Edição digital
Assine já
PUB
Indicadores

Accor reorganiza a sua estrutura em duas divisões de negócios

Com as duas divisões de negócios, a Accor pretende melhorar o seu desempenho operacional e financeiro.

Publituris
Indicadores

Accor reorganiza a sua estrutura em duas divisões de negócios

Com as duas divisões de negócios, a Accor pretende melhorar o seu desempenho operacional e financeiro.

Publituris
Sobre o autor
Publituris
Artigos relacionados
Coming2 pretende ser reconhecida como marca própria no mercado português
Distribuição
BTL recebeu mais de 79 mil visitantes na maior edição de sempre
Meeting Industry
CATAI dá a conhecer programação em roadshow por cinco cidades portuguesas
Distribuição
Algarve soma recordes e apresenta extenso plano de ações para 2024
Destinos
Solférias e Disneyland Paris lançam incentivo para agentes de viagens
Distribuição
V Convenção Nacional da ARAC decorre em Óbidos a 18 de outubro
Transportes
Região espanhola Castilla-La Mancha de olhos postos no mercado português
Destinos
Procura supera oferta na ESHTE
Emprego e Formação
Tunisair regressa a Lisboa com um voo por semana a partir de 6 de maio
Aviação
Turismo do Dubai promove roadshow para o trade português
Destinos

O grupo hoteleiro Accor, que opera um portefólio de marcas que abrange todos os segmentos do turismo, vai implementar uma mudança na sua estrutura organizacional a partir do próximo dia 01 de outubro, estabelecendo duas linhas de negócios específicas. Uma das divisões irá centrar-se em hotéis económicos,”midscale” e premium, enquanto a outra ficará encarregue das unidades de luxo e lifestyle.

A divisão ” Economy, Midscale & Premium ” será composta por seis marcas do grupo que somam 4.816 hotéis em todo o mundo e 948 propriedades em desenvolvimento: Ibis, Novotel, Mercure, Swissôtel, Mövenpick e Pullman. A estratégia está focada em acelerar o seu desenvolvimento -especialmente através de franquias-, realizar um rejuvenescimento das marcas e a “industrialização” do modelo operacional.

De acordo com o que foi divulgado pelo grupo hoteleiro, esta divisão incorporará posições de liderança na Europa, América Latina, Ásia.-Pacífico e Médio Oriente, e será estruturada em quatro sedes regionais: Paris, São Paulo, Singapura e Shangai.

Quanto à divisão “Luxury & Lifestyle”, será estruturada através de quatro pilares: Raffles & Orient Express, Fairmont, Sofitel & MGallery e Ennismore. Esta divisão abrange 488 hotéis em todo o mundo e 266 projetos em desenvolvimento. A estratégia será fortalecer marcas, investindo no talento, selecionando as melhores localizações e oferecendo experiências únicas e inovadoras, indica a cadeia.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Artigos relacionados
Coming2 pretende ser reconhecida como marca própria no mercado português
Distribuição
BTL recebeu mais de 79 mil visitantes na maior edição de sempre
Meeting Industry
CATAI dá a conhecer programação em roadshow por cinco cidades portuguesas
Distribuição
Algarve soma recordes e apresenta extenso plano de ações para 2024
Destinos
Solférias e Disneyland Paris lançam incentivo para agentes de viagens
Distribuição
V Convenção Nacional da ARAC decorre em Óbidos a 18 de outubro
Transportes
Região espanhola Castilla-La Mancha de olhos postos no mercado português
Destinos
Procura supera oferta na ESHTE
Emprego e Formação
Tunisair regressa a Lisboa com um voo por semana a partir de 6 de maio
Aviação
Turismo do Dubai promove roadshow para o trade português
Destinos
PUB
Alojamento

Preço médio por quarto aumentou em todas as regiões de Portugal em 2023

Os hoteleiros deram conta de aumentos no preço médio por quarto em todas as regiões de Portugal em 2023, com o preço médio nacional a situar-se nos 141 euros – um aumento de 18% face a 2023.

Carla Nunes

Os dados resultam de um estudo conduzido pelo gabinete de estudos e estatísticas da Associação da Hotelaria de Portugal (AHP), que inquiriu 476 estabelecimentos hoteleiros entre 2 e 21 de janeiro de 2024.

O maior aumento no preço médio por quarto verificou-se no Alentejo, que em 2023 situou este índice nos 159 euros, numa subida de 29% face a 2022. Também em Lisboa o preço médio por quarto fixou-se nos 159 euros em 2023, contudo, a subida em relação ao ano anterior foi de 4%.

Na lista de maiores subidas do preço médio segue-se a Região Autónoma dos Açores, que ao colocar este indicador a 135 euros verificou uma subida de 25% face aos valores de 2022. Destaque também para a região Norte, cujo preço médio aumentou 21% em 2023 face a 2022, para 132 euros, e para a região Centro, cujo preço médio de 100 euros significou um aumento de 20% deste indicador em relação a 2022.

Sobre o desempenho do preço médio em 2023, 50% dos inquiridos considerou que o preço médio foi “melhor” ou “muito melhor” que o de 2022.

Se por um lado, 38% dos inquiridos dos Açores apontou que o desempenho deste indicador foi “pior” que em 2022, outros 38% da mesma região são da opinião de que foi “melhor” que 2022. De apontar ainda que 45% dos inquiridos do Algarve e 43% do Alentejo consideram que o preço médio de 2023 foi “igual” a 2022.

Fonte: AHP

Quanto ao balanço de 2023 referente à taxa de ocupação, todas as regiões dão conta de subidas neste indicador, à exceção do Algarve e do Alentejo, cuja taxa foi igual à de 2022, e da Região Autónoma dos Açores, com os dados a indicarem uma descida de 5 pontos percentuais (p.p.) face aos valores de 2022.

A média nacional com base no inquérito da AHP aponta para uma taxa de ocupação de 68%, uma subida de 7 p.p., com a Região Autónoma da Madeira a marcar a maior taxa de ocupação no balanço de 2023: 81%, uma subida de 5 p.p. face a 2022.

A maior subida de taxa de ocupação verificou-se na região Centro, que com uma taxa de 58% em 2023 subiu 7 p.p. face a 2022. Segue-se a região Norte, com uma subida de 6 p.p. em relação a 2022 e uma taxa de 60% em 2023.

Fonte: AHP

Relativamente à estada média, que a nível nacional situou-se nos três dias, em 2023, apenas três regiões registaram um aumento face ao ano anterior: Foi o caso da Região Autónoma das Madeira, cuja estada média foi de sete noites em 2023 (mais seis noites que em 2022); da Região Autónoma dos Açores, com uma estada média de quatro noites em 2023 (mais três noites que em 2022); e do Norte, cuja estada média passou de duas noites, em 2022, para quatro noites em 2023.

“O Norte basicamente dobrou a estada média. É de relevo para nós esta distribuição no território, é muito mais rentável para a hotelaria assegurar os clientes e tê-los durante mais tempo, e para isso é preciso todo o turismo trabalhar em rede. Evidentemente também tem a ver com o tipo de nicho e turismo que se pratica nos destinos”, referiu Cristina Siza Vieira, vice-presidente da AHP, na apresentação aos jornalistas na manhã desta sexta-feira.

O mercado português foi o mais referido pelos hoteleiros quando questionados sobre os seus principais três mercados (apontado por 76% dos inquiridos), seguido pelo do Reino Unido (50% dos inquiridos), Estados Unidos da América (41% dos inquiridos) e Espanha (40% dos inquiridos). Por outro lado, o mercado brasileiro só foi referido por 17% dos inquiridos como um dos principais três mercados.

Já quanto aos canais de reserva, 93% dos inquiridos indicou o Booking.com como um dos seus principais três canais de reserva, seguido pelo website próprio (92% dos inquiridos) e do Expedia (61% dos inquiridos). Para trás ficaram canais como a GDS (10% dos inquiridos) e o Airbnb (2% dos inquiridos).

Perspetivas para 2024

No âmbito das perspetivas para 2024, a maioria dos inquiridos antecipam uma taxa de ocupação em 2024 que seja, pelo menos, “igual” ou “melhor” que a de 2023, com 54% dos inquiridos a indicar que este indicador será “melhor” no segundo trimestre de 2024, quando comparado com 2023.

Se os Açores, a Área Metropolitana de Lisboa e a região Norte esperam que o primeiro trimestre de 2024 seja “pior” ou “igual” a 2023, o Alentejo antecipa que em 2024 todos os trimestres serão “melhores” que os dados de 2023. A Madeira espera um 2024 semelhante ao de 2023, mas com resultados “melhores” no último trimestre face ao ano anterior.

No indicador do preço médio por quarto, a maioria dos inquiridos antecipa que este será “melhor” em 2024 do que em 2023, uma perspetiva que também se reflete na expetativa quanto às receitas para 2024.

Quanto aos principais mercados, 75% dos hoteleiros continua a colocar a expetativa em Portugal como um dos seus principais três mercados, ao qual se segue o Reino Unido (referido por 48% dos inquiridos), Estados Unidos da América (42%) e Espanha (41%).

Na lista dos desafios e constrangimentos para 2024, 78% dos inquiridos coloca a instabilidade geopolítica como uma das principais preocupações, seguida pelo aumento das taxas de juro (59% dos inquiridos).

A redução do número de voos é outra das preocupações dos hoteleiros (40% dos inquiridos), sendo referido como um dos principais problemas por 90% dos hoteleiros inquiridos da Região Autónoma dos Açores, 73% da Região Autónoma da Madeira e 58% do Algarve.

O inquérito levado a cabo pela AHP foi realizado entre 2 e 21 de janeiro de 2024 junto de 476 empreendimentos turísticos associados da associação, sendo que da amostra 42% dos estabelecimentos estão localizados na região de Lisboa, 14% no Algarve, 13% no Norte, 12% no Centro, 11% na Madeira, 6% no Alentejo e 3% nos Açores.

Sobre o autorCarla Nunes

Carla Nunes

Mais artigos
Destinos

Carlos Abade: “Estamos a 7,6% de atingir os 27 mil milhões de euros em receitas no turismo”

O presidente do Turismo de Portugal aponta que, terminadas as contas, o setor turístico português pode chegar aos 25 mil milhões de euros em receitas em 2023, ficando a 7,6% de atingir os 27 mil milhões de euros definidos em 2021 pelo setor para 2027. A perspectiva para este ano é de crescimento, baseada na estrutura já existente – sem ter em conta um novo aeroporto.

Carla Nunes

De acordo com os dados e projeções do Turismo de Portugal para 2023, e face aos números de novembro desse ano, o setor poderá chegar aos 25 mil milhões de euros em receitas, “independentemente das questões conjeturais que impactavam negativamente o que era o crescimento do setor português”.

A afirmação parte de Carlos Abade, presidente do Turismo de Portugal, que marcou presença num almoço da Associação da Hotelaria de Portugal (AHP) esta segunda-feira, 15 de janeiro, no Lisbon Marriot Hotel.

O presidente do Turismo de Portugal lembra que a indicação dos 25 mil milhões de euros trata-se de uma projeção, já que os valores de dezembro ainda não se encontram fechados. No entanto, lembra que este valor é “bastante significativo quando temos em conta que o objetivo [de 2021] era chegar aos 27 mil milhões de euros em 2027, partindo de um valor de 18 mil milhões”.

Desta forma, Carlos Abade salienta que, a concretizar-se este valor de receita, o setor está “a 7,6% de atingir em 2024 as receitas turísticas de 27 mil milhões de euros – menos de metade do crescimento registado entre 2022 e 2023”.

“É verdade que aqui também existe o efeito da inflação. Em qualquer dos casos, aquilo que podemos ver é que relativamente a 2022 o crescimento [de receitas turísticas] foi de quase 19% e, relativamente a 2019, o crescimento foi de 37,2%”, afirma.

Ainda no âmbito das previsões, o presidente do Turismo de Portugal espera que o ano de 2023 feche com 77 milhões de dormidas, ou seja, “um crescimento de quase 11% face aos dados de 2022 e 10% em relação aos dados de 2019”.

Crescimento turístico sem novo aeroporto

Quando questionado sobre a possibilidade de crescimento face à atual situação do aeroporto de Lisboa, e com a demora perspectivada na construção de uma nova infraestrutura, Carlos Abade é taxativo: “As nossas perspectivas de crescimento assentam nas infraestruturas que temos”.

Como refere, “o crescimento deve ser feito em todo o país e ao longo de todo o ano”, razão pela qual afirma ser necessário “trabalhar com todas as companhias aéreas, com todos os aeroportos de Portugal, para [os] maximizar”. Lembra ainda que no caso de Lisboa, “mesmo com o aeroporto na situação em que está, [a cidade] apresenta um crescimento face aos números de 2022, o que significa que é possível”.

No entanto, Carlos Abade reconhece que “é claro que no caso da infraestrutura aeroportuária de Lisboa existe uma dimensão difícil, porque naturalmente está perto daquilo que é o seu limite de capacidade, por isso, o que temos de fazer é ser cada vez mais eficientes no aproveitamento dessa infraestrutura”.

O presidente do Turismo de Portugal ressalva ainda que, apesar do marco a atingir de 27 mil milhões de euros em receitas turísticas, esse não pode ser o único foco para 2024, sendo necessário fazer “um trabalho inteligente, responsável, de sustentabilidade e de autenticidade das regiões e dos territórios”.

Os mercados de 2023

O presidente do Turismo de Portugal dá conta que o crescimento acima descrito “ocorreu em praticamente todos os mercados, com particular incidência no mercado dos Estados Unidos da América (EUA)”, para o qual se aponta um crescimento de 70% nas dormidas em 2023 face a 2019, seguido pela Irlanda, com um crescimento de 19,9%, e Itália, com um crescimento de 15%.

Do lado oposto, Carlos Abade afirma que o Brasil “é o único mercado que não atingiu ainda os valores de 2019”, registando menos 13,5% das dormidas em 2023 face a 2019, algo que atribui “sobretudo à capacidade aérea, que está a ser reposta e que acreditamos que possa dar a volta no ano de 2024”.

Já o mercado nacional corresponde a cerca de 30% [do mercado turístico] de 2023, sendo objetivo do Turismo de Portugal “que este mercado continue a crescer”, com os portugueses a “visitar todo o território [português] durante todo o ano”. Para este segmento, o Turismo de Portugal tem uma campanha “relativamente ao tema do Interior, onde temos a dimensão de valorização e campanha nacional”. No entanto, Carlos Abade não referiu que outras ações ou campanhas estão planeadas para este mercado, afirmando apenas que, “naturalmente, durante o ano, iremos fazer novas campanhas [de promoção]”.

As perspectivas para 2024

Para este ano de 2024, as expectativas do presidente do Turismo de Portugal são positivas, já que acredita que o setor do turismo vai continuar a crescer e apresentar “um incremento relativamente àquilo que foi 2023” no final deste ano.

Na sua apresentação sustenta-se nos estudos feitos pela International Air Transport Association (IATA) e pelo World Travel & Tourism Council (WTTC), “que apontam no sentido de que o crescimento vai continuar”. Como afirma, “a IATA aponta para um aumento de 9% a nível de passageiros na Europa e a WTTC para o crescimento médio de turismo mundial de 5,8% em 2023”.

“Já tenho lido várias vezes sobre esta matéria, de dizer que o setor do turismo está a chegar quase ao seu limite. Peço desculpa, mas isso é absurdo. Vamos continuar a crescer porque vamos continuar a investir em mercados com maior valor acrescentado, porque as próprias empresas vão tornar-se mais eficientes e porque temos feito cada vez mais uma aposta noutros territórios. A questão é como e quando vamos continuar a crescer”, termina.

Sobre o autorCarla Nunes

Carla Nunes

Mais artigos
Alojamento

Guestcentric prevê estabilização na procura de viagens para 2024

A Guestcentric prevê que o início de 2024 vai ficar marcado pela estabilização na procura de viagens, já que, de acordo com os dados do portfólio de hotéis nesta plataforma, as reservas para o primeiro trimestre de 2024 estão a níveis muito próximos do mesmo período em 2023.

Publituris

Embora as reservas para dezembro de 2023 tenham ultrapassado os níveis de 2022, como a Guestcentric aponta em comunicado, a plataforma prevê que a procura por viagens se estabilize, “reflexo do aumento nos custos de vida e o seu efeito nas despesas discricionárias dos consumidores”. Já as viagens de grupo no âmbito corporativo, como conferências, congressos e reuniões, mantêm-se “robustas”, de acordo com a Guestcentric.

É nesse sentido que a plataforma enfatiza que as próximas tendências incluem “novos modelos de negócios e oportunidades para os hotéis desenvolverem fontes de receitas adicionais”. Com a Google a alertar para o decréscimo nas reservas de viagens de lazer em 2023, a Guestcentric prevê “um potencial redirecionamento da procura para as viagens corporativas e também de bleisure (business e leisure), sublinhando a importância de uma adaptação estratégica e rápida pelos hotéis” para servir este segmento.

Plataforma antecipa maior utilização de IA e HyperCommerce no setor

Ainda no âmbito das previsões para 2024, a Guestcentric antecipa que a Inteligência Artificial (IA) vai continuar a dar cartas no próximo ano, com a melhoria e otimização dos serviços prestados aos hóspedes – desde um check-in mais personalizado até uma estadia num tipo de quarto mais ajustado às preferências dos clientes.

Nesse sentido, a plataforma aponta que os hoteleiros devem adotar ferramentas como o HyperCommerce para “transformar a experiência do hóspede com ofertas e propostas hiper personalizadas”, além de aportar para a importância de os hotéis investirem em estratégias de CRM  “para analisar os dados e o perfil do hóspede”.

Num contexto em que “a procura por experiências personalizadas aumenta”, a Guestcentric prevê também que em 2024 haverá “uma transição gradual para preços baseados nos atributos específicos do hotel, especialmente em termos da localização do quarto e das comodidades que este oferece”.

A sustentabilidade, seja ela focada no planeta, nas pessoas ou na rentabilidade, continuará a ser 2um pilar na estratégia dos hotéis” de acordo com a plataforma, razão pela qual recomenda que os hotéis “usem a tecnologia numa óptica de sustentabilidade económica, reduzindo os custos operacionais e melhorando a produtividade das suas equipas”.

Por fim, a Guestcentric recomenda que os hotéis “intensifiquem e invistam nas suas estratégias de redes sociais, especialmente em plataformas como o Instagram e o TikTok”. O objetivo passa por alcançar e envolver “um público-alvo mais amplo, numa era em que a atenção do consumidor é cada vez mais limitada”. Como referem em nota de imprensa, “olhando para o panorama que se avizinha em 2024, vemos os hotéis focados no crescimento dos seus canais de vendas diretas, tornando-os prioritários através de ofertas exclusivas, incentivos personalizados e programas de fidelização robustos”.

“Estas tendências servem como uma bússola para assegurar aos hoteleiros um crescimento sustentável do seu negócio, mantendo e desenvolvendo experiências excepcionais para os seus hóspedes. A chave está na capacidade de adaptação, na abertura à inovação e num compromisso genuíno em superar as expectativas dos clientes. Ao alinhar as suas estratégias a estas tendências, os hotéis conseguirão impactar o seu cliente de forma duradoura, assegurando assim as suas posições de liderança na indústria – não apenas em 2024, mas também nos anos vindouros”, refere Pedro Colaço, CEO da Guestcentric.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Alojamento

AHETA: Taxa de ocupação por quarto no Algarve volta a subir em novembro deste ano

Os mercados sueco e norueguês foram os que contribuíram com as estadias médias mais prolongadas em novembro, sendo que as regiões que verificaram as maiores subidas face ao ano passado foram Tavira, Faro e Olhão e Carvoeiro e Armação de Pêra.

Publituris

No passado mês de novembro a taxa de ocupação por quarto situou-se nos 44,2%, ou seja, 1,3 pontos percentuais (pp)acima da verificada em 2022 e 0,4pp acima da registada em novembro de 2019.

Os dados provisórios foram avançados pela Associação de Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve (AHETA), que em nota de imprensa deu conta que os mercados que mais contribuíram para esta subida homóloga foram o britânico (mais 1,4pp que em 2022) o sueco (mais 0,9pp) e o canadiano (mais 0,6pp).

As regiões que verificaram as maiores subidas em relação ao ano passado foram Tavira (mais 9,0pp), Faro e Olhão (mais 8,7pp) e Carvoeiro e Armação de Pêra (mais 6,8pp).

A estadia média em novembro foi de 4,6 noites, 0,4 acima da verificada no mês homólogo de 2022. As estadias médias mais prolongadas couberam ao mercado sueco, com 16 noites e do mercado norueguês, com 8,9.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Alojamento

Guestcentric regista “forte procura” por hotéis portugueses para o Natal e Ano Novo

De acordo com dados recolhidos pela Guestcentric até ao início de novembro de 2023, as pesquisas para estadias durante o período de Natal registaram um aumento de 45% em comparação com o ano anterior. Já para as estadias na véspera do Ano Novo, as pesquisas subiram 56% em relação a 2022.

Publituris

A Guestcentric registou ” um aumento significativo” no número de pesquisas de hotéis em Portugal para o Natal e Ano Novo de 2023.

Os dados recolhidos até ao início de novembro de 2023, revelados pela Guestcentric em nota de imprensa, dão conta de que as pesquisas para estadias durante o período de Natal registaram um aumento de 45% em comparação com o ano anterior. Também o preço médio dos alojamentos para esta data subiu, com um aumentou 26% comparativamente ao verificado em 2022.

Já para as estadias na véspera do Ano Novo, as pesquisas subiram 56% em relação às do ano passado, sendo que “a aceleração na atividade de pesquisa foi especialmente visível em outubro”. Os preços médios para estadias na véspera do Ano Novo estão 23% acima de 2022, atualmente.

“Os hotéis portugueses podem esperar uma época de Natal francamente positiva este ano, com procura muito elevada, tanto para o Natal como para o Ano Novo. Os nossos dados revelam um aumento substancial nas pesquisas e nas reservas por hotéis, refletindo o regresso definitivo na confiança dos viajantes. O desafio neste momento para os hotéis é como gerir o seu negócio de forma rentável, nestes tempos incertos, e gerir os picos súbitos na procura”, afirma Pedro Colaço, CEO da Guestcentric.

Para as datas específicas do Natal e Fim de Ano, a Guestcentric recomenda aos hotéis “focarem-se nos seus clientes diretos, passados e potenciais, enquanto segmento de mercado mais rentável para o hotel, e com menor custo de aquisição”. Deixa também a nota aos hoteleiros para “confirmarem todo o negócio potencial, com tarifas não-reembolsáveis e estadias mínimas mais longas”.

Em termos operacionais, a Gestcentric é da opinião de que “os hotéis devem orçamentar os custos de energia e de recursos humanos desta quadra natalícia, refletindo-os nos seus preços e programas”. Dada a atual “escassez de mão de obra na hotelaria e restauração, [os hotéis] podem investir numa estratégia de recursos humanos específica à época natalícia, que inclua outros benefícios, para além da remuneração adicional e variável, para atrair e reter colaboradores – sejam estes permanentes, temporários ou estudantes”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Alojamento

AHETA: Ocupação por quarto no Algarve em setembro ainda abaixo dos valores de 2019

Os dados avançados pela Associação de Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve (AHETA) dão conta de que a taxa de ocupação por quarto em setembro deste ano foi de 83,9%.

Publituris

Em setembro, as unidades de alojamento no Algarve registaram uma subida de 3,8 pontos percentuais na taxa de ocupação quarto face ao mesmo mês do ano anterior, no entanto, os valores ainda se encontram abaixo dos registados em 2019. Os dados foram avançados esta segunda-feira, 9 de outubro, pela Associação de Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve (AHETA).

A taxa de ocupação por quarto em setembro deste ano foi de 83,9%, 3,8 pontos percentuais (pp) acima da verificada em 2022, mas 3,1pp abaixo da verificada em setembro de 2019.

Em nota de imprensa, a AHETA afirma que os mercados que mais contribuíram para a subida homóloga verificada foram o britânico (mais 2,4pp), o alemão (mais 2 pp) e o irlandês (mais 1 pp).

Fonte: AHETA

Relativamente às zonas geográficas, as maiores subidas face ao ano anterior ocorreram nas zonas de Monte Gordo / Vila Real de Santo António (mais 9,9pp), Faro / Olhão (mais 6 pp) e Carvoeiro / Armação de Pêra (mais 5 pp).

Neste mês de setembro a estadia média foi de 4,3 noites, idêntica à verificada no mês homólogo de 2022, sendo que as estadias médias mais prolongadas foram as do mercado neerlandês, com 5,9 noites, e do mercado irlandês, com 5,3 noites.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Meliá Hotels International
Alojamento

Ativos hoteleiros concentram 36% do volume transacionado no primeiro semestre de 2023

A consultora Cushman & Wakefield aponta que “apesar do evidente aumento do custo de vida, a procura hoteleira tem vindo a aumentar, sobretudo nos destinos de lazer, pelo que estes destinos vão-se manter na preferência dos investidores”. Destaca ainda a preferência dos investidores por destinos urbanos, com equilíbrio entre mercado corporativo e de lazer.

Publituris

Os ativos hoteleiros agregaram 36% do volume transacionado no primeiro semestre de 2023. O valor é apontado pela Cushman & Wakefield (C&W), consultora de serviços imobiliários, na 41ª edição do Marketbeat Portugal – uma publicação semestral que resume a atividade do mercado imobiliário nacional em 2023 e destaca as principais tendências do mercado.

Em nota de imprensa, a consultora indica que a atividade de investimento em imobiliário comercial registou um volume de negócios de 749 milhões de euros no primeiro semestre de 2023, um valor que se encontra 17% acima do período homólogo. Com cerca de 40 operações, o valor médio por transação situou-se nos 20 milhões de euros. Já os ativos de retalho retomaram a liderança, concentrando 38% do volume total investido.

Oferta hoteleira

Em termos de oferta hoteleira, a  Cushman & Wakefield indica que desde o início deste ano foram  inauguradas 30 novas unidades com mais de 2.100 quartos, sendo que mais de 60% é classificada como 4 estrelas. Os concelhos de Lisboa e Porto concentram a maior parcela desta nova oferta, com 12 novas unidades hoteleiras num total de 880 unidades de alojamento. Entre as maiores aberturas destacam-se o Renaissance Porto Lapa Hotel (4 estrelas), o Masa Hotel Campo Grande (4 estrelas), o Barceló Funchal Oldtown (5 estrelas) e a abertura de dois hotéis de 3 estrelas da B&B Hotels, em Guimarães e Oeiras.

Em relação à oferta futura, encontram-se em fase de projeto e/ou construção 90 novos projetos com abertura prevista para os próximos três anos, num total de 8.200 quartos. A oferta futura continua a concentrar-se maioritariamente em hotéis de 4 e 5 estrelas (32% e 31%, respetivamente) e nas áreas metropolitanas de Lisboa e Porto.

Em Lisboa registaram-se seis novas aberturas de estabelecimentos hoteleiros em 2023, num total de 440 quartos, a quase todos de 4 estrelas. Até 2025, estão previstos mais 15 hotéis com 1.600 camas na capital, com maior preponderância da oferta de 5 e 4 estrelas, em percentagens de 37% e 28%, respetivamente. Entre estes destacam-se o Meliá Lisboa, um 5 estrelas com 240 quartos, e o Moxy Alfragide Lisbon, um 3 estrelas com 220 quartos.

Já no Porto, estima-se que nos próximos três anos estejam concluídos três hotéis com 250 quartos, com uma distribuição equilibrada entre 4 e 5 estrelas. Entre as aberturas previstas, destaque para o Meliá São João da Madeira, de 4 estrelas, e para o Altis Porto Hotel, de 5 estrelas, ambos com 100 quartos.

Tendências no setor

A  Cushman & Wakefield aponta que “apesar do evidente aumento do custo de vida, a procura hoteleira tem vindo a aumentar, sobretudo nos destinos de lazer, pelo que estes destinos vão-se manter na preferência dos investidores”.

A consultora indica ainda que se destacam igualmente nas preferências dos investidores os destinos urbanos, com equilíbrio entre mercado corporativo e de lazer, sendo que “os segmentos de luxo e baixo custo estarão menos expostos a oscilações de base económica, sobretudo nos segmentos de lazer e com ampla exposição a mercados com taxas de câmbio favoráveis ao euro”.

Também “a consciência dos players do setor à necessidade de adequar os ativos e empresas às políticas Environmental, Social and Governance (ESG) tem sido crescente, antecipando-se o reforço da prioritização desta temática nos projetos atuais e futuros”, de acordo com a consultora.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Alojamento

INE: Portugal regista 3,2M de hóspedes e 8,8M de dormidas em julho

O número de hóspedes em julho deste ano aumentou 4,2% em relação ao período homólogo, sendo que as dormidas aumentaram 1,5% face ao mesmo período. Neste mês, o rendimento médio por quarto ocupado (ADR) atingiu novos máximos históricos na Área Metropolitana de Lisboa e nas Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira.

Publituris

Em julho de 2023, o setor do alojamento turístico registou 3,2 milhões de hóspedes, mais 4,2% em relação ao período homólogo, e 8,8 milhões de dormidas, mais 1,5% face ao mesmo período.

Estes valores corresponderam a 754 milhões de euros de proveitos totais (+10,6%) e 597 milhões de euros de proveitos de aposento (+11,5%). Comparando com julho de 2019, registaram-se aumentos de 41% nos proveitos totais e 42,4% nos relativos a aposento.

No período acumulado de janeiro a julho de 2023, os proveitos totais cresceram 26,1% e os relativos a aposento aumentaram 27,7%. Comparando com o mesmo período de 2019, verificam-se aumentos de 38,9% e 41,8%, respetivamente. Neste período, os proveitos atingiram 3,2 mil milhões de euros no total e os relativos a aposento ascenderam a 2,5 mil milhões de euros.

Créditos: INE

O maior peso nos proveitos totais e de aposento em julho verificaram-se no Algarve (36,2% e 35,5%, respetivamente), seguindo pela Área Metropolitana de Lisboa (25,6% e 26,8%, pela mesma ordem), Norte (13,6% e 13,9%, respetivamente) e Região Autónoma da Madeira (RA Madeira) – 9,1% e 8,2%, pela mesma ordem.

Os maiores crescimentos ocorreram no Alentejo (+20% nos proveitos totais e +21,3% nos de aposento), na Região Autónoma dos Açores (RA Açores) – +18,0% e +19,6%, respetivamente – e no Norte (+14,4% e +16,0%, pela mesma ordem).

Face a julho de 2019, destacam-se as evoluções na RA Madeira (+62,6% nos proveitos totais e +75,7% nos de aposento), no Alentejo (+56,1% e +60,1%, respetivamente) e na RA Açores (+55,5% e +55,6%, pela mesma ordem).
No período acumulado de janeiro a julho de 2023, face a igual período de 2019, a RA Madeira (+54,6% nos proveitos totais e +66,3% nos de aposento), a RA Açores (+54,5% e +54,8%, respetivamente) e o Alentejo (+49,5% e +56,1%, pela mesma ordem) registaram os maiores crescimentos nos proveitos.

Créditos: INE

Em julho de 2023, face ao mesmo mês de 2022, registaram-se crescimentos dos proveitos nos três segmentos de alojamento – hotelaria, alojamento local e turismo no espaço rural e de habitação – com abrandamentos na hotelaria e no alojamento local. Na hotelaria, os proveitos totais e de aposento (peso de 86,4% e 84,7% no total do alojamento turístico) aumentaram 9,7% e 10,6%, respetivamente. Face a julho de 2019, registaram-se crescimentos de 38,8% e 40,0%, pela mesma ordem.

Nos estabelecimentos de alojamento local (quotas de 9,4% e 10,9%, respetivamente), registaram-se aumentos de 17,5% nos proveitos totais e 18,3% nos proveitos de aposento. Comparando com julho de 2019, observaram-se crescimentos de 43,3% e 47,1%, respetivamente.

Já no turismo no espaço rural e de habitação (representatividade de 4,2% e 4,4%, respetivamente, nos proveitos totais e nos de aposento), os aumentos foram de 15,0% e 13,5%, pela mesma ordem. Face a julho de 2019, os proveitos neste segmento praticamente duplicaram (+99,0% e +93,6%, respetivamente).

Créditos: INE

ADR supera máximo histórico de agosto do ano passado

No passado mês de julho o rendimento por quarto disponível (RevPAR) estabeleceu-se nos 92,4 euros, ou seja, 7,4% acima do verificado no período homólogo, enquanto o rendimento médio por quarto ocupado (ADR) atingiu os 137,9 euros (+9,7%) – neste caso, “registando um novo máximo histórico, após o anterior máximo ocorrido em agosto de 2022, com 136 euros”, como o INE aponta em comunicado. Em relação a julho de 2019, registaram-se aumentos de 32,1% no RevPAR e 29,1% no ADR.

O rendimento médio por quarto ocupado (ADR) atingiu novos máximos históricos na Área Metropolitana de Lisboa (152,3 euros), na Região Autónoma dos Açores (129,4 euros) e na Região Autónoma da Madeira (111,6 euros), contudo, foi no Algarve que se registou o valor mais elevado de ADR, de 174 euros. Os acréscimos mais expressivos verificaram-se na RA Açores (+18,2%) e na RA Madeira (+14,3%).

Créditos: INE

Em julho, o ADR cresceu 10,2% na hotelaria (+11,5% em junho) e 10,1% no alojamento local (+12,8% em junho), atingindo 143,9 euros e 106,7 euros, respetivamente. No turismo no espaço rural e de habitação, o ADR cresceu 3,9% (+4,3% em junho), atingindo 127,4 euros.

Créditos: INE

Ourém destaca-se com maior crescimento de dormidas em julho

O município de Lisboa concentrou 16,2% do total de dormidas em julho, com 7,4% do total de dormidas de residentes e 20,3% de não residentes, atingindo 1,4 milhões. Comparando com julho de 2019, as dormidas aumentaram 6,1% (+1,8% nos residentes e +6,8% nos não residentes).

Já o município de Albufeira, apesar de se manter segunda posição com um peso de 12,5% – 9,8% do total de dormidas de residentes e 13,8% de não residentes – continuou abaixo dos níveis registados em 2019 (-10,9% no total).

No Porto, registaram-se 570,6 mil dormidas (6,5% do total), um acréscimo de 20,9% face a julho de 2019 (+18,2% nos residentes e +21,4% nos não residentes).

De entre os principais municípios, destacou-se Ourém, com o maior crescimento de dormidas (+27,2%) face a julho de 2022, tanto de residentes (+15,1%) como de não residentes (+34,5%).

Créditos: INE
Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Alojamento

SiteMinder: Reservas de hotéis em Portugal para agosto crescem 23% em relação a 2019

O crescimento é impulsionado pelas reservas de estrangeiros, que de acordo com dados da SiteMinder representam 80% das reservas até à data, em comparação com os 77% do ano passado. Prevê-se ainda que 87% das reservas de hotéis para setembro sejam de viajantes internacionais.

Publituris

O setor hoteleiro em Portugal entra em agosto com um crescimento de 23% nas reservas de hotéis em relação aos números de 2019, de acordo com dados do World Hotel Index da SiteMinder. Quanto às previsões para o final do verão e início do outono, antecipa-se que 87% do total de reservas de hotéis para o mês de setembro sejam de viajantes internacionais, atingindo 91% para outubro.

De acordo com o mesmo estudo, em Portugal quase 80% das reservas até à data são de estrangeiros, em comparação com os 77% do ano passado. Estes dados colocam Portugal à frente na captação de reservas por parte de estrangeiros em comparação com a Itália, onde 77% das reservas são feitas por estrangeiros, França (62%) e Espanha (56%).

Em comunicado, a SiteMinder adianta ainda que 45% das reservas ativas até 9 de agosto em Portugal são para desfrutar em agosto, e 27% para usufruir em setembro.

Em nota de imprensa, a SiteMinder afirma que “o crescimento das reservas ocorre apesar do aumento da inflação e das tarifas dos hotéis e é beneficiado pela instabilidade no leste da Europa, o que leva a concluir que o sul da Europa em geral, e Portugal em particular, oferecem uma variedade de destinos para todos os gostos e bolsos”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Alojamento

Alojamento e restauração registam crescimento de 13% na criação de novas empresas

O Barómetro da Informa D&B registou a constituição de 31.556 novas empresas nos primeiros sete meses de 2023, ou seja, mais 2.051 novas empresas que no mesmo período de 2022. No caso dos setores do alojamento e restauração foram criadas mais 364 empresas em relação aos primeiros sete meses de 2022.

Publituris

Desde o início do ano, e até 31 de julho, os setores do alojamento e restauração assistiram à constituição de mais 364 empresas em relação ao mesmo período de 2022, o que representa um aumento de 13%.

Os dados adiantados pelo Barómetro da Informa D&B dão conta de que nos primeiros sete meses de 2023 foram constituídas em Portugal 31.556 novas empresas, um aumento de 7% quando comparado com o mesmo período de 2022, com o surgimento de mais 2.051 novas empresas.

A Informa D&B afirma que “o crescimento na criação de novas empresas é transversal a quase todos os setores”. Os serviços empresariais e serviços gerais mantêm, em termos absolutos, a liderança na criação de empresas, representando 16% (5.102 constituições) e 14% (4.432 constituições) respetivamente.

No entanto, o maior crescimento percentual ocorre nos “transportes”, que aumenta 72% face ao período homólogo, com mais 1.631 constituições – algo que a Informa D&B atribui a “uma tendência que se verifica nos últimos anos e que decorre das novas empresas da atividade de transporte de passageiros em veículo ligeiro”.

Entre os setores com uma queda percentual na criação de empresas, destacam-se as atividades imobiliárias com a maior descida, com menos 285 constituições e uma descida de 8,7% em relação ao mesmo período do ano passado, bem como as tecnologias da informação e comunicação (TIC), com menos 142 constituições e uma descida de 7,1%. A descida no setor das atividades imobiliárias verifica-se em mais de metade dos distritos de Portugal. Já a quebra registada no setor das TIC concentrou-se mais em Lisboa.

Até 31 de julho registaram-se 6.777 encerramentos de empresas em Portugal. No acumulado dos últimos 12 meses, este indicador atingiu os 14.259 encerramentos, um valor muito próximo dos 12 meses anteriores. Metade dos setores de atividade registam mais encerramentos que há 12 meses, destacando-se as tecnologias da informação e comunicação com mais 86 encerramentos, numa subida de 13%, e as atividades imobiliárias com mais 66 encerramentos, numa subida de 6%.
No mesmo período iniciaram-se 1.116 processos de insolvência, o que corresponde a um aumento de 16%, com mais 154 processos de insolvência face ao mesmo período de 2022. Esta subida é transversal a mais de metade dos setores de atividade.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.