Assine já
Sem categoria

Qatar Airways realiza voo especial com tripulação e passageiros vacinados contra a COVID-19

Voos especial, que teve partida e chegada a Doha, no Qatar, serviu para a companhia aérea dar a conhecer as medidas de higiene e segurança contra a COVID-19.

Publituris
Sem categoria

Qatar Airways realiza voo especial com tripulação e passageiros vacinados contra a COVID-19

Voos especial, que teve partida e chegada a Doha, no Qatar, serviu para a companhia aérea dar a conhecer as medidas de higiene e segurança contra a COVID-19.

Publituris
Sobre o autor
Publituris
Artigos relacionados
Qantas admite exigir vacina contra a COVID-19 aos passageiros
Homepage
Ethiad Airways já vacinou toda a tripulação e pilotos contra a COVID-19
Aviação
Royal Caribbean International lança cruzeiros no Chipre para o verão
Sem categoria
Aeroporto de Hamad/Doha é o melhor do mundo
Sem categoria

A Qatar Airways realizou esta terça-feira, 6 de abril, o primeiro voo com toda a tripulação e passageiros vacinados contra a COVID-19, numa operação especial que partiu do Hamad International Airport, em Doha, Qatar, pelas 11h00 e regressou às 14h00, e que serviu para a companhia aérea dar a conhecer todas as medidas implementadas a bordo para garantir a higiene e segurança.

“Este voo especial de hoje demonstra que a próxima etapa na recuperação das viagens internacionais não está longe. Temos orgulho de continuar a liderar o setor e operar o primeiro voo com a tripulação e passageiros totalmente vacinados, oferecendo uma luz de esperança para o futuro da aviação internacional”, destaca Akbar Al Baker, CEO da companhia aérea de bandeira do Qatar, citado num comunicado enviado à imprensa.

O voo especial com todos os ocupantes vacinados contra a COVID-19 vai ser realizado num moderno avião Airbus A350-1000, que além de uma vasta oferta de entretenimento e internet Wi-Fi a bordo, é o aparelho mais sustentável da frota da Qatar Airways, que vai também compensar as emissões de carbono nesta operação.

No comunicado enviado à imprensa, a Qatar Airways destaca ainda a colaboração do Hamad International Airport nesta operação, assim como do Estado e das autoridades de saúde do Qatar, que permitiram a vacinação dos funcionários da companhia aérea.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Artigos relacionados
Sem categoria

HiJiffy lança sistema operativo “Aplysia OS” para facilitar interações entre hóspedes e hotéis

A tecnologia utiliza inteligência artificial para acompanhar todas as fases da jornada do hóspede no hotel, desde a pré reserva até ao pós-estadia. O objetivo passa por facilitar ações como “o processo de reserva, o check-in antecipado ou a reserva de uma mesa no restaurante”, de acordo com a HiJiffy.

Carla_Nunes

A HiJiffy acaba de lançar um novo sistema operativo de comunicação com hóspedes, o Aplysia OS.

Esta tecnologia utiliza Inteligência Artificial (IA) para criar interações entre os hotéis e os clientes em todas as fases da jornada do hóspede, desde a pré reserva até ao pós-estadia, de acordo com informação enviada em comunicado pela empresa.

Desta forma, a Aplysia permite conectar os hóspedes e hotéis “24 horas por dia, sete dias por semana”, sem a necessidade de interação humana”.

O objetivo passa por facilitar ações como “o processo de reserva, o check-in antecipado ou a reserva de uma mesa no restaurante”, de acordo com a HiJiffy.

A empresa explica que este sistema foi treinado nos últimos seis anos “com milhões de questões exclusivamente relacionadas com a indústria hoteleira”, pelo que possui recursos de autoaprendizagem para analisar dados em bruto e não etiquetados e classificá-los por si só.

Isto permite que a IA “aprenda de forma quase autónoma, tornando o processo de aprendizagem mais rápido face às soluções treinadas manualmente por humanos”.

Para além disso, a Aplysia consegue “entender as emoções por detrás das conversas”, através da análise semântica e de sintaxe.

O sistema consegue reconhecer se a conversa é negativa, neutra ou positiva, reagindo de acordo com esta análise – ou seja, dá prioridade e encaminha automaticamente as mensagens para o departamento certo.

Por exemplo, se a conversa for classificada pelo sistema como positiva, “o hóspede poderá seguir um fluxo de atendimento normal, eventualmente até sem qualquer interação com um agente humano”, tal como explica Tiago Araújo, CEO da HiJiffy, à Publituris Hotelaria.

Se, por outro lado, o tom da conversa for negativo, o “hóspede poderá ser imediatamente redirecionado para a equipa do front-office, por exemplo, ou então diretamente para o diretor do hotel”.

A Aplysia OS é baseada na cloud e possui uma consola acessível através de desktop, browser e aplicações para Android e iOS.

Esta solução funciona apenas para os produtos da HiJiffy e não poderá ser comprada para ser usada para outros fins, tal como indica a empresa.

De momento, a tecnologia já está disponível “para todos os clientes da HiJiffy com muitos recursos já totalmente funcionais”, como adianta a empresa.

Funcionalidades em beta testing, que de momento só estão disponíveis para um número restrito de hotéis, serão alargadas a todos os clientes “em breve”.

Sobre o autorCarla_Nunes

Carla_Nunes

Mais artigos
Sem categoria

Madeira recebe evento de agentes de viagens de luxo

O evento “Connections Luxury in Madeira” decorre entre 26 a 29 de junho, no Reid’s Palace e no Savoy Palace, e vai contar com a participação de até 140 decisores e buyers do segmento de luxo.

Publituris

A Madeira vai ser palco, entre 26 e 29 de junho, o evento “Connections Luxury in Madeira”, iniciativa promovida pela a comunidade privada internacional para decisores de confiança em viagens de luxo Connections e que vai contar com a participação de até 140 decisores e buyers do segmento de luxo, informou a Associação de Promoção da Madeira (APM), em comunicado.

“Designada “Connections Luxury in Madeira”, a iniciativa vai receber até 140 decisores com uma agenda interativa projetada para ligar compradores de alto nível a hotéis excecionais, propriedades boutique, provedores de experiência e empresas de gestão de destinos de todo o mundo”, explica a APM, revelando que o evento vai decorrer no Reid’s Palace e no Savoy Palace, com o patrocínio da  Associação de Promoção da Madeira e da DMC Madeira.

Ao longo de três dias, os participantes “vão ter a oportunidade de integrar reuniões de negócios personalizadas realizadas no formato pioneiro Connections Way – a abordagem da empresa para facilitar relacionamentos comerciais duradouros por meio de experiências memoráveis ​​e partilhadas”.

Além disso, os delegados vão ainda participar noutras atividades, como uma masterclass de Poncha, e terão oportunidade de conhecer o chef Luís Pestana do restaurante, com estrela Michelin, “William” (Reid’s Palace), estando também prevista a realização de um chá da tarde e de uma degustação de vinhos madeirenses, bem como a possibilidade de aprender a trabalhar a técnica do vime com a ajuda de um artesão local.

Ainda no âmbito deste evento, a Savoy Signature desenvolveu uma experiência específica para este evento, com a designação “Feel Like a President” e que envolve uma visita à suite presidencial do Savoy Palace.

Além das experiências partilhadas, os convidados também vão participar de uma sessão de liderança, a “ConnecTALKS”, onde vão ser abordadas “as últimas tendências e desafios enfrentados pela indústria de viagens de luxo”, num evento que também vai contar com a participação de António Paraíso, consultor internacional de luxo, que já falou em conferências para Giorgio Armani, Loewe, Porsche, Deloitte, Procter & Gamble e Leica.

“Receber a Connections Luxury é uma oportunidade única de partilhar o que o nosso destino tem para oferecer. Acima de tudo, será um momento para surpreender os participantes neste importante evento, que terão um contato direto com a nossa diversidade, hospitalidade, gastronomia, tradições, com a nossa cultura e história. A Região tem características únicas, uma identidade que destaca uma oferta qualificada a todos os níveis, e que será reforçada com o trabalho que estamos a desenvolver, no corrente ano, relativo à ‘Certificação de Sustentabilidade’ do destino. Esperamos que este evento nos ajude a reposicionar e afirmar a Madeira como destino do segmento de luxo”, considera Eduardo Jesus, secretário Regional de Turismo e da Cultura e Presidente da Associação de Promoção da Madeira.

Já Greg Reeves, diretor administrativo da Connections Luxury, justificou a escolha da Madeira para palco do evento por ser um destino que “transmite uma modesta confiança que é incrivelmente atraente para o viajante de luxo e continua a ser reconhecida como um destino insular líder, cheio de experiências verdadeiramente únicas e influências culturais”.

“Estamos entusiasmados por receber o Connections Luxury na Madeira este verão, dando as boas-vindas aos nossos membros globais para se encontrarem, através de uma agenda única e dinâmica, num cenário espetacular. Estamos em parceria com os melhores da Região, por isso, quem se juntar a nós vai desfrutar de um verdadeiro prazer”, acrescenta.

 

 

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Sem categoria

Air France-KLM inicia codeshare com IndiGo

Anunciado em dezembro de 2021, o acordo de codeshare entre Air France, KLM e IndiGo dá acesso a 30 novos destinos na Índia por parte do grupo europeu e mais de 300 destinos aos clientes da companhia aérea indiana.

Publituris

Depois do levantamento das restrições de viagem na Índia e da aprovação pelo Governo indiano, a Air France-KLM e a IndiGo, principal companhia aérea da Índia, acabam de implementar o acordo de codeshare anunciado em dezembro de 2021.

Com esta nova parceria, a Air France e KLM vão poder oferecer o acesso a 30 novos destinos na Índia, com muitas combinações possíveis de ida e volta, tanto em viagens de lazer como de negócios.

Em comunicado, informa-se que os voos das Air France, KLM e IndiGo vão poder ser “agregados numa única reserva e os membros do programa de fidelização Flying Blue também podem acumular milhas em todas as rotas cobertas pelo acordo”.

De referir que a Air France e a KLM já servem quatro destinos na Índia a partir dos seus hubs em Paris e Amesterdão: Deli, Mumbai, Chennai e Bangalore.

Os clientes da IndiGo que viajam a partir de várias regiões na Índia vão aceder à rede mundial da Air France e da KLM com mais de 300 destinos, incluindo mais de 120 na Europa e cerca de 50 nas Américas.

Os voos codeshare já estão disponíveis para reserva em airfrance.pt, klm.pt e IndiGo em alguns destinos selecionados, sendo que, até ao verão, serão ampliadas as vendas para todos os 30 destinos previstos.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Sem categoria

Espanha mantém obrigação de uso de máscara facial nos aviões

As autoridades espanholas vieram confirmar que, em Espanha, a máscara continua a ser obrigatória nos transportes públicos, incluindo nos aviões.

Publituris

Apesar da Agência Europeia para a Segurança da Aviação (EASA) e do Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC) terem deixado cair a recomendação para o uso de máscara facial nos voos e aeroportos da União Europeia, as autoridades espanholas vieram, entretanto, confirmar que, em Espanha, a máscara continua a ser obrigatória nos transportes públicos, incluindo os aviões.

De acordo com o jornal espanhol Hosteltur, que cita as declarações da ministra da Saúde de Espanha, Carolina Darias, durante uma conferência de imprensa na passada quarta-feira, 11 de maio, apesar do fim da recomendação do uso de máscara, as autoridades europeias também recomendaram a sua utilização em voos com destino a países onde a máscara ainda continua a ser exigida.

A governante lembrou também o decreto que o Governo espanhol aprovou em abril passado mantém obrigatório o uso de máscara nos transportes públicos de Espanha, incluindo nos aviões, ainda que tal já não seja exigido nos aeroportos e plataformas.

“Todas as medidas têm que ter um caminho e, por isso, devemos andar de mãos dadas com a prudência e a proporcionalidade como antes e sempre com unanimidade nas propostas dos especialistas que nos aconselham”, afirmou a governante.

 

 

 

 

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Sem categoria

Ocupação média no Algarve 650% acima de 2021 em abril

As unidades de alojamento do Algarve registaram, em abril de 2022, um crescimento de 650% no que diz respeito à taxa de ocupação global média/quarto face a período homólogo de 2021, totalizando 60,4%.

Publituris

De acordo com os dados revelados pela Associação dos Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve (AHETA), relativamente a 2019, a taxa de ocupação global média/quarto no Algarve no último mês de abril foi 60,4%, ou seja, 4,8 pontos percentuais abaixo do que o valor registado em 2019 (-7,3%) e ao nível do registado em 2016.

Já comparativamente a 2021, a ocupação média subiu 52,3 p.p. (+650%).

O mercado britânico (+1,2pp) e o mercado irlandês (+1,3pp) foram os que apresentaram as maiores subidas face a abril de 2019, com as maiores descidas a registarem-se no mercado nacional (-1,8pp) e alemão (-1,5pp).

No que diz respeito ao volume de vendas, este aumentou 5% face a abril de 2019 e 775% face ao mesmo mês de 2021.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Sem categoria

AHP cria “SOS Ucrânia” no âmbito do programa HOSPES

A AHP alargou o âmbito do seu programa HOSPES com a iniciativa “SOS Ucrânia” que permite aos hotéis manifestar as suas disponibilidades de apoio aos refugiados daquele país.

Publituris

Na plataforma digital do programa corporativo de responsabilidade social e sustentabilidade ambiental da hotelaria, foi criada uma categoria especifica – SOS Ucrânia – onde cada empreendimento associado da AHP pode adicionar os apoios: doação de bens; emprego; alimentação ou disponibilização de alojamento.

Esta iniciativa, segundo a AHP em nota de imprena, é articulada com diversas instituições cujo trabalho está focado no apoio aos refugiados que chegam ao nosso país. São elas que irão consultar a plataforma e contactar diretamente os hotéis para dar seguimento aos processos.

Cristina Siza Vieira, vice-presidente executiva da AHP, recorda os apoios que a hotelaria nacional tem dado, desde 2013, a centenas de instituições, destaca que, agora, Associação e os seus associados “voltam a mobilizar-se para criar as pontes entre quem quer ajudar e quem precisa de ajuda.”

Neste momento, a ajuda da hotelaria chega a vários pontos de Portugal Continental, através de cinco instituições, com quem a AHP formalizou o apoio.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Sem categoria

Ryanair garante que não aumenta sobretaxa de combustível em Portugal

Companhia aérea irlandesa considera que “estas sobretaxas de combustível irão penalizar não só os cidadãos portugueses, como o turismo português”.

Publituris

A Ryanair veio esta terça-feira, 22 de março, garantir que, ao contrário da TAP, não vai aumentar a sobretaxa de combustível em Portugal ao longo deste ano, uma vez que, justifica a companhia aérea em comunicado, “estas sobretaxas de combustível irão penalizar não só os cidadãos portugueses, como o turismo português”.

Na informação divulgada, a Ryanair explica que cobriu cerca de 80% das suas necessidades de combustível até março de 2023, o que permite garantir que, até ao final do ano, os voos da companhia em Portugal não vão pagar qualquer sobretaxa relativa ao combustível.

“A Ryanair continuará a expandir-se em Portugal com a garantia de não aplicar sobretaxas de combustível no verão 2022, em qualquer um dos seus seis aeroportos portugueses em Lisboa, Porto, Faro, Ponta Delgada, Terceira e Madeira, com inauguração na próxima semana”, refere Michael O’Leary, CEO da companhia aérea.

No comunicado enviado à imprensa, a Ryanair volta a atacar a TAP, que acusa de ter recebido mais de 3 mil milhões de euros em auxílios estatais dos contribuintes portugueses e de ter bloqueado slots no aeroporto de Lisboa, e que, segundo a companhia aérea de baixo custo, “penaliza agora ainda mais os seus clientes com tarifas mais elevadas e sobretaxas desnecessárias de combustível”.

“Tendo recebido mais de 3 mil milhões de euros em auxílios estatais dos contribuintes portugueses, é inaceitável que a TAP responda a esta generosidade ao reduzir a capacidade, blçoquear slots não utilizadas no aeroporto de Lisboa, a aumentar as tarifas aéreas e a impor agora sobretaxas de combustível injustificadas aos seus passageiros”, acusa Michael O’Leary, que considera que este “é mais um sinal do declínio da TAP em Portugal”.

O CEO da Ryanair aproveita para lançar mais um apelo ao primeiro-ministro António Costa para que liberte os slots não utilizadas pela TAP este verão, o que permitiria que a Ryanair trouxesse “mais visitantes a Lisboa e assim acelerar a recuperação do turismo pós-Covid em Lisboa, bem como empregos para os jovens”. 

“A nossa mensagem para os contribuintes portugueses é simples: Voem com a Ryanair, a companhia aérea portuguesa sem sobretaxa de combustível”, conclui Michael O’Leary na informação divulgada.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Sem categoria

“Temos de ter a noção de que teremos de ser muito eficazes”

Analista, consultor, ex-governante, Paulo Portas estará no Congresso da APAVT para indicar alguns caminhos passados e futuros. As incertezas são grandes e conhecem atualizações constantes e nesta entrevista, feita antes de conhecidas as “novidades” da variante Omicron, Paulo Portas admite que “o mundo que gira à volta do turismo é enorme”, não percebendo “por que razão devemos dar um pontapé naquilo que nos ajuda a criar riqueza”.

Victor Jorge

Muito se tem falado na recuperação ou retoma do setor do turismo, da importância do mesmo para a economia do nosso país e o que se pode, deve e tem de fazer. Em entrevista, Paulo Portas, ex-vice-Primeiro-Ministro e ministro dos Negócios Estrangeiros, jurista e empresário, dá a sua visão (crítica) relativamente a diversos temas. A começar pelo aeroporto e pelas “injustiças” cometidas contra o setor privado. Tudo isto em entrevista no âmbito do 46. Congresso da APAVT e antes de conhecidas as mais recentes novidades relacionadas à nova variante da COVID-19.

O título da sua intervenção no 46.º Congresso da APAVT é “Recuperação pós-Covid: tendências globais, europeias e nacionais – As questões do crescimento, as incertezas da retoma e o futuro da economia”. Já estamos em recuperação? E que incertezas existem ou poderão existir relativamente a essa mesma retoma no turismo?
Se compararmos 2021, como provavelmente vai terminar, com 2020, obviamente que estamos a recuperar e, felizmente, com bastante força e sustentação. É preciso termos a noção de que em 2020, o ano mais trágico de todos os pontos de vista, as dormidas, em Portugal, caíram, em hotéis, 65% face a um ano normal. Em Alojamento Local, a quebra foi de cerca 59% e mesmo em espaço rural, mais protegido, o decréscimo rondou os 35%. Por isso, comparando com 2020 estamos substancialmente melhores.

Se compararmos com o último ano normal das nossas vidas – 2019 – ainda não chegámos ao nível em que podemos dizer que recuperámos o ponto de partida.

Mas 2019 foi um ano recorde. Será que podemos bater recorde atrás de recorde?
Foi. Aliás, Portugal foi, sucessivamente, batendo recordes. 2019 é o último ano com o qual nos podemos e devemos comparar e não sou favorável a comparações deliberadamente pessimistas, porque acho que nós, como país, como setor privado, devemos ter ambição e essa é, sem dúvida, superar os anos melhores.

A verdade é que se olharmos para um bom indicador, que não é completo, mas que é bastante interessante, o tráfego dos aeroportos portugueses, fechará, tudo indica, o ano 2021 com um contributo bastante assinalável do último trimestre, portanto de outubro a dezembro, a correr manifestamente bem, fecharemos o ano entre 70 a 80% do nível de 2019.

É preciso ter a noção de que as projeções para o próximo ano, que poderíamos pensar como o ano da aterragem normal e definitiva, não são tanto assim porque apontam, se formos pessimistas, para cerca de pouco mais de 70% do nível de 2019 ou num cenário mais otimista um pouco mais de 80%. Isto porque há incertezas associadas a esta fase a que chamo transformação da pandemia em endemia. Ou seja, nós temos incertezas ainda do lado da saúde publica, porque temos incertezas relativamente à possibilidade de existência de variantes e ao peso que têm no bloqueio da sociedade no nível da não vacinação deliberada que, felizmente em Portugal, é relativamente baixo, mas que em vários países europeus, para não falar dos EUA, é altíssimo.

Quando uma parte da sociedade recusa a solução que a ciência lhe oferece para voltarmos a ter uma vida normal, isso impede os mercados e as administrações de funcionarem completamente abertos.

Temos visto países a aumentarem o número de casos, regresso de confinamentos e taxas de vacinação abaixo dos 30%.
Essa realidade é desastrosa. Todos os países europeus com menos incidência de vacinação estão a Leste. Não são todos, mas alguns são especialmente críticos. A permeabilidade dos sistemas ao negacionismo e às teorias de conspiração, esta gente que se dedica a inventar e não a trabalhar que é como estão as democracias na Europa, isso tem consequências económicas.

Em geral, devo dizer, uso sempre o conceito de assimetria para explicar as consequências económicas da pandemia. Esta pandemia é mundial, global, mas não é assimétrica. É preciso fazer esta distinção subtil, porque é muito importante. O mundo nunca esteve aberto ao mesmo tempo em todo o lado e o mundo nunca esteve fechado ao mesmo tempo em todo o lado. Isto tem consequências económicas enormes.

E mesmo atualmente ainda estamos longe dessa assimetria, 20 meses depois do início desta pandemia.
Sim, veja-se o Reino Unido e outros países europeus, a Ásia. A diferença entre a pandemia e a endemia é que na pandemia o vírus controla-nos a nós, na endemia somos nós que controlamos o vírus.

Numa, estamos sempre a fazer face ao desconhecido, na outra, habituamo-nos a gerir esta dificuldade.

O peso do turismo
Encontrei um comentário que fez a 11 de abril de 2020 [no espaço semanal na televisão] relativamente ao setor do turismo e à chamada de atenção que fez ao peso que o mesmo tinha na economia nacional. 1 em cada 5 euros que Portugal encaixava vindo do estrangeiro vinha do turismo. 20 meses depois, que turismo temos e, fundamentalmente, que turismo teremos no futuro em Portugal em termos de importância económica?
Sim, o turismo representa cerca de 20% das exportações portuguesas. É um quinto de uma economia que acelerou bastante a sua componente exportadora, felizmente, em tempos muito difíceis. Nem sempre as pessoas têm a noção de que economicamente, o turismo aparece na coluna das exportações. Parece importação de pessoas, mas é exportação de serviços.

Lembro-me do presidente da Confederação do Turismo de Portugal, Francisco Calheiros, referir, em março de 2020, que se tratava de salvar a Páscoa, em maio era salvar o verão, em outubro o Natal e o Ano-Novo, e por aí adiante. E estamos em finais de novembro de 2021 a pensar salvar 2022. Conseguiremos salvar o turismo em Portugal em 2022, apesar do que está a acontecer por esse mundo fora (novo aumento de casos, aumento dos combustíveis, instabilidades económicas, etc.)?
O turismo tem um peso especialmente relevante em países como Portugal, Espanha, Grécia, Itália, entre outros, na formação do PIB e no valor acrescentado da economia.

Tudo o que está à volta do turismo representa cerca de 20% das nossas exportações, a procura turística representa cerca de 15% do PIB e o turismo, em si mesmo, no último ano com estatísticas normais, representou quase 9% do valor acrescentado da nossa economia.

Outro “pequeno pormaior”, o turismo, entre 2018 e 2019, representava quase 450 mil empregos. É muita gente, muitas famílias, muitos jovens dependentes da atividade turística.

E quando digo atividade turística, volto à sua pergunta, sempre me pareceu óbvio que numa pandemia com esta intensidade, os setores que seriam mais afetados no tempo, ou seja, mais impactados direta e persistentemente, seriam todos aqueles que tivessem uma relação com a ideia de multidão.

Até as pessoas ganharem confiança para entrar num avião ou estarem junto com dezenas, senão milhares, num aeroporto, num hotel onde existem centenas de quartos, estarem em congressos e conferências com muitos participantes, isso depende de uma palavra que atualmente vale ouro: confiança.

Sempre me pareceu que pelo facto de em Portugal o turismo ter um peso especificamente mais forte …

Demasiado forte?
Não, acho que Portugal não tem de limitar as suas capacidades naturais nem as suas capacidades se recursos humanos.

Mas houve quem afirmasse que o turismo teria peso a mais na nossa economia.
Sim, houve. E não foi há demasiado tempo que ouvíamos meios bem-pensantes dizerem, às vezes com desdém, que havia turistas a mais. Recordo que em 2020 tivemos o custo de ter turistas a menos. De maneira que as pessoas, eventualmente, possam fazer agora uma avaliação mais justa.

Portugal tem enormes qualidades naturais, tem muito boas qualidades de recursos humanos, é um país comparativamente seguro, um país hospitaleiro, um país com um acesso e facilidade no uso das línguas estrangeiras mais natural do que outros, é um país que foi sabendo, sobretudo ao longo dos últimos 10 anos, construir uma marca do ponto de vista internacional, um país muito premiado do ponto de vista turístico. Por isso, por que razão devemos dar um pontapé naquilo que nos ajuda a criar riqueza e a superar níveis de desenvolvimento que são inferiores aos desejados?

Outros iriam agradecer?
Claro, tudo o que rejeitarmos, outros aproveitarão. Mas é preciso ter atenção que relativamente a 2022 há ainda alguns pontos de interrogação.

Para ser justo, mais uma vez, sabemos mais hoje sobre a pandemia do que sabíamos há um ano. Mas ainda não sabemos tudo. Um dos fatores que é ainda incerto tem a ver com a existência de variantes, embora a história das pandemias aponte para um número de vagas, cujos critérios de classificação vão variando, mas que durou mais ou menos o tempo que esta durou …

Influências externas
Já está a falar no passado?
Falo no sentido que estamos a fazer uma transição para a endemia. O facto de a pandemia passar a ser endemia não quer dizer que o vírus tenha desaparecido, quer apenas dizer que o sabemos controlar.

Por outro, existe uma assimetria económica por causa daquele princípio de que o mundo não está todo aberto ao mesmo tempo e não está fechado todo ao mesmo tempo.

Estamos a viver um conjunto de fatores que refletem alguma incerteza sobre o ano de 2022.

Os preços estão a subir e não é só o preço no supermercado. Tudo o que dependa dos preços da energia ou dos combustíveis, obviamente, vai refletir-se no desajustamento entre a oferta e a procura a que o mundo está a assistir.

Até as próprias cadeias de fornecimento e/ou de logística contribuem para isso?
Exato, as cadeias de fornecimento estão interrompidas em muitos casos e os prazos de entrega estão, às vezes, duplicados e os custos anormalmente altos.

Sabemos que não é um fenómeno definitivo, mas, em 2022, ainda teremos que conviver com o impacto destes fatores nas condições da oferta turística.

Na altura, defendia, igualmente, uma cooperação ou aliança entre Estado e setor privado, admitindo ser “determinante” no turismo, bem como “uma estratégia agressiva em termos internacionais”.
Não pode ser de outra maneira. Nós somos uma economia relativamente pequena, muito dependente, como é evidente, das conjunturas externas. É a única maneira de nos desenvolvermos. Não nos podemos fechar. Se nos fecharmos empobrecemos.

Em circunstâncias excecionais valem de muito pouco as receitas de manual, porque elas não são feitas para circunstâncias excecionais.

Para mim o turismo pode começar na fronteira terrestre ou na marítima, mas quando vemos a quantidade de turistas a chegar ao aeroporto, as agências de viagens, as reservas para os hotéis, os rent-a-car, os guias, a restauração que é beneficiária líquida da atividade turística. Ou seja, o mundo que gira à volta do turismo é enorme. Todo ele depende da restauração da confiança quanto à ideia de que se pode estar com mais gente num determinado local. Isso vai avançando.

Há sinais da recuperação do chamado turismo de convenções ou conferências onde sempre achei que Portugal poderia ser competitivo se fizesse o seu trabalho de casa.

Mas há um ponto de interrogação sobre um segmento muito importante: o turismo de negócios.

A pandemia gerou ou não gerou uma alteração estrutural no comportamento das empresas e quadros relativamente a viagens curtas? Portugal tem uma dependência do turismo corporativo mais elevada do que a média europeia. Aí, acho que os sinais de recuperação são mais tímidos. Alguma alteração veio para ficar.

A chamada digitalização ou transformação digital do trabalho?
É um problema de economia de meios, de poupança por parte das empresas. Os quadros poupam tempo e algumas coisas que antes eram feitas presencialmente e com uma viagem, hoje em dia serão menos feitas dessa maneira. Parece-me que alguma alteração estrutural veio para ficar. Há quem diga 20%, há quem diga que é 40%, ninguém sabe.

Mas volto a frisar que o turismo de convenções e conferências é uma das oportunidades absolutamente extraordinárias para um país que tem sol até ao fim de outubro.

O presidente do Turismo de Portugal Luís Araújo, sempre disse que era preciso manter os motores a trabalhar para que, quando fosse dado o tiro de partida, Portugal pudesse estar na linha da frente. Pergunto-lhe se Portugal está, de facto, na linha da frente comparando com os seus mais diretos concorrentes (Espanha, Itália, Grécia, Croácia, França)?
Portugal, sendo um caso genericamente semelhante a todos esses países que citou, tem circunstâncias absolutamente singulares. Os países são o que são e devem desenvolver o seu melhor. Ninguém é competitivo em todos os critérios, mas onde queremos ser competitivos, temos de ter a ambição de estar nos três primeiros da Europa.

Há muitos critérios de competitividade, mas nenhum país vai ser competitivo em todos. Mas se nós, naqueles em que queremos ser competitivos, tivermos a ambição de ser o 1.º, 2.º ou 3.º, tenho a certeza de que o modo de progresso é maior.

É mais fácil dizer no setor público que se liga a chave, do que no setor privado. Uma parte desse setor privado colapsou.

Se conseguirmos vencer as incertezas, se não tivermos hesitações quanto à 3.ª dose da vacinação, conseguiremos. Estamos a achegar ao inverno, período que já nos pregou partidas no passado, e estamos a atrasar-nos na 3.ª dose. Esta está a ser dada somente a pessoas com mais de 65 anos. Ora, a força de trabalho essencial do país está abaixo dessa idade. Temos de nos despachar nessa matéria, ser muito profissionais e, com toda a franqueza, não podemos dar um centímetro de espaço aos negacionismos e teorias da conspiração. Essa gente dá cabo das economias.

Mas disse que parte do setor privado colapsou. Pergunto, voltará a erguer-se?
Uma das grandes vantagens da economia de mercado é que nada se perde, tudo se transforma. De facto, há quem fique para trás, mas nascem outros projetos. Muitas empresas aproveitaram para fazer reestruturações, olharam para o seu modo de funcionar e tentaram melhorá-lo. O setor privado é, neste aspeto, muito mais ágil do que as administrações do Estado.

Gostaria, por exemplo, que o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) fosse muito mais orientado para o setor privado, pela simples razão, e não por um critério ideológico, que 80% do emprego e da riqueza criada em Portugal é pelo setor privado.

As (várias) incertezas
Acresce-se a incerteza política que em nada vem ajudar?
Temos um Governo que está em plenitude de funções. Não ponham na cabeça que o Governo caiu ou que está em gestão. Nem caiu, nem está em gestão.

Não é boa ideia para o país defender que o Governo não pode fazer nada, porque senão perdemos um trimestre, pelo menos. E um trimestre tem valor económico.

Como não temos riqueza para perder, não nos podemos dar ao luxo de perder um trimestre ou dois.

Acho que é preciso encontrar um equilíbrio entre o que o Governo deve poder fazer, porque está em funções, e aquilo que não é aconselhável que faça por, não sendo um Governo de gestão, ser em todo o caso um Governo que transita para um futuro Executivo seja ele qual for.

Mas não se deve nem pode defender que a Administração fique parada.

Não nos podemos esquecer que o PRR tem um prazo de execução curto e não podemos andar a deitar trimestres ou semestres pela janela ou que não o executamos em tempo. Não há tempo para prolongamento.

E é preciso não esquecer que isto acontece uma vez, não há segundas nem terceiras hipóteses, não há nenhum tesouro europeu. Apesar das dificuldades próprias do sistema político democrático, temos de ter a noção de que teremos de ser muito eficazes.

Quando falamos de turismo, 2020 e 2021 teve no turismo interno um eixo essencial.
Sim, de facto, ganhámos alguma intensidade no mercado ou turismo interno e eventualmente, alguma dela, não toda, perdure. Não toda, mas alguma.

E temos os mercados de proximidade que, ao contrário, dos transatlânticos assumem uma importância nos tempos mais próximos?
Sabemos, atualmente, do que dependemos. Isso não tem ciência. Se porventura, houvesse uma circunstância em que Reino Unido, Espanha, Alemanha, França estivessem fechados ao mesmo tempo, seria dramático.

Sabemos todos que dependemos desses mercados e que é preciso um esforço enorme para diversificar. Sabemos onde podemos crescer. Onde é? Em mercados que estão a crescer sustentadamente acima do crescimento global e que está a criar novas classes médias.

Incertezas TAP e aeroporto
É impossível falar em turismo, ou melhor, crescimento do turismo em Portugal sem abordar certas e determinadas infraestruturas como, por exemplo, o novo aeroporto para a área de Lisboa?
Não consigo entender a hesitação sobre o novo aeroporto. Sou favorável, como sempre fui, por economia de meios e porque a nossa divida é o que é, à solução Portela +1 e não consigo entender a exaustão de tempo que tudo isto tem demorado.

Naturalmente que agora haverá argumentos para o conforto, com a justificação de que só iremos recuperar em 2023 ou 2024.

Mas o aeroporto não se constrói em um ou dois anos?
Mesmo por isso, não podemos esperar. Sendo evidente que a Portela já estava a atingir um ponto de limite. Pode fazer obras, aumenta-se esse limite …

Há quem diga que esse limite já foi atingido em 2019?
Com as obras aumentaria, porque é sobretudo um problema de espaço para os aviões.

Não temos recursos para fazer um completamente novo, porque isso é muitíssimo mais caro.

Quando fala de novo, refere-se a Alcochete?
Seja o que for, um completamente novo, de raiz. A nossa dívida é quase 135% do PIB e é preciso que tenhamos a noção de que este problema virá ter connosco.

Basta que se verifique uma alteração na economia internacional, tendencial, que já se começa a notar, com os juros a não ficarem a zero nem neutrais.

Sou muito pragmático: preciso de mais infraestrutura aeroportuária? Sim! Tenho capacidade para fazer um aeroporto de raiz, novo? Gostaria de ter, mas não tenho! Há uma hipótese de o fazer? Sim! Então porque não começa?

Acho que o raciocínio é tão lógico que faz confusão.

Acredita nas datas avançadas pelo ‘chairman’ da ANA no Dia Mundial do Turismo ao dizer que teremos aeroporto em 2035 ou 2040?
Isso é estrita responsabilidade do decisor político. Ora decide-se, ora não se decide, ora são os ambientalistas, ora são os municípios, ora são os lobbies, ora são as pressões para que se construa noutro lado e com outros meios.

Sabe que há coisas que são difíceis de decidir, agora a equação é tão evidente: preciso, não tenho meios para fazer um completamente novo, tenho uma hipótese de fazer um que é complementar, era por aí que ia.

Fico baralhado com tudo isto, porque já sou pela solução Portela +1 há muitos anos. Este debate não começou ontem e é evidente que os atrasos têm como consequência aumentar a pressão para um aeroporto completamente novo.

Que vai adiar ainda mais a sua conclusão?
E, sobretudo, olhem para os custos. Somos a 3.ª maior dívida da UE.

Falar de turismo também é falar da TAP. Como vê a solução para a companhia nacional?
Há muitas coisas para além da TAP. O que me preocupa mais no caso do ano turístico que aí vem são os preços.

A aproximação que tenho da realidade é que, por exemplo, em viagens de curta duração de negócios, o preço está a duplicar.

Pessoas vs digital
E saída do capital humano do setor do turismo. Em sua opinião, quem saiu, irá regressar ao setor?
Ainda não voltou toda a gente. O turismo é um setor que em condições normais é crescente. Isto depende muito da resiliência das empresas e também da estabilidade e do prolongamento dos programas de apoio.

Sempre achei que os programas de apoio para o setor do turismo deveriam ser muito mais prolongados que para os outros setores.

A radicalidade do impacto é completamente diferente. Imagine-se o ano económico de um hotel que perde 2/3 dos clientes? O que é que isso significa em termos de recursos humanos, custos de manutenção, etc..

Há dois temas reforçados com a pandemia: sustentabilidade e digitalização. Portugal tem capacidade para se tornar num destino turístico interessante do ponto de vista sustentável aos olhos do turista internacional?
Acho que está entre os que demonstram maior capacidade. Sabe que desconfio muito da retórica dos grupos de protesto. O problema essencial da descarbonização não está na Europa. Saibamos olhar para os dados e em vez de convocar manifestações a protestar contra os europeus, talvez fosse mais útil, interessante e mais verdadeiro protestar com quem tem realmente responsabilidades muito sérias no agravamento na questão do carbono. E onde é que estão essas responsabilidades? Estão essencialmente na China, Índia, em parte ainda nos EUA, embora com melhorias.

Falamos do clima, protestar contra todos e culpar aqueles que mais se esforçaram para melhorar as coisas não me parece razoável. Ora, Portugal está na Europa, é um país que se soubermos proteger o nosso património, se soubermos proteger a nossa memória e a nossa história, se formos muito profissionais na formação dos quadros e dos colaboradores, se toda a gente quiser fazer mais e melhor o seu trabalho, teremos tudo para vencer.

No que diz respeito à digitalização, o maior problema está na Administração Pública. Se se vai investir milhares de milhões de euros na digitalização da Administração Pública, gostaria de ter resposta a uma questão que nunca ouvi ser levantada: e quantos processos é que isso simplificará para o cidadão que é cliente? E quantas pessoas serão necessárias?

A digitalização da Administração Pública é uma verdadeira transformação ou é um upgrade informático? E se é uma verdadeira transformação, têm de me dizer quanto tempo é que isso vai poupar?

O setor das agências de viagens foi um dos mais afetados dentro do todo do turismo?
Sobretudo, porque hoje em dia tem uma concorrência chamada digital.

Que caminho é que este setor terá de tomar?
Terá de ser um caminho paralelo à retoma ou recuperação como um todo, com as suas limitações e vantagens.

Penso que, no final da etapa da transição da pandemia em endemia, as pessoas voltarão a viajar e precisam do turismo. É evidente que algumas empresas terão ficado pelo caminho, outras reestruturaram-se, enfrentam hoje em dia um instrumento poderoso do ponto de vista de concorrência que são as reservas digitais, autónomas do sistema. Mas têm, a meu ver, um ‘plus’ na relação de confiança que não existe noutras alternativas.

É uma questão de confiança e personalização do serviço?
Continuo a reservar as minhas viagens por agência. Sabe porquê? Porque confio nas pessoas, não sei se confio no algoritmo.

E do lado do consumidor, houve ou registar-se-á uma alteração muito profunda?
Depende. O consumidor escolherá sempre a solução que lhe seja mais económica e favorável.

Como as viagens implicam muitas coisas ao mesmo tempo, sobretudo há que não ter surpresas e ter solução para as resolver. E nisso, as agências dão garantias.

Que Portugal teremos a nível turístico no final desta pandemia?
Os dados apontam para uma recuperação em 2023, mas esses dados são voláteis. Gostaria que 2022 já fosse um ano de recuperação completa face a 2019. Provavelmente haverá um défice, mas também é preciso dizer que 2021 teve mais recuperação do que muitos estimavam, sobretudo por causa do último trimestre.

É sempre um problema de expectativas. A transição de uma pandemia para endemia é, em si mesmo, um triunfo. Sei que há muitos críticos do capitalismo, da economia de mercado, dos privados. Mas coloco a seguinte questão: quem é que chegou às vacinas? Foi ou não a indústria privada em conjunto com a ciência pública e privada? Talvez sermos um pouco mais justos também ajudaria.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Sem categoria

Turismo de Portugal espera participação de 2.000 empresas no Programa Empresas Turismo 360

Novo programa do Turismo de Portugal conta com 19 parceiros e visa “acelerar a incorporação dos fatores ambientais, sociais e de governança nas empresas do setor”, de acordo com os objetivos de desenvolvimento sustentável.

Inês de Matos

O Turismo de Portugal espera a participação de 2.000 empresas no Programa Empresas Turismo 360, lançado esta quarta-feira, 10 de novembro, para “acelerar a incorporação dos fatores ambientais, sociais e de governança nas empresas do setor”, segundo Luís Araújo, presidente do instituto.

“Hoje, mais do que nunca, é essencial, e não é só uma questão de marketing, que as empresas se convertam a estes fatores”, afirmou o presidente do Turismo de Portugal na apresentação do programa, que nasce no âmbito do plano ‘Construir o Futuro, Reativar o Turismo’ e alinhado com os objetivos do desenvolvimento sustentável.

De acordo com o responsável, o Programa Empresas Turismo 360 foca-se “no fator social da sustentabilidade”, na “orientação das políticas empresariais que cada empresa do setor desenvolve”, mas também “na dimensão do planeta, a componente ambiental”, desafiando as empresas a adotarem práticas mais sustentáveis, naquele que é o primeiro objetivo da iniciativa.

Outros dos objetivos do programa, explicou Luís Araújo, passam por medir as práticas das empresas, de forma a que seja possível conhecer o “comportamento social e ambientalmente responsável do tecido social do turismo”; “fomentar modelos de negócio mais rentáveis”, assentes em serviços inovadores e autênticos; “catalisar ações educativas ao longo de toda a escala de valor” e “reunir os benefícios sócio-económicos que decorrem da incorporação destes objetivos e da construção de uma estratégia ESG – Environmental, Social and Corporate Governance”.

“As vantagens para as empresas são claras: capacitação, uma ferramenta de monitorização do desempenho que lhes vai permitir também aumentar a sua eficiência, obter um modelo de relatório de sustentabilidade adaptado às empresas do setor, acesso a fontes de financiamento diversificadas, desde o crowdfunding até ao acesso ao mercado de capitais ou iniciativas comunitárias, e o reconhecimento público”, resumiu o responsável.

No arranque deste programa, como explicou Luís Araújo, vai ser definido um “conjunto de indicadores essenciais” – numa tarefa que vai contar com a participação dos 19 parceiros que se associaram à iniciativa – e que devem ser depois adotados pelas empresas, sendo que as práticas que daí resultarem vão ser posteriormente medidas e dar lugar a um relatório de sustentabilidade. As empresas vão poder contar ainda com um plataforma que lhe vai permitir fazer elas próprias a monitorização da sua evolução.

Já a formação arranca em janeiro de 2022, através do programa de capacitação para executivos Best, e vão prolongar-se ao longo de todo o ano, enquanto a plataforma de monitorização chega em junho, seguindo-se a fase de apresentação de candidaturas, que terá lugar entre julho e setembro de 2022.

“Acreditamos que este é um dos projetos mais ambiciosos a nível nacional de transformação das empresas do setor e, hoje mais do que nunca, necessário para aquilo que queremos do nosso setor, um setor líder”, destacou ainda Luís Araújo durante a apresentação do programa.

Presente na iniciativa esteve também o ministro Adjunto, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, que sublinhou a importância da sustentabilidade para o turismo, um “setor que assenta na deslocação de pessoas”.

“Lidar com os desafios da sustentabilidade é uma necessidade estrutural do nosso turismo”, afirmou Pedro Siza Vieira, considerando que este programa “permite continuar a construir um setor robusto e sustentável no longo prazo”.

Já a secretária de Estado do Turismo, Rita Marques, que também esteve na cerimónia de lançamento do programa, sublinhou a importância da parceria público-privada que permitiu lançar o Empresas Turismo 360, e sublinhou a importância desta aposta para fazer do turismo um “melhor setor”, que sirva de exemplo cá dentro e também além-fronteiras.

“Portugal pode liderar e ser um farol para os outros setores de atividade e a nível internacional, junto dos destinos que concorrem connosco”, afirmou, admitindo que isso “vai custar, vai ser difícil”, mas que esse será o caminho rumo ao futuro.

Além do Turismo de Portugal, o programa conta com a participação da Confederação do Turismo de Portugal, APEE – Associação Portuguesa de Ética Empresarial, Global Compact Network Portugal, Euronext, Banco Português de Fomento, Millennium BCP, Novo Banco, Banco Português de Gestão, BPI, Santander, Crédito Agrícola, Montepio Geral, Caixa Geral de Depósitos, Abanca, Bankinter, EuroBic, GoParity e Ordem dos Contabilistas Certificados.

 

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Sem categoria

Tráfego aéreo controlado pela NAV Portugal recupera no 3.º trimestre mas ainda com quebra de 33% face a 2019

Apesar da descida, de acordo com a NAV Portugal, o tráfego aéreo do terceiro trimestre já ficou “substancialmente acima dos registos trimestrais”, o que indica uma recuperação desde o início da pandemia.

Publituris

Entre julho e setembro, a NAV Portugal controlou um total de 151.471 voos, número que, segundo a empresa de navegação aérea nacional, representa uma descida de 33% face a igual período de 2019, mas que indica uma recuperação desde o início da pandemia, uma vez que, o  resultado do terceiro trimestre do ano, já ficou “substancialmente acima dos registos trimestrais”.

“A NAV Portugal controlou 151.471 voos ao longo do terceiro trimestre de 2021, um valor 33% abaixo do mesmo período de 2019, ano de referência para o tráfego aéreo, mas substancialmente acima dos registos trimestrais desde a eclosão da pandemia de Covid-19. No primeiro trimestre do ano, o tráfego ficou 72,5% abaixo do registo de 2019 e no segundo trimestre a quebra foi de 61%”, indica a NAV Portugal, num comunicado divulgado esta sexta-feira, 29 de outubro.

De acordo com a empresa de navegação aérea, esta recuperação já se vinha a sentir “nos dois primeiros trimestres do ano”, mas ganhou “algum fôlego com a chegada de julho, agosto e setembro”, que foram meses em que foi possível alcançar “os melhores registos mensais de tráfego desde fevereiro de 2019, reforçando os sinais de que está em curso uma retoma gradual, mas sustentada, do tráfego aéreo”.

“Em agosto último, aliás, a NAV Portugal controlou mais de 53 mil movimentos, algo que já não acontecia também desde fevereiro de 2019 – o mês anterior à declaração pela OMS de uma pandemia do novo coronavírus”, acrescenta a empresa na informação divulgada.

Já no acumulado do ano, o tráfego aéreo “continua mais de 50% abaixo do registo de 2019”, com a NAV Portugal a revelar que controlou “283,9 mil movimentos entre janeiro e setembro, valor que compara com os 619 mil movimentos controlados nos primeiros nove meses de 2019, ano em que foram batidos recordes de tráfego”.

Por regiões, foi na área de Lisboa, onde se incluem os movimentos aéreos em Portugal Continental e arquipélago da Madeira, que a NAV Portugal controlou o maior número de voos, que chegou aos 120 mil entre julho e setembro, valor que fica 33% abaixo dos 179 mil movimentos controlados no mesmo período de 2019.

“No primeiro trimestre, o total tinha ficado 77% abaixo do período homólogo de 2019, queda que no segundo trimestre foi de 63%”, indica ainda a NAV Portugal.

Já na região de Santa Maria, que inclui o tráfego numa vasta área do Oceano Atlântico Norte e arquipélago dos Açores, o tráfego no terceiro trimestre ficou 34% abaixo do período homólogo de 2019, com 31 mil movimentos, depois de nos dois primeiros trimestres do ano o tráfego ter ficado mais de 50% abaixo dos registos de 2019.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.