Assine já

Ilhéu das Rolas, São Tomé e Príncipe

Destinos

São Tomé e Príncipe. Um tesouro à espera de ser descoberto

O paraíso na terra existe e chama-se São Tomé e Príncipe, um destino que é um autêntico tesouro ainda à espera de ser descoberto e que, apesar da pandemia, o Publituris foi conhecer a convite da STP Airways.

Inês de Matos

Ilhéu das Rolas, São Tomé e Príncipe

Destinos

São Tomé e Príncipe. Um tesouro à espera de ser descoberto

O paraíso na terra existe e chama-se São Tomé e Príncipe, um destino que é um autêntico tesouro ainda à espera de ser descoberto e que, apesar da pandemia, o Publituris foi conhecer a convite da STP Airways.

Inês de Matos
Sobre o autor
Inês de Matos
Artigos relacionados
Reportagem| São Tomé e Príncipe: O país dos sorrisos
Homepage
Reportagem| Ilha do Sal: Um destino muito doce
Homepage
Malta | Um autêntico museu ao ar livre
Homepage
Reportagem | Cuba: impossível não se apaixonar por este país
Destinos

O paraíso na terra existe e chama-se São Tomé e Príncipe, um destino que é um autêntico tesouro ainda à espera de ser descoberto e que, apesar da pandemia, o Publituris foi conhecer a convite da STP Airways.

Ilhéu das Rolas, São Tomé e Príncipe

Por muitos anos que viva, não vou esquecer a sensação que senti na primeira vez que pisei a linha do equador. É um sentimento quase mágico, de omnipresença, como se conseguíssemos alcançar o mundo inteiro enquanto estamos ali, sobre a linha imaginária que divide o mundo, pé direito no hemisfério Norte e esquerdo no Sul. Damos por nós a saltar de um lado para o outro desta linha fictícia, como se o facto de a ultrapassarmos num pulo nos levasse, num ápice, de um extremo ao outro do globo.
A linha do equador atravessa 13 países no mundo e um desses países é São Tomé e Príncipe, que o Publituris visitou, entre 9 e 16 de janeiro, a convite da STP Airways, que levou um grupo de três jornalistas a conhecer um destino que “tem um enorme potencial para o turismo, mas que ainda precisa trabalhar e construir infraestruturas para se afirmar”, como nos disse, logo à chegada, João Cardoso, um empresário da construção português, que vive em São Tomé há mais de 40 anos e que tem assistido ao crescimento do turismo no país.
Em São Tomé e Príncipe, a linha do equador atravessa o Ilhéu das Rolas, uma das ilhas mais pequenas que compõem este arquipélago localizado no Golfo da Guiné, descoberto pelos portugueses no século XV e que é um país independente desde 1975. No local, existe um monumento que é composto por um marco que assinala a posição de São Tomé e Príncipe no grau 0 de latitude, num mapa de mosaicos desenhado no chão. Enquanto me entretinha a saltar a linha do equador de um lado para o outro, com uma vista deslumbrante para São Tomé, pensava que este destino é mesmo um tesouro à espera de ser descoberto, com todas as pedras e metais preciosos que esperaríamos encontrar em qualquer tesouro.
Venha com o Publituris descobrir as muitas jóias de São Tomé e Príncipe, país que conta com praias de areias douradas e águas turquesa, florestas tropicais de profundos tons esmeralda, e um povo amistoso que será, talvez, a jóia mais preciosa deste tesouro.

História e capital

Ponta Baleia, São Tomé e Príncipe

Chegámos a São Tomé, capital e maior cidade do arquipélago, na manhã de sábado, 9 de janeiro, e seguimos para o Pestana São Tomé Ocean & Spa Hotel, o único dos três hotéis do grupo Pestana no país que se encontra em funcionamento devido ao impacto da pandemia da COVID-19 e que foi o nosso ‘quartel-general’ durante a semana que passámos em São Tomé.
De imediato, resolvemos sair do hotel e partir à descoberta da cidade. São Tomé e Príncipe é um país seguro, com uma baixa taxa de criminalidade e, por isso, não sentimos qualquer receio em nos aventurarmos pelas ruas de São Tomé, desertas de turistas estrangeiros por consequência da pandemia. Começámos por percorrer a avenida marginal que liga o Pestana São Tomé ao centro da cidade e, num ápice, estávamos no antigo mercado, que apesar de fechado, continua a reunir em seu redor todo o tipo de comércio e a fazer soar os pregões das vendedoras. Foi o primeiro contacto com a comunidade local e serviu para percebermos que o povo são-tomense é gentil, curioso por contactar com os turistas e, regra geral, gosta de pousar para as fotografias. Apesar viverem de forma humilde, os são-tomenses têm sempre um sorriso na cara e mostram-se disponíveis para ajudar à mínima solicitação.
Percorremos um total de oito quilómetro neste primeiro passeio, que nos levou também a passar junto ao Palácio Presidencial e à Sé Catedral, uma pequena mas bem preservada igreja do século XV, até à Baia Ana Chaves, uma das maiores do arquipélago.
A aula de história ficaria, no entanto,  para outro dia, quando visitámos o Forte de São Sebastião, que foi construído pelos portugueses em 1575 para proteger a ilha de ataques piratas e onde se encontra instalado o Museu Nacional de São Tomé. Ali é possível conhecer melhor toda a história do arquipélago, desde os tempos da descoberta das ilhas até aos dias da independência, sem esquecer o período colonial.
Ponto de visita foi ainda o mercado Bobo Forro, o novo mercado da cidade, um local de passagem obrigatório para que os turistas conheçam in loco, e antes de chegarem à panela, muitos dos produtos locais, como a jaca, a fruta-pão, o mata-bala ou o afrodisíaco micocó, iguarias que haveríamos de provar ao longo da semana que passámos em São Tomé e Príncipe.

Roças

Falar da história de São Tomé e Príncipe é também falar das roças, as antigas explorações de café e cacau, que chegaram no século XIX, quando os portugueses levaram as plantações para o país depois da independência do Brasil. O primeiro contacto que tivemos foi com a Roça de São Nicolau, na zona central da ilha, quando participámos, com a associação Ajudar a Amparar, na distribuição dos donativos transportados pela STP Airways.
Perdida no meio da floresta, esta antiga roça é hoje habitada por uma comunidade carenciada e encontra-se desativada e profundamente degradada. A Roça de São Nicolau está, contudo, longe de ser um exemplo, já que por toda a ilha existem várias roças recuperadas e organizadas para receber turistas. É o caso da Roça Monte Café, uma bonita propriedade do século XIX, igualmente na zona central da ilha, que foi requalificada e que, em 2013, inaugurou um interessante museu que nos transporta para os tempos áureos do café na região. Hoje, esta roça é explorada por uma cooperativa e o café ali produzido é vendido em França e Itália, sob a marca gourmet ‘O Monte’. Infelizmente, a marca não tem exportação para Portugal, mas quem visitar a roça pode sempre comprá-lo na loja local.
Perto da Roça Monte Café fica a Roça da Saudade, outro exemplo de reconversão bem-sucedida. Esta roça tem a particularidade de ter sido o local onde nasceu o escritor e artista plástico Almada Negreiros, curiosidade que ajuda a atrair o turismo e que está patente na decoração do restaurante que nasceu com a recuperação da casa principal. Mas talvez o melhor exemplo seja a Roça de São João dos Angolares, no sul da ilha, onde também tivemos oportunidade de almoçar. Além de uma casa colonial bem preservada e decorada, que atravessamos para encontrar um convidativo alpendre com uma vista deslumbrante para a praia, a comida do chef João Carlos Silva é motivo mais que suficiente para justificar a visita. Este conhecido chef são-tomense, que protagonizou o programa televisivo ‘Na Roça com os Tachos’, continua tão carismático quanto no passado e mantém-se à frente da cozinha da roça, onde prepara pratos requintados com produtos são-tomenses. Quem quiser pode também dormir na Roça de São João dos Angolares e viver a experiência completa, já que é possível participar em workshops de culinária, que começam com a ida à horta para colher os produtos a usar na refeição.

Paraíso natural

A cultura, história, gastronomia e povo são, sem dúvida, das jóias mais valiosas que São Tomé e Príncipe possui. Mas este arquipélago africano foi ainda abençoado pela natureza. Por estar localizado sobre a linha do equador, São Tomé e Príncipe possui um clima quente e húmido, o que aliado ao solo vulcânico e fértil dá origem a exuberantes florestas tropicais que se estendem das praias às mais altas montanhas são-tomenses. Por toda a ilha, a paisagem exibe distintos tons de verde, como diferentes pedras preciosas de esmeralda ou jade, fruto das muitas espécies de árvores, plantas e outros tipos de vegetação que por ali predominam.
As zona central e sul de São Tomé são, por excelência, paraísos naturais, são zonas montanhosas, onde a vegetação é quase sufocante e onde não raramente se encontram cascatas deslumbrante, muitas das quais inacessíveis. Uma das que é acessível aos turistas é a cascata de São Nicolau, um bom exemplo da beleza que podemos encontrar nas paisagens são-tomenses. A uma queda de água com seguramente mais de duas dezenas de metros de altura, junta-se uma moldura verde proporcionada pela vegetação, que contrasta com o negro da rocha vulcânica que está na origem do arquipélago.
Ali perto, fica ainda o Jardim Botânico do Bom Sucesso, um espaço de 10 mil metros quadrados, localizado a 1150 metros de altitude, incluído no Parque Natural d’Ôbo, onde é possível conhecer a flora são-tomense e a partir do qual é possível realizar caminhadas até ao Pico do Cão Grande, a montanha mais característica de São Tomé e Príncipe devido à sua forma aguda, que se eleva a 663 metros acima do mar.

Praias douradas e turquesa

Mas se há cartão-postal em São Tomé e Príncipe, esse título pertence às praias, que nos arrebatam com as areias douradas e águas cristalinas e mornas, sempre acima dos 25 graus, de tons que variam entre turquesa e safira, e que são outra das valiosas jóias do arquipélago.
Ao longo da semana, descobrimos algumas das praias mais bonitas de São Tomé e Príncipe, mas foi no dia em que fomos ao Ilhéu das Rolas, que nos obrigou a uma viagem de duas horas até Ponta Baleia, no Sul, onde apanhámos o barco para o ilhéu, que percebemos a diversidade de praias deste país. A praia das Sete Ondas, ideal para a prática do surf; a praia Jalé, com bungalows mesmo em cima da água; a Praia dos Tamarindos, rodeada de árvores do fruto homónimo; ou a Praia Piscina, cujas formações rochosas formam uma piscina natural, são algumas das mais conhecidas e todas justificam um mergulho.
Mas foi no Ilhéu das Rolas que nos apaixonámos realmente pelas praias de São Tomé e Príncipe. Esta pequena ilha, que está concessionada ao Grupo Pestana, possui algumas das mais deslumbrantes praias do planeta. A Praia Bateria, por exemplo, é qualquer coisa de inenarrável de tão exuberante beleza. O contraste entre o azul-turquesa do mar, o negro da rocha vulcânica e o dourado da areia, enquadrado por um cenário verde onde se destacam os coqueiros que se amontoam até à beira da água, deixam-nos sem palavras. Como o mar estava picado, não arriscámos mergulhar, optámos por dar a volta ao ilhéu e fotografar ao longe estas praias dignas de qualquer cartão-postal, mas normalmente os turistas têm a oportunidade de passar um dia inteiro na ilha. Antes da pandemia, o Grupo Pestana disponibilizava a viagem de barco até ao ilhéu, numa opcional que incluía a visita ao marco do equador, tempo livre nas praias e regresso no final do dia. Mas, com a pandemia e com o Pestana Ilhéu das Rolas fechado para renovações, a opção foi suspensa. No nosso caso, a visita apenas aconteceu por cortesia do Grupo Pestana.
Além do ilhéu, devo mencionar ainda a Lagoa Azul, uma baía na zona norte de São Tomé, popular para a prática de mergulho e cujas águas são de um azul-turquesa tão intenso que nos custa acreditar que não há ali intervenção do Photoshop e que aquela beleza é mesmo natural.
Antes da despedida, passámos ainda pela Boca do Inferno, zona que, como o nome indica, é semelhante à Boca do Inferno portuguesa e que, reza a lenda, quem ali mergulhar só sai em Cascais. Como era a despedida, ainda pensámos comprovar o mito, mas achámos melhor não arriscar, até porque ninguém estava com pressa de regressar a casa.

Como ir e onde ficar

A STP Airways voa semanalmente entre Lisboa e São Tomé, aos sábados. Os voos têm a duração de cerca de seis horas e chegam a São Tomé ao início da manhã de sábado. Devido à pandemia, é preciso realizar um teste à COVID-19 antes da partida para São Tomé e Príncipe, assim como outro no destino, antes do regresso.
No que diz respeito ao alojamento, ficámos no Pestana São Tomé Ocean & Spa Resort, unidade de cinco estrelas na capital do país, que conta com 115 quartos, piscina exterior, restaurante e bar. Além deste, o grupo hoteleiro português dispõe também do Pestana Miramar e do Pestana Ilhéu das Rolas, ambos encerrados atualmente devido à pandemia. No entanto, o alojamento em São Tomé e Príncipe tem vindo a crescer e, hoje, já é possível ficar hospedado em muitas roças, assim como em pequenas unidades, como o Mucumbli, na zona norte da ilha, que dispõe de 10 bungalows e restaurante de inspiração italiana.
Já o programa de viagem foi definido pela Mistral Voyages, recetivo são-tomense que conta com diversas opções de programas para visitar as ilhas do arquipélago e cujo guia Hilário Graça de Sousa nos acompanhou ao longo da semana que passámos em São Tomé.
Quanto à alimentação, e apesar de estamos alojados em Pensão Completa, optámos por experimentar alguns restaurantes locais. O Papa-Figo, especializado em produtos do mar, ou o restaurante Dona Tete, em que somos servidos no quintal da casa da própria Dona Tete, prometem ser agradáveis surpresas.

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Artigos relacionados
Transportes

Cruzeiros no Porto de Lisboa já ultrapassaram números de 2019

As escalas dos navios de cruzeiro no Porto de Lisboa, desde o início do ano, já ultrapassaram os números da pré-pandemia, mas foram os turnarounds que mais impulsionaram o crescimento da infraestrutura portuária.

O Porto de Lisboa, que está em linha com o reinício global da indústria de cruzeiros, e a ganhar impulso positivo, revelou esta quarta-feira, o registo de um total de 154 escalas de navios de cruzeiro durante o primeiro semestre do ano, o que representa um crescimento de 5% face às 147 escalas contabilizadas no período homólogo de 2019.

Este aumento do número de escalas foi determinado pelo crescimento de 43% das operações em turnaround (viagem iniciada ou terminada no Porto de Lisboa).

Ricardo Medeiros, administrador do Porto de Lisboa, sublinha que “o crescimento das viagens de turnaround é uma consequência das excelentes condições do porto, nomeadamente o Terminal de Cruzeiros de Lisboa que oferece as melhores condições para acolher navios e passageiros de cruzeiro, mas também do potencial elevado que a cidade de Lisboa lhe confere, em especial com a sua beleza, o seu património e com a sua localização no cruzamento das principais rotas – Mediterrâneo, Báltico, transatlântico, Atlântico”.

Refira-se que, de janeiro a junho de 2022 verificou-se um aumento do número de navios de cruzeiro a operar no Mediterrâneo e ilhas atlânticas – 209 em 2022 contra os 193 em 2019– as duas principais áreas de influência do Porto de Lisboa. De facto, a grande maioria das operações de turnaround foi realizada por navios em viagens pelas ilhas atlânticas ou pelo Mediterrâneo com início e/ou fim em Lisboa.

Os primeiros seis meses do ano ficaram ainda marcados por 13 navios de cruzeiro que escalaram o Porto de Lisboa pela primeira vez, a maioria dos quais dispondo já de noas tecnologias ambientais que contribuem para a descarbonização do transporte marítimo.

Por outro lado, foram dois os operadores que também se estrearam no Porto de Lisboa nesse período: a Virgin Voyages, e a Scenic Luxury Cruises & Tours, estando prevista a estreia de mais companhias no segundo semestre.

De acordo ainda com o Porto de Lisboa, março de 2022 foi o melhor mês de sempre em escalas e passageiros de cruzeiro no Terminal, totalizando 27 escalas e 29.617 passageiros.

Face a estes resultados, a Administração do Porto de Lisboa estima que a atividade de cruzeiros na capital portuguesa registará, em 2022, um total de 330 escalas e de 450 mil passageiros, o que significará um crescimento de 6% em termos de escalas, comparativamente a 2019.

 

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
Transportes

easyJet anuncia nova rota entre Lisboa e Rennes e coloca à venda as ligações a partir da capital portuguesa

Para além do seu novo trajeto entre Lisboa e a cidade francesa de Rennes, a easyJet colocou à venda, esta terça-feira os outros 13 destinos que opera à partida da capital portuguesa.

Publituris

A nova rota, que começa a ser operada a partir de novembro deste ano, será garantida através de três frequências semanais: às terças, quintas e sábados, disponibilizando quase 30 mil lugares a mais.

Além das novas rotas, a easyJet irá disponibilizar outras 13 novas ligações entre Lisboa e diversas cidades da sua rede europeia. Assim, esta terça-feira foram também colocados à venda voos para Barcelona, Milão Bergamo, Bilbau, Porto Santo, Toulouse e Zurique, que serão operados a partir de 30 de outubro. Assim como para Fuerteventura, Las Palmas de Gran Canária, Marselha Provença e Marraquexe, cujos voos começam no dia 31 de outubro. Também é possível comprar já viagens para Rennes e Valência – que começam as suas operações dia 1 de novembro -, e Tenerife Sul e Birmingham – que iniciam a 2 de novembro.

Segundo José Lopes, Country Manager da easyJet para Portugal, com este novo destino a partir de Lisboa, “reforçamos ainda mais a nossa operação no país. A ligação entre a capital e Rennes começa a sua operação já em novembro, o que permitirá aos nossos clientes viajar com mais facilidade”.

O responsável revela igualmente que ao serem colocados à venda outras 13 novas ligações entre Lisboa e a rede europeia da companhia, “os nossos clientes já podem marcar os destinos que desejam, satisfazendo as suas necessidades.”

Refira-se, conforme comunicado da easyJet, este investimento surge na sequência da atribuição de 18 novos slots diários no aeroporto de Lisboa pela Comissão Europeia.

A companhia aérea anunciou recentemente que irá basear mais três Airbus A321neo, em Lisboa, o que permitirá o lançamento de novas rotas e o reforço da capacidade para outros destinos. Assim, a easyJet, diz o comunicado, torna-se a companhia aérea número dois no aeroporto de Lisboa, com uma rede de 32 rotas – 30 internacionais e duas domésticas – num total de10 países.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Subida dos preços das low cost vai reduzir acessibilidade das viagens internacionais, prevê GlobalData

Segundo a GlobalData, o aumento dos preços dos bilhetes nas companhias aéreas low cost já está a ameaçar a recuperação turística do Reino Unido, que estava prevista até 2024.

Inês de Matos

O aumento dos preços dos bilhetes nas companhias aéreas low cost, a exemplo da Ryanair, cujo presidente executivo, Michael O’Leary, admitiu recentemente que a época dos preços baixos na aviação terminou, vai reduzir a acessibilidade das viagens internacionais, prevê a GlobalData.

“As companhias aéreas de baixo custo, como a Ryanair, permitiram que mais e mais pessoas viajassem para o exterior. No entanto, o aumento dos preços dos bilhetes só agravará a atual crise do custo de vida, e aqueles que já estão a ter dificuldade podem ser excluídos do mercado das viagens”, afirma Benedict Bradley, analista temático da GlobalData.

De acordo com o responsável, esta crise dos preços já está a pressionar o mercado das viagens internacionais, arrastando no tempo a crise que a pandemia já tinha vindo provocar, pelo que não é de estranhar que se venha a assistir a um crescimento das viagens domésticas, enquanto as viagens internacionais vão ser pressionadas pelos cancelamentos.

A GlobalData alerta que o aumento de preços pode ser insignificante para muitos viajantes, mas ter um efeito dissuasor para muitos outros, podendo mesmo levar a que os planos de férias nos próximos anos sejam reconsiderados, a exemplo do mercado britânico, cuja recuperação estava prevista para 2024 mas em relação ao qual a GlobalData vem agora dizer que o aumento dos preços pode colocar essa perspetiva “em risco”.

“Quando questionados na pesquisa de consumidores do segundo trimestre de 2022 da GlobalData, 66% dos entrevistados do Reino Unido disseram estar extremamente ou ligeiramente preocupados com o impacto da inflação no orçamento doméstico. Viajar pode ser a primeira coisa a deixar cair para aliviar esses problemas de custo de vida”, lê-se na informação divulgada pela empresa de análise de dados.

“O aumento nas tarifas está a ser impulsionado por um aumento dramático nos custos do combustível. Desde o início de 2022, o preço do combustível de aviação aumentou 90%. A Ryanair é a primeira companhia aérea de baixo custo a declarar publicamente o fim dos voos super low-cost. No entanto, a inflação do preço do combustível não é exclusiva da Ryanair e aumentará os custos gerais em todo o setor, impactando negativamente não apenas a Ryanair, mas concorrentes como easyJet e Wizz Air. Esta não é uma boa notícia para os turistas”, conclui Keir Maclean, analista da GlobalData.

Recorde-se que o presidente executivo da Ryanair, Michael O’Leary, deu recentemente uma entrevista à BBC Radio 4, na qual admitiu que os preços da aviação vão subir, incluindo nas companhias aéreas low cost, e que o tempo dos bilhetes a 10 euros acabou, devido ao aumento dos preços provocado pela guerra na Ucrânia, principalmente do combustível da aviação.

(Leia a notícia sobre as declarações de Michael O’Leary aqui)

 

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Destinos

Mercado alemão recupera níveis pré-pandémicos até 2024, aponta GlobalData

A GlobalData estima que, daqui a dois anos, cerca de 117,9 milhões de alemães já tenham voltado a procurar o transporte aéreo para viajar, ultrapassando os 116,1 milhões contabilizados em 2019.

Publituris

O mercado alemão já está de regresso às viagens internacionais e, até 2024, deverá recuperar para níveis pré-pandémicos, avança a GlobalData, que estima que, daqui a dois anos, cerca de 117,9 milhões de alemães já tenham voltado a procurar o transporte aéreo para viajar.

O número de 117,9 milhões de turistas alemães que devem voltar a viajar para fora do país até 2024 ultrapassa mesmo o total de 2019, quando eram 116,1 milhões os alemães que tinham viajado para fora do país.

Os dados divulgados esta semana pela GlobalDalta constam do relatório ‘Alemanha Source Tourism Insight, 2022 Update’, que analisa a recuperação do turismo na Alemanha, depois dos anos de quebra de 2020 e 2021, quando as restrições devido à COVID-19 e a falta de confiança dos consumidores levou a procura turística dos alemães para mínimos históricos.

“A pandemia da COVID-19 teve um enorme impacto nas viagens internacionais da Alemanha. Os números do turismo de outbound encolheram para uma fração do que eram em 2019, registrando um declínio anual de 64,5%, de 116,1 milhões de viajantes em 2019 para 41,2 milhões em 2020, antes de um declínio adicional em 2021 para 40,4 milhões”, resume Megan Cross, analista de viagens e turismo da GlobalData.

No entanto, com a melhoria da situação pandémica e o consequente alívio das restrições relacionadas com a COVID-19, a confiança dos consumidores alemães parece estar de regresso, o que permite perspetivas “muito mais brilhantes” para os próximos anos, numa recuperação que, segundo Megan Cross, deverá funcionar com um “impulso” para turismo mundial, já que o mercado alemão é “um importante mercado de origem no cenário global.”

Apesar de estar a assistir a uma recuperação do mercado alemão, a GlobalData alerta para algumas tendências que se começam a identificar neste mercado, nomeadamente no que diz respeito aos preços, que têm vindo a subir, o que está a levar os turistas alemães, que por norma sempre procuraram soluções de férias económicas, a escolher voos mais baratos. Neste sentido, diz a GlobalData, 55% dos entrevistados neste relatório procura companhias aéreas low cost, a exemplo da Ryanair, easyJet, Eurowings, Air Berlin, TUIfly e Condor.

“Muitos viajantes europeus interessados ​​em manter os seus planos de férias podem simplesmente reduzir o valor que gastam em produtos e serviços antes e durante a viagem. Por exemplo, os viajantes que geralmente ficam em hotéis de média gama, agora devem escolher formas económicas de alojamento para manter os custos baixos. Isso certamente ajudará as empresas que já têm como alvo os viajantes com orçamento limitado”, acrescenta Megan Cross.

Tendência é também o recurso a agências de viagens online para reservar as férias, com mais de um quarto dos entrevistados (29%) a revelar que normalmente é esta a escolha para reservar as viagens, enquanto 16% diz preferir a reserva direta e 15% opta por reservar com um agente de viagens presencial na loja.

Já os motivos para a viagem prendem-se, na maior parte dos casos, com visitas a amigos e familiares, com 29% dos inquiridos a apontar esse como o principal motivo da viagem, enquanto no outro extremo da escala o motivo menos apontado foi as férias gastronómicas, o que a GlobalData diz que poderá ainda estar relacionado com o receio da pandemia, já que apenas 17% dos alemães disse não estar preocupado com a COVID-19.

Quanto a destinos, a Áustria, pela proximidade, disponibilidade de ligações e ligação histórica entre os dois países, parece ser o destino preferido, ainda nos últimos anos a Áustria tenha visto o número de turistas alemães cair drasticamente, passando de 14,4 milhões de turistas alemães em 2019 para 8,6 milhões em 2020 e 5,8 milhões em 2021.

Contudo, até 2024, as perspetivas da GlobalData são positivas, uma vez que se espera que o país volte a ver um aumento do número de  turistas alemães, chegando aos 14,5 milhões de alemães nos dois próximos anos.

“A falta de turistas alemães durante a pandemia impactou muitos países, especialmente na Europa. Destinos que podem responder às necessidades específicas dos alemães vão ver os seus prazos de recuperação encurtados nos próximos anos”, conclui analista de viagens e turismo da GlobalData..

 

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

CTP receia que burocracia atrapalhe vinda de trabalhadores estrangeiros para o Turismo

Apesar de aplaudir a alteração da lei, a CTP manifesta “algumas reservas sobre a capacidade que as autoridades públicas terão, ao abrigo desta legislação, para agirem de forma desburocratizada e célere” na atração de trabalhadores estrangeiros.

Publituris

A Confederação do Turismo de Portugal (CTP) acredita que a legislação que veio alterar o regime jurídico de entrada e permanência de estrangeiros em território nacional pode contribuir para atrair a necessária mão-de-obra para o setor do turismo, mas mostra-se preocupada com a excessiva burocracia, que pode impedir as autoridades de atuarem de forma célere e atrasar o recrutamento.

Num comunicado enviado à imprensa esta quarta-feira, 10 de agosto, a CTP manifesta “algumas reservas sobre a capacidade que as autoridades públicas terão, ao abrigo desta legislação, para agirem de forma desburocratizada e célere com vista a que mais estrangeiros reforcem o mercado de trabalho e assumam a plena integração na nossa sociedade”.

Apesar disso, a CTP considera que a nova lei, que já foi promulgada pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, vem criar “as condições procedimentais e legais para que o Estado português possa agir de forma célere e eficaz com vista a serem implementados acordos de mobilidade migratória para o mercado de trabalho em especial, e com maior relevância para o Turismo, com os países da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa”.

“Para a CTP é importante que este processo venha a ser efetivo já que pode vir a permitir atrair mais mão de obra para o Turismo, num momento em que há escassez de pessoas para trabalhar na atividade turística, mesmo numa situação favorável como aquela em que nos encontramos onde as condições salariais e de trabalho são atrativas e em linha com uma contratação coletiva que tem dado boas respostas aos problemas existentes”, acrescenta a informação divulgada.

No comunicado enviado à imprensa, Francisco Calheiros, presidente da CTP, lembra que a contratação de estrangeiros, nomeadamente provenientes da CPLP – Comunidade de Países de Língua Portuguesa, era uma das propostas que já vinham a ser apresentadas para colmatar a falta de mão-de-obra no turismo.

“A contratação de estrangeiros, nomeadamente provenientes dos países da CPLP, é uma das propostas que a Confederação do Turismo tem apontado como fazendo parte da solução para a falta de mão de obra no Turismo. Os empresários do Turismo estão desde já disponíveis para acolher os estrangeiros que desejem vir trabalhar no Turismo em Portugal, oferecendo-lhes todas as condições de trabalho, de formação profissional específica, assim como apoio na sua inserção profissional e pessoal”, afirma o responsável.

A CTP recorda ainda que, apesar do turismo estar a ser fortemente afetado pela falta de trabalhadores, não é o único setor a enfrentar esta escassez, uma vez que este é “um problema transversal à generalidade das atividades económicas”.

Na opinião da CTP, o Turismo é, contudo, um setor que, atualmente, oferece “condições de trabalho atraentes” e paga “salários acima da contratação coletiva”, em resultado de um processo negocial que não é unilateral, ou seja, é negociado “entre sindicatos e entidades empregadoras”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Alojamento

Antiga garagem Joalpi em Guimarães vai dar lugar a hotel Meliá

As obras para a nova unidade de quatro estrelas deverão começar em 2023, prevendo-se que estejam concluídas em 2024.

Publituris

As antigas instalações da garagem Joalpi, em Guimarães, vão ser transformadas num hotel de quatro estrelas do Grupo Meliá Hotéis. Desta forma, a zona do Parque das Hortas passará a contar com uma “construção moderna”, tal como avançado em notícia pelo Guimarães Digital.

A nova unidade de quatro estrelas terá 129 quartos e o projeto de arquitetura ficará a cargo do Pitágoras Group. As obras de construção deverão começar em 2023, estimando-se que fiquem concluídas até ao final de 2024.

O negócio foi levado a cabo pelo empresário vimarense Vítor Abreu, proprietário da Endutex – e, por conseguinte, das instalações da antiga garagem – que chegou a acordo com o grupo hoteleiro.

Além do espaço da Joalpi, a nova unidade vai abranger um edifício adjacente à propriedade, adquirido recentemente para o efeito.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Transavia prolonga rota entre o Porto e Brest ao inverno

Companhia aérea de baixo custo do Grupo Air France/KLM vai manter a rota entre o Porto e Brest até março de 2023, com até duas ligações aéreas por semana.

Publituris

A Transavia vai manter, ao longo do inverno, a rota que liga o Porto a Brest, em França, devido ao sucesso alcançado pelas ligações aéreas que arrancaram este verão, avança a companhia aérea de baixo custo do grupo Air France/KLM, em comunicado.

De acordo com a Transavia, a rota entre o Porto e Brest vai contar, no período de inverno, com até dois voos por semana, realizados às sextas-feiras e domingos, e os preços dos bilhetes começam nos 34 euros para voos de ida.

“Após uma abertura promissora este verão, estávamos desejosos de aproveitar esse sucesso. Estamos muito satisfeitos por os nossos clientes poderem juntar-se a família e amigos e planearem as suas próximas férias na Bretanha até março de 2023”, afirma Nicolas Hénin, Chief Commercial Officer of Transavia France.

Localizada a 1h40 do Porto, a cidade portuária de Brest, na Bretanha, França, é um destino ideal para quem procura atrações naturais, culturais e gastronómicas.

 

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Ryanair multada na Hungria em 764 mil euros por “enganar consumidores”

Apesar da multa aplicada, a Ryanair já disse que vai recorrer da decisão, indicando mesmo que está disposta a recorrer à justiça comunitária.

Publituris

O gabinete húngaro de Defesa do Consumidor multou a Ryanair em 764 mil euros por “enganar os consumidores”, acusando a companhia aérea de baixo custo de ter aumentado os preços devido a um imposto extraordinário sobre as grandes empresas lançado pelo Governo do país.

“O Gabinete de Defesa do Consumidor concluiu hoje que a Ryanair praticou práticas comerciais desleais ao enganar os consumidores”, disse Judit Varga, ministra da Justiça da Hungria, que é citada pela Lusa.

De acordo com a governante, a Ryanair está a ser investigada desde 10 de junho, depois de ter anunciado que iria aumentar os preços em resposta ao novo imposto, que o presidente executivo da companhia aérea, Michael O’Leary, considerou mesmo ser “idiota” e um “assalto”.

Apesar da multa aplicada, a Ryanair já disse que vai recorrer da decisão, indicando mesmo que está disposta a recorrer à justiça comunitária, de acordo com o portal económico húngaro Portfolio.hu.

A Ryanair vai recorrer desta coima injustificada levantada pelo Gabinete de Defesa do Consumidor”, disse a empresa, que referiu que ainda não recebeu a notificação oficial sobre este processo.

Recorde-se que o diferendo entre as autoridades húngaras e a Ryanair começou em junho, depois do primeiro-ministro da Hungria, Viktor Órban, ter anunciado uma série de novos impostos sobre bancos, empresas de energia, seguradoras e companhias aéreas para compensar a subida da inflação.

De imediato, a Ryanair afirmou-se contra este imposto, considerando que nem as companhias aéreas nem as famílias o conseguiriam suportar, até porque o setor do turismo na Hungria está ainda a recuperar da pandemia da COVID-19.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Distribuição

Solférias, Soltrópico e Abreu reforçam programação para Cabo Verde com charters no fim do ano

Operadores turísticos vão disponibilizar duas operações charter à partida de Lisboa e Porto, em novembro e dezembro, bem como com voos extra no réveillon.

Publituris

A Solférias, a Soltrópico e a Abreu anunciaram um reforço da programação para Cabo Verde no fim do ano, que vai contar com duas operações charter à partida de Lisboa e Porto, em novembro e dezembro, bem como com voos extra no réveillon.

“Dando continuidade a bem-sucedidas colaborações anteriores, a Solférias, em colaboração com os operadores Soltrópico e Abreu, volta a juntar esforços no reforço de operações em voos especiais para um dos destinos favoritos dos Portugueses – Cabo Verde – no período de final de ano”, lê-se num comunicado conjunto dos operadores turísticos.

 No caso do Porto, os voos diretos são operados pela Smartwings, entre 28 de novembro e 2 de janeiro (data do último regresso), estando disponíveis pacotes com sete noites de alojamento no destino.

Já os voos diretos desde Lisboa são operados pela SATA, entre 27 de novembro e 18 de dezembro, contando com pacotes de sete noites de alojamento, ainda que estejam também disponíveis partidas da capital portuguesa a 18 e 26 de dezembro, para oito e sete noites de alojamento, respetivamente.

Além destes voos, os operadores turísticos vão ainda disponibilizar partidas especiais de Lisboa a 27 de dezembro, cujo regresso acontece a 3 de janeiro, neste caso, em voo direto da SATA.

“A Solférias e os seus parceiros acreditam que estes novos voos vão ao encontro das necessidades sentidas pelos agentes de viagem portugueses em dar resposta à crescente procura dos viajantes nacionais para um destino tão fantástico como Cabo Verde, reforçando o seu compromisso de apresentar, atempadamente, as melhores ofertas para os melhores destinos”, acrescenta o comunicado divulgado pelos operadores turísticos.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Hotelaria algarvia superou números de 2019 em julho

Segundo a AHETA, o “Algarve superou, em julho, os números de 2019, o melhor ano turístico de sempre”, depois de registar uma taxa de ocupação de 87,7%, valor que ficou 4,3 pontos percentuais acima de igual mês pré-pandemia.

Publituris

No passado mês de julho, a hotelaria algarvia registou uma taxa de ocupação/quarto de 87,7%, valor que ficou 4,3 pontos percentuais acima de igual mês de 2019, o que leva a Associação dos Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve (AHETA) a sublinhar que o “Algarve superou, em julho, os números de 2019, o melhor ano turístico de sempre”.

De acordo com os dados provisórios divulgados esta sexta-feira, 5 de agosto, pela associação, a taxa de ocupação/quarto de julho também superou o valor registado em julho de 2021, ficando 37,5 pontos percentuais acima do registado em julho do ano passado.

Por mercados, o destaque vai para o doméstico e para o americano, que apresentaram, em julho, subidas de 4,3 pontos percentuais e 1,1 pontos percentuais, respetivamente, e afirmando-se como “os que mais contribuíram para a subida verificada”.

Em sentido contrário estiveram os mercados britânico e alemão, que apresentaram descida de 2,2 pontos percentuais e 1,8 pontos percentuais, respetivamente, sendo mesmo aqueles que “apresentaram as maiores descidas”  no sétimo mês do ano.

Por zonas geográficas, as maiores subidas ocorreram nas zonas Vilamoura/Quarteira/Quinta do Lago, que assistiram a um aumento de 13,1 pontos percentuais, seguindo-se Monte Gordo/VRSA, onde a subida foi de 9,4 pontos percentuais, e Carvoeiro/Armação de Pêra, com um crescimento de 9,1 pontos percentuais.

Já a zona de Albufeira, que é considerada a principal zona turística do Algarve, “registou uma ocupação idêntica à verificada em 2019”, indica ainda a AHETA no comunicado enviado à imprensa.

Em julho, o volume de vendas dos hotéis e empreendimentos turísticos do Algarve cresceu ainda 17,2 por cento face ao mesmo mês de 2019.

Já no acumulado desde janeiro, a AHETA diz que a taxa de ocupação/quarto regista uma descida de 6,2% face a 2019, o que corresponde a uma subida de 194% face a 2021.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.