Assine já
Destinos

Franceses querem viajar mais este ano

Todavia, destinos mediterrânicos como Portugal e Espanha vão ser menos escolhidos pelos turistas franceses.

Tiago da Cunha Esteves
Destinos

Franceses querem viajar mais este ano

Todavia, destinos mediterrânicos como Portugal e Espanha vão ser menos escolhidos pelos turistas franceses.

Sobre o autor
Tiago da Cunha Esteves
Artigos relacionados
França: e-turismo continua em tendência de crescimento
Destinos
Portugal no topo das preferências dos franceses
Destinos
Um em cada cinco britânicos quer férias para os Olímpicos
Destinos
Portugal é o destino de férias de Verão da maioria dos portugueses
Destinos

Apesar da crise económica, os franceses não recuam nas suas intenções relativas às férias. 67% afirmou que conta fazer férias este ano, um aumento de 1% em relação ao ano passado, de acordo com um estudo do instituto Protourisme.

53% dos franceses espera fazer um período de férias com, pelo menos, quatro dormidas, mais 2% em relação ao ano passado. “É a primeira vez desde 2003 que se regista uma ligeira subida nas intenções de férias”, disse o director do Protourisme, Didier Arino, à agência France Presse. “As férias são primordiais para os franceses, apesar da crise e das restrições”, acrescentou.

Por outro lado, o orçamento médio anual para férias também registou uma média de 10% nas intenções dos franceses, para 2.300 euros. 26% dos inquiridos no estudo disse que planeia gastar mais dinheiro este ano, ao passo que 50% afirmou que vai gastar o mesmo.

 

Menos viagens para o Mediterrâneo

Um outro inquérito levado a cabo pelo instituto CCM Benchmark deu conta de que os franceses, este ano, vão procurar menos os destinos mediterrânicos.

Com efeito, 43% dos inquiridos que vai viajar para o estrangeiro tem Portugal, Espanha, Itália, Grécia e Turquia nas suas preferências, sendo que, no ano passado, essa taxa era de 50%.

Sobre o autorTiago da Cunha Esteves

Tiago da Cunha Esteves

Mais artigos
Artigos relacionados
Destinos

Projeto do Politécnico da Guarda vence concurso de empreendedorismo turístico

O Politécnico da Guarda venceu o primeiro lugar do Prémio José Manuel Alves, concurso promovido pelo Turismo Centro de Portugal que premeia anualmente os melhores projetos de empreendedorismo turístico.

Publituris

O projeto vencedor foi o “Taste Food Experience”, aplicação móvel que promove o turismo gastronómico na Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela – CIM-BSE.

Segundo Joaquim Brigas, presidente do IPG, “este projeto irá articular o património gastronómico com o turismo, valorizando a região das Beiras e Serra da Estrela”, para acrescentar que “tem sido uma prioridade para o IPG criar iniciativas que valorizem os produtos endógenos e promovam a sustentabilidade do Interior, tornando a região mais competitiva”.

Para além de informações sobre produtores, restaurantes, artesanato, experiências e empresas turísticas, a plataforma permitirá efetuar reservas de restaurantes e de atividades. Durante o processo de utilização da aplicação, o visitante poderá deixar as suas sugestões, classificar e comentar cada experiência reservada através da aplicação.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Picos de Aventura

Somos o parceiro ideal para os eventos da sua empresa.

Distinguimo-nos por realizar atividades marítimas e terrestres com pequenos grupos de visitantes, de forma a fornecer serviços mais versáteis e personalizados e a possibilitar a criação de itinerários tailor made, sem prejudicar os locais onde estas atividades decorrem. A sustentabilidade da Região dos Açores está integrada na nossa operação, na medida em que temos assumimos o compromisso em encontrar o equilíbrio entre o que fazemos e o que preservamos.

As nossas atividades são sempre realizadas com a máxima responsabilidade, respeito e consideração pela mãe Natureza e tudo o que representa. Este compromisso estende-se a vários projetos científicos, sociais e culturais em que estamos envolvidos como as Biotalks e a Picoslogia, que nos permitem dar o nosso contributo e apelar à sociedade para a importância da preservação e conservação do meio ambiente.

  • Baleias, golfinhos, mar e aventura!

À procura de algo único para fazer durante as suas férias? Nos Açores temos a oportunidade de observar cerca de 27 espécies de cetáceos ao longo do ano, sempre na companhia de uma equipa profissional de skippers, biólogos e vigias. Antes de sair para o mar é realizado um briefing sobre cetáceos, métodos de avistamento, regras de segurança e o código de ética da Observação de Cetáceos nos Açores. A Picos de Aventura tem uma taxa de sucesso de avistamentos por saída de 99%.

  • O que esconde o mar dos Açores?

Nos Açores terá a oportunidade de participar em uma das mais únicas atividades aquáticas – nadar com golfinhos em alto mar. Em perfeita simbiose com o seu comportamento natural e com o meio que nos rodeia. Prepare-se para ficar impressionado com o profundo mar azul, com a curiosidade dos golfinhos e com as águas cristalinas que rodeiam a nossa ilha. Numa interação de pleno respeito para com os animais, esta atividade desenvolvida pela Picos de Aventura procura sempre o perfeito equilíbrio entre uma experiência inesquecível e a preservação dos recursos naturais dos Açores.

  • Canyoning: uma aventura inesquecível!

Pelas suas características vulcânicas, os Açores são um dos melhores destinos para a prática desta emocionante atividade de montanha. O Canyoning consiste na descida de cursos de água de forma aventureira com contato emocionante e muito íntimo com a natureza da ilha. O interior da ilha de São Miguel esconde cascatas e ribeiras que pode explorar de forma ativa: caminhe dentro de água, salte para piscinas de águas translúcidas e escorregue entre rochas moldadas pelo caudal da ribeira. Mas com certeza, a maior atração vai para o uso de várias técnicas de corda para desafiar as cascatas que jorram do alto. São estes os ingredientes para momentos de adrenalina e diversão, num autêntico parque aquático.

Contactos e mais informações:

[email protected]

+351 296 283 288

São Miguel: Marina Pêro de Teive, Avenida João Bosco Mota Amaral 9500-771 Ponta Delgada.

Terceira: Picos de Aventura, Pátio da Alfândega, 9700-178 Angra do Heroísmo.

Sobre o autorMargarida Magalhães

Margarida Magalhães

Mais artigos
Destinos

Palmela e município italiano de Tollo unidos na promoção turística

Depois de protocolos de cooperação na área da promoção turística com os municípios de Guimarães e Silves, agora é a vez de Palmela assinar o mesmo tipo de protocola com o município italiano de Tollo.

Publituris

Palmela e o município italiano de Tollo assinaram um Protocolo de Cooperação para a realização de ações conjuntas com vista ao desenvolvimento e promoção turística dos dois territórios. O protocolo foi assinado pelo presidente do Município de Palmela, Álvaro Balseiro Amaro, e pelo presidente do Município de Tollo e da Associação de Municípios Italianos do Vinho/Città del Vino, Angelo Radica, em Priocca, Itália, durante a reunião do Conselho de Administração da Recevin – Rede Europeia das Cidades do Vinho.

Através desta parceria, os dois municípios vão trocar conhecimento e experiências no âmbito do “Turismo, Cultura, Desporto, Património, Gastronomia, Agricultura e Vinhos; incentivar a cooperação entre os respetivos agentes culturais e turísticos, com vista a criar uma rede de parceiros; contribuir para a notoriedade dos produtos enoturísticos de ambos os territórios, através da realização de ações de marketing; criar roteiros turísticos e programas/intercâmbios culturais e desportivos; propor projetos conjuntos candidatáveis a fontes de financiamento que permitam melhorar a atratividade e permanência de turistas; bem como promover a cooperação transnacional entre empresas nos campos da inovação e competitividade, da eficiência de recursos, do reforço da resiliência do território aos riscos naturais, climáticos e humanos, da biodiversidade e do património natural e cultural”, refere a Câmara Municipal de Palmela em comunicado.

Prevista está, também, a presença de Tollo no Fórum Turismo Palmela, entre outros eventos.

O protocolo tem a duração de três anos e é automaticamente renovável por períodos iguais, possuindo o município de Palmela, igualmente, protocolos de cooperação na área da promoção turística com os municípios de Guimarães e Silves.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Air Europa voa para 35 destinos europeus e 20 na América já neste verão

Atenas e Alghero passarão a ter dois voos semanais da Air Europa a partir do hub de Madrid. para o continente americano, a companhia volta a voar para os mesmos 23 destinos que possui em 2019.

Publituris

A Air Europa acaba de ampliar os seus destinos europeus em temporada alta com novas rotas para Atenas e Alghero, voos que operarão a partir do hub de Madrid, com duas frequências semanais para ambas as cidades.

A rota para Atenas iniciar-se-á em junho, operada com aeronaves Boeing 787 Dreamliner, e estará disponível até final de setembro, com voos à quarta-feira e ao domingo.

Um mês depois, em julho, a Air Europa inaugurará a rota para Alghero, na ilha da Sardenha, para onde voará também duas vezes por semana, à quinta-feira e ao sábado. Aberta até princípios de setembro, a rota ligará Madrid com esta cidade do noroeste da Sardenha com mais de 30 voos.

Com Atenas e Alghero, a Air Europa amplia durante o verão a sua presença na Europa e reforça a expansão anunciada e iniciada pela companhia aérea no passado mês de abril.

Ao longo dos próximos meses, a Air Europa informa que incrementará a sua oferta com a incorporação de onze novos aviões, cinco deles Boeing 787 Dreamliner e seis Boeing 737, através dos quais avança no seu processo de unificação da frota que permite aumentar o número de lugares por avião, otimizar o número de voos e incrementar a oferta tanto em turística como em classe executiva.

No final do ano, a frota de longo curso voltará a ser a mesma que em 2019 e a Air Europa voará já para os seus 23 destinos no continente americano.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Projeto PISTA promove ação de sensibilização no Alentejo

O projeto PISTA pretende ser um centro de informação de excelência que inspire os agentes turísticos a transformar o destino Alentejo e Lezíria do Tejo num território mais sustentável e de referência internacional.

Publituris

No âmbito das atividades desenvolvidas pelo ASTO – Observatório de Turismo Sustentável do Alentejo, o Projeto PISTA – Partilha de Informação sobre Sustentabilidade do Turismo no Alentejo irá promover a ação de sensibilização ‘Protótipo Plataforma Pista Digital – Sistema Inteligente do Turismo Sustentável do Alentejo e Ribatejo, no próximo dia 25 de maio de 2022, no Centro UNESCO, em Beja.

A Plataforma Pista Digital pretende proporcionar aos agentes turísticos uma ferramenta tecnológica de monitorização de indicadores de Turismo Sustentável, que contribua para o seu envolvimento na avaliação dos riscos, custos, impactos e limites da sua atividade no destino. Para além deste aspeto, pretende também facilitar a identificação de oportunidades de inovação nas suas organizações e auxiliar na identificação de melhores soluções para a utilização de recursos, no âmbito dos princípios gerais do desenvolvimento turístico sustentável.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Turismo

Portugal Ventures anuncia novo investimento até 1 milhão de euros para projetos no turismo

A 5.ª edição do “Call Turismo” disponibiliza entre 200 mil e 1 milhão de euros em projetos que contribuam para a inovação, sustentabilidade e eficiência deste setor.

Publituris

A Portugal Ventures, sob alçada do Banco de Fomento (Bdf), lançou esta segunda-feira, 23 de maio, a 5.ª edição da “Call Turismo”, em parceria com o Turismo de Portugal e o Nest – Centro de Inovação para o Turismo, para investir entre 200 mil e 1 milhão de euros em projetos que contribuam para a inovação, sustentabilidade e eficiência do setor do turismo.

Elegíveis para esta edição da Portugal Ventures são empresas constituídas ou a constituir com projetos não tecnológicos, que apresentem conceitos diferenciadores para a oferta turística do país, que contribuam para o enriquecimento da experiência do turista e o reforço da competitividade de Portugal como destino turístico. Também os projetos tecnológicos, que apresentem soluções que permitam melhorar a eficiência das empresas do setor do turismo e da sua oferta de produtos e serviços são elegíveis.

À semelhança da edição anterior, serão privilegiados os projetos que contribuam para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), apresentando soluções que promovam a desmaterialização de processos e serviços, reciclagem, reutilização e redução de resíduos, integração de energias limpas, eficiência energética, eficiência hídrica e mobilidade inteligente.

Neste sentido, a Portugal Ventures anuncia um investimento na MTI – Managing the Intelligence, empresa tecnológica cuja solução é direcionada para as unidades de alojamento turístico, e que tem como missão apoiar as empresas deste setor a implementar as boas práticas de sustentabilidade e eficiência energética.

A equipa composta por Miguel Silva e Sofia Romão, criou uma solução tecnológica de eficiência energética – a MTI Smart Room, que funciona com qualquer sistema e marca de ar condicionado, para aumentar o conforto térmico dos hóspedes e reduzir o custo com a fatura da eletricidade, tornando as unidades de alojamento turísticas mais sustentáveis e cumpridoras dos critérios de ESG (Environmental, social and corporate governance).

A MTI Smart Room, composta por hardware e software, é fácil de instalar, não obriga a obras adicionais, nem ao encerramento das unidades hoteleiras. Integra com os sistemas dos hotéis, permitindo, por exemplo, o controle de equipamentos de acordo com o check-in e check-out dos hóspedes, evitando, assim, desperdícios de energia.

Sedeada em Faro, a MTI – Managing the Intelligence, conta já com a sua solução instalada em mais de 400 quartos em Portugal, perspetivando, para o final de 2022, preparar o seu processo de internacionalização para a Europa.

Para Pedro de Mello Breyner, Vogal Executivo do Conselho de Administração da Portugal Ventures, responsável pela Unidade de Negócio de Turismo, “este investimento tem como objetivo apoiar o crescimento da oferta de produtos e serviços que transformem o setor turístico num setor cada vez mais responsável em termos de sustentabilidade, eficiência energética e pegada ecológica. Acreditamos que ao investir neste tipo de soluções tecnológicas, estaremos a trabalhar para tornar Portugal num destino cada vez mais sustentável e alinhado com a Estratégia do Turismo 2027”.

Já Sofia Romão, CFO da MTI, refere que “a ronda de investimento fechada com a Portugal Ventures é o reconhecimento do esforço e da paixão de toda a equipa e do potencial inovador e disruptivo da solução MTI Smart Room”.

A responsável salienta ainda que “a parceria com a Portugal Ventures irá proporcionar à MTI aceder às melhores práticas corporativas, a uma rede e comunidade de empreendedorismo e inovação de excelência, fazendo com que o caminho para o sucesso seja mais rápido e com maior impacto.”

Este investimento resulta da 4.ª edição da Call Turismo, lançada no final de 2021, com o objetivo de reativar e incentivar a recuperação do setor. Desde a 1.ª edição da Call Turismo, a Portugal Ventures já recebeu mais de 240 candidaturas, com um montante total solicitado para investimento de 150 milhões de euros.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Tailândia simplifica regras de registo do Thailand Pass a partir de 01 de junho

A partir de 01 de junho vai ser mais fácil o registo do Thailand Pass, na sequência da aprovação, pelo Centro de Administração da Situação da Covid-19 da Tailândia (CCSA), de novas regras mais simplificadas.

Publituris

Os viajantes estrangeiros continuam a ter de solicitar um Thailand Pass (https://tp.consular.go.th/), no qual já só terão de incluir os detalhes do passaporte, vacinação, e uma apólice de seguro de saúde de pelo menos 10.000 dólares.

No entanto, para viajantes não vacinados ou não totalmente vacinados, será necessário apresentar um resultado negativo de teste RT-PCR ou teste ATK realizado por profissionais, 72 horas antes de viajar.

O CCSA definiu ainda três zonas codificadas por cores para um melhor controlo da Covid-19 a nível nacional: Áreas Piloto Turísticas ou zonas azuis, a Zona de Vigilância ou zona verde, e as Áreas sob Vigilância Rigorosa ou zona amarela.

Assim, os locais de entretenimento noturno; tais como pubs, bares e salas de karaoke nas zonas verde e azul, poderão retomar o seu funcionamento, assim como a venda e consumo de bebidas alcoólicas nas instalações até às 24.00 horas.

A CCSA levantou também a exigência de quarentena para contactos de alto risco.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Alojamento

Casa das Pipas renova-se

A Casa das Pipas, unidade de enoturismo situada em Celeirós do Douro, concelho de Sabrosa, no coração do Douro Património Mundial da Humanidade, apresenta-se renovada com melhorias nos seus quartos e áreas comuns.

Publituris

Integrada na Quinta do Portal, os seus 12 quartos, de matriz clássica e senhorial, apresentam-se agora decorados “com cores mais quentes, materiais naturais e texturas inspiradas na envolvente ao edificado, onde predominam hectares e hectares de vinhedos”, revelam as responsáveis da Lencastre Interior Design, empresa responsável pelo projeto.

No que respeita ao mobiliário, ele foi reutilizado, mantendo toda a traça decorativa, mas conferindo-lhe alguma contemporaneidade, indo ao encontro dos padrões de novos públicos que começam a encontrar no enoturismo a opção ideal para uma experiência diferente.

Numa altura em que a atividade turística dá sinais de retoma e em que a aposta no enoturismo e turismo gastronómico ganha cada vez mais adeptos, a Quinta do Portal mostra-se “confiante de que o Douro, e a Casa das Pipas em particular, têm todas as condições para cativar o perfil de viajantes saídos deste período de pandemia, que vão optar por locais recatados, cheios de história, e que permitam experiências inesquecíveis”, sustentam os responsáveis da administração da empresa.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Portugal acompanha tendência mundial de recuperação da indústria de cruzeiros, diz CLIA 

Segundo a Associação Internacional de Companhias de Cruzeiros (CLIA), Portugal está no caminho da recuperação, antevendo-se que, em 2022, Lisboa possa receber 320 navios contra os 310 de 2019.

Publituris

Portugal está “a acompanhar a tendência mundial de recuperação da indústria” de cruzeiros, devendo Lisboa receber 450 mil passageiros e 320 navios este ano, acima dos 310 de 2019, segundo a Associação Internacional de Companhias de Cruzeiros (CLIA).

“As projeções para este ano são muito boas. A nível global e, também, na Europa, esperamos que todos os nossos navios voltem a operar a 100% até ao final do verão”, afirmou a diretora-geral da CLIA para a Europa, Marie-Caroline Laurent, em entrevista à agência Lusa.

Admitindo que “o número de passageiros é que ainda é um ponto de interrogação”, a responsável referiu que, “olhando para as reservas já feitas para o verão, as perspetivas são muito boas”: “Assim, a meta é voltar aos números de 2019 até ao final do ano, tanto em termos de navios em operação, quanto de passageiros”, apontando as previsões para entre 23,1 e 29,8 milhões de passageiros a nível global.

Segundo a diretora-geral da CLIA (do inglês ‘Cruise Lines International Association’), esta tendência estende-se a Portugal, prevendo-se que o porto de Lisboa supere este ano as 310 escalas de navios registadas em 2019, antes da pandemia, recebendo 320 cruzeiros.

Já o número de passageiros deverá ficar ainda aquém de 2019 (cerca de 450 mil, contra os mais de 500 mil pré-pandemia), assistindo-se a um alargamento da temporada turística ao longo de mais meses, com o consequente impacto positivo nas comunidades locais, e a uma crescente procura por parte de portugueses.

“Vemos cada vez mais portugueses interessados em fazer cruzeiros e é por isso que há uma aposta no desenvolvimento do porto de Lisboa, no sentido de dar mais possibilidades de os portugueses embarcarem e fazerem um cruzeiro Lisboa-Lisboa. Este ainda é um mercado em crescimento e vemos, todos os anos, a adesão de mais e mais passageiros portugueses”, notou.

De acordo com Marie-Caroline Laurent, esta preferência por viagens mais curtas tornou-se mais evidente com a pandemia e é uma tendência global: “Os passageiros, principalmente com a covid, gostam de viajar localmente, para não ir muito longe. Fazendo um cruzeiro, podem embarcar em Lisboa, fazer um passeio pelo Mediterrâneo, por exemplo, onde conhecem vários países, e regressar novamente a Lisboa. Portanto, [este produto] tem correspondido a uma nova procura”, explicou.

Outra das tendências evidenciadas com a pandemia e que a CLIA quer continuar a explorar é a atração de um novo perfil de clientes, mais jovens, para o turismo de cruzeiros. Atualmente, a idade média do passageiro de cruzeiros é de 47,7 anos.

Após os “dois anos terríveis” vividos pelo setor devido à pandemia, a diretora-geral da CLIA destaca a “solidez da indústria” de cruzeiros, cujas empresas “continuaram a investir”, nomeadamente em navios novos e em tecnologias menos poluentes.

“Durante a pandemia os nossos membros não pararam o investimento. Há novos navios prontos e a ser entregues”, salientou Marie-Caroline Laurent, avançando que, nos próximos cinco anos, os membros da associação vão investir 23.000 milhões de euros em novos navios, sendo todos eles “construídos na Europa”.

“E isso é um aspeto também importante, porque comparando com a indústria de navios de carga, onde todos os novos navios são construídos na Ásia, todos os navios de cruzeiro são construídos na Europa – Itália, França, Finlândia, Noruega, Alemanha – pelo que é uma indústria realmente europeia”, sublinhou.

Outra das prioridades do setor é a aposta na sustentabilidade e na descarbonização, sendo que, no âmbito do compromisso ‘Global Net-Zero’, as companhias de cruzeiro se comprometeram a atingir zero emissões de gases de efeito de estufa até 2050.

“O primeiro foco é na propulsão dos navios. Os nossos membros têm feito investimentos significativos em novos navios de GNL [gás natural liquefeito], que emitem 20% menos CO2 [dióxido de carbono] e em que todos os diferentes tipos de emissões são reduzidos. Já temos três ou quatro navios em operação e esperamos mais 23 nos próximos cinco anos”, disse Marie-Caroline Laurent.

Paralelamente, os navios mais antigos estão a ser adaptados: “Um dos nossos membros adaptou algumas baterias num dos navios, para garantir que, quando chega ao porto, ele pode funcionar com a bateria e eliminar as emissões”, avançou, como exemplo.

A este facto acresce a “frota muito jovem” do setor, cuja idade média é de 14 anos, e ainda os investimentos ao nível da eletrificação em curso em vários portos, com vista a “eliminar todas as emissões nos portos” de escala na Europa até 2030.

“O objetivo é que, quando os navios estiverem nos portos, não haja impacto na população local, não haja emissões, para que possamos, realmente, fazer parte do desenvolvimento sustentável das cidades e dos portos que visitamos”, enfatizou a diretora-geral da CLIA.

No caso do porto de Lisboa, disse, “a primeira fase do investimento na eletrificação será por volta de 2024/2025”, sendo o objetivo poder “conectar os navios, provavelmente, em 2028”.

“A mensagem principal é que podemos ser uma forma de turismo totalmente sustentável. Estamos a investir em novos navios, mas também estamos comprometidos em conectar-nos à eletricidade nos portos. Isso permite-nos não ter impacto nas comunidades locais, algo que é sempre uma preocupação com os grandes cruzeiros”, salientou.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Distribuição

Consolidador.com entra no Metaverso

O Consolidadro.com entrou no mundo virtual com a compra de um espaço no Metaverso com o objetivo de preparar o futuro das viagens para os seus clientes.

Publituris

O Consolidador.com comprou um espaço no Metaverso com o objetivo de preparar o futuro das viagens para os seus clientes. Na decisão de escolha da área foi considerada a autossustentabilidade futura do próprio Metaverso, assim como da interoperabilidade entre os demais ecossistemas, para onde os clientes do Consolidador.com e os clientes dos seus clientes possam viajar no futuro.

Miguel Quintas, fundador e CEO do Consolidador.com refere que “a empresa tem que se preparar para a próxima década, onde a realidade que hoje conhecemos não será seguramente a mesma. Temos que estar presentes num espaço onde os nossos filhos se movimentarão e viverão parte das suas vidas. O Consolidador.com, dentro da sua dimensão, quer e deve ajudar a construir esse futuro”.

Com este investimento em terreno comprado em NFT e suportado em tecnologia Blockchain, o Consolidador.com será “uma das primeiras entidades de distribuição de turismo em Portugal a estar presente no Metaverso”, com o objetivo de melhorar a experiência virtual e omnichannel dos seus próprios clientes.

Pelo seu lado, o Consolidador.com sublinha que estará sempre atento a projetos sustentáveis e a desenvolvimentos com potencial de crescimento futuro, em particular cujas ideias sejam disruptivas pois é este o pensamento que o CEO “deseja ver na empresa e que nos últimos dois anos nos levou a ser considerados o melhor Consolidador do mundo, nos World Travel Awards”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.