Assine já
Hotelaria

Vila Galé soma 20 anos no Brasil e segue para Alagoas, Cumbuco e Salvador da Bahia

O grupo hoteleiro celebrou o 20.º aniversário no Brasil e anunciou a expansão do portefólio no país com três novos projetos.

Rute Simão
Hotelaria

Vila Galé soma 20 anos no Brasil e segue para Alagoas, Cumbuco e Salvador da Bahia

O grupo hoteleiro celebrou o 20.º aniversário no Brasil e anunciou a expansão do portefólio no país com três novos projetos.

Rute Simão
Sobre o autor
Rute Simão
Artigos relacionados
Lisboa com maior disponibilidade de hotéis de 5 estrelas entre os 12 destinos com “luz verde”
Alojamento
Algarve: Grandes prémios ajudam a “atenuar os efeitos da pandemia” no Turismo
Homepage
SET prevê para breve flexibilização das condições de entrada para o mercado brasileiro
Homepage
Portugal suspende voos de e para o Brasil a partir de sexta-feira
Homepage

Duas décadas depois de ter pisado as Terras de Vera Cruz, a Vila Galé vai expandir a oferta no Brasil com três novos projetos hoteleiros. Já no verão do próximo ano abre portas o Vila Galé Alagoas, na praia de Carro Quebrado. O resort com 514 quartos é fruto de um investimento de 150 milhões de reais (24 milhões de euros) e será o 10.º hotel do grupo no país. A unidade terá uma oferta de seis restaurantes, spa, oito salas de reunião e um parque aquático infantil . No total, vai gerar 600 empregos diretos.

O projeto  iniciou obras em plena pandemia, no segundo semestre de 2020, e, apesar do receio inicial em avançar com o novo investimento, o grupo acredita que a nova unidade será “um excelente negócio”.

“O Governador de Alagoas [Renan Filho] publicou uma legislação para captar investidores, não só na hotelaria. Desapropriou uma área e vendeu-nos a um preço simbólico. Quando começou a crise arrepiei. Podemos ser ousados e otimistas, mas também temos realismo. Ficámos muito preocupados em avançar com um investimento pesado num quadro de pandemia. Mas, depois, não tive coragem de chegar perto do Governador, que foi comprar um terreno para nos vender a um preço simbólico, e dizer que não haveria negócio. Não tinha jeito e por isso avançámos. Vale a pena avançar e vai ser um excelente negócio”, garantiu o presidente do grupo Vila Galé na conferência de imprensa em Fortaleza que assinalou os 20 anos do grupo no Brasil.

Jorge Rebelo de Almeida acredita que o Brasil tem “um potencial extraordinário”  e, por isso mesmo, vai continuar a apostar no país. Assim que o novo hotel em Alagoas for inaugurado, o grupo iniciará a construção do segundo projeto no Cumbuco. O Vila Galé Collection Cumbuco terá uma oferta de 130 unidades de alojamento bem como um lote com 80 moradias. O projeto, que será vizinho do Vila Galé Cumbuco, ainda não está fechado, garante o presidente, que não avançou com o valor do investimento.

Em fase de concurso encontra-se ainda uma terceira unidade em Salvador da Bahia, que resultará da reconstrução da antiga sede do Governo local, o Palácio de Rio Branco. “Estamos a preparar um sonho. Estamos a concorrer, já aprovamos o projeto, mas ainda não ganhamos o concurso. O Palácio de Rio Branco é uma peça monumental numa localização no centro histórico”, anunciou Jorge Rebeleo de Almeida que assume que a reconstrução de património histórico é “um vício” para a cadeia hoteleira portuguesa.

“Adoro a recuperação de património histórico. Defendo que as cidades com um centro histórico têm a obrigação moral de recuperar esse centro. As cidades que não têm centro perderam a alma.  É uma coisa que dá muito prazer, diria que é quase um vício recuperarmos património histórico”, assegurou.

“Democratizamos a oferta dos resorts no Brasil”
A Vila Galé assinalou este fim-de-semana o 20.º aniversário da operação no Brasil, num evento que decorreu no Vila Galé Fortaleza, o primeiro hotel do grupo a abrir portas no país,

“Começámos aqui porque era mais perto de Portugal, porque havia um voo direto da TAP, e a secretária do turismo do Ceará na altura, Anya Ribeiro, era muito insistente e persistente e tinha feito uma campanha extraordinária em Portugal divulgando o Ceará”, relembrou o presidente do grupo Vila Galé.

Em retrospetiva, Jorge Rebelo de Almeida assume que o panorama hoteleiro no país “melhorou muito” e que a teimosia o levou a não desistir do país. “Quando  chegámos aqui não havia resorts. Os resorts que havia há 20 anos tinham preços absurdos, só uma classe muito alta é que conseguia [pagar]. Hoje fazemos, com boa gestão, uma oferta de qualidade por um preço muitíssimo mais atrativo e com condições de pagamento. Diria que democratizámos a oferta dos resorts no Brasil. Hoje muito mais pessoas têm acesso a um resort”, admitiu.

Apesar do percurso de sucesso, o presidente do grupo hoteleiro sublinhou também os desafios da operação no Brasil e apontou os licenciamentos como um dos maiores constrangimentos. “O Brasil continua a adorar papel e adora complicação”, lamentou.

O preço do transporte aéreo é outro dos pontos que deve ser resolvido para incrementar o turismo no país.  “O Brasil continua sem fazer o trabalho de casa que deve fazer. O trabalho de casa do turismo não é especifico para o turismo. O turismo internacional precisa de transporte aéreo do mundo para o Brasil. O Brasil tem de baixar o preço do transporte aéreo”, assegurou.

Ainda no capítulo dos desafios, Jorge Rebelo de Almeida não tem dúvidas de que a imagem pouco positiva do país fora de portas é outra das pedras no sapato do turismo brasileiro. “O Brasil tem uma coisa, também parecida com os portugueses, e que é má. Adora dar tiros no pé e falar mal do que é do Brasil. Exemplo é a situação que passa para o mundo através da comunicação social, que são as imagens que temos do Brasil. Temos alguns problemas de insegurança, mas a imagem que passa para o exterior consegue ser 10 vezes pior do que a realidade. A imagem que passa muitas vezes na Europa prejudica gravemente o desenvolvimento turístico no Brasil”, acredita.

“O Brasil precisa de melhorar muita coisa e não consegue melhorar tudo de um dia para o outro. Mas os exemplos estão feitos no mundo. O México tem mais insegurança, é mais perigoso e mais violento do que o Brasil. No entanto, fez uma área protegida em Cancún, fez mais um pólo turístico na Riviera Maya. Nesses lugares a limpeza é de primeira, a infraestrutura é de primeira, a segurança é garantida”, acrescentou.

A questão TAP
Jorge Rebelo de Almeida aproveitou o encontro com jornalistas brasileiros e portugueses para sublinhar a importância da companhia aérea de bandeira nacional no desenvolvimento do turismo no Brasil. “O Brasil tem de ter uma simpatia muita grande pela TAP, porque  a TAP, ao longo dos anos, fez um trabalho extraordinário pelo Brasil que foi o de abrir ligações internacionais para a Europa em vários Estados onde não existiam. Como é que a capital de um país, da dimensão do Brasil, não tinha voos internacionais? Foi a TAP que veio lançar esse primeiro voo”, relembrou.

Ainda assim, e devido ao futuro incerto da TAP e ao plano de reestruturação de que está a ser alvo, o presidente do segundo maior grupo hoteleiro português acredita que é urgente pensar em alternativas. “Há um plano de reestruturação da TAP a ser apreciado em Bruxelas. Era bom para Portugal e para o Brasil que a TAP se mantivesse. Não sei, francamente. Mudou recentemente a administração e está numa situação que é preocupante. E torço para que a TAP continue a sobreviver. Se por acaso não sobreviver, já deveríamos estar a preparar alternativas”, garantiu.

Novos projetos em Portugal
A expansão do portefólio da Vila Galé faz-se também em Portugal, onde já tem 27 unidades. No próximo ano inicia-se a construção do primeiro hotel do grupo nos Açores, na cidade de Ponta Delgada, na ilha de São Miguel. A unidade, orçada em 10 milhões de euros, contará com 100 quartos, restaurantes, bar, piscina e spa e resultará da renovação de parte do edifício sede da Santa Casa da Misericórdia que dará lugar a um hotel de charme.

Também em 2022 deverão arrancar os trabalhos no  antigo Convento de Santa Iria, em Tomar. A Vila Galé tem ainda mais duas unidades em desenvolvimento em Beja; uma unidade dedicada ao segmento de famílias, oVila Galé Nep Kids, e uma outra dirigida ao segmento de adultos.

Fazer projetos com diferenciação é um dos objetivos estratégicos do grupo. “Nunca tive metas. Vamos fazendo o que vai aparecendo. Estamos numa fase em que já não fazemos por fazer. Fazemos coisas que tenham algum diferencial. Não é o número que nos interessa”, garantiu Jorge Rebelo de Almeida.

O presidente da Vila Galé relembra as perdas na operação do ano passado e assume que é hora de olhar para a recuperação. “Em 2020, em Portugal, deixámos de faturar 75 milhões de euros e no Brasil deixamos de faturar 136 milhões de reais (21 milhões de euros). O que perdemos não vem mais. Queremos agora  retomar a marcha que estava antes e voltar aos números de 2019 que eram simpáticos”, concluiu.

*O Publituris viajou para o Brasil a convite da Vila Galé

Sobre o autorRute Simão

Rute Simão

Mais artigos
Artigos relacionados
Hotelaria

Guia Complethotel 2023 já está disponível

Após um interregno de dois anos, o guia Complethotel está de volta, listando os melhores fornecedores para hotelaria.

Publituris

Após um interregno de dois anos motivado pela pandemia, o guia Complethotel está de volta, listando os melhores fornecedores para hotelaria nas áreas de Arquitetura e Construção, Equipamento Hoteleiro, Food & Beverage (F&B), Mobiliário e Decoração, Novas Tecnologias, Pavimentos e Revestimento, Serviços e Têxteis.

Um guia pensado para os gestores hoteleiros para os ajudar na tomada de decisão quanto aos melhores serviços e fornecedores para os seus hotéis, garantindo a excelência do serviço.

Após uma primeira distribuição no 33.º Congresso da Hotelaria e Turismo, organizado pela Associação da Hotelaria de Portugal (AHP) em Fátima, de 16 a 18 de novembro, o CompletHotel fica agora disponível nos suportes digitais da Publituris Hotelaria, para os assinantes do Publituris e da revista Publituris Hotelaria e nas feiras e eventos ligados ao setor, além das ações organizadas pela Publituris Hotelaria.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Alojamento

Meliá Escapes é a nova aposta da Meliá Hotels International e Logitravel para viajantes

O novo projeto ficará disponível em nove países.

Publituris

A Meliá Hotels International e a Logitravel juntaram-se para criar a Meliá Escapes, um novo projeto que oferece aos clientes várias possibilidades na hora de organizarem as suas viagens.

Integrando-os no programa de fidelidade da empresa hoteleira, os membros MeliáRewards podem agora adquirir pacotes de estadia e voos, para além de contratar diferentes experiências e serviços adicionais para a sua viagem – seja aluguer de carro, transfers, excursões ou compra de entradas.

Desta forma, e como indicado em comunicado, este novo projeto conta com a capacidade tecnológica e experiência na criação de pacotes dinâmicos da Logitravel, combinada com o conhecimento do cliente e a capacidade hoteleira da Meliá Hotels International.

Na mesa nota de imprensa, o Grupo Viajes El Corte Inglés indica que “este projeto pressupõe mais um passo na aposta da empresa pelo desenvolvimento de inovações tecnológicas que gerem propostas de valor acrescido na customer journey, através da criação de pacotes dinâmicos e da oferta de serviços auxiliares ou atividades no destino”.

A Meliá Escapes, acessível em melia.com, estará disponível em nove países. O acesso para os clientes MeliáRewards de Espanha, Reino Unido e Estados Unidos fica disponível a partir desta quarta-feira, sendo que, brevemente, será possível fazê-lo também em Itália, França, Alemanha, Portugal, México e Canadá. Em comunicado indicam que, numa fase futura, esperam que a Meliá Escapes seja disponibilizada em mais mercados.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Alojamento

Convenção da Keytel em Portugal analisa futuro dos hotéis independentes

O evento em Lisboa contou com a participação de mais de 280 hotéis e analisou as estratégias a seguir para que os hotéis independentes possam continuar a competir com as grandes cadeias.

Publituris

A Keytel, a primeira aliança mundial de hotéis independentes, realizou esta quarta-feira, 24 de novembro, no hotel Eurostars Universal Lisboa, a segunda das três convenções anuais que organiza até ao final do ano em três dos seus principais mercados de influência na Europa, sendo a próxima paragem Paris, como indicado em comunicado.

O encontro contou com a participação de mais de 280 hotéis e analisou o futuro dos hotéis independentes, bem como as estratégias a seguir para poder competir com as grandes cadeias.

Exemplo disso foi a sessão de encerramento, onde se realizou o workshop “Aceleração dos negócios”. Neste, os participantes puderam explorar novos serviços e estratégias de crescimento com a equipa Keytel e especialistas do setor, como a WeGlobeYou, Ágora Central de Compras, RoomZero, Fideltour, Iberian MICE Forums, The Hotels Technology (THT), The Good Concierge e Resoluciona.

Lino Martins, diretor comercial da Ap Hotels, e Frederico Costa, Head of Google Travel em Portugal, participaram como convidados de honra no programa e deram a sua visão do setor.

O presidente do Grupo Hotusa, Amancio López, foi responsável pela abertura da convenção e passou em revista as dificuldades pelas quais o setor passou durante a pandemia e os grandes desafios que enfrenta: a digitalização e a sustentabilidade.

Salientou também a importância dos hotéis independentes e afirmou que “qualquer estabelecimento individual pode sobreviver, independentemente do número de cadeias que existam, desde que disponha dos instrumentos fundamentais para a sua gestão”.

Neste sentido, acrescentou que “na Keytel tentámos, através dos nossos próprios serviços, através de joint ventures ou de recomendações de acordos com outras organizações, colocar ao dispor dos hotéis todos os instrumentos que lhes permitem jogar em igualdade de condições com qualquer grupo. Este tem sido sempre o nosso grande desafio e, através da tecnologia e graças à nossa dimensão como empresa, tornámo-lo realidade”.

Já Xavier Cortés, CEO da Keytel, destacou a importância de ser competitivo: “a competitividade é o resultado da melhoria da proposta experiencial do alojamento, acrescentando valor ao imóvel. Foi isso que Keytel tentou e continua a tentar, e fê-lo desenvolvendo sete serviços, a que chamamos os vetores de aceleração”.

Por outro lado, o CEO da Keytel elencou as chaves diferenciais do alojamento turístico para alcançar maiores resultados: “Procurar a diversificação, ter uma clara orientação na relação direta com o cliente, trabalhar em prol da sustentabilidade, valorizar o valor do imóvel e o valor dos serviços que este oferece”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Alojamento

A mudança do perfil hoteleiro marca próxima sessão da “Be Our Guest”

Na próxima segunda-feira, 28 de novembro, pelas 19h00, terá lugar mais uma conversa “Be Our Guest”, desta vez sobre a “a mudança do perfil hoteleiro”.

Publituris

A sessão em ambiente digital contará com a presença de Carlos Alves, diretor regional de operações do Vila Galé Hotéis para a região Norte e Centro e coordenador da Adega Val Moreira – um projeto do grupo com produção de Vinhos DOC Douro. A conversa será moderada por Marcos Sousa, dirigente da ADHP responsável pela pasta de Finance & Data.

“Nesta sexta conversa, o Be Our Guest traz mais um grande nome ligado à hotelaria. Será uma excelente oportunidade para perceber as perspetivas de um convidado com tanta experiência sobre a gestão hoteleira, a relação com os colaboradores, com os hóspedes, e as alterações no perfil hoteleiro”, refere Patrícia Correia, dirigente da ADHP responsável pelo projeto “Be Our Guest”.

À semelhança das conversas anteriores, a sessão decorrerá através do Zoom, sendo que as inscrições já se encontram abertas e devem ser efetuadas através de um breve formulário. Apesar de as inscrições serem gratuitas, a organização alerta que estas são limitadas.

Esta será a sexta conversa online promovida pela ADHP – Associação dos Diretores de Hotéis de Portugal, uma iniciativa da ADHP que promove conversas informais com diretores de hotéis e nomes de referência do turismo sobre as suas experiências profissionais, a hotelaria e o setor turístico.

A conversa tem o patrocínio da e-GDS Global Distribution Solutions.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

SONY DSC

Alojamento

Hotel Turismo da Guarda poderá integrar a carteira do Grupo Pestana

Uma “fonte próxima do processo de concessão da unidade hoteleira” adiantou ao jornal Terras da Beira que o Hotel Turismo da Guarda deverá passar para as mãos do Grupo Pestana, podendo adotar a marca “Pousadas de Portugal”.

Publituris

O Hotel Turismo da Guarda deverá passar para as mãos do Grupo Pestana, podendo adotar a marca “Pousadas de Portugal”.

A informação é adiantada pelo jornal Terras da Beira, da Guarda, que averiguou junto de “fonte próxima do processo de concessão da unidade hoteleira” que está apenas a faltar a autorização do Ministério das Finanças à proposta que tinha sido aprovada pelo conselho diretivo do Turismo de Portugal, tendo em vista a celebração de “um contrato de arrendamento com um operador económico”.

De acordo com o semanário da Guarda, as negociações decorrem desde o início do verão e têm estado a cargo dos ministérios da Economia e do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social. Desta forma, a unidade hoteleira deverá integrar a rede Pousadas de Portugal, que já inclui outras unidades na região, como a Pousada de Viseu, a Pousada Convento de Belmonte e a Pousada Serra da Estrela.

O semanário antecipa que “o anúncio oficial deverá ser feito pelo ministro da Economia e do Mar, António Costa Silva, no próximo domingo, 27 de novembro, durante a sessão solene comemorativa do aniversário da cidade da Guarda”.

Na sua edição impressa anterior, o jornal Terras da Beira já tinha referido que a Secretária de Estado do Turismo, Rita Marques, tinha afirmado na Assembleia da República, no debate sobre o Orçamento de Estado, que já tinha sido aprovada a proposta, sem identificar, contudo, o operador escolhido, apenas dizendo que “todos o conhecemos”.

Recorde-se que a 11 de outubro um despacho do Governo determinou “a desafetação do Programa REVIVE do [Hotel Turismo da Guarda] do domínio privado do Instituto do Turismo de Portugal, I. P.”, como noticiado na altura pela Publituris Hotelaria.

A decisão foi justificada com a urgência de “recorrer a soluções alternativas que permitam estancar a degradação contínua do imóvel e promover o respetivo aproveitamento económico, em benefício do Estado e da economia nacional”.

O edifício foi vendido em 2010 pela Câmara Municipal da Guarda, à altura liderada por Joaquim Valente, ao Turismo de Portugal, por 3,5 milhões de euros, para ser recuperado e transformado em hotel de charme com escola de hotelaria. No entanto, o projeto não saiu do papel e o imóvel mantém-se de portas fechadas e a degradar-se.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Figuras

W Algarve contrata novo diretor de marketing e comunicação

Henrique Pires é a nova aposta do W Algarve para dirigir o departamento de marketing e comunicação da unidade hoteleira, como anunciado em comunicado.

Publituris

Com 11 anos de experiência no setor hoteleiro, o profissional setubalense começou o seu percurso profissional no Pine Cliffs Hotel, passou pelo Waldorf Astoria Ras Al Khaimah e fez carreira na cadeia Minor Hotels, onde foi responsável pelas áreas do marketing e comunicação dos Anantara Hotels & Resorts e dos Tivoli Hotels & Resorts, em Portugal.

Chega agora ao recém-aberto W Algarve, onde irá desempenhar funções como diretor de marketing e comunicação.

“Estou muito contente e entusiasmado por me juntar à fantástica equipa do W Algarve e abraçar este novo desafio. É um grande orgulho para mim trazer as minhas ideias e visão para um hotel que abriu há cerca de meio ano e que já conquistou tanto terreno na região”, garante Henrique Pires.

O W Algarve marca o primeiro Hotel da marca W a abrir em Portugal. Situado no topo das icónicas falésias do sul de Portugal, o recém-aberto W Algarve junta-se à família de W Escapes, oferecendo “uma mistura de descontração à beira-mar com uma energia exuberante”, como referido em comunicado.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Alojamento

DER Touristk Hotels & Resorts planeia renovação do Sentido Galosol

A unidade localizada no Caniço, na Ilha da Madeira será alvo de uma renovação a partir de janeiro de 2023.

Publituris

A DERT Touristik Hotels & Resorts continua a investir no Galo Resort localizado no Caniço, na Ilha da Madeira, através da renovação dos 125 quartos do Sentido Galosol. Nos planos está ainda prevista a criação de um novo conceito de beach living na área da piscina do hotel.

O investimento surge na sequência do projeto de renovação das áreas comuns do hotel, da receção, do restaurante buffet com adega e do bar do hotel, que tiveram lugar no início deste ano, como indicado em comunicado.

A renovação dos 125 quartos terá início em janeiro de 2023 e será concluída em meados de abril. O objetivo passa por reabrir a unidade a tempo da Festa da Flor, que decorre no final desse mês.

Para a renovação serão escolhidos “tecidos e esquemas de cores que refletem padrões do design português e madeirense”, bem como materiais naturais que pretendem conferir aos quartos “um ambiente leve e arejado”. Para que a unidade possa continuar o seu “compromisso com o ambiente, o projeto incluirá aspetos fundamentais como a gestão da água e a eficiência da eletricidade”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Hotelaria

Dionísio Pestana: “Se não tivesse seguido o desafio do meu pai, estaria na banca ou na bolsa na África do Sul”

Com as previsões a apontarem para uma faturação recorde de 500 milhões de euros para 2022, o presidente do grupo Pestana está otimista para 2023. Contudo, Dionísio Pestana revelou que “o que está em execução é para acabar, o que for novo, vamos aguardar”. Assim, para o ano serão inaugurados dois hotéis em Lisboa – Alfama e Rua Augusta – e arrancará o de Paris.

Victor Jorge

Foi durante o almoço com a imprensa, no âmbito das comemorações do 50.º aniversário do Grupo Pestana, que Dionísio Pestana, presidente do grupo, admitiu que, se não tivesse aceitado o desafio do pai, em 1976, “estaria na banca na África do Sul. Em boa hora isso não aconteceu”.

Foi a 20 de novembro de 1972 que nasceu o maior grupo hoteleiro português, com a inauguração do que é hoje o Pestana Carlton Madeira. Mas a história do grupo começa em 1966 e com um preço de 18.000 contos (hoje, 90 mil euros) pago por um terreno no Funchal onde seria erguido o que é hoje o Pestana Carlton Madeira, inaugurado há 50 anos.

Mas foi depois de o pai “dar como perdido o negócio hoteleiro”, como referiu Dionísio Pestana, que se dá a viagem da África do Sul para a Madeira, onde, inicialmente, a vontade do agora presidente do grupo era ser “diplomata, já que adorava viajar”.

“A revolução tinha destruído completamente o projeto e quando cheguei percebi que isto não era um problema, era um problemão”, reconhece Dionísio Pestana para revelar que, “com o tempo comecei a acreditar que era possível realizar o sonho do meu pai e fui alimentando também o meu próprio sonho”.

Ora esse sonho é hoje o maior grupo hoteleiro, com 108 hotéis espalhados por 16 países, e uma faturação prevista de 500 milhões de euros para 2022 – 80% em Portugal e 20% em estrangeiro – e cujos principais mercados são o britânico, alemão e na “agradável surpresa” em que se tornou o americano. De resto, Dionísio Pestana acredita que a aposta deve ser feita em mercados que distam duas a três horas de viagem ou então, nos Estados Unidos, já que se trata de um mercado que “paga mais e que tem maior poder de compra”.

Voltando, contudo, um pouco atrás no tempo, é com o “time-sharing” na década de 1980, que se dá o “turning-point” do grupo Pestana. Importado dos EUA, as pessoas tinham a possibilidade de comprar uma semana de férias por 30 anos – hoje já só por 10 anos -, tendo a primeira venda sido feito para o mercado britânico. “Hoje ainda temos famílias que compraram nessa altura e que ficaram connosco os 30 anos e renovaram por mais dez e por mais dez”. E foi, precisamente, essa tesouraria que possibilitou a concretização da parte financeira e na construção do grupo.

Acabar o que está em execução e abrandar em novos projetos
Quanto ao futuro, Dionísio Pestana considera que “as maiores preocupações são a inflação e os juros”. No que diz respeito à primeira, “já passámos por isso e o segredo está no aumento da produtividade, tendo imaginação na área das equipas, manter a receita e defender as margens”, disse o presidente do Pestana.

Já quanto aos juros, “é preciso estar sempre de olho na tesouraria e nos novos projetos que ficam congelados”, salientando Dionísio Pestana que, “o que está em execução é para acabar, o que for novo, vamos aguardar”. E o que está em execução são dois hotéis em Lisboa – Alfama e Rua Augusta –, a inaugurar durante o 1.º semestre de 2023, altura em que arrancará o outro projeto, em Paris, junto à Gare d’Austerlitz, um investimento de 60 milhões de euros, em que o grupo ficou com a parte hoteleira, com 210 quartos, num projeto de 100.000 m2 de construção.

De fora fica a possibilidade de vender qualquer ativo, situação que aconteceu com o Pestana Blue Alvor, adquirido pela Azora através do fundo Azora European Hotel & Lodging.

“Os fundos vieram revolucionar muito o negócio da imobiliária hoteleira, negócio esse que era dos bancos”, considera Dionísio Pestana, admitindo, também, que todos os meses o grupo tem abordagens por parte de fundos para a compra de ativos Pestana. Com José Theotónio ao lado do presidente, foi o CEO do grupo Pestana quem melhor caracterizou a venda desse ativo: “foi um negócio em que foi batida a cláusula de rescisão”, referiu, com Dionísio Pestana a frisar que “o negócio estava a correr bem”. Contudo, fica a revelação de que, “se não for estratégico”, a venda será “sempre equacionada”.

Com um dos problemas a residir no aumento dos custos – +10%, em geral, e 25% na energia – o presidente do grupo Pestana revelou que, também os custos com o pessoal aumentaram. Nesse aspeto, e com as outras preocupações – inflação e juros “resolvida” – no caso do capital humano, Dionísio Pestana salienta que “a estrutura está profissionalizada e preparada para o futuro. Não podemos ter medo, temos de estar preparados e temos gente capaz para o fazer”.

Contudo, admite que “não há mão-de-obra em Portugal e, por isso, temos de ir buscar fora”, dando como exemplo a Suíça: “se formos à Suíça, não são os suíços que trabalham na hotelaria”. E deu o exemplo da flexibilidade e adaptabilidade que se tem de ter, sem prejudicar negócio e operação: “nós temos colaboradores que a exigência que fazem é de entrar às 15 horas. Porquê? Porque querem ter a parte da manhã para ir praticar surf. Mas depois não se importam de trabalhar o resto do dia todo e ao fim-de-semana”.

“O que não podemos ter, são pessoas que não querem trabalhar aos fins-de-semana, já que a hotelaria se trata de um negócio que funciona 365 dias por ano, 24 horas por dia. Teremos sempre de ter turnos rotativos, sempre pessoal disponível, mas claro que podemos sempre ter alguma adaptabilidade”, referiu Dionísio Pestana, não se alargando muito em comentários sobre a proposta de quatro dias de trabalho, “realidade impossível de considerar para a hotelaria”.

Reconhecendo que existe alguma dificuldade em “importar” pessoal, a solução indicada está na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), “países que sabem a nossa língua”, advertindo, no entanto, que “são precisos vistos” e que, nesta matéria é preciso rapidez para não se continuar a debater sempre a falta de pessoal.

Certo é que para o próximo ano de 2023, o grupo Pestana já se encontra preparado para dar início ao processo de contratação e formação, tudo porque “o próximo verão vai ser bom”, admitiu Dionísio Pestana.

 

*O Publituris/Publituris Hotelaria viajaram para o Funchal a convite do grupo Pestana no âmbito das comemorações do 50.º aniversário.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Hotelaria

Congresso da Hotelaria e Turismo ruma para a Madeira em 2024

Está também prevista a mudança da data do congresso, que será realizado no primeiro trimestre do ano em 2024.

Carla Nunes

No encerramento do 33.º Congresso da Hotelaria e Turismo, organizado pela Associação da Hotelaria de Portugal (AHP), o presidente desta associação, Bernardo Trindade anunciou que o próximo congresso será realizado na Região Autónoma da Madeira, a “única região por onde ainda não passámos”, dando conta que este irá decorrer no primeiro trimestre de 2024.

Frisou ainda, à semelhança do que anunciou no seu discurso na sessão de abertura, que em 2023 a associação fará o seu primeiro Marketplace, juntando parceiros e associados no segundo trimestre de 2023.

O 33.º Congresso da Hotelaria e Turismo, que este ano decorreu em Fátima, no Centro Pastoral Paulo VI, reuniu 597 congressista, 32 expositores, 44 moderadores e oradores e mais de 20 jornalistas, como enumerado pela vice-presidente da AHP, Cristina Siza Viera, na mesma sessão. O evento reuniu ainda 23 alunos na receção aos congressistas, coffee reaks e almoços e 80 alunos das escolas de hotelaria e turismo de Coimbra, Douro Lamego, Oeste e Porto na preparação do jantar do congresso.

Sobre o autorCarla Nunes

Carla Nunes

Mais artigos
Alojamento

“Não somos nós que estamos a selecionar: os trabalhadores é que selecionam as empresas”

O CEO do Pestana Hotel Group, José Theotónio, participou no painel “Gerir em tempos de incerteza” do 33.º Congresso da Nacional da Hotelaria e Turismo, onde abordou a sua perspetiva relativamente à semana de quatro dias de trabalho, o impacto da guerra no turismo em Portugal, a contratação de mão-de-obra estrangeira para o setor hoteleiro e a retenção de talento.

Carla Nunes

Não há que temer que a contratação de mão-de-obra estrangeira para o setor hoteleiro afete a oferta de emprego na área para os portugueses. A garantia parte de José Theotónio, CEO do Pestana Hotel Group, que participou no 33.º Congresso da Nacional da Hotelaria e Turismo, organizado pela AHP.

Inquirido sobre a legislação que facilita a contratação de mão-de-obra estrangeira proveniente dos países PALOP e da Europa de Leste, José Theotónio aponta que esta é uma “boa lei” e que, apesar de poder pecar por tardia, “ainda bem que saiu”, por permitir às “empresas programarem melhor” a integração destes profissionais.

“Na hotelaria também é muito importante trazer as pessoas e dar-lhes um tempo de formação. Mesmo aqueles que já são profissionais, que já estão no setor, ao entrarem numa nova unidade precisam de conhecer os cantos à casa”, defende.

Afirma que no grupo Pestana “há abertura e disponibilidade” para acolher estes profissionais, já que têm em alguns países, “como por exemplo em Marrocos e Cabo Verde”, ligação às escolas hoteleiras.

“Lá há boas escolas hoteleiras, que formam boas pessoas, bons profissionais, que veem em Portugal uma boa oportunidade. Começando a fazer o trabalho agora, e havendo a possibilidade de fazê-lo com calma, de forma programada, é algo que é possível”.

Defende que não existe a possibilidade destes trabalhadores “tirarem trabalho a portugueses”, garantindo que, atualmente, em hotelaria, são os portugueses que escolhem a empresa onde vão trabalhar.

“Não somos nós que estamos a selecionar. Quem está a selecionar as empresas são os trabalhadores. O que temos de ter é uma boa oferta para a nossa força de trabalho, mostrando os valores da organização, as possibilidades de desenvolvimento e crescimento pessoal e profissional, e os benefícios que podem ter”, afirma José Theotónio, frisando novamente que estes profissionais “não estão a retirar o trabalho a ninguém: estão a completar aquilo que é um setor muito importante”.

O “desastre” da semana laboral de quatro dias

Também nesta sessão foi abordada a semana laboral de quatro dias, um ponto que José Theotónio defendeu não ser possível para o setor – além de obrigar “a uma flexibilização de toda a legislação laboral, nomeadamente em termos de trabalho”, considera o conceito “um desastre” para a área.

“Para algumas unidades até poderia ser produtivo. Agora: para uma indústria que trabalha 365 dias por ano, 24 horas por dia; em que falta um milhão e meio de trabalhadores para a indústria hoteleira [a nível mundial]; com a falta de 45 mil trabalhadores para o setor em Portugal e com a redução da qualidade do serviço pela falta de mão de obra, nesta fase do campeonato, passar de cinco para quatro dias de trabalho é um desastre, um tiro pelos pés”, defende o profissional, rematando que “a seguir a não se fazer o aeroporto é a maior vergonha nacional”.

Dando o exemplo de outro setor, Isabel Furtado, CEO da têxteis Manuel Gonçalves, e oradora no mesmo painel, dá conta que “na indústria é impensável trabalhar mais do que 40 horas”, já que “os acidentes de trabalho aumentam exponencialmente [na indústria] depois das sete a oito horas e meia de trabalho”. Com isto, deixa apenas uma questão: “Vamos pôr as pessoas a trabalhar dez horas?”.

Num último ponto, e quando questionado se Portugal pode beneficiar em termos turísticos com o conflito no Leste, José Theotónio afirma que “é preciso ter muito cuidado quando dizemos que a guerra poderá beneficiar o turismo em Portugal”. Se “é verdade que Portugal e Espanha, por serem dos países que estão mais a oeste”, atraem mais visitas, o CEO do Pestana Hotel Group lembra que “hoje a única certeza que temos é o mundo da incerteza”.

“[O conflito] pode prejudicar. Para já o aumento dos custos que tem tido. Estamos a falar de receitas, mas [também] dos aumentos de custos pessoais. Com este cenário macroeconómico é obvio que vamos ter de aumentar novamente os custos no próximo ano, para compensar o aumento das inflações. Depois, o custo da energia, o segundo maior custo a seguir à força de trabalho em hotelaria, e também na cadeia alimentar, que é o terceiro maior custo no setor”, aponta.

Lembra ainda que, além destas questões, é preciso ter em conta “o próprio setor da aviação”.

“As restrições que hoje existem por causa, também, da guerra, fazem com que alguns mercados tenham muitas dificuldades em fazer turismo. Se houver um agudizar do conflito, com certeza que vai criar ainda mais incerteza e ansiedade”.

Neste contexto, o CEO do Pestana Hotel Group refere igualmente a importância do turismo nacional para o turismo português.

“O turismo português também beneficiou muito do turismo nacional, que cresceu em Portugal nos anos de 2020 e 2021 em termos percentuais – até porque, quem não perdeu rendimento durante esses anos, também não tinha onde gastar. Com o atual cenário macroeconómico isso vai continuar? Mais um nível de incerteza”, refere.

O 33.º Congresso Nacional da Hotelaria e Turismo, organizado pela AHP, decorre entre esta quinta e sexta-feira, 17 e 18 de novembro, em Fátima.

Sobre o autorCarla Nunes

Carla Nunes

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.