Edição digital
Assine já
PUB
Homepage

Reportagem| Costa Rica: uma lufada de ar fresco e muito mais

Ainda há destinos que nos arrancam suspiros e nos deixam sem palavras. É o caso da Costa Rica, onde a Natureza se apresenta em todo o seu esplendor.

Carina Monteiro
Homepage

Reportagem| Costa Rica: uma lufada de ar fresco e muito mais

Ainda há destinos que nos arrancam suspiros e nos deixam sem palavras. É o caso da Costa Rica, onde a Natureza se apresenta em todo o seu esplendor.

Carina Monteiro
Sobre o autor
Carina Monteiro
Artigos relacionados
Marca NH Collection celebra os 10 anos em cinco hotéis na Europa incluindo Lisboa
Hotelaria
Operadores turísticos promovem campanha para assinalar o Dia Nacional do Agente de Viagens
Distribuição
Coimbra: Projeto de turismo sustentável tem apoio de 4,9M€ da Comissão Europeia
Destinos
APG-IET integra Volotea
Aviação
AirHelp antecipa panorama dos voos em Portugal no verão
Transportes
Vamos Portugal chega ao mercado nacional do renting
Transportes
Praga continua entre os destinos de MICE mais procurados do mundo
Meeting Industry
Governo alivia restrições impostas ao consumo de água no Algarve devido à seca
Destinos
Propósito da taxa de entrada em Veneza é um fracasso porque número de turistas aumentou
Destinos
Suíça pondera taxas de entrada em locais turísticos populares
Destinos

A partir do próximo dia 4 de Maio, a Costa Rica fica mais perto de Portugal com um voo charter à partida de Lisboa, todas as sextas-feiras até 13 de Julho. É uma aposta do operador turístico Jolidey para este Verão, que já está ganha, pelo menos pela diferenciação, já que coloca no mercado português um destino completamente diferente daquilo a que estamos habituados na América Latina.

O operador turístico preparou diversos pacotes que combinam Natureza, Praia, Aventura e, claro, a cultura dos “ticos”, nome pelo qual são conhecidos os costa-riquenhos. O difícil será mesmo escolher.
A porta de entrada da Costa Rica é o Aeroporto Internacional Juan Santamaría que fica na cidade Alajuela, a 18 quilómetros da capital San José. Foi pela capital que começou a viagem de imprensa a convite da Jolidey no passado mês de Janeiro. Embora latina, San Juan não é uma capital típica desta região, está muito longe das gigantes metrópoles como Bogotá. Afinal, o país tem apenas cinco milhões de habitantes e a maior parte da população (60%) vive no Vale Central, onde fica situada San José. Contam-se pelos dedos de uma mão os edifícios altos no país e estão concentrados na capital. Há uma explicação para isso, a actividade sísmica. Com uma influência americana bem presente nas ruas, pelas lojas e restaurantes, a cidade tem um centro histórico onde se encontra a catedral e o Teatro Nacional. É na visita breve à capital que recebemos a primeira lição sobre o país e começamos a perceber o porquê da sua diferença. A Costa Rica não tem exército desde 1948, sendo esse investimento canalizado para o serviço social. O país tem índices de desenvolvimento acima da média na América Latina e a sua grande bandeira é o Meio Ambiente e percebe-se porquê. A Costa Rica alberga 5% da biodiversidade em todo o mundo.

Parque Tortuguero
No dia seguinte, o tão esperado contacto com a Natureza enfrenta a primeira adversidade. As chuvas não permitem a realização do voo com destino ao Parque Tortuguero, uma das principais atracções do país, localizado a Ocidente Norte de San José, na Costa do Caribe. Como país tropical, a Costa Rica não tem estações, mas temporadas de chuva e temporadas secas. Embora, na teoria, estejamos na época seca, na prática, o clima estava a ser influenciado pela frente fria proveniente dos EUA. A contrariedade foi facilmente resolvida e não ficámos a perder. Seguimos de carro pelo Vale Central, aproveitando para atravessar Llano Bonito de Naranjo, as plantações de café, o Parque Braullio Carrillo e passar ao lado do Parque Nacional do Vulcão Poás, que, por estar activo desde Abril 2017, não é possível visitar. Quando visitável, o Vulcão Poás é o local mais procurado pelos turistas pela proximidade à capital San José. Pelo meio, paragem para o pequeno-almoço no restaurante El Ceibo e a primeira grande surpresa, um encontro inesperado com uma preguiça. Um conselho: não vale a pena criar grandes expectativas face aos animais que se vão encontrar na Costa Rica, o mais provável é encontrá-los sem que se esteja à espera ao longo da viagem. Os guias estão despertos e prontos para avisar.

Seguimos caminho para o Parque Tortuguero, ainda nos esperava uma hora e meia de barco até chegarmos ao hotel Pachira, em pleno parque. Tortuguero foi criado com o objectivo de proteger a zona da desova da tartaruga verde, mas é habitat de mais de 500 espécies animais, entre répteis, mamíferos e aves. A Costa Rica é um país muito diverso, com diferente flora e fauna em várias províncias. Tortuguero é conhecido como a Amazónia da América Central, com os seus canais, rios, lagoas e vegetação densa. Só não existem piranhas e anacondas. Os passeios no Parque Nacional de Tortuguero custam 15 dólares, podem ser feitos de barco, canoa ou caiaque e são organizados pelo hotel. São acompanhados de um guia, caso contrário a frustração de não conseguir identificar os animais pode arruinar o passeio.
Devido à chuva que caiu durante o período da nossa viagem, avistámos sobretudo aves, garças-tigres e garças-reais. Quem viaja para a Costa Rica deve estar preparado para enfrentar as vontades da Natureza e precisa de ter sempre em mente que a Costa Rica é um dos países com políticas ambientais muito rigorosas. Os parques naturais não são jardins zoológicos e aqui ninguém contraria a natureza, ela está lá para ser vista e apreciada em todo o seu esplendor. “Pura Vida”. Se fosse de outra forma, não era Costa Rica, seria outro qualquer destino. Além dos passeios de barco, pode usufruir da visita ao pequeno povo de Tortuguero, para conhecer a praia onde desovam as tartarugas.

Vulcão Arenal
Despedimo-nos de Tortuguero para conhecer outro destino turístico, a reserva Florestal de Monverde, onde se encontra o Vulcão Arenal, em constante actividade desde 1968. A viagem faz-se novamente de carro e leva meio-dia para chegar à Cordilheira de Tiláran, onde fica situado o vulcão. Ainda mal saídos do Parque Tortuguero, passamos pela plantação de bananas que fica em Carmen. Dole, Chiquita ou Del Monte são produtoras das bananas que compramos nos nossos supermercados e que são da Costa Rica. A par do Turismo, a Agricultura é a principal fonte económica do país. A Costa Rica exporta bananas, ananás, café, mas também outras frutas como melancia ou manga. O país também é conhecido pela produção de equipamento médico e, dependendo dos ciclos económicos, a indústria dos serviços também pode ganhar peso na Economia. Um exemplo é a instalação de call centers internacionais no país.

Na reserva Florestal de Monverde não faltam locais para visitar e actividades para explorar. Sendo uma região de actividade vulcânica, os amantes dos spas e das águas termais podem usufruir, em alguns hotéis da região, de piscinas termais com temperaturas a 38/39º graus.
É o caso do Tabacon Resort & Spa localizado no coração da floresta, ao pé do Vulcão Arenal. Este resort de cinco estrelas possui um complexo termal com mais de 20 piscinas e cascatas com temperaturas que variam entre 25 e 42 graus, rodeadas por exuberantes jardins tropicais. Depois de uma tarde relaxante, o dia seguinte é dedicado à aventura. Para chegar ao vulcão Arenal atravessa-se a cidade de El Fortuna, um pitoresco local e zona turística que alberga dezenas de hotéis e restaurantes. Sendo o Vulcão Arenal uma das principais atracções turísticas do país, é fácil perceber que El Fortuna se tornou um dos centros turísticos mais importantes da Costa Rica. Coberto pelo nevoeiro, o Vulcão Arenal não se deixou ver durante a nossa estadia, podemos apenas imaginar o seu esplendor. Na região é possível fazer diversas actividades desde caminhadas, passeios a cavalo ou, para os mais aventureiros, visitar um dos parques de aventura. O Sky Adventures Park proporciona diversas aventuras no meio da floresta tropical, com as suas pontes suspensas, tirolesas e teleféricos. O melhor é reservar uma manhã para a aventura no parque. O que não se pode mesmo perder é a visita à Catarata Rio Fortuna. Localizada numa reserva biológica com uma área de 210 hectares de floresta húmida que integram o Parque Nacional do Vulcão Arenal, para observar esta cascata de 70 metros de altura, o visitante terá que descer 530 degraus. Quando chegar lá baixo vai ficar sem fôlego, não só pela quantidade de degraus mas pela imagem que é de cortar a respiração. Se o tempo o permitir ainda pode dar um mergulho.

Guanacaste e as Praias
É tempo de abandonar a província de Alajulela, onde fica situado o vulcão Arenal, e seguir caminho para a província de Guanacaste, cuja capital é Liberia. A Costa Rica tem sete províncias (aquilo a que chamamos distritos em Portugal): San José, Limon, Heredia, Cartago, Alajuela, Guanacaste e Puntarenas. Estas duas, situadas na zona da costa pacífico da Costa Rica, ficaram para a segunda parte da viagem que começa agora.
Guanacaste é a zona mais seca do país, por isso não foi de estranhar que encontrássemos uma vegetação bem diferente da que tínhamos visto até aqui e o tempo, esse, melhorou substancialmente. Menos exuberante, mais tropical seca, Guanascaste é um destino turístico por excelência com as suas mais de 100 praias. Mas já lá vamos, porque Guanacaste não tem só praias como cartão-de-visita. É nesta província que fica o Parque Nacional Vulcão Ricón de la Vieja, dividido em dois sectores: Santa Maria e Pailas. Localizada junto ao Parque, a Fazenda Guachepilin é o local de partida para explorar este destino. Há várias opções, desde actividades de aventura, passeios na Natureza, passeios a cavalo, de bicicleta ou usufruir das termas. O passeio a cavalo foi a opção escolhida e durou cerca de uma hora até à zona vulcânica. Acompanhado de dois guias, o passeio por entre a floresta é agradável e sem grandes sobressaltos. Depois do almoço, e de forma a retemperar forças, as Termas Rio Negro são a próxima visita. Rodeadas por uma densa floresta tropical seca, as Termas Rio Negro ainda fazem parte do complexo da Fazenda Gauchepilin. As piscinas termais foram construídas nas margens do rio e estão ligadas através de pontes suspensas. A grande atracção deste local são os banhos de lama. Quem lá chega improvisa um tratamento à base de lama vulcânica. Com um pincel cobre o corpo e deixa secar. Uma vez a lama seca, é hora de um banho de água fria seguido imediatamente de um mergulho nas piscinas de águas quentes termais. Há vestiários na entrada das termas, a partir daí são 350 metros ao longo de um caminho na floresta até chegar às fontes termais. Depois do “spa” é tempo de seguir viagem até à costa, para pernoitar pela primeira vez num resort, na verdadeira assunção da palavra.
Guanacaste é a única província onde se encontram hotéis resort de grande dimensão junto às praias. No resto das províncias, encontram-se hotéis mais pequenos e lodges. O Riu Guanacaste, um complexo de cinco estrelas tudo incluído, situado na linha da costa na praia Mata Palo, é um bom exemplo.

Se for caso de escolher este hotel, os clientes podem avistar de manhã bem cedo pelo menos uma das quatros espécies de macacos existente na Costa Rica, os macacos de cara branca. Na verdade, é mais do que avistar, os macacos estão habituados ao contacto humano na praia e vão em busca de comida. Mas atenção, a Costa Rica é altamente rigorosa com a protecção do ambiente e da vida selvagem, não sendo aconselhável de todo que alimente animais selvagens. Tamarindo é o destino que segue, ainda na província de Guanacaste. Pequeno paraíso para surfistas e para, dizem, os mochileiros. Na realidade, é um típico destino de praia com hotéis para todos os bolsos, lojas e restaurantes. A praia é idílica, sobretudo ao fim do dia, para avistar o pôr-do-sol.

Puntarenas e Parque Manuel António
A última província a visitar nesta viagem é Puntarenas, a maior do país. Com uma zona costeira grande, uma das principais actividades económicas da região é a pesca (marisco e atum, sobretudo), possuindo um dos portos de mercadorias e cruzeiros mais relevantes do destino. No caminho para chegar a Puntarenas dá-se a passagem pela ponte Amistad de Taiwan, que atravessa o rio Tempisque. A ponte foi financiada e projectada por Taiwan, assumindo particular importância para a província de Guanacaste por facilitar o acesso à capital San José. Mas o dado curioso sobre esta ponte é que passou a ser vulgarmente chamada de Puente de la Apuñalada, já que o ex-presidente da Costa Rica, Óscar Arias, cortou as relações com Taiwan a favor da China. Voltando à estrada, Tárcoles é a próxima paragem, uma paragem muito curta e somente para tirar fotos aos crocodilos que estão debaixo da ponte. É a grande vantagem de fazer 1500 quilómetros de estrada, há sempre uma paragem mais ou menos inesperada para tirar fotos aos animais. Neste caso, já contávamos, uma vez que o guia havia prometido.

O destino final é Quebos, pequena localidade costeira de Puntarenas cuja principal atracção é o Parque Manuel António, actualmente o local mais visitado do país. Quebos foi o primeiro porto marítimo do lado Pacífico da Costa Rica, criado para os americanos exportarem bananas. A pequena cidade ficou conhecida por ser a porta de entrada do Parque Manuel António. Na zona há pequenos boutique hotéis, como aquele em que ficámos, o Parador Resort & Spa, que além de charmoso e com personalidade, tem a grande vantagem de ficar a poucos minutos a pé de uma praia paradisíaca, a praia Bisanz, que naquele fim de tarde foi o melhor que nos podia acontecer. Se na sua cabeça a imagem que tem da Costa Rica são as praias de areia branca e vegetação exuberante, então é disto que escrevo. Este roteiro foi uma viagem em crescendo, com o ponto alto guardado para o dia seguinte: o Parque Manuel António. Criado em 1973, estende-se por uma área de dois mil hectares, onde se encontra floresta húmida e praias de areia branca. Se à flora exuberante juntarmos uma fauna diversificada, que inclui desde os peresozos (preguiças) até aos monos congo, carablanca e titi (três espécies de macacos), iguanas, borboletas, rãs e guaxinins, Manuel António incorpora aquilo que a Costa Rica tem de melhor, a Natureza no seu esplendor. Depois de um passeio na floresta, nada melhor do que mergulhar nas águas quentes da praia Manuel António enquanto desfruta da paisagem. Por ser o local mais visitado do país, o melhor é chegar cedo. O parque abre às 7h00 e fecha às 16h00. Chegámos cedo e o parque estava praticamente vazio, fomos os primeiros a mergulhar na praia. Às 10h, hora em que saímos, já havia uma fila considerável, o que me levou a pensar que aquele amanhecer cedo foi o amanhecer mais recompensador dos últimos tempos. Aliás, toda a viagem.

*A jornalista viajou a convite da Jolidey.
Reportagem publicada na edição 1362 do Publituris.

 

Sobre o autorCarina Monteiro

Carina Monteiro

Mais artigos
Artigos relacionados
Marca NH Collection celebra os 10 anos em cinco hotéis na Europa incluindo Lisboa
Hotelaria
Operadores turísticos promovem campanha para assinalar o Dia Nacional do Agente de Viagens
Distribuição
Coimbra: Projeto de turismo sustentável tem apoio de 4,9M€ da Comissão Europeia
Destinos
APG-IET integra Volotea
Aviação
AirHelp antecipa panorama dos voos em Portugal no verão
Transportes
Vamos Portugal chega ao mercado nacional do renting
Transportes
Praga continua entre os destinos de MICE mais procurados do mundo
Meeting Industry
Governo alivia restrições impostas ao consumo de água no Algarve devido à seca
Destinos
Propósito da taxa de entrada em Veneza é um fracasso porque número de turistas aumentou
Destinos
Suíça pondera taxas de entrada em locais turísticos populares
Destinos
PUB
Distribuição

Soltour Travel Partners quer oferecer em Portugal muito mais que destinos de Sol & Praia

Também em Portugal, o objetivo da Soltour Travel Partners “é proporcionar às agências de viagens um portefólio mais amplo e não só de destinos de Sol & Praia que caracterizam o operador turístico”, declarou ao Publituris, o delegado da empresa no nosso país, Luís Alexandrino. E acrescentou que “com a Soltour Travel Partners, as agências de viagens vão poder beneficiar de um conjunto de soluções que será muito interessante tendo em conta os novos partners já anunciados.

Após um ano de 2022 considerado positivo, destacando-se os destinos das Baleares e Canárias, o delegado da Soltour Travel Partners em Portugal, Luís Alexandrino declarou ao Publituris que, “em 2023 esperamos superar os números de 2019, crescer e oferecer um portefólio completo de serviços aos nossos clientes, que são agências de viagens”.

O responsável avançou que “já temos toda a programação charter delineada e se consideramos os acordos que a Soltour Travel Partners, tem vindo a anunciar com os novos partners é um compromisso verdadeiramente ambicioso na operação turística”.

O que não se sabe, disse, “é como a venda se vai comportar face à escalada do custo de vida, e também não podemos ignorar que temos uma guerra na Europa, fatores estes que poderão condicionar a procura de viagens”.

Luís Alexandrino explica que depois de dois anos limitados pela pandemia, 2022, “foi o ano que nos permitiu fazer uma aposta mais ambiciosa nas operações das ilhas espanholas que foi um verdadeiro êxito. Tanto Maiorca como Menorca, houve necessidade de reforçar a operação dada a elevada procura. Operamos praticamente um charter diário, entre Porto e Lisboa”.

No que se refere ao longo curso, designadamente, Caraíbas, o delegado no nosso país do operador turístico de origem espanhola destacou que “primamos pela rentabilidade e não pela cota de mercado. Oferecemos às agências de viagens o preço justo e real que lhes permitiu obter mais benefício em comprar o produto Soltour tendo em conta o preço médio praticado”.

Operação de verão com novidades
Para este verão, a programação da Soltour à partida de Portugal é vasta e traz algumas novidades. Segundo Luís Alexandrino “retomamos a operação charter em voo direto de Lisboa para Samaná com a companhia  World2Fly, todas as sextas-feiras de 30 de junho a 08 de setembro, será um destino exclusivo Soltour”. Conta ainda que, como estreia, “temos o destino de Albânia com companhia Air Albânia onde operaremos de Lisboa e Porto, uma frequência semanal aos domingos de 25 de junho a 10 de setembro. Também retomamos a operação de Almeria do Porto às quartas-feiras de 01 de julho a 10 de setembro”.

Em relação às ilhas espanholas, entre Lisboa e Porto, “iremos operar com companhia Air Nostrum/Air Horizont as seguintes frequências:  Maiorca, contamos com nove frequências semanais; Menorca, com sete frequências semanais, Ibiza, três frequências semanais; Tenerife quatro frequências semanais e uma frequência semanal para destino Gran Canária, Lanzarote e Fuerteventura”.

Em 2023 esperamos superar os números de 2019, crescer e oferecer um portefólio completo de serviços aos nossos clientes, que são agências de viagens”

E há mais: O destino de Cabo Verde, será operado pela companhia Smartwings, para ilha do Sal de Lisboa e Porto às quartas-feiras de 28 de junho a 12 setembro e a Ilha da Boa Vista do Porto às terças-feiras de 27 de junho a 12 de setembro, enquanto o destino de Saidia será operado com três frequências semanais com a companhia Air Nostrum de Lisboa e Porto com início a 4 de junho a 24 de setembro.

Em relação às Caraíbas, “temos a operação exclusiva de Samaná de Lisboa e os destinos de Punta Cana e Riveira Maya de Lisboa e Porto, bem como Varadero de Lisboa com a transportadora aérea Wold2fly (partilhado) a partir de abril até final de outubro”, destacou ainda o responsável.

No entanto, a Soltour oferece ao mercado uma programação que se desenrola durante todo o ano. Neste caso, conforme sublinhou Luís Alexandrino, estão “os destinos das Caraíbas à partida de Lisboa e Porto com charter, e regular via Madrid. Contamos também com as cinco frequências semanais de Lisboa para Cancun em voo direto da TAP, onde temos lugares em garantia”.

Entre os destinos mais procurados pelo mercado português constam as ilhas espanholas. O delegado da Soltour em Portugal dá conta que “entre Baleares e Canárias, transportamos aproximadamente 30 mil passageiros. É certo que ainda não atingimos os números de pré pandemia, mas temos como objetivo este verão superar os números de 2019”.

Novas parcerias beneficiam Portugal
Se a empresa em Portugal vai beneficiar das novas parcerias recentemente anunciadas pela Soltour Travel Partners, Luís Alexandrino realça que “em 2021 anunciamos o partner  Smytravel que pelas razões conhecidas deixou de fazer parte da Soltour Travel Partners, onde os resultados foram francamente positivos. Agora a estratégia é dar continuidade ao projeto Soltour Travel Partners e como foi recentemente anunciado contamos com a Guest Incoming, WebBeds, Europamundo e Luxtours”.

Assegurou que a Soltour vai passar a oferecer ao mercado português todo esse conjunto de novo produtos. “O objetivo é proporcionar às agências de viagens um portefólio mais amplo e não só de destinos de Sol & Praia que caracterizam a Soltour. Com a Soltour Travel Partners, as agências de viagens vão poder beneficiar de um conjunto de soluções que será muito interessante tendo em conta os novos partners já anunciados”.

Da mesma forma, a nova linha de negócio das costas espanhola e Algarve “vai-nos permitir crescer substancialmente o produto de só hotel nas Costas espanholas e Algarve e oferecer as agências de viagens um produto mais amplo e competitivo”, concluiu.

Acordos e alianças com diferentes parceiros do setor

Durante os últimos meses do ano passado, a Soltour Travel Partners dedicou grande parte dos seus esforços à assinatura de novos acordos e alianças com diferentes parceiros do setor, a fim de oferecer os melhores produtos e serviços às agências de viagens. Com estas alianças, a empresa alargou o seu catálogo de produtos e melhorou a qualidade dos mesmos.
Com a WebBeds, última das parcerias que, desde o ano passado têm sido anunciadas pela Soltour Travel Partners, prevê a criação de um fornecedor de alojamentos com o objetivo de proporcionar uma maior cobertura de hotéis a todas as agências.
Com este acordo, a Soltour considera que aumentará exponencialmente a sua capacidade comercial para oferecer uma vasta gama de hotéis a partir de 2023.
De referir que a WebBeds é um dos principais fornecedores mundiais de serviços de alojamento e distribuição de produtos terrestres para a indústria de viagens, diferenciando-se pela escala global.
A empresa fornece serviços B2B através de mais de 430 mil hotéis distribuídos por todo o mundo, em mais de 16 mil destinos. Desta forma, a WebBeds tem contratos diretos com mais de 31 mil hotéis independentes e mais de 62 mil hotéis que fazem parte de cadeias globais. Trabalha atualmente com mais de 44 mil clientes e mais de 1.500 profissionais de viagens em mais de 50 países do mundo inteiro.
Pouco antes, e com vista a diversificar ainda mais a sua oferta de destinos, proporcionando maior competitividade às agências de viagens com as quais trabalha, a Soltour Travel Partners tinha anunciado a sua associação à Luxotour, operador de viagens com mais de 40 anos de experiência especializado em Marrocos, mas que trabalha outros destinos em vários continentes, como Egito,
Jordânia, Israel, Turquia, Cabo Verde, Senegal, Maldivas, Peru, Argentina e Canadá, entre outros, e tem a sua própria DMC em Marrocos e Tunísia.
Criada em 1980, a Luxotour disponibiliza programas turísticos completos com circuitos, estadias com voos, transferes, excursões e todo o tipo de produtos para mais de 100 destinos diferentes. Conta ainda com um departamento para grandes viagens, um para grupos e um terceiro para viagens de incentivos, disponibilizando os seus produtos exclusivamente através de agências de viagens.
Com a Europamundo, a empresa aliou-se para promover as viagens em circuitos internacionais. A Europamundo, que faz parte do Grupo JTB, fundado no Japão há mais de 110 anos, tem circuitos próprios em todos os continentes, exceto na Antártida, com 1.972 tours diferentes em 2022, 142 mil passageiros por ano (provenientes de 83 países) e 1.200 pontos de venda na Península Ibérica, permitindo aos viajantes descobrir a essência e a cultura de cada lugar de uma forma mais pessoal e exclusiva.
Este operador de circuitos internacionais se caracteriza por oferecer produtos flexíveis com viagens de três a 36 dias, dependendo das preferências de cada viajante, recorrendo à sua própria tecnologia que tem sido remodelada e melhorada ao longo dos anos.
Da mesma forma, a Soltour Travel Partners estabeleceu uma parceria com a Guest Incoming para lançar uma nova linha de negócios costeira especializada em sol e praia, que inclui as costas espanholas e o Algarve. A agência de viagens para o Mediterrâneo, que conta com contratação direta de cerca de dois mil hotéis, é considerada líder em serviços e novas tecnologias.
Costa Brava e Costa de Barcelona, assim como Costa Dorada, Costa Blanca (Benidorm-Gandia), Murcia, Costa del Sol (Torremolinos, Benalmadena, Fuengirola), Costa de la Luz (Matalascañas) e o Algarve são as zonas incluídas na nova linha de negócio. Na sequência do acordo com a DMC nasce o Soltour powered by Guest Incoming.

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
Turismo

Nova Edição: O balanço de 2022 e as perspectivas para 2023 no turismo, os segredos da Allways, autocaravanismo e dossier tecnologia

A primeira edição de 2023 do Publituris tem com tema principal o balanço de 2022 e as perspectivas para 2023 feitas por alguns ‘stakeholders’ do setor do turismo. Além disso, a edição revela os segredos do “luxury” da Allways Unique Travel Designers, o segmento do autocaravanismo e um dossier sobre tecnologia no turismo.

Publituris

A primeira edição do jornal Publituris faz capa com um balanço de 2022 e as perspectivas para o ano que agora se inicia. Para o efeito, o jornal Publituris ouviu vários intervenientes do setor que antecipam um ano incerto em, por isso, com um otimismo moderado.

A crescente inflação, subida das taxas de juros, menor rendimento disponível por parte das famílias, além da guerra na Ucrânia foram os problemas mais apontados por Francisco Calheiros (CTP), João Fernandes (Turismo do Algarve), Pedro Machado (Turismo do Centro), António Marques Vidal (APECATE), Luís Araújo (Turismo de Portugal), Berta Cabral (Turismo dos Açores), Vítor Costa (Turismo de Lisboa), Eduardo Jesus (Turismo da Madeira), Vítor Silva (Turismo do Alentejo), Eduardo Santander (ETC), Julia Simpson (WTTC), Pedro Costa Ferreira (APAVT), Adriano Portugal (Mercado das Viagens), Álvaro Vilhena (Viajar Tours), Luís Henriques (Airmet), Tiago Encarnação (Lusanova), Amaro Correia (Iberobus), Eduardo Cabrita (MSC Cruzeiros), Paulo Pinto (Europcar), Francisco Teixeira (Melair Cruzeiros), Joaquim Robalo de Almeida (ARAC), José Lopes (easyJet), Marie-Caroline Laurent (CLIA) e Paulo Geisler (RENA).

Na “Distribuição”, damos a conhecer (alguns) segredos da Allways Unique Travel Designers, uma marca do grupo Travelstore, que atua no segmento “luxury”.

O dossier desta edição é dedicado à Tecnologia. Tendo a pandemia realçado a relevância da tecnologia e digitalização para a recuperação e o avanço da indústria das viagens, esta veio demonstrar a necessidade de acelerar os processos.

Além de ouvidas várias opiniões de quem está no terreno, também damos a conhecer algumas das soluções implementadas pela HiJiffy, Paraty Tech, Amadeus, Mastercard, Travelport, Roiback, Google, Optigest, XLR8RM, CLEVER/HOST e Vasco.

Para fechar, fazemos uma análise ao mercado do autocaravanismo que, depois de ter sido um dos segmentos turísticos com maior aumento de procura durante a pandemia, continua em alta e revela expectativas positivas para o futuro.

Além do Check-in, as opiniões pertencem a Jaime Quesado (economista e gestor), Dana Dunne (eDreams ODIGEO) e António Paquete (economista e consultor de empresas).

Boas leituras!

A versão completa desta edição é exclusiva para subscritores do Publituris. Pode comprar apenas esta edição ou efetuar uma assinatura do Publituris aqui obtendo o acesso imediato.

Para mais informações contacte: Carmo David | [email protected] | 215 825 43

Nota: Se já é subscritor do Publituris entre no site com o seu Login de assinante, dirija-se à secção Premium – Edição Digital e escolha a edição que deseja ler, abra o epaper com os dados de acesso indicados no final do resumo de cada edição.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Figuras

W Algarve contrata novo diretor de marketing e comunicação

Henrique Pires é a nova aposta do W Algarve para dirigir o departamento de marketing e comunicação da unidade hoteleira, como anunciado em comunicado.

Publituris

Com 11 anos de experiência no setor hoteleiro, o profissional setubalense começou o seu percurso profissional no Pine Cliffs Hotel, passou pelo Waldorf Astoria Ras Al Khaimah e fez carreira na cadeia Minor Hotels, onde foi responsável pelas áreas do marketing e comunicação dos Anantara Hotels & Resorts e dos Tivoli Hotels & Resorts, em Portugal.

Chega agora ao recém-aberto W Algarve, onde irá desempenhar funções como diretor de marketing e comunicação.

“Estou muito contente e entusiasmado por me juntar à fantástica equipa do W Algarve e abraçar este novo desafio. É um grande orgulho para mim trazer as minhas ideias e visão para um hotel que abriu há cerca de meio ano e que já conquistou tanto terreno na região”, garante Henrique Pires.

O W Algarve marca o primeiro Hotel da marca W a abrir em Portugal. Situado no topo das icónicas falésias do sul de Portugal, o recém-aberto W Algarve junta-se à família de W Escapes, oferecendo “uma mistura de descontração à beira-mar com uma energia exuberante”, como referido em comunicado.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Homepage

Grupo Onyria duplamente nomeado nos European Excellence Awards 2022

O Grupo Onyria está duplamente nomeado para os European Excellence Awards 2022, onde está a concorrer em shortlist nas categorias Travel & Tourism e Internal Communications.

Publituris

O Onyria, grupo de gestão hoteleira com mais de 30 anos, detém o hotel de cinco estrelas Onyria Quinta da Marinha, onde foi desenvolvido o projeto de comunicação interna “Trading Places” (Inverter os papéis) – que valeu as duas nomeações do grupo para este concurso.

O projeto consistiu na ideia de inverter os papéis dos colaboradores do Onyria Quinta da Marinha Hotel, tornando-os hóspedes por um dia.

A iniciativa surgiu no seguimento dos dois anos de pandemia, como forma de compensar a resiliência da equipa. Os colaboradores “transformaram-se em clientes de luxo e carregaram energias para o verão de 2022, o momento de regresso à normalidade”, como o grupo indica em comunicado.

“Não há sucesso em hotelaria sem talento humano e esta foi uma forma de celebrarmos o nosso talento, numa altura decisiva para o turismo em Portugal. Estas nomeações são muito positivas porque vêm demonstrar o nosso empenho para fazer um trabalho de excelência, não só de forma externa, como interna”, afirma o diretor do Onyria Quinta da Marinha Hotel, João Pinto Coelho.

Os vencedores serão conhecidos a 9 de dezembro.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Sem categoria

O futuro das acessibilidades em debate no Congresso da AHRESP

O futuro do aeroporto, não só de Lisboa como das restantes vias aéreas portuguesas, marcou a sessão paralela, onde ainda houve tempo para falar das questões da ferrovia nacional e os problemas de ligação a Espanha.

Carla Nunes

O futuro das acessibilidades em Portugal esteve em debate numa das sessões paralelas do Congresso da AHRESP, que começou esta sexta-feira, 14 de outubro, no Convento de São Francisco, em Coimbra.

A sessão começou com um aviso por parte de Francisco Calheiros, presidente da Confederação do Turismo de Portugal (CTP): “Se não tivermos rapidamente infraestruturas de mobilidade que respondam às necessidades das pessoas, principalmente um novo aeroporto, mais moderno e em condições de receber mais volume [de pessoas], podemos mais tarde ou mais cedo começar a perder turistas para outros destinos”.

Num discurso pautado pela necessidade de que “não podemos perder mais tempo” em relação ao futuro do aeroporto de Lisboa, Francisco Calheiros coloca os números em cima da mesa.

“Não canso de o dizer: segundo um estudo apresentado pela CTP, a não decisão sobre o novo aeroporto terá no mínimo um custo de quase sete mil milhões euros, menos 28 mil empregos e uma perda de receita fiscal de 2 mil milhões por ano”, frisa.

Os intervenientes da sessão, que contou com a participação de Eugénio Fernandes, CEO da euroAtlantic Airways, José Luís Arnaut, presidente do Conselho de Administração da ANA – Aeroportos de Portugal e Pedro Costa Ferreira, presidente da APAVT procederam desta forma a debater as várias possibilidades para o aeroporto, com Luís Arnaut a referir-se em tom jocoso à procura de localização de aeroportos como “um desporto nacional”.

Para Pedro Costa Ferreira, “uma das poucas cosias que nos aproxima da realidade” passa pela realização de obras no aeroporto da Portela, por considerar que “nesta década não vamos ter solução”.

Lembra ainda que “as acessibilidades aéreas não são só em Lisboa”, reportando-se aos aeroportos de Porto Santo – que afirma não ter condições e precisar de obras – e o da Madeira, “com restrição de operacionais que foram definidas em 1964”.

“A tecnologia melhorou no âmbito da pista [do aeroporto da Madeira], a pista foi aumentada, melhorou nos aviões, melhorou na formação, [mas] mantém-se os mesmos limites, e julgo que é o único aeroporto internacional no mundo em que os limites não são recomendatórios, mas são mandatários. Ninguém toca nisto, e isto fere a região”, explica.

Quanto à solução de aproveitar a infraestrutura de Beja, Eugénio Fernandes lembra que esta “peca por pequenas coisas: não tem abastecimento de combustível, fecha ao fim de semana, não tem serviço 24 horas e se quisermos aterrar passageiros que não são do espaço Schegen, não há SEF”.

Por essa razão, e dada a logística adicional desta opção, o CEO da euroAtlantic Airways defende que “o que for mais rápido é o melhor” – neste caso, “do ponto de vista teórico e sonhador”, uma solução rápida de Portela +1, que sabe “que agora não será possível, estamos num contexto diferente”.

Quanto à opção de Santarém, Pedro Costa Ferreira é taxativo ao assegurar que esta representa “mais 24 anos de diálogo”.

“Se estivermos à procura de uma decisão que não tenha vozes contrárias, não vamos ter mais aviões em Portugal. Fazer políticas é fazer escolhas. Assusta-me que seja necessário um consenso para o aeroporto”, declara.

“O fenómeno do entroncamento”

E porque, como Pedro Costa Ferreira lembra, “os problemas das acessibilidades não são só aéreas” a ferrovia também foi discutida na sessão, tendo sido caracterizada pelo presidente da APAVT como o “fenómeno do entroncamento” dadas as 8h40 necessárias para chegar de Lisboa a Madrid – incluindo, também, uma passagem pelo Entroncamento.

Afirma ainda que “do ponto de vista de sustentabilidade, os voos de curta duração vão ser muito atacados” e que nos encontramos “muito dependentes dos voos curtos nalguns mercados muito importantes para [o país]”. Aliás, José Luís Arnaut precisa que 94% dos turistas que visitam Portugal vêm de avião.

“Somos um país periférico, é obvio que temos de fazer um trabalho grande e estamos atrasados décadas na ligação com comboios rápidos com Espanha”, afirma Arnaut.

A encerrar o tema da ferrovia, Eugénio Fernandes acredita que “se houver uma conectividade grande a Madrid, e uma conectividade boa internamente, vamos conseguir desenvolver muito o turismo e o Interior”.

Numa nota final, reportando-se ao tema do congresso, Francisco Calheiros defende que esta não é “uma questão nem de utopia, nem de sobrevivência, é sim uma necessidade cada vez mais atual que as empresas devem ter em conta”.

“Continuamos a viver tempos desafiantes. O turismo, porém, continua resiliente. É praticamente unânime que se não fossem as receitas do turismo a receita seria muito menor”, termina o presidente da CTP.

Sobre o autorCarla Nunes

Carla Nunes

Mais artigos
AHRESP
Homepage

AHRESP revela programa do próximo congresso em Coimbra

O congresso terá cerca de 60 oradores, 12 sessões paralelas e cinco workshops de parceiros, além de duas sessões plenárias.

Carla Nunes

O próximo Congresso da Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP), que decorre de 14 a 15 de outubro no Convento de São Francisco, em Coimbra, já tem um pré-programa definido.

Sob o tema, “Sustentabilidade: utopia ou sobrevivência?”, o congresso terá cerca de 60 oradores, 12 sessões paralelas e cinco workshops de parceiros, além de duas sessões plenárias.

A primeira sessão plenária, a cargo de Luís Marques Mendes, abre com o tema “Que conjuntura política e social teremos em 2023?”. Já a segunda sessão plenária vai consistir numa conversa entre a ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, com as jornalistas Rosário Lira e Rosália Amorim, que serão também moderadoras em várias sessões paralelas.

De destacar ainda a sessão de abertura, que conta com a presença de Carlos Moura, presidente da direção da AHRESP, Pedro Machado, presidente da Turismo do Centro de Portugal, António Costa e Silva, ministro da Economia e do presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa. A sessão de encerramento, onde serão lidas as conclusões do congresso, ficará a cargo da Secretária de Estado do Turismo, Congresso e Serviços, Rita Marques.

Ao longo dos dois dias de congresso, as sessões paralelas tratarão temas como o futuro das acessibilidades em Portugal, a sustentabilidade económica e ambiental, a influência do digital na vida das empresas, entre outros assuntos, que podem ser consultados no programa disponível no website da AHRESP.

“O Congresso AHRESP surge no momento em que a recessão bate à porta da Europa, o que pode não deixar ninguém imune – nenhum país e nenhuma atividade – nem mesmo aquela que teve indesmentível recuperação no verão, mas insuficiente para fazer face aos desafios que se colocam à economia nacional como um todo e, em casos muito concretos, aos diversos setores da atividade turística”, refere a associação em comunicado.

Sobre o autorCarla Nunes

Carla Nunes

Mais artigos
Hospitality Talks
Homepage

“Hospitality Talks” reúnem hoteleiros e empresas tecnológicas para mitigar escassez de mão-de-obra no setor

A iniciativa conjunta da HiJiffy, RM hub, Climber RMS e OTA Insight vai juntar “cerca de uma centena de gestores hoteleiros”.

Publituris

A 11 e 13 de outubro, em Lisboa e Porto, respetivamente, hoteleiros e especialistas em tecnologia vão reunir-se nas “Hospitality Talks” para discutir formas de mitigar a falta de trabalhadores no setor.

A iniciativa conjunta da HiJiffy, RM hub, Climber RMS e OTA Insight vai juntar “cerca de uma centena de gestores hoteleiros” com o objetivo de identificar “os contextos em que a adoção de soluções tecnológicas e de revenue management podem funcionar como um trunfo na mitigação desta problemática”, indica a HiJify em comunicado.

As conclusões das Hospitality Talks serão incluídas num plano estratégico, “posteriormente disponibilizado aos diferentes stakeholders”, desde players da indústria, até decisores políticos. O intuito passa por “catalisar um compromisso conjunto no sentido de converter Portugal num exemplo de sucesso a nível a europeu”.

“É fundamental esclarecer que a adoção de soluções tecnológicas não visa eliminar a componente humana, muito pelo contrário. O objetivo passa antes por automatizar tarefas repetitivas e de baixo valor acrescentado, maximizando a eficiência de processos”, sublinha Tiago Araújo, CEO da HiJiffy, no respetivo comunicado.

A mesma mensagem é reforçada pelo CEO da RM Hub, Rudi Azevedo, que explica que “a tecnologia permite que as empresas possam canalizar esforços para as áreas operacionais, podendo desta forma direcionar o seu esforço para melhorar a experiência do cliente externo e interno”.

Evento limitado a 50 participantes por edição

Os hoteleiros interessados em fazer parte das Hospitality Talks devem formalizar a inscrição gratuita na edição de Lisboa, que terá lugar a 11 de Outubro, no NEYA Lisboa Hotel, às 9h00, através deste link.

Por sua vez, os interessados em participar na edição do Porto, que decorre a 13 de outubro no Selina Navis Cowork, às 14h00, poderão fazê-lo gratuitamente através deste link.

O evento será limitado a 50 participantes, “por forma a assegurar um envolvimento ativo de todos os presentes”. No entanto, a HiJiffy sublinha que ainda existem vagas disponíveis.

Além das conclusões resultantes dos diferentes painéis de discussão, os hoteleiros serão também chamados a participar num inquérito final. Todos os insights serão depois plasmados num documento que visa funcionar como um plano estratégico.

“Com a iniciativa ‘Hospitality Talks’ procuramos trazer não só os dados e tendências mais relevantes e atuais do mercado hoteleiro, mas também partilhar dicas de como trabalhar com a falta de staff e manter uma estratégia de sucesso”, remata Joanna Tomaszkiewicz, responsável da OTA Insight.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Hotel Vila Raia
Alojamento

Idanha-a-Nova recebe nova unidade de três estrelas

O verão é visto pelo General Manager do Hotel Vila Raia como “a época de eleição para atrair clientes”, devido aos atrativos da zona.

Carla Nunes

A zona da Raia acabou de ganhar mais quartos com a abertura do Hotel Vila Raia, em Idanha-a-Nova, Castelo Branco. A unidade de três estrelas acrescenta assim 26 quartos à região, num investimento que já superou um milhão de euros.

Os quartos, todos com twin bed, “seguem um modelo muito utilizado em Espanha, podendo-se juntar as camas sempre que o cliente desejar”, como explica Jorge Humberto, General Manager do Hotel Vila Raia.

Ao alojamento juntam-se valências como uma piscina exterior, sauna e jacuzzi, bem como uma sala de reuniões e estacionamento próprio. O edifício da unidade encontrava-se fechado há oito anos, pelo que foi necessário proceder a restauros, pinturas e à impermeabilização da piscina, de acordo com o General Manager.

O responsável aponta que esta unidade “será mais procurada pelo cliente que  quer fugir da agitação das grandes cidades e procura um sítio calmo e sossegado para carregar baterias”. O verão é visto como “a época de eleição para atrair clientes”, dados os atrativos da zona.

“Temos praias fluviais, aldeias históricas e boa gastronomia perto do hotel. Estamos inseridos numa região rica em eventos e que atraem muita gente de fora”, justifica Jorge Humberto.

Por se tratar de um novo hotel, o responsável afirma que não têm “qualquer historial em que possamos basear a nossa perspetiva [de reservas futuras]”. No entanto, mantém-se otimistas, dadas as reservas realizadas “na primeira e segunda semana de abertura e para a última semana de setembro”.

Sobre o autorCarla Nunes

Carla Nunes

Mais artigos
Homepage

Carrís Porto Ribeira contrata Simão Cruz para direção de vendas

O profissional conta com várias experiências na vertente hoteleira, somando passagens pelo Grupo Tivoli e pela Blue & Green Hotels.

Publituris

A Carrís Hoteles contratou Simão Cruz para assumir o cargo de diretor de vendas do Carrís Porto Ribeira.

O profissional conta com várias experiências na vertente hoteleira, somando passagens pelo Grupo Tivoli, onde assumiu funções de Corporate Account Manager, e pela Blue & Green Hotels, onde desempenhou o cargo de Iberian Market Manager em todas as vertentes de negócio – Corporate, MICE e Leisure. Posteriormente, Simão Cruz foi responsável pela planificação e reposicionamento do Santa Luzia ArtHotel, em Guimarães, enquanto Sales & Marketing Manager.

A Carrís Hoteles é uma cadeia hoteleira com unidades hoteleiras distribuídas pela Galiza e o Norte de Portugal. Atualmente, dispõe de seis hotéis localizados no Porto (Carrís Porto Ribeira), A Coruña (Carrís Marineda), Ferrol (Carrís Almirante), Santiago de Compostela (Carrís Casa de la Troya e Monte do Gozo) e Ourense (Carrís Cardenal Quevedo).

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Figuras

Marta Paixão assume funções como Events Manager no Lisbon Marriott Hotel

A profissional iniciou a sua carreira como Groups & Events Coordinator / MICE no Sana Metropolitan Hotel, em 2014.

Publituris

O Lisbon Marriott Hotel contratou Marta Paixão para ocupar o cargo de Events Manager na unidade.

Licenciada em Direção e Gestão Hoteleira no ESHTE – Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril, bem como mestranda em Ciências Empresariais pelo Instituto Superior de Economia e Gestão em Lisboa (ISEG-UTL), a profissional iniciou a sua carreira como Groups & Events Coordinator / MICE no Sana Metropolitan Hotel, em 2014.

Posteriormente, desempenhou funções como Groups & Events Coordinator na Continental Hotels Portugal, em 2016.

“É com imenso entusiasmo que abraço este novo desafio. Ingressar na Marriott International, a maior cadeia hoteleira a nível mundial, é de facto uma realização profissional. O nosso compromisso será, em conjunto com as equipas operacionais, garantir que o sucesso dos eventos seja uma constante”, afirma Marta Paixão em comunicado.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.