Assine já
Alojamento

AHRESP e MONERIS lançam programa para evitar insolvência das empresas

Este programa visa encontrar soluções que possam evitar o encerramento definitivo das empresas.

Publituris
Alojamento

AHRESP e MONERIS lançam programa para evitar insolvência das empresas

Este programa visa encontrar soluções que possam evitar o encerramento definitivo das empresas.

Publituris
Sobre o autor
Publituris
Artigos relacionados
Opinião | Igualdade, imposta por lei!
Hotelaria
Estas são as cinco tendências de F&B em Portugal
Alojamento
Apoio à Tesouraria: AHRESP defende adopção de programa semelhante aos Açores para as restantes regiões
Alojamento
Proibição de circulação entre concelhos: AHRESP pede que medida não se aplique a quem reservou alojamento antecipadamente
Alojamento

A AHRESP, em parceria com a MONERIS, anunciou o lançamento do PRE – Programa de Revitalização de Empresas.

Este programa, que já se encontra acessível às empresas, tem como objetivo “disponibilizar um conjunto de ferramentas que evitem o recurso judicial de insolvência”.

De acordo com informação da AHRESP, o PRE “analisa a situação económica de cada empresa, apresentando-lhes um plano integrado que permita a sua viabilidade, evitando o seu encerramento e a destruição dos seus postos de trabalho”.

O programa é desenvolvido ao longo das diferentes fases: a primeira fase consiste no diagnóstico através de uma análise à situação atual da empresa e definição das principais linhas de ação a desenvolver para recuperar o negócio; segue-se a segunda fase, ou seja, o Plano de Recuperação (mediante o diagnóstico, a empresa tem a opção de avançar com a estruturação do plano de recuperação económico-financeiro, assim como das medidas e ações a concretizar), e finaliza com o Modelo de Recuperação. Tal como para a Fase 2, também esta etapa é opcional. “Aqui chegados, desenvolvem-se os modelos de implementação de cada uma das medidas desenhadas na fase anterior, beneficiando a empresa de um acompanhamento dedicado e especializado”.

Este programa está disponível em todo o território nacional, continente e regiões autónomas, e abrange todas as empresas da restauração e bebidas e do alojamento turístico.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Artigos relacionados
Alojamento

NH Hotel Group conta abrir 2.500 novos quartos até 2025 e inclui Portugal

O NH Hotel Group planeia abrir cerca de 2.500 novos quartos entre 2022 e 2025 em vários países, incluindo Portugal. Já assinou contratos para 16 hotéis com quatro de suas marcas, sendo que 45% estão sob o modelo de gestão.

Publituris

A notícia avançada pelo jornal espanhol Hosteltur, cita Ramón Aragonés, CEO da cadeia hoteleira que sustenta que existe uma “grande oportunidade” no segmento de luxo através da marca Anantara e no segmento de férias com a Tivoli.

Durante a Assembleia Geral de Acionistas, Aragonés explicou que há 16 hotéis assinados, e outros em negociação, para abrir nos próximos três anos. O foco está no segmento superior, com contratos de gestão ou participações, e o que se procura é o fortalecimento em mercados-chave.

Cerca de 12% dos novos quartos que vão abrir nos próximos três anos serão divididos entre Portugal, Espanha e França, enquanto 38% estão na América Latina, 30% na Europa Central, e 20% em Itália.

O NH Collection concentra 37% dos futuros quartos, 31% corresponde ao Nhow, 26% ao NH Hotels e 6% à marca de luxo Anantara, segundo aquele jornal.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Hotelaria

GuestCentric deixa dicas para hotéis aumentarem reservas diretas este verão

À medida que os negócios se recompõem no verão de 2022, a Guestcentric Systems considera importante que os hoteleiros continuem a investir nos seus canais diretos e, neste sentido, deixa algumas sugestões para os hotéis aumentarem as suas reservas diretas.

Embora as OTAs (online travel agencies) possam dominar em termos de visibilidade online, os hotéis independentes têm a vantagem de conhecer os seus hóspedes e saber exatamente aquilo que estes gostam de fazer durante as suas estadias, indica este fornecedor de websites hoteleiros.

A GuestCentric desafia os hoteleiros a reavaliarem o seu principal canal de reservas diretas – o website do seu hotel – analisando como é que o site comunica a unidade hoteleira, como é que inspira os seus clientes com a história da sua marca, em que medida os conduz até à reserva efetiva. E deixa algumas dicas para ajudar o setor a obter mais reservas diretas neste verão.

Tendo em conta que o website do hotel é o primeiro ponto de contacto para os hóspedes compreenderem mais sobre o que podem esperar da unidade e do destino, será necessário, segundo a GuestCentric, assegurar que as visitas podem ser convertidas em reservas de estadias, para gerar mais negócio direto.  O primeiro passo é usar o poder visual do website para fazer com que os hóspedes sonhem em visitar o hotel.

Refira-se que um inquérito da Hospitality Net concluiu que a decisão de reservar é 60% emocional e 40% racional. As imagens não só valem mil palavras, como inspiram uma reação emocional nos hóspedes – que os levará a reservar ou a abandonar o website do hotel. Assim, a empresa diz que, usando o poder de fotografias e vídeos, durante a tomada de decisão dos hóspedes, o hotel consegue converter visitas em reservas.

Além disso, é importante saber o que os visitantes querem e orientar as suas decisões de reserva.

“Quando se trata de saber aquilo de que os hóspedes gostam, os hotéis têm uma grande vantagem sobre as OTAs porque observam, em primeira mão, as preferências dos clientes durante a sua estadia”, considera a Guestcentric Systems, para acrescentar que “o hotel deve assumir a liderança no processo de compreender bem os seus hóspedes. Caso contrário, é bem possível que deixe de beneficiar desta posição privilegiada”.

Depois de observar os hóspedes e compreender as suas preferências (ou aversões), há quatro passos que devem ser implementados pelo hotel no seu website: Criar ofertas e serviços em torno do que os hóspedes querem e incentivá-los a reservarem diretamente; Comunicar informações precisas e atualizadas sobre o hotel e destino; Manter e comunicar políticas flexíveis; Falar a mesma língua que os hóspedes.

Finalmente, a empresa destaca que, tal como no website do hotel, o motor de reservas deve encorajar todos os comportamentos ligados à compra em si. Assim, o melhor preço garantido, as ofertas especiais, promoções e alertas de ativação/recuperação de compras irão criar um sentido de urgência e inspirar os visitantes a reservar.

 

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
Alojamento

Novo cinco estrelas Art Legacy Hotel abre em Lisboa até ao final do ano

O Art Legacy Hotel vai contar com 53 quartos e cinco suites, e vai funcionar num conceito “top luxury”, ficando localizada na Rua do Ouro, na Baixa lisboeta.

Publituris

O AT Group vai abrir, até ao final do ano, um novo hotel de cinco estrelas em Lisboa, o Art Legacy Hotel, unidade de luxo, com 53 quartos e cinco suites, que fica localizada na Rua do Ouro, na Baixa lisboeta.

Num comunicado divulgado esta quinta-feira, 30 de junho, o AT Group revela que o Art Legacy Hotel vai posicionar-se “num conceito “top luxury”, que se impõe desde logo pela originalidade do Design Mooi, marca de referência na área de decoração a nível internacional”.

“O Art Legacy apresenta-se assim com um diferencial de imagem que, do mobiliário dos quartos e casas-de-banho, aos quadros e outras peças decorativas, assenta na diferenciação, bom gosto e modernidade”, indica o grupo, no comunicado divulgado.

A unidade fica localizada no edifício onde, no passado, funcionaram os escritórios da Companhia de Seguros Sagres, em plena Baixa lisboeta, e que foi reabilita e convertido em hotel pelo arquiteto Luis Rebelo de Andrade.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Alojamento

Alojamento turístico recupera em maio mas mantém descida nas dormidas de não residentes

Segundo o INE, em maio, o mercado interno contribuiu com 1,8 milhões de dormidas e os mercados externos totalizaram 4,7 milhões, valores que traduzem um crescimento de 11,6% e uma descida de 4,7% face ao mesmo mês de 2019, respetivamente.

Inês de Matos

Em maio, o alojamento turístico nacional contabilizou 2,5 milhões de hóspedes e 6,5 milhões de dormidas, valores que traduzem diminuições de 3,2% e 0,7% face a igual mês de 2019, avança o Instituto Nacional de Estatística (INE), que indica que, no caso das dormidas, este indicador foi influenciado pelo decréscimo de 4,7% registado nos mercados externos.

“Em maio, o mercado interno contribuiu com 1,8 milhões de dormidas e os mercados externos totalizaram 4,7 milhões. Face a maio de 2019, o mercado interno cresceu 11,6% e os mercados externos diminuíram 4,7%”, lê-se no comunicado divulgado esta quinta-feira, 30 de junho, pelo INE.

Face a maio do ano passado, o cenário é, no entanto, mais animador, uma vez que os 2,5 milhões de hóspedes e 6,5 milhões de dormidas contabilizados representam subidas de 162,1% e 221,8%, respetivamente.

O INE diz que “os mercados externos predominaram”, já que representaram 72,2% das dormidas contabilizadas nos estabelecimentos de alojamento turístico nacionais, num aumento de 489,5% face ao ano passado, enquanto o aumento no mercado interno foi de 47,7%.

No acumulado dos primeiros cinco meses do ano, as dormidas totalizam já mais de 21,4 milhões, o que representa uma descida de 9,0% face a igual período de 2019, com o INE a indicar que esta descida foi “consequência da diminuição das dormidas de não residentes (-14,4%), dado que as de residentes cresceram 4,9%”.

Em comparação com o acumulado dos primeiros cinco meses de 2021, o cenário volta a ser diferente, uma vez que existe um aumento de 355,2%, incluindo uma subida de 128,5% nos residentes e de 775,8% nos não residentes.

“No conjunto dos primeiros cinco meses do ano, registou-se um aumento de 355,2% das dormidas totais, +128,5% nos residentes e +775,8% nos não residentes. Comparando com o mesmo período de 2019, as dormidas diminuíram 9,0%, como consequência da diminuição das dormidas de não residentes (-14,4%), dado que as de residentes aumentaram 4,9%”, resume o INE, no comunicado divulgado.

Por tipo de alojamento, o INE indica que as dormidas na hotelaria representaram 82,9% do total e que, face a igual mês de 2019, este tipo de alojamento registou um descida de -0,9%, ainda que, face a maio de 2021, haja um aumento de 237,5%.

No alojamento local, onde as dormidas representaram 13,8% do total, o cenário foi idêntico, já que as dormidas nestes tipo de estabelecimentos aumentaram 200,4% face a maio de 2021, mas desceram 4,8% face a maio de 2019.

Já nas unidades de turismo no espaço rural e de habitação, cujas dormidas representaram 3,3% do total, houve um aumento de 70,4% face a maio do ano passado, assim como de 30,1% face a maio de 2019.

Por mercados, o INE indica que a “totalidade dos dezassete principais mercados emissores
registou aumentos expressivos em maio”, representando 88,2% das dormidas de não residentes nos estabelecimentos de alojamento turístico neste mês.

No entanto, três dos principais mercados emissores de turistas para Portugal, nomeadamente britânico, alemão e francês, continuaram a evidenciar descidas face a 2019, com o mercado britânico, que representou 21,7% do total das dormidas de não residentes, a cair 0,8%, enquanto o alemão, que representou 11,8% do total, desceu 7,3%, e o francês, que teve uma quota de 10,7%, recuou 10,0%.

“Comparando com maio de 2019, os maiores crescimentos foram registados nos mercados dinamarquês (+38,2%), romeno (+36,7%), checo (+32,8%) e norte americano (+21,9%). As maiores diminuições foram registadas nos mercados brasileiro (-25,8%), sueco (-18,0%) e austríaco (-11,7%)”, acrescenta o INE.

Aumento de dormidas em todas as regiões

Por regiões, o INE diz que, face ao ano passado, “registaram-se aumentos das dormidas em todas as regiões”, com destaque para o Algarve, que “concentrou 28,6% das dormidas,
seguindo-se a AM Lisboa (26,3%), o Norte (16,4%) e a RA Madeira (12,1%)”.

Face a 2019, a situação é, contudo, diferente, uma vez que apenas houve subidas na RA Madeira (+18,8%), Norte (+6,5%) e Alentejo (+1,2%), enquanto o Centro (-7,4%) contabilizou “o maior decréscimo observado”.

No que diz respeito às dormidas de residentes, também se registaram “aumentos em todas as regiões”, neste caso com destaque para a RA Madeira (+66,2%), Norte (+14,2) e Alentejo (+10,0%), enquanto as dormidas de não residentes aumentaram na RA Madeira (+12,6%) e no Norte (+2,4%), “tendo as maiores diminuições sido observadas no Centro (-23,1%) e Alentejo (-11,1%)”, segundo o INE.

Em maio, a estada média a nos estabelecimentos de alojamento turístico totalizou 2,56 noites, num aumento de 22,7% face a igual mês do ano passado, com destaque para a estada média dos residentes, que foi de 1,89 noites e aumentou 6,8%. Já a estada média dos não residentes foi de 2,98 noites, o que traduz uma subida de 2,3%.

O INE diz ainda que “na RA Madeira e no Algarve as estadas médias atingiram os valores mais elevados: 4,52 e 3,77 noites, respetivamente”.

 

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Restauração

Ana Magalhães vence Chefe Cozinheiro do Ano 2022

Ana Magalhães, chefe de partida no Six Senses Douro Valley, em Lamego, sagrou-se vencedora do Chefe Cozinheiro do Ano 2022. A Final Nacional da 33ª edição deste concurso de cozinha profissional aconteceu na Feira Internacional de Artesanato, na FIL, em Lisboa.

Publituris

Em segundo lugar ficou Fábio Santos do Restaurante Landeira, em Tomar, e a terceira posição foi para Nuno Dinis Ferreira do Bairro Alto Hotel, em Lisboa. Foi ainda entregue o Prémio Helmut Ziebell à sobremesa da autoria de Manuel Pires, do Santa Maria Petisca Ria, enquanto o Prémio Virgílio Gomes foi entregue à sobremesa leite creme de alfazema, chocolate, mel e limão.

Ana Magalhães tem 26 anos. É formada em Gestão e Produção de cozinha na Escola de Hotelaria e Turismo de Lamego, tendo iniciado o seu percurso profissional no Hotel Rural Quinta de Nossa Senhora do Carmo, passando depois pelo Hotel Vila Park e pelo Falésia Hotel. Em 2014, foi trabalhar para o The Yeatman. Em 2019, juntou-se à equipa do Hotel Six Senses Douro Valley, onde exerce o cargo de chefe de partida. O prémio Sustentabilidade Makro foi entregue também a Ana Magalhães.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Alojamento

Airbnb proíbe festas no verão em Portugal

Com vista a manter segura a comunidade de viajantes e anfitriões na Airbnb em Portugal, a plataforma lançou um plano integral para este verão, que inclui, entre outros, a proibição de festas.

Esta proibição. iniciada no verão de 2020 é agora assumida como definitiva nas políticas de alojamento da plataforma, com o lançamento, nomeadamente, do guia Bem-vindo a Lisboa e o reforço dos canais de apoio aos vizinhos e comunidades.

Refira-se que, no final de 2019, a Airbnb começou a reforçar as medidas e proibiu as festas de “convite aberto” (ou seja, as que eram anunciadas nas redes sociais) e proibiu os anúncios que estavam especialmente posicionados para acolher festas numa base recorrente.

Quando chegou a pandemia, anunciou uma proibição total como medida “em interesse da saúde pública”. Com o tempo, esta proibição tornou-se uma política fundamental de apoio aos anfitriões e vizinhos, pelo que a Airbnb decidiu que a partir de hoje esta proibição fica consolidada nas políticas de alojamento da plataforma.

A política de proibição temporária de festas anunciada no verão de 2020 incluía um limite de ocupação de 16 pessoas, medida que foi motivada principalmente por preocupações com a Covid-19 em relação a grandes reuniões de pessoas. Como parte da política atualizada, e com base nos comentários de vários anfitriões que têm alojamentos que podem acomodar mais de 16 pessoas, a Airbnb irá remover este limite.

Para ajudar a combater festas e outros distúrbios para a vizinhança, a Airbnb lançou em Portugal, em novembro de 2021, a sua tecnologia de reservas de Alto Risco, como parte de um novo compromisso de recuperação do turismo saudável para o país. Esta tecnologia visa melhorar a capacidade da Airbnb de bloquear tentativas de reservar estadias que possam apresentar um risco elevado de certos tipos de festas perturbadoras, e ajudar a detê-las antes de começarem.

Por outro lado, de modo a oferecer aos vizinhos uma linha direta de comunicação para a Airbnb para comunicar preocupações urgentes sobre um anúncio ou comportamentos de hóspedes na sua comunidade local, a Airbnb lançou a linha de Apoio ao Bairro em português.

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
Atualidade

Cabo Verde: Brava Resort & Conference Center começa a ser construído no verão de 2023

O maior projeto turístico da ilha cabo-verdiana, o Brava Resort & Conference Center, orçado em 35 milhões de euros, deverá começar a ser construído no verão do próximo ano, estima o promotor, que considera que os processos estão bem encaminhados.

Andy Andrade, diretor da caboverdeonline.com, uma sociedade 100%privada, que que está por detrás do projeto Brava Resort & Conference Center, avançou que neste momento se encontra no processo de conclusão do registo da escritura do contrato, segundo notícia publicada na Inforpress.cv.

Após este processo, o investidor deu conta que vai ser concluída a parte da arquitetura e de seguida negociar com o Instituto do Património Cultural (IPC), uma vez que a cidade de Nova Sintra (capital da ilha Brava) é um centro histórico, tendo que seguir alguns processos e procedimentos para a construção dentro da cidade.

O empreendimento Brava Resort & Conference Center é uma parte do projeto “Brava – O Destino”, que vai ser implementada por fases, e que vai ser executado em Nova Sintra. Vai incorporar um conjunto de ofertas de “alta qualidade”, incluindo restauração, spa, aluguer de espaços para conferências, eventos e reuniões, ginásio e infraestruturas de lazer, e que “deverá criar um total de 180 empregos diretos, indica a mesma fonte citada pela agência de notícias de Cabo Verde.

O objetivo do Brava Resort & Conference Center é “transformar” a ilha num destino turístico de conferência, natureza e cultural, com “particular foco” no mercado norte-americano, visando atrair a primeira, segunda e terceira gerações da diáspora cabo-verdiana nos Estados Unidos.

A empresa promotora vai contar vai contar também com os serviços de uma frota de autocarros e carrinhas, bem como uma embarcação construída de raiz que garante o transporte de e para a Brava, além da construção de um porto alternativo.

 

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
Alojamento

InterContinental Hotels Group deixa de operar na Rússia

Grupo de hotelaria, que conta com 28 hotéis na Rússia, anunciou a decisão esta segunda-feira, 27 de junho, quatro meses depois do início da guerra na Ucrânia.

Publituris

O InterContinental Hotels Group (IHG) anunciou esta segunda-feira, 27 de junho, que vai suspender todas as suas operações na Rússia, decisão que é tomada quatro meses depois do início da guerra na Ucrânia.

De acordo com o jornal espanhol especializado em turismo Hosteltur, a decisão foi anunciada em comunicado e abrange os 28 hotéis do IHG no país, com cujos proprietários o grupo tem estado em negociações relativamente aos “complexos” contratos de gestão de longo prazo sob os quais as unidades se encontravam a funcionar.

“Estamos agora no processo de encerrar todas as operações na Rússia de acordo com as sanções do Reino Unido, EUA e União Europeia e os desafios contínuos e crescentes de operar lá”, indica o grupo de hotelaria, no comunicado divulgado na segunda-feira.

O grupo recorda também que, assim que começou a guerra, encerrou a sua sede em Moscovo e suspendeu futuros investimentos, assim como novas aberturas de hotéis na Rússia, tendo indicado, logo nessa altura, que não pretendia retomar qualquer investimento no país, num futuro próximo.

Apesar da decisão agora anunciada, o IHG não esclarece em que data deixará, completamente, de operar na Rússia, garantindo apenas que vai continuar a apoiar as suas equipas, tanto na Rússia como na Ucrânia.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Hotelaria

Rede Virtuoso acrescenta Octant Ponta Delgada ao portefólio

Esta é a terceira unidade da Octant Hotels a integrar a rede Virtuoso.

Carla_Nunes

O hotel Octant Ponta Delgada passa a integrar o portefólio de parceiros de viagens de luxo da rede Virtuoso.

Esta é a terceira unidade da Octant Hotels a integrar a rede, seguindo os passos do Octant Vila Monte e Octant Douro – que são preferred partners da Virtuoso desde 2017 e 2021, respetivamente.

A unidade foi admitida na Virtuoso após “critérios de seleção rigorosos e exigentes no que respeita à avaliação dos mais elevados padrões de qualidade e serviço”, de acordo com Vitor Santos, diretor-geral do Octant Ponta Delgada.

A integração nesta rede é vista pela unidade como “uma oportunidade para alargar a oferta e reforçar a notoriedade e prestígio no segmento de luxo”, tal como refere em comunicado, já que “a Virtuoso reúne as melhores agências de viagens e parceiros de luxo do mundo, cujas vendas anuais ultrapassam os 25 mil milhões de dólares americanos”.

“Estamos muito satisfeitos e orgulhosos do caminho que fizemos para chegar até aqui e sentimos que este é um duplo reconhecimento: por um lado, reflete os nossos esforços em garantir um serviço à medida e exclusivo aos nossos clientes e, simultaneamente, testemunha que somos uma referência no segmento de luxo em Ponta Delgada”, declara Vitor Santos.

A coleção Virtuoso reúne atualmente mais de 2.000 hotéis de luxo, resorts, empresas de cruzeiros, companhias aéreas, operadores turísticos e outras entidades de viagens em todo o mundo.

Junta ainda mais de 1.100 agências de viagens espalhadas por 50 países, numa rede que funciona com base em convites a parceiros exclusivos.

Sobre o autorCarla_Nunes

Carla_Nunes

Mais artigos
Tecnologia

Amadeus e a IE University expandem rede Travel4Impact para PME turísticas

A Amadeus e a IE University acabam de lançar a segunda edição do Travel4Impact em toda a Europa, apoiando as PME no papel crítico que desempenham na renovação em curso das viagens e do turismo.

Publituris

Trata-se de um projeto de colaboração concebido para apoiar a indústria das viagens e turismo, melhorando a competitividade e o impacto positivo das pequenas e médias empresas.

A rede Travel4Impact apoia as PME que se concentram na digitalização e sustentabilidade como parte da sua estratégia. Esta iniciativa, que faz parte da estratégia de Responsabilidade Social Empresarial do Amadeus, é 100% subsidiada para as PME e inclui formação, tutoria e oportunidades de trabalho em rede.

Mais de 20 PME europeias do turismo serão selecionadas e convidadas a participar na fase de plataforma de lançamento. As pequenas e médias empresas interessadas em aderir ao projeto Travel4Impact devem preencher um formulário antes de 31 de julho, que pode ser encontrado na página web do Travel4Impact. Além disso, nos dias 05 e 13 de julho, pelas 17 de Portugal haverá sessões de informação à qual as PME podem aderir.

O objetivo a longo prazo desta iniciativa é a criação de uma rede global. O projeto teve início em 2021 em Espanha e foi concebido para evoluir para uma comunidade internacional.

Segundo Esther Villena, Head of Corporate Social Responsibility da Amadeus, 85% dos participantes na plataforma de lançamento consideram que os seus negócios têm melhores expectativas futuras graças à participação nesta iniciativa, em comparação com quando se iniciou o programa em 2021.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.