Assine já
Distribuição

Viagens à medida ganham terreno

Cada vez mais os clientes que entram numa agência de viagens pretendem um serviço personalizado e adequado às suas necessidades. A venda de viagens à medida tem crescido e trazem, na sua maioria, um aumento de rentabilidade. Personalizar uma viagem de acordo com as necessidades do cliente é cada vez mais uma realidade nas agências… Continue reading Viagens à medida ganham terreno

Raquel Relvas Neto
Distribuição

Viagens à medida ganham terreno

Cada vez mais os clientes que entram numa agência de viagens pretendem um serviço personalizado e adequado às suas necessidades. A venda de viagens à medida tem crescido e trazem, na sua maioria, um aumento de rentabilidade. Personalizar uma viagem de acordo com as necessidades do cliente é cada vez mais uma realidade nas agências… Continue reading Viagens à medida ganham terreno

Sobre o autor
Raquel Relvas Neto
Artigos relacionados
Dossier Operadores Turísticos: Verão animador, mas sem euforias
Publituris Exclusivo
DIT Portugal quer rentabilidade para agências
Homepage
By Travel promove autonomia das agências de viagens
Distribuição
TUI com novos planos para Portugal
Distribuição

Cada vez mais os clientes que entram numa agência de viagens pretendem um serviço personalizado e adequado às suas necessidades. A venda de viagens à medida tem crescido e trazem, na sua maioria, um aumento de rentabilidade.

Personalizar uma viagem de acordo com as necessidades do cliente é cada vez mais uma realidade nas agências de viagens. Qual o peso dos pacotes de viagens à medida? Será a rentabilidade é maior? Quais as vantagens? Será uma forma de reduzir a dependência da oferta dos operadores turísticos? Qual a formação dos agentes de viagens; e por onde passa o futuro das agências de viagens, foram algumas das questões que colocámos aos agentes de viagens. A venda de viagens à medida tem aumentado substancialmente nos últimos anos. Pelo menos, essa é a opinião generalizada das várias redes e grupos de agências de viagens que contactámos. Apesar da venda de pacotes já formatados pelos operadores turísticos continuar a representar a maior parte das vendas nas agências, as viagens à medida crescem dia após dia, com maior ênfase em épocas onde as operações charter não decorrem com regularidade.

Paulo Mendes, director-geral da Airmet, refere que as vendas de viagens à medida têm ”tendência a aumentar nos meses com menor oferta da programação dos operadores turísticos”. Também Maria José Silva, CEO da RAVT, indica que a venda destes decorre mais fora da época em que os operadores turísticos têm uma maior oferta de operações charter, mas as viagens à medida têm também diferentes exigências, como uma maior personalização para corresponder ao pedido do cliente: “Por vezes não há outra forma de obter produtos e valores competitivos e outras vezes ainda, quando pedimos este tipo de produtos aos operadores, estes demoram demasiado tempo na resposta correndo-se o risco de se perder o cliente”. Na Bestravel, o director-geral Luís Henrique também refere que, todos os anos, a venda de pacotes próprios tem aumentado ligeiramente na rede: “Este aumento está não só ligado a uma cada vez maior necessidade de personalização do produto que disponibilizamos aos nossos clientes, mas igualmente à elevada maturidade da nossa rede”.
O novo CEO da Go4Travel, Vasco Pinheiro, considera que a venda de viagens à medida também tem aumentado “significativamente” no grupo, pois estas permitem “uma maior adaptação às necessidades do cliente”.
Na Geostar, a venda de pacotes à medida corresponde a 27%, sendo que 73% a pacotes de operadores. Raquel Trindade, manager de private, marketing & product da rede, indica que, em 2017, a Geostar teve “uma variação de 15% de aumento dos pacotes à medida, superior ao aumento da venda dos pacotes de operadores”. Na Bestravel, os pacotes próprios representam “cerca de 20% da nossa facturação. Os restantes 80% estão divididos entre aviação e pacotes de operadores”, constata Luís Henrique. Já na rede RAVT, a venda de produto dos operadores tem um peso de 65% e os pacotes à medida 35%. Nuno Castro explica que no Mercado das Viagens, este ano, e até Setembro, “as vendas de pacotes de operadores turísticos e pacotes feitos à medida têm uma representação similar, sendo certo que, verificamos um crescimento na venda de pacotes de operadores turísticos durante este ano”. No entanto, o responsável alerta que devido ao aumento de contratempos que existiram nos pacotes turísticos de operadores, “o que nunca sucedeu em anos anteriores com esta frequência e gravidade”, teme que “no próximo ano, por exigência dos próprios clientes, haja um decréscimo de vendas destes pacotes turísticos e relativamente a alguns operadores turísticos”.

Aumentar rentabilidade

Mas quais as vantagens para as agências de viagens em vender mais pacotes à medida? Autonomia, rentabilidade e personalização dos serviços são algumas das identificadas pelos interlocutores.
Luís Henrique considera que, “além da evidente vantagem da personalização do produto, flexibilidade e competitividade de preço, acreditamos que o caminho é o de cada vez mais conseguir surpreender os nossos clientes com sugestões adicionais e acrescentar valor ao pacote inicialmente previsto por estes. A função assessora da agência de viagens para nós é fundamental”.
Já o CEO do Mercado das Viagens identifica uma maior “autonomia na escolha dos serviços pretendidos pelo cliente” como uma das mais-valias. Maior margem é também um dos benefícios apontados pela responsável da Geostar, mas Raquel Trindade atenta que uma maior rentabilidade vai depender de cada caso. Ao que Paulo Mendes esclarece: “Temos programas de operadores que a rentabilidade é maior do que fazer pacote à medida, mas existem destinos específicos em que a rentabilidade é maior ao fazer o pacote próprio”. O director-geral da Airmet aponta ainda que a rentabilidade aumenta “quando o programa que estamos a vender não é fácil de replicar por outra agência de viagens que pode concorrer connosco para angariar o cliente, que no caso de uma programação de um operador é mais difícil, porque esse programa está em todo o mercado (…) o que vai fazer com que a variável preço seja a única a ter em conta”. A rentabilidade é, de facto, linear e a aposta em pacotes próprios em detrimento dos pacotes disponibilizados pelos operadores turísticos depende da época do ano e dos destinos.
Por sua vez, Vasco Pinheiro realça que a rentabilidade das viagens à medida “é muito variável, dependendo dos destinos e do tipo de fornecedor que está a ser usado”.
No entanto, Nuno Castro relembra que “a complexidade da viagem pretendida pelo cliente (destinos, tempo de estadia e tipo de serviços) coligada com o tempo despendido pelo agente de viagens para orçamentar um pacote à medida, leva-nos a optar pela venda de um pacote do operador turístico, independentemente da margem de lucro associada”, pois, indica, “tempo também é dinheiro”.
E a menor dependência dos operadores turísticos? Uma questão que exige respostas mais comedidas. Para o director-geral da Bestravel “todos os actores são importantes e como não achamos que este mercado ficará sem agências também não acreditamos que sobreviva sem grossistas”. Luís Henrique acrescenta ainda que a rede não tem como objectivo “a redução da dependência em relação aos operadores turísticos. Temos óptimas relações com os nossos parceiros e trabalhamos em conjunto para que consigamos atingir tanto os nossos, como os objectivos destes”. Maria José Silva explica que “em determinadas épocas e destinos não existe outra opção de venda senão pelos meios de utilização de venda directa de aviação e de hotelaria pelas centrais de reserva ou mesmo directo e, aí sim, reduz de alguma forma a dependência dos operadores tradicionais. O CEO do Mercado das Viagens admite que a aposta na venda de viagens à medida é “sem dúvida” uma forma de reduzir a dependência dos operadores turísticos. “As agências têm autonomia para escolher a companhia aérea, o hotel e outros serviços pretendidos pelo cliente, bem como apresentar serviços alternativos que muitas vezes não estão incluídos nos pacotes turísticos dos operadores”.

Formação e não só
Apresentar um pacote à medida ao cliente requer uma preparação e formação maior ao agente de viagens. Na Go4Travel são desenvolvidas “acções contínuas de formação no sentido de dotar os seus colaboradores de conhecimentos técnicos e genéricos”, indica Vasco Pinheiro. Formação de destinos, formação técnica, comportamental, produto são algumas das apostas da Geostar. “Ter conhecimentos para conseguir transmitir confiança aos nossos clientes” é uma premissa dentro da Bestravel, que está em processo de certificação da formação da rede.
Paulo Mendes refere que “a formação é essencial em qualquer área de negócio” e a Airmet aposta “em dar conteúdo aos nossos agentes para que conheçam melhor as ferramentas que temos ao dispor para a venda de pacotes à medida”. Já a RAVT acrescenta ainda “o alargar de contactos com receptivos de confiança”.
Claro que, com a nova directiva para as viagens organizadas, a responsabilidade das agências de viagens aumentou. As agências de viagens indicam que prepararam-se para fazer face a esta nova realidade, criando seguros específicos ou processos inovadores como aquele que Luís Henrique apresenta: “Implementámos um processo inovador que permite ter a confirmação da informação ao cliente por via electrónica sem haver necessidade de impressão de informações pré-contratuais nem condições gerais de viagem”. Maria José Silva relembra que, além dos seguros, deve-se precaver com “fornecedores de confiança que dão apoio quando se necessita”, sejam operadores ou receptivos, além da escolha cuidada de produtos. “Mas a principal ferramenta é, sem dúvida, o agente de viagens, que deve ser claro com o seu cliente e informar no momento da reserva a importância de contratar o seguro e de todas as informações que a directiva obriga”.
Raquel Trindade considera que a nova directiva trouxe também uma oportunidade para as agências da Geostar, no sentido em que é uma ocasião para “nos diferenciarmos da venda directa por parte dos prestadores de serviços”.

Futuro
À parte da aposta nos pacotes à medida, a rentabilidade das agências de viagens está inevitavelmente relacionada com a aposta nas novas tecnologias e não só.
Na Bestravel “a tecnologia é muito importante, mas estamos em constante negociação com os nossos fornecedores para que consigamos que as nossas agências tenham sempre as melhores condições comerciais do mercado”, diz Luís Henrique, que acredita num futuro “com agências de viagens que tenham uma componente tecnológica forte, uma imagem agressiva e dinâmica, preços competitivos e que consigam compreender o cliente e satisfazer, assim, todas as suas necessidades”.
Na perspectiva da Go4Travel, o futuro das agências de viagens passa pela contínua aposta “na formação dos seus técnicos, de forma a acrescentar valor na venda e da resolução dos desafios que a venda de viagens apresenta”.
Para a Geostar, que tem um forte investimento “nos colaboradores, em tecnologia e na criação de uma cultura de excelência de serviço”, a evolução das agências de viagens passa por “garantir aos viajantes ofertas com elevado grau de personalização; antever as necessidades dos clientes e propor a oferta certa no momento certo ao preço justo; ter mais-valias, serviços, garantias que justifiquem o cliente a não optar pelo canal directo; estar presente nos canais consumidos pelos clientes: e ter produto próprio e diferenciador”.
Paulo Mendes acredita que o futuro das agências de viagens passa “pela proximidade e profissionalismo da agência de viagens com o seu cliente”, mas que o crescimento da rentabilidade passa por “ter uma boa contratação, ferramentas para optimizar o tempo de pesquisa, agentes de viagens qualificados e uma marca forte. Tudo isto vai ajudar a aumentar a rentabilidade da agência de viagens”.
O Mercado das Viagens fez “um importante investimento a nível tecnológico” com a criação de uma plataforma de comunicação interna que tem o propósito de “rentabilizar o tempo e organização de trabalho” dos agentes. Nuno Castro considera ainda que “apostar na inovação, na tecnologia, no atendimento personalizado e na prestação de serviços de qualidade ao cliente” é fundamental para se diferenciarem nom mercado “cada vez mais competitivo”.
Para a CEO da RAVT, “não existem inovações e nem pólvora para inventar, existem ajustes na forma de trabalhar, de informar, de se proteger”, bem como na questão dos pagamentos, escolha de fornecedores, entre muitas outras formas de potenciar a rentabilidade das agências.

Sobre o autorRaquel Relvas Neto

Raquel Relvas Neto

Mais artigos
Artigos relacionados
Distribuição

Soltrópico renova aposta na Madeira com charter no réveillon

O operador turístico Soltrópico acaba de anunciar ao mercado o lançamento da sua operação charter para o Funchal, no réveillon, assumindo, assim, a sua renovada aposta na ilha da Madeira.

A operação de passagem de ano no Funchal será composta por dois voos charter com saídas de Lisboa e do Porto no dia 29 de dezembro de 2022, com regressos a 02 de janeiro de 2023.

O pacote de quatro noites tem o valor de 743 euros como preço base, por pessoa, em quarto duplo standard, em regime de alojamento e pequeno-almoço no quatro-estrelas Vila Galé Santa Cruz.

O programa inclui ainda passagem aérea em voo SATA Azores Airlines, com direito a 20K de bagagem, transferes, seguro de viagem Global Extra, taxas hoteleiras, serviço, IVA e taxas de aeroporto segurança e combustível 95€- sujeito a alterações nos termos previstos da lei.

Os pacotes já podem ser consultados pelos agentes de viagens no site do operador turístico.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Distribuição

Mototurismo motiva debate na B travel Xperience Lisboa

Iniciativa decorre a 30 de junho, a partir das 18h30, na B travel Xperience Lisboa, com a participação do mototurista e blogger Henrique Saraiva.

Os desafios do mototurismo vão estar em debate na próxima Travel Talk da B travel Xperience Lisboa, iniciativa que decorre a 30 de junho, a partir das 18h30, com a participação do blogger Henrique Saraiva.

Autor do blog “Viagens ao Virar da Esquina” e colaborador da revista Motociclismo, Henrique Saraiva vai partilhar as “suas experiências pelo país e Europa em duas rodas, desde os desafios às vantagens que viajar de mota traz”.

“A escolha dos percursos e destinos, assim como a gestão do tempo essencial numa viagem de mota, vão ser partilhados por Henrique Saraiva”, destaca a B travel Xperience Lisboa, num comunicado enviado à imprensa.

Os eventos na B travel Xperience Lisboa são gratuitos e têm entrada livre, mas os interessados devem realizar inscrição prévia através do e-mail [email protected] ou das redes sociais da B travel Xperience Lisboa.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Sem categoria

Madeira recebe evento de agentes de viagens de luxo

O evento “Connections Luxury in Madeira” decorre entre 26 a 29 de junho, no Reid’s Palace e vai contar com a participação de até 140 decisores e buyers do segmento de luxo.

Publituris

A Madeira vai ser palco, entre 26 e 29 de junho, o evento “Connections Luxury in Madeira”, iniciativa promovida pela a comunidade privada internacional para decisores de confiança em viagens de luxo Connections e que vai contar com a participação de até 140 decisores e buyers do segmento de luxo, informou a Associação de Promoção da Madeira (APM), em comunicado.

“Designada “Connections Luxury in Madeira”, a iniciativa vai receber até 140 decisores com uma agenda interativa projetada para ligar compradores de alto nível a hotéis excecionais, propriedades boutique, provedores de experiência e empresas de gestão de destinos de todo o mundo”, explica a APM, revelando que o evento vai decorrer no Reid’s Palace, com o patrocínio da  Associação de Promoção da Madeira, do Savoy Palace, do DMC Madeira, do Reid’s Palace e da Quinta Jardins do Lago.

Ao longo dos quatro dias do evento, os participantes “vão ter a oportunidade de integrar reuniões de negócios personalizadas realizadas no formato pioneiro Connections Way – a abordagem da empresa para facilitar relacionamentos comerciais duradouros por meio de experiências memoráveis ​​e partilhadas”.

Além disso, os delegados vão ainda participar noutras atividades, como uma masterclass de Poncha, e terão oportunidade de conhecer o chef Luís Pestana do restaurante, com estrela Michelin, “William” (Reid’s Palace), estando também prevista a realização de um chá da tarde e de uma degustação de vinhos madeirenses, bem como a possibilidade de aprender a trabalhar a técnica do vime com a ajuda de um artesão local.

Além das experiências partilhadas, os convidados também vão participar de uma sessão de liderança, a “ConnecTALKS”, onde vão ser abordadas “as últimas tendências e desafios enfrentados pela indústria de viagens de luxo”, num evento que também vai contar com a participação de António Paraíso, consultor internacional de luxo, que já falou em conferências para Giorgio Armani, Loewe, Porsche, Deloitte, Procter & Gamble e Leica.

“Receber a Connections Luxury é uma oportunidade única de partilhar o que o nosso destino tem para oferecer. Acima de tudo, será um momento para surpreender os participantes neste importante evento, que terão um contato direto com a nossa diversidade, hospitalidade, gastronomia, tradições, com a nossa cultura e história. A Região tem características únicas, uma identidade que destaca uma oferta qualificada a todos os níveis, e que será reforçada com o trabalho que estamos a desenvolver, no corrente ano, relativo à ‘Certificação de Sustentabilidade’ do destino. Esperamos que este evento nos ajude a reposicionar e afirmar a Madeira como destino do segmento de luxo”, considera Eduardo Jesus, secretário Regional de Turismo e da Cultura e Presidente da Associação de Promoção da Madeira.

Já Greg Reeves, diretor administrativo da Connections Luxury, justificou a escolha da Madeira para palco do evento por ser um destino que “transmite uma modesta confiança que é incrivelmente atraente para o viajante de luxo e continua a ser reconhecida como um destino insular líder, cheio de experiências verdadeiramente únicas e influências culturais”.

“Estamos entusiasmados por receber o Connections Luxury na Madeira este verão, dando as boas-vindas aos nossos membros globais para se encontrarem, através de uma agenda única e dinâmica, num cenário espetacular. Estamos em parceria com os melhores da Região, por isso, quem se juntar a nós vai desfrutar de um verdadeiro prazer”, acrescenta.

 

 

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Distribuição

Viagens Tempo lançam mais de 70 opções para ‘Circuitos na Europa’

As Viagens Tempo lançaram vários circuitos para Itália, a Europa Ocidental, a Europa Central, Irlanda e Reino Unido, Mediterrâneo e Escandinávia.

Publituris

As Viagens Tempo lançaram a sua programação de ‘Circuitos na Europa’ para este ano, que conta com mais de 70 opções para conhecer Itália, a Europa Ocidental, a Europa Central, Irlanda e Reino Unido, Mediterrâneo e Escandinávia.

A programação do operador turístico para os ‘Circuitos na Europa’ tem diferentes períodos de validade para este ano, consoante o circuito escolhido, variando também em termos de duração e preços.

No total, as Viagens Tempo lançaram 17 circuitos em Itália, e os preços começam nos 665 euros para uma ‘Escapada a Roma’ de quatro dias, e vão até aos 1.860 euros para o circuito “O Melhor do Norte de Itália I”, de nove dias.

Na Europa Ocidental, o operador disponibiliza nove circuitos, neste caso, com preços que começam nos 1.010 euros para o circuito “Castelos do Loire”, de seis dias, enquanto os circuitos “Paris, Bretanha e Normandia” e “Normandia, Bretanha e Paris” têm preços desde 1.415 euros, para nove dias de viagem.

Na Europa Central, as Viagens Tempo oferecem mais 13 circuitos, cujos preços começam nos 1.035 euros para uma viagem de sete dias no circuito “Berlim e Praga II”. Já os preços mais elevados começam nos 1.425 euros para o circuito “Grand Tour da Áustria”, de oito dias.

Para a Irlanda e Reino Unido, o operador conta ainda com 11 circuitos, cujos preços começam nos 1.205 euros para conhecer “Inglaterra e Gales”, num circuito de sete dias. “Irlanda e Escócia II”, com preços a partir de 2.295 euros, é o circuito na Irlanda e Reino Unido com preços mais elevados, neste caso, incluindo 11 dias de viagem.

No Mediterrâneo, as Viagens Tempo disponibilizam também 14 circuitos e os preços começam nos 665 euros para uma viagem a Malta, enquanto o circuito “Pitágoras”, de 10 dias na Grécia, é o que apresenta preços mais elevados, a partir de 2.305 euros.

Na Escandinávia, as Viagens Tempo propõem mais sete circuitos, neste caso, com a opção “Estocolmo e Fiordes” a apresentar-se como a que tem preços mais baixos, desde 1.640 euros para oito dias de viagem. Já o circuito “Estocolmo, Fiordes e Copenhaga”, de 10 dias, é o que tem preços mais elevados, desde 2.355 euros.

Todos os circuitos das Viagens Tempo já incluem taxas, voos de ida e volta, pequeno-almoço na maioria dos hotéis e várias refeições. Mais informações em https://www.viagenstempo.pt/.

 

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Distribuição

Top Atlântico é ‘Biosphere Certified’

A distinção foi atribuída à Top Atlântico depois de ser conhecido o relatório de auditoria do RTI, que veio confirmar que “a entidade revela uma clara orientação para a sustentabilidade”.

Publituris

O compromisso da Top Atlântico com a sustentabilidade recebeu a distinção Biosphere Certified do Responsible Tourism Institute (RTI), tornando a agência de viagens do Grupo Wamos numa das primeiras a receber esta certificação em Portugal.

“Esta distinção reconhece o trabalho que tem vindo a ser desenvolvido pela Top Atlântico para cumprir os 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030, definidos pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 2015”, destaca a Top Atlântico, num comunicado divulgado esta quinta-feira, 23 de junho.

A distinção foi atribuída à Top Atlântico depois de ser conhecido o relatório de auditoria do RTI, que veio confirmar que “a entidade revela uma clara orientação para a sustentabilidade, não apenas ao nível do seu posicionamento e orientação, mas igualmente em termos de boas práticas efetivas.”

“Estamos no início e a equipa está altamente empenhada, mas há ainda muito a fazer, nomeadamente no que respeita à sensibilização de parceiros e fornecedores que partilhem este desejo de tornarmos o Turismo mais sustentável. Queremos caminhar na direção certa, mas apenas com o envolvimento de todos,  seremos bem sucedidos neste desafio que é tornar o nosso Planeta num local mais saudável, mais verde, mais cuidado, mais amigo e justo para todos os que dele desfrutam agora e para as futuras gerações”, congratula-se a agência de viagens do Grupo Wamos.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Distribuição

Tour10 abre novo escritório em Faro

Com a abertura do novo escritório de Faro, a Tour10 pretende “aproveitar o rápido crescimento  em Portugal”, bem como “prestar um maior e melhor serviço aos clientes de Portugal e agilizar os tempos de espera e gestão de problemas”.

Publituris

A Tour10 abriu um novo escritório em Faro, uma nova sucursal que está em funcionamento desde o início da primavera e que conta com agentes especialistas na área do departamento de reservas e em exclusivo para mercado Português.

Numa nota enviada à imprensa, a Tour10 explica que, com a abertura do novo escritório de Faro, pretende “aproveitar o rápido crescimento  em Portugal”, bem como “prestar um maior e melhor serviço aos clientes de Portugal e agilizar os tempos de espera e gestão de problemas”.

Paralelamente, a Tour10 reforçou também vários dos seus departamentos, a exemplo do departamento comercial e de contratação, com o objetivo de “atrair novos clientes, aumentar o seu portefólio de hotéis de contratação direta em Portugal, bem como estreitar os laços com outros grupos hoteleiros com quem tem acordos já em vigor”.

Recorde-se que a Tour10 chegou a Portugal em 2018 e, atualmente, conta com mais de  1.500 agências de viagens na sua carteira de clientes e trabalha com os todos grupos de gestão portugueses e agências independentes.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Emprego e Formação

44% do emprego criado em Espanha, em maio, foi no setor do turismo

Só no mês de maio de 2022, o setor do turismo, em Espanha, criou mais 409.615 empregos face a igual período do ano 2021 e mais 32.962 que em igual mês de 2019.

Publituris

Segundo as contas efetuadas pela Turespaña, o mês de maio terminou, em Espanha, com 2.608.600 pessoas inscritas na Segurança Social do país vinculadas a atividades turísticas, o que corresponde a mais 409.615 trabalhadores face a igual período do ano 2021 e a mais 32.962 que em igual mês de 2019.

Estes dados revelam que a atividade turística, em Espanha, foi responsável por 44% da criação de emprego no quinto mês de 2022, representando 12,9% do total da força de trabalho inscrita na Segurança Social.

“A recuperação do setor está a gerar um forte aumento na criação de trabalho, que ultrapassou 2,6 milhões de inscritos, em maio, na Segurança Social, o maior número registado em maio”, destacou a ministra da Indústria, Comércio e Turismo espanhola, Maria Reyes Maroto, à imprensa do país vizinho.

A responsável pela pasta do turismo explicou que esta realidade tem sido possível “graças ao “escudo social eficaz implementado pelo Governo durante a pandemia para manter de pé os nossos trabalhadores e empresas do setor do turismo e os elevados níveis de vacinação da população espanhola”, destacando, ainda, que a reforma levada a cabo pelo Governo de Pedro Sanchez permite a criação de emprego de “maior qualidade”.

Reyes Maroto admitiu, também, que Espanha iniciou a temporada de verão com “boas perspectivas”, apesar do contexto complexo derivado da guerra na Ucrânia, concluindo que “o turismo será um dos setores que mais contribuirá para o recuperação económica e criação de empregos neste ano”.

Por atividade, os dados da Turespaña mostram que foi na hotelaria e agências de viagens/operadores turísticos que, de forma conjunta, mais emprego se criou, registando uma subida de 20,7%, comparado com maio de 2021, significando mais de 306 mil empregos na hotelaria (183 mil nos serviços de F&B e 122 mil nos serviços de alojamento), enquanto as agências de viagens conseguiram mais 5.662 novos trabalhadores (+2,3%) e os operadores turísticos aumentaram em mais de 97 mil os empregos.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Distribuição

Bestravel com campanha para Madeira e Porto Santo

Através de uma nova campanha que acaba de lançar, a rede de agências de viagens Bestravel convida os portugueses a descobrir a diversidade da Madeira e do Porto Santo.

Publituris

A Bestravel lançou esta segunda-feira, disponível nas 45 agências de viagens da rede, uma nova campanha dedicada à Madeira e Porto Santo, que “visa incentivar os portugueses a descobrir a multiplicidade de experiências que o destino tem para oferecer nas diversas vertentes: culturais, gastronómicas ou paisagísticas.

A campanha, implementada em parceria com a Associação de Promoção da Madeira, vai estar em vigor até ao final do mês do junho, e tem o mote “O que é que a Madeira tem? Tem umas férias como ninguém”.

 

Os clientes que visitarem ou contactarem as agências Bestravel, em Portugal Continental e Açores ou em bestravel.pt, durante este período, terão acesso a diversos produtos turísticos para Madeira e Porto Santo, com preços e ofertas especiais.

Carlos Baptista, administrador da rede refere que “a Madeira e o Porto Santo são, sem dúvida, destinos de eleição dos clientes Bestravel”, daí acreditar no sucesso desta campanha.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Distribuição

Nortravel e Jolidey lançam voo extra entre Porto e Sal

Os operadores turísticos Nortravel e Jolidey anunciam ao mercado um voo extra entre o Porto e a Ilha do Sal (Cabo Verde) de 31 de julho a 04 setembro (última partida).

Para o verão de 2022, e como forma de reforçar a sua presença em Cabo Verde, este é o quarto voo semanal que os operadores turísticos do Grupo Ávoris disponibilizam entre Portugal e o arquipélago.

A operação é realizada pela companhia aérea SmartWings em Boeing 737/800 com capacidade para 189 passageiros.

O voo extra do Porto tem preços por pessoa em duplo desde 902 euros em hotel de quatro estrelas, e de 1.089 euros em unidade hoteleira de cinco estrelas, ambos em regime de tudo incluído.

Estes preços incluem ainda os voos com direito a uma peça de bagagem, sete noites de alojamento, transferes, seguro de viagem (inclui cobertura Covid-19), taxas de aeroporto, segurança e combustível (235 euros) e TSA no valor de 35 euros.

Na programação dos dois operadores, são disponibilizadas 16 unidades hoteleiras na Ilha do Sal, de três, quatro e cinco estrelas, em vários regimes alimentares.

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
Distribuição

Agência Abreu vai com a Madeira ao Rock in Rio Lisboa

No seu regresso ao Rock in Rio em Lisboa, a Agência Abreu vai acompanhada da Madeira, um dos destinos mais importantes entre a sua oferta e considerado dos mais apreciados pelos portugueses.

Publituris

O espaço da Agência Abreu e da Associação de Promoção da Madeira no evento ( o nº 6 da Rock Street) promete “apelar aos sentidos, através das imagens e elementos caraterísticos da região que decoram o lounge e nos remetem para as levadas da Floresta Laurissilva – Património Mundial da UNESCO, ou para a praia favorita dos clientes da Agência Abreu, a Ilha de Porto Santo”, segundo nota de imprensa.

Durante os dias do festival, na Casa #6 serão realizadas iniciativas com vista à divulgação do destino e promovidos diversos passatempos, seja a girar a roleta e a arrecadar brindes; seja a escrever frases criativas e a tirar fotografias engraçadas para o Instagram, habilitando-se a ganhar uma das quatro viagens à Madeira.

Na tenda VIP estará disponível um outro espaço partilhado, que dará palco às happy hour de Poncha, e onde também será sorteada uma “Viagem (Im)provável” ao destino, com assinatura Abreu.

A propósito desta parceria, o diretor de Vendas e Marketing da Agência Abreu, Pedro Quintela, comenta que “a relação com a Associação de Turismo da Madeira conta já longos anos e é, mais uma vez, celebrada através da participação conjunta neste festival. Este é um espaço dirigido a famílias e aos jovens, e onde encontramos o nosso público. É por isso que Rock in Rio Lisboa 2022 é o espaço ideal para estarmos juntos”.

Por seu turno, Eduardo Jesus, presidente da Associação de Promoção da Madeira e secretário Regional de Turismo e Cultura refere que “esta parceria com a Agência Abreu no Rock In Rio tem um objetivo claro: comunicar sobretudo com o público mais jovem, que ainda não descobriu a Região, e mostrar como é um destino para todos e para todas as idades.”

Entretanto, para quem pretende deslocar-se à Cidade do Rock desde vários pontos do país, a Agência Abreu, que, este ano, reforça a sua participação no Plano de Mobilidade Abreu – Rock in Rio Lisboa 2022, iniciativa que disponibiliza serviço de transporte a quem sair das cidades de Braga, Guimarães, Porto, Aveiro, Coimbra e Algarve e tenha adquirido o pack Rock in Rio Express, que inclui bilhete para o festival e transporte de ida e volta.

Através da EuVouDeTransportes é a convocatória lançada pela organização do Rock in Rio Lisboa, à qual a Agência Abreu se associa

No sentido de contribuir para a diminuição do impacto ambiental, a Agência Abreu associa-se à iniciativa “EuVouDeTransporte”. Assim, estão igualmente previstos serviços de transfere entre o Estádio José Alvalade e o Parque da Belavista, para a Tenda VIP.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.