Assine já
Alojamento

Apoio à Tesouraria: AHRESP defende adopção de programa semelhante aos Açores para as restantes regiões

Programa do Governo Regional dos Açores concede apoios para os custos fixos dos estabelecimentos.

Publituris
Alojamento

Apoio à Tesouraria: AHRESP defende adopção de programa semelhante aos Açores para as restantes regiões

Programa do Governo Regional dos Açores concede apoios para os custos fixos dos estabelecimentos.

Publituris
Sobre o autor
Publituris
Artigos relacionados
Opinião | Igualdade, imposta por lei!
Hotelaria
Estas são as cinco tendências de F&B em Portugal
Alojamento
AHRESP e MONERIS lançam programa para evitar insolvência das empresas
Alojamento
Proibição de circulação entre concelhos: AHRESP pede que medida não se aplique a quem reservou alojamento antecipadamente
Alojamento

A AHRESP considera um “excelente exemplo” o Programa de Apoio aos Custos Operacionais das Empresas do setor do Turismo, destinado às empresas da Região Autónoma dos Açores,  que concede a possibilidade de diminuição dos custos fixos dos estabelecimentos, mediante a comparticipação de 75% dos valores gastos em eletricidade, água, vigilância e segurança, rendas, seguros e comunicações.

Em comunicado, a associação defende a adoção de um programa de apoio semelhante, aplicável às restantes regiões do país, que “necessitam urgentemente de reforçar a sua tesouraria para enfrentar o período de época baixa que se aproxima”.

A associação defende ainda “a urgente disponibilização do Programa ADAPTAR 2.0, uma medida fulcral no apoio à tesouraria das empresas, seja para aquisição dos vários equipamentos de proteção individual (EPI’s), de soluções desinfetantes, bem como da adaptação dos espaços às restrições de funcionamento a que as nossas empresas estão sujeitas”. Este programa, já disponível na região Autónoma dos Açores, “carece de aplicação imediata no restante território nacional”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Artigos relacionados
Alojamento

Rentabilidade dos hotéis na Europa recupera os níveis pré-Covid

As tarifas de quarto mais altas neste verão permitiram que os hotéis nas principais cidades da Europa superassem os níveis de lucro pré-Covid, de acordo com os dados mais recentes do analista do setor STR.

Embora as ocupações em toda a Europa permaneçam cerca de 10% mais baixas do que antes da Covid, as tarifas médias dos quartos aumentaram 27% em relação aos níveis de 2019 devido à forte procura.

Os hotéis em Berlim foram os que mais se beneficiaram de um aumento nos negócios no verão, com lucro operacional bruto por quarto disponível (GOPPAR) atingindo os 334,32 dólares em julho, um aumento de 83% em comparação com o mesmo mês de 2019.

Outras cidades europeias que registaram lucros mais altos incluem Paris, onde os hotéis alcançaram um GOPPAR de 312,64 dólares em julho, enquanto Londres teve um nível de lucro de 172,11 dólares por quarto e os hotéis de Amesterdão tiveram um lucro médio de 97,65 dólares, ambos cerca de 5% acima dos números de julho de 2019.

No mês analisado pela STR, Londres e Paris relataram ocupação de 85%, quase o dobro do ano anterior. Embora as ocupações tenham aumentado, foram as tarifas dos quartos que foram o principal fator de recuperação. Atenas, Edimburgo e Roma também tiveram desempenhos de destaque em julho.

A empresa de gestão de viagens CWT previu que as tarifas globais de quartos provavelmente continuarão a subir ao longo do ano e até 2023, à medida que a recuperação continua.

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
Figuras

Marta Paixão assume funções como Events Manager no Lisbon Marriott Hotel

A profissional iniciou a sua carreira como Groups & Events Coordinator / MICE no Sana Metropolitan Hotel, em 2014.

Publituris

O Lisbon Marriott Hotel contratou Marta Paixão para ocupar o cargo de Events Manager na unidade.

Licenciada em Direção e Gestão Hoteleira no ESHTE – Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril, bem como mestranda em Ciências Empresariais pelo Instituto Superior de Economia e Gestão em Lisboa (ISEG-UTL), a profissional iniciou a sua carreira como Groups & Events Coordinator / MICE no Sana Metropolitan Hotel, em 2014.

Posteriormente, desempenhou funções como Groups & Events Coordinator na Continental Hotels Portugal, em 2016.

“É com imenso entusiasmo que abraço este novo desafio. Ingressar na Marriott International, a maior cadeia hoteleira a nível mundial, é de facto uma realização profissional. O nosso compromisso será, em conjunto com as equipas operacionais, garantir que o sucesso dos eventos seja uma constante”, afirma Marta Paixão em comunicado.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Alojamento

Novas licenças de AL em Lisboa suspensas por mais seis meses

A Câmara de Lisboa aprovou, esta quarta-feira, apenas com os votos contra da liderança PSD/CDS-PP, a proposta de PS, BE e Livre para prorrogar a suspensão de novos registos de Alojamento Local (AL) na cidade “por novo prazo de seis meses”.

Publituris

Com esta proposta, que terá ainda de ser votada na Assembleia Municipal de Lisboa, a suspensão de novos registos de AL passa a aplicar-se em 15 das 24 freguesias da cidade, ou seja, apenas nove podem acolher novos estabelecimentos, uma vez que o número licenças pedidas em Campolide fez com que integrasse a anterior lista dos territórios com um rácio entre o número de estabelecimentos de AL e o número de fogos de habitação permanente igual ou superior a 2,5%.

Aprovada em reunião privada do executivo camarário, com o apoio do PCP e da vereadora independente eleita pela coligação PS/Livre e com os votos contra da liderança PSD/CDS-PP, a proposta de PS, BE e Livre prevê “a suspensão imediata da autorização de novos registos de estabelecimentos de AL, por novo prazo de seis meses, a contar do fim do prazo da suspensão atualmente vigente e até à entrada em vigor da alteração ao Regulamento Municipal do Alojamento Local”.

Com base nos dados do peso do alojamento local relativo ao alojamento familiar clássico, segundo notícia da Lusa, nas 24 freguesias da cidade de Lisboa, apresentados na proposta, passam de 14 para 15 as freguesias que apresentam um rácio superior a 2,5%, com a entrada de Campolide, que se junta a Santa Maria Maior (52%), Misericórdia (39%), Santo António (26%), São Vicente (16%), Arroios (14%), Estrela (11%), Avenidas Novas (7%), Alcântara (5%), Belém (4%), Campo de Ourique (4%), Parque das Nações (4%) e Penha de França (4%), Ajuda (3%) e Areeiro (3%).

Além dessas freguesias, mantém-se a proibição de novos estabelecimentos em zonas consideradas de “contenção absoluta”, nomeadamente Bairro Alto/Madragoa, Castelo/Alfama/Mouraria, Colina de Santana, Baixa e eixos Avenida da Liberdade/Avenida da República/Avenida Almirante Reis, de acordo com o Regulamento Municipal do Alojamento Local, em vigor desde novembro de 2019, que estabelece ainda uma zona de contenção relativa, com o registo limitado na Graça e no Bairro das Colónias.

Os vereadores do PS, BE e Livre querem ainda que a Direção Municipal de Urbanismo apresente, “até 10 de outubro”, o estudo urbanístico do turismo em Lisboa, com os rácios de “Alojamento Local / Imóveis Disponíveis para Habitação” e “Alojamento Local / Alojamentos Familiares Clássicos” por freguesia e por zona turística homogénea, que foi pedido pela câmara há “mais de oito meses”.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Alojamento

Sandra Colaço assume direção de vendas e marketing do InterContinental Lisbon

Sandra Colaço conta com mais de 20 anos de experiência no setor da hotelaria, tendo já passado por marcas como a Le Meridien e a Tiara Hotels & Resorts. 

Publituris

O InterContinental Lisbon tem uma nova diretora de vendas e marketing, cargo que passou a ser desempenhado por Sandra Colaço, profissional que conta com mais de 20 anos de experiência no setor da hotelaria.

Num comunicado divulgado esta quinta-feira, 15 de setembro, o IHG – InterContinental Hotels Group avança que Sandra Colaço, que assumiu as novas funções este mês de setembro, é licenciada em Gestão de Hotelaria pela Universidade Internacional e conta com um bacharelato em Turismo.

A nova diretora de vendas e marketing do InterContinental Lisbon iniciou a sua carreira profissional como promotora de vendas, tendo passado por cargos de chefia de grupos, assistente de direção comercial e diretora de vendas.

Nos últimos oito anos, Sandra Colaço já desempenhava funções no grupo de hotelaria onde assume agora o novo desafio e, ao longo da sua carreira profissional, passou também por outras marcas bem conhecidas de hotelaria como Le Meridien e Tiara Hotels & Resorts.

“Estou muito orgulhosa com o reconhecimento do meu trabalho e vou abraçar este novo desafio com o entusiamo e profissionalismo que sempre me caraterizaram enquanto profissional”, afirma Sandra Colaço, que se mostra otimista quanto ao futuro do turismo e da hotelaria.

 

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Alojamento

INE: Proveitos do alojamento turístico crescem 27% face a 2019 em julho

Dados divulgados esta quarta-feira, 14 de setembro, pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) mostram que a rentabilidade está a aumentar no alojamento turístico e já ultrapassa níveis de 2019, que foi o melhor ano turístico de sempre em Portugal.

Inês de Matos

Em julho, os proveitos totais do alojamento turístico cresceram 131,9% face a igual mês de 2021 e atingiram 682,1 milhões de euros enquanto os proveitos de aposento aumentaram 138,8%, com um valor de 535,0 milhões de euros, ficando ambos os indicadores 27,6% acima do valor registado em 2019, antes da pandemia.

De acordo com os dados revelados esta quarta-feira, 14 de setembro, pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), no conjunto dos primeiros sete meses de 2022, os proveitos cresceram 239,4% no total e 242,9% nos relativos a aposento face ao mesmo período do ano passado.

No entanto, numa comparação com o acumulado de janeiro a julho de 2019, os proveitos totais apresentam uma subida de 10,0%, enquanto os proveitos por aposento registaram um aumento de 11,0%.

Por regiões, em julho, o Algarve concentrou 37,8% dos proveitos totais e 37,4% dos relativos a aposento, enquanto a Área Metropolitana de Lisboa registou 25,2% e 26,2%, respetivamente, e o Norte concentrou 13,3% dos proveitos totais e 13,5% dos proveitos por aposento.

O INE diz ainda que, “nos primeiros sete meses, a evolução dos proveitos foi positiva nos três segmentos de alojamento”, tendo os proveitos totais da hotelaria aumentado 8,6% e os de
aposento 9,6% face a igual período de 2019.

Já nos estabelecimentos de alojamento local registaram-se subidas de 8,2% e 9,1% nos proveitos totais e por aposento, respetivamente, representando 87,5% e 85,7% do total do alojamento turístico, enquanto o turismo no espaço rural e de habitação teve aumentos de 63,8% e 61,6%, pela mesma ordem.

No conjunto dos estabelecimentos de alojamento turístico, o rendimento médio por quarto disponível (RevPAR) atingiu os 86,1 euros em julho, depois de um aumento de 113,8% face a julho de 2021 e 23,0% em comparação com o mesmo mês de 2019.

Por regiões, o INE diz que os valores de RevPAR mais elevados foram registados no Algarve, onde este indicador chegou aos 123,4 euros, e na AM Lisboa, que registou um RevPAR de 105,7 euros.

“Este indicador aumentou 137,2% desde o início do ano, com crescimentos de 143,0% na hotelaria, 148,6% no alojamento local e 34,3% no turismo no espaço rural e de habitação”, refere ainda o INE, no comunicado divulgado esta quarta-feira, 14 de setembro.

No conjunto dos estabelecimentos de alojamento turístico, o rendimento médio por quarto ocupado (ADR) chegou aos 127,2 euros em julho, tendo crescido 28,5% em relação a julho de 2021 e 19,0% face a igual mês de 2019.

Os números divulgados esta quarta-feira pelo INE confirmam ainda que, em julho, os estabelecimentos de alojamento turísticos nacionais contabilizaram 3,0 milhões de hóspedes e 8,6 milhões de dormidas, o que representa subidas de 85,4% e 90,1% face a julho do ano passado, e aumentos de e 6,3% e 4,8%, respetivamente, em comparação com igual mês de 2019.

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Segundo López Vázquez
Figuras

Segundo López Vázquez é o novo diretor regional de operações em Portugal do NH Hotel Group

O novo diretor regional juntou-se ao grupo NH em 2014, como diretor de F&B para os resorts das Ilhas Canárias, Baleares e Costa Espanhola. Até à data, liderava a estratégia de F&B para todos os hotéis do sul da Europa e EUA.

Publituris

O NH Hotel Group tem um novo diretor regional de operações para os hotéis urbanos em Portugal, Segundo López Vázquez.

O profissional de 41 anos, com mais de 15 anos de experiência, é bacharel e pós-graduado em Direção Hoteleira no CSHG (Centro Superior de Hotelería de Galicia), contando ainda com um mestrado em Operação & Inovação pelo ESADE Business School. No seu percurso profissional somam-se os cargos de diretor-geral em diferentes hotéis, quer urbanos, quer resorts, e de diretor corporativo de Food & Beverage (F&B).

O novo diretor regional juntou-se ao grupo NH em 2014, como diretor de F&B para os resorts das Ilhas Canárias, Baleares e Costa Espanhola. Até à data, liderava a estratégia de F&B para todos os hotéis do sul da Europa e EUA.

Agora, o “novo desafio” inclui a gestão de oito unidades das marcas NH, NH Collection, Avani e Tivoli, nomeadamente dos hotéis: NH Collection Lisboa Liberdade; NH Campo Grande; NH Porto Jardim; NH Collection Porto; Avani Avenida Liberdade; Tivoli Coimbra; Tivoli Sintra e Tivoli Oriente.

“Com este novo desafio temos o objetivo de contribuir para o crescimento destes hotéis, num ano de recuperação pós crise pandémica. Num mercado que é cada mais dinâmico e imprevisível, temos de continuar a adaptar a nossa operação a novos players e perfis de clientes”, afirma Segundo López Vázquez.

O profissional é ainda  professor convidado na Universidade de Sevilha, no mestrado de Hotel Management, da Faculdade de Economia e Turismo. Tendo já vivido em Espanha e em Inglaterra, Segundo López Vázquez mudou-se agora para Lisboa, de forma a acompanhar de perto a gestão dos hotéis sob sua alçada.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Alojamento

Casual Hoteles abre segunda unidade no Porto

O Casual Raízes Porto tem 42 quartos e situa-se na Rua de Santa Catarina. Este é o segundo hotel da marca no Porto e o terceiro em Portugal, juntando-se ao Casual Inca Porto e ao Casual Belle Epoque Lisboa.

Publituris

A Casual Hoteles, uma cadeia hoteleira temática valenciana, reforçou a sua presença em Portugal com a abertura da terceira unidade no país, o Casual Raízes Porto. Localizado na Rua de Santa Catarina, o hotel junta-se a uma outra unidade da cadeia na cidade, o Casual Inca Porto, bem como ao Casual Belle Epoque Lisboa, na capital.

O novo hotel é constituído por 42 quartos e um restaurante com terraço exterior, onde são servidos os pequenos-almoços, almoços e jantares. A decoração de interiores ficou a cargo de Raquel Sanjuan, que se inspirou nos ícones do Porto para criar diferentes ambientes no hotel: monumentos como a Igreja de Santo Ildefonso, a Ponte D. Luís I e tradições como a produção de vinho do Porto ganham destaque nos quartos da unidade desta temática.

À semelhança dos restantes hotéis do grupo, o Casual Raízes Porto é pet friendly, assegurando uma cama própria, taças de água e comida e um snack de boas-vindas aos seus hóspedes de quatro patas.

Casual Raízes Porto
Além disso, a unidade disponibiliza quatro packs românticos: o Casual Sense, Casual Love, Casual Bubbles e Casual Sweet, que podem ser consultados no website da cadeia.

“A abertura da Casual Raízes Porto confirma o interesse da nossa cadeia em consolidarmo-nos em Portugal, [principalmente] numa cidade como o Porto, cuja beleza artística e interesse histórico foram uma excelente inspiração para fazermos algo que faz parte do nosso ADN: “tematizar hotéis e juntar o passado dos destinos à estética dos nossos estabelecimentos”, afirma Juan Carlos Sanjuan, presidente e fundador do Casual Hoteles em comunicado.

Com a abertura do Casual Raízes Porto, o portefólio do Casual Hoteles passa a contar com 22 hotéis e 848 quartos em 11 cidades de Espanha (Valência, Bilbao, San Sebastián, Sevilha, Barcelona, Madrid, Benidorm, Cádiz e Málaga) e Portugal. O grupo tem prevista a abertura de mais um hotel em Valência, o Casual Dreams Valencia, com 45 quartos.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Indicadores

Restauração e hotelaria mantém perspetivas positivas de contratação até ao final do ano

O setor apresenta uma Projeção para a Criação Líquida de Emprego de +31%, um valor que decresce sete pontos percentuais quando comparado com o trimestre passado.

Publituris

Os empregadores nacionais mantêm perspetivas de criação de emprego “muito positivas para o último trimestre deste ano”, de acordo os dados do ManpowerGroup Employment Outlook Survey, disponibilizados por comunicado.

No estudo aponta-se que, “apesar dos desafios decorrentes do conflito na Ucrânia, do aumento da inflação e da crescente incerteza económica, a procura por trabalhadores permanece em níveis elevados”: 41% dos empregadores nacionais afirmam ter intenções de aumentar as equipas, ao passo que 42% acreditam que vão manter o número de colaboradores que têm neste momento. Apenas 14% anteveem a diminuição da força de trabalho.

Desta forma, os dados do ManpowerGroup Employment Outlook Survey apontam para uma Projeção para a Criação Líquida de Emprego de +31%, para o quarto trimestre de 2022. O valor, já ajustado sazonalmente, “traduz-se numa estabilidade relativa face ao último trimestre, com menos um ponto percentual, e num aumento considerável de 19 pontos percentuais, quando comparado com o período homólogo de 2021”.

Como os dados indicam, “Portugal é, na verdade, o segundo país na região EMEA (Europa, Médio Oriente e África) com um maior aumento anual deste valor”.

“Apesar da incerteza económica e geopolítica, as intenções de contratação dos empregadores portugueses continuam fortes e a luta pelo talento acentuada. A retoma pós-pandémica tem suportado o crescimento do PIB, face a 2021, e impulsionado as contratações, com a taxa de desemprego a fixar-se nos 5,9%, no passado mês de julho, e o número de inscritos no IEFP a atingir o valor mais baixo de sempre”, afirma Rui Teixeira, diretor-geral do ManpowerGroup Portugal.

O profissional indica ainda que, “não obstante, começamos a observar sinais de uma possível inversão de tendência, com uma redução na contribuição da procura interna para a evolução do PIB, neste 2º trimestre, fruto de um menor crescimento do consumo privado e do investimento, com um peso crescente do turismo. Assim, a continuidade do conflito na Ucrânia, o aumento da inflação, que a nível nacional está já acima da média da zona Euro, e a subida nas taxas de juro, representam novas preocupações para os empresários e exigem um acompanhamento atento da economia nacional, e das medidas de apoio que o Governo está a lançar, por forma a avaliar o impacto definitivo nas empresas portuguesas e na sua capacidade de criação de emprego.”

Setor do comércio grossista e retalhista apresenta as projeções mais otimistas

Os empregadores de dez dos 11 setores analisados esperam aumentar as suas equipas no final deste ano. No entanto, este otimismo nas contratações mostra alguns sinais de abrandamento em seis setores, que reduzem as suas projeções face ao trimestre passado.

O setor do comércio grossista e retalhista é o que apresenta as perspetivas mais positivas, com uma projeção de +46%, o valor mais elevado observado neste setor desde que o ManpowerGroup começou a realizar este estudo em Portugal, em 2016. Este setor apresenta também o crescimento mais acentuado face ao trimestre anterior, com mais 17 pontos percentuais, bem como um aumento considerável, de 33 pontos percentuais, quando comparamos com o mesmo período do ano passado.

É também esperada uma atividade de contratação elevada no setor industrial, com uma projeção próspera de +34%, em crescimento de três pontos percentuais, relativamente ao trimestre anterior.

O mesmo otimismo é igualmente observado no setor das tecnologias de informação, telecomunicações, comunicação e media, que avança com uma Projeção de +33%. No entanto, na comparação com o trimestre passado, regista-se uma diminuição considerável nas intenções de contratação deste setor, com menos 13 pontos percentuais. O mesmo comportamento é observado no setor das outras atividades de produção, que apresenta uma projeção de +32%, mas em queda de cinco pontos percentuais face ao trimestre anterior.

Já os setores da Restauração e Hotelaria e da Banca, Finanças, Seguros e Imobiliário apresentam projeções de +31% e +25%, respetivamente, valores que decrescem em sete e 18 pontos percentuais, respetivamente, quando comparados com o trimestre passado.

Também a Construção e as Outras Atividades de Serviços avançam perspetivas animadoras em relação ao aumento das suas equipas, com uma Projeção de +23%, ainda que este último setor revele uma diminuição considerável de 16 pontos percentuais, face ao trimestre anterior.

Por fim, os setores com as perspetivas menos otimistas, mas ainda assim positivas, são a Produção Primária (atividades agrícola, mineira ou de recolha de resíduos), com +21%, e a Educação, Saúde, Trabalho Social e Governamental, com +20%.

Projeções mais ambiciosas concentram-se na área do Grande Porto

Todas as regiões de Portugal apresentam previsões favoráveis quanto à evolução das contratações no último trimestre de 2022, ainda que apenas uma evolua positivamente face ao trimestre anterior.

A zona do Grande Porto apresenta a Projeção para a Criação Líquida de Emprego mais otimista, com um valor de +40%, sendo a única região com uma evolução positiva desde o último trimestre, com mais três pontos percentuais.

Na região Sul, também se observa uma projeção próspera de +32%, que apesar de diminuir em 7 pontos percentuais face ao trimestre passado, representa o maior aumento relativamente ao período homólogo do ano passado, com uma variação de 24 pontos percentuais.

Já na área da Grande Lisboa, os empregadores estão igualmente otimistas, avançando uma Projeção de +26%, valor que traduz, no entanto, uma redução de 7 pontos percentuais relativamente à previsão do terceiro trimestre.

Seguem-se a Região Centro, com +20%, e a Região Norte, com uma previsão de +18%, menos 7 pontos percentuais que no trimestre passado.

Empresas de maior dimensão mantêm as intenções de contratação mais acentuadas

Todas as categorias de empresas inquiridas, independentemente da sua dimensão, preveem aumentar a força de trabalho até ao final do ano.

As grandes empresas avançam a perspetiva mais próspera relativamente às contratações, com uma projeção de +38% – um aumento moderado de cinco pontos percentuais face ao trimestre anterior. Seguem-se as pequenas empresas e as microempresas, com projeção de +30% e +26%, respetivamente, em relativa estabilidade face ao trimestre passado.

Por fim, as empresas de média dimensão e as microempresas apresentam uma projeção de +26% e + 25%, respetivamente.

Intenções de contratação a nível global diminuem, mas continuam fortes

Tal como em Portugal, a Projeção para a Criação Líquida de Emprego a nível global sofreu um ligeiro decréscimo, com o valor a permanecer nos +30%, menos três pontos percentuais do que no trimestre passado.

Dos 41 países inquiridos, 39 apresentam perspetivas de contratação positivas, mas 23 revelam um abrandamento face ao trimestre anterior.

O Brasil, a Índia e a Costa Rica são os países que apresentam uma projeção mais otimista, de +56%, +54% e +52%, respetivamente. A nível europeu, a França e a Suécia mostram as intenções mais elevadas, com +34%, sendo que Portugal é o quinto país da tabela.

Já no que refere às previsões menos ambiciosas, o destaque vai para a Hungria, com uma projeção negativa de -5%, seguida pela Grécia, com -3%.

O estudo trimestral do ManpowerGroup entrevistou mais de 40.000 empregadores, em 41 países e territórios, em julho de 2022, 555 dos quais em Portugal.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Alojamento

Aqua Village Health Resort & Spa assinala 6.º aniversário com novo programa

Unidade de cinco estrelas em Oliveira do Hospital está a comemorar o 6.º aniversário com o lançamento de um novo programa, denominado “Pleno…bem-estar!”, cujos preços começam nos 720 euros para duas pessoas.

Publituris

O Aqua Village Health Resort & Spa, unidade de cinco estrelas em Oliveira do Hospital, está a comemorar o seu 6.º aniversário, data que serve de mote ao lançamento do “Pleno…bem-estar!”, um novo programa para uma escapadinha a dois, que inclui alojamento de sexta-feira a domingo.

De acordo com Francisco Cruz, diretor da unidade, este novo programa pretende “proporcionar fins de semana retemperadores, numa altura em que se vive sem tempo para aproveitar” o que de melhor o país tem para oferecer.

Com o lançamento do “Pleno…bem-estar!”, o Aqua Village Health Resort & Spa quer apostar “numa nova perspetiva de férias de luxo à beira-rio, na região Centro de Portugal, onde é possível fazer uma escapadinha a dois, num local onde existe tudo o que é necessário para desfrutar de uns dias únicos”, acrescenta o responsável.

Além do alojamento de sexta-feira a domingo, este programa, cujos preços começam nos 720 euros para duas pessoas, inclui também cocktail de boas-vindas, pequeno-almoço, circuito de Spa (piscinas de água quente, sauna, banho turco e ginásio), jantar de sexta-feira e sábado com menu de degustação de três pratos e harmonização de vinhos, assim como a possibilidade de atividades de stand up paddle, kayak e bicicletas e, em caso de disponibilidade, saída tardia no domingo.

Os clientes do Aqua Village Health Resort & Spa podem ainda adicionar outras atividades ao programa pré-definido, a exemplo de tratamentos no Spa Sensations.

O Aqua Village Health Resort & Spa conta com 29 apartamentos, de tipologias T1 e T2, além de uma suite presidencial, assim como com três piscinas exterior, interior e semicoberta, Spa com diversos tratamentos e estruturas suspensas na árvores e que foram adaptadas para a realização de massagens.

 

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Curso de Especialização em Direção Hoteleira ADHP
Emprego e Formação

ADHP promove nova edição do Curso de Especialização em Direção Hoteleira

Este ano letivo, a formação decorre entre 11 de outubro de 2022 e 25 de fevereiro de 2023, em formato online.

Publituris

A ADHP – Associação dos Diretores de Hotéis de Portugal promove uma nova edição do Curso de Especialização em Direção Hoteleira (CEDH), que este ano letivo decorre entre 11 de outubro de 2022 e 25 de fevereiro de 2023, em formato online.

O curso terá a duração de 332 horas e decorre de terça-feira a sexta-feira, das 18h30 às 22h30, e no sábado, das 9h às 13h. A conclusão do curso com aproveitamento dá direito ao Certificado de Formação Profissional emitido pela ADHP, sendo que a totalidade das horas do curso são reconhecidas para efeitos do cumprimento das 40 horas de formação contínua anual, para as entidades empregadoras, nos termos do artigo 131.º do Código do Trabalho.

O objetivo do curso passa por  “dotar os formandos de conhecimentos técnicos atuais que lhes permitam responder aos múltiplos desafios de uma hotelaria em constante mudança”, como indicam em comunicado. Desta forma, a formação encontra-se “em linha com as mais recentes tendências da hotelaria, o comportamento do consumidor atual, as funções emergentes e as novas realidades da distribuição online”.

Pensado para profissionais que procuram desenvolver ou atualizar conhecimentos e evoluir na carreira profissional, sejam diretores, chefes departamentais ou outras funções mais operacionais, o curso é igualmente adequado para pessoas de outras áreas de negócios que tenham interesse em desenvolver competências em hotelaria.

Tendo como principal propósito preparar os formandos para assumir funções de direção geral ou direção departamental de uma unidade hoteleira, o CEDH abrange todas as dimensões da operação: alojamento, comidas e bebidas, vendas, manutenção, segurança, qualidade, informática, recursos humanos e gestão. A formação incide também sobre as tendências mais prementes na hotelaria, com a integração, desde 2021, de módulos como o E-Commerce na Hotelaria, a Legislação Laboral, Compras ou a Gestão Ambiental.

Em comunicado, a associação destaca ainda a orientação do curso para a vertente prática, da qual é exemplo o módulo de business plan, “no qual os formandos deverão desenvolver um plano de negócios para o seu hotel – concreto ou simulado, consoante exerçam ou não funções de direção hoteleira”.

“A formação é um dos nossos contributos mais importantes para a valorização e qualificação dos diretores de hotéis, missão que está no cerne da ADHP. Acreditamos que o Curso de Especialização em Direção Hoteleira é uma excelente plataforma para a construção de carreiras de referência, permitindo uma partilha múltipla de experiências, conhecimentos e know-how que confere a todos os participantes um reforço substancial da sua preparação para os desafios do dia a dia e emergentes na hotelaria”, refere Fernando Garrido, presidente da ADHP.

Para inscrições ou mais informações sobre o CEDH estão disponíveis o endereço [email protected] e o número de telefone 968 204 405.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.