Edição digital
Assine já
PUB
Distribuição

RAVT formaliza passagem da atividade de grupo de gestão para a GEA

Na sua última convenção e forum, o grupo de gestão da RAVT efetivou a passagem do negócio e carteira de clientes para o grupo GEA.

Publituris
Distribuição

RAVT formaliza passagem da atividade de grupo de gestão para a GEA

Na sua última convenção e forum, o grupo de gestão da RAVT efetivou a passagem do negócio e carteira de clientes para o grupo GEA.

Publituris
Sobre o autor
Publituris
Artigos relacionados
Agentes de viagens portugueses vão poder tornar-se “especialistas” em Macau
Distribuição
Promoção, parcerias e criação de sinergias apontados como ingredientes para afirmação do Enoturismo em Portugal
Turismo
TOURBIT financiou nove PME portuguesas do turismo com 72 mil euros para projetos digitais
Turismo
“Todos os nossos maiores mercados estão cobertos por este aumento de capacidade”, anuncia CEO da TAP na BTL
Aviação
Air Transat aposta no lazer e vê reservas a subir para o verão
Aviação
AP Hotels & Resorts aposta em Sines com nova unidade em 2025
Alojamento
Maioria dos visitantes dos Açores fica satisfeita e 87,1% recomendam o destino
Destinos
Aviação viveu ano mais seguro da última década em 2023
Aviação
Na BTL: Bestravel disponibiliza projeto piloto de aventura interativa
Agências
in.to: Business Tourism mostra na BTL que “o Turismo com Propósito pode beneficiar as empresas”
Meeting Industry

Foi na sua convenção e forum, que decorreu no passado dia 19 de fevereiro, no Hotel Cristal Vieira Resort & Spa, que o grupo de gestão da RAVT efetivou a passagem do negócio e carteira de clientes para o grupo GEA.

Esta mudança, segundo Maria José Silva, CEO da RAVT, “está a realizar-se de forma soft devido às elevadas semelhanças de modelo de operação entre os grupos e entre tipo de agências, com um sentimento positivo e de esperança de todos”.

A executiva dá conta que “apenas duas agências de viagens da rede não seguem integrados em modelos de grupos de gestão, uma vez que alteram o seu foco de atividade das suas empresas, todos os outros seguem unidos e em bloco para a GEA”, destacando que “este facto revela e comprova, uma vez mais, o elevadíssimo grau de fidelização, união e confiança da rede RAVT e na sua liderança”.

Maria José Silva refere que se segue agora um novo ciclo, “uma mudança necessária, para melhor retomarem a atividade e reabilitarem as suas empresas perante um cenário ainda altamente fragilizado, volátil, incerto, feroz e demasiado complexo para as empresas turísticas”. A RAVT mantém a atividade, enquanto agência de viagens IATA especializada em nicho e com as restantes atividades, como sejam, de consultoria, investigação e formação em turismo.

 

Balanço da convenção e fórum RAVT

 

 

A última convenção e Forum RAVT contou com a presença de 85% das agências da rede e ainda 30 stands de fornecedores, num total de 97 participantes.

Segundo nota de imprensa de balanço do evento, pela primeira vez, na produção da rede, em 17 anos, se apresentarem dados com valores negativos e fracos, restando um otimismo muito cauteloso para a produção em 2022 e concentrada num muito curto período temporal.

No evento foram apresentados temas como a caraterização de 2019 a 2021, o Raio X da operação e da distribuição turística, apresentação da performance da rede RAVT e dos fornecedores. Os novos modelos comerciais, as novas plataformas, informações de vendas e de emissões já em contexto de migração sob outra marca. Foram dadas indicações sobre o registo da procura turística e as tendências de comercialização de produtos e de destinos para 2022. Tiveram ainda lugar diversas apresentações dos sponsors principais do evento.

No que concerne à análise de performance e de produção da rede e do mercado das operação e distribuição turística, a RAVT destaca que entre 2020 e 2021 registou uma perda de 18 balcões, aproximadamente 31% da rede. “Algo similar a todo mercado, com maior ênfase nas agências independentes, que registou uma média de perda de 37%. As quebras do parque de agências ocorreram por fases desde março de 2020, com os primeiros estados de emergência e de confinamentos totais”, indica a nota assinada por Maria José Silva.

Realça ainda que, em relação à produção da rede, em valores, produtos, destinos e fornecedores, 2020 apresenta na rede uma quebra média de 73%, com crescimento em 2021 de 115%. No entanto, considerando a produção 2021 versus 2019 ainda se regista, nas mesmas agências ativas na rede nos vários anos, uma quebra de 43%.

Na produção de aviação a quebra é ainda mais acentuada, em cerca de 68% em relação a 2019. Este facto deve-se, de acordo com a CEO da RAVT, “às imensas restrições nas viagens e à mobilidade, ao medo de viajar, a quebras de mercado corporate, bem como pelo maior número de venda de mercado doméstico ou de curta distância, de média de valores inferiores e muito pouco de longo curso”, acrescentando que a aviação registou na rede um share mais elevado concentrado na TAP de 44%, “embora com perda devido ao seu difícil processo de reembolsos, de restruturação e pela perda de procura nos mercados tradicionais fortes da companhia no longo curso, em especial nos transatlânticos e do mercado corporate”.

A gestora sublinha ainda que “registaram-se alterações claras nos tipos de produtos e de destinos que se refletiu num diferente tipo de fornecedores top no mercado”, destacando, neste caso o operador turístico Solférias, que apostou nos destinos abertos mais procurados, tanto de curta distância como nos poucos de longo curso.

Igualmente, conforme foi registado na rede, as agências de viagens consideram vital que o setor do turismo e o poder político tomem algumas medidas para a retoma, isto porque, o futuro é sentido com otimismo ligeiro e cauteloso.

 

“Uma elevada incógnita e incerteza aparece agora, em rescaldo de uma pandemia brutal, ligada a elevadas taxas de inflação, à crise energética e de combustíveis a preços significativamente altos, que obriga a aumento de custos e, consequentemente, de preços nas cadeias de distribuição mundiais em todos os setores e produtos. Sendo que o mais grave cenário e foco de incerteza recai agora na eventualidade de estalar uma guerra na Europa”, estima a RAVT.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Artigos relacionados
Agentes de viagens portugueses vão poder tornar-se “especialistas” em Macau
Distribuição
Promoção, parcerias e criação de sinergias apontados como ingredientes para afirmação do Enoturismo em Portugal
Turismo
TOURBIT financiou nove PME portuguesas do turismo com 72 mil euros para projetos digitais
Turismo
“Todos os nossos maiores mercados estão cobertos por este aumento de capacidade”, anuncia CEO da TAP na BTL
Aviação
Air Transat aposta no lazer e vê reservas a subir para o verão
Aviação
AP Hotels & Resorts aposta em Sines com nova unidade em 2025
Alojamento
Maioria dos visitantes dos Açores fica satisfeita e 87,1% recomendam o destino
Destinos
Aviação viveu ano mais seguro da última década em 2023
Aviação
Na BTL: Bestravel disponibiliza projeto piloto de aventura interativa
Agências
in.to: Business Tourism mostra na BTL que “o Turismo com Propósito pode beneficiar as empresas”
Meeting Industry
PUB
Distribuição

Agentes de viagens portugueses vão poder tornar-se “especialistas” em Macau

Os agentes de viagens portugueses vão poder tornar-se “especialistas” do destino Macau, graças a um programa de e-learning da APAVT lançado esta quinta-feira, durante a BTL, e que estará disponível a partir de segunda-feira.

O presidente da APAVT, Pedro Costa Ferreira, acredita no êxito deste programa que junta a motivação e a grande vontade da Associação, com um “destino turístico maravilhoso que é Macau”, e com a experiência da Message in a Bottle, agência de comunicação que desenvolveu a plataforma.

Pedro Costa Ferreira referiu que “ninguém consegue vender o que não conhece, e nós temos uma enorme motivação de dar a conhecer e dar armas técnicas aos agentes de viagens para vender melhor Macau”. Assim, reconhece que este e-learning “é o princípio de uma caminhada que temos de fazer juntos”.

Por sua vez, Maria Helena de Senna Fernandes, diretora dos Serviços de Turismo de Macau, considerou esta parceria de inovadora, realçando que esta ferramenta “foi concebida para equipar os agentes de viagens em Portugal com conhecimentos abrangentes sobre Macau em diferentes tópicos, incluindo detalhes para quem viajar para o território, gastronomia, património, cultura e entretenimento, transformando-os em verdadeiros especialistas do destino”.

A responsável revelou que há muitas novidades no destino. “Macau está em pleno processo de diversificação turística, temos um forte aumento da oferta em grandes eventos e festividades de turismo, mais convenções e exposições, revitalização das zonas históricas e o turismo multidestinos na Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau, ao mesmo tempo, este ano Macau está empenhada na diversificação nos mercados de visitantes”, apontou, para referir que “para aumentar o número de visitantes de Portugal e de outros destinos internacionais, estamos a unir as celebrações do 25º aniversário do estabelecimento da Região Administrativa Especial de Macau com o lançamento de uma série de ofertas de viagens, incluindo bilhetes de transporte terrestre e de barco a partir de Hong Kong, a par de pacotes em parcerias com companhias aéreas”.

Em 2023 Macau “teve uma boa recuperação turística com a chegada de 28,2 milhões de visitantes, correspondente da 72% dos valores pré-pandemia, por isso, ainda temos espaço para trabalhar”, revelou Maria Helena Senna Fernandes, salientando que “o número de visitantes internacionais em 2023 atingiu cerca de 1,5 milhões, e Portugal, infelizmente, teve apenas seis mil, ou seja, temos ainda muito terreno para conquistar. Entre os nossos visitantes internacionais, Portugal neste momento só equivale a 37% dos valores antes da pandemia, uma vez que, em 2019, gerou quase 16 mil visitantes”. Entretanto, “em janeiro deste ano só tivemos 566 visitantes de Portugal”.

A diretora dos Serviços de Turismo de Macau reconhece que “temos terreno para trabalhar, e o mais importante é que os portugueses tendem a ficar várias noites em Macau, por isso compensa pela estadia”, referiu. Ao mesmo tempo, sublinhou que, “pelas nossas fortes ligações históricas, estou convicta que sentirão um fascínio especial pelo destino. Valorizamos profundamente a ligação entre Macau e Portugal e vemos um enorme potencial para um maior crescimento e colaboração turística, pois as iniciativas que temos alinhado e a forte parceria com a APAVT, estou confiante que estamos no caminho certo para voltar e até melhorar os valores antes da pandemia”.

Maria Helena Senna Fernandes convidou todos os agentes de viagens “a embarcarem nesta viagem connosco para se tornarem embaixadores da rica herança e da vibrante oferta turística de Macau”.

O projeto e-learning, segundo Ruben Obadia, CEO da Message in a Bottle, é que, ao longo de cinco módulos os agentes de viagens em Portugal, na comodidade do seu local de trabalho ou da sua casa possam aprender, de uma forma lúdica e interativa, com fotografias, vídeos e jogos consigam apreender o que Macau tem para oferecer e, no final, sentirem-se recompensados, após avaliação e um teste, com um diploma que lhes confere o título de especialista em Macau, e que é válido por um ano.

O agente de viagens que obtiver melhor classificação nesta certificação acompanhará a APAVT a Macau no próximo ano para experienciar no destino e viver o que aprendeu através deste processo.

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
Agências

Na BTL: Bestravel disponibiliza projeto piloto de aventura interativa

A Bestravel disponibiliza, durante os cinco dias da BTL, uma aventura interativa com base na plataforma ‘Triportation’ powered by Amadeus.

Publituris

Este novo conceito de realidade virtual, desenvolvido em parceria com a Amadeus, de acordo com a rede de agências de viagens em regime de franchising, promete revolucionar a forma como os visitantes interagem com destinos turísticos, estando disponível na feira uma viagem virtual às tartarugas de Cabo Verde.

A Bestravel refere que experiência ‘Triportation’ foi desenhada para ser intuitiva e acessível para visitantes de todas as idades, garantindo que cada participante saia com uma maior apreciação pela beleza e pela importância da conservação marinha.

A experiência estará disponível durante todos os dias da BTL, com a equipa da Bestravel pronta para guiar os visitantes nesta viagem virtual.

“Na Bestravel, estamos sempre à procura de formas inovadoras de envolver os nossos clientes e proporcionar-lhes experiências memoráveis,” referiu Carlos Baptista, administrador da rede, para realçar que, com este projeto-piloto “estamos a testar um novo padrão para um turismo interativo e educativo”.

Refira-se que, o lançamento desta experiência na BTL é apenas o começo de um projeto da marca de oferecer uma experiência mais dinâmica e interativa ao seu cliente, diz a marca, que aponta que, na Bestravel, o uso de tecnologia é fundamental para proporcionar aos viajantes uma nova forma de explorar o mundo antes mesmo de fazerem as malas.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Distribuição

TUI Portugal apresentou novos catálogos na BTL

Novos catálogos e campanha de incentivo para agentes de viagens foram duas novidades do operador turístico TUI Portugal anunciadas no primeiro dia da BTL.

Publituris

A TUI Portugal, que marca presença na BTL com um espaço exclusivo no Pavilhão 4, apresentou ao mercado, esta quarta-feira, três novos catálogos: “Tendências”, “Viagens sem Fronteiras” e “Safaris” – este último em colaboração da Emirates.

“Tendências” TUI é o catálogo que reflete o espírito de especialista do operador, já que inclui uma seleção de destinos-tendência para a temporada 2024/2025. Já o “Viagens sem fronteiras” revela o vasto portefólio de produtos da TUI Portugal, em destinos onde a sua expertise é reconhecida, mas também em novas ofertas para destinos como Moçambique, Sri Lanka, Dubai & Abu Dhabi, Peru, entre outros. “Com um novo formato, acreditamos que este catálogo é uma excelente ferramenta de vendas e de conhecimento do destino”, refere o operador turístico.

“Safaris” é a grande novidade deste ano. Em colaboração com a Emirates, este catálogo é exclusivamente dedicado às experiências de safari, com propostas para destinos como África do Sul, Quénia, Tanzânia, Namíbia e Botswana.

Para os agentes de viagens, a TUI Portugal aproveitou o momento da apresentação dos catálogos para anunciar o lançamento de três ofertas de incentivo. Para o período da campanha exclusiva BTL, que decorre entre 1 e 17 de março, o melhor vendedor dos resorts Hard Rock Maldives e SAii Lagoon Maldives, irá ser premiado com uma estadia de quatro noites, em pensão completa, para duas pessoas combinada entre ambos os resorts. Esta oferta inclui os transferes (ida e volta) em speedboat.

Por outro lado, o primeiro agente de viagens a confirmar cinco reservas para as Maldivas, será contemplado com uma estadia de quatro noites para duas pessoas, em pensão completa, no hotel TUI Blue Olhuveli, de cinco estrelas.

Além disso, o melhor vendedor da campanha BTL da TUI Portugal, ganha uma estadia para duas pessoas, com tudo incluído, no hotel The Mora Zanzibar, de cinco estrelas, que irá estrear a nova marca do Grupo TUI, no nicho dos hotéis de luxo.

Nos dias abertos ao público (1 a 3 de março), o operador turístico volta a disponibilizar no seu stand balcões de atendimento para apoio ao cliente final, com mais de 150 ofertas a serem disponibilizadas ao mercado, com descontos e condições exclusivas em vários destinos. Para quem fizer a reserva presencialmente na BTL, a TUI Portugal tem reservado um brinde especial e uma vantagem adicional no sorteio de uma viagem a Bali, com estadia para duas pessoas no cinco estrelas The Mulia Resort.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Distribuição

Sonhando reforça operação charter para Djerba em voos TAP de 5 de junho a 18 de setembro

O operador turístico Sonhando anunciou, esta quarta-feira, no primeiro dia da BTL, que colocou à venda no mercado o sexto veio para a Tunísia, o segundo de Lisboa para Djerba, que vai ser operado pela TAP Air Portugal, às quartas-feiras, entre 5 de junho e 18 de setembro, num total de 15 partidas.

“Depois de uma grande luta é, para nós, uma vitória”, dizia José Manuel Antunes, diretor-geral da Sonhando, quando se referia, esta quarta-feira, durante a BTL, ao reforço da sua programação charter de verão para a Tunísia, designadamente, entre Lisboa e Djerba com a TAP, “colaboração essa que se tinha perdido desde a pandemia e que volta a existir no mercado português, uma excelente notícia para o trade e para os operadores turísticos e penso que também para a TAP”.

Outro dado importante avançado aos jornalistas por José Manuel Antunes: “Chegámos ao princípio da BTL com um aumento de vendas em relação ao ano anterior superior a 300%, que é uma coisa alucinante, e isso deve-se, sobretudo, ao facto de termos antecipado a distribuição e divulgação da programação, mas deve-se, também, na minha opinião, a uma reeducação do mercado em saber que, com a venda antecipada, tem mais benefícios do que com o last minute. Isto é muito importante para nós operadores, para os agentes de viagens e também para todo o trade.

Por sua vez, no encontro com os jornalistas, Fernando Bandrés, diretor comercial da Sonhando referiu que “em relação à programação charter para este verão, estamos a reforçar os destinos que já tínhamos, avançando que a novidade é a ligação de Lisboa para Hurgada e “aí temos feito um reforço da contração dos serviços terrestres para poder também comercializar hotéis na zona turística de El Gouna, que é se localiza a norte do aeroporto de Hurgada, que podemos considerar como uma Vilamoura do Mar Vermelho, com segmento mais de alto ao nível da hotelaria e de qualidade que podemos encontrar na estância turística”.

No entanto, o diretor geral do operador turístico disse que “temos tudo preparado para a operação entre Lisboa e Hurgada, mas falta-nos o slot, que ainda não estão todos distribuídos”.

José Manuel Antunes apontou que “temos a nossa sede em Lisboa, gostamos muito do mercado do Porto, mas o nosso negócio principal está em Lisboa”, acrescentando que, por exemplo, para Monastir, na Tunísia “temos dois voos semanais do Porto e zero de Lisboa porque não conseguimos arranjar slot, o que é inacreditável. E para conseguir viabilizar o segundo voo de Djerba, onde temos três do Porto, foi preciso meter a TAP ao ‘barulho’, que deixou de aproveitar um slot de um voo regular para realizar esta operação”, frisou, para acentuar que “a situação é mesmo dramática”.

Para além do reforço da operação charter para a Tunísia com este sexto voo, Bandrés destacou que o operador turístico mantém os destinos clássicos da casa como é o Porto Santo.

Mas há outras novidades, salientou o diretor comercial do operador turístico: “Uma pequena seleção de circuitos pela Ásia que iremos lançar nas próximas semanas – Vietname, Camboja, Sri Lanka, um produto completamente novo para a Sonhando e acho que vai ser também uma mais-valia para o trade, que inclui também a Ásia Central, nomeadamente, o Casaquistão, Turquestão, destinos novos no mercado português”.

José Manuel Antunes destacou que no ranking das vendas neste momento são o Porto Santo, do Porto, em primeiro lugar, e o Djerba, de Lisboa, em segundo, “destinos que, no final da semana passada já tínhamos ultrapassado os 50% do total da operação, ou seja 64% e 52% de todos os lugares disponíveis, respetivamente”.

Refira-se que, em charters, a Sonhando tem contratados 8.071 lugares, dos quais 2.596 já estão vendidos.

A concluir, José Manuel Antunes deu conta que o Brasil, em voos regulares para cinco destinos com a TAP, está a vender muito bem, “o que é para continuar a reforçar”, bem como a ‘menina bonita’ da Sonhando, São Tomé e Príncipe, “onde estamos a crescer a três dígitos face ao ano anterior, e que queremos continuar a apostar porque, é um grande destino, há novas unidades hoteleiras, e a satisfação dos clientes é cada vez maior”.

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
Distribuição

Grupo Ávoris reafirma compromisso de manter em Portugal uma aposta de futuro e consolidada

O Grupo Ávoris, que reuniu esta terça-feira, num jantar, em Lisboa, os seus parceiros de negócio da área da distribuição, assumiu que quer manter em Portugal uma aposta de futuro e consolidada, nas palavras do seu diretor de vendas para o nosso país, Constantino Pinto.

Numa breve intervenção, Constantino Pinto, diretor de vendas da Ávoris em Portugal agradeceu a presença dos seus parceiros de negócio da área da distribuição, e manifestou o apreço do grupo de viagens por “estarem aqui conosco e estarem ao nosso lado nesta caminhada que estamos a fazer em conjunto”, ao mesmo tempo que reiterou “o nosso firme e empenhado compromisso em tudo fazer para ir ao encontro das vossas necessidades e a dos vossos clientes”.

O diretor de vendas do grupo Ávoris no nosso país lembrou, na sua breve intervenção que “temos feito uma aposta muito forte em Portugal, acho que não há margens para dúvidas, mas queremos que seja uma aposta de futuro, consolidada, daí que tentamos não cometer loucuras e ir passo a passo, e só damos o passo em frente quando temos a certeza que o terreno é suficientemente firme para nos alavancar para a frente”, realçou.

Constantino Pinto apontou que “o compromisso está aqui assumido diante de todos, com todas as marcas do grupo, mas o que queremos demonstrar é que estamos aqui para servir o mercado turístico em Portugal, apoiar aqueles que intervêm diretamente neste mercado e para dizer que contem conosco para tudo, com seriedade, com rosto, com transparência e com o genuíno espírito de serviço ao setor e àqueles que trabalham seriamente neste setor”.

No evento, que contou com a presença dos responsáveis e colaboradores do grupo em Portugal e Espanha, também Javier Castillo, diretor-geral da área de tour operação e distribuição da Ávoris Corporación Empresarial, dirigiu umas breves palavras aos parceiros portugueses destacando a importância do mercado português para o grupo.

Javier Castillo garantiu o compromisso da Ávoris com o negócio e com a indústria das viagens e do turismo, e que o grupo vai “continuar a gerar negócio e riqueza para as agências de viagens”.

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
Distribuição

Operadores do grupo Newtour lançam campanhas especiais de vendas para a BTL

Os operadores turísticos do grupo Newtour – Egotravel, Turangra e Soltrópico, lançaram campanhas especiais de vendas para a BTL com validades entre 28 de fevereiro e 18 de março.

Publituris

Intitulada “Verão de Mala Cheia”, a campanha da Egotravel é uma oportunidade de vendas bastante competitiva para os agentes de viagens oferecerem aos seus clientes as melhores férias de verão com condições especiais.

A campanha inclui preços especiais em partidas charter cuidadosamente escolhidas e é aplicável a todos os produtos Egotravel. Os descontos e comissões extra estarão visíveis no site do operador turístico, proporcionando transparência e facilidade no processo de reserva.

Por sua vez, a Turangra, operador especialista em viagens para os Açores, acaba de lançar a sua campanha especial de vendas para a BTL intitulada “Açores de A a Z”.

A campanha inclui preços competitivos em partidas selecionadas e é válida para todos os produtos disponíveis no portfólio da Turangra. Todas as promoções e vantagens comerciais estarão indicadas no site.

Também, a Soltrópico disponibiliza a sua tradicional campanha de vendas “Escaldão”, para todos os destinos que programa, especialmente a operação charter, nomeadamente Porto Santo, Saidia e Ilha do Sal.

Durante o período promocional, os agentes de viagem poderão aproveitar descontos adicionais em partidas charter selecionadas e comissões extras refletidos diretamente no site da Soltrópico, proporcionando aos agentes de viagem uma vantagem competitiva no mercado neste momento especial de vendas.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Distribuição

DS Travel inaugura nova loja em Santo Tirso

A nova loja da DS Travel em Santo Tirso abriu a 7 de fevereiro e disponibiliza um “serviço personalizado e independente na área do turismo”.

Publituris

A DS TRAVEL abriu, a 7 de fevereiro, uma nova loja em Santo Tirso, espaço que funciona diariamente e que, segundo a marca de turismo do GRUPO DECISÕES E SOLUÇÕES, oferece um “serviço personalizado e independente na área do turismo”.

Localizada na Av. de Sousa Cruz, n.º 625, R/C, a nova loja da DS Travel em Santo Tirso foi inaugurado pelo diretor-geral do Grupo DECISÕES E SOLUÇÕES, Paulo Abrantes, numa cerimónia que contou também com a presença da diretora coordenadora nacional da DS TRAVEL, Marta Almeida; do diretor comercial da DIT Portugal, Ruben Nunes, ainda do vice-presidente da Câmara Municipal de Santo Tirso, Nuno Linhares.

“Estamos muito entusiasmados com este projeto. As férias além de um direito são uma necessidade para todos, para usufruir daquele merecido descanso depois de um ano de trabalho. Por isso, queremos oferecer aos nossos clientes propostas diferenciadas, sendo facilitadores de todo o processo que uma viagem implica, desde voos, hotéis, seguros de viagem entre outros”, consideram Bruna Martins e André Machado, diretores da DS Travel Santo Tirso.

A DS TRAVEL oferece um serviço personalizado e inovador, com programas de viagens adaptados a cada cliente e, além do serviço de organização de viagens, disponibiliza também serviço ao nível da intermediação de crédito, numa oferta completa, que está concentrada num único espaço.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Distribuição

Solférias já vendeu mais 59% face ao mesmo período de 2023 e procura reforçar capacidade para alguns destinos em charter

“Em período homólogo de 2023, estamos 59% acima do que diz respeito às vendas”, revelou Sónia Regateiro, diretora de Operações da Solférias, no encerramento, em Lisboa, do roadshow de apresentação da sua programação aos agentes de viagens, que percorreu também as cidades do Porto e Coimbra. Assim, o operador turístico está a tentar reforçar a capacidade para alguns destinos em charter, mas o problema são os limitações do aeroporto de Lisboa.

Sem contar com o “boom” de vendas que nos últimos anos se tem verificado na BTL, Sónia Regateiro, diretora de Operações da Solférias, disse aos jornalistas, no encerramento, esta segunda-feira, em Lisboa, do roadshow de apresentação da sua programação 2024 aos agentes de viagens, que até este momento, as vendas estão 59% acima do período homólogo de 2023.

Esclareceu que a operação de Djerba, à saída de Lisboa está praticamente esgotada, e já há também partidas do Porto para o Senegal esgotadas em agosto, ou seja, “já existem muitos voos sem disponibilidade para as vendas na BTL”, apontou a responsável do operador turístico.

No entanto, Sónia Regateiro assegurou que “estamos a fazer todos os esforços para conseguir lançar mais novidades ao nível do aumento de capacidade dos nossos destinos charter, porque tudo o que foi a campanha antecipadas correu bem”, acrescentando que “os portugueses têm cada vez mais antecipado as suas compras, e mesmo no ‘Black Friday’, que aconteceu em novembro, nunca houve tanta procura de verão como aconteceu o ano passado”, para ainda acentuar que “tem sido uma perfeita loucura a antecipação das vendas”. Este aumento de lugares será, predominantemente, nas partidas do Porto e possivelmente um de Lisboa, mas não avançou mais pormenores.

Os destinos mais vendidos, segundo a diretora de Operações da Solférias, não têm mudado muito. Já o ano estiveram no topo Cabo Verde, Disneyland Paris, Tunísia e o Senegal, o que tem acontecido nesta altura de 2024 em número de passageiros.

A respeito do roadshow, Sónia Regateiro indicou que “este formato lançado o ano passado, de salas decoradas, este conceito imersivo e agradável para os agentes de viagens que, depois de um dia de trabalho ainda se dispõem a vir ter conosco e com os nossos parceiros, foi um sucesso”. Assim, este ano “tentámos superar ao nível dos espaços e, com o patrocínio da Disneyland Paris à entrada dos eventos, conferiu alguma magia, e a adesão foi fantástica. É um conceito que queremos repetir e continuar porque achamos que são eventos que prestigiam o turismo em geral no nosso país, até porque há muito poucos desta grandiosidade e desta dimensão”, enalteceu.

No Porto compareceram 444 agentes de viagens, em Coimbra 200, e em Lisboa estiveram inscritos 468, que tiveram a oportunidade não só de tomar contacto com todos os destinos programados pela Solférias para 2024, sejam os charters como em voos regulares garantidos, como contactar com 78 parceiros do operador turístico, contra cerca de 42 presentes em 2023.

A oferta charter da Solférias em 2024 ultrapassa, de longe a existente no período pré-pandemia, destacou, tendo afirmado que “é a maior de sempre”. E disse que “se o aeroporto de Lisboa deixasse seria ainda muito mais”. A responsável realçou que por esta razão, “sentimos um estrangulamento gigante de crescimento”.

É também por esta razão que a Solférias não apresenta este ano ao mercado novos destinos em operações charter, tendo apostado em consolidar os repetentes e olhando sempre para os mais recentes como é Zanzibar lançado em 2023, e o Senegal, em 2022. “O aeroporto de Lisboa não nos permite grandes invenções nem apostar em grandes novidades. Estamos sempre limitados até em relação aos destinos que habitualmente fazemos e com dificuldades de aprovação de slots”, explicou.

Assim, as novidades do operador turístico assentam em programação em voos regulares, tendo inclusivamente relançado Moçambique, destino que deixou de ser operado antes da pandemia, “até pela retoma dos voos da LAM, além dos da TAP”, frisou, indicando que “tem despertado muito interesse”.

“Abrimos também mais destinos na Ásia como o Vietname, Camboja, Laos e Polinésia Francesa, e estamos a reabrir as vendas para os Estados Unidos”, contou-nos Sónia Regateiro, que concluiu que o preço dos pacotes turísticos, face a 2023, aumentaram este ano entre os 6% e os 10%.

 

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
Distribuição

Solférias promove iniciativa “Vender = Receber” sobre Maldivas e Maurícia

O operador turístico Solférias lançou para os agentes de viagens dois desafios no âmbito da iniciativa “Vender = Receber, premiando vendas para as Maldivas e Maurícia.

Publituris

Assim, em relação à Maurícia, a Solférias, em colaboração com o Hotel Lux Belle Mare vai premiar as melhores vendas para esta unidade hoteleira que consta da sua programação, para o período de reserva até 31 de março de 2024 para viagens até 30 de abril.

Por cada reserva, o agente de viagens poderá ganhar um voucher Amazon de 150€ ou uma noite grátis no Lux Belle Mare. As noites ganhas devem ser utilizadas até abril de 2025, e os quartos estão sujeitos à disponibilidade no momento da reserva.

Refira-se que os incentivos são baseados apenas em reservas confirmadas e aplicáveis apenas às reservas efetuadas através da Solférias.

O operador turístico já habituou os agentes e agências de viagens a desafios que premeiam não só a preferência pelos programas e destinos Solférias, como as melhores vendas para determinado destino ou para determinado parceiro.

Em relação às Maldivas, o parceiro são os Hotéis Adaaran para período de reserva até 31 de março de 2024 para viagens até 31 outubro.

A cada 20 noites reservadas, o agente ganhará três noites grátis em qualquer um dos resorts Adaaran à escolha e mediante disponibilidade. As noites grátis ganhas pelo agente ou agência de viagens são em regime do tudo incluído, em ocupação dupla, incluindo transferes de ida e volta para duas pessoas.  As noites ganhas devem ser utilizadas entre 1 de maio de 2024 e 30 de setembro do mesmo ano.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Foto: Depositphotos.com

Distribuição

A posição da DECO sobre a proposta de revisão da Diretiva das Viagens

A Diretiva das viagens, em vigor desde 2018, revelou falhas na resposta em episódios críticos como a pandemia Covid 19 e a insolvência de grandes operadores. Agora, a Comissão apresentou uma proposta de alteração e a DECO salienta o que deve ser modificado para garantir a proteção dos consumidores.

Publituris

A Diretiva (UE) 2015/2302 relativa às viagens organizadas e aos serviços de viagem conexos (Diretiva 2015/2302), propunha-se, atendendo à evolução do mercado, e ao regime consagrado pela Diretiva 90/314/CEE, adaptar o âmbito de proteção em matéria de viagens organizadas aos consumidores, atendendo à evolução registada, aumentando a transparência e reforçando a segurança jurídica de viajantes e operadores, tendo presente que os serviços de viagem cada vez mais são propostos e contratados nos canais digitais e não se limitam a combinações sob a forma de viagens pré-organizadas tradicionais, sendo muitas vezes combinados de forma personalizada.

A Diretiva 2015/2302 revela-se um importante instrumento de proteção dos consumidores, desde logo, face às regras relativas à proteção em caso de insolvência de um operador turístico. Com efeito, e embora lhe possam ser atribuídas um conjunto significativo de lacunas, estabelece um importante conjunto de direitos para os viajantes e define os termos em que os operadores devem ser responsabilizados e em que termos podem ou não alterar as condições contratadas, no quadro da dinâmica subjacente a este mercado.

No entanto, a Diretiva assentou num conjunto de definições extremamente complexo e em algumas regras que se revelaram pouco claras, situações que têm trazido dificuldades na sua aplicação prática.

Por outro lado, a opção de focar a proteção financeira dos viajantes conferida pela Diretiva apenas na insolvência, a opção de deixar de fora do seu âmbito a contratação de serviços avulsos, e a ausência de regras prescrevendo um regime de responsabilidade pelo cumprimento do contrato no que respeita aos serviços conexos limitam o quadro de proteção aos viajantes resultantes da Diretiva e, deveriam, no entendimento da DECO, ser alguns dos pontos de partida para a sua alteração. Lamentavelmente o caminho traçado pela Comissão foi distinto, mantendo de fora a contratação de serviço avulsos e regras contratuais para os serviços conexos, e embora a Proposta de alteração da Diretiva aborde a necessidade de clarificação de conceitos chave como o de viagens organizadas e de serviços conexos, e de determinadas regras relacionadas com a possibilidade de rescisão do contrato pelo viajante em caso de circunstâncias extraordinárias, e ainda, acerca do âmbito da proteção contra a insolvência, a verdade é que, fica, assim, aquém do que a DECO consideraria necessário.

Acresce que, a Proposta de alteração da Diretiva nada acrescenta ou revê em termos de disposições que visem garantir o seu cumprimento e dissuadir infrações, designadamente em termos de sanções, cuja harmonização baseada numa percentagem do volume de negócios anual do profissional ao nível da UE se considera recomendável.

Conheça a posição detalhada da DECO sobre as diferentes alterações apresentadas e o que, no entendimento da Associação, deve, ainda, ser alterado.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.