Assine já
Alojamento

Quinta da Pacheca aumenta oferta com novos quartos, piscina, circuito de águas e wine shop

O novo edifício, contíguo à casa principal, dispõe de 24 quartos, a maioria virados para o rio Douro.

Publituris
Alojamento

Quinta da Pacheca aumenta oferta com novos quartos, piscina, circuito de águas e wine shop

O novo edifício, contíguo à casa principal, dispõe de 24 quartos, a maioria virados para o rio Douro.

Publituris
Sobre o autor
Publituris
Artigos relacionados
Luís Reto: “Não vamos construir hotéis”
Alojamento
Santa Luzia ArtHotel abre em Guimarães
Alojamento
Hostels portugueses entre os melhores do mundo
Alojamento
Alojamento turístico recupera a três dígitos em abril face a 2020
Alojamento
Hotel Fotos de banco de imagens por Vecteezy

O The Wine House Hotel da Quinta da Pacheca tem um novo  edifício, contíguo à casa principal, com 24 quartos, a maioria virados para o rio Douro, permitindo uma vista deslumbrante. Com uma arquitetura mais contemporânea, o novo edifício mantém, no entanto, uma traça identitária com o secular edifício da casa mãe e vasos comunicantes em termos de acessos. Espaçosos, com decoração contemporânea, alguns dos quartos têm capacidade para albergar famílias, conseguindo assim a Quinta da Pacheca atingir novos públicos.

A oferta hoteleira da Quinta da Pacheca reforça-se também com uma piscina exterior para usufruir dos dias quentes de Verão do Douro. Situada numa parte mais elevada da propriedade, é de fácil acesso a todos os hóspedes, quer estejam nos famosos wine barrels, na nova unidade ou no edifício principal. “Os novos equipamentos são uma grande aposta da Quinta da Pacheca. Este será o maior hotel do Douro propriedade de uma quinta, com uma oferta integrada, que permite viver uma experiência completa à volta do mundo do vinho”, considera Álvaro Lopes, diretor-geral da Quinta da Pacheca.

Para o diretor, estes novos tempos vieram ditar uma nova realidade no cenário mundial do turismo, mas também podem ser uma oportunidade. “Sentimos uma procura do mercado nacional como nunca tinha acontecido e sabemos que as pessoas que nos visitam ficam fidelizadas. Quando for restabelecida a livre circulação de pessoas e normalizado o fluxo da aviação, vamos com certeza retomar a procura dos mercados internacionais, a que se juntará uma franja importante do mercado nacional que face às contingências da crise sanitária vai pela primeira vez visitar o Douro e vai querer voltar”, considera Álvaro Lopes.

Quem visitar a Quinta da Pacheca nos tempos mais próximos vai também ter a oportunidade de usufruir do spa de Verão, com tratamentos e massagens ao ar livre, no meio das as vinhas.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Artigos relacionados

Créditos: IP Património

Homepage

Estação de comboios de Viana do Castelo vai ser transformada em hotel mas mantém serviços

Fonte da IP adiantou à Lusa que “o projeto propõe a criação de 41 quartos no edifício de passageiros e de 15 quartos no antigo armazém de materiais, resultando num total de 56 quartos com capacidade total de 112 utentes”.

Publituris

O presidente da Câmara Municipal de Viana do Castelo disse esta terça-feira, 9 de agosto, que a estação de comboios da cidade, construída no século XIX, vai ser transformada em hotel por um investidor local e que o projeto está em fase de licenciamento, de acordo com informação adiantada pela agência Lusa.

Em declarações aos jornalistas, no final da reunião camarária de terça-feira, durante a qual foi questionado sobre o projeto, pela bancada do PSD e da CDU, Luís Nobre adiantou que “a Infraestruturas de Portugal (IP), proprietária do imóvel, entendeu dar uso a um espaço que está devoluto há mais de uma década”.

O autarca socialista garantiu que as funções e serviços atualmente a funcionar na estação de caminhos-de-ferro “não vão desaparecer, mas serão transferidos para outro local”.

“A bilheteira, o bar e outros serviços, vão manter-se. Não podia ser de outra forma. Ninguém ia fazer um investimento de 90 milhões de euros na modernização da Linha do Minho para depois prejudicar esse investimento”, sustentou.

Segundo Luís Nobre, o empresário, que já tem uma unidade hoteleira na cidade, “propôs à IP a refuncionalização do edifício em unidade hoteleira, tendo concretizado essa intenção, sendo que, “posteriormente, o município foi informado do projeto”.

“O município concorda. Faz sentido refuncionalizar aquele imóvel histórico, desde que se garanta e, foi dada essa segurança, que as atuais funções da estação não são prejudicadas. No fundo, trata-se de uma valorização de um edifício que passará a ter uma função dinamizadora, não só da atividade hoteleira, mas também das sinergias que vai criar e na revitalização de toda a envolvente”, especificou.

Contrato de subconcessão da IP celebrado com a Turilima

A agência Lusa contactou a IP relativamente ao contrato de cedência do imóvel e das características do investimento em causa, sendo que esta sublinhou que “o serviço de transporte ferroviário não vai sofrer alterações e a área destinada aos passageiros vai ser beneficiada”.

“Os serviços ferroviários serão mantidos, embora relocalizados em diversas zonas do piso 0 do edifício de passageiros e antigas instalações sanitárias, nomeadamente as bilheteiras e salas de apoio, a sala de estar e sala de refeições para o pessoal da CP, a sala de telecomunicações, a sala de comando, a sala do inspetor e, o espaço para a vigilância humana”, especificou a fonte da IP.

A mesma fonte adiantou que a IP “celebrou um contrato de subconcessão com a Turilima – Empreendimentos Turísticos do Vale do Lima SA, que prevê a construção de um hotel ocupando parcialmente três edifícios da estação de Viana do Castelo”.

“O projeto propõe a criação de 41 quartos no edifício de passageiros e de 15 quartos no antigo armazém de materiais, resultando num total de 56 quartos com capacidade total de 112 utentes”.

A Lusa tentou, sem sucesso, falar com a administração da Turilima, a empresa que detém os hotéis Axis de Viana do Castelo, de Ofir, em Esposende, no distrito de Braga, entre outros empreendimentos.

Antigo edifício dos CTT na mira para unidades de habitação

Após a reunião camarária, o autarca adiantou que “o município tem estado a acompanhar o processo de licenciamento [da estação de comboios de Viana do Castelo], juntamente com a Direção Regional de Cultura do Norte (DRCN)”.

“O projeto inicial está a ser alterado porque inicialmente previa algumas alterações ao nível da cobertura. A DRCN e a Câmara entenderam que não podiam ser efetuadas. O objetivo é manter a fachada e as características históricas do imóvel”, referiu.

Luís Nobre adiantou que “as unidades hoteleiras criadas em contexto histórico são temáticas e apelam à memória, às experiências da cidade onde se instalam”.

“Neste caso há um elemento muito forte que é toda a mística da atividade ferroviária no concelho e, naquele local em concreto, que se vai perpetuar”.

Questionado sobre o montante do investimento, Luís Nobre disse desconhecer o mesmo, adiantando apenas que a nova unidade hoteleira “terá sempre que ter mais de 40 quartos, caso contrário não será sustentável”.

“A cidade precisa daquele espaço revitalizado, com dinâmicas que atraiam novos visitantes”, frisou.

O autarca adiantou existir uma “manifestação de interesse de um empresário de Viana do Castelo para a aquisição do edifício dos CTT, na principal avenida da cidade.

O investidor, que já contribuiu em regeneração urbana na mesma avenida, pretende transformar o imóvel dos CTT para unidades de habitação.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Modern luxury hotel reception counter desk with bell

Alojamento

Trabalhadores da hotelaria algarvia protestam contra “baixos salários e péssimas condições”

Ação de protesto, que é promovida pelo Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Hotelaria, Turismo, Restaurantes e Similares do Algarve, decorre esta quinta-feira, 11 de agosto, na Marina de Vilamoura .

Publituris

O Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Hotelaria, Turismo, Restaurantes e Similares do Algarve vai promover, esta quinta-feira, 11 de agosto, uma “ação de denúncia pública e de protesto” contra os “baixos salários pagos no setor e péssimas condições” oferecidas aos trabalhadores.

De acordo com um comunicado do sindicato, esta ação vai servir também para denunciar as condições que esperam “os trabalhadores imigrantes” que estão a ser recrutados noutros países, nomeadamente Brasil, Cabo Verde, Marrocos, Índia, Bangladesh, entre outros.

No comunicado divulgado, o Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Hotelaria, Turismo, Restaurantes e Similares do Algarve diz que, “ao contrário do que afirmam os patrões, a maioria dos salários pagos no sector ronda o Salário Mínimo Nacional”, enquanto as condições oferecidas são “bastante penosas e os horários longos e desregulados não permitem a conciliação da atividade profissional com a vida pessoal e familiar”.

“A falta de respeito, a pressão, a perseguição, a ameaça, a chantagem, a tortura psicológica, são uma constante nos locais de trabalho e fazem-se sentir cada vez mais, devido ao clima de impunidade de que goza o patronato em geral”, denuncia o sindicato.

O Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Hotelaria, Turismo, Restaurantes e Similares do Algarve diz ainda que, ao longo dos anos, foram “apresentadas propostas às associações patronais, nomeadamente à AHETA e à AIHSA, com tabelas salariais que respondem às necessidades dos trabalhadores” e com propostas que “pretendem melhorar os direitos e as condições de trabalho”, mas que têm sido sucessivamente recusadas.

“A recusa dos patrões em garantir essas condições fundamentais para atrair e fixar os trabalhadores mantém-se, ao mesmo tempo que insultam os trabalhadores acusando-os de serem uns malandros, por um lado, e por outro lado, fazem todo o tipo de pressões para que os trabalhadores efetivos se despeçam ou aceitem acordos ilegais para saírem por extinção do posto de trabalho”, lê-se na informação divulgada.

O sindicato considera, no entanto, que “é possível romper com atual estratégia do patronato do sector do Turismo para aumentar a exploração e os lucros”, motivo pelo qual apela aos “trabalhadores do sector para se sindicalizarem, para darem mais força à luta e às reivindicações por uma vida digna, para garantir um futuro melhor às atuais e futuras gerações de trabalhadores”.

Além da ação de protesto, o sindicato vai também promover uma conferência de imprensa, a decorrer igualmente esta quinta-feira, 11 de agosto, pelas 19h00.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Alojamento

Ruben Vieira é o novo diretor do Regency Salgados Hotel & SPA

Ruben Vieira ocupa o cargo de diretor do Regency Salgados Hotel & SPA desde o início de agosto e, desde então, tem-se dedicado ao acompanhamento das equipas e planeamento operacional do hotel.

Publituris

O Regency Salgados Hotel & SPA, em Albufeira, Algarve, tem, desde o início de agosto, um novo diretor, cargo que passou a ser desempenhado por Ruben Vieira, que conta já com experiência em unidades de quatro e cinco estrelas.

“O novo diretor do hotel Regency Salgados, conta com experiência em unidades de quatro e cinco estrelas, com passagens pelos grupos Vila Galé e NAU Hotels & Resorts. Juntou-se à nossa equipa no início deste mês, para olhar a fundo pela operação do Hotel e serviços prestados, com foco na aproximação e conquista do nosso cliente”, avança o Regency Salgados Hotel & SPA, numa nota enviada à imprensa.

No novo cargo, Ruben Vieira tem-se dedicado ao acompanhamento das equipas e planeamento operacional, uma vez que, acrescenta a unidade hoteleira,  “a preocupação pela boa liderança e motivação das equipas, são um cuidado constante que se reflete na satisfação das equipas”.

“O “alvo” é a otimização da operação, envolvendo todas as equipas, com um único objetivo em mente, a satisfação dos nossos hóspedes”, refere ainda a informação divulgada.

Recorde-se que o Regency Salgados Hotel & SPA é uma unidade de quatro estrelas, localizada nos Salgados, na zona de Albufeira e junto à linha de praia, que conta com 88 quartos, além de restaurante, bar e bar exterior junto à piscina.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Mercure Benidorm
Alojamento

Mercure Benidorm é a nova aposta da Accor em Espanha

Este é o 11.º hotel da marca Mercure em Espanha e o 19.º na Península Ibérica.

Publituris

A marca Mercure, do grupo Accor, inaugurou o Mercure Benidorm, tornando-se assim a primeira marca hoteleira internacional a marcar presença na localidade espanhola da Costa Branca.

Inspirado pela atmosfera mediterrânica, o Mercure Benidorm é o novo flagship da marca em Espanha, localizado a 400 metros da praia de Poniente. A unidade conta com 186 quartos “de design minimalista, espaçosos e luminosos”, como indicado em comunicado, sendo que o cliente pode escolher entre as tipologias Standard, Privilege, Deluxe e Suites.

Além de disponibilizar salas de reuniões e eventos, o hotel conta com um jardim com piscina aquecida, camas de rede balinesas, uma horta biológica, ginásio e um serviço de massagens.

Seguindo a mesma linha das restantes unidades da marca Mercure, que convidam os hóspedes a conhecer as “Local Discoveries”, o Mercure Benidorm pretende levar os clientes numa viagem pelo Mediterrâneo.

Para isso, o hotel apostou no artista Jorge Parra, cujo “traço nas paredes e os vasos na decoração, dão vida ao projeto e evocam as artes, a cultura, a tradição e o clima da costa mediterrânica”.

À decoração junta-se a proposta gastronómica do restaurante Malaspina, com uma cozinha de base mediterrânica onde se aposta na “utilização de alimentos frescos, caseiros e orgânicos”, em colaboração com fornecedores locais.

Aqui, os produtos de Benidorm são combinados com “sabores característicos de outras geografias mediterrânicas”, resultando em pratos como camarões com especiarias de Istambul, peixe fresco e pratos locais de arroz e paellas”. O restaurante disponibiliza ainda um catering completo, que inclui grelhados, cocktails criativos, bar cru e comida saudável em múltiplos espaços.

“Queremos ser embaixadores de uma Benidorm alternativa. O hotel e a sua equipa ajudam os clientes a descobrir o lado mais desconhecido da cidade, afastando-se do turismo de massas e do imaginário que a reduz a um destino de sol e praia. Benidorm oferece uma multiplicidade de propostas para os amantes do turismo gastronómico, cultural e de natureza, tanto aqui como nos arredores e no resto da província de Alicante”, afirma Patricia Uceda, Midscale Brands Marketing Manager da Accor em Portugal e Espanha.

O Mercure Benidorm é o 11.º hotel da marca Mercure em Espanha e o 19.º na Península Ibérica.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Alojamento

Antiga garagem Joalpi em Guimarães vai dar lugar a hotel Meliá

As obras para a nova unidade de quatro estrelas deverão começar em 2023, prevendo-se que estejam concluídas em 2024.

Publituris

As antigas instalações da garagem Joalpi, em Guimarães, vão ser transformadas num hotel de quatro estrelas do Grupo Meliá Hotéis. Desta forma, a zona do Parque das Hortas passará a contar com uma “construção moderna”, tal como avançado em notícia pelo Guimarães Digital.

A nova unidade de quatro estrelas terá 129 quartos e o projeto de arquitetura ficará a cargo do Pitágoras Group. As obras de construção deverão começar em 2023, estimando-se que fiquem concluídas até ao final de 2024.

O negócio foi levado a cabo pelo empresário vimarense Vítor Abreu, proprietário da Endutex – e, por conseguinte, das instalações da antiga garagem – que chegou a acordo com o grupo hoteleiro.

Além do espaço da Joalpi, a nova unidade vai abranger um edifício adjacente à propriedade, adquirido recentemente para o efeito.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Alojamento

Preços hoteleiros nos principais destinos europeus estão abaixo de 2019

Mesmo tendo em conta a inflação, os preços das unidades hoteleiras ainda são mais baixos que os de 2019. A conclusão é da empresa de dados turísticos Mabrian.

Publituris

Os preços das unidades hoteleiras deste ano são mais baixos que os verificados em 2019 na maioria dos destinos turísticos europeus, mesmo tendo em conta a inflação.

A conclusão é da empresa de dados turísticos Mabrian, que analisou os preços hoteleiros dos principais destinos europeus em agosto e comparou-os com as taxas de inflação locais. Os dados de 2022 foram depois confrontados com os de 2019.

Em comunicado de imprensa, a Mabrian afirma que um dos principais dados do estudo conclui que, apesar de os preços dos hotéis terem verificado subidas em 2022, e mesmo tendo em conta a inflação, estes continuam a ser mais baixos que os registados em 2019 nos principais destinos turísticos europeus.

Mabrian

A recente subida de preços nos hotéis de três e quatro estrelas em Espanha, Portugal, França e no Reino Unido, bem como nos hotéis de quatro e cinco estrelas em Itália, estão abaixo dos níveis de inflação, “o que demonstra uma descida no preço real dos hotéis”.

Tanto em Itália como no Reino Unido, o aumento de preços mais significativo é verificado na categoria dos hotéis de três estrelas, enquanto na Grécia, França, Espanha e Alemanha a tendência de aumento mais evidente ocorre nas unidades de cinco estrelas.

Em Itália, os hotéis de três, quatro e cinco estrelas aumentaram os preços numa percentagem de 27%, 7% e 4%, respetivamente, numa taxa de inflação de 9.12%.

No Reino Unido, os hotéis de três estrelas aumentaram os preços numa percentagem de 7%, enquanto os hotéis de quatro e cinco estrelas desceram os preços quando comparados com os de 2019, numa percentagem de 1% e 12%, respetivamente. A taxa de inflação é de 11,57%.

Comparados com os valores de 2019, os preços dos hotéis de três, quatro e cinco estrelas em França este ano aumentaram numa percentagem de 2%, 5% e 20%, respetivamente, com uma inflação de 7.83%.

Por fim, em Espanha, é detetado uma subida semelhante à de França, com o preço dos hotéis de três estrelas a aumentar 4% em relação a 2019, os de quatro estrelas a 6% e os de cinco estrelas a 13%, com a inflação a registar 13,55%.

Hotéis de cinco estrelas na Grécia marcam exceção à regra

No caso da Grécia, o cenário é diferente, visto que a subida de preços é muito mais significativa – neste caso, a subida de preço nos hotéis de cinco estrelas regista uma percentagem de até 134% quando comparada com 2019, enquanto a taxa de inflação é de 6.87%.

A empresa de dados turísticos associa o aumento de preços nesta tipologia de hotéis às aberturas recentes de unidades de luxo neste destino, que levaram ao aumento do preço médio de estadia no país. Apesar da tendência, os hotéis gregos de três e quatro estrelas mantiveram o aumento de preços numa percentagem de 31% e 82%, respetivamente, quando comparado com 2019.

Na Alemanha, a empresa verificou uma percentagem de aumento de preços diferente consoante as categorias dos hotéis: 12% no caso dos hotéis de três estrelas; 18% nos hotéis de quatro estrelas e 25% nos hotéis cinco estrelas. A inflação marca os 10,55%.

“Através desta análise podemos verificar que a comparação de preços entre anos pode ser ilusória no atual contexto de instabilidade. Na Europa não estamos habituados a lidar com estas taxas de inflação. Neste momento, é importante que a indústria do turismo se foque em métricas de lucro como o RevPar e GrossPar, em detrimento do preço e ocupação. A taxa média diária (ADR) é altamente comprometida pela evolução da inflação e outros fatores macroeconómicos, como as taxas de câmbio”, declara Carlos Cendra, diretor de marketing e vendas na Mabrian em comunicado.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
“Be Our Guest”
Homepage

Hospitalidade em ambientes complexos teve destaque na terceira sessão “Be Our Guest”

A terceira sessão de conversas da ADHP “Be Our Guest” contou com a presença de Nuno Neves, General Manager do InterContinental Luanda.

Publituris

A terceira edição das conversas “Be Our Guest”, organizadas pela ADHP – Associação dos Diretores de Hotéis de Portugal, decorreu a 25 de julho com a presença de Nuno Neves, General Manager do InterContinental Luanda.

Em debate estiveram as questões relacionadas com a hospitalidade em ambientes complexos, numa sessão em que o profissional partilhou a experiência na direção de uma unidade do Grupo IHG na capital angolana.

Para Nuno Neves, a capacidade de adaptação à mentalidade e à cultura local é parte fundamental no processo de transição entre mercados e no desafio de manter funcional a operação hoteleira num ambiente complexo, exigindo “força mental” e “espírito de missão”.

Além dos fatores pessoais, como a distância do país de origem e da família, o General Manager do InterContinental Luanda destacou desafios práticos que se colocam em mercados caracterizados por ambientes de trabalho complexos, como problemas no abastecimento de água e eletricidade. Para lidar com estas questões, o profissional sublinhou a importância de cultivar nos profissionais da hotelaria a tenacidade, confiança e paciência, mas também uma capacidade de resposta e planeamento para os momentos de adversidade.

“Para tudo o que uma pessoa faz em prol do hotel ou em decisões importantes, [deve haver] um plano A, B e C. [Devemos] estar sempre dispostos para que nada seja uma surpresa”, considerou o profissional.

Nuno Neves deu também destaque ao papel central da formação no funcionamento de uma unidade hoteleira em contextos adversos, designadamente através da repetição de processos. A existência de mentalidades “abertas”, bem como o facto de os profissionais não se prenderem a “hábitos antigos”, foram algumas características apontadas pelo General Manager como comuns nestes mercados, referindo que os gestores hoteleiros podem tirar proveito destas para incutir conhecimentos formativos.

Para Raúl Ribeiro Ferreira, responsável pela moderação da sessão, o trabalho dos profissionais da hotelaria em contextos de maior adversidade carece de valorização em mercados como o europeu.

“Infelizmente, o trabalho feito nestes países não é muito valorizado quando se chega à Europa, injustamente por isso: porque mais do que a parte técnica, são precisos todos esses componentes que foram abordados e que fazem com que não seja apenas necessário saber servir, saber fazer os rácios, conquistar clientes. É preciso, depois, saber coisas tão simples como isso: como é que se tem água, como é que se tem eletricidade”, referiu o vice-presidente da ADHP.

Quando questionado sobre as diferenças entre os três mercados em que já trabalhou, o General Manager do InterContinental Luanda realçou a importância de “ter ‘jogo de cintura’ entre a religião e os hábitos” no mercado do Médio Oriente e lamentou que na Europa exista uma “cultura de cost control, cost cutting, cost effectiveness” e uma “gestão diária de recursos online para o hotel sobreviver” que retiram ao gestor hoteleiro o “contacto com o cliente”.

Já no mercado africano, o profissional considera existir uma elevada versatilidade na operação, o que permite que o contacto com o cliente seja frequente, e um sentimento de contribuição para a profissionalização e o estabelecimento de novos padrões na hotelaria da região.

Sobre o panorama da hotelaria em Angola, Nuno Neves destacou a existência de uma nova geração de jovens angolanos que estão a entrar no setor e a ser formados em unidades como o InterContinental Luanda, além de cidadãos de dupla nacionalidade que se formaram e estagiaram em Portugal e estão a regressar ao país com o objetivo de trabalhar ou abrir negócios próprios.

A iniciativa “Be Our Guest” promove conversas informais com diretores de hotéis de referência sobre as suas experiências profissionais, a hotelaria e o setor do turismo. As conversas decorrem sempre nas últimas segundas-feiras de cada mês, às 19h. A iniciativa “Be Our Guest” será interrompida durante o mês de agosto, retomando a 26 de setembro, na última segunda-feira desse mês.

A gravação da terceira sessão das conversas “Be Our Guest” encontra-se disponível no canal de YouTube da ADHP.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Alojamento

Alojamento local com ocupação 25% acima de julho de 2019

Em julho, Portugal representou um terço das mais de 16 mil reservas geridas pela GuestReady nas mais de 30 cidades em que a empresa está presente no Reino Unido, França, Emirados Árabes Unidos e Espanha.

Publituris

Em julho, as unidades de alojamento local em Portugal registaram uma ocupação de 90%, valor que ficou 25% acima de igual mês de 2019, antes da chegada da COVID-19, avança a GuestReady, em comunicado.

“O alojamento local está a viver um período de grande procura. A nossa taxa de ocupação em Portugal é superior à nossa média global. No nosso país temos recebido principalmente hóspedes estrangeiros, mas também continuamos a receber muitos portugueses,” afirma Rui Silva, Managing Director da GuestReady em Portugal e em Espanha.

De acordo com o responsável, em julho, a média global de ocupação subiu 25% face a igual mês de 2019, e Portugal representou um terço das mais de 16 mil reservas geridas pela GuestReady nas mais de 30 cidades em que a empresa está presente no Reino Unido, França, Emirados Árabes Unidos e Espanha.

Atualmente, a empresa gere mais de mil propriedades em todo o país, a maioria na zona norte, e, entre julho de 2019 e julho de 2022, reportou um crescimento de 350% do seu portefólio no mercado português.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Alojamento

Editory Collection Hotels investe 1,5M€ na renovação de hotel de Tróia

Investimento transformou o The Editory by The Sea num hotel de cinco estrelas, com 132 apartamentos, na Península de Tróia.

Publituris

A Sonae Capital investiu 1,5 milhões de euros na renovação do The Editory by The Sea, unidade na Península de Tróia, que foi transformada num hotel de cinco estrelas, com 132 apartamentos

Com as intervenções, a unidade passou a contar com nove tipologias de alojamento, divididas entre 65 estúdios e 67 suites “de linhas modernas e funcionais”, com kitchenette equipada, varanda privada, room service 24 horas, wi-fi e Chromecast, como o grupo enumera em comunicado.

Das restantes valências fazem parte uma piscina exterior e outra interior aquecida, um ginásio aberto 24 horas por dia, um wellness center e duas salas de reuniões com capacidade até 100 pessoas.

Acresce o restaurante Salicórnia, com 127 lugares sentados e uma carta à base de “matérias-primas regionais e propostas de partilha”, bem como o Bar by The Sea, com 21 lugares sentados,

A decoração “sofisticada” da unidade aposta nos tons neutros e madeiras claras, incluindo obras da artista plástica Tamara Alves, que em parceria com a Underdogs criou três trabalhos para The Editory by The Sea. A artista desenvolveu ainda duas aguarelas para o hotel, Troia I e II.

Em maio deste ano a Sonae Capital, através das suas participadas, vendeu um conjunto de ativos hoteleiros em Tróia – Aqualuz Tróia Mar&Rio e The Editory By The Sea Tróia-Comporta – constituindo este negócio uma das maiores operações de investimento imobiliário em hotéis realizada no mercado português desde o início do ano. O valor transacionado não foi divulgado.

Nesta operação a The Editory Hotels, unidade de negócio de Hospitality da Sonae Capital, manteve a gestão destes ativos.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Hotelaria algarvia superou números de 2019 em julho

Segundo a AHETA, o “Algarve superou, em julho, os números de 2019, o melhor ano turístico de sempre”, depois de registar uma taxa de ocupação de 87,7%, valor que ficou 4,3 pontos percentuais acima de igual mês pré-pandemia.

Publituris

No passado mês de julho, a hotelaria algarvia registou uma taxa de ocupação/quarto de 87,7%, valor que ficou 4,3 pontos percentuais acima de igual mês de 2019, o que leva a Associação dos Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve (AHETA) a sublinhar que o “Algarve superou, em julho, os números de 2019, o melhor ano turístico de sempre”.

De acordo com os dados provisórios divulgados esta sexta-feira, 5 de agosto, pela associação, a taxa de ocupação/quarto de julho também superou o valor registado em julho de 2021, ficando 37,5 pontos percentuais acima do registado em julho do ano passado.

Por mercados, o destaque vai para o doméstico e para o americano, que apresentaram, em julho, subidas de 4,3 pontos percentuais e 1,1 pontos percentuais, respetivamente, e afirmando-se como “os que mais contribuíram para a subida verificada”.

Em sentido contrário estiveram os mercados britânico e alemão, que apresentaram descida de 2,2 pontos percentuais e 1,8 pontos percentuais, respetivamente, sendo mesmo aqueles que “apresentaram as maiores descidas”  no sétimo mês do ano.

Por zonas geográficas, as maiores subidas ocorreram nas zonas Vilamoura/Quarteira/Quinta do Lago, que assistiram a um aumento de 13,1 pontos percentuais, seguindo-se Monte Gordo/VRSA, onde a subida foi de 9,4 pontos percentuais, e Carvoeiro/Armação de Pêra, com um crescimento de 9,1 pontos percentuais.

Já a zona de Albufeira, que é considerada a principal zona turística do Algarve, “registou uma ocupação idêntica à verificada em 2019”, indica ainda a AHETA no comunicado enviado à imprensa.

Em julho, o volume de vendas dos hotéis e empreendimentos turísticos do Algarve cresceu ainda 17,2 por cento face ao mesmo mês de 2019.

Já no acumulado desde janeiro, a AHETA diz que a taxa de ocupação/quarto regista uma descida de 6,2% face a 2019, o que corresponde a uma subida de 194% face a 2021.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.