Assine já
Quarto Fotos de banco de imagens por Vecteezy
Alojamento

2.º confinamento faz Alojamento Local cair 70% face ao 1.º ‘fecho’ 

Se em termos de volume a quebra no Alojamento Local em Lisboa e Porto foi de 70%, em valor a descida foi maior, cerca de 75% em ambas as cidades.

Publituris
Quarto Fotos de banco de imagens por Vecteezy
Alojamento

2.º confinamento faz Alojamento Local cair 70% face ao 1.º ‘fecho’ 

Se em termos de volume a quebra no Alojamento Local em Lisboa e Porto foi de 70%, em valor a descida foi maior, cerca de 75% em ambas as cidades.

Publituris
Sobre o autor
Publituris
Artigos relacionados
Alojamento Local recupera em maio, mas mantém ocupação muito baixa
Alojamento
Quarto Fotos de banco de imagens por Vecteezy
Portugal ultrapassou 66 milhões de dormidas em 2018, apurou Atlas da Hotelaria da Deloitte
Homepage
Alojamento local em Lisboa e Porto perde 7.800 unidades devido à pandemia
Sem categoria
Quarto Fotos de banco de imagens por Vecteezy
Sul de Portugal mantém-se com maior potencial de receitas no verão no AL
Alojamento

No 1.º trimestre de 2021 foram vendidas cerca de 6.900 noites de Alojamento Local (AL) no Porto e 8.000 em Lisboa, correspondendo, em ambos os casos, uma descida de 70% face ao 2.º trimestre de 2020, quando foi imposto o primeiro confinamento, e estabelece novos mínimos de mercado.

A atividade praticamente inexistente no período que coincide com o segundo confinamento geral devido à COVID-19, traduziu-se num volume de negócios de 431,7 mil euros no Porto e de 556,8 mil euros em Lisboa, ambos com quedas de cerca de 75% face ao 2.º trimestre de 2020.

De acordo com o Confidencial Imobiliário – uma unidade de market intelligence independente – também a taxa média de ocupação e o RevPar atingiram patamares mínimos, refletindo a nova paralisação do mercado. No Porto, a ocupação média do AL no 1.º trimestre de 2021 foi de 5%, comparando com os 8% do 2.º trimestre de 2020. O RevPar na Invicta atingiu 3€, metade dos 6€ registados no 2.º trimestre de 2020. Em Lisboa, a ocupação média no AL foi de 6%, quando no anterior confinamento tinha ficado em 7%, ao passo que o RevPar se fixou em 4€, comparando com os 6€ do 2.º trimestre de 2020.

Já quanto à diária média, mantém-se o padrão habitual do mercado para o 1.º trimestre do ano, atingindo os 70€ em Lisboa e os 63€ no Porto.

Do lado da oferta, observa-se uma clara retração face à paralisação da procura, contabilizando-se menos 2.100 apartamentos T0 e T1 ativos no AL no Porto entre os dois confinamentos, ao passo que em Lisboa esse decréscimo é de 3.550 fogos. No 1.º trimestre de 2021 contabilizavam-se cerca de 2000 fogos T0 e T1 ativos em AL no Porto e outros 2.000 em Lisboa.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Artigos relacionados
“Be Our Guest”
Homepage

Hospitalidade em ambientes complexos teve destaque na terceira sessão “Be Our Guest”

A terceira sessão de conversas da ADHP “Be Our Guest” contou com a presença de Nuno Neves, General Manager do InterContinental Luanda.

A terceira edição das conversas “Be Our Guest”, organizadas pela ADHP – Associação dos Diretores de Hotéis de Portugal, decorreu a 25 de julho com a presença de Nuno Neves, General Manager do InterContinental Luanda.

Em debate estiveram as questões relacionadas com a hospitalidade em ambientes complexos, numa sessão em que o profissional partilhou a experiência na direção de uma unidade do Grupo IHG na capital angolana.

Para Nuno Neves, a capacidade de adaptação à mentalidade e à cultura local é parte fundamental no processo de transição entre mercados e no desafio de manter funcional a operação hoteleira num ambiente complexo, exigindo “força mental” e “espírito de missão”.

Além dos fatores pessoais, como a distância do país de origem e da família, o General Manager do InterContinental Luanda destacou desafios práticos que se colocam em mercados caracterizados por ambientes de trabalho complexos, como problemas no abastecimento de água e eletricidade. Para lidar com estas questões, o profissional sublinhou a importância de cultivar nos profissionais da hotelaria a tenacidade, confiança e paciência, mas também uma capacidade de resposta e planeamento para os momentos de adversidade.

“Para tudo o que uma pessoa faz em prol do hotel ou em decisões importantes, [deve haver] um plano A, B e C. [Devemos] estar sempre dispostos para que nada seja uma surpresa”, considerou o profissional.

Nuno Neves deu também destaque ao papel central da formação no funcionamento de uma unidade hoteleira em contextos adversos, designadamente através da repetição de processos. A existência de mentalidades “abertas”, bem como o facto de os profissionais não se prenderem a “hábitos antigos”, foram algumas características apontadas pelo General Manager como comuns nestes mercados, referindo que os gestores hoteleiros podem tirar proveito destas para incutir conhecimentos formativos.

Para Raúl Ribeiro Ferreira, responsável pela moderação da sessão, o trabalho dos profissionais da hotelaria em contextos de maior adversidade carece de valorização em mercados como o europeu.

“Infelizmente, o trabalho feito nestes países não é muito valorizado quando se chega à Europa, injustamente por isso: porque mais do que a parte técnica, são precisos todos esses componentes que foram abordados e que fazem com que não seja apenas necessário saber servir, saber fazer os rácios, conquistar clientes. É preciso, depois, saber coisas tão simples como isso: como é que se tem água, como é que se tem eletricidade”, referiu o vice-presidente da ADHP.

Quando questionado sobre as diferenças entre os três mercados em que já trabalhou, o General Manager do InterContinental Luanda realçou a importância de “ter ‘jogo de cintura’ entre a religião e os hábitos” no mercado do Médio Oriente e lamentou que na Europa exista uma “cultura de cost control, cost cutting, cost effectiveness” e uma “gestão diária de recursos online para o hotel sobreviver” que retiram ao gestor hoteleiro o “contacto com o cliente”.

Já no mercado africano, o profissional considera existir uma elevada versatilidade na operação, o que permite que o contacto com o cliente seja frequente, e um sentimento de contribuição para a profissionalização e o estabelecimento de novos padrões na hotelaria da região.

Sobre o panorama da hotelaria em Angola, Nuno Neves destacou a existência de uma nova geração de jovens angolanos que estão a entrar no setor e a ser formados em unidades como o InterContinental Luanda, além de cidadãos de dupla nacionalidade que se formaram e estagiaram em Portugal e estão a regressar ao país com o objetivo de trabalhar ou abrir negócios próprios.

A iniciativa “Be Our Guest” promove conversas informais com diretores de hotéis de referência sobre as suas experiências profissionais, a hotelaria e o setor do turismo. As conversas decorrem sempre nas últimas segundas-feiras de cada mês, às 19h. A iniciativa “Be Our Guest” será interrompida durante o mês de agosto, retomando a 26 de setembro, na última segunda-feira desse mês.

A gravação da terceira sessão das conversas “Be Our Guest” encontra-se disponível no canal de YouTube da ADHP.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Alojamento

Alojamento local com ocupação 25% acima de julho de 2019

Em julho, Portugal representou um terço das mais de 16 mil reservas geridas pela GuestReady nas mais de 30 cidades em que a empresa está presente no Reino Unido, França, Emirados Árabes Unidos e Espanha.

Publituris

Em julho, as unidades de alojamento local em Portugal registaram uma ocupação de 90%, valor que ficou 25% acima de igual mês de 2019, antes da chegada da COVID-19, avança a GuestReady, em comunicado.

“O alojamento local está a viver um período de grande procura. A nossa taxa de ocupação em Portugal é superior à nossa média global. No nosso país temos recebido principalmente hóspedes estrangeiros, mas também continuamos a receber muitos portugueses,” afirma Rui Silva, Managing Director da GuestReady em Portugal e em Espanha.

De acordo com o responsável, em julho, a média global de ocupação subiu 25% face a igual mês de 2019, e Portugal representou um terço das mais de 16 mil reservas geridas pela GuestReady nas mais de 30 cidades em que a empresa está presente no Reino Unido, França, Emirados Árabes Unidos e Espanha.

Atualmente, a empresa gere mais de mil propriedades em todo o país, a maioria na zona norte, e, entre julho de 2019 e julho de 2022, reportou um crescimento de 350% do seu portefólio no mercado português.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Alojamento

Editory Collection Hotels investe 1,5M€ na renovação de hotel de Tróia

Investimento transformou o The Editory by The Sea num hotel de cinco estrelas, com 132 apartamentos, na Península de Tróia.

Publituris

A Sonae Capital investiu 1,5 milhões de euros na renovação do The Editory by The Sea, unidade na Península de Tróia, que foi transformada num hotel de cinco estrelas, com 132 apartamentos

Com as intervenções, a unidade passou a contar com nove tipologias de alojamento, divididas entre 65 estúdios e 67 suites “de linhas modernas e funcionais”, com kitchenette equipada, varanda privada, room service 24 horas, wi-fi e Chromecast, como o grupo enumera em comunicado.

Das restantes valências fazem parte uma piscina exterior e outra interior aquecida, um ginásio aberto 24 horas por dia, um wellness center e duas salas de reuniões com capacidade até 100 pessoas.

Acresce o restaurante Salicórnia, com 127 lugares sentados e uma carta à base de “matérias-primas regionais e propostas de partilha”, bem como o Bar by The Sea, com 21 lugares sentados,

A decoração “sofisticada” da unidade aposta nos tons neutros e madeiras claras, incluindo obras da artista plástica Tamara Alves, que em parceria com a Underdogs criou três trabalhos para The Editory by The Sea. A artista desenvolveu ainda duas aguarelas para o hotel, Troia I e II.

Em maio deste ano a Sonae Capital, através das suas participadas, vendeu um conjunto de ativos hoteleiros em Tróia – Aqualuz Tróia Mar&Rio e The Editory By The Sea Tróia-Comporta – constituindo este negócio uma das maiores operações de investimento imobiliário em hotéis realizada no mercado português desde o início do ano. O valor transacionado não foi divulgado.

Nesta operação a The Editory Hotels, unidade de negócio de Hospitality da Sonae Capital, manteve a gestão destes ativos.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Hotelaria algarvia superou números de 2019 em julho

Segundo a AHETA, o “Algarve superou, em julho, os números de 2019, o melhor ano turístico de sempre”, depois de registar uma taxa de ocupação de 87,7%, valor que ficou 4,3 pontos percentuais acima de igual mês pré-pandemia.

Publituris

No passado mês de julho, a hotelaria algarvia registou uma taxa de ocupação/quarto de 87,7%, valor que ficou 4,3 pontos percentuais acima de igual mês de 2019, o que leva a Associação dos Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve (AHETA) a sublinhar que o “Algarve superou, em julho, os números de 2019, o melhor ano turístico de sempre”.

De acordo com os dados provisórios divulgados esta sexta-feira, 5 de agosto, pela associação, a taxa de ocupação/quarto de julho também superou o valor registado em julho de 2021, ficando 37,5 pontos percentuais acima do registado em julho do ano passado.

Por mercados, o destaque vai para o doméstico e para o americano, que apresentaram, em julho, subidas de 4,3 pontos percentuais e 1,1 pontos percentuais, respetivamente, e afirmando-se como “os que mais contribuíram para a subida verificada”.

Em sentido contrário estiveram os mercados britânico e alemão, que apresentaram descida de 2,2 pontos percentuais e 1,8 pontos percentuais, respetivamente, sendo mesmo aqueles que “apresentaram as maiores descidas”  no sétimo mês do ano.

Por zonas geográficas, as maiores subidas ocorreram nas zonas Vilamoura/Quarteira/Quinta do Lago, que assistiram a um aumento de 13,1 pontos percentuais, seguindo-se Monte Gordo/VRSA, onde a subida foi de 9,4 pontos percentuais, e Carvoeiro/Armação de Pêra, com um crescimento de 9,1 pontos percentuais.

Já a zona de Albufeira, que é considerada a principal zona turística do Algarve, “registou uma ocupação idêntica à verificada em 2019”, indica ainda a AHETA no comunicado enviado à imprensa.

Em julho, o volume de vendas dos hotéis e empreendimentos turísticos do Algarve cresceu ainda 17,2 por cento face ao mesmo mês de 2019.

Já no acumulado desde janeiro, a AHETA diz que a taxa de ocupação/quarto regista uma descida de 6,2% face a 2019, o que corresponde a uma subida de 194% face a 2021.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Alojamento

Octant Hotels inaugura suite com piscina aquecida no Douro e abre Spa na Lousã

A Octant Hotels inaugurou a Pool Suite no Octant Douro e abriu o Spa do Octant Lousã, novidades que estão disponíveis para os hóspedes das unidades hoteleiras já este verão.

Publituris

A Octant Hotels inaugurou a Pool Suite no Octant Douro e abriu o Spa do Octant Lousã, novidades que estão disponíveis já este verão e que prometem uma experiência inesquecível aos clientes das unidades hoteleiras.

Num comunicado enviado à imprensa, a Octant Hotels explica que a Pool Suite conta com uma área de 80 m2 no interior e 65 m2 de terraço, sendo no terraço que se localiza a piscina aquecida desta suite, que oferece também sala de estar e jantar, bem como acompanhamento de um personal assistant.

“Além deste serviço, há amenities no quarto à chegada, no momento do check-out e durante a estadia, degustações de queijos e enchidos regionais acompanhada de espumante, bem como serviço de packing e unpacking  das malas no check-in e check-out para relaxar assim que se entra na suite”, acrescenta a Octant Hotels.

Segundo Duarte Gonçalves da Cunha, diretor do Octant Douro, esta Pool Suite “oferece o melhor do Octant Douro, com um serviço personalizado que transforma uma ida ao Douro numa experiência verdadeiramente relaxante e integrada no conceito dos Octant Hotels”, com a vantagem de conta com uma piscina privativa e aquecida no terraço, com vistas para o Douro.

Além da Pool Suite na unidade do Douro, a Octant Hotels abriu também o Spa do Octant Lousã, um espaço dedicado ao relaxamento e recuperação física, que conta com duas cabines singles e uma dupla para tratamentos, além de tanque de crioterapia, sauna e piscina interior com hidromassagem.

Disponíveis estão ainda massagens de relaxamento, massagens terapêuticas e massagens tailor-made, de acordo com as necessidades de cada hóspede, num cenário inspirado na natureza.

“A abertura do Spa veio consolidar o Octant Lousã como um local pensado para relaxar, e apreciar a envolvência mística de um Boutique Hotel repleto de história. No spa, quisemos emular o sentimento de calma e conexão coma natureza que a Serra da Lousã oferece. Os tratamentos retiram essências da natureza que rodeia o Octant Lousã, em coerência com toda a nossa filosofia”, refere Nuno Sequeira, diretor do Octant Lousã.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Alojamento

Lisbon Marriott Hotel promove sessões de cinema ao ar livre

Sessões decorrem a 18 e 19 de agosto, entre as 21h00 e as 00h00, com a exibição dos filmes Everything Everywhere All at Once, de 2022, e Grease, de 1978. O preço do bilhete é de 16 euros por pessoa, com pipocas e estacionamento incluídos.

Publituris

O Lisbon Marriott Hotel vai promover, a 18 e 19 de agosto, duas sessões de cinema ao ar livre, a decorrer no jardim tropical da unidade hoteleira, entre as 21h00 e as 00h00, e com a exibição de diversos filmes.

“Para quem deseja aproveitar com a família e amigos as noites de verão, em ambiente seguro e cercado por um cenário paradisíaco, o Lisbon Marriott Hotel é o lugar ideal para relaxar à luz das estrelas e desfrutar de forma emocionante e divertida o seu filme preferido junto da piscina”, convida a unidade hoteleira.

Everything Everywhere All at Once, de 2022, e Grease, de 1978, são os filmes que vão ser exibidos a 18 e 19 de agosto, respetivamente, e o bilhete para estas sessões de cinema ao livre custa 16 euros por pessoa, com pacote de pipocas e estacionamento incluídos.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Homepage

The Vintage Hotel & Spa Lisboa entra no portfólio da Small Luxury Hotels of the World

A marca é constituída por uma comunidade de hotéis independentes e conta com 520 pequenos hotéis em todo o mundo, com uma média de 50 quartos por unidade.

Publituris

O The Vintage Hotel & Spa Lisboa, unidade de cinco estrelas gerida pela Bomporto Hotels, passa a constar no portfólio da Small Luxury Hotels of the World (SLH), uma marca de luxo que reúne unidades hoteleiras com características únicas e de carácter independente. A primeira unidade do grupo Bomporto a integrar a marca foi o The Lumiares Hotel & Spa Lisboa, em novembro de 2019.

O Small Luxury Hotels of the World (SLH) é constituído por uma comunidade de hotéis independentes e conta com 520 pequenos hotéis em todo o mundo. Com uma média de 50 quartos por unidade, as propriedades SLH “têm características únicas, com os mais altos padrões de luxo e bem-estar”, como indicado em comunicado.

“A integração da nossa segunda unidade hoteleira na SLH vem reforçar a estratégia de desenvolvimento de negócio e a notoriedade no segmento de luxo. É um selo de qualidade e uma afiliação de renome e prestígio que contribui para a promoção das nossas unidades a nível internacional. ” afirma Nick Roucos, diretor-geral da Bomporto Hotels.

Localizado entre o Príncipe Real e a Avenida da Liberdade, o The Vintage Hotel & Spa Lisboa, boutique hotel de cinco estrelas, é composto por 56 quartos com uma decoração assente no design vintage e traços contemporâneos.  Combinando peças únicas de mobiliário vintage, produzidas especialmente para o hotel, e algumas reproduções feitas à medida, a estética do espaço reflete uma decoração contemporânea e simultaneamente apresenta o melhor do design dos anos 50, 60 e 70.

A unidade oferece diferentes atmosferas em cada um dos espaços que o compõem, tanto no rooftop bar, com um jardim vertical e vista para a capital, como nas diferentes áreas lounge, salas de estar e no spa.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Alojamento

Tráfego de passageiros da Ryanair sobe 81% em julho e chega aos 142 milhões de passageiros no acumulado

Entre janeiro e julho, a Ryanair transportou já 142 milhões de passageiros, o que indica uma subida de 255% no tráfego acumulado.

Publituris

A Ryanair transportou 16,8 milhões de passageiros em julho, número que traduz uma subida de 81% face aos 9,3 milhões de passageiros que a companhia aérea tinha transportado em igual mês do ano passado, quando a pandemia da COVID-19 ainda se fazia sentir, informou a transportadora de baixo custo em comunicado.

Em julho, a Ryanair registou também uma forte melhoria no load factor dos 92.300 voos realizados, que se situou nos 96%, tendo subido 16 pontos percentuais face aos 80% de ocupação que a companhia aérea tinha registado em julho de 2021.

No acumulado do ano, a Ryanair transportou já 142 milhões de passageiros, o que quer dizer que a companhia aérea apresentou uma subida de 255% no tráfego acumulado até julho, uma vez que, em igual período do ano passado, tinha transportado 40 milhões de passageiros.

Já o load factor até julho foi de 87%, o que traduz um aumento de 14 pontos percentuais face aos 73% de ocupação que a Ryanair tinha apresentado entre janeiro e julho de 2021, num período ainda crítico para a aviação devido à pandemia da COVID-19.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Homepage

Eurostars Santa Luzia 4* integra portefólio da Eurostars Hotel Company

O hotel localizado em Guimarães funciona em regime de aluguer e conta com 99 quartos, bem como uma área de bem-estar com spa e piscina.

Publituris

A Eurostars Hotel Company integrou um novo hotel no portefólio, o Eurostars Santa Luzia 4*, em Guimarães.

O antigo Santa Luzia Art Hotel, que agora pertence à carteira da Eurostars Hotel Company, funciona em regime de aluguer e contabiliza 99 quartos, totalmente equipados e decorados “em tons quentes”, como indicado em comunicado.

As instalações, que prometem “satisfazer as necessidades dos mais diversos tipos de turistas”, incluem uma cafetaria, um restaurante de cozinha portuguesa e internacional, ginásio e uma área de bem-estar, com spa, sauna, banhos turcos, piscina e zona de massagens e tratamentos. Inclui ainda uma piscina exterior no telhado, localizada no terceiro andar, bem como quatro salas de diferentes capacidades para a realização de eventos.

“Temos orgulho em continuar a avançar na expansão internacional da Eurostars Hotel Company e, ao mesmo tempo, consolidar a nossa posição num mercado como o português, tão estratégico para nós e com grandes expectativas de crescimento”, afirma o presidente do Grupo Hotusa, Amancio López Seijas.

Com a integração desta unidade, a cadeia hoteleira do Grupo Hotusa passa a gerir 23 estabelecimentos e mais de 1800 quartos em Portugal.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Alojamento

Autarquia de Sintra já abriu a Pousada de Jovens

A Câmara Municipal de Sintra abriu esta segunda-feira, 1 de agosto, a Pousada de Jovens de Sintra, projeto que conta com uma localização privilegiada junto à Estação de Comboios de Sintra e que disponibiliza um total de 24 quartos.

Publituris

A Câmara Municipal de Sintra abriu esta segunda-feira, 1 de agosto, a Pousada de Jovens de Sintra, projeto que conta com uma localização privilegiada junto à Estação de Comboios de Sintra e que disponibiliza um total de 24 quartos equipados com casa-de-banho privativa, ar condicionado e Wi-Fi gratuito.

Num comunicado enviado à imprensa, a Câmara Municipal de Sintra explica que este projeto vai aumentar a oferta de alojamento no concelho, uma vez que a Pousada de Jovens de Sintra disponibiliza “quartos duplos, equipados com televisão e com possibilidade de colocação de cama extra ou berço”, o que os torna também ideais para famílias, existindo ainda um quarto adaptado para pessoas com mobilidade condicionada, bem como quartos múltiplos com quatro ou seis camas em beliche.

Localizada junto à Estação de Comboios de Sintra, a nova pousada conta com uma localização central, distando apenas 1 km do centro histórico de Sintra, área classificada de Património Mundial pela UNESCO na categoria de Paisagem Cultural.

A Pousada de Jovens de Sintra apresenta uma decoração de design industrial, que, segundo a autarquia, é “funcional, informal e confortável”, apelando ao equilíbrio entre cultura e aventura.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.