterfania Aderete, representante da DTP Tour Operador, e Olga Fisher, representante da Câmara de Turismo das Missões Jesuítas, que tiveram a oportunidade de apresentar as potencialidades do país como destino de turismo religioso, ainda pouco conhecido em Portugal.

Em defesa do novo aeroporto no Centro e em nome da coesão 

Praticamente todas as intervenções na sessão de abertura destes workshops sobre turismo religioso saíram em defesa do novo aeroporto de Lisboa, no Centro de Portugal, apoiando, de forma inequívoca o projeto de Santarém. “O futuro aeroporto em Santarém seria uma verdadeira solução para a coesão do país e contribuiria em muito para afirmar Fátima no mundo”, destacou a presidente da ACISO.

Purificação Reis observou que “rezam as crónicas que já nos anos 30 o bispo de Leiria fundador do Santuário, D. José Alves Correia da Silva, antevendo a dimensão e alcance da devoção de Fátima, sonhou com a construção dum aeroporto que a pudesse servir”.

Por sua vez, Anabela Freitas, vice-presidente da Turismo Centro de Portugal, apontou que um aeroporto na região Centro é o que melhor defende os interesses do país, sendo a única hipótese que reforça a coesão social.

“O turismo é uma alavanca importante para a coesão territorial, para a fixação de pessoas no território. A decisão do novo aeroporto é fundamental para o desenvolvimento deste setor. Defendemos que essa estrutura aeroportuária deveria ser construída na região Centro, em Santarém, não só para alavancar aquilo que é a economia, e em particular o turismo, mas sobretudo para promover a coesão territorial”, considerou Anabela Freitas.

Também Pedro Machado, presidente da Agência Regional de Promoção Turística do Centro de Portugal, focou o tema do novo aeroporto. “Fátima integra uma rede de Cidades Santuário, quase todas elas servidas por aeroportos de proximidade, à exceção desta. Não se deve construir uma nova estrutura aeroportuária onde já existe uma carga elevada de pessoas e de infraestruturas, como acontece em Lisboa, mas sim num local que contribua para o reforço da coesão territorial, como é o caso de Santarém”, afirmou.

Para além da questão do aeroporto, Pedro Machado acentuou que turismo religioso “é um elemento-chave que, em particular nesta região do Médio Tejo, complementa e dá visibilidade a outros produtos turísticos e aproxima os territórios”.

O presidente da Câmara Municipal de Ourém, Luís Albuquerque, que também interveio na sessão de abertura, deixou votos de que os decisores políticos governativos “olhem para o país como um todo, complementar”, capaz de gerar novas centralidades, criação de emprego e valorização dos ativos estratégicos, afirmando que “importa valorizar o muito que Fátima tem para oferecer”, enquanto plataforma turística de eleição para milhões de visitantes anuais, mas, simultaneamente, “preservar a autenticidade espiritual e cultural, qualificando a oferta, reforçando a criação de infraestruturas que respondam aos fluxos de visitantes, avaliando e respeitando a capacidade de carga a cada momento”, indicou.

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
Aviação

Etihad Airways adiciona frequência à rota Abu Dhabi-Lisboa

A nova frequência começa a ser operada a 3 de abril e mantém-se até 23 de maio, aumentando o número de voos da Etihad Airways entre Lisboa e Abu Dhabi para cinco ligações aéreas por semana.

Publituris

A Etihad Airways vai adicionar uma frequência à rota entre Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos, e Lisboa, que passa a contar com um total de cinco voos por semana, informou a companhia aérea, em comunicado.

A nova frequência começa a ser operada a 3 de abril e mantém-se até 23 de maio, partindo de Lisboa às 09h05 para chegar a Abu Dhabi às 19h45, enquanto em sentido contrário a partida da capital dos Emirados Árabes Unidos decorre pelas 02h35, chegando a Lisboa às 07h40.

Com a introdução desta nova frequência, que vai ser operada às quartas-feiras, a Etihad Airways passa a contar com voos entre Lisboa e Abu Dhabi às terças, quartas, quintas, sábados e domingos.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

“Estamos confiantes que conseguiremos tornar a aviação em Portugal mais sustentável”

A renovação do acordo com a Travelstore, que foi o primeiro player do setor das viagens em Portugal a aderir ao programa Air France-KLM SAF Corporate, serviu de mote para uma conversa com Miguel Mota, diretor comercial da Air France-KLM em Portugal, sobre a política de sustentabilidade do grupo de aviação, que tem vindo a dar vários passos para reduzir as suas emissões poluentes.

Inês de Matos

 

Com metas ambiciosas para a descarbonização, a Air France-KLM trouxe para Portugal o programa SAF Corporate, um dos trunfos do grupo para estimular a produção de SAF – Combustível Sustentável para a Aviação, que é menos poluente e mais amigo do ambiente, e que conta já com a participação da Travelstore, o primeiro e, por enquanto, único parceiro deste programa, que o grupo de aviação pretende continuar a desenvolver e aumentar. O acordo com a Travelstore, que foi renovado em dezembro, foi a desculpa perfeita para o Publituris conversar com Miguel Mota, diretor comercial da Air France-KLM em Portugal, sobre os passos que a Air FranceKLM tem vindo a dar, também em Portugal, com vista a uma aviação mais sustentável e que permita alcançar a meta de chegar a 2050 com zero emissões de CO2.

A Air France-KLM e a Travelstore renovaram o acordo que tornou a Travelstore no primeiro player do setor das viagens em Portugal a aderir ao programa de combustível sustentável do grupo de aviação. Qual é a importância da renovação deste acordo, que foi originalmente estabelecido em maio de 2023?

A renovação deste acordo – assinado a 3 de maio de 2023 e renovado a 14 de dezembro passado – reveste-se da maior importância, já que demonstra um forte compromisso da Travelstore com a sustentabilidade e representa a participação, pela primeira vez em Portugal, de um grande player da indústria de viagens no ambicioso programa SAF Corporativo – Combustível Sustentável para a Aviação da Air France-KLM. Como afirmámos em maio, não poderíamos estar mais orgulhosos por contar, como primeiro parceiro do nosso programa, com um ator tão importante na indústria de viagens e turismo em Portugal.

Em que consiste o programa de combustível sustentável da Air France-KLM e porque devem as empresas do setor das viagens em Portugal aderir?

O combustível sustentável para a aviação é, hoje, juntamente com a renovação da frota, uma das medidas mais eficazes para reduzir as emissões de CO2 das viagens aéreas e o nosso objetivo é aumentar a proporção de SAF que utilizamos. A Air France-KLM pretende liderar o caminho na incorporação de SAF e apoiar o desenvolvimento de capacidades de produção em todo o mundo com iniciativas tangíveis e vinculativas, tais como acordos de compra plurianuais, o investimento num produtor de SAF ou o apoio à I&D em projetos de descarbonização. Desde janeiro de 2022, foi integrada uma contribuição SAF em cada bilhete nas partidas de França e dos Países Baixos, em simultâneo com a incorporação de 1% de SAF nos voos com partida de ambos os países. O grupo estabeleceu ainda metas ambiciosas que excedem os requisitos regulamentares, nomeadamente a redução das emissões de CO2 por passageiro/ km em 30% e a incorporação de um mínimo de 10% de SAF até 2030 face a 2019. Mas isto não é suficiente, uma vez que o preço do SAF é atualmente 3 a 6 vezes mais elevado do que o jet fuel de combustíveis fósseis e precisamos urgentemente de uma maior produção de SAF. Neste contexto, o programa Air France-KLM SAF Corporate propõe às empresas um papel ativo no futuro das viagens, envolvendo uma contribuição anual das empresas participantes que é investida pelo grupo no fornecimento e na utilização de combustível sustentável para a aviação. Através do programa de SAF, os clientes empresariais da Air France e da KLM, após uma estimativa das emissões de CO2 associadas às suas viagens, podem determinar a contribuição anual que desejam fazer para o programa de SAF. Esperamos que outros players e parceiros do Grupo em Portugal se sintam impulsionados e encorajados por este incentivo e adiram a esta iniciativa, uma vez que, em termos de sustentabilidade, somos todos parte da solução.

Desde o estabelecimento do acordo com a Travelstore, a Air France-KLM já conseguiu atrair mais parceiros para este programa? Se sim, que parceiros são esses e que mais-valias vão aportar a este programa?

Até agora, apenas a Travelstore aderiu ao nosso programa de SAF em Portugal. Mas estamos em contacto com outros parceiros locais e partes interessadas da indústria e esperamos contar com novas adesões em 2024. Estas parcerias estratégicas representam um valor acrescentado relevante para o compromisso da Air France-KLM de apoio à criação de uma rede escalável de capacidades de produção de SAF na Europa e em todo o mundo.

Como espera a Air France-KLM que este programa evolua em Portugal? Há alguma meta para 2024?

Em Portugal, o principal objetivo é poder acompanhar cada vez mais os nossos parceiros e clientes locais na internalização e na aplicação dos critérios de sustentabilidade nas estratégias de negócio das suas empresas, bem como nos seus hábitos de viagem. Este ano, esperamos atrair mais empresas para o programa.

Papel dos passageiros e desafios do SAF

Além das empresas, também os clientes da Air France-KLM podem aderir a este programa. Como está a adesão dos passageiros, é mais fácil do que a das empresas?

Além do programa SAF Corporativo, a Air FranceKLM pretende oferecer a todos os seus clientes opções para contribuir para a descarbonização da aviação. O grupo desenvolveu vários programas e iniciativas líderes do setor, que se somam à contribuição de SAF já integrada em cada bilhete vendido desde janeiro de 2022. No caso dos clientes particulares, refira-se que estes podem facilmente optar pela “opção ambiental” no momento da reserva, o que permite adquirir quantidades de SAF com base no consumo de combustível durante a viagem. Além disso, desde 2022, todos os membros Flying Blue, programa de passageiro frequente da Air France-KLM, têm a opção de adquirir SAF usando milhas. Estas contribuições contam para conquistar ou manter o status Elite do Flying Blue, que foi o primeiro programa de passageiro frequente da indústria de a introduzir estruturalmente essa opção para ganhar status.

O programa prevê que os parceiros e clientes possam fazer uma contribuição anual para compensar as suas emissões. Quanto já foi arrecadado e em que são aplicadas essas verbas?

Devemos sublinhar, em primeiro lugar, que o nosso programa SAF Corporativo não trata da compensação, mas antes de evitar as emissões de carbono. Dito isto, estamos muito satisfeitos em constatar que as contribuições através do nosso programa têm aumentado de forma bastante expressiva. Em 2023, foram assinados 116 contratos de SAF Corporativo em todo o mundo, que resultaram na compra de 11 mil toneladas de SAF. 188 pequenas e médias empresas e indústrias membros do programa BlueBiz da Air France-KLM também aderiram à iniciativa. A Air France KLM Martinair Cargo, a divisão de carga do grupo, conduz um programa semelhante, ao qual já se juntaram 29 transitários e clientes em 2023.

O SAF continua, no entanto, a ser caro e escasso, mas a Air FranceKLM estabeleceu recentemente um acordo com a DG Fuels para fornecimento deste combustível. Que diferença vai fazer este acordo para que a Air FranceKLM atinja os seus objetivos?

Em outubro de 2022, anunciámos um acordo de compra de 600 mil toneladas de SAF à DG Fuels, a serem entregues entre 2027 e 2036. Em novembro passado, fomos um pouco mais longe nessa cooperação, investindo 4,7 milhões de dólares para a DG Fuels poder concluir a sua primeira fábrica sustentável de combustível de aviação, localizada no Louisiana (EUA). Além desse investimento, adquirimos uma nova opção de compra de até 75 mil toneladas de SAF por ano à DG Fuels. Acreditamos fortemente que este tipo de ações são exemplos do que pode ser feito para aumentar a produção de SAF e reduzir os preços. Em números, a produção mundial de SAF atingiu mais de 0,5 milhões de toneladas (Mt) em 2023, o dobro das 0,25 Mt produzidas em 2022 e um terço do que se espera (1,5 Mt) que seja produzido em 2024.

A operação das companhias aéreas do grupo em Portugal também já usa SAF? Como tem sido a evolução do uso deste combustível nas operações em Portugal?

Conforme mencionado, tanto a Air France como a KLM estão a incorporar, desde 2022, até 1% de SAF por ano nos voos com partida de França e dos Países Baixos, o que vai além dos requisitos obrigatórios da UE. A utilização de SAF requer uma infraestrutura local e uma disponibilidade deste combustível em cada país. O que posso dizer é que, para Portugal, importa sublinhar a escolha de Lisboa (Air France) e Porto (KLM) para a operação dos voos de médio curso mais sustentáveis de cada uma das companhias aéreas no âmbito do ‘Skyteam Sustainable Flight Challenge’ em maio de 2022. Esta iniciativa revela a atenção que o Grupo dedica a todos os mercados onde está presente a nível mundial e como desenvolve diferentes ações para continuar a explorar soluções que vão reduzir a pegada ambiental das suas operações.

Política de sustentabilidade

 A nível nacional, como avalia a Air France-KLM o caminho que a aviação e todo o setor do turismo está a fazer com vista à redução das emissões poluentes?

A nível europeu, penso que há uma grande sensibilização a este respeito e os diferentes stakeholders estão ativamente envolvidos na redução das emissões e da pegada de carbono das suas empresas. Porém, para que tenha um impacto real, especialmente em Portugal, é necessária uma determinação ainda mais forte de todas as partes interessadas.

Além deste programa, a Air France-KLM tem vindo a apostar na sustentabilidade. Como está a evoluir a política de sustentabilidade do grupo, nomeadamente em Portugal?

Ao longo de 2023, continuamos a trabalhar para descarbonizar todas as nossas atividades, visando atingir o Net Zero em 2050. Para cumprir essa trajetória, além das nossas iniciativas no âmbito do SAF, atuamos em diferentes frentes: acelerando a renovação da nossa frota com aviões de nova geração, facilitando e desenvolvendo a intermodalidade com a digitalização da jornada do cliente, etc. Estamos também comprometidos com as nossas responsabilidades sociais, o segundo pilar da nossa ambição. A diversidade e a igualdade de género são uma das principais prioridades do nosso grupo. A Air France-KLM está empenhada em ter 40% da Comissão Executiva e dos cargos de gestão do Grupo ocupados por mulheres até 2030. Naturalmente, estes objetivos aplicam-se tanto aos mercados nacionais como a todos os países onde operamos, incluindo Portugal.

A aposta na sustentabilidade é, contudo, cara. Quanto estima a Air France-KLM investir em sustentabilidade em Portugal, no próximo ano?

Não divulgamos esses números. Mas, certamente, este compromisso representa um forte investimento, indispensável para um desenvolvimento da nossa atividade coerente com os nossos objetivos e estratégia.

Outras estratégias e futuro

Outro dos pilares da política de sustentabilidade da Air FranceKLM é a renovação da frota, com aparelhos mais amigos do ambiente. Que aparelhos estão as companhias do grupo a utilizar nas suas operações em Portugal e qual é a previsão para o futuro?

A renovação da frota com aviões de nova geração, juntamente com a introdução de SAF e medidas operacionais (operações terrestres, ecopilotagem e outras iniciativas), é decisiva para conseguir voos mais sustentáveis. Por isso, pretendemos substituir os nossos Airbus A320, A330 e 777-200ER por modelos mais recentes e com baixo consumo de combustível, os nossos novos Airbus A220, A320/A321neo e A350 ou Boeing 787 são mais eficientes em termos de consumo de combustível, reduzindo até 25% as emissões de CO2 e o nível de ruído numa média de 33%. Até 2028, estes aviões representarão 64% da frota do Grupo Air France-KLM, graças a um investimento anual de dois mil milhões de euros. Portugal foi um dos países escolhidos para iniciar as operações do nosso novo A220 em dezembro de 2021 com a Air France. Para a KLM, utilizamos cada vez mais o Embraer 190, especialmente de/ para o Porto.

Que outras estratégias de redução das emissões está a Air France-KLM a usar em Portugal?

A estratégia global do Grupo é implementada em cada um dos mercados onde está implantado. Nesse aspeto, Portugal segue esta regra.

A nível governamental, uma das estratégias que têm vindo a ser usadas reside na colocação de taxas ambientais. Como olha a Air France-KLM para estas taxas, cumprem o objetivo para que foram criadas?

Embora os impostos não reduzam diretamente as emissões de CO2, a introdução de impostos, como o imposto sobre o combustível, só pode fazer sentido se forem implementados a nível global, para manter condições de concorrência equitativas a nível internacional. Os parâmetros principais devem ter em conta a quantidade de produção de SAF disponível globalmente e a acessibilidade a todos os intervenientes. Para disponibilizar os investimentos necessários para a descarbonização da aviação, é uma condição prévia que todas as receitas do imposto global sobre o combustível sejam utilizadas para tornar o setor mais sustentável – por exemplo, tornando os SAF mais acessíveis ou para promover as novas tecnologias.

Como vê a Air France-KLM o futuro da aviação em Portugal, vamos conseguir tornar a nossa aviação mais sustentável e chegar a 2050 com zero emissões de CO2?

Vemos vários stakeholders a tomar medidas em Portugal, isto é muito bem-vindo e vai ter um efeito positivo no futuro da aviação em Portugal. Estamos confiantes que, todos juntos, conseguiremos tornar a aviação em Portugal mais sustentável, contribuindo assim para atingir os nossos objetivos para 2050. Alcançar as metas será um trabalho coletivo. Temos um longo caminho pela frente, mas, na Air France-KLM, estamos a tomar medidas para que isso aconteça e também contamos com a ação de todas as partes interessadas relevantes.

*Entrevista publicada originalmente na edição 1502 do jornal Publituris.

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Turismo

Luís Montenegro: “Aeroporto, vamos avançar mesmo”, “TAP vamos privatizar a 100%” e no Alojamento Local “ataque desferido será revertido”

No almoço-debate organizado pela Confederação do Turismo de Portugal (CTP) com o líder da Aliança Democrática e presidente do PSD, Luís Montenegro deixou algumas certezas sobre a TAP e Alojamento Local e manteve algumas incertezas, nomeadamente, sobre o aeroporto.

Victor Jorge

Depois do almoço-debate, organizado pela Confederação do Turismo de Portugal (CTP) com o secretário-geral do Partido Socialista (PS), Pedro Nuno Santos, foi a vez do líder da Aliança Democrática e presidente do Partido Social Democrata (PSD), Luís Montenegro, esclarecer alguns temas que preocupam o setor do turismo.

Na questão da TAP Air Portugal, Luís Montenegro começou logo por dizer que iria “poupar pormenores” sobre uma eventual decisão, afirmando que, em 2015, aquando da saída do Governo liderado por Pedro Passos Coelho, o PSD deixou uma solução: “Portela + Montijo”.

“Foi o Governo de António Costa, que não executou aquilo que o anterior Governo tinha deixado. E porque não executou? Porque dentro da coligação, que tinha com o Partido Comunista e o Bloco de Esquerda, não teve o apoio que era necessário para ultrapassar um problema legal, que era o parecer vinculativo das Câmaras Municipais, nomeadamente, aquelas que eram do Partido Comunista”.

Recordando que o anterior líder do PSD, Rui Rio comprometeu-se a “ajudar”, na condição de fazer uma avaliação ambiental estratégica. Ora, Luís Montenegro recordou o estudo comparativo de três soluções que foi colocado em cima da mesa, salientando que “foi até lançado um concurso público internacional. Demorou dois anos até ser decidido. E quando foi decidido, foi decidido mesmo. Houve uma adjudicação” E o líder da AD lançou a questão “se o se o Estado português não vai mesmo ter de pagar uma indemnização ao consórcio vencedor desse concurso público internacional, que acabou por não ser executado”.

O líder da AD lembrou, igualmente, que depois de António Costa assumir funções à frente do Governo, “foi-me perguntado se eu estava disponível para consensualizar a decisão. Disse que sim e nas circunstâncias políticas mais difíceis. Das primeiras coisas que fiz enquanto presidente do PSD foi colocar-me ao lado do Governo e do Partido Socialista para resolver um problema estrutural e estratégico do e para o país estratégico do país. Esse crédito, podem dar as voltas que quiserem, mas não me podem tirar”, afirmou.

Ainda sobre o tema aeroporto, Luís Montenegro não fez esquecer que, “se nós não tivéssemos chegado a acordo sobre a metodologia para fazer a avaliação ambiental estratégica, que é aquilo que a Comissão Técnica Independente está a fazer, não havia condições para decidir”, fazendo ainda lembrar “a decisão imatura e irresponsável de Pedro Nuno Santos contra a vontade do primeiro-ministro, sem ouvir o Governo que depois mereceu uma desautorização em público”.

“Essa decisão era uma decisão que ia lançar uma avaliação. Não era uma decisão definitiva. Era uma decisão para lançar um processo de avaliação”.

Dirigindo-se diretamente aos agentes do setor do turismo que marcaram presença na sala, o líder da AD disse perceber que “estão exaustos nesta matéria. Eu sei que querem uma decisão, seja lá ela qual for, mas eu tenho de ser honesto. Nós só vamos poder decidir agora porque lá atrás fizemos a definição desta metodologia”, admitiu.

Sobre uma decisão, o líder da AD reconheceu que “é uma decisão difícil. E o meu compromisso é, no início do Governo, pegarmos no resultado final [da CTI] que ainda não nos foi entregue e decidir. Nós vamos decidir. Vamos tentar consensualizar. O Partido Socialista será, na altura, o maior partido da oposição. Se conseguirmos o consenso, tanto melhor. Se não conseguirmos, nós avançaremos, avançaremos mesmo”.

Na questão do aeroporto, não do novo, mas do atual Aeroporto Humberto Delgado (AHD), Luís Montenegro assinalou que “decidimos colocar uma condição ao Partido Socialista e ao Governo: que fossem feitas as obras que estão associadas ao contrato de concessão no AHD”. E o líder da AD fez questão de destacar que “nós não rompemos o acordo. Podíamos tê lo feito e tínhamos razões para isso, por uma questão de responsabilidade nacional. Nós fomos deixando o tempo passar. Mas a verdade é uma. A verdade é que o Governo e em particular aquele que tutelou esta área, que é hoje candidato a primeiro-ministro pelo Partido Socialista, foram complacentes com a ANA e com as responsabilidades contratuais da ANA”.

Acusando o Governo do PS de “complacência”, Luís Montenegro acusou o Governo de António Costa de “não tiveram a coragem nem capacidade de enfrentar uma concessionária que tem a obrigação de fazer as obras. Não tiveram a coragem de exigir a um operador, que tira partido de uma das operações mais rentáveis da Europa em termos de gestão aeroportuária, que acabassem com aquilo que é um dos piores desempenhos do ponto de vista qualitativo num aeroporto na Europa”.

Por isso, Luís Montenegro considera que “a ANA está em falta e o Governo está em falta com o país., porque não obrigou a ANA a cumprir aquilo a que estava obrigada fazer”.

Ainda neste capítulo, o candidato a primeiro-ministro pela AD lembrou que a situação está “um bocadinho mais direcionada, porque houve uma resolução no dia 28 de Dezembro, assinada pelo atual ministro das Infraestruturas, António Costa e, no final do ano de 2023, já depois de se ter demitido, já depois de eleições marcadas, foi corrigido o tiro da incapacidade e da incompetência dos seus ministros das Infraestruturas”.

Assim, admite que, “vamos ser exigentes com a concessionária para que as obras no AHD sejam feitas para, pelo menos, amenizar aquilo que é hoje um mau cartão de visita que temos e que passam pelas condições de acolhimento dos turistas na atual infraestrutura”.

A favor da privatização da TAP
Quanto à questão da TAP, Luís Montenegro foi mais direto e assumiu ser “favorável a uma privatização de 100% do capital da TAP”. Contudo, afirmou que será preciso “salvaguarda o interesse estratégico português”, sendo que a venda “terá de integrar cláusulas que obriguem à manutenção do ‘hub’ em Lisboa, dentro daquilo que são os critérios estratégicos para o nosso país”.

“Aquilo que aconteceu na TAP foi mais um exemplo da incompetência e da incapacidade”, considerando ainda que o que aconteceu nos últimos anos com a TAP foi “uma tragédia, um crime económico e político. Nós tínhamos uma privatização decidida, estava em curso. Ela foi adulterada, modificada, arranjou-se aquela situação absolutamente invulgar e única no mundo, que é uma companhia aérea ser detida 50% do Estado e 50% por entidades privadas. E depois nas dificuldades, porque se retiraram os riscos no privado e se reintegrarem na esfera pública, fez-se uma nacionalização completa, injetando mais de 3200 milhões de euros. Para quê? Para agora se voltar a 2016 e decidir, mais coisa menos coisa, exatamente o mesmo”.

Para o futuro fica, assim, a ideia de que “aquilo que faço agora é salvaguardar o interesse público, privatizando a companhia, recuperando pelo menos a parte possível do capital que foi lá injetado, esperando que doravante possamos ter o interesse estratégico do país assegurado e uma companhia que seja capaz de ter uma gestão eficiente, que não recoloque Portugal nesta contingência de gastar o dinheiro dos contribuintes que tanta falta faz para salvar a sua subsistência”.

Alojamento Local: reverter situação
Como uma sala composta por alguns hoteleiros do país, Luís Montenegro deixou a certeza de que “o ataque foi desferido a um segmento especial, que é o Alojamento Local (AL), será revertido”, considerando que o AL é “indutor de maior capacidade de resposta turística na oferta do país”, bem como “a forma correta de combater a economia informal”.

Para Luís Montenegro, terão de ser “as Câmaras Municipais de forma descentralizada, próxima, conhecedoras da realidade local, a ter uma palavra a dizer relativamente à estratégia a seguir localmente, respeitando, ainda assim, aquilo que são os direitos adquiridos por pessoas que muitas delas, talvez a maior parte, apostaram as suas poupanças”.

Noutro ponto invocado pelo presidente da CTP, Francisco Calheiros, Luís Montenegro respondeu que “acho que vamos assegurar a estabilidade”, reconhecendo que “a AD, neste momento, é, objetivamente, a força política candidata a estas eleições que tem as melhores condições para oferecer a estabilidade”.

E se a vitória parece “certa” para o líder da AD acha mesmo que “um cenário de uma maioria mais robusta tem de ser equacionado. Não é fácil de obter, mas não está longe”.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Destinos

Receitas turísticas batem novo recorde e somam mais de 25MM€ em 2023

Os dados do Banco de Portugal, que foram divulgados esta terça-feira, 20 de fevereiro, mostram que, em 2023, as receitas provenientes da atividade turística bateram novos recordes e atingiram o valor mais elevado de sempre num ano, somando, pela primeira vez, mais de 25 mil milhões de euros em 12 meses.

Inês de Matos

No ano passado, as receitas turísticas somaram 25.140,01 milhões de euros, valor que representa um aumento de 19,1% face ao total apurado em 2022, quando este valor estava nos 21.107,16 milhões de euros, de acordo com os dados divulgados esta terça-feira, 20 de fevereiro, pelo Banco de Portugal (BdP).

Os dados do BdP mostram que, em 2023, as receitas provenientes da atividade turística bateram novos recordes e atingiram o valor mais elevado de sempre num ano, com o BdP a indicar que, nas “exportações de serviços, destacaram-se as viagens e turismo, os serviços de transportes e os outros serviços fornecidos por empresas”, que apresentaram variações positivas de 19%, 11% e 17%, respetivamente.

Em comparação com 2019, o último ano antes da chegada da pandemia, a subida foi ainda mais positiva e chegou aos 37,4%, uma vez que, no acumulado de 2019, as receitas turísticas, que se encontram pelos gastos dos turistas estrangeiros em Portugal, tinham somado 18.291 milhões de euros.

Já as importações do turismo, que se encontram pelos gastos dos turistas portugueses no estrangeiro, somaram 6.301,14 milhões de euros, valor que ficou 13,9% acima dos  5.533,27 milhões de euros contabilizados no ano anterior.

“À semelhança das exportações, nas importações de serviços, evidenciaram-se os outros serviços fornecidos por empresas, as viagens e turismo e os serviços de transportes. Destes serviços, apenas a importação de serviços de transportes decresceu relativamente a 2022”, refere o BdP.

No caso das importações, a diferença face a 2019 também é significativa, uma vez que, desde então, este indicador aumentou 23%, já que, no acumulado de 2019, tinha somado 5.124,02 milhões de euros.

No caso do saldo da rubrica Viagens e Turismo, também houve uma subida expressiva no ano passado, com este indicador a somar 18.838,86 milhões de euros, o que indica um aumento de 21% face aos 15.573,90 milhões de euros apurados em 2022. Face a 2019, este indicador aumentou ainda 43%, já que no acumulado do último ano antes da pandemia o saldo foi de 13.166,98 milhões de euros.

“Em 2023, as exportações e importações de viagens e turismo aumentaram, respetivamente, 19% e 14%, tendo atingido os valores mais elevados de toda a série. Em consequência, o saldo da rubrica de viagens e turismo cresceu 3,2 mil milhões de euros relativamente ao período homólogo”, lê-se ainda no comunicado do BdP, que acompanha os números divulgados esta terça-feira.

Dezembro com aumento de 13,2% nas receitas turísticas

Os números positivos foram também comuns ao mês de dezembro, cujas receitas turísticas atingiram os 1425,73 milhões de euros, num aumento 13,2% face ao apurado em dezembro de 2022, quando este indicador tinha somado 1.259,81 milhões de euros.

Face a 2019, a subida foi ainda mais expressiva e chegou aos 34,4%, uma vez no último mês do último ano antes da pandemia este indicador tinha chegado aos 1060,71 milhões de euros.

Positivas foram também as importações do turismo no último mês do ano passado, que somaram 511,84 milhões de euros, num aumento de 9,6% face aos 467,08 milhões de euros apurados no mesmo mês de 2022. Em comparação com dezembro de 2019, quando as importações do turismo tinham sido de 402,46 milhões de euros, a subida deste indicador foi de 27,2%.

Já no que diz respeito ao saldo da rubrica Viagens e Turismo, que somou 913,89 milhões de euros em dezembro de 2023, destaca-se um aumento de 15,3% face ao apurado no mesmo mês de 2022, quando o valor deste indicador estava nos 792,72 milhões de euros. Em comparação com dezembro de 2019, a subida deste indicador chega aos 38,8%, pois o saldo desta rubrica era, nessa altura, de 658,25 milhões de euros.

 

 

 

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Hotelaria

Highgate Portugal investe 51,5M€ em rebrandig e posicionamento dos hotéis que gere

A Highgate, multinacional de gestão hoteleira, investimento, tecnologia e desenvolvimento, que chegou a Portugal em 2022, vai investir 51,5 milhões de euros no rebranding e posicionamento dos hotéis que gere em território nacional.

Carla Nunes

O valor foi apontado por Alexandre Solleiro, CEO da Highgate Portugal, que em conferência de imprensa deu conta dos próximos projetos da empresa e do balanço de 2023.

Desta forma, a multinacional vai proceder ao rebranding de quatro hotéis no Algarve sob marcas internacionais, nomeadamente o NAU São Rafael Atlântico, que será transformado num Kimpton. Também o NAU Salgados Palace, o NAU Salgados Palm Village e o NAU Salgados Dunas Beach serão alvo de um rebranding, no entanto, Alexandre Solleiro não referiu qual será a marca, por ainda não terem assinado o contrato de franchising.

A antecipação é a de que as obras de rebranding do Salgados Palace, do Salgados Palm Village e do Salgados Dunas Beach comecem em novembro de 2024, para que possam abrir com uma nova marca em 2025. Sobre este projeto, Solleiro refere que “o que sinto que iremos fazer nos Salgados é sair do mercado all inclusive no ano que vem, quando fizermos o rebranding”.

Contudo, o CEO da Highgate Portugal garante que a marca NAU “não vai desaparecer, vai sim deixar de estar em alguns hotéis”, não colocando de parte a possibilidade de esta continuar a “existir com novos envolvidos”: “Pode ser uma marca adequada para alguns dos hotéis que vierem a juntar-se ao portefólio”, aponta.

Assim, as únicas unidades hoteleiras que vão continuar com a marca NAU, “por enquanto”, são o Salema Beach Village, o Morgado Golf & Country Club e o São Rafael Suites. No caso deste último hotel, espera-se que abra portas a 1 de março para a nova temporada, após uma remodelação completa das zonas públicas e dos restaurantes. Por terminar fica a zona de spa deste hotel, cuja remodelação só estará finalizada daqui a dois meses.

Rebranding com aposta em novos conceitos de F&B

Em Sesimbra, a Highgate Portugal investiu um milhão de euros no Sesimbra Hotel & Spa, que passará a designar-se Sesimbra Ocean Front Hotel e que sobe na classificação para as cinco estrelas. Este investimento foi aplicado na redecoração de todas as zonas públicas, receção e restaurantes do hotel, bem como dos corredores e quartos.

Já o Palácio do Governador, em Lisboa, vai ser alvo de uma remodelação a partir de 11 de março, cujo design de interiores ficará a cargo de Nini Andrade Silva. A renovação começará pelos quartos e corredores, estendendo-se às zonas públicas, nomeadamente a entrada, lobby e receção. Serão também introduzidos novos pontos de venda no hotel: o terraço será coberto para dar lugar a um novo conceito de bar, estando também em linha um novo conceito de restaurante e a redecoração da zona da piscina.

No caso do Palácio do Governador, Alexandre Solleiro já tinha referido a possibilidade de introduzir uma soft brand, afirmando esta segunda-feira que o que pretendem passa por “encontrar uma marca de distribuição que nos ajude a distribuir o hotel nos mercados mais importantes para a distribuição [da unidade hoteleira]”. Nesse sentido, o CEO da Highgate Portugal aponta os mercados norte-americano e brasileiro, além dos europeus, como aqueles que pretendem vir a atingir nesta unidade.

O rebranding será acompanhado por “toda uma nova visão para os conceitos de Food and Beverage (F&B) em restaurantes, bares e alimentação”, não só nos hotéis acima mencionados, como “nos hotéis que não serão objecto de obras de reposicionamento importantes”, como afirma Alexandre Solleiro. Para isso, a empresa contratou um vice-presidente de F&B de entre os membros da atual equipa, não referindo quem será o profissional a ocupar o cargo, o chef Bruno Rocha e o mixologist André Cavalheiro, sendo esperado o reposicionamento de restaurantes dos hotéis sob a alçada da Highgate Portugal, com alguns a ostentarem marcas internacionais.

Também os spas dos hotéis geridos pela Highgate Portugal serão alvo de uma “reconversão”, com a aplicação do conceito Wellness 360º, sendo que o primeiro projeto aprovado diz respeito ao São Rafael Suites.

“Acreditamos que tanto o F&B como os spas são elementos não só de imagem dos hotéis, [mas também] um grande contribuidor de resultados se forem bem feitos e geridos, atraindo clientes de dentro e de fora dos hotéis”, afirma Alexandre Solleiro.

Hotéis da Highgate Portugal registam subida de 15% em receitas face a 2022

Fazendo o balanço da atividade da Highgate em 2023, Alexandre Solleiro dá conta de um crescimento de 15% em receitas face a 2022, “um bocadinho acima da média do que se verificou no Algarve”, como refere. No entanto, prefere não se reportar a valores concretos além da percentagem.

Já a taxa de ocupação dos hotéis da Highgate em Portugal subiu 7% em 2023 face a 2022, situando-se nos 65%, sendo que a taxa foi calculada tendo em conta todos os meses do ano, mesmo os quatro meses em que cinco hotéis do portefólio estiveram fechados. Por fim, o preço médio em 2023 subiu 8% face a 2022.

“Isto mostra que usando boa tecnologia, websites feitos de forma adequada e com as equipas a pensar de uma forma organizada em como comercializar melhor os hotéis, conseguimos fazer crescer as receitas nos momentos certos”, afirma Alexandre Solleiro, reportando-se às medidas implementadas pela Highgate Portugal nos hotéis do seu portefólio.

Sobre a atuação da empresa nos 18 hotéis que gere em Portugal, Solleiro afirma que a instalação de sistemas mais modernos de Revenue Management (RM) e a reconstrução do website permitiram que as vendas diretas a partir do website passassem de 18% em 2022, para 29% em 2023.

Já na área dos recursos humanos, o CEO da Highgate Portugal afirma terem sido investidos 500 mil euros nos primeiros meses de atividade da empresa para a melhoria de vestiários, refeitórios e equipamentos de trabalho, estando a ser desenvolvidos novos programas de formação e recrutamento de pessoal. Foram ainda investidos mais 500 mil euros em novos sistemas de business inteligence, que estão a funcionar desde janeiro deste ano.

“O ano de 2024 não será certamente um ano com o mesmo nível de crescimento que 2023 teve em relação a 2022. No entanto, com tudo o que mexemos a nível de Revenue Management, marketing e de vendas do ano passado, permite-nos pensar que este ano será interessante para nós. Prevemos crescer um bocadinho acima da média”, termina Alexandre Solleiro

Recorde-se que a Highgate Portugal tem sob a sua gestão 18 unidades hoteleiras, num total de 2.600 quartos, sendo que 13 destes hotéis encontram-se no Algarve, um em Lisboa, um em Sesimbra, três no Porto e um nos Açores, em Angra do Heroísmo. A empresa acumula ainda a gestão de três campos de golf. Este portefólio era gerido anteriormente pela ECS, parte dele com a marca NAU.

Sobre o autorCarla Nunes

Carla Nunes

Mais artigos
Hotelaria

Nova edição Publituris Hotelaria: Entrevista a Bernardo Trindade, presidente da AHP

A Publituris Hotelaria deste mês faz capa com Bernardo Trindade, presidente da Associação da Hotelaria de Portugal (AHP). Há dois anos à frente da associação, Bernardo Trindade considera que o setor “encontra-se bem” tendo em vista os resultados alcançados. Contudo, diz-se “preocupado” com o facto de Portugal estar a recusar 1,3 milhões de turistas por ano, dadas as dificuldades na Portela.

Publituris

A edição de fevereiro dá ainda destaque ao próximo Congresso Nacional da Hotelaria e Turismo da AHP, que este ano tem lugar no Centro de Congressos da Madeira – Funchal, de 21 a 23 de fevereiro, com entrevistas a vários intervenientes nas mesas-redondas do evento.

No capítulo “Fala-se”, fique com uma entrevista a António Marto, presidente da Associação Fórum Turismo, que em declarações à Publituris Hotelaria dá conta do crescimento de uma das iniciativas desta associação, a Bolsa de Empregabilidade, e revela um dos próximos projetos: o desenvolvimento de uma plataforma de emprego digital.

Este número é também uma oportunidade para estar a par da mais recente aposta da Fauchon Hospitality em Portugal. Depois de escolhido o parceiro – a Unlock Boutique Hotels –, para expandir a atividade hoteleira para Portugal, o presidente e CEO da Fauchon Hospitality, Jacques-Olivier Chauvin, esteve à conversa com a imprensa e explicou a razão para a entrada no nosso país. O local será escolhido em 2024. A abertura dependerá se é construção ou renovação.

Ainda no segmento “Fala-se”, destaque para a mais recente iniciativa da ADHP Júnior, “Embaixadores da Hotelaria”. Com o intuito de aproximar os estudantes de gestão hoteleira não só do mundo profissional, como também do associativismo, este projeto arrancou em outubro do ano passado com o intuito de apurar embaixadores em oito universidades e politécnicos, para pôr em prática os eventos englobados nesta iniciativa. Conhecidos os novos embaixadores, Leonardo Simões, presidente da ADHP Júnior, dá conta do balanço deste projeto e perspectiva o futuro.

No especial Bolsa de Turismo de Lisboa (BTL) fique a conhecer as novidades dos fornecedores para hotelaria que vão marcar presença na feira, como é o caso da Floema, Groupe GM, HiJiffy, Hotelis, Paratytech, SALTO e Serlima.

A fechar, o chef Maycon Melo dá conta da cozinha que trabalha no Mirante Rooftop Bar, do Senhora da Rosa, Tradition & Nature Hotel, em São Miguel, Açores. Natural do Brasil, o chef abraçou os Açores há 11 anos e fez de São Miguel a sua casa. Os estudos em Biologia Marinha trouxeram-no até à ilha onde viria a descobrir um outro percurso de vida, a cozinha, algo que garante ter-se tornado a sua “maior paixão da vida” passado seis meses.

Por fim, brindamos com as sugestões de Ana Beatriz Amado, sommelier no Dourum Experience, no Porto.

As opiniões desta edição pertencem a Patrícia Correia (ADHP), Alexandre Marto Pereira (United Hotels of Portugal), Kevin Hemsworth (ISAG) e Luís Pedro Carmo Costa (Neoturis).

*Para ler a versão completa desta edição da Hotelaria – em papel ou digital – subscreva ou encomende aqui.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Turismo

Nova Edição: Uma última homenagem a André Jordan, a reta final na votação para os Portugal Trade Awards, Tiger Team e autocarros de turismo

A edição de 16 de fevereiro do jornal PUBLITURIS faz capa com André Jordan, falecido no dia 9 de fevereiro. O PUBLITURIS presta, assim, uma homenagem a quem foi apelidado durante anos como “Pai do Turismo” em Portugal. “Portugal Trade Awards by Publituris @BTL 2024”, Tiger Team e um dossier sobre Autocarros de Turismo preenchem o resto da edição.

Publituris

A segunda e última edição de fevereiro de 2024 do jornal PUBLITURIS faz uma homenagem a André Jordan. Empresário, empreendedor, “Pai do Turismo” em Portugal, “Senhor Quinta do Lago”, Senhor Belas Clube de Campo”, André Jordan marcou, indiscutivelmente, o setor do turismo no nosso país.

Nesta edição republicamos uma das primeiras entrevistas dadas por André Jordan em Portugal e ao jornal PUBLITURIS. Foi na edição de 15 de outubro de 1974 que Nuno Rocha, fundador e na altura diretor do jornal, entrevistou André Jordan. O foco da entrevista está, sobretudo, no Algarve, mas o que André Jordan referiu há quase 50 anos sobre a região, não só é válido para o Algarve como para todo o país.

Lá estão temas como o Aeroporto de Lisboa, um “Turbotrain”, a necessidade de se apostar em infraestruturas, o emprego, a inflação, incentivos fiscais, desenvolvimento social, tráfego aéreo, poluição, a cultura, o golfe [claro], atração de investimento estrangeiro, etc..

Recordo, a data da entrevista que republicamos é de 1974!

Além desta homenagem que o jornal PUBLITURIS presta a André Jordan, recordamos os nomeados para os “Portugal Trade Awards by Publituris @BTL 2024”, cujas votações terminam neste dia 16 de fevereiro de 2024.

Ainda poderá votar até ao final do dia em https://premios.publituris.pt/trade/2024/

No “Meeting Industry”, fomos conversar com João Moita, Managing Partner da Tiger Team, DMC que está no mercado desde janeiro de 2023. João Moita reclama infraestruturas de raiz em Lisboa para servir o segmento onde a empresa se posiciona, o MICE, designadamente, um centro de congressos, hotéis de grandes dimensões e um parque de diversões, sem falar da falta de decisão sobre um novo aeroporto. De resto, admite que Portugal tem boa reputação no panorama internacional para este segmento.

O “Dossier” desta edição é dedicado aos Autocarros de Turismo. Depois de um ano positivo em 2023, as empresas de autocarros de turismo e passageiros mostram-se confiantes de que também 2024 venha a ser um ano de sucesso e, apesar dos desafios que continuam a existir, há novidades para apresentar ao mercado.

Numa edição que junta o “Check-in” com o Pulse Report da guestcentric, as opiniões pertencem a Francisco Jaime Quesado (economista e gestor) e Amaro F. Correia (docente na Atlântico Business School.

A versão completa desta edição é exclusiva para subscritores do Publituris. Pode comprar apenas esta edição ou efetuar uma assinatura do Publituris aqui obtendo o acesso imediato.

Para mais informações contacte: Carmo David | [email protected] | 215 825 430

Nota: Se já é subscritor do Publituris entre no site com o seu Login de assinante, dirija-se à secção Premium – Edição Digital e escolha a edição que deseja ler, abra o epaper com os dados de acesso indicados no final do resumo de cada edição.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.