Edição digital
Assine já
PUB
Tecnologia

merytu responde ao novo paradigma da empregabilidade no turismo

Pensada em 2020 e lançada em 2021, a plataforma merytu pretende dar resposta a uma problemática do setor do turismo: os recursos humanos. Facilitadora de contactos entre quem emprega e quem procura emprego liberal e flexível, a plataforma nasceu com incidência na hospitalidade. Contudo, o objetivo é abranger todo o turismo a nível nacional, possuindo já outros setores de atividade em vista.

Victor Jorge
Tecnologia

merytu responde ao novo paradigma da empregabilidade no turismo

Pensada em 2020 e lançada em 2021, a plataforma merytu pretende dar resposta a uma problemática do setor do turismo: os recursos humanos. Facilitadora de contactos entre quem emprega e quem procura emprego liberal e flexível, a plataforma nasceu com incidência na hospitalidade. Contudo, o objetivo é abranger todo o turismo a nível nacional, possuindo já outros setores de atividade em vista.

Victor Jorge
Sobre o autor
Victor Jorge
Artigos relacionados
Lufthansa faz mais concessões para aquisição da ITA
Aviação
XLR8, D-EDGE e Guestcentric unem-se em evento no Porto
Agenda
Antes da EuroPride em Lisboa, cidade do Porto recebe AGM da EPOA
Destinos
Movimentação de passageiros nos aeroportos nacionais ultrapassa os 8,3 milhões nos dois primeiros meses
Transportes
Proveitos no setor do alojamento continuam em alta em fevereiro
Destinos
Albufeira marca presença na Nauticampo
Destinos
Media Travel ganha torneio de bowling da Turkish Airlines e vai representar Portugal na Turquia
Aviação
Alto Côa é a 11ª Estação Náutica certificada do Centro de Portugal
Destinos
Grupo Air France-KLM mantém interesse na privatização da TAP
Aviação
Nova edição Publituris Hotelaria: Entrevista a Elmar Derkitsch, diretor-geral do Lisbon Marriott Hotel
Hotelaria

De acordo com os dados do World Travel & Tourism Council (WTTC), Portugal regista uma escassez de mão-de-obra, estimando a entidade internacional que faltam preencher cerca de 50.000 empregos no setor do turismo. Num setor que funciona 24 horas, sete dias por semana, 365 dias por ano, o problema dos recursos humanos nunca foi tão premente como agora, com a pandemia a “agudizar uma questão que, contudo, já existia há muito tempo”, admite João Silva Santos, COO da empresa portuguesa merytu, solução tecnológica que une profissionais independentes e empresas da área da hospitalidade de forma inovadora, simples e eficaz, e um dos quatro sócios fundadores, a quem se junta a Portugal Ventures.

Conhecidas as dificuldades em recrutar colaboradores para funções essencialmente operacionais, principalmente na hotelaria e restauração, é neste universo que a merytu se posiciona, neste momento, oferecendo, através da plataforma tecnológica, o melhor “match” entre quem necessita de preencher uma vaga e quem procura, de forma flexível, ter uma ocupação, sem colocar “em risco” o “novo” modo de vida que a pandemia trouxe.

Centrado no turismo, mas não só
A atuar no mercado há pouco mais de um ano, a merytu possui 260 empresas a confiar no modelo apresentado pela plataforma de emprego e mais de 1.300 perfis de profissionais independentes inscritos e uma média de 60 registos diários, oferecendo, neste momento, 18 funções, abrangendo perto de 80% das funções na hotelaria e restauração. “O objetivo é ampliar a oferta e possuímos um roadmap de desenvolvimento muito rápido, de modo a chegar ao turismo na sua plenitude”, salienta o responsável pela empresa. Segundo João Silva Santos, “a ideia é estarmos em todas as frentes do turismo”, admitindo que “existem outros setores que já demonstraram o interesse pela plataforma”, como, por exemplo, a construção ou saúde.

“Compreendemos que o nosso time to market seria muito mais veloz, já que a nossa rede está muito bem estabelecida e vai ao encontro das atuais necessidades do mercado. Compreendemos, também, que seria necessário adaptar as necessidades das empresas à ‘nova’ realidade de quem procura emprego e vice-versa e onde a flexibilidade e disponibilidade são fatores chave”, considera o COO da merytu.

A pandemia trouxe novos desafios, nomeadamente, no equilíbrio que estas gerações mais novas pretendem dar à sua vida pessoal e profissional”

“A pandemia trouxe novos desafios, nomeadamente, no equilíbrio que estas gerações mais novas pretendem dar à sua vida pessoal e profissional”. Daí não é de estranhar que é, sobretudo, na “Geração Z” que a plataforma tem a sua incidência mais concreta, evidenciando João Silva Santos as novas tendências da empregabilidade com que se aceita um compromisso profissional em qualquer parte do país. Contudo, frisa que a merytu “não exclui ninguém”, revelando que existem pessoas na faixa dos 50 e poucos que, de repente, ao perderem um vínculo de longa duração, se registam na plataforma para dar seguimento à experiência que adquiriram e onde “têm realmente uma oportunidade de estar em pé de igualdade com os outros”, admitindo que a idade “não é um fator, mas antes a performance. Hoje pode estar-se a trabalhar durante três ou quatro semanas no Porto, depois duas ou três semanas no Algarve. Atualmente, as pessoas já não querem horários das nove às cinco. Esse agora é o novo paradigma dos recursos humanos no setor do turismo”.

Eventualmente, a classificação mais correta para a merytu é vê-la como um “marketplace” para o emprego flexível e onde as urgências de última hora encontram resposta. “Não vimos substituir os contratos de trabalho, estamos cá para complementá-los”, frisando João Silva Santos que “os gestores de recursos humanos estão cada vez a utilizar-nos mais como uma ferramenta para suprir necessidades que de outra forma talvez não conseguiriam, já que o tempo de aferir, num processo de seleção, um profissional ou de ter o work assembly, é demorado”. Ou seja, “somos uma ferramenta, não somos uma agência, nem nos substituímos à expertise do profissional de recursos humanos. Complementamos com tecnologia uma necessidade do mercado de trabalho na área do turismo”.

João Silva Santos refere que a fundação da merytu “foi realmente algo circunstancial que veio trazer uma oportunidade e uma pertinência superior”. Se antes da pandemia já havia, por parte de muitos decisores, alguma necessidade de pensar diferente, com a pandemia “houve uma aceleração”. Certo é que para o COO da empresa, “as pessoas não desapareceram”, o que acontece agora é que as pessoas “necessitam de ser valorizadas de uma forma muito diferente”.

Ajustar procura e oferta
É aqui que entram os três pilares fundamentais pelas quais a merytu se rege: rendimentos, tempo e flexibilidade. “Pagando mal ou bem, há comparativos com outros setores”, destacando João Silva Santos a taxa de licenciados (cerca de 40%) que abandonam o setor do turismo e, especialmente, o da hospitalidade. “Isto dá-nos pistas de que alguma coisa tem de mudar”, admite, colocando, igualmente, enfâse no desenvolvimento de carreiras. Ou seja, “se invisto o meu tempo a tirar uma licenciatura e em conhecimentos académicos também procuro um plano de carreira concreto e não teórico”.

A empresa, através da aplicação, indica uma referência remuneratória “20% acima da média do que as funções ganhariam em contexto tradicional”, salientando que “não controlamos nem queremos controlar as remunerações”.

Os pilares do tempo e da flexibilidade estão interligados, frisando João Silva Santos que “valorizamos o tempo das pessoas, trazendo uma oportunidade de equilibrar o fator pessoal e profissional de uma forma inédita. E dá um exemplo: “Se um profissional de sala quiser manter a prática do surf todos os dias de manhã e conseguir na aplicação aceitar convites numa unidade que regularmente o convoca a partir do turno da tarde, naturalmente que quererá o melhor de dois mundos”. Ou seja, consegue encaixar o trabalho na vida pessoal e vice-versa.

Do lado das empresas, o “segredo” passa por suprimir uma necessidade urgente e temporária, sem existir um vínculo laboral que traria custos à empresa, podendo contar com um profissional à medida, num modelo aberto, no que João Silva Santos diz ser um “abrir de porta”. “Não somos intermediários, somos facilitadores e é realmente este matching que acontece e é uma mais-valia para todos. A rapidez de identificação, podendo existir um compromisso em dez minutos, traz uma agilidade inédita para um setor que anda sempre à velocidade da luz”.

De acordo com João Silva Santos, é o “contexto realtime que muda as regras do jogo”, não se tratando somente de uma plataforma onde se “despeja” o CV. “A nossa forma de estar no mercado responde efetivamente aos atuais desafios do setor do turismo, pelo facto de ser verdadeiramente atrativo para os profissionais e empresas”, refere o responsável da empresa, admitindo que a proposta de valor baseia-se no “equilíbrio e na cooperação e é totalmente ajustada às expetativas de ambas as partes. Por um lado, as empresas encontram na merytu uma solução ágil de reforçarem as suas equipas, com profissionais qualificados e motivados, à medida das suas necessidades. Por outro, os profissionais deste ramo conseguem finalmente encontrar a liberdade e flexibilidade de horários, que tanto necessitam para equilibrar a vida pessoal e profissional”.

Complementamos com tecnologia uma necessidade do mercado de trabalho na área do turismo”

Expansão nacional
A atuar em todo o território nacional, o trabalho do departamento comercial da merytu desenvolve-se não junto de quem procura colocação, mas sim junto das empresas que colocam essas vagas, ou melhor, “gigs”, na plataforma. João Silva Santos destaca, de resto, o fator humano que “não é muito comum em tecnologia”. Cada empresa que se regista recebe um follow-up através do customer service que funciona sete dias por semana, referindo o responsável que “muitas empresas ficaram surpreendidas por serem contactadas por profissionais de uma aplicação que instalaram num telefone, situação que nunca tinha acontecido antes”. Contudo, refere, “isto é fundamental para que as pessoas tenham confiança, já que se surgir algum problema, sabem que existe alguém para ajudar”.

“A tecnologia não vai substituir o fator humano”, considera João Silva Santos, frisando que “o trabalho que temos com os nossos clientes é de compromisso total”.

Presente nas áreas metropolitanas de Lisboa e Porto, a merytu ambiciona crescer a curto prazo para outros pontos do país, nomeadamente Algarve e lha da Madeira. A expectativa é chegar até ao final do ano de 2022 com mais de 2.000 perfis profissionais inscritos na plataforma, assim como contar com 300 empresas ativas.

Como funciona a merytu?

A ligação entre empresas e profissionais acontece da seguinte forma: as empresas submetem os seus convites de compromissos profissionais, de acordo com as respetivas necessidades, indicando as funções e níveis de experiência pretendidos, datas, horários, duração dos serviços e ainda, outras competências necessárias para o desempenho das funções pretendidas.
De forma automática, a merytu faz o match entre as empresas e os profissionais com o perfil desejado, disponíveis para aceitar os convites. Após a prestação do serviço, as empresas avaliam o desempenho do profissional de acordo com vários parâmetros definidos, garantindo desta forma a transparência e, em simultâneo, os profissionais avaliam as respetivas experiências nessas empresas. Esta avaliação permite aos profissionais evoluírem de acordo com o seu mérito, podendo aumentar o seu valor por hora e, por outro lado, permite às empresas encontrar profissionais com as qualificações que desejam, bem como diferenciarem-se em termos de Employer Branding, através da classificação que recebem.
Trata-se de uma solução win-win, que responde às tendências do setor, através da qual os profissionais poderão encontrar oportunidades de trabalho flexíveis e construir as suas carreiras autonomamente, com possibilidades de evolução baseadas no desempenho. Para as empresas as mais valias também são notórias. Através da plataforma o processo de identificação de profissionais é contínuo – 24/7 – não havendo trabalho administrativo envolvido, nem dependência de intermediários. O acesso ao perfil dos profissionais é feito de forma imediata e em minutos é efetuada a correspondência entre profissional e empresa. A seleção é feita pelo nível de experiência pretendido, assim como pelo feedback de performance detalhado e, por essa razão, o match é, em regra, eficaz. Por sua vez, este método é também uma mais-valia para profissionais juniores, experientes ou até mesmo pessoas que desejem mudar radicalmente de área, ajudando-as a perceber o seu verdadeiro potencial, promovendo o seu desenvolvimento pessoal e profissional, adquirindo conhecimentos e competências técnicas on-the-job.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Artigos relacionados
Lufthansa faz mais concessões para aquisição da ITA
Aviação
XLR8, D-EDGE e Guestcentric unem-se em evento no Porto
Agenda
Antes da EuroPride em Lisboa, cidade do Porto recebe AGM da EPOA
Destinos
Movimentação de passageiros nos aeroportos nacionais ultrapassa os 8,3 milhões nos dois primeiros meses
Transportes
Proveitos no setor do alojamento continuam em alta em fevereiro
Destinos
Albufeira marca presença na Nauticampo
Destinos
Media Travel ganha torneio de bowling da Turkish Airlines e vai representar Portugal na Turquia
Aviação
Alto Côa é a 11ª Estação Náutica certificada do Centro de Portugal
Destinos
Grupo Air France-KLM mantém interesse na privatização da TAP
Aviação
Nova edição Publituris Hotelaria: Entrevista a Elmar Derkitsch, diretor-geral do Lisbon Marriott Hotel
Hotelaria
PUB
Tecnologia

eDreams ODIGEO aposta na melhoria da transformação tecnológica orientada pela IA

A eDreams ODIGEO, que participou no Next’24, evento anual organizado pela Google Cloud e dedicado à inovação, que se realizou este ano em Las Vegas, EUA, assume a sua aposta na melhoria da transformação tecnológica orientada pela Inteligência Artificial (IA), para “proporcionar experiências de viagem ainda mais personalizadas e harmoniosas”.

Publituris

A empresa mundial de subscrições de viagens e uma das maiores de e-commerce da Europa foi convidada a subir ao palco para partilhar em detalhe a sua visão sobre o seu percurso de transformação tecnológica, abrangendo em particular a sua transição de um ambiente de armazenamento de dados preexistentes para uma estrutura pioneira de data mesh suportada por uma estratégia que coloca a Inteligência Artificial (IA) em primeiro plano.

Carlos Saona, Chief Architect da eDreams ODIGEO, explicou como a estrutura data mesh marcou uma mudança significativa na forma como a eDO gere os dados. Com 247 websites e aplicações que facilitam 3 mil milhões de pesquisas de viagens por mês, o aproveitamento estratégico dos dados é o alicerce das operações da empresa.

Destacando o papel da IA na transformação da eDreams ODIGEO, Carlos Saona partilhou como a estrutura data mesh facilita a implementação de modelos de IA e de Machine Learning em toda a organização. Ao democratizar o acesso aos dados e permitir uma abordagem mais colaborativa e flexível à gestão destes, a eDO acelerou significativamente as suas iniciativas de IA, com esforços que abrangem melhores experiências personalizadas para os clientes, eficiência operacional otimizada e também o desbloqueio de novos caminhos de crescimento. Tudo isto viabilizou a capacidade da eDO de oferecer personalização líder no setor, que é valorizada pelos consumidores.

Na sua apresentação, o executivo da eDO descreveu em pormenor o percurso da empresa para a implementação da arquitetura data mesh, uma estrutura descentralizada que capacita as equipas individuais com autonomia para gerirem os seus domínios de dados, ao mesmo tempo que adere a normas de governação e interoperabilidade ao nível da empresa. Esta mudança tem sido crucial para a eDO manter a sua agilidade e capacidade de resposta, permitindo uma rápida adaptação às mudanças do mercado e às necessidades dos clientes.

Saona comentou ainda sobre a direção futura dos avanços tecnológicos da eDreams ODIGEO: “Fomos pioneiros na integração da IA no setor das viagens já há mais de uma década. Atualmente, estamos empenhados em melhorar cada vez mais a sua aplicação para proporcionar experiências de viagem ainda mais personalizadas e harmoniosas. Vamos continuar a aperfeiçoar a nossa arquitetura de dados no sentido de conseguir processamento de dados e insights em tempo real.”

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Tecnologia

AMEX GBT compra CWT por 570 milhões de dólares

Depois de, em 2021, ter comprado a Egencia ao grupo Expedia por 5,5 mil milhões de dólares, a American Express Global Business Travel avança para uma nova aquisição, desta feita para a CWT.

Publituris

A American Express Global Business Travel (Amex GBT), operada pela Global Business Travel Group, Inc., empresa que atua no mercado de software e serviços B2B para viagens e despesas, anunciou um acordo definitivo para adquirir a CWT, fornecedor global de soluções para viagens de negócios e reuniões, numa transação que avalia a CWT em cerca de 570 milhões de dólares (cerca de 530 milhões de euros) numa base sem dinheiro e sem dívidas, sujeita a determinados pressupostos e ajustes no preço de compra.

A transação será financiada por uma combinação de ações e dinheiro e espera-se que seja concluída no segundo semestre de 2024, sujeita à satisfação das condições habituais de fecho, incluindo a receção de determinadas aprovações regulamentares.

A CWT presta serviço a 4.000 clientes e gera, aproximadamente, 850 milhões de dólares de receita (cerca de pouco mais de 785 milhões de euros) e 70 milhões a 80 milhões de dólares (entre 65 a 75 milhões de euros) de EBITDA ajustado em 2024.

Paul Abbott, CEO do Amex GBT, refere, no comunicado que anuncia esta compra, que “trazer a CWT para o modelo comprovado de software e serviços do Amex GBT criará mais opções para os clientes, mais oportunidades para as pessoas e mais valor para os acionistas.”

Após o fecho da aquisição, os clientes da CWT terão acesso ao software e aos serviços próprios do Amex GBT para viagens e despesas, incluindo o Neo1, o Neo e o Egencia, para além do Select, que permite aos clientes integrarem-se com parceiros tecnológicos líderes. Os clientes terão acesso à mais vasta carteira de serviços profissionais, incluindo reuniões e eventos, consultoria e soluções de sustentabilidade, e o mercado da Amex GBT dará acesso aos conteúdos mais completos e competitivos do sector.

Patrick Andersen, diretor executivo da CWT, afirma, por sua vez, que “a união de forças com o Amex GBT ajuda a acelerar a nossa visão de um futuro tecnológico para as viagens de negócios, em que as pessoas e a tecnologia se combinam para proporcionar uma experiência excecional ao cliente”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Foto: Depositphotos.com

Tecnologia

Empresas de viagens, transporte e logística pretendem reduzir impacto das TI no ambiente

Um estudo levado a cabo pela Colt Technology Services, empresa de infraestruturas digitais, deu conta que uma em cada quatro empresas de viagens, transporte e logística mencionou que as suas principais prioridades são a compreensão (24%) e a redução (25%) do impacto da sua infraestrutura de tecnologias da informação (TI) no ambiente.

Publituris

Os inquiridos deste setor revelaram-se mais propensos do que outros a dar prioridade a novas aplicações colaborativas e de comunicação, com uma percentagem de 31% – 11 pontos percentuais acima da média do setor. As empresas questionadas desta indústria são também as mais inclinadas a considerar que a integração de novas geografias nas redes da sua empresa são uma prioridade – quase um em cada quatro empresas (23%).

Os resultados deste estudo têm por base um inquérito aplicado entre 30 de novembro e 14 de dezembro de 2023 a 1.114 diretores de TI e responsáveis por serviços de infraestruturas digitais em vários setores de atividade em empresas de 12 países, nomeadamente Estados Unidos da América (EUA), Reino Unido, França, Alemanha, Holanda, Espanha, Itália, Suécia, Dinamarca, Singapura, Japão e Hong Kong.

Em nota de imprensa, a Colt Technology Services afirmou que este estudo “sublinha a preocupação crescente em torno do impacto ambiental das redes informáticas”, já que um em cada cinco dos inquiridos (20%) posicionou a «compreensão do impacto ambiental da sua infraestrutura de TI» entre as suas três principais prioridades.

Já 19% referiu a redução do impacto ambiental da sua infraestrutura de TI como uma prioridade, com Espanha a posicionar-se como o país, dentro dos inquiridos, que mais se comprometeu a identificar (28%) e a reduzir (26%) o impacto ambiental.

Empresas de TI esperam aumentos nos orçamentos em tecnologia
No mesmo documento, a empresa de infraestruturas digitais referiu que o estudo “revela otimismo nos orçamentos destinados às tecnologias”, já que quase oito em cada dez das empresas inquiridas (79%) esperam aumentar os seus orçamentos de tecnologia nos próximos três anos.

Os mais otimistas quanto ao crescimento dos seus orçamentos são os diretores de TI de Hong Kong (92%), Singapura (89%) e do Japão (84%), sendo que as principais prioridades a nível de investimento dizem respeito à melhoria da segurança (apontada por 40% dos inquiridos) e à inclusão de recursos de IA e machine learning (31%).

O estudo também conclui que uma em cada quatro empresas está a utilizar a sua infraestrutura de TI para explorar novos fluxos de receitas – um valor que aumenta para cerca de uma a cada três empresas no Japão (31%) e nos EUA (30%).

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Tecnologia

Amadeus adquire especialista em pagamentos de viagens

A aquisição da Voxel pela Amadeus irá melhorar a experiência de pagamento entre os diferentes intervenientes no ecossistema de viagens.

Publituris

A Amadeus adquiriu a Voxel, um dos principais fornecedores de soluções de faturação eletrónica e de pagamento B2B para agências de viagens, hotéis e outros intervenientes no setor das viagens.

Esta transação reforçará, segundo a Amadeus, “a visão de proporcionar uma experiência de pagamento sem falhas para o setor das viagens, admitindo, igualmente, que “complementará o negócio de pagamentos da Amadeus, Outpayce, melhorando a sua atual linha de produtos para agentes de viagens, enquanto se expande para a área hoteleira.

A adição das soluções da Voxel à atual oferta da Amadeus significa acesso a uma gama mais vasta de serviços de pagamento para agentes de viagens e uma forma mais automatizada de gestão de faturas eletrónicas para operadores turísticos, TMCs, agregadores de hotéis e hotéis. A aquisição da Voxel também ajudará a Amadeus a servir melhor os seus clientes empresariais, automatizando ainda mais a experiência de viagens de negócios, desde as reservas e pagamentos até à gestão de despesas.

Decius Valmorbida, presidente, Viagens Amadeus, refere que a aquisição da Voxel “traz uma linha complementar de soluções para enriquecer a oferta de ponta a ponta da Amadeus, aproveitando a tecnologia inteligente para beneficiar a indústria e o ecossistema de viagens em geral”.

O responsável adianta ainda que “os pagamentos estão presentes em todas as fases da experiência de viagem. Para tornar a experiência de viagem melhor, é crucial garantir pagamentos ágeis, integrados e até invisíveis. Temos agora uma equipa de especialistas apaixonados por pagamentos e uma vasta gama de clientes que poderão tirar partido das capacidades da Amadeus e da Voxel em conjunto”.

Do lado da Voxel, Àngel Garrido, CEO da empresa, acrescenta que a Amadeus tem um alcance global, com especialistas em viagens e tecnologia a trabalhar para tornar as viagens melhores e conectadas de ponta a ponta. Estes atributos, combinados com as raízes profundas da Amadeus no setor das viagens, resultaram numa oportunidade única para a Voxel e a Amadeus crescerem mais rapidamente e integrarem tecnologia inovadora e automatizada, melhorando não só os processos para os agentes de viagens, mas também para os fornecedores de viagens. A combinação da nossa tecnologia, das nossas equipas, das nossas fortes culturas empresariais alinhadas e das nossas ligações irá, sem dúvida, aproximar-nos um pouco mais de pagamentos de viagens mais simples e fáceis”.

David Doctor, CEO da Outpayce, salienta, por sua vez, que, “desde a criação da Outpayce, o negócio de pagamentos da Amadeus, tem como objetivo reforçar a oferta atual e desenvolver um ecossistema de pagamentos integrado ao qual as empresas de viagens se possam ligar e aceder às mais recentes inovações fintech”, reforçando que “a aquisição da Voxel permite-nos fazer as duas coisas”.

De referir que a Voxel é especializada em faturação eletrónica e pagamentos eletrónicos B2B, com a plataforma Bavel da Voxel a gerir os processos de pagamento eletrónico de ponta a ponta. Mais de 50.000 hotéis, mais de 1.000 operadores turísticos e empresas de viagens, e mais de 3.000 restaurantes e franchisings em mais de 100 países beneficiam atualmente desta plataforma. É constituída pelo Bavel Pay, Bavel Billing e Bavel Procurement, e gere mais de 100 milhões de transações por ano.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Tecnologia

Utilização de IA pelos agentes de viagens e apps personalizadas é uma certeza no futuro

Que a Inteligência Artificial (IA) está aí, ninguém duvida. Que fará parte do futuro, é outra certeza. Por isso, Charuta Fadnis, vice-presidente sénior da Phocuswright, chamou a atenção para os que “subestimam a relevância da aplicação e aplicabilidade desta tecnologia”.

Victor Jorge

A indústria do turismo teve uma excelente recuperação da pandemia, mas está a passar por uma “mudança fundamental”. Na ITB Berlim, Charuta Fadnis, vice-presidente sénior da Phocuswright, falou sobre a importância crescente da IA generativa, ao mesmo tempo que olhou para além desta tendência para o futuro.

De acordo com Fadnis, a IA generativa afetou tanto os fornecedores como os clientes. Cerca de 80% das pessoas de todas as idades estavam cientes da existência e da importância desta tecnologia. No entanto, “existem diferenças significativas entre países e grupos etários no que respeita à utilização pessoal”, afirmou. “Nos EUA, cerca de 50% dos inquiridos sentiam-se à vontade com os modelos de linguagem de grande dimensão (Large Language Models, LLM sigla em inglês), contra 35% na Alemanha e 30% em França”.

“As empresas que incluem a IA na apresentação online dos seus serviços têm conseguido aumentar significativamente o seu volume de negócios”, mencionado Charuta Fadnis o Tripadvisor que, nos primeiros três meses após a introdução de um serviço interativo, conseguiu, em média, triplicar o volume de negócios por cliente em comparação com os clientes normais do Tripadvisor.

Charuta Fadnis também lançou um olhar para o futuro, prevendo que os agentes virtuais assumirão as reservas dos viajantes. “Não podemos ignorar a IA, pois o seu efeito será transformador. Talvez algumas pessoas sobrestimem o seu impacto a curto prazo, mas provavelmente há muitas que subestimam o seu efeito a longo prazo”, frisou Fadnis.

“A IA tem o potencial de não só facilitar a vida dos viajantes, mas também de, nalguns casos, a tornar mais difícil – se, por exemplo, for utilizada para gerar um grande volume de críticas falsas e tentar os consumidores a fazer reservas de que mais tarde se arrependerão. Uma forma de evitar esta situação passa por combinar a IA generativa com a tecnologia blockchain, garantindo uma identificação fiável dos utilizadores e tornando a utilização indevida muito mais difícil”, advertiu a vice-presidente sénior da Phocuswright.

Na ITB Berlin, Charuta Fadnis também apresentou os resultados do último inquérito sobre turismo e sustentabilidade, salientando que “os clientes precisam de fazer um esforço maior neste domínio”, já que apesar de 50% dos inquiridos terem afirmado que as normas ambientais e os critérios de proteção do clima determinavam as suas escolhas de transporte e alojamento, apenas 10% o fizeram na prática.

“Muitos viajantes esperam que os operadores turísticos, os governos e os destinos assumam a responsabilidade por uma experiência de viagem sustentável”, concluindo Charuta Fadnis, que “é importante que os consumidores também participem. Isto pode ser conseguido definindo e comunicando claramente as normas – e dando recomendações ‘palpáveis’ e realistas aos viajantes”.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Aviação

NDC da Travelport+ distribui conteúdos e serviços da Iberia

Os conteúdos e serviços da Iberia passam a estar disponíveis através da norma NDC aos agentes Travelport+.

Publituris

A Iberia e a Travelport passam a oferecer conteúdos e serviços NDC (New Distribution Capability) na plataforma Travelport+. Os agentes que utilizam a Travelport+ poderão visualizar e comparar as tarifas NDC da Iberia e os serviços auxiliares num único local, facilitando a identificação e a reserva das melhores opções para os seus viajantes.

Para Celia Muñoz Espín, diretora de Estratégia Comercial e Distribuição da Iberia, “a adição da Travelport ao NDC é um marco fundamental na profunda transformação que está a ocorrer na nossa indústria. Com esta aliança, oferecemos uma gama mais alargada de opções às agências de viagens que utilizam o Travelport+ e, ao mesmo tempo, os clientes beneficiarão de um maior número de alternativas e de uma experiência melhorada”.

Sobre a Travelport, a diretora da Iberia frisa que se trata de um fornecedor de tecnologia “bem conhecido no setor das viagens que está a evoluir para o futuro do marketing”. Por isso, considera que, para a Iberia, “é importante estabelecer parcerias com fornecedores de tecnologia com uma vasta experiência e que possam satisfazer as nossas exigências de inovação centrada no cliente”.

Já Jason Clarke, Commercial Diretor, Travel Partners da Travelport, refere que “através do Travelport +, os utilizadores das nossas agências podem comprar e gerir os voos dos seus clientes sem problemas, com acesso a todas as ofertas dinâmicas de produtos e acessórios da Iberia num só lugar.”

De resto, Jason Clarke salienta que a empresa está a “acelerar o fornecimento de soluções NDC completas para os nossos parceiros aéreos, como a Iberia, para que a fonte de conteúdo não seja um fator para as agências e empresas de gestão de viagens (TMC) que precisam de criar experiências modernas de venda a retalho e de serviços para os seus viajantes.”

A Travelport está também a fornecer às suas agências parceiras as capacidades necessárias para servir os viajantes diretamente, permitindo aos agentes modificar, alterar ou cancelar reservas NDC da Iberia quando necessário. Os clientes das agências da Travelport em Portugal, o primeiro país em que o acordo está a ser implementado, são os primeiros a ter acesso à solução completa Iberia NDC na Travelport+, esperando-se que os restantes mercados tenham acesso nas próximas semanas.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Tecnologia

LUGGit fecha ronda de investimento no valor de 1,8 M€  

A empresa de gestão de bagagens fechou uma nova ronda de investimento de 1,8 milhões de euros em que participaram a GED Ventures Portugal, Caixa Capital e Portugal Ventures, alcançando os 2,2 milhões de euros de investimento total.

Victor Jorge

A LUGGit fechou uma nova ronda de investimento de 1,8 milhões de euros, operação liderada por GED Ventures Portugal e Caixa Capital, fundos de investimento centrados em empresas portuguesas aos quais acompanha a Portugal Ventures, fundo que já investiu previamente na empresa.

Criada em 2019 com sede em Portugal e reconhecida como a segunda solução mais inovadora no setor pela Organização Mundial de Turismo em 2020, a LUGGit é uma empresa que se dedica à recolha, armazenamento e entrega de bagagem no local e hora que os clientes escolherem. A empresa, que começou a operar em Lisboa e Porto conta hoje com operação em cinco cidades distribuídas por três países diferentes.

Depois de ter crescido em todos os seus aspetos, depois de em 2021 ter redefinido o seu foco, alcançando acordos com mais de 2.000 proprietários e gestores de alojamento turístico, a LUGGit cresceu começou, em 2022, a operar em Praga e Barcelona, expansão internacional que culminou com a abertura de Madrid em julho de 2023. Uma expansão que fez com que a empresa conseguisse alcançar mais de 10.000 clientes, e faturar desde já, mais do dobro este ano, comparado com 2022.

Ricardo Figueiredo, CEO e co-fundador de LUGGit, destaca que a chave do êxito está “em manter a excelência e satisfação dos clientes como nossa essência. Os investidores percebem a importância desta forma de trabalhar e graças à sua colaboração e confiança podemos continuar a avançar no nosso plano de expansão, que tem como objetivo abrir mercados em 7 cidades europeias novas localizadas em 3 países diferentes e aumentar a nossa equipa com 8 novas contratações durante o próximo ano.”

Para Francisco Lino Marques, partner e membro do Conselho de Administração da GED Ventures Portugal, “a LUGGit é uma das mais promissoras start-ups portuguesas de Logistics Tech, pelo que este investimento permitirá acelerar o desenvolvimento tecnológico, posicionado esta solução como uma das mais inovadoras do setor do turismo.”

Já Pedro Rangel, presidente do Conselho de Administração da Caixa Capital, destaca que, “através deste investimento, a Caixa Capital reforça a sua estratégia no apoio a empreendedores nacionais, cujos projetos apresentam um foco no desenvolvimento de produtos e serviços inovadores, de elevado potencial e orientados para o mercado global. No caso específico da LUGGit, identificámos uma oportunidade diferenciadora de transformação e melhoria da experiência turística, associada ao transporte e armazenamento de bagagens com o recurso a uma app.”

Por último, Pedro Mello Breyner, vogal Executivo da Portugal Ventures, refere que “a Portugal Ventures investiu na LUGGit em 2019 pouco depois de iniciarem a sua atividade em Lisboa e Porto. Desde essa data, tem sido um orgulho acompanhar a equipa de promotores, sendo estes um exemplo de resiliência na superação dos diversos desafios que foram surgindo, nomeadamente dois anos de pandemia. Com presença em algumas das cidades mais turísticas da Europa, esta ronda de investimento é um passo importante para a equipa de promotores implementar o reforço da sua estratégia de internacionalização, que irá permitir o crescimento da empresa em recursos humanos qualificados e contribuindo para a melhoria da visibilidade de Portugal como um exemplo de boas práticas na dinamização do empreendedorismo.”

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Distribuição

Consultia Business Travel simplifica oferta Destinux

A nova oferta da Consultia Business Travel passa de seis tipos de produtos para apenas dois – Freemium e Premium – para tornar acessível a qualquer empresa melhorar a sua experiência de gestão de viagens e, ao mesmo tempo, poupar.

Publituris

A Consultia Business Travel, empresa especializada na gestão integrada de viagens de negócios, acaba de simplificar a sua plataforma Destinux com dois novos planos: Freemium e Premium. Esta alteração coloca à disposição dos clientes ofertas em função do orçamento das suas viagens de negócios, surgindo esta oferta no âmbito da sua estratégia de democratização da tecnologia Destinux.

Freemium é a versão gratuita de Destinux projetada para atender às necessidades de um mercado pouco estruturado, sendo avaliado em mais de 1.000 milhões de euros em despesas de viagens de negócios apenas em Portugal.

A partir deste plano, as empresas podem aceder aos serviços básicos da Destinux sem custos de subscrição, permitindo uma gestão mais eficientes das suas viagens de negócios. O Freemium, permite, ainda, às empresas ter acesso gratuito ao módulo de reservas Destinux (não sendo necessário ter subscrição anual), por cada pedido registado é emitida uma fatura, apoio a incidências e um máximo de cinco utilizadores por registo.

Já o pacote Destinux Premium, permite que os clientes contratem uma gama de serviços a partir de 49 euros por mês, no caso de empresas com um orçamento de viagens corporativas inferior a 40 mil euros por ano. Este modelo, foi especialmente desenvolvido para as empresas que desejem automatizar a gestão de viagens corporativas sem prescindir de um atendimento humano personalizado quando necessário, que se traduz na satisfação e poupanças significativas às empresas, num mercado que vale mais de um bilião de dólares a nível mundial.

As vantagens do Destinux Premium passam pela implementação de uma política de viagens, que confere aos utilizadores maior segurança; autorizações automatizadas, fornecendo mesmo um maior controlo sobre as suas viagens; as despesas e o orçamento são atribuídos a departamentos específicos, para uma fácil organização e pagamento; elabora e  controla orçamentos, para os utilizadores terem em conta os seus gastos; calcula o retorno de investimento (ROI) das viagens, para demonstrar quais são as melhores soluções para os utilizadores; integra os dados com sistemas ERP, para gerir e planear os recursos empresariais de cada utilizador; este modelo permite digitalizar as despesas de deslocação, para reduzir a utilização de papel, tal como, oferece a compensação das emissões de carbono (CO2), sendo assim um serviço amigo do ambiente.

Além disso através do Destinux Premium é possível ter acesso a toda a informação e documentação online a qualquer momento; conciliação dos cartões, para que os utilizadores possam ter acesso a mais ofertas; oferece um suporte personalizado, para ajudar os utilizadores com todas as questões que relacionadas com as suas viagens.

O CEO da Consultia Business Travel, Carlos Martinez, salienta que o objetivo com esta evolução do produto é tornar o Destinux “acessível a todas as empresas, quer confiem a gestão das suas viagens corporativas a uma empresa especializada, quer ainda a gerem internamente”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Tecnologia

Prime da eDreams ODIGEO ultrapassa os 5 milhões de membros

O Prime, plataforma de subscrição de viagens da eDreams, acaba de ultrapassar os cinco milhões de membros, tendo adicionado 1.7 milhões de novos subscritores só no último ano. Nos últimos cinco anos registou uma taxa de crescimento anual composta (CAGR) de 220%.

Publituris

A eDreams ODIGEO anunciou esta quarta-feira, que o seu serviço de subscrição – Prime, ultrapassou os 5 milhões de membros, após adicionar 1.7 milhões de novos subscritores apenas no último ano.

Para além do volume de membros, o Prime também ultrapassa as outras plataformas em termos de taxas de crescimento. A análise do crescimento das principais plataformas de subscrição durante os últimos cinco anos fiscais, alinhada com o período durante o qual o Prime esteve a operar, revela que este registou a maior taxa de crescimento anual composta, alcançando os 220%. Refira-se que o programa está atualmente disponível em 10 dos 44 países nos quais a eDreams ODIGEO opera as suas plataformas de reservas de viagens.

Lançado em 2017, o Prime concede aos seus membros acesso exclusivo a uma infinidade de ofertas, promoções e descontos em vários produtos e serviços de viagem, desde voos e alojamentos a pacotes de férias e aluguer de automóveis. Os membros Prime têm também acesso a um serviço prioritário de apoio ao cliente 24/7 e podem usufruir de todas as vantagens do programa desde a primeira reserva que efetuarem, sem quaisquer limitações em termos de itinerários, datas de viagem, fornecedores ou número de reservas.

Esta flexibilidade oferece aos viajantes uma vasta gama de opções, tais como o acesso a milhares de milhões de combinações de voos para quase 700 companhias aéreas de todo o mundo. Para além disso, os membros podem garantir tarifas com desconto em 2.1 milhões de opções de alojamento oferecidas pelas marcas da eDreams ODIGEO, juntamente com milhares de opções de aluguer de automóveis.

O Prime também é capaz de ajudar os seus membros a fazer poupanças de custos significativas, uma proposta de valor fundamental para os consumidores, especialmente no atual contexto macroeconómico.

Uma análise levada a cabo pela eDreams ODIGEO confirma que a economia das subscrições está em plena expansão. As plataformas de subscrição mais relevantes do mundo têm agora um total de 1.5 mil milhões de subscritores, em comparação com apenas 458 milhões em 2017, quando o Prime foi inicialmente lançado.

Por outro lado, nos últimos 11 anos, a economia das subscrições cresceu a uma taxa de crescimento anual (CAGR) de 17%, quase quatro vezes mais rapidamente do que as empresas tradicionais.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Alojamento

Guestcentric celebra parceria com coleção de hotéis de termas em Portugal

Em causa está o Grupo Desenvolvimento das Termas de Portugal, onde estão incluídas as unidades Palace Hotel & SPA Termas de S. Vicente, Palace Hotel & SPA Termas de S. Miguel, Palace Hotel & SPA Termas de S. Tiago, Plácido Douro Tabuaço, Palace Hotel & SPA Termas do Bicanho, Palace Hotel & SPA Monterio, Palace Hotel & SPA Astúrias, Hotel Monterio Aguieira e o Majestoso Hotel.

Publituris

A Guestcentric, fornecedora de soluções de comércio eletrónico para hotéis, estabeleceu uma colaboração com uma rede de hotéis especializados em termas e bem-estar de Portugal.

Em causa está o Grupo Desenvolvimento das Termas de Portugal, onde estão incluídas as unidades Palace Hotel & SPA Termas de S. Vicente, Palace Hotel & SPA Termas de S. Miguel, Palace Hotel & SPA Termas de S. Tiago, Plácido Douro Tabuaço, Palace Hotel & SPA Termas do Bicanho, Palace Hotel & SPA Monterio, Palace Hotel & SPA Astúrias, Hotel Monterio Aguieira e o Majestoso Hotel. O objetivo passa por “otimizar a presença online e aumentar as vendas diretas nas nove unidades hoteleiras sob a sua gestão, localizadas no Norte de Portugal”, como indicado em comunicado.

Numa primeira fase, a Guestcentric explica que “o foco foi implementar o motor de reservas, concebido de raiz para maximizar a conversão das vendas diretas de cada um dos hotéis da coleção”.

Complementarmente, será integrado em cada hotel o channel management da Guestcentric, que “assegura uma presença integrada e fluída nos diversos canais online”. Desta forma, “as unidades terão um maior controle sobre a distribuição do seu inventário, podendo aumentar a sua penetração internacional, dando prioridade à distribuição direta, que é a mais rentável”. A parceria inclui ainda uma integração direta com os canais Meta, “reforçando o posicionamento dos hotéis em novos mercados, atraindo um público internacional mais vasto do que o atual”.

Para além da plataforma tecnológica de Guestcentric, os hotéis do grupo dispõem ainda do Lab, um serviço de marketing digital desta empresa que atua como uma extensão da equipa de marketing dos hotéis, “personalizado às necessidades de cada cliente”. Este baseia-se numa análise permanente e rigorosa da performance online do cliente, complementada com insights de mercado.

“É com muito entusiasmo que damos as boas-vindas a estas nove unidades hoteleiras enquanto nossos clientes. As nossas ferramentas abrangem as várias áreas do mundo digital e foram concebidas para serem geridas diretamente pelo hotel, para melhorar as vendas diretas”, afirma Filipa Campos, diretora de vendas para a região da EMEA na Guestcentric.

Já Daniel Fernandes Lourenço, administrador do grupo de hotéis, acrescenta que “a parceria com a Guestcentric anima-nos muito nesta fase do nosso desenvolvimento. Ao trabalhar em estreita colaboração com a equipa da Guestcentric e recorrendo à sua plataforma digital, estamos confiantes que veremos o nosso negócio online crescer significativamente.”

A Guestcentric implementou a sua suíte de soluções de e-commerce em todos os hotéis do grupo, prevendo a conclusão do projeto “num futuro próximo, com o lançamento de um website para cada unidade hoteleira”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.