Edição digital
Assine já
PUB
Agências

GEA Portugal inicia celebração do 20º aniversário com famtrip à Grécia

O agrupamento de agências de viagens GEA inicia as celebrações do seu 20º aniversário em Portugal com uma framtrip à Grécia, que conta com a participação do seu sócio fundador Pedro Gordon, e junta algumas agências de viagens fundadoras.

Publituris
Agências

GEA Portugal inicia celebração do 20º aniversário com famtrip à Grécia

O agrupamento de agências de viagens GEA inicia as celebrações do seu 20º aniversário em Portugal com uma framtrip à Grécia, que conta com a participação do seu sócio fundador Pedro Gordon, e junta algumas agências de viagens fundadoras.

Publituris
Sobre o autor
Publituris
Artigos relacionados
MSC Cruzeiros vai ter 19 cruzeiros com partida e chegada ao Funchal no inverno 2024-2025
Transportes
Portugal entre os destinos com melhor performance em 2023, dizem dados da UN Tourism
Destinos
GoldenPark: A Nova Casa de Apostas em Portugal
Sabia que a Betclic Também Tem Jogos de Casino
Conheça a Secção de Desporto da Betclic
Porto e Norte de Portugal vai ter maior participação de sempre na BTL
Destinos
Algarve leva experiência imersiva pela região à BTL
Destinos
Booking.com e TAP com melhor reputação em 2024
Turismo
França marca presença sem precedente na BTL com a sua delegação “French Travel Tech”
Praia da Falésia ganha prémio “Travellers’ Choice” do Tripadvisor como “Melhor praia do Mundo”
Destinos

Uma dezena de agências de viagens associadas da GEA Portugal iniciaram esta quinta-feira uma famtrip à Grécia, dando início às celebrações do 20º aniversário da presença do agrupamento no nosso país.

Esta viagem, que conta com o apoio das Viagens Tempo, Aegean e SGS, é um circuito pela Grécia Clássica, com passagem por cidades icónicas do destino como Atenas, Olimpia, Delfos, Kalambaka e Meteora.

Esta famtrip é a primeira de três momentos especiais de viagem com a participação de agências de viagens que integraram desde o primeiro momento o universo GEA, sendo “estas reflexo da longevidade e solidez do agrupamento no nosso país”, indica a rede em nota de imprensa.

Para Pedro Gordon, fundador e CEO da GEA Portugal, esta famtrip “é perfeita para inaugurar as celebrações do nosso vigésimo aniversário, principalmente porque reflete aquilo que nos fez fundar a GEA Portugal: a paixão pelas viagens, a dedicação à profissão do agente de viagens, a necessidade de especialização e conhecimento constante”.

Segundo o CEO do agrupamento no nosso país, “queremos principalmente reforçar a ideia de comunidade que, conjunta, construiu aquele que hoje é o maior agrupamento de agências de viagens nacional e uma referência inquestionável no sector.”

A GEA Portugal irá, ao longo de 2023, promover diversas iniciativas de celebração dos seus 20 anos, sendo que estas se irão multiplicar em momentos de convívio, formação e de trabalho, reunindo os seus associados, parceiros e outras entidades do setor que fazem parte da história do agrupamento.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Artigos relacionados
MSC Cruzeiros vai ter 19 cruzeiros com partida e chegada ao Funchal no inverno 2024-2025
Transportes
Portugal entre os destinos com melhor performance em 2023, dizem dados da UN Tourism
Destinos
GoldenPark: A Nova Casa de Apostas em Portugal
Sabia que a Betclic Também Tem Jogos de Casino
Conheça a Secção de Desporto da Betclic
Porto e Norte de Portugal vai ter maior participação de sempre na BTL
Destinos
Algarve leva experiência imersiva pela região à BTL
Destinos
Booking.com e TAP com melhor reputação em 2024
Turismo
França marca presença sem precedente na BTL com a sua delegação “French Travel Tech”
Praia da Falésia ganha prémio “Travellers’ Choice” do Tripadvisor como “Melhor praia do Mundo”
Destinos
PUB
Agências

Bestravel tem nova agência de viagens em Vila Real

O grupo Bestravel continua a sua expansão e passa a contar com uma nova agência localizada em Vila Real, inaugurada esta segunda-feira. Trata-se da abertura da segunda loja Bestravel do franchisado Miguel Pereira, que já possui uma em Lousada.

Publituris

A nova agência de viagens Bestravel de Vila Real, tem Miguel Pereira como diretor e funciona na Avenida 1º de Maio, nº 285, o email é [email protected], e o telefone: 259 093 900.

Para Ricardo Teles, diretor operacional da Bestravel, “trata-se de mais um reforço da marca na zona norte do país e é a melhor forma de iniciar o ano de 2024”, acrescentando que “estamos certos de que esta abertura será um êxito de um franchisado que está na nossa rede há seis anos e tem feito connosco um caminho de sucesso”.

Já Miguel Pereira, diretor da nova agência, afirma que “tendo aberto a nossa primeira agência em 2018, na Lousada, estamos muito entusiasmados por continuar este caminho na rede Bestravel e continuar a prestar o melhor e mais personalizado serviço na área das viagens, continuando o caminho até agora efetuado”

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Agências

Bestravel anuncia campanha exclusiva em parceria com Turismo de Marrocos

A campanha trabalhará sob o conceito “Marrocos: mil e uma cores!” e explorará a diversidade de oferta do destino, de experiências, de hotelaria e de produto que vai desde citybreaks a circuitos, passando pelas praias marroquinas, como Agadir.

Publituris

Com o mote “Marrocos; mil e uma cores”, a rede de agências de viagens Bestravel acaba de lançar uma campanha em parceria com o Turismo marroquino, que estará em vigor até 25 de fevereiro nos 48 pontos de venda da marca.

Esta campanha, segundo a rede, visa reforçar a proximidade entre o destino e o turista nacional, convidando-os a explorar as cores vibrantes de Chefchaouen, o charme histórico de Marraquexe e a atmosfera cosmopolita de Casablanca, tornando a viagem por Marrocos uma experiência inesquecível.

Ricardo Teles, diretor Operacional da Bestravel, destaca que “Marrocos já se tornou um ponto obrigatório nas agendas de férias dos portugueses, sendo um destino de ano inteiro, oferecendo uma variedade de opções ideais para famílias”.

O responsável aponta que esta campanha “é ideal para aqueles que ainda não planearam as suas férias e que procuram um destino próximo, com uma oferta hoteleira excelente e uma ótima relação qualidade-preço”, para avançar que esta parceria com o Turismo de Marrocos “demonstra também a importância do destino no mercado nacional e entre os clientes da Bestravel”.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Agências

Apostas da Airmet para 2024: Reforçar modelo de contratação e estar cada vez mais próxima das suas agências

Reforçar o modelo de contração, que começou a ensaiar em 2022, em que o rappel dos operadores é por agência de viagens e não por grupo, bem como estar cada vez mais próxima da sua rede com várias ações agendadas, são as grandes apostas da Airmet para 2024, ano em que prevê crescimento não só em lojas como em faturação, em busca da liderança em grupos de gestão em Portugal.

Luís Henriques, diretor geral da Airmet, revelou, esta sexta-feira, aos jornalistas, que 2023 foi “um ano entusiasmante” para as agências de viagens da rede de gestão. Embora sem contas ainda fechadas, já se sabe que ao nível dos seis fornecedores considerados premim que tinha, a rede cresceu 35%, tendo a subida ter sido ainda maior nos cinco operadores preferenciais. “2023 foi um ano muito bom para nós, como para todo o mercado. Sustentou a nossa estratégia e o nosso desejo e queremos continuá-lo este ano”, destacou, para avançar que “temos melhorado ao nível e fidelização e retenção de lojas”. E “a maioria foram entradas de agências novas”.

O responsável reforçou que “o aumento do preço médio, em cerca de 15% desde 2019, não tem inibido a compra, pelo contrário: a procura tem crescido todos os anos”, mas em 2024 “a dúvida é se todas as operações programadas vão ser todas efetivadas, até porque o problema das slots se vai manter”.

Ainda no ano passado houve uma grande aposta na capacitação das suas agências de viagens, tendo realizadas 90 horas de formação, das quais 60 certificadas, “cada vez mais uma aposta nossa”, seis “Momentos Airmet” para estar mais próxima possível da sua rede, em tecnologia cresceu em seis vertentes, melhorou a sua intranet e reforçou a equipa comercial, com Célia Castro a norte, Romeu Mendes do sul e com Sérgio Ramires, liderados por Suzana Fonseca, e Catarina Dias como assistente desta equipa.

Estar cada vez mais próxima das suas agências de viagens é mote desta rede, objetivo que é para manter em 2024, como visitas às lojas pelo menos quatro vezes por ano. O novo modelo de contratação, que começou a dar os seus primeiros passos, em 2022, e que permite uma maior rentabilidade às agências de viagens da rede, uma vez que o rappel é disponibilizado por agência e não por grupo, também cresceu, tendo passado de seis operadores premium para oito. São eles agora a Sonhando e Smytravel, W2M.Pro, Newblue, Icárion, Image Tours, Flexible Autos e Viagens Tempo.

No ano passado, os destinos mais vendidos, para além de Portugal, incluindo as ilhas e o Algarve, foram as Caraíbas (México, República Dominicana e Cuba) com a W2M, e Cabo Verde. Luís Henriques está seguro de que, “quanto maior a oferta para as Caraíbas, mais se vende”.

Em 2024, apesar do aumento do preço médio das viagens, que terá subido pelo menos 15%, dos conflitos armados e da instabilidade política, Luís Henriques afirma que “as vendas, a partir de meados de janeiro foram uma autêntica loucura, por isso “acreditamos que este ano será melhor do que 2023”, até porque a Airmet agora já conta com 419 agências de viagens ligadas ao grupo, contra 315 que tinha aquando da sua última convenção realizada em finais de março do ano passado, na Madeira.

Ao nível da formação, o objetivo é continuar com mais webinares, superar as 90 horas, promover pelo menos 12 famtrips exclusivas, ou seja, uma por mês, bem como capacitar também os gestores das agências de viagens, “um foco muito grande”, pois “achamos que faz muito sentido darmos mais ferramentas e formação aos gestores da nossa rede”, defendeu.

O grupo pretende ainda este ano reforçar e até aumentar o patamar do seu modelo de contratação, que até agora o rappel garantido é de 1% para vendas de produtos dos operadores turísticos premium, sem qualquer patamar mínimo de vendas. No entanto poderá chegar a 1,35%, consoante o volume de vendas de cada ponto de venda e não ao nível de toda a rede. Já em relação aos parceiros preferenciais, e à mesma com rappel de loja e não de grupo, requer-se um volume mínimo de vendas para a sua atribuição

“Permite maior rentabilidade da agência de viagens, que está cada vez mais madura, e ao mesmo tempo, clareza e transparência”, disse Luís Henriques, para acrescentar que “a panóplia destes oito parceiros é muito grande e com oferta abrangente” e este ano “identificámos alguns operadores específicos com produtos que não tínhamos, como a Sonhando, com charters de médio curso, e a Smytravel, com cruzeiros”.

Na proximidade com as agências de viagens que constituem este grupo de gestão, o responsável adiantou que, para além das ações de formação e, incluindo a convenção que terá lugar em finais de novembro, em princípio na ilha Terceira (Açores), estão previstas a participação em bloco na BTL, em fevereiro/março, reuniões nas quatro regiões do país, em abril, “Airmet sem fronteiras” com as famílias da rede, em maio, celebrações do aniversário em julho, segunda edição do campeonato de kart em setembro, “Airmet Summit, em outubro, para capacitação dos gestores das agências de viagens, e terminar com a festa de Natal Airmet.

Em termos de tecnologia, a sua plataforma “book&go”, em hotelaria apenas, vai ser mais abrangente a partir de abril, revelou ainda Luís Henriques, em conferência de imprensa.

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
Agências

Estratégia do Mercado das Viagens é crescer em qualidade, subir as vendas e alcançar mais rentabilidade

O Mercado das Viagens, que se reuniu na sua V Convenção, este fim de semana em Elvas, com o lema “Viajar vale mais”, pretende crescer este ano não só ao nível de entrada de novas agências de viagens, com a incorporação de quatro novas lojas, mas de faturação, pelo menos em dois dígitos, quando em 2023 o volume de negócios gerado pelo grupo de franchising aproximou-se muito dos 12 milhões de euros, um aumento de 7% face ao ano anterior.

Os dois administradores do grupo, Nuno Pereira e Carlos Silva, e o diretor geral, Adriano Portugal, disseram aos jornalistas que o objetivo do Mercado das Viagens é crescer sustentadamente e não em quantidade, até porque “não queremos perder a nossa própria identidade”. O propósito do Mercado das Viagens é incorporar quatro novas agências de viagens a somar às 18 que agrega de norte a sul de Portugal e Terceira nos Açores. O plano aliás, é não ultrapassar as 30/35 agências de viagens nos próximos anos. “Para manter a qualidade de serviço que prestamos sem aumentar a equipa, não vamos angariar agências desmesuradamente”, asseguraram. Gostariam de abrir pelo menos duas agências de viagens no centro do país e uma ou duas nos arredores de Lisboa. Quando à Madeira “tem de ser muito bem estudado, pois a concorrência é fortíssima”.

“Queremos crescer com os pés assentes no chão, em qualidade e não só em quantidade. Temos de ter empresas sustentáveis e queremos dar apoio à nossa rede sempre e cada vez melhor”, realçaram num encontro com jornalistas à margem da sua V Convenção que decorreu este fim de semana em Elvas, com o tema “Viajar vale mais”, que é também o slogan adotado desde o primeiro momento da criação do Mercado das Viagens, até porque acreditam que as pessoas crescem e aprendem com as viagens. “Queremos que faça cada vez mais sentido viajar”. Esta convenção contou com 58 participantes da rede mais os seus parceiros, totalizando cerca de 100 pessoas.

O que o Mercado das Viagens transmitiu aos seus franchisados foi que 2023 foi um ano muito positivo não só para o grupo, mas também para todo o mercado, mas com a mensagem que 2024 é uma incógnita por vários motivos e que os conflitos a nível mundial a que se tem assistido, “não são abonatórios”. Adriano Portugal acrescentaria que “estou em crer que vamos ter um ano muito bom, mas e preciso ter os pés bem assentes no chão e dar os passos certos”.

Já Carlos Silva disse que a mensagem que “queremos passar é que o Mercado das Viagens é uma marca nacional e já estamos em praticamente todas as regiões do país e, ao virmos para o Alentejo também quisemos mostrar ao mercado que não olhamos só para o litoral, mas que queremos posicionar-nos no interior com agências da nossa marca, e já temos contactos para isso”.

A convenção de Elvas, como habitualmente, contou com um dia reservado aos administradores das agências de viagens que compõem o grupo, em que, segundo nos confidenciaram, fez-se um balanço do ano que passou, apontaram-se os objetivos para 2024 e as estratégias que estão a ser lineados e que passam, nomeadamente, por subir as vendas e alcançar mais rentabilidade. “Queremos que as empresas associadas à marca tenham a máxima rentabilidade possível e, para isso, é preciso encontrar os mecanismos certos”, consideraram, recusando a abordagem de “vender por vender”.

O grupo de franchising faturou o ano passado cerca de 12 milhões de euros, um crescimento de 7% face a 2022. O objetivo em 2024 é subir dois dígitos, sem contar com as novas quatro agências que, em 2024, passarão a fazer parte do mundo deste grupo, até porque, para elas, será um ano de arranque e com uma participação muito residual no volume de faturação. A formação às suas agências de viagens tem sido uma das grandes apostas do Mercado das Viagens, com participação de todos os players de mercado, tem promovido ações em duas épocas do ano, após a BTL e pós o verão.

Os destinos mais vendidos o ano passado pelo Mercado de Viagens, que tem no lazer o seu principal core business e destinos em operação charter, foram Cabo Verde, Caraíbas, Maiorca, Menorca e Senegal. Assim, a Solférias, Ávoris e W2M foram os operadores turísticos posicionados no top 3, enquanto no segmento de bed banks, destacaram-se a Tour10, Veturis e W2M.

Sobre a necessidade do mercado apresentar novos destinos, até porque as agências de viagens necessitam de ter mais alternativas para apresentar aos seus clientes, os responsáveis do Mercado das Viagens destacam o Brasil, destino que “mais cedo ou mais tarde vai voltar a dar o clique. Não é por acaso que os operadores turísticos têm vindo a aumentar os seus allotments na TAP. Pensamos que o Brasil está a voltar outra vez a ser acessível por parte do cliente. É o destino que mais nos perguntam nas agências, pois já não está com aquela inflação que tornava incompatível para o turista português, embora não seja o que mais vendemos”, referiu Nuno Pereira.

Para ser agente de viagens do grupo, para além de ser obrigatório alguém do turismo ou que tenha à frente da loja um especialista em viagens, é preciso que o empresário tenha como principal objetivo a valorização da marca que foi, recentemente, objeto de um rebranding, em termos de cor, de imagem, sem mexer na identidade que é o nome.

No que diz ainda respeito à marca, o grupo oferece à rede um departamento de marketing totalmente gratuito. Disseram os três responsáveis que 80% do orçamento do Mercado das Viagens no que se refere ao marketing é virado para o digital e, durante a convenção foi anunciado um embaixador da rede para este ano, que “terá um papel preponderante em tudo o que fazemos, ajudar-nos a divulgar a marca, a nossa imagem e a nossa identidade, e que, por sua vez, se reveja na nossa estratégia”, foi dito. Neste caso, trata-se da influencer Sara Prata.

Em relação aos serviços disponibilizados à sua rede de agências de viagens, os responsáveis do Mercado de Viagens deram conta das diversas plataformas como a Optigest e a GBN, bem como o seu consolidador aéreo próprio, lançado em colaboração com a Amadeus há aproximadamente um ano. Além disso, o grupo está à procura de outras plataformas, e até em negociações, com um agregador de hotéis, com vista a poupar tempo aos seus agentes de viagens em pesquisa e facilitar o trabalho do dia a dia.

Criação de produto próprio não está nas intenções deste grupo de franchising de agências de viagens. No entanto, “estamos a trabalhar com grupos e programas muito específicos só para as nossas agências de viagens, que os operadores não têm publicado no mercado e que o cliente não encontra na net. É isso que faz sentido: dois ou três grupos com produtos muito específicos que nos permita alcançar outro tipo de metas”, evidenciaram.

Neste caso, os olhos estão postos para destinos operados a partir de Istambul com a Turkish Airlines, considerado um grande parceiro do Mercado das Viagens. No entanto, e como no Porto estão a operar cada vez mais companhias aéreas, “faz sentido juntar outros destinos”.

A concluir, os três responsáveis do Mercado das Viagens realçaram que “o que temos tentado encontrar são mecanismos para que as nossas agências de viagens se tornem cada vez mais autónomas no produto que têm que apresentar aos seus clientes e não sejam apenas dependentes dos operadores turísticos”.

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
Agências

Agência Abreu cria em São Miguel primeiro Centro de Negócios nas Ilhas

Com a renovação e modernização da loja de Ponta Delgada, nos Açores, a Agência Abreu criou o seu Centro de Negócios de São Miguel, o primeiro a abrir nas ilhas portuguesas.

Publituris

Este balcão passa a tratar, simultaneamente, das viagens de lazer e de negócios, oferecendo, assim, resposta às necessidades corporativas que as empresas da região têm vindo a procurar.

A localização central, junto à marginal da cidade de Ponta Delgada, a necessidade de acompanhar o crescimento das viagens de negócios e a procura pelos serviços proporcionados pela Agência Abreu, foram determinantes para consolidar este balcão como modelo híbrido em termos de funcionamento para lazer e corporativo.

Quem visitar a nova loja, indica a empresa em nota de imprensa, encontrará um atendimento personalizado assistido por profissionais com vasta experiência e conhecimento, sustentados por ferramentas tecnológicas e uma capacidade negocial – seja com companhias aéreas, hotéis e outros serviços – que permitem assegurar a eficácia da resposta a cada tipo de cliente.

Vasco Marques, diretor Regional da Agência Abreu nos Açores explica que “a loja foi pensada e desenhada de modo a criar as condições e a potenciar o desenvolvimento de cada área de negócio, ao mesmo tempo que se apresenta num espaço modernizado, onde imperam o conforto e a simpatia das nossas equipas”.

Por sua vez, o diretor geral da Agência Abreu, Pedro Quintela, defende que este projeto “evidencia a importância que a região dos Açores tem na nossa estratégia a nível nacional, não somente em termos de lazer, mas também a nível corporativo, já que é a primeira loja nas Ilhas portuguesas a funcionar também como Centro de Negócios, a seguir aos Centros de Braga, Porto, Aveiro e Lisboa”.

Refira-se que o Centro de Negócios de Ponta Delgada está instalado na Avenida Infante D. Henrique, 55, e funciona de segunda a sexta-feira entre as 09h00 – 18h00, com assistência 24 horas, sete dias por semana.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Agências

Bestravel ostenta Prémio 5 Estrelas

A rede Bestravel acaba de ser reconhecida, pela primeira vez, com o Prémio 5 Estrelas, na categoria de agências de viagens. Este sistema de avaliação mede, anualmente, o grau de satisfação que produtos, serviços e marcas conferem aos seus utilizadores.

Publituris

A rede de agências de viagens Bestravel passa, assim, a integrar o prestigiado conjunto de marcas vencedoras do melhor que existe no mercado ao nível de produtos, serviços e marcas, através de uma metodologia que avalia as principais características que influenciam os consumidores nas suas decisões de consumo.

Entre as outras marcas do setor avaliadas, a Bestravel conquistou a melhor avaliação nos seguintes parâmetros, nomeadamente “Satisfação Experimentação”, “Preço Qualidade” e “Intenção de Recomendação”.

Para Carlos Baptista, administrador da Bestravel, “é uma excelente forma de começar o ano de 2024 e que nos motiva a continuar a trajetória estratégica que definimos para a marca que, cada vez mais, está a ser reconhecida pelos nossos clientes”, salientando que “é uma distinção que mostra como os consumidores reconhecem a qualidade de serviço que as agências de viagens Bestravel proporcionam aos seus clientes e isso é algo que nos enaltece”.

Refira-se que o Prémio Cinco Estrelas é um sistema de avaliação que anualmente mede o grau de satisfação que os produtos, serviços e as marcas conferem aos seus utilizadores, tendo como critérios de avaliação as cinco principais variáveis que influenciam a decisão de compra dos consumidores: satisfação pela experimentação, relação preço – qualidade, intenção de compra ou recomendação, confiança na marca e inovação.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Agências

ANAV investiga se atividade da Ryanair em Portugal tem lesado as agências de viagens

A ANAV está a recolher informações, junto das agências de viagens, “sobre atividades potencialmente lesivas” por parte da companhia aérea Ryanair, com o objetivo de estabelecer “medidas de correção imediata”, que salvaguardem os interesses da classe e dos clientes finais.

Em comunicado, a ANAV – Associação Nacional de Agências de Viagens, informa que está a recolher informações dos junto dos agentes de viagens portugueses “sobre atividades potencialmente lesivas por parte da companhia aérea Ryanair”.

O objetivo, de acordo com a Associação, “será reunir o maior número possível de dados e casos reais sobre as práticas potencialmente abusivas ou até ilegais, que afetem diretamente o bom e regular funcionamento das agências de viagens portuguesas sempre que compram passagens aéreas ou usem os serviços da companhia aérea”.

Assim, a ANAV solicita às agências de viagens lhe façam chegar toda a informação de situações que resultem em dificuldades, ou que coloquem em causa a qualidade do atendimento e dos serviços prestados junto dos clientes finais.

Na posse de casos concretos sobre a atividade legal, real e comercial da Ryanair em Portugal, a ANAV, segundo o seu presidente, Miguel Quintas, “pretende interpelar a companhia aérea de modo formal, com o propósito de se corrigirem práticas que acreditamos possam ser abusivas para os clientes finais e, obviamente, para as agências de viagens”.

Atualmente, e ainda de acordo com Miguel Quintas, “estamos a avaliar algumas atividades já identificadas, mas que ainda carecem de validação legal, nomeadamente a necessidade de reconhecimento facial, a falta de transparência nos preços, ou ainda um rol informações capciosas dirigidas aos clientes finais sobre a idoneidade das reservas e emissões realizadas pelas agências de viagens, entre algumas outras situações”, realçando que, dependendo do número, do teor e da gravidade das reclamações recebidas pelas agências de viagens, a associação “não enjeita iniciar procedimentos legais contra a Ryanair, caso venhamos a encontrar indícios que o justifiquem”.

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
Agências

Agências de viagens “são as primeiras a cair”, mas “as primeiras a subir” – presidente da APAVT na Convenção GEA

O presidente da APAVT, Pedro Costa Ferreira, destacou a resiliência e a resistência das agências de viagens a condições extremas, tendo, nos últimos 33 anos, ultrapassado várias crises não só financeira como sanitária. E sublinhou que “são as primeiras a cair, quando há uma perda de poder de compra, e somos os primeiros a subir, e de forma muito significativa, e antes dos outros”.

O presidente da APAVT, que falava no painel “Empowering Tomorrow”, durante a conferência “Transformar para liderar”, promovida pelo Grupo GEA Portugal, no âmbito da sua 19ª convenção, em Marraquexe, lembrou que, ao longo de 33 anos que está neste setor, “sempre me disseram que as agências de viagens iam acabar, o facto é que as elas sempre cresceram, o setor sempre cresceu, o volume de balcões sempre cresceu”.

Pedro Costa Ferreira realçou ainda o valor económico do setor: “Lembro-me que há um par de anos a APAVT apresentou um estudo económico do setor, que revelava que representava sete vezes a Autoeuropa. O estudo que atualizámos para 2019 indicava que os resultados diretos e indiretos seriam 4,4 mil milhões de euros, ou seja, 2,5% do PIB. Estamos a atualizá-lo e acreditamos que em 2023, os melhores números de 2019 vão ser ultrapassados”. Por isso, o dirigente “não está nada assustado” com o futuro das agências de viagens, sem esquecer, no entanto, “das tarefas que temos pela frente”.

Entre os desafios que se colocam às agências de viagens, o presidente da APAVT destacou a Inteligência Artificial, mas salientou que “não vale a pena pensarmos se daqui a 10 anos vamos ser ultrapassados, mas vamos ser ultrapassados por quem não utilizar no próximo ano a IA”, mas também disse que o “o maior desafio é os serviços”.

No painel, moderado por Carlos Baptista, administrador do Grupo GEA, participaram ainda o diretor geral da MSC Cruzeiros em Portugal, Eduardo Cabrita (via online), e o académico e empresário, Paulo Amaral.

A relação de parceria e colaboração entre as companhias de cruzeiros e as agências de viagens foi o mote de intervenção de Eduardo Cabrita. Não acredita que alguma vez venha a desaparecer, até porque os agentes de viagens são o garante para o consumidor poder usufruir das suas férias completamente descansado.

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
Agências

Airmet oferece apoio no recrutamento de agentes de viagens para as associadas da rede

A Airmet acaba de anunciar um novo serviço gratuito e exclusivo para as agências de viagens associadas. O grupo de gestão passa a oferecer apoio no recrutamento de agentes de viagens para as associadas da rede, através de uma plataforma online totalmente dedicada ao setor do turismo.

Publituris

De acordo com Susana Fonseca, diretora operacional da rede, “esta iniciativa visa auxiliar as agências a contratar profissionais qualificados com o objetivo de aumentar o desempenho dos seus negócios”.

A Airmet pretende, assim, simplificar este processo às suas agências, ficando responsável pelo lançamento dos anúncios solicitados pelas suas agências associadas e ainda pela procura de candidatos na base de dados da plataforma que se enquadrem nos requisitos definidos pela agência de viagens.

Susana Fonseca afirmou ainda que “a Airmet está comprometida com a qualificação da gestão das agências, sendo essa uma das grandes apostas estratégicas para o ano de 2024″, e reforçou que “é igualmente importante recrutar talentos qualificados para aumentar o desempenho, eficiência e impulsionar o crescimento das agências de viagens”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Agências

Com novos projetos em 2023 GEA criou alicerces para construir o futuro – Carlos Baptista

O Grupo GEA, de acordo com o seu administrador, Carlos Baptista, cumpriu na íntegra os projetos que lançou em 2023, designadamente, uma nova intranet, a Academia GEA, o GEA TVs, e um backoffice de gestão com base em tecnologia Sigav, e diz que são “alicerces fortes para construirmos o futuro”.

Em conferência de imprensa no âmbito da 19ª convenção anual da GEA Portugal, que decorreu no fim de semana, em Marraquexe, com o tema “Tomorrow”, Carlos Baptista, juntamente com o CEO da rede da gestão das agências de viagens, Pedro Gordon, realçaram que, 2023 foi “um ano de mudança e de implementação de novos projetos, de continuidade do trabalho que vinha a ser feito, mas introduzindo uma nova dinâmica em diversos projetos, um ano de muito trabalho, de muita transformação que, só foi possível com todos os agentes do agrupamento comprometidos”, para acrescentar que “alguns deles ficaram acima das expectativas que tínhamos inicialmente, com sucesso de implementação muito grande”.

Os responsáveis do grupo revelaram que “lançámos uma intranet mais moderna, mais friendly, com mais conteúdos, em que mantivemos os pontos fortes do que vinha de trás, mas modernizámos a tecnologia para poder potenciar futuros projetos que vamos querer desenvolver dentro da rede”.

A destacar a academia de formação, que “era uma necessidade verificada a algum tempo pela GEA e finalmente conseguimos lancá-la em setembro, após um diagnóstico feito junto da rede de maneira a definir as necessidades do ponto de vista da formação”, disse o administrador do agrupamento.

Apontou que “foi um plano ambicioso e acabámos por dar quase duas mil horas de volume formativo certificado, num total de 492 formandos. Estamos muito satisfeitos com esta ação que aconteceu entre outubro e novembro e neste momento já estamos a lançar a formação para o primeiro trimestre de 2024”, mas disse que, “como todos os novos projetos, há sempre aspetos a melhorar e, no novo trimestre, vamos implementar melhorias no processo e lançar formação que permita que o agente de viagens a faça no momento e quando tem disponibilidade”. Garantiu ainda que é um projeto que veio para ficar na GEA, para ser desenvolvido, para crescer e para ir mais de encontro às necessidades das agências de viagens da rede.

Além disso, refira-se, o agrupamento de gestão lançou em 2023 o GEA TV. “Quando o lançámos tínhamos uma estimativa de adoção de 150 pontos de venda, mas teve uma aceitação tal que acabámos por implementar, na primeira fase, 223 televisões nas agências de viagens GEA, o que representa quase 50% de toda a rede equipada”.

Carlos Baptista deu nota que “temos vários pedidos da rede e agora vamos abrir para outras agências que queiram aderir” lembrando que este projeto permite ter toda a parte do marketing e de comunicação, de forma dinâmica”, adiantando que um dos objetivos deste projeto é “ser um braço armado da estratégia comercial da GEA, de maneira a que possamos criar mais valias para os parceiros que estão connosco e para as nossas agências, ligando estes dois ecossistemas e podendo potenciar cada vez mais campanhas”,

Sobre o backoffice de gestão GEA, “é mais uma oferta que damos às agências que queiram aderir, totalmente gratuito, como mais uma oferta na criação de valor da GEA. Sabemos que a transição é um processo complexo e demorado, mas estamos satisfeitos por cumprir uma promessa que fizemos à rede, de ter mais uma ferramenta, principalmente para as novas agências do grupo, que lhes vai criar valor”.

É nisto que o grupo GEA Portugal se focou em 2023, para além de processos e procedimentos internos que considera importantes. “Tudo o que anunciámos para 2023 foi feito e com bons indicadores. Em todos estes projetos, apesar de estarem a correr bem, sentimos que há muito por fazer, e toda esta dinâmica da distribuição que existe no aéreo vai-nos exigir estar muito atentos, nomeadamente, com a introdução do NDC da TAP no próximo ano. Estamos a trabalhar para integrá-lo desde o primeiro momento, dando tempo às nossas agências para se adaptarem e perceberem as diferenças”, foi referido no encontro com os jornalistas.

Travel GEA – braço armado da rede

Entretanto, do ponto de vista da Travel GEA, considerado o braço forte do agrupamento no que diz respeito à atividade de agência e de operador, uma vez que tem RNAVT e onde é trabalhada toda a emissão aérea, um consolidador 100% focado nas agências da rede, os resultados foram muito bons, segundo os dois responsáveis, com um crescimento do volume de faturação em cerca de 78,5%.

Carlos Baptista reconhece que, “tendo em conta a dinâmica que tem sido a aviação, entre alterações na estratégia de distribuição, e adoção dos NDC por várias empresas, a Travel GEA tem desempenhado um papel cada vez mais importante no ecossistema da GEA”.

Com os olhos postos nestas alterações, o grupo iniciou, já desde a entrada na Newtour, a introdução de uma plataforma agregadora, em março de 2022, que tem vindo a potenciar desde então “e permite-nos criar competitividade para as nossas agências”. Trata-se de um multi GDS com a Amadeus e Travelport, com NDC diretos implementados e um agregador de LCC- Travelfusion. Mas, garantem os responsáveis da GEA Portugal “queremos estar na vanguarda de tudo o que está a acontecer no mercado e temos capacidade para acompanhar as integrações necessárias para mantermos competitividade”.

Os dois responsáveis disseram ainda que, durante este ano a GEA conseguiu fechar muitos acordos com companhias aéreas, decorrentes da escala ganha com a entrada da rede no grupo Newtour. “Enquanto grupo conseguimos atingir um outro nível de produção e de relevância junto de determinadas companhias aéreas e isso permitiu-nos ter capacidade de criar acordos e mais valias para as nossas agências”, acentuaram.

Assim, na convenção, em sessão fechada, foi feito o balanço das ações implementadas em 2023 e projetado o 2024.

A respeito da implementação do NDC da TAP “vemos com naturalidade. O importante é percebermos como e quando tudo vai acontecer para podermos adaptar essas ferramentas e para que as nossas associadas não estejam em desvantagem em relação ao resto do mercado”, garantiu Carlos Baptista.

O custo desta adoção vai ser assumida pela GEA. “Acho que vamos perder alguma receita junto da companhia aérea, mas vamos tentar trabalhar juntas para as colmatar e para que as nossas agências não tenham um impacto tão gravoso, sabendo que a TAP tem para nós, uma quota de cerca de 50%”, referiu o administrador da rede de gestão de agências de viagens.

Crescimento em 2023

Apesar de não ter sido, em 2023, o foco da GEA ir à procura de novas agências de viagens para o grupo, o facto é que cresceu 5% em números de balcões. Atualmente a rede possui 407 agências de viagens distribuídas por 501 balcões, tendo, no entanto, reforçado a equipa comercial com mais um elemento, neste caso Paulo Lages.

As compras efetuadas pelas agências de viagens do grupo a operadores turísticos, centrais de reservas e companhias de cruzeiros superaram em 32% o volume de 2022, que tinha sido o melhor ano de sempre do grupo. Assim, no que diz respeito aos operadores turísticos, com quem a GEA tem contratos houve um crescimento de 40%, enquanto a venda dos cruzeiros subiu 80% este ano e as centrais de reservas cresceram 16% face ao ano anterior. O ranking dos operadores turísticos não teve grandes alteração, mantendo-se no top a Solférias, a Newblue, Soltour e Soltrópico. Mas quando falamos em grupos, ou seja, com várias marcas, destacam-se em primeiro lugar a World2Meet e depois o conjunto da Ávoris, que os dois, no conjunto, ultrapassaram a Solférias a jogar sozinha.

A convenção em Marraquexe

Para os dois responsáveis a convenção em Marrocos cumpriu os objetivos. “Marrocos é um destino com potencial enorme no mercado português, que junta tradição com modernidade, com muita identidade e faz de Marraquexe um destino único. Acresce que está muito próximo geograficamente de Portugal e com um grande potencial de crescimento”.

Por outro lado, a GEA pretendeu “mostrar aos nossos clientes que o destino está em perfeitas condições para receber turistas e nós, como agentes de viagens somos os primeiros atores a demonstrar isso”. Por isso, “viemos com a intenção para a convenção, mas também de desenvolver e de crescer neste destino turístico”.

É a primeira convenção fora do território nacional e a primeira em África, com cerca de 400 participantes entre agências de viagens GEA, equipa GEA, parceiros e trade marroquino. Assim, Carlos Baptista realça que “culminamos os 20 anos da GEA com uma convenção forte, feita no estrangeiro e num destino que diz muito aos portugueses e tem uma capacidade de crescimento muito efetiva. É também um tónico para lançar os próximos 20 anos”.

 

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.