Assine já
Meeting Industry

A crise do custo de vida está a mudar a maneira como passamos as férias?

De 7 a 9 de novembro, Londres recebe o World Travel Market. Uma recente pesquisa da WTM mostra que 64% das pessoas já reservaram ou planearam férias para 2023 e apenas 16% das pessoas inquiridas abandonaram completamente os seus planos para viajar para o exterior.

Publituris
Meeting Industry

A crise do custo de vida está a mudar a maneira como passamos as férias?

De 7 a 9 de novembro, Londres recebe o World Travel Market. Uma recente pesquisa da WTM mostra que 64% das pessoas já reservaram ou planearam férias para 2023 e apenas 16% das pessoas inquiridas abandonaram completamente os seus planos para viajar para o exterior.

Publituris
Sobre o autor
Publituris
Artigos relacionados
“Portugal está na moda, mas o estar na moda dá muito trabalho”
BTL
“Este é um período de poucas certezas absolutas porque estamos a passar por algo novo”
Meeting Industry
“É tempo de olhar para a frente e caminhar solidamente para uma recuperação sustentada, alicerçada nas pessoas e na qualidade do turismo”
BTL
“À data de hoje, ultrapassámos claramente aquilo que eram as expectativas quando anunciámos BTL”
BTL

Após anos de restrições, as pessoas querem compensar o tempo perdido e reagendar viagens que talvez tenham cancelado. De acordo com dados de pesquisa do Google, o número de pessoas que procuram “férias baratas” on-line disparou, especialmente entre aqueles que planeiam viajar em 2023.

Uma nova pesquisa do World Travel Market London (WTM) mostra que 64% das pessoas já reservaram ou planearam férias para 2023 e apenas 16% das pessoas inquiridas abandonaram completamente os seus planos para viajar para o exterior.

Embora as pessoas ainda optem por ir de férias, o tipo de férias que reservam mudou. Agora, trata-se de encontrar o melhor negócio e reduzir os luxos.

A pesquisa recente da WTM mostrou que um em cada cinco inquiridos decidiu “negociar”, optando por ficar em hotéis mais baratos e voar em companhias aéreas de baixo custo. Com as despesas mais altas do que nunca e uma recessão iminente, não surpreende que as pessoas procurem rentabilizar ao máximo o seu dinheiro aquando da reserva de umas férias.

E quais são os luxos que os turistas estão mais dispostos a abrir mão para reduzir custos? Quase 40% das pessoas sacrificariam hotéis 5*, 33% abririam mão de mais espaço para as pernas nos voos e 32% livrar-se-iam da franquia extra de bagagem, de acordo com dados da WTM.

No entanto, há algumas coisas que estamos mais relutantes em sacrificar. Garantia de bom tempo e localização próxima dos principais locais ainda são aspetos que as pessoas desejam manter como parte das suas férias anuais.

Face a um custo de vida cada vez mais alto, parece incomum que as pessoas ainda estejam a dar prioridade às férias, então qual é o ímpeto da procura?

De acordo com a Euronews, a Associação dos Agentes de Viagem Britânica referiu: “Ao longo dos anos, os clientes disseram-nos repetidamente que as férias são uma das últimas coisas que cortariam quando procuram aliviar pressões financeiras em orçamentos já de si esmagados”.

A pesquisa do World Travel Market parece apoiar esta constatação, já que aqueles que já estão a planear umas férias, a maioria referiu que esperava viajar duas vezes em 2023. Os dois principais tipos de viagem indicados foram as férias clássicas na praia e viagens em família.

Por fim, os dados do World Travel Market também mostram que quase metade das pessoas que reservaram um lugar ao sol, fizeram-no porque querem ter algo pelo que esperar.

Descubra mais tendências no World Travel Market London, de 7 a 9 de novembro de 2022

Aceda aqui à biblioteca de imagens WTM

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Artigos relacionados
Destinos

Nova edição: Os nomeados dos Portugal Trade Awards, Lisboa e autocarros de turismo

A nova edição do Publituris faz capa com os nomeados para os Portugal Trade Awards by Publituris @BTL 2023, que vão ser entregues no primeiro dia da BTL, a 1 de março. Além disso, inclui também um especial sobre Lisboa, um dossier sobre autocarros de turismo e passageiros, uma entrevista com o responsável da VARIAÇÕES e um artigo sobre a Turiset, a primeira agência em Portugal a ostentar o selo ‘Checked by DECO’.

A nova edição do Publituris, a última do primeiro mês de 2023, faz capa com os nomeados para os Portugal Trade Awards by Publituris @BTL 2023, que vão ser entregues no primeiro dia da BTL, a 1 de março.

Este ano, são 100 os nomeados, em 16 categorias, às quais acresce o prémio “Personalidade do Ano”, que é escolhido diretamente pela equipa do Publituris. A votação online arranca já na próxima segunda-feira, 23 de janeiro, prolongando-se até 17 de fevereiro.

Nesta edição, publicamos também um especial sobre Lisboa, destino cuja marca está a puxar toda a região, segundo Vitor Costa, presidente da Entidade Regional de Turismo da Região de Lisboa e diretor-geral da Associação de Turismo de Lisboa (ATL). Neste trabalho, saiba também porque quer a ATL repensar a estratégia turística para a região, através das palavras da diretora executiva da associação, Paula Oliveira, fique a par das novidades da hotelaria na região da capital para este e para os próximos anos e conheça ainda a nova Doca da Marinha, que promete aproximar Lisboa do Tejo.

Na secção Distribuição, publicamos ainda um artigo sobre a Turiset, que se tornou na primeira agência de viagens em Portugal a ostentar o selo “Checked by DECO”, e, em MI, o destaque vai para uma entrevista com Diogo Vieira da Silva, diretor-executivo da VARIAÇÕES – Associação de Comércio e Turismo LGBTI+, que vai estar presente na BTL 2023 e que pede que Portugal crie uma estratégia para este segmento, que vale perto de 50 mil milhões de euros.

O Dossier desta edição do Publituris é dedicado aos autocarros de turismo e passageiros, que se mostram mais confiantes em relação a 2023, uma vez que, com a melhoria da situação epidemiológica, a procura parece estar a regressar. Apesar de positivas as expetativas para este ano, as empresas mostram-se moderadamente otimistas, uma vez que os desafios continuam a ser muitos e foram agravados com a guerra na Ucrânia, nomeadamente ao nível dos custos com o combustível, aos quais estas empresas estão particularmente expostas. Neste dossier, saiba ainda que novidades estão as empresas de autocarros de turismo e passageiros a preparar para este ano.

Além do Pulse Report, esta edição conta ainda com as opiniões de Francisco Jaime Quesado (economista e gestor); Mariana Marques (docente do ISG); Andrea Santos, Filipe Trindade e Gilda Mendes (coordenadores da Pós-Graduação em Organização de Eventos do ISAG); e António Paquete (economista).

Boas leituras!

A versão completa desta edição é exclusiva para subscritores do Publituris. Pode comprar apenas esta edição ou efetuar uma assinatura do Publituris aqui obtendo o acesso imediato.

Para mais informações contacte: Carmo David | [email protected] | 215 825 43

Nota: Se já é subscritor do Publituris entre no site com o seu Login de assinante, dirija-se à secção Premium – Edição Digital e escolha a edição que deseja ler, abra o epaper com os dados de acesso indicados no final do resumo de cada edição.

 

 

 

 

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Turismo

Portugal espera repetir este ano crescimento do turismo acima do esperado de 2022

“Aquilo que estamos a prever para 2023 é continuar o crescimento que tivemos em 2022, obviamente, com grandes incertezas, da guerra na Ucrânia até à inflação. Mas acreditamos que estamos muito bem posicionados”, afirmou Luís Araújo, presidente do Turismo de Portugal.

Publituris

Portugal apresenta-se na Feira de Turismo de Madrid (FITUR), com 92 empresas num expositor de 900 metros quadrados do Turismo de Portugal, além da presença das sete regiões turísticas do país (Porto e Norte, Centro, Alentejo, Algarve, Madeira e Açores) e diversos municípios e entidades intermunicipais em ‘stands’ próprios na FITUR, com a expectativa de repetir este ano o crescimento do setor acima do que tinha sido previsto para 2022 e de captar mais turistas em Espanha.

O ano passado é já “o melhor de sempre do ponto de vista de receitas” do turismo português, com uma estimativa de mais de 22 mil milhões de euros, que comparam com os 18,4 mil milhões de 2019, o último sem qualquer impacto da pandemia de covid-19, disse aos jornalistas o presidente do Turismo de Portugal, Luís Araújo, em Madrid, na abertura da FITUR.

“Recuperámos antes do que prevíamos”, sublinhou o presidente da entidade responsável pela promoção de Portugal como destino turístico.

“Aquilo que estamos a prever para 2023 é continuar o crescimento que tivemos em 2022, obviamente, com grandes incertezas, da guerra na Ucrânia até à inflação. Mas acreditamos que estamos muito bem posicionados. Um exemplo disto é esta feira, a FITUR”, acrescentou Luís Araújo, que destacou que o mercado espanhol é atualmente o segundo maior para Portugal em número de hóspedes e o quarto em termos de receitas.

Em relação a Espanha há, assim, segundo Luís Araújo, “um trabalho a fazer” para aumentar as receitas, através de “segmentos específicos” do mercado.

De um ponto de vista mais global, a estratégia é “tentar diversificar ainda mais o núcleo de mercados” que são fundamentais para o turismo português, afirmou.

Para este objetivo, uma das chaves de crescimento está nas ligações aéreas, de que o turismo português depende por causa da localização geográfica do país.

“Temos conseguido retomar as rotas que tínhamos perdido em 2020 e 2021 e estamos já com os indicadores muito próximos [aos dos anos anteriores]. Este ano, 2023, vamos ultrapassar 2019. É uma das grandes âncoras para a retoma do setor”, afirmou o presidente do Turismo de Portugal.

Luís Araújo destacou que “o crescimento faz-se em todos os aeroportos” e deu como exemplo, precisamente, Espanha, país que teve ligações com os cinco aeroportos nacionais portugueses no ano passado, através da companhia aérea espanhola Iberia, “um fator ótimo de distribuição” de turistas, principalmente de mercados a que no passado Portugal não chegava, como o mexicano ou outros da América do Sul.

“O nosso papel é, em conjunto com cada um dos nossos aeroportos, e há ainda margem para crescer em muitos dos aeroportos, tentar demonstrar esta capacidade de atração para todas as regiões. Aquilo que nós entendemos é que existe obviamente um ‘hub’, que é Lisboa e faz esta distribuição, mas existem muitos motivos de interesse para muitos mercados para destinos como Algarve, o norte ou as ilhas”, afirmou.

Presente na FITUR está também o secretário de Estado do Turismo, Comércio e Serviços (SETCS), Nuno Fazenda, que destacou, em declarações aos jornalistas, a importância do mercado espanhol e a “forte presença” de empresas nacionais na feira de Madrid deste ano.

“O mercado espanhol é um mercado muito importante para o nosso país, é o segundo maior mercado em dormidas e o primeiro em algumas regiões, como o Norte, Centro e Alentejo. E, nesse contexto, temos também de trabalhar vários segmentos para crescer também em valor e crescer também no interior, no território do interior de Portugal”, afirmou.

O ministro da Economia, António Costa Silva, e a ministra espanhola do Turismo, Reyes Maroto, apresentam esta quinta-feira, 19 de janeiro, a Estratégia de Cooperação Transfronteiriça entre Portugal e Espanha para o setor do turismo, que foi acordada na última cimeira ibérica, em novembro passado.

“É um reforço para desenvolver também turisticamente o interior do nosso país”, sublinhou Nuno Fazenda, que considerou a região transfronteiriça “uma centralidade ibérica” que é necessário potenciar através da promoção turística, mas também do aumento e melhoria das ligações aéreas, rodoviárias e ferroviárias entre Portugal e Espanha, como está previsto, sublinhou, no âmbito de investimentos com fundos europeus dos planos de recuperação e resiliência.

O secretário de Estado manifestou-se “muito satisfeito” com a adesão de empresas e outras entidades a esta edição da FITUR, com vista à afirmação de Portugal como destino turístico no mercado espanhol.

Em paralelo, defendeu a continuidade na aposta dos mercados estratégicos para Portugal dentro e fora da Europa, onde está concentrada 80% da procura turística do país.

Neste contexto, deu como exemplo o sucesso recente da aposta nos Estados Unidos, que transformou este país no quinto com maior peso no turismo português.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Meeting Industry

FITUR contribuirá com 400 milhões de euros para a economia de Madrid

Com início já no próximo dia 18 de janeiro, a FITUR 2023 espera cerca de 120.000 visitantes profissionais, enquanto as visita de público geral deverá ficar entre as 80 a 90 pessoal. A organização antecipa, também, um crescimento de 32% da participação direta face à última edição de 2022, com a participação internacional a evoluir 50%.

Victor Jorge

A poucos dias do início da FITUR 2023, evento que se realiza de 18 a 22 de janeiro, a organização dá conta que os números confirmam um “crescimento significativo” da feira, com a ocupação a assemelhar-se ao do ano recorde de 2020. No total, contabilizam-se 8.500 participantes, 131 países, 755 expositores principais e perto de 67 mil metros quadrados de área de exposição, admitindo a organização da FITUR um contributo de mais de 400 milhões de euros para a economia de Madrid em setores como o alojamento, transportes, comércio, lazer, restaurantes e serviço de catering.

No que diz respeito à participação direta, a organização antecipa um crescimento de 32% face à última edição de 2022, com a participação internacional a evoluir 50%. Assim, estima-se que o número de visitantes profissionais alcance os 120.000 e que a visita de público geral se fixe entre 80 a 90 mil no fim-de-semana.

Em termos de participação internacional, e por zona geográfica, também se regista um crescimento significativo face à última edição da feira. Neste ano, a Ásia-Pacífico destaca-se, com um aumento de 163% nas empresas participantes; Oriente Médio, +60%; África, +88%; Europa, +42%; e as Américas +30%. Esses aumentos também se refletem no espaço expositivo internacional, onde África, que aumenta o seu tamanho na feira em 146%, a Ásia em +78%, o Oriente Médio em +437% e a Europa em +32%, estão entre os destaques.

A participação empresarial também teve um aumento significativo, com 25% a mais de empresas de turismo e 27% a mais de empresas de tecnologia, que aumentaram a sua área de exposição em até 50%.

Guatemala apresenta novidades
Enquanto país parceiro e convidado, Guatemala irá apresentar as novidades do destino sob o mote “Guatemala. Amazing and Unstoppable”. Assimm, o stand do país da América Central será um reflexo da cultura e tradição guatemalteca, graças à exposição de tecidos típicos, cores vibrantes, constituindo, igualmente, uma homenagem ao património e à biodiversidade que caracterizam os destinos guatemaltecos.

A nova marca que Guatemala apresentará na FITUR 2023 abrange pela primeira vez as indústrias de turismo, economia, investimento e cultura, com o Instituto Guatemalteco de Turismo (INGUAT) a focar as suas atenções, igualmente, no desenho e desenvolvimento do stand, tendo em mente a sustentabilidade.

De referir que o turismo é uma indústria chave para a Guatemala, representando 3,8% do PIB (ano de 2021), gerando perto de 200.000 empregos.

Depois de alguns anos em que o número de visitantes estrangeiros se reduziu devido à pandemia, os números estão a crescer de forma muito positiva, graças aos esforços do INGUAT para promover o turismo na Guatemala. Durante o primeiro semestre de 2022, a Guatemala recebeu 770.876 visitantes estrangeiros, mais 513.002 do que em 2021, representando uma evolução de 199%. Graças à forte estratégia de promoção que está a ser conduzida, a previsão para 2023 é que o destino alcance cerca de 2,2 milhões de turistas.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Meeting Industry

Sertã vai ser palco do 1º Encontro Nacional de Turismo em Espaço Rural

Numa organização da Associação de Hotéis Rurais de Portugal (AHRP), a Sertã vai acolher, nos dias 10 e 11 de fevereiro, o 1º Encontro Nacional de Turismo em Espaço Rural, que visa analisar questões que têm a ver com a valorização do setor e os desafios que se colocam no futuro.

Publituris

O evento, que acaba de ser apresentado publicamente, é dedicado ao setor do turismo em espaço rural e às empresas do turismo que atuam em meios rurais, profissionais de unidades de alojamento TER, animação turística, restauração, fornecedores deste setor, operadores turísticos e agentes de viagens.

Diz ainda a Associação que, com este encontro pretende-se capacitar os participantes das mudanças no mercado, partilhar experiências e contactos com capacidade para gerar negócios, e ajustar a oferta de modo a melhorar o setor dos serviços turísticos.

Esta conferência de apresentação contou com a participação do presidente do município da Sertã, da chefe de núcleo da Entidade regional do Turismo Centro de Portugal, do presidente da Associação de Hotéis Rurais de Portugal e do presidente da comissão organizadora do evento.

Cândido Mendes, presidente da direção da AHRP, chamou a atenção para a evolução do turismo em espaço rural (TER) e para as suas especificidades, salientando, ainda, a quantidade e a qualidade das unidades de alojamento de turismo em espaço rural, sendo que o 1º Encontro Nacional de Turismo em Espaço Rural deverá capacitar as empresas do setor, para um mais e melhor turismo, sem esquecer a sustentabilidade caraterística do turismo rural.

“O turismo rural é um subsetor do turismo que tem crescido imenso nos últimos anos, não só quantitativamente como qualitativamente e que pode dar um grande contributo para o desenvolvimento das economias locais”, afirmou Cândido Mendes, da AHRP, durante a apresentação do evento, na Sertã. Assim, o responsável destacou que a Associação propôs-se realizar a iniciativa, devido ao “salto quantitativo e qualitativo” que este subsetor turístico registou em Portugal.

A apresentação do programa do evento foi desenvolvida por Jorge Vieira, presidente da comissão organizadora, que destacou as temáticas principais que estarão em debate, sendo estas a sustentabilidade do TER, a gastronomia, a digitalização do setor e um destaque especial para a comunicação e para as vendas, de um segmento com necessidades muito específicas.

Por sua vez, Adriana Rodrigues, do Turismo Centro Portugal, disse que o turismo deixou de ser um fenómeno exclusivo das praias e das grandes cidades, realçando que “o turismo em espaço rural ganhou força enquanto conceito e passou a fazer parte das estatísticas e conquistou o seu próprio espaço. O seu crescimento, em pouco mais de três décadas, foi exponencial”.

Segundo a responsável, que avançou com dados da Pordata referentes a este subsetor do turismo, atualmente há cerca de 24 mil camas em turismo rural no país, ou seja, já é um fenómeno consolidado, tendo passado de apenas uma moda para “ser uma alternativa séria a outros tipos de turismo, que foram e que são considerados convencionais”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Distribuição

Soltour vai à FITUR para apresentar novidades para 2023

A Soltour Travel Partners marca presença na FITUR com uma agenda completa de iniciativas. O Soltour Travel Partners Summit será palco de 13 iniciativas que, além de um olhar sobre o futuro do turismo, mostrará, também, os quatro destinos prioritários para 2023.

Publituris

A Soltour Travel Partners vai marcar presença na FITUR – Feria Internacional del Turismo, que tem lugar de 18 a 22 de janeiro, em Madrid, prometendo uma agenda cheia de iniciativas, tendo em vista debater o futuro, novidades, preocupações e soluções da indústria.

Para os três dias dedicados ao público profissional (18, 19 e 20 de janeiro), a Soltour Travel Partners irá organizar atividades e apresentações diversas na sua Soltour Travel Partners Summit.

Durante os três primeiros dias profissionais da feira, a empresa vai organizar um total de 13 atividades e conferências, segmentando-as em mesas-redondas, palestras, conferências e atividades diversas que contarão com a presença de diferentes especialistas de cada setor.

Em comunicado, a empresa refere que o compromisso da Soltour Travel Partners passa por “disponibilizar às agências de viagens conteúdos de elevada qualidade e utilidade, sob temáticas diferenciadas e atuais – como a importância dos hotéis para descobrir e conhecer a cultura dos destinos, a especialização da operação turística, os novos desafios que as companhias aéreas enfrentam em matéria de sustentabilidade, o papel das redes sociais e o futuro das agências de viagens”.

No que diz respeito ao futuro das agências de viagens, a mesa-redonda incidirá o seu foco na digitalização do setor turístico, a sua progressiva recuperação económica e os desafios – e soluções – que enfrentam hoje as agências de viagens.

Os novos parceiros da empresa também estarão em destaque durante a FITUR. Por um lado, a Guest Incoming especializa-se na costa portuguesa e na costa espanhola e, há alguns meses, trabalha intensamente com a Soltour Travel Partners para desenvolver uma nova área de negócio focada nas zonas costeiras.

A Europamundo, por sua vez, destaca-se pelo seu profundo conhecimento dos circuitos de viagens personalizados e flexíveis, enquanto a Luxotour é expert em circuitos de viagens no norte de África e no Oriente. A esta nova lista juntar-se-á um novo parceiro especializado, que oferecerá um bed bank através de uma nova ligação comercial à Soltour Travel Partners.

Para Tomeu Bennasar, CEO de Soltour Travel Partners, “estas novas alianças vão permitir que sejamos muito mais competitivos, reforçando o nosso compromisso de oferecer às agências de viagens produtos e soluções inovadoras, diversificando ainda mais a nossa oferta e dotando as agências de maior competitividade, enquanto melhoramos a experiência dos nossos serviços e das nossas viagens”.

Além disso, serão levadas a cabo diversas conversas que abordarão diferentes aspetos-chave do setor turístico, dos quais se destaca o Metaverso. Silvia Leal, comunicadora de ciência e especialista internacional em tecnologia e tendências do futuro, explicará o que é e como funciona o metaverso, as suas aplicações concretas e todas as possibilidades que esta ferramenta em crescimento pode oferecer ao turismo.

A somar a outros encontros promovidos como, por exemplo, entre Encarna Piñero (CEO do Grupo Piñero) e Gabriel Escarrer (Vice-Presidente Executivo e CEO da Meliá Hotels International), que vão debater os desafios do turismo em 2023, a Soltour Travel Partners apresentará ainda os seus quatro destinos prioritários para 2023 com importantes novidades: Riviera Maya, República Dominicana e Cabo Verde.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Agenda

11.º Congresso da APECATE vai “Encarar, Refletir e Avançar”

O 11.º Congresso da APECATE vai centrar-se nos efeitos que a atual conjuntura, difícil e em permanente mutação, tem vindo a exercer sobre o setor do turismo. Os palcos de 1 a 3 de fevereiro serão Elvas e Campo Maior.

Publituris

Elvas e Campo Maior serão os palcos do 11.º Congresso da Associação Portuguesa de Empresas de Congressos, Animação Turística e Eventos (APECATE) que, de acordo com António Marques Vidal, presidente da associação APECATE, “vai centrar-se nos efeitos que a atual conjuntura, difícil e em permanente mutação, tem vindo a exercer sobre o setor do turismo”.

António Marques Vidal salienta ainda que o evento, que se realiza de 1 a 3 de fevereiro, tem como objetivo proporcionar aos empresários – em particular aos organizadores de congressos, eventos e atividades de Animação Turística – “um maior e melhor conhecimento sobre as opções e os caminhos que terão que desbravar e trilhar para poderem construir o seu futuro”.

De forma a proporcionar um debate construtivo para todos os participantes, vão estar presentes no Congresso empresários de vários subsetores do Turismo e também representantes de instituições portuguesas e espanholas. Quanto aos temas que serão abordados, o presidente da APECATE frisa que “visam refletir sobre algumas das nossas principais preocupações e são uma clara manifestação das nossas intenções sobre como desenvolver o setor dos Congressos, Eventos e Animação Turística”.

Assim, Sustentabilidade e Turismo, o Desafio dos Eventos, Património como um valor incontornável e Valorizar, Partilhar Reforçar os Destinos do Interior são apenas alguns dos tópicos que estarão em discussão ao longo dos três dias.

Quanto às expetativas da direção para o 11.º Congresso da APECATE, são as de “conseguir fazer um Congresso que seja um momento de partilha e reflexão do setor com os empresários e todas as instituições com que trabalhamos, alargando os momentos de partilha e convívio, dinamizando a vida empresarial e facilitando contatos e criação de rede”.

De salientar também a aposta num destino do interior, “demonstrando que existem condições para receber os Congressos e Eventos”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Crédito: Getty Images

Meeting Industry

Lisboa recebe congresso da UEFA em abril

Lisboa recebe, pela segunda vez, o Congresso da UEFA. Depois de 8 de junho de 1956, agora é no dia 5 de abril de 2023 que a reunião que elege o presidente do organismo se realiza na capital portuguesa.

Publituris

A cidade de Lisboa será o palco do 47.º Congresso da União das Federações Europeias de Futebol (UEFA), cuja realização está marcada para o dia 5 de abril, não havendo, até ao momento, indicação do local para a realização do evento.

Esta é a segunda vez que a capital portuguesa recebe o principal reunião da UEFA, depois de já ter sido destino em 8 de junho de 1956.

Na altura da indicação de Lisboa para receber esta reunião, o primeiro-ministro, António Costa, referiu, em maio de 2022, que esta decisão revelava, mais uma vez, “o mérito e prestígio das cores nacionais vai muito para além das quatro linhas”. António Costa, referia ainda que Portugal “continuará a ser um dos melhores países, destinos turísticos do mundo e quarto país mais seguro do mundo, continuando no caminho das vitórias não só no campo, mas também na organização de grandes eventos”.

Também Carlos Moedas, presidente da Câmara Municipal de Lisboa, referia, em maio de 2022, que “é com grande orgulho e satisfação que vejo Lisboa ser escolhida como palco para este grande desafio”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Meeting Industry

53.ª edição da Nauticampo de 8 a 12 de fevereiro na FIL

A Nauticampo, considerada a maior mostra nacional dos sectores da Náutica, Campismo, Desporto de Aventura e Destinos, regressa à FIL na sua 53.ª edição, entre os dias 8 e 12 de fevereiro. O certame está aberto aos profissionais do setor e ao público em geral.

Publituris

Esta Feira “regressa num momento oportuno em que as pessoas reaprenderam a valorizar a liberdade de sair, passear e usufruir da vida ao ar livre, neste cenário pós-pandemia”, referiu Miguel Anjos, Gestor da Nauticampo.

O responsável evidencia “o grande interesse de empresas nacionais e internacionais, em particular espanholas, que vêem na Nauticampo uma porta de entrada para o mercado português, quer para contactar com o cliente final, quer para identificar representantes ou distribuidores das suas marcas.”

Tendo em conta a forte expansão do setor náutico e do campismo em Portugal, também o posicionamento da Nauticampo se tem orientado para novos públicos, com uma oferta integrada, que vai desde produtos mais tradicionais, como a náutica e o campismo, até ao desporto aventura ou outras atividades dedicadas a um público mais jovem, sendo o evento escolhido por muitas empresas para apresentação de novos produtos ao mercado.

A Nauticampo servirá igualmente de montra para a oferta dos destinos nacionais que têm apostado cada vez mais na criação de infraestruturas que visam atrair empresas e praticantes de atividades outdoor. Assim, a organização do certame refere que este é um excelente indicador, que permite prever um crescimento sustentado do mercado e criação de grandes oportunidades de negócio.

O Salão vai ainda ter espaço para as “Nauticampo Talks”, que visa promover o debate de ideias e a apresentação de novos projetos por profissionais dos sectores em exposição, bem como a “Nauticampo Experiences”, onde vão ser partilhadas histórias e aventuras.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Meeting Industry

“A FITUR 2023 mostrará que já estamos preparados para avançar”

É o evento que dá o pontapé de saída no universo das feiras de turismo no mundo. Com várias FITUR dentro da FITUR, a novidade está na aposta no turismo desportivo, com a FITUR Sports. Em termos gerais, a diretora da FITUR, Maria Valcare, diz que “o fio condutor comum a tudo o que a FITUR mostra é o crescimento sustentável”.

Victor Jorge

Está marcada entre os dias 18 e 22 de janeiro de 2023, em Madrid, mantendo uma componente B2B (primeiros três dias) e uma B2C (nos dias 21 e 22 de janeiro). Certo é que, segundo a diretora da feira, Maria Valcare, a FITUR 2023 “está cheia de novidades”. Até porque, segundo a mesma, “somos um dos poucos eventos com alcance global, temos uma posição de liderança que o setor nos proporcionou com o seu apoio ao longo da nossa trajetória”.

Há um ano, na antevisão da FITUR 2022, perguntava-lhe que FITUR iríamos ter e se voltaríamos a ter um evento mais parecido com 2019? Faço-lhe a mesma pergunta relativamente à FITUR 2023?
A FITUR 2023 irá finalmente fazer-nos esquecer as dificuldades da pandemia. Iremos situar-nos muito perto do recorde histórico da feira e iremos superá-lo em algumas das suas áreas como as da América, Médio-Oriente ou ‘Travel Technology’.

Crescemos em todas as variáveis: superfície líquida, expositores, compradores, internacionalidade, imprensa acreditada… e em algumas delas crescemos quase 40%. Teremos uma grande FITUR que irá apresentar o foco da indústria turística global no sentido de um crescimento sustentável.

Quais são, efetivamente, as grandes alterações apresentadas pela FITUR para a edição de 2023?
A FITUR 2023 está cheia de novidades. Este ano mudamos de país parceiro, que será a Guatemala, que estreia a marca e o claim “A Guatemala é incrível e imparável” e irá apresentar todas as suas propostas na feira, surpreendendo muitos com a riqueza e variedade dos seus recursos turísticos.

Vamos estrear uma nova seção para o turismo desportivo – FITUR Sports – que estamos a desenvolver em conjunto com a associação espanhola da indústria desportiva Afydad e que nos mostrará como o turismo desportivo é um motor de crescimento sustentável para a nossa indústria.

Vamos expandir a nossa seção FITUR Cruises para abranger B2B e B2C e vamos apresentar uma proposta muito apelativa e inovadora para que esta tipologia de “turismo azul” tenha o seu espaço na feira.

Vamos renovar a nossa secção de turismo de reuniões – FITUR Mice – para receber compradores dos setores associativo e empresarial e para continuar a crescer em qualidade e, em cada seção da FITUR, vamos renovar programas, atividades e participações.

Não quero deixar de mencionar o nosso observatório de sustentabilidade FITURNEXT que, este ano, aborda o desafio da regeneração dos espaços naturais e que irá mostrar como a indústria turística pode contribuir para esta tarefa.

 

Caracterizamo-nos pelo facto de sermos um hub com a América Latina, um facto que nos distingue e que reforça a nossa proposta de valor

 

O que diferencia a FITUR das restantes feiras de turismo que se realizam ao longo do ano?
Somos um dos poucos eventos com alcance global, temos uma posição de liderança que o setor nos proporcionou com o seu apoio ao longo da nossa trajetória e que reforçámos com o exercício de resiliência que desenvolvemos durante a pandemia, uma vez que fomos a única grande feira internacional de turismo que se realizou ininterruptamente durante estes anos. Além disso, caracterizamo-nos pelo facto de sermos um hub com a América Latina, um facto que nos distingue e que reforça a nossa proposta de valor.

Temos uma forte orientação para o negócio com três dias centrados no B2B e o fim-de-semana centrado no B2C e somos uma ferramenta para a difusão do conhecimento, com um programa extenso e variado de sessões e debates ao longo das nossas diferentes secções monográficas.

Qual a mensagem principal que a FITUR pretende passar com o evento de 2023?
Em consonância com a indústria para a qual servimos de plataforma, o fio condutor comum a tudo o que a FITUR mostra é o crescimento sustentável. A sustentabilidade é alcançada através da transformação digital, da inovação e de um crescimento sustentável que é necessário porque o turismo é uma fonte de riqueza e emprego essencial para as nações e uma fonte de felicidade e aprendizagem para as pessoas.

 

Em consonância com a indústria para a qual servimos de plataforma, o fio condutor comum a tudo o que a FITUR mostra é o crescimento sustentável

 

A que necessidades e preocupações teve e tem a FITUR responder relativamente à organização do evento de 2023?
O nosso objetivo é sempre o mesmo, servir os objetivos dos nossos clientes, que veem na feira uma ferramenta muito avançada para impulsionar o seu negócio. Nos últimos anos, identificámo-nos com a recuperação do turismo, porque esse era o objetivo de todos nós e a FITUR 2023 mostrará que já estamos preparados para avançar, contribuindo com valores sustentáveis para o crescimento económico.

10 em 1
Teremos um evento exclusivamente presencial ou haverá, igualmente, uma componente digital?
A FITUR, tal como o turismo, é e sempre foi presencial. Para além disso, temos esta componente digital a que chamamos FITUR LIVEconnect e que nos permite fornecer aos expositores e visitantes ferramentas para tornar o seu networking mais eficiente, alargar o âmbito geográfico e temporal da feira e complementar a nossa proposta de valor, uma proposta de hibridização que veio para ficar.

A FITUR volta a ter diversas áreas especializadas dentro do evento. Que importância possuem estas iniciativas e que mais-valia trazem a quem visita a FITUR?
Temos 10 seções. Algumas estão aqui para fazer da FITUR o lugar ideal para abordar o conhecimento, a inovação, as tendências e a vanguarda, sempre em termos de sustentabilidade. Outras colocam a indústria turística em comunicação com outros setores externos, mas têm a capacidade de impulsionar o turismo, e outras concentram-se num segmento de mercado específico. Todas elas reforçam a nossa proposta de valor e garantem que a FITUR acolhe todo o ecossistema da indústria turística.

Na FITUR 2023, as seções serão as seguintes: FITUR Techy, com um extenso programa de debates e conferências de vanguarda; FITUR Know How & Export, também com conteúdo sobre inovação e como plataforma de promoção de PME espanholas de base tecnológica; FITUR Talent, que se concentra nos recursos humanos e na formação; FITUR Cruises, que traz “turismo azul” à feira; FITUR Woman, que promove a liderança feminina em termos de sustentabilidade; FITUR Lingua, dedicada ao turismo de línguas; FITUR Screen, dedicada ao turismo cinematográfico; FITUR LGBT+, dedicada a este perfil de viajante e recursos turísticos especializados neste segmento; FITUR Mice, com a sua agenda de reuniões B2B para o turismo de reuniões e FITUR Sports, dedicada ao turismo desportivo. Para além disso, temos o nosso observatório de sustentabilidade FITURNEXT e a plataforma FITUR LIVEConnect, mencionados anteriormente.

Um arranque incerto
Arrancar com uma feira no início do ano acarreta sempre uma grande incerteza face ao que poderá ser o resto do ano turístico. Como fazer face a essas incertezas?

Ultimamente, vivemos em permanente incerteza em qualquer altura do ano porque o mundo se move rapidamente, as mudanças são rápidas e há acontecimentos inesperados que têm de ser tratados, mas os gestores de destinos e as empresas têm de avançar e ter essa capacidade de reação e adaptação, que é a base da resiliência que têm vindo a demonstrar. A nossa data no início do ano é o momento ideal para fazer o balanço do ano passado e planear o próximo, aproveitando a grande reunião de setor que a FITUR proporciona.

 

A nossa data no início do ano é o momento ideal para fazer o balanço do ano passado e planear o próximo, aproveitando a grande reunião de setor que a FITUR proporciona

 

Incerteza é o que o mundo vive atualmente. A pandemia ainda não terminou, entretanto surgiu uma guerra na Europa que trouxe consigo desafios enormes a nível económico e financeiro para empresas e viajantes. Como é que olham para o atual cenário e como é que julgam que irá impactar tanto empresas como quem pretende viajar?
A sua pergunta é de grande profundidade e precisaríamos de todo o programa da conferência da FITUR para começar a respondê-la com a ajuda dos especialistas. O meu ponto de vista é o que comecei a enunciar antes, que, seja qual for o caso, os acontecimentos não nos devem impedir e que, no caso do turismo, devemos lutar para manter viva e em forma esta atividade que tanto contribui para o bem-estar das pessoas em todo o mundo.

Nesse sentido o que é que uma presença na FITUR pode trazer a um destino ou empresa expositora e de que forma é que a organização espera que seja a participação dos expositores presentes?

Estar na FITUR significa estar na montra para que todos os que fazem parte da cadeia de valor da indústria turística o conheçam e reconheçam, estar disponível para se encontrar, falar e alcançar objetivos comerciais, fazer parte da grande reunião de todos nós que fazemos parte do turismo e descobrir novas possibilidades como resultado deste encontro.

Em termos de dados, vamos esperar algumas semanas para publicar os números de participação dos expositores, porque ainda estamos a incorporar empresas, mas posso adiantar que estaremos muito próximos do nosso recorde histórico.

Alinhar estratégias ibéricas
Relativamente a Portugal que expectativas têm e o que podem avançar, desde já, quanto à participação portuguesa na FITUR?
Portugal é, tradicionalmente, um dos destinos internacionais mais bem representados na FITUR e, este ano, voltamos a ter o prazer da sua importante participação. Estamos felizes por saber que o turismo em Portugal conseguiu recuperar forças e que se vai aproximar e, esperemos, atingir ou ultrapassar os níveis pré-pandémicos e celebrámos com grande satisfação a notícia de que Portugal e Espanha acordaram numa Estratégia de Turismo Transfronteiriço 2022-2024, para promover investimentos em destinos e experiências turísticos nos dois lados da fronteira, devido à vontade expressa de que o turismo seja um motor para o desenvolvimento sustentável no território fronteiriço e porque ajudará a posicionar a Península Ibérica como um dos destinos turísticos mais competitivos e sustentáveis do mundo.

A FITUR é uma oportunidade para aprofundar estes temas e trabalhar em prol dos objetivos do setor português para 2023.

 

Os acontecimentos não nos devem impedir e que, no caso do turismo, devemos lutar para manter viva e em forma esta atividade que tanto contribui para o bem-estar das pessoas em todo o mundo

 

Estas feiras constituem sempre um encontro onde se traçam algumas tendências para o futuro. O que esperam relativamente ao turismo nos próximos tempos?
Espero que o turismo do futuro seja sustentável, que continue a ser um motor de desenvolvimento e emprego para a economia durante muito tempo, um turismo que não consuma recursos, mas os mantenha e potencie para as gerações vindouras, um turismo que proporcione experiências de prazer e crescimento pessoal para os viajantes.

Acredito que a indústria turística irá utilizar, cada vez mais, ferramentas digitais para a gestão, comercialização, marketing… e que os destinos irão basear cada vez mais a sua governação em dados, que o turismo irá necessitar de pessoas preparadas em novas competências relacionadas com a transformação digital que, por sua vez, têm vocação para o serviço e empatia com os viajantes; que as mulheres terão o papel de liderança que merecem nesta indústria. A FITUR, nos seus programas de conferência e debate, irá explorar todas estas questões em profundidade.

Que impacto tem a organização da FITUR para Espanha e, mais concretamente, para a cidade de Madrid?
De acordo com dados estimados pela própria Comunidade de Madrid, o número total de visitas e chegadas à FITUR no ano passado gerou um impacto na economia madrilena de aproximadamente 150 milhões de euros e compreendemos que este ano estaremos a olhar para números semelhantes.

A nível nacional, como está a correr o ano turístico em Espanha e que expectativas possuem para 2023?
Espanha, como Portugal, também seguiu um caminho de forte crescimento em 2022 e compreendo que irá resultar num final de ano com bons dados e já muito próximos dos números pré-pandémicos, mas esta informação será, certamente, proporcionada em pormenor pelas autoridades espanholas durante a FITUR.

Como mencionei no início da entrevista, há elementos de incerteza em cima da mesa que afetam a economia global e, portanto, também Espanha, mas acredito que estamos bem colocados para ter esperança em relação a 2023 em termos de turismo.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Meeting Industry

Workshop de viagens e turismo de luxo a 28 de fevereiro em Lisboa

O ALTS (Access Luxury Travel Show), workshop de viagens e turismo de luxo, realiza a sua primeira edição em Portugal, no próximo dia 28 de fevereiro, tendo como palco a cidade de Lisboa, mais precisamente, no Pestana Palace Hotel.

Publituris

Buyers de cinco mercados europeus vão ter reuniões pré-agendadas com duas dezenas de expositores, explorando oportunidades de negócio neste segmento.

O evento conta com a participação de cerca de três dezenas de hosted buyers do Reino Unido, Escandinávia, Espanha e Itália, havendo espaço para a participação de um número idêntico de buyers portugueses, mediante inscrição sujeita a confirmação prévia, em Register as a hosted buyer – ALTS.

Adrian Hoteles, Bahia del Duque, Bliss Maldives, Bomporto Hotels, Casas do Côro, Domes Lake Algarve, Domitur DMC, Hilton Porto Gaia, Hyatt Regency Lisboa, Pestana Palace Hotel, Quinta Nova de Nossa Srª do Carmo, Silversea Cruises, The Lodge Hotel, Visit Algarve, Visit Porto and the North, White Shell Beach Villas e Wyndham Grand Algarve, são os expositores confirmados até ao momento.

Através de uma plataforma própria, os buyers terão a oportunidade de pré-agendar 25 reuniões com os expositores, a decorrer entre as 10h00 e as 13h00, e entre as 14h00 e as 17h00, no Centro Pestana de Conferências e Reuniões (antigas Cavalariças do Palácio), onde estão também previstos momentos de networking livre.

Refira-se que o Access Luxury Travel Show (ALTS) foi criado há dez anos em Praga, tendo-se, ao longo destes anos, replicado com sucesso em diversos países da Europa Central e Oriental, através de workshops e roadshows digitais.

Este workshop de Lisboa inaugura a expansão da ALTS para a Europa do Sul. A participação, incluindo jantar, é gratuita para agentes de viagens especializados no segmento de luxo, sendo exigido, porém, uma pré-inscrição, sujeita a aprovação.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.