Edição digital
Assine já
PUB
Hotelaria

Antiga sede da FPF dá lugar a hotel digital do NUMA Group

A antiga sede da FPF dará a lugar a um hotel totalmente digital do NUMA Group, com 77 quartos e 154 camas. O grupo alemão considera Portugal como “um dos mercados europeus mais importantes para o futuro, com grande importância estratégica”.

Victor Jorge
Hotelaria

Antiga sede da FPF dá lugar a hotel digital do NUMA Group

A antiga sede da FPF dará a lugar a um hotel totalmente digital do NUMA Group, com 77 quartos e 154 camas. O grupo alemão considera Portugal como “um dos mercados europeus mais importantes para o futuro, com grande importância estratégica”.

Victor Jorge
Sobre o autor
Victor Jorge
Artigos relacionados
Algarve conquista prémio de melhor destino europeu de praia nos WTA.
Destinos
Lisboa eleita Melhor Destino Urbano da Europa nos World Travel Awards
Destinos
19 e 20 de outubro: Termas de Portugal vão a congresso nas Caldas da Rainha
Meeting Industry
Agosto com recorde de 10 milhões de dormidas
Destinos
19ª Convenção GEA já tem data, mas falta anunciar local
Distribuição
Top Atlântico tem novas lojas
Agências
Os 5 melhores locais para mergulho em Portugal para promover o turismo de mergulho
Destinos
Small Portuguese Hotels integra mais três hotéis
Alojamento
CLIA foi ao Parlamento dar a conhecer medidas de sustentabilidade dos cruzeiros
Transportes
Governo aprova redução de 30% nas portagens eletrónicas no interior e onde não há alternativas
Destinos

O NUMA Group anunciou a entrada no mercado português com o primeiro hotel a ficar localizado nas antigas instalações da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), na Rua Alexandre Herculano, entre o Marquês de Pombal e Largo do Rato.

O NUMA Group, com sede em Berlim, é uma das principais organizações europeias de hotelaria digital e desenvolvimento tecnológico e diz, em comunicado, entrar no mercado português com a atitude e ambição de “dar alma aquilo que é viajar”.

Para os viajantes modernos, a empresa aposta em hotéis e espaços comerciais, com localizações centrais e privilegiadas nas principais cidades, tendo como alvo os bairros mais movimentados e os principais impulsionadores para turistas e também para viajantes em negócios.

Situado numa zona empresarial exclusiva e rodeado de vários hotéis de 5 estrelas, a localização do novo hotel NUMA está, também, a uma curta distância da Avenida da Liberdade, reconhecendo o grupo tratar-se de “um local com várias lojas do mercado de luxo, sendo assim uma excelente localização para viajantes que venham visitar o país em lazer ou em trabalho.

O NUMA Group prevê inaugurar o novo hotel totalmente digital, com 77 quartos e 154 camas em Lisboa, totalizando 1.600 metros quadrados, no segundo trimestre de 2024, revelando “outros projetos no Porto e Lisboa”.

Philipp Rohweder, responsável do NUMA Group em Portugal

Com a expansão para Portugal, o grupo alemão continua o seu percurso de crescimento na Europa, depois de, em abril de 2021, ter entrado no mercado espanhol com a aquisição de um fornecedor local algumas semanas depois.

Já em outubro de 2021, o NUMA Group anunciou o seu lançamento em Itália, abrindo hotéis totalmente digitais em locais privilegiados das cidades de Roma, Milão e Florença. Em junho de 2022, o NUMA entrou no mercado norueguês, determinado assim a sua presença nas principais cidades de sete países europeus.

O NUMA é liderado, em Portugal, por Philipp Rohweder, diretor de Real Estate, contando com mais de 12 anos de experiência em investimentos imobiliário e com mais de 1,3 mil milhões de euros investidos. Antes de ingressar no NUMA, Rohweder foi co-diretor e diretor de investimentos em habitação alternativa, num grande investidor de capital privado imobiliário europeu.

O responsável pela operação em Portugal destaca o nosso país como “um dos mercados europeus mais importantes do futuro, com grande importância estratégica”, acreditando, por isso, que o modelo “se ajusta perfeitamente às especificidades do mercado local”.

Philipp Rohweder refere ainda que o objetivo do NUMA Group é “estabelecer uma geração completamente nova de hotéis e alojamento de curta duração, inovando também a indústria em Portugal”, destacando que a experiência do grupo reside em “oferecer aos clientes soluções totalmente integradas com tecnologia no setor de hospitality”.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Artigos relacionados
Algarve conquista prémio de melhor destino europeu de praia nos WTA.
Destinos
Lisboa eleita Melhor Destino Urbano da Europa nos World Travel Awards
Destinos
19 e 20 de outubro: Termas de Portugal vão a congresso nas Caldas da Rainha
Meeting Industry
Agosto com recorde de 10 milhões de dormidas
Destinos
19ª Convenção GEA já tem data, mas falta anunciar local
Distribuição
Top Atlântico tem novas lojas
Agências
Os 5 melhores locais para mergulho em Portugal para promover o turismo de mergulho
Destinos
Small Portuguese Hotels integra mais três hotéis
Alojamento
CLIA foi ao Parlamento dar a conhecer medidas de sustentabilidade dos cruzeiros
Transportes
Governo aprova redução de 30% nas portagens eletrónicas no interior e onde não há alternativas
Destinos
PUB
Agenda

Publituris Hotelaria e Construir organizam Hotels & Architects Suppliers a 3 de outubro

A revista PUBLITURIS HOTELARIA e o jornal CONSTRUIR e revista Traço (ambas publicações do grupo WORKMEDIA) organizam no próximo dia 3 de outubro, no Hotel Mélia Aeroporto, o Hotels | Architects | Suppliers (HAS). Marcarão presença 45 empresas fornecedoras. 

Publituris

A revista PUBLITURIS HOTELARIA e o jornal CONSTRUIR e revista TRAÇO (publicações do grupo WORKMEDIA) alargaram o âmbito do Hotels & Suppliers, com a 7.ª edição a englobar a arquitetura, passando, assim, a denominar-se Hotels | Architects | Suppliers (HAS).

Neste evento, a realizar no dia 3 de outubro (terça-feira) no Hotel Mélia Aeroporto, a PUBLITURIS HOTELARIA e o jornal CONSTRUIR e revista Traço pretendem, por um lado, juntar os setores da arquitectura e hotelaria, que se interligam em vários momentos, e por outro, possibilitar o encontro entre equipas de compras e operação, destes setores, e as empresas fornecedoras em Portugal.

Durante este evento são promovidas reuniões ‘one-to-one’ entre os hoteleiros e os representantes de várias marcas e produtos com o intuito de criar parcerias, apresentar serviços e soluções e alargar a rede de networking.

Nesta 7.ª edição do agora Hotels | Architects | Suppliers (HAS), marcarão presença 45 empresas fornecedoras:

Jung
Saint-Gobain
Laser Build
Danosa
Sika
Morgado & Ca
Delabie
Otis
Interfer
Revigrés
SCP Pool
Systemair
Heliroma
Investwood
DK Flooring
House Frame
France Air
J. Pinto Leitão
Azulima
VM Zinc
Soprema
Aron Light
Oli
Galécia
Lusomatec
Tons de Pedra
Grohe
Grupo GM
Ledvance
Intergrau
Roca
ODD
Miele
Jacobs Douwe Egberts
Bindopor
Gergran|Délifrance
Comopi|Unissima
NSContract
Fagor Professional
Epoca
Listor|Pantim
Dinamic
Laskasas
La Redoute
Serlima

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Hotelaria

Vila Galé assume gestão do Grande Hotel da Figueira em 2024

O grupo Vila Galé vai investir dois milhões de euros na renovação do Grande Hotel da Figueira, estando a abertura prevista para abril de 2024.

Publituris

O grupo Vila Galé vai ter um hotel na Figueira da Foz a partir de abril de 2024, assumindo a gestão do emblemático Grande Hotel da Figueira, até agora integrado na Accor.

O grupo liderado por Jorge Rebelo de Almeida irá investir dois milhões de euros na renovação da unidade, incluindo os 102 quartos, bar, restaurante, lobby e receção.

Além disso, serão adicionados uma pizzaria Massa Fina, piscina exterior e lounge e uma área de spa com sauna, banho turco, duche Vichy, salas de massagens e ginásio.

Instalado na marginal e próximo da praia, trata-se de um ex-libris da cidade pela sua forte presença arquitetónica e estética pós-modernista dos anos 50, assinado pelo arquiteto Inácio Peres Fernandes.

Inaugurado em junho de 1953 como Grande Hotel da Figueira, está classificado como imóvel de interesse público desde 2002.

O Vila Galé Collection Figueira da Foz será um dos hotéis que a Vila Galé prevê abrir em 2024, ano em que inaugurará também o Vila Galé Isla Canela, um resort com tudo incluindo que marca a estreia do grupo em Espanha.

Atualmente com 41 hotéis – 31 em Portugal e dez no Brasil –, a Vila Galé anunciou recentemente também a sua entrada em Cuba, onde, já a partir de outubro próximo passará a gerir o Vila Galé Cayo Paredón, um resort com 638 quartos, em Cayo Paredón Grande.

De referir que este será o quinto projeto a entrar em funcionamento este ano, após a abertura de mais quatro hotéis em território nacional: o Vila Galé Collection Monte do Vilar, um agroturismo em Beja vocacionado para adultos; o Vila Galé Nep Kids, pensado para o público infantil onde os adultos só podem entrar se acompanhados por crianças; o Vila Galé Collection São Miguel, no centro de Ponta Delgada, Açores; e o Vila Galé Collection Tomar, unidade de charme na zona história da cidade.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Alojamento

Oásis Salinas Sea comemora 10 anos a estabelecer “novos padrões na indústria hoteleira” de Cabo Verde

Com 337 quartos, o Oásis Salinas Sea abriu a 25 de setembro de 2013, conta com uma localização privilegiada em Santa Maria, na Ilha do Sal, e, segundo o grupo hoteleiro português, veio estabelecer “novos padrões na indústria hoteleira em Cabo Verde”.

Publituris

O Oásis Salinas Sea, resort de cinco estrelas do Grupo Oásis Atlântico, na Ilha do Sal, Cabo Verde, assinala esta segunda-feira, 25 de setembro, o seu 10.º aniversário, período ao longo do qual a unidade veio estabelecer “novos padrões na indústria hoteleira em Cabo Verde”, considera o grupo hoteleiro português, em comunicado.

“Nos últimos dez anos, o Oásis Salinas Sea tornou-se sinónimo de elegância, conforto e serviço impecável, estabelecendo novos padrões na indústria hoteleira em cabo Verde. Situado na melhor localização da ilha, o hotel tornou-se um destino preferido para viajantes exigentes de todo o mundo”, lê-se num comunicado divulgado esta segunda-feira.

Com 337 quartos, quatro restaurantes e três bares, o Oásis Salinas Sea conta com uma localização privilegiada em Santa Maria, na Ilha do Sal, assim como com uma “equipa, acomodações e gastronomia” que o tornaram no hotel número 1 da Ilha do Sal, segundo avaliações do Trip Advisor.

“Estamos imensamente gratos aos nossos hóspedes, funcionários e à comunidade local pelo seu apoio inabalável ao longo da última década. Este marco é uma prova da dedicação e paixão da nossa equipa, que se esforçam consistentemente para criar experiências inesquecíveis e autênticas para nossos hóspedes”, considera Alexandre Abade, CEO do Grupo Oásis Atlântico.

Spa, espaços para os mais variados tipos de eventos, um ginásio e um kids
club completam a oferta do resort Oásis Salinas Sea.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Alojamento

Convent Square Hotel antecipa ocupação acima dos 70% para setembro

O Convent Square Hotel Vignette Collection, a nova unidade hoteleira da PHC Hotels – Portuguese Hospitality Collection, surgiu após um investimento de cerca de 30 milhões de euros e de uma parceria com a InterContinental Hotels Group (IHG Hotels & Resorts). Após um primeiro mês de operação em pleno, a expetativa da unidade passa por atingir uma ocupação média anual entre os 75% a 80%.

Carla Nunes

O Convent Square Hotel Vignette Collection, aberto desde 1 de agosto deste ano, antecipa uma ocupação acima dos 70% em setembro, naquele que considera ser o seu primeiro mês de operação em pleno.

O valor foi apontado por Miguel Andrade, diretor de operações da PHC Hotels – Portuguese Hospitality Collection, que num almoço de imprensa esta quinta-feira explicou que abriram este mês de setembro com cerca de 35% de ocupação e um preço médio de 270 euros. Para outubro, as perspetivas de ocupação “já ultrapassaram os 50%”.

Relativamente a este indicador, o diretor de operações da PHC Hotels explica que o objetivo da unidade passa por atingir uma ocupação média anual entre os 75% a 80%, tanto no primeiro ano de operação como até ao final deste ano de 2023, uma vez que acreditam que “com esta ocupação e volume conseguimos dar um bom serviço e manter a qualidade da experiência do cliente”.

“Queremos que exista um equilíbrio entre o produto e a experiência do cliente e acreditamos que gerindo as ocupações podemos proporcionar aos clientes essa qualidade”, defende o diretor de operações da PHC Hotels.

Até ao final deste ano, Miguel Andrade antecipa que a receita por quarto disponível (RevPAR) “andará acima dos 250 euros”, sendo que a ideia para 2024 será “chegar aos 280 a 300 euros” de RevPAR.

Os clientes do Convent Square Hotel

Para este hotel, Miguel Andrade traça um perfil de cliente “entre os 55 e os 60 anos, com casais muito viajados, conhecedores do conforto e exigentes do ponto de vista de qualidade”. Como diz, estes clientes “gostam da autenticidade e da descoberta, querem descobrir Lisboa com um refúgio de luxo ao final do dia”.

Aponta para os norte-americanos, provenientes do Canadá e Estados Unidos, como um dos principais mercados do hotel, seguido pela “Europa do Norte, Inglaterra, Alemanha e Brasil”.

Estes clientes têm chegado “maioritariamente pelos canais internos da marca InterContinental”, com quem a unidade hoteleira estabeleceu uma parceria e que assumem uma quota de mais de 50% dentro dos principais canais do hotel. A expectativa é a de que “o canal da InterContinental andará sempre acima dos 50%, com as online travel agencies (OTA) a assumirem até 20%, com 15% a 18%” de quota dos principais canais da unidade.

O segmento de reuniões, incentivos, conferências e exposições (MICE) é outro dos públicos-alvo que a unidade hoteleira espera atingir, nomeadamente com a captação de “lançamentos de produto e marcas e algumas reuniões de incentivos, como conselhos de administração”.

“Temos o claustro e o restaurante, que podemos usar para estes exercícios à hora de almoço, quando os nossos clientes estão fora”, afirma Miguel Andrade.

Os planos da PHC Hotels para o Hotel Mundial

No capítulo das novidades da PHC Hotels, Miguel Andrade revela que estão “muito atentos ao mercado, não só em Lisboa como fora de Lisboa”, além de terem “grandes planos e projetos para o Hotel Mundial”.

As obras de requalificação do Hotel Mundial deverão começar no segundo trimestre de 2024, num período de intervenção de três anos, fruto de um investimento de 16,7 milhões de euros. Para este projeto, o grupo hoteleiro assinou um contrato com a Broadway Malyan – que ficará encarregue pelo projeto de requalificação do hotel, nomeadamente o design e arquitetura – bem como com a DDN, “que faz a parte de gestão do projeto e de engenharias”. Fica apenas a faltar “a noiva”, como refere Miguel Andrade, ou seja, uma marca hoteleira com a qual fazer parceria para este projeto, com o diretor de operações a garantir que “ainda estão à procura”.

O Hotel Mundial vai manter-se aberto durante as obras de requalificação que vão visar, primeiro, as áreas públicas do piso zero. Seguem-se depois os espaços de bar e restauração, bem como os quartos. A requalificação dos quartos irá demorar cerca de 36 meses, durante os quais será feita uma remodelação total, com a redução do número de quartos e alteração de algumas tipologias – 10% do inventário do hotel passará a ser constituído por suites, ou seja, entre 35 a 40 suites.

Sobre o Convent Square Hotel Vignette Collection leia também:

Queremos ser os líderes da Baixa de Lisboa

PHC Hotels abre as portas do Convent Square Hotel Vignette Collection

Sobre o autorCarla Nunes

Carla Nunes

Mais artigos
Alojamento

Iniciativa “Be Our Guest” da ADHP regressa a 25 de setembro

O profissional Pedro Marto Pereira, sócio da empresa Fátima Hotels Group e da empresa ARFH, SA. é o convidado da iniciativa “Be Our Guest” da ADHP de setembro, a par de Rodrigo Borges de Freitas, delegado da ADHP para o Algarve e responsável pela moderação deste sessão.

Publituris

A “Be Our Guest”, uma iniciativa da ADHP – Associação dos Diretores de Hotéis de Portugal, regressa a 25 de setembro para mais conversas informais “com diretores de hotéis e nomes de referência do turismo sobre as suas experiências profissionais, a hotelaria e o setor turístico”.

Em comunicado de imprensa é indicado que a próxima conversa, que decorre a 25 de setembro às 19h00 via Zoom, terá como convidado Pedro Marto Pereira sob o tema “Memórias do Altar Turístico de Portugal”. A moderação ficará a cargo do delegado da ADHP para o Algarve, Rodrigo Borges de Freitas.

“O ‘Be Our Guest’ regressa com um convidado que conta com uma longa e frutuosa carreira na hotelaria. Pedro Marto Pereira nasceu, literalmente, no mundo da hotelaria de Fátima e tornou-se uma referência na hospitalidade da cidade e da região Centro. Enquanto convidado, irá partilhar a sua vasta experiência, as vivências e o know how que acumulou ao longo de vários anos em funções de direção hoteleira num dos destinos turísticos mais especiais do país”, refere Patrícia Correia, responsável pelo projeto “Be Our Guest”.

As inscrições encontram-se abertas e devem ser efetuadas através do formulário online disponível neste link. O número de inscrições, apesar de gratuito, é limitado.

A conversa tem o apoio da Paraty Tech.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Hotelaria

Setor da hotelaria e turismo com 22 nomeados nos Prémios Construir 2023

O Jornal Construir nomeou 22 projetos no setor da hotelaria e turismo para os Prémios Construir 2023 que serão entregues no dia 16 de outubro.

Publituris

O Jornal Construir, publicação pertencente ao grupo Workmedia que detém, entre outros o jornal Publituris e a revista Publituris Hotelaria, tem 22 nomeados no setor da hotelaria  turismo.

Na categoria “Projeto Privado”, estão nomeados Hyatt Regency Lisboa, Renaissance Porto Lapa Hotel, Dos Reis Beautique Hotel, Convent Square Hotel e Montebelo Alcobaça Historic Hotel.

Em “Projeto de Reabilitação”, o jornal Construir nomeou, no setor da hotelaria, o Ludovice Wine Experience Hotel, Hotel AP Dona Aninhas, Hilton Sé Catedral Porto, ArtysCascais e Valverde Santar Hotel.

O Hotel Independente da Bica está nomeado na categoria “Fiscalização e Coordenação, enquanto o Hotel B&B Guimarães e o Montebelo Alcobaça Historic Hotel estão nomeados na categoria “Projeto Privado”.

Na categoria “Turismo”, são sete os nomeados: Marinha Prime, The Editory Boulevard Aliados Porto, Aqua Village Health Resort, Vila Galé Collection São Miguel, Renaissance Porto Lapa Hotel, Eurostars Lisboa Baixa e Convent Square Hotel.

O Verdelago Resort está nomeado na categoria “Sustentabilidade.

Por fim, o Grupo Vila Galé está nomeado na categoria de “Promotor do Ano”.

Os vencedores serão conhecidos a 16 de outubro, no Montes Claros – Lisbon Secret Spot, em Monsanto (Lisboa).

A votação online decorre no site dos prémios até dia 4 de outubro de 2023.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Alojamento

Vila Galé apresenta oficialmente o seu primeiro hotel nos Açores

Após a abertura do Vila Galé Collection São Miguel, o presidente do grupo hoteleiro, Jorge Rebelo de Almeida, não exclui a possibilidade de abrirem outras unidades nos Açores, apontando para locais como Terceira, Pico e São Jorge. Por enquanto, dá-se como certa a abertura de mais sete hotéis Vila Galé entre 2023 e 2024 em território nacional e internacional.

Carla Nunes

O grupo Vila Galé apresentou oficialmente o seu primeiro hotel nos Açores, o Vila Galé Collection São Miguel, este sábado, 16 de setembro.

Após um investimento de 15 milhões de euros, o hotel de 92 quartos abre portas naquele que foi o antigo hospital de São Francisco, em Ponta Delgada, fruto de um acordo entre o grupo e a Santa Casa da Misericórdia, num direito de superfície por 40 anos, renovável.

Em conferência de imprensa, Jorge Rebelo de Almeida, fundador e presidente do grupo Vila Galé, explica que a concessão surgiu por via do provedor da Santa Casa da Misericórdia de Braga, que apresentou o responsável do grupo ao provedor da Santa Casa de Ponta Delgada: “Foi aí que começou o namoro”, afirma.

Após obras de remodelação que começaram em março de 2022 – e que “estouraram” o orçamento previsto de 12 milhões de euros para 15 milhões de euros – o grupo abriu o Vila Galé Collection São Miguel apostado em criar “um hotel que fosse açoriano”, nas palavras de Jorge Rebelo de Almeida.

Para tal, no claustro do edifício foi reconstruída a história dos Açores, através de retratos e textos explicativos. Já na sala de reuniões, é possível fazer a leitura da história da aviação desta região autónoma, além de uma segunda sala de eventos, que presta homenagem às festas do Senhor Santo Cristo dos Milagres. As restantes valências do hotel ficam completas com um restaurante, bar, Clube NEP e um spa construído na antiga cisterna do edifício.

A aposta na história dos Açores advém do facto de o presidente do Vila Galé acreditar que “para o turismo se valorizar, [este] tem de andar de mãos dadas com a cultura”, ao invés de copiar outros modelos. Como diz, “hoje, o futuro do turismo português passa por fazermos projetos autênticos. Ninguém faz um hotel como este, porque esta fachada é dos Açores”.

“Estes hotéis Vila Galé não pretendem trazer nada de diferente, pretendem absorver e valorizar a cultura local, integrar-se com a população micaelense. Até porque para os turistas é interessante virem a um espaço destes, que tenham clientes locais”, afirma, frisando a necessidade de se apostar num turismo equilibrado.

Alemanha e Brasil vistos como mercados de interesse

Relativamente aos mercados para esta unidade, Jorge Rebelo de Almeida refere que “não vão inventar nada”, procurando captar “os mercados tradicionais que já vêm para [os Açores] hoje”. O mercado alemão é olhado com interesse pelo presidente para este hotel, dado o potencial dos Açores junto deste público, “com destino de natureza e férias diferenciadas”. Também o Brasil é visto como um possível mercado emissor, no entanto, o administrador do grupo aponta para uma dificuldade: o facto de ser necessário fazer escala em Lisboa para chegar do Brasil aos Açores.

“Era importante que tivéssemos aqui algumas ligações diretas. Aos Estados Unidos já temos, que também são um mercado com potencial muito grande para crescer aqui, que pode vir não a pensar no sol e praia, mas na natureza, autenticidade e cultura do destino”, refere.

Sobre a abertura deste Vila Galé, a Secretária Regional do Turismo, Mobilidade e Infraestruturas dos Açores, Berta Cabral, declarou na sessão de inauguração que “a aposta do Vila Galé nos Açores não podia ser mais oportuna”, dado que “o turismo na região cresce significativamente”.

Berta Cabral justifica a afirmação com o facto de “o ano passado [ter sido] o nosso melhor ano de sempre, com um crescimento de mais de 10% nas dormidas face a 2019”.

Refere ainda que “este ano, entre janeiro e julho, já crescemos mais de 20% face ao período homólogo de 2022”, sendo que “o número de passageiros desembarcados está também a atingir sucessivamente novos recordes, como aconteceu neste último mês de agosto, em que no acumulado desde janeiro crescemos 19,3% face a igual período de 2022”.

A Secretária Regional do Turismo, Mobilidade e Infraestruturas dos Açores destacou “ainda o crescimento dos proveitos, onde este ano já crescemos cerca de 28% até julho, depois do crescimento de 22% do ano passado”.

Novos destinos

Sobre o potencial para abrir uma segunda unidade nos Açores, Jorge Rebelo de Almeida afirma que, apesar de “termos uma carga brutal de projetos na cabeça, não está excluída a hipótese de fazer um novo projeto”.

“Terceira, Pico, são destinos interessantes. A minha ilha favorita é São Jorge, também temos de fazer lá qualquer coisa”, declara.

Como explica, “quando entramos numa região, vamos andando. Vai ao sabor do andamento das coisas. Os Açores é um destino que tem vindo a crescer muito, o transporte aéreo valorizou-se e tudo isso ajudou a fortalecer o destino”.

Acrescenta ainda que este “tem sido um destino surpresa, tem um cliente diferenciado. Não é destino de sol e praia, a necessidade deste destino é a natureza, o ambiente, a arquitetura, as tradições: um conjunto de coisas importantes para criar turismo. Não digo que vamos fazer porque não sei”.

Certo é que o grupo se prepara para abrir mais sete unidades entre 2023 e 2024, localizadas em destinos como Cuba, Espanha, Figueira da Foz, Elvas, Paço do Curutêlo, Paço Real de Caxias e Miranda do Douro.

Atualmente, o Vila Galé soma 41 unidades, nomeadamente 31 em Portugal e dez no Brasil.

*O Publituris viajou até Ponta Delgada, em São Miguel, Açores, a convite do grupo Vila Galé.

Sobre o autorCarla Nunes

Carla Nunes

Mais artigos
Alojamento

INE: Portugal regista 3,2M de hóspedes e 8,8M de dormidas em julho

O número de hóspedes em julho deste ano aumentou 4,2% em relação ao período homólogo, sendo que as dormidas aumentaram 1,5% face ao mesmo período. Neste mês, o rendimento médio por quarto ocupado (ADR) atingiu novos máximos históricos na Área Metropolitana de Lisboa e nas Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira.

Publituris

Em julho de 2023, o setor do alojamento turístico registou 3,2 milhões de hóspedes, mais 4,2% em relação ao período homólogo, e 8,8 milhões de dormidas, mais 1,5% face ao mesmo período.

Estes valores corresponderam a 754 milhões de euros de proveitos totais (+10,6%) e 597 milhões de euros de proveitos de aposento (+11,5%). Comparando com julho de 2019, registaram-se aumentos de 41% nos proveitos totais e 42,4% nos relativos a aposento.

No período acumulado de janeiro a julho de 2023, os proveitos totais cresceram 26,1% e os relativos a aposento aumentaram 27,7%. Comparando com o mesmo período de 2019, verificam-se aumentos de 38,9% e 41,8%, respetivamente. Neste período, os proveitos atingiram 3,2 mil milhões de euros no total e os relativos a aposento ascenderam a 2,5 mil milhões de euros.

Créditos: INE

O maior peso nos proveitos totais e de aposento em julho verificaram-se no Algarve (36,2% e 35,5%, respetivamente), seguindo pela Área Metropolitana de Lisboa (25,6% e 26,8%, pela mesma ordem), Norte (13,6% e 13,9%, respetivamente) e Região Autónoma da Madeira (RA Madeira) – 9,1% e 8,2%, pela mesma ordem.

Os maiores crescimentos ocorreram no Alentejo (+20% nos proveitos totais e +21,3% nos de aposento), na Região Autónoma dos Açores (RA Açores) – +18,0% e +19,6%, respetivamente – e no Norte (+14,4% e +16,0%, pela mesma ordem).

Face a julho de 2019, destacam-se as evoluções na RA Madeira (+62,6% nos proveitos totais e +75,7% nos de aposento), no Alentejo (+56,1% e +60,1%, respetivamente) e na RA Açores (+55,5% e +55,6%, pela mesma ordem).
No período acumulado de janeiro a julho de 2023, face a igual período de 2019, a RA Madeira (+54,6% nos proveitos totais e +66,3% nos de aposento), a RA Açores (+54,5% e +54,8%, respetivamente) e o Alentejo (+49,5% e +56,1%, pela mesma ordem) registaram os maiores crescimentos nos proveitos.

Créditos: INE

Em julho de 2023, face ao mesmo mês de 2022, registaram-se crescimentos dos proveitos nos três segmentos de alojamento – hotelaria, alojamento local e turismo no espaço rural e de habitação – com abrandamentos na hotelaria e no alojamento local. Na hotelaria, os proveitos totais e de aposento (peso de 86,4% e 84,7% no total do alojamento turístico) aumentaram 9,7% e 10,6%, respetivamente. Face a julho de 2019, registaram-se crescimentos de 38,8% e 40,0%, pela mesma ordem.

Nos estabelecimentos de alojamento local (quotas de 9,4% e 10,9%, respetivamente), registaram-se aumentos de 17,5% nos proveitos totais e 18,3% nos proveitos de aposento. Comparando com julho de 2019, observaram-se crescimentos de 43,3% e 47,1%, respetivamente.

Já no turismo no espaço rural e de habitação (representatividade de 4,2% e 4,4%, respetivamente, nos proveitos totais e nos de aposento), os aumentos foram de 15,0% e 13,5%, pela mesma ordem. Face a julho de 2019, os proveitos neste segmento praticamente duplicaram (+99,0% e +93,6%, respetivamente).

Créditos: INE

ADR supera máximo histórico de agosto do ano passado

No passado mês de julho o rendimento por quarto disponível (RevPAR) estabeleceu-se nos 92,4 euros, ou seja, 7,4% acima do verificado no período homólogo, enquanto o rendimento médio por quarto ocupado (ADR) atingiu os 137,9 euros (+9,7%) – neste caso, “registando um novo máximo histórico, após o anterior máximo ocorrido em agosto de 2022, com 136 euros”, como o INE aponta em comunicado. Em relação a julho de 2019, registaram-se aumentos de 32,1% no RevPAR e 29,1% no ADR.

O rendimento médio por quarto ocupado (ADR) atingiu novos máximos históricos na Área Metropolitana de Lisboa (152,3 euros), na Região Autónoma dos Açores (129,4 euros) e na Região Autónoma da Madeira (111,6 euros), contudo, foi no Algarve que se registou o valor mais elevado de ADR, de 174 euros. Os acréscimos mais expressivos verificaram-se na RA Açores (+18,2%) e na RA Madeira (+14,3%).

Créditos: INE

Em julho, o ADR cresceu 10,2% na hotelaria (+11,5% em junho) e 10,1% no alojamento local (+12,8% em junho), atingindo 143,9 euros e 106,7 euros, respetivamente. No turismo no espaço rural e de habitação, o ADR cresceu 3,9% (+4,3% em junho), atingindo 127,4 euros.

Créditos: INE

Ourém destaca-se com maior crescimento de dormidas em julho

O município de Lisboa concentrou 16,2% do total de dormidas em julho, com 7,4% do total de dormidas de residentes e 20,3% de não residentes, atingindo 1,4 milhões. Comparando com julho de 2019, as dormidas aumentaram 6,1% (+1,8% nos residentes e +6,8% nos não residentes).

Já o município de Albufeira, apesar de se manter segunda posição com um peso de 12,5% – 9,8% do total de dormidas de residentes e 13,8% de não residentes – continuou abaixo dos níveis registados em 2019 (-10,9% no total).

No Porto, registaram-se 570,6 mil dormidas (6,5% do total), um acréscimo de 20,9% face a julho de 2019 (+18,2% nos residentes e +21,4% nos não residentes).

De entre os principais municípios, destacou-se Ourém, com o maior crescimento de dormidas (+27,2%) face a julho de 2022, tanto de residentes (+15,1%) como de não residentes (+34,5%).

Créditos: INE
Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Créditos: Francis Amiand

Alojamento

Mama Shelter Lisboa registou faturação de 6,3M€ até agosto deste ano

A unidade hoteleira pertencente à Ennismore, uma joint-venture com a Accor, tem em vista a diversificação de novos mercados, nomeadamente dos Estados Unidos e Brasil, mas também de novos públicos, com a aposta no segmento de reuniões, incentivos, conferências e exposições (MICE).

Carla Nunes

O Mama Shelter Lisboa, o hotel da capital que se autointitula como um restaurante com quartos por cima, registou entre janeiro e agosto deste ano uma faturação de 6,3 milhões de euros. O valor foi adiantado à imprensa esta quarta-feira, 13 de setembro, por Cristina Cavaco, diretora desta unidade hoteleira, e Afonso Magalhães, diretor de vendas do Mama Shelter Lisboa.

Destes 6,3 milhões de euros, quatro milhões de euros resultaram da componente de alojamento e 2,3 milhões de euros da atividade de Food & Beverage (F&B) do hotel, com os profissionais a enfatizarem o facto de os valores de faturação do alojamento deste ano começarem a “ficar mais nivelados” com os da componente de F&B em relação ao ano passado.

Como indicam, em 2022 o hotel faturou 7,5 milhões de euros, dos quais 3,5 milhões de euros foram gerados pela parte de alojamento e quatro milhões pelo F&B.
Cristina Cavaco atribui o “equilíbrio” da faturação deste ano entre a componente de F&B e o alojamento com o aumento do preço médio em Lisboa. Se em 2022 a tarifa média diária (ADR) do Mama Shelter Lisboa situava-se nos 115 euros, de momento este indicador encontra-se nos 135 euros, de acordo com os valores apontados por Afonso Magalhães.

A expetativa para 2024 é a de que a componente de F&B registe um aumento de 4% face aos resultados finais de 2023 e que o alojamento verifique um aumento de 4,5% a 5% em relação aos mesmos resultados.

Hotel espera captar mais mercado brasileiro e norte-americano

Num momento em que a unidade hoteleira prepara o orçamento anual para 2024, o foco agora prende-se com a captação de novos mercados, nomeadamente dos Estados Unidos da América (EUA) e do Brasil. Atualmente, os EUA representam apenas 5% dos mercados do hotel, abaixo dos 50% de mercado português, 35% de mercado francês e 10% dos mercados inglês e alemão.

A diretora do hotel reconhece que, “em teoria, não somos o típico hotel que o norte-americano vai procurar, porque normalmente procura cinco estrelas” No entanto, Cristina Cavaco é da opinião de que “o que oferecemos como experiência 360º compensa não ter mais duas estrelas, porque acabamos por ter o serviço”.

Para captar este mercado o Mama Shelter Lisboa vai marcar presença em feiras a título individual, nomeadamente na SET the Show – uma feira profissional dedicada às indústrias de entretenimento e viagens que decorre em Nova Orleães de 1 a 3 de novembro de 2023. Para o próximo ano, está também em cima da mesa a participação na Proud Experiences, um evento focado no turismo para a comunidade LGBTQ+ que terá lugar de 5 a 7 de junho de 2024 em Los Angeles.

“A primeira abordagem que tivemos [ao mercado norte-americano] foi positiva, [com a participação na L.E Miami]. Já tivemos alguns pedidos de grupos e individuais para este ano, mas o crescimento foi marginal, de 2%. No entanto, 2% sobre aquilo que temos já é positivo, com uma pequena intervenção. Estamos a estudar o return of investement, o que conseguimos fazer para posicionar o Mama Shleter Lisboa mais próximo do cliente norte-americano: o que querem, o que precisam e o que podemos dar”, afirma Cristina Cavaco.

A unidade hoteleira estará ainda presente na TTG Travel Experience em Rimini, Itália, de 11 a 13 de outubro de 2023, sendo que a unidade também olha com interesse uma possível participação na ILTM Latin America, que decorre de 7 a 10 de maio de 2024 em São Paulo.

“Queremos aumentar a nossa capacidade MICE”

No sentido de diversificar mercados, o Mama Shelter Lisboa segue para 2024 com olhos postos no aumento da sua capacidade para turismo de reuniões, incentivos, conferências e exposições (MICE) já que, de momento, só consegue acomodar eventos de 25 a 30 pessoas, de acordo com Cristina Cavaco.

Para o efeito, está prevista a aquisição de um novo espaço, fora do hotel, com capacidade superior a 100 pessoas. Apesar de referir que este espaço ficará próximo da unidade hoteleira, Cristina Cavaco prefere não se focar “naquilo que vamos abrir, potencialmente”, por não ser “uma coisa concreta”. Deixa apenas a garantia de que “é para onde a marca quer ir: queremos aumentar a nossa capacidade MICE”.

Sobre o autorCarla Nunes

Carla Nunes

Mais artigos
Alojamento

Taxa de ocupação e estadia média no Algarve em agosto descem face a 2019

Os mercados dos Países Baixos, Espanha, França e Alemanha foram os que mais contribuíram para a descida homóloga, sendo que as principais descidas face a 2019 verificaram-se em Monte Gordo / Vila Real de Santo António, Albufeira e Loulé.

Publituris

A taxa de ocupação por quarto no Algarve em agosto deste ano fixou-se nos 89,9%, ou seja, 3 pontos percentuais (pp) abaixo da verificada em 2019 e 2,3pp abaixo da verificada em agosto de 2022. Os dados provisórios foram adiantados pela Associação de Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve (AHETA) esta terça-feira.

A associação aponta que os mercados que mais contribuíram para a descida homóloga foram os Países Baixos, Espanha, França e Alemanha. Por outro lado, mercados como a Irlanda, Estados Unidos da América, Canadá e Dinamarca registaram as maiores subidas.

As principais descidas face a 2019 verificaram-se em Monte Gordo / Vila Real de Santo António (-3,8pp), Albufeira (-3,9pp) e Loulé (-3,3pp).

Já as maiores subidas em relação a 2019 ocorreram nas zonas de Lagos/ Sagres (3,4pp), Lagoa/ Silves (1,2pp) e Portimão/ Monchique (0,3pp).

Também a estadia média em agosto deste ano no Algarve registou uma descida face a 2019, neste caso de 1,7%, fixando-se numa média de 5,1 noites. As estadias médias mais prolongadas pertenceram ao mercado dos Países Baixos, que registaram uma média de 6,5 noites,  seguido pelo mercado do Reino Unido, com 6,1 noites.

Em comunicado, a AHETA ressalva que, quanto ao mercado nacional, em agosto, a ocupação quarto esteve ao mesmo nível de 2019 (-0,1%).

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.