Assine já
Aviação

APAVT condena greve de pilotos da TAP

Para Pedro Costa Ferreira, “está quebrada a confiança do mercado na TAP”.

Publituris
Aviação

APAVT condena greve de pilotos da TAP

Para Pedro Costa Ferreira, “está quebrada a confiança do mercado na TAP”.

Publituris
Sobre o autor
Publituris
Artigos relacionados

O responsável, que falava à agência Lusa, adiantou ainda que esta greve irá provocar “um esvaziamento de reservas” na companhia aérea, não só para o período da greve, como também nos meses seguintes.

O presidente da APAVT realça que “os agentes de viagens têm a obrigação de cuidar para que nada de mal aconteça aos seus clientes”, e que, enquanto se mantiver esta incerteza sobre a estabilidade laboral na companhia, as agências irão evitar marcar lugares na transportadora aérea portuguesa.

“Acompanhámos um processo similar há quatro meses e estávamos convencidos de que se tinha chegado a um acordo. Alguém andou a brincar connosco”, destacou Pedro Costa Ferreira, alertando que “se a TAP não aguentar, teremos um enorme tropeção no sector, no País e na economia”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Artigos relacionados
Alojamento

Hilton Porto Gaia eleito “Melhor Empreendimento Turístico” de 2021

Aberto desde o final de setembro, o cinco estrelas do centro histórico de Vila Nova de Gaia resulta de um investimento de mais de 40 milhões de euros.

Publituris

O Hilton Porto Gaia recebeu, recentemente, o prémio de “Melhor Empreendimento Turístico” de 2021, distinção atribuída durante a 14.ª edição dos Prémios CONSTRUIR (publicação do grupo Workmedia, detentor do Publituris), uma iniciativa que tem como objetivo reconhecer e homenagear os melhores projetos, empresas e instituições no setor da Construção.

O recém-inaugurado hotel de cinco estrelas do centro histórico de Vila Nova de Gaia foi distinguido na categoria de Imobiliário.

O Hilton Porto Gaia resulta de um acordo de franchising com a Sabersal – Promoção Turística e Imobiliária e de um investimento de mais de 40 milhões de euros. Depois de uma intensiva e cuidadosa obra de requalificação de antigos armazéns de Vinho do Porto, um trabalho desenvolvido pelo atelier de arquitetura ARQ 2525, liderado pelo experiente arquiteto Miguel Miranda, o hotel abriu as portas no final de setembro.

No total, o Hilton Porto Gaia ocupa uma área útil de cerca de 32 mil m2, divididos por oito pisos, e oferece 194 quartos e suites. Fazendo justiça à sua vocação para o segmento MICE, dedica ainda cerca de 2.200 m2 às salas de eventos e reuniões, com destaque para um “ballroom”, com capacidade total para cerca de 600 pessoas, e um auditório totalmente equipado.

Espaço ainda para um Wellness Center, com um total de 1.100 m2, um restaurante e dois bares. Toda a decoração é assinada pela premiada designer portuguesa Nini de Andrade Silva.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Meeting Industry

Edição presencial da ITB Berlim 2022 cancelada

Pelo segundo ano, a ITB Berlim só conhecerá uma versão online. Os crescentes casos de COVID-19, devido à nova variante Ómicron, levaram a organização do evento a cancelar a edição presencial de 2022.

Victor Jorge

A Messe Berlin, responsável pela organização da ITB Berlim, anunciou esta quinta-feira, 16 de dezembro, o cancelamento do evento presencial que se deveria realizar nos próximos dias 9 a 13 de março de 2022.

Em nota publicada no site, a organização refere que “a ITB Berlim 2022 não acontecerá como originalmente planeado”, avançando ainda que, “devido aos últimos desenvolvimentos a Messe Berlin não pode oferecer aos seus expositores e parceiros a certeza de planeamento necessária com a realização de uma ITB Berlim presencial no início de março”.

A situação atual com pandemia e a nova variante Ómicron, bem como as restrições de viagens mais rígidas e os limites impostos ao número de pessoas que podem participar de grandes eventos, levaram a Messe Berlin a dar esse passo.

“Fizemos todo o possível para que fosse possível realizar novamente a ITB Berlim como um evento presencial na capital alemã”, lê-se na nota.

A organização diz ainda que “todas as reservas de stands dos expositores principais para a ITB Berlim 2022 serão canceladas e as faturas de taxas já pagas serão reembolsadas”. Os pedidos de ingressos para expositores e visitantes comerciais também serão cancelados ou não serão faturados. Atualizações diárias sobre o novo conceito estarão disponíveis a partir de janeiro em itb.com.

Assim, o evento de 2022 será realizada de forma virtual, com transmissão, estando garantido o Digital Business Day.

“Em março de 2023, a ITB Berlin estará de volta com um evento presencial”, diz a organização, estando previsto o evento ser inaugurado a 8 de março no Berlin Exhibition Grounds.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Transportes

airBaltic vai abrir base operacional em Tampere

A airBaltic anunciou que irá abrir, em maio do próximo ano, uma nova base operacional na cidade finlandesa de Tampere, passando a oferecer seis novas ligações diretas, para além dos voos para Riga.

Publituris

A airBaltic vai abrir, e maio de 2022, uma nova base operacional em Tampere, passando a conectar a cidade finlandesa com seis novas ligações diretas, para além das operações que, há quase cinco anos, disponibiliza para Riga, na Letônia.

Em conferência de imprensa o CEO da transportadora aérea letã, Martin Gauss, referiu que “a nossa decisão de abrir uma nova base em Tampere mostra o nosso forte compromisso com esta cidade e oferecerá opções de viagem mais convenientes e acessíveis para muitos passageiros finlandeses”.

A partir de maio de 2022, a airBaltic realizará voos diretos de Tampere para Oslo (Noruega) e Copenhaga (Dinamarca), Frankfurt e Munique (ambos na Alemanha), além de destinos de sol e lazer como Málaga (Espanha) e Rodes (Grécia), a preços desde 49 euros (só ida).

Atualmente, a airBaltic oferece mais de 70 destinos diretos de Riga, Tallinn e Vilnius. Em setembro, lançou voos diretos de Riga para a Tenerife e Dubai.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Alojamento

Airbnb propõe regras comuns para combater especulação imobiliária na UE

A Airbnb propôs, esta quinta-feira, uma harmonização das regras comunitárias para facilitar aos cidadãos da União Europeia a partilha de casa própria, e permita aos governos lutar contra a especulação imobiliária.

Publituris

A Airbnb propôs esta quinta-feira uma harmonização das regras comunitárias para facilitar aos cidadãos da União Europeia (UE) a partilha de casa própria, ao mesmo tempo que permite aos governos lutar contra a especulação imobiliária.

Esta contribuição da Airbnb é uma resposta à consulta da Comissão Europeia sobre alugueres a curto prazo, na qual também se comprometeu a apoiar as autoridades na implementação desta proposta.

A proposta, segundo refere a Airbnb em comunicado, oferece uma solução para as atuais regras desatualizadas e fragmentadas que existem em grande parte da UE, e permitiria a milhões de cidadãos beneficiarem desta atividade, ao mesmo tempo que abordaria os desafios associados aos especuladores imobiliários e ao turismo de massas.

Refira-se que, nos últimos meses, a plataforma tem liderado os apelos para que a Comissão Europeia lance a sua consulta em paralelo para trabalhar na Diretiva dos Serviços Digitais, e para facilitar aos governos a disponibilização dos instrumentos de que necessitam para regular eficazmente os alugueres de curto prazo, tendo em conta que na UE existem 1,34 milhões de anfitriões.

O número de empregos gerados na UE graças às viagens na plataforma aumentou para 5,1 empregos por 1000 hóspedes em 2020, contra 4,7 por 1000 hóspedes em 2019, impulsionado pelo aumento dos gastos dos hóspedes e estadias mais longas.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Distribuição

“Os tempos de resposta são essenciais para captar uma reserva”

James Jin, diretor de tecnologia da Dida Travel, fecha a trilogia de entrevista feitas à Dida Travel. O executivo da empresa chinesa destaca que o tempo de resposta a uma pesquisa é fulcral.

Victor Jorge

A navegação na Internet tem vindo a sofrer grandes alterações ao longo do tempo. A “impaciência” dos internautas tem aumentado à medida que a velocidade da Internet tem progredido. Atualmente, velocidade quer dizer, também, tempo de resposta que deverá ser reduzido ao mínimo. Ou melhor, tempo de espera é coisa do passado. Agora é o “já”, o “imediato”. Por isso, James Jin, diretor de tecnologia da Dida Travel, admite que os “endpoints” regionais podem realmente responder com as informações necessárias de forma compatível, relevante e, essencialmente, rápida.

Como é que o índice “look-to-book” evoluiu no espaço da distribuição de viagens durante a COVID?
Na última década, tem havido uma tendência de aumento constante do índice “look-to-book” em relação ao ano anterior, mas, desde a COVID, essa realidade acelerou ainda mais. Na verdade, agora estamos vendo taxas de “look-to-book” de cerca de 80.000: 1, acima dos 20.000: 1 em 2019.

Qual a razão para tal situação?
Resumindo, a COVID fez com que as pessoas gastassem mais tempo na procura e menos tempo na reserva. Ou melhor, entre fazer várias reservas por medo de restrições ou simplesmente procurar inspiração, o índice de reservas líquidas caiu muito.

Além disso, à medida que os operadores lutam mais para conseguir uma reserva, exploram mais canais, o que significa uma gama de produtos ainda maior para pesquisar.

Esse fenómeno é verificado somente na China ou é global?
Este é um fenómeno global e, sinceramente, não estamos a ver muita diferença entre os dados na China e os que nos chegam do Ocidente.

O que isso significa para o setor de distribuição?
O poder de computação necessário para trabalhar com níveis tão altos de índices de “look-to-book” é imenso. Apenas os que possuem recursos económicos e tecnológicos para investir, são capazes de lidar com isso. A verdade é que esta realidade tornar-se-á cada vez mais um problema para aqueles que não conseguem acompanhar estas exigências.

Isto também significa que todos dependerão mais de suporte externo, já que lidar com estas procuras internamente não é viável economicamente e, francamente, é uma distração.

Que tipo de índice “look-to-book” consegue a DidaTravel trabalhar?
Muitos distribuidores não permitem que o índice de “look-to-book” vá além de um rácio de 1 em 50.000, mas na DidaTravel trabalhamos com um rácio de até 1 em 500.000.

Num mundo de milhões, senão biliões de pesquisas por hora, ser capaz de trabalhar com um índice e rácio altos, pode fazer uma enorme diferença nas reservas líquidas para um hotel, por exemplo, obtendo receitas onde outros estão a perder.

Mas que importância possui essa capacidade de resposta relativamente aos dados a trabalhar?
Quando uma empresa tem vários “endpoints” em todo o mundo, quando alguém faz uma solicitação de dados por meio de pesquisa, estes são atendidos pela localização geográfica mais próxima.

Por que isso é importante no ecossistema de distribuição global de viagens?
Os tempos de resposta são essenciais para captar uma reserva. Há muitas evidências que mostram que, se uma página leva mais de um segundo a carregar, as pessoas não clicam nela, ou melhor, saem e vão para outra.

Mas esse tem sido o caso há anos. O que está a gerar a necessidade de uma capacidade de resposta mais rápida?
Isso é parcialmente impulsionado pelo aumento da procura da relação “look-to-book”. Isto é, cada vez mais os dados são necessários, cada vez têm de ser mais rápidos, e uma maneira de melhorar isso é ter servidores locais para reduzir os tempos de resposta. Mas essa necessidade também é, parcialmente, impulsionada pelos ambientes regulamentares e técnicos locais em diferentes regiões em todo o mundo, o que significa que apenas os “endpoints” regionais podem realmente responder com as informações necessárias de forma compatível e relevante.

Na DidaTravel, investimos fortemente para ter essa capacidade de resposta de dados distribuída, possuindo, por exemplo, terminais na China, em Hangzhou e Hong Kong, além de Londres e São Francisco.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Distribuição

“Existem muitas pessoas na casa dos 20 anos que têm dinheiro e querem gastar quantias significativas em experiências de viagens de luxo”

Depois de Rikin Wu, diretor-executivo da Dida Travel, ter dado uma perspetiva global sobre a realidade das viagens na China, Nicky Ussamarn, diretor comercial da empresa, salienta a importância da comunicação multicanal e, especificamente, dos social media para captar o turista chinês.

Victor Jorge

A China foi a primeira economia a voltar à curva ascendente quando falamos em crescimento económico. Por isso, o turista chinês está ávido de viajar e não está muito preocupado com as questões financeiras. E aí as gerações mais novas têm um papel importante. Há que saber chegar a elas.

A economia de viagens da China cresceu exponencialmente nas últimas décadas. É expectável que continue em alta?
A economia de viagens da China continuará a crescer fortemente, mas conforme amadurecemos, sabemos que esse crescimento não será tão rápido e certamente começará a evoluir de uma maneira muito diferente.

Quais serão as maiores diferenças neste “novo normal”?
A concorrência será muito diferente. A indústria de viagens na China é um setor relativamente novo e, como tal, as marcas estavam até, recentemente, focadas apenas num crescimento massivo, envolvendo viajantes de primeira viagem na esperança de ganhar a sua lealdade para o resto da vida. Até certo ponto, essas marcas nem competiam entre si, havia tantas oportunidades.

O que motivou isso?
Duas coisas aconteceram. Em primeiro lugar, a China tornou-se um mercado muito mais maduro, o que significa que não há muito mais novos clientes a serem conquistados, ou pelo menos não na mesma proporção. E, em segundo lugar, a COVID basicamente matou a maioria das empresas que não estavam tendo lucro e viviam de pedidos intermináveis de financiamento.

Que exemplos nos pode dar?
Anteriormente, as agências de viagens competiam em preço, às vezes até oferecendo não apenas grandes descontos, mas também serviços e produtos que causavam prejuízos. Isso vai acabar agora. Em vez disso, os operadores de viagens competirão em vários campos, como a qualidade do seu serviço, a gama de produtos disponíveis, a tecnologia, cliente e fidelidade à marca, etc.. Na verdade, o mercado chinês foi-se tornando um pouco mais parecido com o mercado de viagens ocidental.

Redes sociais como canal de vendas
As redes sociais são, claramente, um elo de sucesso na promoção de uma marca, produto ou destino de viagem e, geralmente, funcionam bem no atendimento ao cliente. Mas como é que este canal pode ser ou tornar-se num verdadeiro argumento de venda?
Este não é um conceito completamente novo. Os programas de marketing de afiliados têm recompensado os influenciadores dos social media há algum tempo, quando um post sobre o seu produto ou serviço leva a uma reserva. Mas agora as próprias plataformas também estão a entrar em ação e procuram tornar-se agência de viagens.

Mas como é que uma plataforma de social media pode transformar-se num agente de viagens?
Quando um utilizador de uma rede social está a navegar num vídeo ou conteúdo sobre uma experiência de viagem específica ou destino em geral, a plataforma fornece uma página de sugestão de conteúdo de viagem onde os utilizadores podem fazer reservas.

No fundo, é um serviço baseado em localização. Trata-se de vender viagens, mas não da maneira que os agentes de viagens online fazem hoje.

A Dida Travel já faz isso?
Sim, temos já uma parceria com uma das principais plataformas de social media da China para oferecer um interface dinâmico de dados e estamos a conversar com muitas outras pessoas em todo o mundo sobre esta capacidade e funcionalidade.

Que tipo de viajante faz uma reserva de viagem por meio de uma plataforma de social media?
Este é um público da Geração Z, ou seja, aqueles nascidos entre 1995 e 2009. Como todos sabemos, são fortemente influenciados pelo que veem e leem nas redes sociais e, mais importante, não são influenciados pelos media tradicional e veem a compra nas redes sociais como regra. Isso significa que, se quiser entrar em contato com eles e fazer com que comprem os seus serviços, esse é basicamente o único caminho a percorrer.

A Geração Z tem até 25 anos, mas alguns têm somente 12 anos. As agências e operadores de viagens ocidentais deveriam realmente ter esses viajantes como prioridade?
No Ocidente, esse público pode não ser considerado rico o suficiente ou não ser um decisor, mas na China não é o caso. Existem muitas pessoas na casa dos 20 anos que têm dinheiro e querem gastar quantias significativas em experiências de viagens de luxo.

Aqueles na extremidade mais jovem da escala da Geração Z podem não ter chegado ainda a esse patamar de conseguirem decidir em função das questões financeiras, mas se quiser construir futuros clientes e clientes fiéis, este é um bom lugar para começar. Há, hoje, cerca de 250 milhões de chineses com menos de 15 anos de idade e a economia está a crescer mais rápido do que no Ocidente.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Distribuição

“Recomendo aos operadores ocidentais posicionarem imediatamente a sua oferta, que não esperem”

À medida que caminhamos para o final do ano e após (quase) dois anos de pandemia, Rikin Wu, diretor-executivo da Dida Travel, um dos maiores operadores de viagens digitais chineses, dá a sua visão sobre o que está a mudar no panorama da distribuição e o que esperar de 2022.

Victor Jorge

Depois de portas (praticamente) fechadas ao exterior, os chineses começam a ter esperança de poder voltar a viajar. As diversas restrições impostas recentemente por causa da Ómicron fizerem com que esse processo voltasse atrás, mas vontade para viajar existe no mais populoso país do mundo. Rikin Wu, diretor-executivo da Dida Travel, aconselha a que não se espere muito para captar esse turista e viajante chinês.

Quando é que os cidadãos chineses vão poder voltar a viajar para o exterior?
Neste momento, é simplesmente uma questão de quando as autoridades chinesas permitirão a livre circulação internacional dos cidadãos chineses. Hoje, parece que isso não acontecerá antes do verão de 2022.

Como está o mercado doméstico de viagens na China?
A economia chinesa está forte e é sabido que os chineses viajam muito, basta olhar para o cenário de viagens domésticas que cresceu ultimamente. O turismo doméstico chinês voltou a 65% dos números de 2019, apesar das restrições, e na DidaTravel estamos acima de 2019 no que diz respeito às vendas nacionais, tendo dedicado recursos para expandir a nossa base de clientes nacionais.

Existe algum risco de os cidadãos chineses não viajarem novamente para o exterior, mesmo que seja possível?
Esta é uma situação de “quando” e não de “se”. Não há dúvida de que os viajantes chineses querem fazer viagens internacionais novamente. Estamos a receber muitos comentários dos nossos clientes B2B sobre a procura que continua alta e nos social media na China onde se comentam destinos internacionais como Dubai, Londres ou Paris e verificamos que estão mais populares do que nunca.

Em meu entender, assim que as viagens internacionais forem permitidas, muito rapidamente veremos os números de 2019 serem superados. Além disso, existirá uma tendência para estadias mais longas e maiores gastos no destino, de modo a compensar o tempo perdido.

 E qual é a oportunidade para os operadores de viagens ocidentais?
Dado o número significativo de viajantes internacionais chineses, um número que chegou a quase 155 milhões em 2019, e o facto de, quando fazem viagens de longa distância, ficam mais tempo e gastam muito mais do que qualquer outro viajante, este não é, realmente, um mercado a ser esquecido num momento em que tudo está em aberto até a última reserva. Mesmo que se tenha de esperar um pouco mais para o regresso, este é um “público” pelo qual vale a pena esperar.

Que conselhos dá a estes operadores de viagens ocidentais para captar as reservas chinesas quando as restrições forem suspensas?
Se esperarem até que as restrições sejam suspensas, já será tarde demais. O que sugiro é que atuem já, agora. Como sabemos pelos nossos clientes B2B, no momento muitos chineses estão a pensar o que visitar assim que as restrições forem suspensas. Os hotéis, companhias aéreas e agências de turismo ocidentais devem aproveitar esta vontade, este desejo dos turistas chineses quererem viajar. Por isso, recomendo que os operadores ocidentais posicionem imediatamente a sua oferta, a sua marca e que não esperem.

Como é que a COVID impactou a distribuição B2B?
Desde o início da COVID, temos visto uma polarização significativa no cenário da distribuição, com grandes e pequenas empresas de distribuição a sobreviver relativamente bem. As de média dimensão foram as mais atingidas. Prevemos que isso só se tornará mais agudo à medida que as viagens retornem à capacidade total durante 2022.

Refere que as empresas de média dimensão são as que estão a passar maiores dificuldades. Qual a razão para as empresas grandes e pequenas estarem em melhor posição em 2022?
As grandes empresas têm conseguido suportar os choques destes anos, têm grande capacidade de recuperação e criação de caixa, e serão as primeiras a beneficiar da plena recuperação do mercado. Já as pequenas empresas, com alta flexibilidade e estruturas de equipa de baixo custo, podem manter um bom nível de negócios numa pequena região ou destino de nicho.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Transportes

Ryanair inaugura novas instalações de manutenção de aviões em Sevilha

A Ryanair inaugurou, esta quarta-feira, novas instalações de manutenção de aviões no aeroporto de Sevilha, infraestrutura onde já investiu um total de 30 milhões de euros.

Publituris

A Ryanair tem, desde quarta-feira, novas instalações de manutenção de aviões no aeroporto de Sevilha, num investimento total que já rondou os 30 milhões de euros.

Com este novo investimento, a low cost irlandesa emprega 250 quadros especializados, propondo-se atingir os 500 até 2023.

Este centro de manutenção de aeronaves, que ocupa uma área de 20 mil metros quadrados, é dos mais ecológicos do mundo, assegura a Ryanair, e irá manter uma grande parte da frota da companhia aérea, que irá crescer para 600 aviões até 2026.

Com mais de 2.500 engenheiros em toda a Europa, a Ryanair Line Maintenance Engineering é responsável por todas as atividades de manutenção dos seus aparelhos.

A Ryanair transportou mais de 22 milhões de clientes na sua operação de Sevilha desde o início das suas operações em 2003. Na sua programação para o verão de 2022, a empresa aérea também anunciou 53 rotas desde o aeroporto Sevilha-San Pablo, incluindo sete novas ligações, para Agadir, Billund, Frankfurt, Oujda, Tenerife, Tétouan, e Turim.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Madeira volta a ser “Melhor Destino Insular do Mundo”

Pela sétima vez consecutiva a Madeira volta a brilhar nos prémios dos ‘World Travel Awards’ (WTA) como ‘Melhor Destino Insular do Mundo”.

Publituris

Pela sétima vez consecutiva a Madeira volta a brilhar nos prémios dos ‘World Travel Awards’ como ‘Melhor Destino Insular do Mundo’ (‘World’s Leading Island Destination’), deixando para trás 20 outros destinos de todos os continentes.

Com mais este galardão, o destino Madeira reforça o seu posicionamento internacional, depois de ter vencido, no último dia 22 de outubro, o galardão de “Melhor Destino Insular da Europa”, que já ganhou por oito vezes.

Para o secretário Regional de Turismo e Cultura e presidente da Associação de Promoção da Madeira, Eduardo Jesus, “num ano de retoma, em que o destino registou, pontualmente, melhores performances do que em 2019, antes da pandemia, voltarmos a ser o ‘Melhor Destino Insular do Mundo’ reforça a nossa visibilidade e reconhecimento internacional”.

Eduardo Jesus complementa que esta distinção “está interligada com o trabalho que intensificamos a partir de 2015, o qual tem permitido um crescimento sustentado. E neste ano, em particular, contribui para o incremento de sermos cada vez mais reconhecidos pelos viajantes como um destino de confiança e seguro para as férias, fatores que passaram a ser muito importantes na retoma do turismo mundial”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Qatar Airways aumenta operação para 18 destinos na época festiva

A Qatar Airways reforça a sua rede com o aumento da frequência de voos para 18 destinos, durante a época alta das férias de inverno,

Publituris

Durante a época alta das férias de inverno, a Qatar Airways reforça a sua rede com o aumento da frequência de voos para 18 destinos, incluindo as novas rotas para Odessa, na Ucrânia, e Tashkent, no Uzbequistão.

A companhia aérea também lançou recentemente voos diretos para Almaty, no Cazaquistão, a 19 de novembro de 2021.

Com este reforço, a Qatar Airways aumentou, no dia 01 de dezembro, aumentou para dois voos diários para Abu Dhabi, e a partir de 18 de dezembro passa a voar cinco vezes por semana para Argel, enquanto, a partir do dia 17, aumenta a operação com três ligações diárias a Banguecoque.

A cidade de Berlim passa a ser servida com 0 voos semanais a partir de 16 de janeiro de 2022, Cebu viu aumentadas as ligações para 11 semanais, e Clark para um voo diário até 31 de dezembro.

Este reforço da transportadora aérea do Qatar, inclui também Colombo, Copenhaga, Helsínquia, Kuala Lumpur (13 voos semanais), Kuwait, Londres, Medina, Paris, Phuket (11 ligações por semana, a partir de 16 de dezembro), Salalah, a partir de 01 de janeiro de 2022), Sharjah (dois voos diários), e Zurique.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Toda a informação sobre o sector do turismo, à distância de um clique.

Assine agora a newsletter e receba diariamente as principais notícias do Turismo. É gratuito e não demora mais do que 15 segundos.

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.